PT de Abreu e Lima deve retirar apoio a Katiane Gadelha

Um grupo de militantes do Partido dos Trabalhadores de Abreu e Lima emitiu, hoje, uma nota questionando a decisão da direção municipal do partido de declarar apoio à pré-candidata a prefeita do município, Katiana Gadelha (PDT).

De acordo com a nota, a direção descumpriu as regras estatutárias do partido quando definiu o apoio. Leia a nota na íntegra:

“Desde o último PED, processo eleitoral de escolha das direções do PT em todo o país, o Partido dos Trabalhadores em Abreu e Lima vem sofrendo imenso esvaziamento político. A chapa vencedora foi montada fora do partido com o objetivo de tomar o PT para depois negociá-lo. A partir disso montou-se uma operação de guerra para mobilizar pessoas a irem votar, sem nenhum debate político.

O resultado não poderia ser outro: um partido esvaziado, com uma direção de faz de conta e liderado por quadros sem história no PT ou nas lutas populares da cidade.

Nesse contexto, fomos surpreendidos com a notícia de que o PT havia realizado o Encontro de Tática Eleitoral no mês de junho, e nesse Encontro havia sido deliberado o apoio à pré-candidatura de Katiana Gadelha, do PDT. Descumprindo as regras estatutárias do PT, simulou-se a realização de um Encontro que sequer foi convocado, com vistas unicamente a homologação do resultado desejado previamente por aquele grupo. A história do PED se repetiu: o PT, com toda a sua história, sendo administrado sem respeito às regras partidárias, a partir de interesses externos.

Tomando conhecimento disso recorremos à Direção Estadual do partido, que através do Grupo de Tática Eleitoral Estadual acolheu nosso pedido e determinou a marcação do Encontro em Abreu e Lima, a ser feito seguindo as regras e com a presença de todos grupos e delegados.

O prazo regimental para se fazer a atividade terminou no último domingo dia 02/08, mas a Direção Municipal, ignorando nossa solicitação e a determinação da instância superior, nada convocou.

Diante disso, contra o esvaziamento político do partido e contra a entrega do PT ocorrida desde o último PED, nós externamos publicamente que não consideramos ter havido o Encontro em Abreu e Lima e não reconhecemos o resultado da simulação que buscou-se fazer.

No PT é preciso respeitar a democracia interna e os fóruns coletivos de decisão. Um grupo não pode sozinho tomar decisões e impedir o debate e a participação democrática de posições divergentes.

Encaminharemos à Direção Estadual e às instâncias superiores do PT nossa posição e discutiremos com o conjunto da militância do partido qual caminho os petistas deverão seguir nas próximas eleições”.

Publicado em: 05/08/2020