Aliados de Bolsonaro defendem diálogo para conter crise

Por O Globo

O tom das declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre a pandemia do coronavírus em pronunciamento na última terça-feira foi reprovado por aliados de segmentos importantes como a bancada da bala, ruralistas, empresários, evangélicos e caminhoneiros.

Contrariando as orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS), Bolsonaro defendeu o fim da quarentena sob o argumento de que a crise na economia do país poderia ter consequências piores do que a Covid-19. Entre aqueles que elegeram o presidente, ninguém gostou de ouvir a comparação da pandemia, que já matou 114, com uma “gripezinha” ou “resfriado”. Mesmo diante de uma forte reação, Bolsonaro dobrou a aposta numa apresentação ao vivo numa rede social na quinta-feira e voltou a usar as mesmas expressões ao minimizar as consequências da doença e ainda acrescentou que o brasileiro tem a imunidade tão alta que “pula no esgoto e não pega nada”.

Na última segunda-feira, uma pesquisa Datafolha divulgada pelo jornal “Folha de S.Paulo” mostrou que 35% dos entrevistados consideram o desempenho de Bolsonaro ótimo ou bom; 26% acham regular; e outros 33% avaliam como ruim ou péssimo. Cinco por cento não souberam responder. Os governadores, a quem o presidente culpa por prejuízos econômicos provocados pelo isolamento social, tiveram aprovação de 54% dos entrevistados.

Embora avaliem que haja equívocos na comunicação, apoiadores de Bolsonaro nesses setores continuam com ele e evitam críticas para “não jogarem mais lenha na fogueira”. Preocupados com o comportamento intempestivo do presidente, dizem que o país precisa de união e diálogo com os demais Poderes e os estados para enfrentar a doença e a crise econômica.

Ainda assim, no conflito com os governadores, aliados estão mais sintonizados com o presidente. Defendem a tese de um isolamento social mais brando, de 15 dias, que seriam suficientes para alcançar o que pesquisadores chamam de “achatamento da curva” — redução nas taxas de transmissão e mortalidade pelo menor número de pessoas circulando. Em seguida, haveria uma reabertura lenta e gradual com o cuidado de manter o isolamento de grupos de risco.

Empresários da indústria e do varejo defendem a necessidade de discutir e definir, agora, a hora certa para reativar os negócios. O prazo de duração da quarentena é questão-chave para avaliar os impactos sobre a economia e as medidas a serem tomadas.

O presidente da Fundação Abrinq, Synesio Batista da Costa, é favorável à retomada gradual dos trabalhos da indústria brasileira:

— Gripezinha foi desnecessário. Mas é o jeito dele (Bolsonaro), que está eleito e precisamos respeitar. A gente se aborrece com o jeito de falar, mas é muito bom ter um presidente que entregue a economia para quem sabe. E o Paulo Guedes sabe exatamente o que fazer. A indústria não parou. Estamos a 20 por hora. Mas queremos voltar a trabalhar de maneira gradual. Não podemos entrar numa histeria.

Bancada da Bala: prioridade é a defesa da vida
Com exceção da ala considerada ideológica na Câmara dos Deputados, poucas são as vozes que endossam a postura do presidente Jair Bolsonaro no combate ao coronavírus. Até mesmo aliados mais fiéis da chamada bancada da bala têm demonstrado contrariedade com as palavras do presidente.

Líder da Comissão de Segurança Pública da Câmara, o deputado federal Capitão Augusto (PL-SP) afirma que Bolsonaro “queimou a largada” em suas declarações. Ele diz que continua aliado do presidente, mas que não o segue cegamente. Augusto afirma ainda que a repercussão das falas foi ruim entre bolsonaristas e disse ter alertado interlocutores do presidente sobre a necessidade de moderação.

— A gente tem que orientar quando a pessoa está indo paro o lado errado. A primeira questão é a saúde e depois vem a economia. O vírus tem que ser levado com seriedade e não algo quase num tom de brincadeira — diz o deputado, que acrescenta: — Se isso se agravar e for alto o número de mortes, ele (Bolsonaro) vai cair em descrédito e demonstrar imaturidade e falta de liderança.

O vice-presidente da bancada da bala, deputado Fernando Rodolfo, tem se dedicado a alertar as pessoas a ficarem em casa. Ele diz que “tem muita gente que não está levando essa crise a sério” e que “isolamento social é a palavra de ordem neste momento”.

Confira a íntegra aqui: Coronavírusaliados de Bolsonaro defendem diálogo para ...

Publicado em: 29/03/2020