Controle da mídia sempre esteve no foco de tucanos e petistas

 No caso do controle da mídia, um dos aspectos mais atacados pelos críticos do texto do programa de Direitos Humanos de Lula, o assunto já aparecia, com outras palavras, nos projetos do governo tucano. Em 1996, de maneira comedida. A ideia era só ''promover o mapeamento dos programas radiofônicos e televisivos'' que estimulassem a apologia do crime, da violência, da tortura e das discriminações em geral, com o objetivo de ''identificar responsáveis e adotar as medidas legais pertinentes''.

Evoluiu-se em 2002 para ''apoiar (...) o controle democrático das concessões de rádio e televisão'' e também ''regulamentar o uso dos meios de comunicação social'' para ''coibir práticas contrárias aos direitos humanos''. Para isso, propunha a ''fiscalização da programação das emissoras de rádio e televisão, com vistas a assegurar o controle social sobre os meios de comunicação e a penalizar [sic], na forma da lei, as empresas de telecomunicação que veicularem programação ou publicidade atentatória aos direitos humanos''. Em resumo, desde 2002 o plano já propunha enquadrar os meios de comunicação que não se adequassem aos ditames do governo nessa área. Agora, com o texto de 2009, o governo petista sistematizou como seria essa fiscalização.(Informações da Folha de S.Paulo)

Publicado em: 12/01/2010