Coluna do sabadão

O fim da notícia em papel

A notícia em papel, trazida aos leitores pelos tradicionais jornalões brasileiros, está cada vez escassa e acessível. A era é da informação em tempo real, fatos que chegam ao público pelos mais diversos instrumentos online, a mais recente pelo WhatsApp. Pernambuco saiu na frente com o primeiro jornal transmitido diretamente para o celular, O Poder, projeto idealizado pelo meu amigo José Nivaldo Júnior.

Os jornais morrem porque não consequem mais acompanhar a velocidade da informação, trazem a notícia do dia anterior em meio a um consumo ansioso da sociedade pela notícia em tempo real, no exato momento em que o fato está ocorrendo. E vão desaparecer num tempo mais breve do que se possa imaginar. No Brasil, já existem Estados que não têm mais jornais, como a Paraíba, que hoje põe nas bancas a última edição do Correio da Paraíba, que circulou por 66 anos, ininterruptamente até ser nocauteado pela internet.

Alagoas também perdeu o seu grande e último jornal, a Gazeta, da poderosa família Collor, que detém o controle acionário da TV-Globo naquele Estado. Os jornais impressos têm leitores cuja idade mínima é de 40 anos; jovens ignoram a mídia impressa, sequer usam o computador de mesa, a não ser para trabalhos escolares e preferem o telefone para ler e resolver casos do cotidiano. Nos Estados Unidos, 45% dos adultos já imitam os filhos no uso da tecnologia móvel.

Para completar o mau vaticínio, uma pesquisa do New York Times anunciou que a sobrevida dos jornais impressos seria de apenas cinco, no máximo dez anos. A maior parte dos jornais está se dedicando ao desenvolvimento do jornalismo digital com o desafio de conseguir modelos de negócios mais rentáveis. No The Washington Post, por exemplo, engenheiros e repórteres trabalham lado a lado na criação de experiências digitais.

Há também as opções de se cobrar pelo conteúdo colocado na rede, que ficaram famosas especialmente depois da adoção do chamado paywall pelo The New York Times e pelo The Wall Street Journal, dois dos principais jornais dos Estados Unidos.

O fim do papel, porém, não significa que o apetite por consumir notícias diminuiu. Pelo contrário. Mais empresas estão entrando no mercado da comunicação, especialmente as grandes companhias de tecnologia. Google News, Apple News e Instant Articles do Facebook são algumas das apostas que prometem mexer com o setor. Nessa ânsia de sobreviver à inovação, o também britânico The Times deixou de publicar notícias em tempo real e atualiza seu site apenas duas ou três vezes por dia.

Último dos moicanos – O Correio da Paraíba é o último a fechar suas portas, depois de O Norte, com quem rivalizou por décadas, Diário da Borborema e Jornal da Paraíba, este extinto em abril de 2016. Agora, permanece em circulação apenas o Jornal A União, mantido pelo Governo do Estado, e que há muito perdeu audiência, resumindo-se hoje em dia a um papel simbólico, uma espécie de museu dos seus tempos áureos, praticamente reduzido à fonte oficial, com exceção de colunas e espaços de crônicas. Um dos fatos mais marcantes da história do Correio foi a morte de Paulo Brandão, então sócio proprietário do Sistema Correio. Ele foi assassinado em 13 de dezembro de 1984. O homicídio virou um “holocausto” para o grupo, no dizer do seu presidente Roberto Cavalcanti.

Rainha da Inglaterra – Espécie de herdeiro político do senador Jarbas Vasconcelos, com quem tem relação histórica e a quem deve sua ascensão na cena estadual, o presidente do MDB, Raul Henry, deu uma de Pilatos, lavando as mãos no processo fechado e antidemocrático de filiação ao partido no Recife, cujo prazo para disputar as eleições deste ano foi encerrado ontem. Quem fechou as portas para qualquer político que ameaçasse a sua reeleição foi o vereador Samuel Salazar, conhecido como olho grande, que só coça para dentro, usando o partido apenas para renovar seu mandato.

Santander fecha – Como medida para frear o avanço do novo coronavírus, o Santander fecha parte de suas agências no Recife e na Região Metropolitana do Recife. Ao todo, 12 unidades do banco ficarão sem atendimento ao público durante o período da pandemia. De acordo com o Sindicato dos Bancários de Pernambuco, o Itaú também fecha agências. De acordo com nota enviada pelo banco, a medida é de segurança e preza pela saúde dos funcionários da empresa e dos clientes.

Praias e parques – O governador Paulo Câmara determinou, ontem, o fechamento de praias e parques por três dias: de hoje até segunda-feira. Além disso, o fechamento do comércio, serviços públicos e demais atividades não classificadas como essenciais fica mantido até 17 de abril. As escolas das redes públicas e privadas devem permanecer fechadas até, pelo menos, o dia 30. No entanto, esses prazos podem ser prorrogados a depender da disseminação da doença Covid-19. Em nota, o governador afirmou que “é extremamente importante que, nos próximos 15 dias, as pessoas mantenham o isolamento social”.

CURTAS

FIM DO AUMENTO – A Câmara de Vereadores aprovou, ontem, a revogação da lei que estabelecia o reajuste salarial de 4% para servidores do Legislativo Municipal do Recife. A ação busca redirecionar verba para enfrentar a pandemia provocada pelo novo coronavírus. Até ontem, Pernambuco contabilizou dez mortes e 136 casos confirmados da doença Covid-19. A primeira votação ocorreu na última quinta-feira, quando houve 32 votos a favor e nenhum contra. Também foi registrada a ausência de sete vereadores. Na segunda votação, foram 30 votos a favor da revogação e nove parlamentares faltaram.

QUEBRADEIRA – O presidente Bolsonaro continua sua cruzada pela reabertura lenta e gradual da atividade econômico e ontem fez um novo desabafo desalentador. “Vai quebrar tudo. Vocês sabem do meu posicionamento: não pode fechar dessa maneira, e atrás disso vem desemprego em massa, miséria, fome, vem violência”. Bolsonaro, ao ser interpelado por um simpatizante que se queixou de medidas do Governo do Distrito Federal, pelo fechamento de comércios e a suspensão de aulas, afirmou que continuará divergindo do governador Ibaneis Rocha (MDB).

PAU NO ALIADO – O Sindicato dos Professores da Rede Municipal Recife comprou uma briga com o prefeito Geraldo Júlio e o secretário de Educação, Bernardo D’Almeida, que ameaçam cortar o adicional de acumulação da classe com a justificativa de que, com a suspensão das aulas durante o período da pandemia do Covid-19, os professores não estariam em dupla jornada. Em ofício encaminhado aos servidores, o secretário comunica a suspensão temporária do pagamento de horas extras dos servidores administrativos, o carregamento dos vales transportes e o pagamento das passagens intermunicipais. Com esses cortes, o Sindicato alega que serão suspensos os 50% dos salários dos professores. Por ironia, esse Sindicato integra a CUT, aliada hoje do PSB no Estado e da candidatura de João Campos.

Perguntar não ofende: A propósito, Geraldo Júlio vai anunciar mais alguma medida de enfrentamento ao coronavírus ou não?

Publicado em: 03/04/2020