Pernas para o ar que ninguém é de ferro

Chegou o Carnaval, sinônimo de repouso para quem vive mergulhado no trabalho, permanentemente ligado nos fatos para que cheguem com mais velocidade aos nossos leitores. Enquanto muita gente ferve pulando frevo, repouso a alma, levo gozo ao espírito.

Paro. Literalmente, desligo a tomada. Desde a criação do blog, há 13 anos, os quatro dias da folia são de relaxe, jogar conversa fora. Afinal, ninguém é de ferro. Ficar sem fazer nada, deixar o pensamento vagar no centro da galáxia é, também, refletir sobre a vida.

Antes de viajar para Triunfo, minha tenda do desligamento geral da política, li um texto de Arnaldo Jabor sobre o Carnaval. Como ele, jamais vou entender este fenômeno chamado Carnaval. Um povo sofrido, roubado, explorado, muitas vezes sem ter nem o que comer e sem perspectivas de vida, de uma hora pra outra explode numa alegria sem motivo.

Sem limites, sem pudor.

Homens que até a sexta feira trabalharam de terno e gravata, no sábado chegam às ruas, maquiados, vestidos de mulher, sutien por cima de peitos peludos, braços e pernas cabeludas, numa imitação grotesca e sem sentido do sexo feminino.

Jabor ressalta que mulheres que se matam em trabalhos, muitas vezes degradantes e mal remunerados, sofrem nas filas de hospitais e creches, aparecem de repente na passarela, cobertas de brilho e rebolando, como se não houvesse o amanhã.

Já os canalhas no poder adoram esta orgia sem sentido, porque pelo menos por alguns dias, o povo está olhando pro outro lado, enquanto eles continuam sugando cada gota de sangue e cada centavo que puderem roubar.

As ruas estão tomadas de foliões urrando de alegria. Eu pergunto: VOCÊ ESTÁ ALEGRE POR QUÊ??? Sua vida melhorou de ontem pra hoje? Seu salário aumentou? Seu filho entrou numa boa escola?

Se você cair de um trio elétrico quebrar a cabeça ou se acidentar, vão te levar para um bom hospital? Você terá água em casa, pra tomar banho, quando voltar da gandaia? A sua família se sente segura dentro casa ou nas ruas e avenidas???

Então me explica, TÁ RINDO DE QUE??? Será que não é só o efeito de alguma coisa ingerida??? Você irá pra rua com esta mesma vontade, pra protestar contra esta roubalheira absurda, que está destruindo a você e ao nosso País? Você tem coragem para postar essa indignação??? Você tem consciência política para manifestar essa indignação nas URNAS???

Por estas e outras que os governantes adoram Carnaval e eu jamais vou entender, porque nosso povo é tão alienado mental e de fácil manipulação.

VIVA O BRASIL.

Arnaldo Jabor tem razão que a própria razão desconhece, seguindo a rima drumoniana. Eu já brinquei – e muito – os quatro dias da chamada festa da carne. Mas minha ressaca moral e física durava uma eternidade, mesmo com colombinas, sendo eu o pierrô sedutor.

Mas hoje, confesso, prefiro ouvir o barulho das ondas do mar ou o som dos pássaros nas veredas sertanejas. Como não fui ao encontro do mar, para matar meus pecados nas águas salgadas e cristalinas, refrigero a alma no silêncio das noites enluaradas do Sertão.

Já disse Guimarães Rosas, no clássico Sertão e veredas, que todos somos loucos. Exorcizo meu lado louco deslizando meus dedos sobre o teclado do meu computador. Assim, espanto os males, me curo, por dentro e por fora.

Escrever é o meu santo remédio. Até quarta de cinzas e bom carnaval!

Publicado em: 21/02/2020