Coluna do sabadão

O herói da Coruja

O tropeço do Atlético mineiro frente ao Afogados, quarta-feira passada no Vianão, em Afogados da Ingazeira, deu um Upgrade ao futebol pernambucano, que vive um momento em baixa, com apenas um dos três principais times, o Sport, na elite nacional, o Clube dos 13. A boa nova, que sacudiu o País e projetou o Estado no território nacional, tem como símbolo uma Coruja, deusa da sabedoria, ancorada numa região inóspita, flagelada historicamente por ciclos de secas inclementes.

A Coruja, sensação que chacoalha o futebol estadual e enche os nordestinos de orgulho, não é obra apenas dos seus guerreiros e heroicos jogadores. Tem um patrono com roupagem heroistica também, que apostou na ideia, deu régua e compasso à maestria do futebol sertanejo: o prefeito de Afogados da Ingazeira, José Patriota (PSB). É praticamente a Prefeitura que banca as despesas da manutenção do clube ao lado de poucos parceiros da iniciativa privada, que ele também foi buscar com o seu prestígio.

Patriota encontrou a terra arrasada tão logo foi eleito, mas aos poucos modernizou o estádio, hoje com um dos melhores gramados do Estado, investiu em arquibancada e na estrutura geral da sede esportiva e seu próxima passo será a construção do segundo espaço de arquibancada. Outro grande investimento, para atender as exigências da Federação Pernambucana de Futebol, foi a iluminação, elogiada por todos os clubes visitantes e a própria FPF.

O prefeito administra o dia-a-dia das finanças do time, se preocupa até com as refeições dos atletas, além da logística envolvendo as viagens e hospedagens da delegação. A medida que o time, criado há seis anos, foi se projetando, galgando posições de destaque no certame estadual, Patriota passou a cumprir outros papéis de interlocução, a ponto de, pessoalmente, se envolver como torcedor, as vezes na geral, outras na arquibancada, não faltando a nenhum jogo da Coruja fora do município.

Dentro e fora das quatro linhas, termo bem batido utilizado pelos cronistas esportivos, Patriota, faça-se justiça, foi um grande guerreiro do bom combate, lutou até o fim com as armas que estavam à sua disposição. Seu esforço, numa ação silenciosa, longe dos holofotes da mídia, abre um novo paradigma no futebol brasileiro. É digno de elogio.

Compesa às moscas – Com apenas sete meses à frente da Compesa, a presidente Manuela Marinho já está de férias. Emendou o carnaval e só deve aparecer na empresa após a primeira semana de março. Com processo de abertura de capital em andamento, obras importantes paralisadas e modelo de gestão sem nenhum monitoramento, a estatal sofre duros golpes em sua governança e padece sem sua principal executiva, que mesmo sem completar o período aquisitivo de um ano, já usufrui deste benefício. Se não for ilegal é no mínimo imoral. A quem interessa esse desmantelamento de uma das melhores empresas de saneamento do País em ano eleitoral?

Crise cearense – O Ceará enfrenta uma crise na segurança pública sem precedentes, motivada pelo motim de policiais militares do Estado. Desde o início do movimento, o Estado registrou mais de 190 homicídios e 43 policiais militares foram presos por deserção. Conforme decisão judicial expedida na quinta-feira passada, os policiais permanecerão detidos. Eles foram presos no sábado (22) por faltarem a uma convocação de trabalharem na Operação Carnaval. O Governo, apesar dos petardos do ex-ministro Ciro Gomes, ferindo de morte o presidente Bolsonaro, estendeu por mais uma semana a manutenção das tropas federais no Estado.

Denúncia contra PMS – Por falar no Ceará, o Ministério Público Federal deve apresentar denúncia contra os policiais militares que estão amotinados com base na Lei de Segurança Nacional. Dois procedimentos investigatórios criminais já foram abertos neste sentido e tramitam, simultaneamente, em Fortaleza e Sobral. O último apura fatos ligados aos disparos feitos por PMs contra o senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE), na semana passada. Os dois procedimentos ainda estão na fase inicial, de instrução. A expectativa do MPF-CE é de que ambos sejam transformados em denúncias em breve.

Que ajuda ele deu? – Embora não tenha movido uma palha em favor da Coruja, nem arranjado sequer um patrocinador para ajudar na manutenção do clube, o deputado João Campos (PSB), majoritário em Afogados da Ingazeira, explorou politicamente o sucesso do time afogadense frente ao Atlético mineiro pelas redes sociais. Aliado do prefeito José Patriota, que encheu o seu balaio de votos no município, ainda está em tempo do parlamentar mostrar que tem prestígio e força para levar a Coruja a voar mais alto, garantindo uma forma de contribuição.

CURTAS

ATO CRIMINOSO – A Polícia Civil está investigando o autor de uma postagem em rede social de uma notícia falsa sobre “casos confirmados” de coronavírus no Recife. A Prefeitura prestou queixa, ontem, contra uma pessoa que divulgou que a cidade “já teria 61 ocorrências” de Covid-19, doença causada pelo novo vírus. Na verdade, no Estado, segundo a Secretaria de Saúde, foram notificados apenas seis possíveis casos suspeitos do vírus. Três deles, reconhecidos pelo Ministério da Saúde, já foram descartados. Outros três seguem sob investigação, como “possíveis suspeitos”.

NO PÉ DA CORUJA – Meu amigo José Carlos, diretor das rádios Grande Serra FM 90,9, em Araripina, e Grande Serra FM 101,3, em Ouricuri, ficou tão entusiasmado com a vitória da Coruja frente ao Atlético mineiro que já está cuidando da logística para transmissão do jogo da terceira etapa do time na Copa Brasil diante da Ponte Preta, mesmo sem saber ainda se o primeiro embate, na próxima quarta-feira, se dará em São Paulo ou em Afogados da Ingazeira. “Vamos levar nossas equipes até Campinas para acompanhar a Coruja, para deixar nossos ouvintes bem informados”, diz ele.

BATENDO DURO – Dos pré-candidatos da oposição a prefeito do Recife, o único que tem batido duro na gestão Geraldo Júlio é Mendonça Filho, do DEM. Para ele, o modelo socialista na capital se esgotou, a ponto de Recife perder até para Teresina na qualidade do ensino. “A população não aguenta mais o PSB dominando a cidade, ditando regras para as próximas eleições, traçando e definindo quem deve disputar o quê. Essa equação que quer eleger João em 2020, Geraldo em 2022 e que eleva o poder até 2038 contraria a tradição democrática de Pernambuco”, afirma.

Perguntar não ofende: Brasília vai pegar fogo na próxima semana com a volta do Congresso e o início do ano legislativo?

Publicado em: 28/02/2020