Coluna da quinta-feira

Candidatura de mentirinha

Ninguém levou a sério o anúncio, ontem, do deputado federal Túlio Gadelha para disputar a Prefeitura do Recife nas eleições de novembro próximo. Seu ato foi solitário, não contou com o aval e a solidariedade de quem manda no PDT, o seu partido: o grupo Queiroz, do ex-prefeito de Caruaru e deputado José Queiroz, e do filho Wolney, deputado federal, presidente estadual da legenda, líder da bancada na Câmara dos Deputados. Ambos silenciaram sobre o assunto. Presidente nacional e aliado dos Queiroz, Carlos Lupi também não deu um pio.

Traduzindo em miúdos, a candidatura de Gadelha, o jovem cabeludo que arrebatou o coração da apresentadora global Fátima Bernardes, só existe para ele próprio. Nem mesmo seus aliados mais próximos acreditam nas chances dele levar o projeto à frente, até porque está muito distanciado do Recife. Em quase dois anos de mandato, o deputado ignorou completamente a capital pernambucana, que lhe confiou 25 mil dos 75 mil votos nas eleições de 2018.

Difícil, se não impossível, identificar nos anais da Câmara dos Deputados um único pronunciamento do parlamentar enfocando problemas do Recife. Também não conheço projetos formais que ele apresentou para favorecer o Estado, especialmente a capital. Igualmente, não tenho informações de suas emendas federais para programas no Recife. O deputado, portanto, não fez até agora do seu mandato uma tribuna em favor do Recife.

Sua ação parlamentar está voltada, basicamente e unicamente, para o enfrentamento ao Governo Bolsonaro. Aliou-se ao que há de mais radical contra as políticas do Governo Federal. Tromba fortemente com qualquer ação do Governo, vota contrário aos projetos de Bolsonaro, mesmo tendo um apelo social. Se tudo isso não fosse suficiente para descrer da sua candidatura, Gadelha terá como principal adversário o seu próprio partido.

José e Wolney Queiroz, comprometidos com a candidatura de João Campos, do PSB, à sucessão de Geraldo Júlio, farão de tudo para barrar o projeto majoritário de Gadelha. O deputado também não tem chapa competitiva para a Câmara de Vereadores nem a mínima chance de atrair partidos para a sua coligação. O tempo, que é o senhor da razão, confirmará tudo isso.

Vice de Marília – Túlio Gadelha, na verdade, é o candidato a vice-prefeito dos sonhos da pré-candidata a prefeita do Recife, Marília Arraes. Principal liderança nacional do PDT, o ex-ministro Ciro Gomes é adepto da aliança formal do partido com o PT de Marília, mesmo no plano nacional assumindo uma postura agressiva em relação aos principais líderes petistas, a começar pelo ex-presidente Lula. Marília e Gadelha têm afinidade, já trataram dessa dobradinha em algumas ocasiões, mas não avançaram, sobretudo, porque Gadelha não tem autonomia no PDT para deliberar sobre essa aliança.

Aval de Ciro – O namorado de Fátima Bernardes fez o anúncio da sua candidatura ao lado dos candidatos a vereador Adriana Rocha e Pedro Josephi. Na sua fala, disse que tinha o aval do presidenciável Ciro Gomes e que o partido no Recife não poderia ficar a reboque de convenções impostas pelo PSB, que controla a Prefeitura. “Acabou esse tempo de ganhar por WO”, disse, referindo-se ao pré-candidato do PSB, João Campos, que tem o apoio das duas principais lideranças do partido no Estado, o ex-prefeito de Caruaru, José Queiroz, e seu filho José Queiroz, líder pedetista na Câmara e presidente do diretório estadual.

Patriota se antecipa – O deputado federal Gonzaga Patriota está convicto de que o PT não banca a candidatura de Marília Arraes no Recife e se antecipou em Petrolina no apoio ao candidato do PT, Odacy Amorim, certo de que a aliança PSB-PT será mantida na capital. “Vejo na imprensa informações do apoio do diretório nacional do PT a brava e digna colega Marília Arraes, mas, como o diretório estadual apoia a candidatura de João Campos, no Recife, esse apoio deve permanecer. Eu nunca vi uma decisão da nacional se sobrepor as deliberações no Estado. O natural é que haja apoio às decisões locais”, disse.

Prisão – Três assessores parlamentares na Câmara do Cabo de foram presos na Operação Rateio II, deflagrada ontem. Segundo a Polícia Civil, eles são integrantes de uma quadrilha envolvida em crimes de peculato, falsidade documental e frustração de direito trabalhista. Esta é a segunda fase da operação que prendeu o vereador Flávio do Fórum (PL) e investiga um possível esquema de "rachadinha" no gabinete do parlamentar. A prática ocorre quando funcionários públicos e prestadores de serviço repassam para o político com quem trabalham parte do salário que recebem. A suspeita da Polícia Civil é de que o vereador tenha se apropriado indevidamente de até 90% dos salários dos comissionados da Câmara. Os nomes dos três assessores presos não foram divulgados pela Polícia Civil, que informou que eles trabalhavam para o vereador Flávio do Fórum e foram afastados do cargo na primeira fase da Operação Rateio.

CURTAS

MAIS PRISÕES – Uma quadrilha envolvida com crimes de homicídio e tráfico de drogas foi desarticulada, ontem, pela Operação Correntes, deflagrada pela Polícia Civil. Ao todo, foram cumpridos 18 mandados de prisão temporária e 11 mandados de busca e apreensão domiciliar. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara da Comarca de Escada, na Zona da Mata do Estado. As investigações tiveram início no mês de setembro de 2019 e foram assessoradas pela Diretoria de Inteligência da Polícia Civil (Dintel). Em nota, a Polícia Civil informou que esta é a 32ª operação de repressão qualificada do ano. Participam dela 88 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães.

ESVAZIAMENTO – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a minimizar a importância da saída de seu partido, o DEM, e do MDB do bloco liderado por Arthur Lira (PP-AL). Dessa vez foi mais direto: “Nenhuma tentativa de enfraquecer a liderança do Arthur Lira vai vingar”, disse. Na segunda-feira passada, tornou-se pública a informação de que os dois partidos deixarão o grupo. Com as saídas, o bloco passará de 221 deputados para 158. A composição do bloco, ainda não desfeita formalmente, dá a Arthur Lira o poder de assinar por 221 deputados documentos em plenário.

LIVE COM JANAÍNA – Excepcionalmente, a segunda live da semana deste blog pelo Instagram será realizada, amanhã, às 18 horas, tendo como convidada a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL-SP), a mais votada no País, com mais de dois milhões de votos. Vai falar da crise nacional, do Governo Bolsonaro e do seu afastamento do presidente. Se você ainda segue o Instagram deste blog anote: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: A suposta candidatura de Túlio Gadelha a prefeito do Recife se traduz apenas em barganha?

Publicado em: 29/07/2020