O dançarino candidato chapa branca de Arcoverde

Localizada a 250 km do Recife, Arcoverde virou território sem lei. As rígidas regras eleitorais são desrespeitadas todo santo dia pelo candidato oficial, o chapa branca Wellington Maciel (MDB), apoiado de última hora por falta de opção pela prefeita Madalena Britto (PSB), cujo mandato é rejeitado por quase metade da população, segundo pesquisa do Opinião, na qual o trabalhista Zeca Cavalcanti impõe uma frente de 20 pontos percentuais.

Pelo calendário eleitoral, a campanha de rua propriamente dita só será autorizada a partir do próximo dia 27. Mas Wellington da LW, nome de guerra que adotou, antecipou o calendário para hoje. Acha que por ser muito rico, pode tudo. Na Sociedade Campestre de Arcoverde, ao lado da esposa, deu provas que tem samba no pé, aliás nem sei (desculpem minha ignorância) como se traduz essa dança, que puxa ao lado da esposa e aliados.

Em tempo: chapa branca comete um duplo crime: rasga o código que rege as eleições e viola o decreto do governador Paulo Câmara, seu algoz, por ter vasculhado suas empresas lá atrás. Não está nem aí para a canetada de quem manda no Estado, pela qual obrigou o uso de máscara em locais públicos.

Wellington da LW também não se compadece dos quase 1,5 mil infectados e 48 mortos por Covid-19 na cidade ao dançar sem máscara ao lado de outros igualmente sem proteção. A dança macabra do candidato apoiado por Madalena repercutiu muito mal entre os arcoverdenses e pode custar vidas.

Publicado em: 20/09/2020