Confira frases de Severino Cavalcanti

Do G1

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Severino Cavalcanti, morreu na madrugada de hoje, aos 90 anos, no Recife. Veja frases polêmicas ditas por ele:

Maio de 2005

"Eu fiz realmente [campanha para elevar o salário dos deputados] porque o deputado tem que ter salário à altura de sua responsabilidade. Acho que o salário é pequeno em função da sua responsabilidade", disse, em sabatina da Folha de S.Paulo.

Na mesma ocasião, o ex-parlamentar comentou sobre nepotismo. "Por que o meu filho não deveria ser nomeado? Só porque é meu filho? Ele deveria ser punido? Gostaria que se fizessem estas perguntas aos dirigentes das empresas. Os jornais Folha de S.Paulo ou Estado de São Paulo não são dirigidos de pai para filho? Qual a diferença?", questionou.

Ainda na mesma sabatina, Severino Cavalcanti falou sobre sua postura diante da legislação brasileira da época. "Eu não transgrediria nenhuma lei, procuraria as facilidades das leis, eu podendo ter as facilidades das leis eu daria para um amigo", afirmou.

Setembro de 2005

“Infelizmente, atraí forças antagônicas poderosas e destruidores. A elitezinha, essa que não quer jamais largar o osso, insuflou contra mim seus cães de guerra”, disse ao anunciar sua renúncia da presidência da Câmara após denúncia de que cobrou propina para renovar contrato com restaurante da Casa.

“O político levou o bem-sucedido comerciante à bancarrota. Estes, sim, o verdadeiro empobrecimento ilícito”, disse também durante anúncio de renúncia.

“Meus acusadores, entretanto, não me deixaram alternativa. Optei, sim, pela renúncia porque já me sabia condenado de antemão”.

Setembro de 2012

“Da política eu me não me afasto, não, só depois de morrer”, disse após desistir de tentativa de reeleição no município pernambucano de João Alfredo.

Setembro de 2014

“Não podia existir coisa pior do que está acontecendo. A posição da presidente Dilma Rousseff não é segura, não se pode confiar que ela vá encontrar solução. O país está naufragando”, afirmou em entrevista ao G1 meio à crise política durante governo da ex-presidente petista.

“O que tem que haver é uma solução para o destino do país. O país não pode continuar acéfalo como está. Ninguém sabe com quem precisa falar”, declarou, sobre a conjuntura política do país, na mesma entrevista.

Publicado em: 15/07/2020