Coluna da terça-feira

Mortes rondam o Interior

O novo coronavírus avança cada vez mais nos municípios do País, levando pânico, espalhando o terror da morte e isolando cada vez mais as pessoas. Num instante em que o comércio começa a voltar por etapas, com a expectativa de abertura dos shoppings também, no Sertão pernambucano se impregna um rastro de mortes. Em Tabira, no último fim de semana, morreu a esposa de um amigo meu da família Pires, tradicional da cidade, e ele próprio está numa UTI no Recife.

No resto do País, já causou mais mortes no Interior de alguns estados brasileiros do que nas regiões metropolitanas das capitais. Análise exclusiva feita pela GloboNews, com dados do IBGE e da plataforma colaborativa Brasil.io, mostra que pelo menos seis Estados já registram mais mortes em cidades afastadas dos grandes centros urbanos: Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Parará, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Tocantins. Na Região Sul, todos os três Estados já registram mais mortes em cidades do interior.

Em Santa Catarina, os números são os mais altos do País: 91% das mortes registradas estão fora da metropolitana de Florianópolis. A capital, entretanto, foi exemplo no combate à pandemia, chegando a taxa de mortalidade de apenas 1%. No Rio Grande do Sul, 68% dos óbitos se encontram no Interior do Estado. No Paraná, a taxa chega aos 60%. No Norte, Tocantis é o único estado que se encontra nessa situação. Ali, o coronavírus fez mais vítimas nas cidades interioranas.

Ao todo, 82% das mortes se concentram nessas cidades. Já na região Sudeste, onde os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro lideram o ranking de casos e óbitos no País, Minas Gerais se destaca pelo efeito da interiorização do novo coronavírus. O Estado registra 71% dos óbitos nas cidades fora da região metropolitana da capital. O subsecretário de Vigilância em Saúde, Dario Ramalho, admitiu que há subnotificação em Minas Gerais e que o Governo trabalha com uma estimativa de um caso confirmado para 10 casos assintomáticos no Estado.

Na região Centro-Oeste, Mato Grosso do Sul foi o único Estado onde a maior parte das mortes ocorreu no Interior: 67%. Os outros 33% das mortes ocorreram na capital, Campo Grande. No caso de Pernambuco, especificamente, preocupa, por exemplo, a cidade de Serra Talhada: 228 casos confirmados, cinco óbitos. Do total, entretanto, vem a boa notícia: 145 pacientes recuperados e 78 em recuperação. É preciso que governador entenda que não adianta apenas derramar rios de dinheiro no Recife. O Interior passa a ser, a partir de agora, uma grande preocupação.

Boa notícia – Pouco mais de dois meses após a sua inauguração, o hospital de campanha municipal de Manaus deixou de atender novos pacientes a partir de ontem. O anúncio foi feito pelo prefeito Arthur Neto (PSDB), que embasou a decisão "na redução de casos da doença na capital". Manaus concentrava, até a manhã de ontem, mais de 23 mil dos 56,5 mil casos de Covid-19 no Amazonas. Inaugurado às pressas em 13 de abril, o hospital curou mais de 570 pacientes – entre eles, 28 indígenas – que precisaram de internação e, até ontem, atende apenas 46. Estes ainda receberão todo tratamento necessário antes que as atividades médicas sejam encerradas na unidade. De acordo com o prefeito, após a alta médica do último paciente, o hospital de campanha deverá interromper suas atividades. A taxa de ocupação, atualmente, é de 30%, de um total de 180 leitos ativos, entre enfermarias, semi-intensivas e UTI.

Reabertura – As regras para reabertura do comércio de rua, a partir de ontem no Estado, foram publicadas pelo Governo em edição extra do Diário Oficial do último domingo. Lojas de até 200 metros quadrados do varejo de rua, aproximadamente 27 mil em todo o Estado, devem funcionar exclusivamente das 9h às 18h. A retomada faz parte da 3ª etapa do Plano de Monitoramento e Convivência com a Covid-19.  Ao todo, o processo de reabertura da economia abrange 11 etapas, a partir da resposta dos indicadores de saúde. Além do comércio, também foi retomado, ontem, o funcionamento de salões de beleza e serviços de estética, concessionárias e locadoras de veículos com 50% dos funcionários de venda, além da volta dos treinos de futebol profissional.

Bronca – Dados registrados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontam um aumento de 536% em registros de casos de síndrome respiratória aguda Grave (SRAG) em Pernambuco, nas primeiras 20 semanas deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. Os registros são de que 8.853 pessoas tiveram a síndrome nas primeiras 20 semanas deste ano. No ano passado, foram 1.391. Em 2018, 1.064. Significa que 2020 teve seis vezes mais casos que 2019 e oito vezes mais do que em 2018. Foi depois da primeira semana de março, início da pandemia do novo coronavírus, que a quantidade passou a subir como nunca, deixando Pernambuco atrás apenas do Ceará em número de casos de SRAG.

Drama paulista – Ao menos 409 pessoas morreram dentro de casa com suspeita ou confirmação de covid-19 na cidade de São Paulo desde o início da pandemia. Os números, referentes ao período de 16 de março (quando o primeiro óbito pela doença na capital foi registrado) a 21 de maio, representam 6,1 mortes em domicílio por dia, mais do que o dobro da média de mortes diárias em domicílio por problemas respiratórios observada em cinco anos anteriores. De acordo com dados do portal Datasus, do Ministério da Saúde, o número médio de pessoas mortas em domicílio por doenças respiratórias na cidade de São Paulo foi de 2,8 entre os anos de 2014 a 2018, último período com dados disponíveis, menos da metade do observado agora entre vítimas da covid-19.

CURTAS

BAITA ESCÂNDALO – Os nove governadores do Nordeste, incluindo Paulo Câmara, de Pernambuco, podem ser responsabilizados pelo maior assalto aos cofres públicos com o dinheiro federal destinado a salvar vidas no enfrentamento à Covid-19. Eles assinaram em conjunto um papagaio da ordem de R$ 50 milhões para compras de respiradores de porcos, iguais aos do Recife, sem autorização da Anvisa. A empresa vendedora tem dois servidores e capital de giro de apenas R$ 100 mil. Em entrevista, o coordenador da CPI aberta pelas assembleias legislativas do Nordeste, Davi Maia (DEM-AL), disse que se depara, ao longo da apuração, com um escândalo numa proporção maior do que está cassando o governador do Rio de Janeiro e está sugerindo que a investigação seja federalizada. “Só assim, teríamos condições de levar esses governadores a responder pelo crime que cometeram”, afirmou.

ALERTA– O Tribunal de Contas de Pernambuco pediu que a Secretaria de Saúde do Estado deixe de fazer compras relacionadas ao combate à Covid-19 por meio do Consórcio Nordeste. Em “alerta de responsabilização” enviado ao Governo, o conselheiro Carlos Porto disse que “as práticas do Consórcio já se revelaram inábeis, com expressivos prejuízos financeiros ao Estado”. Porto se refere a dois contratos em que o governo gastou ao todo R$ 13,6 milhões em respiradores não entregues. A compra foi feita por meio do Consórcio Nordeste, que concordou com uma cláusula de pagamento integral antecipado.

RENOVAÇÃO EM SERRA – Segundo maior colégio eleitoral do Sertão, Serra Talhada, a 440 km do Recife, tem uma cara nova na política local. Trata-se do empresário Elyzandro Nogueira, de visão moderna e empreendedora, amante como ninguém da sua terra natal, onde direciona todos os seus investimentos. Já há quem veja nele um quadro de futuro em gestão público-empresarial, modelo que levou o Ceará a novos tempos com a eleição do empresário Tasso Jereissati (PSDB).

Perguntar não ofende: Os governadores do Nordeste mereciam ser cassados em bloco pelo assalto praticado com o dinheiro do povo na compra de respiradores para porcos a uma empresa fantasma?

Publicado em: 15/06/2020