Preço da gasolina e do álcool alcança alta recorde

Valor do etanol é o mais alto registrado pela ANP desde o início da pesquisa, em 2001. Gasolina também tinha registrado preço recorde, mas houve recuo.

Preços dos combustíveis batem recorde com alta do dólar - Imagem: TV Globo

TV Globo - Por Jornal Nacional

Os brasileiros nunca pagaram tão caro pela gasolina e pelo álcool.

A reclamação é geral. Quem tem carro não tem como escapar.

“Está um absurdo, uma coisa que você olha e pensa: ‘Nossa, como a gente paga caro para uma coisa que a gente tem aqui no nosso país?’”, contou o motorista de aplicativo Igor da Cruz.

“Qual a sensação quando chega no posto? Que estou sendo assaltada, quase isso, porque está muito cara a gasolina”, disse a oficial de Justiça Vanda Nascimento.

O preço médio do etanol bateu recorde: é o mais alto registrado pela Agência Nacional do Petróleo desde o início da pesquisa, em 2001. Três semanas atrás, a gasolina também tinha registrado preço recorde, mas houve um pequeno recuo. De qualquer forma, de novembro até agora, o reajuste da gasolina foi de quase 4%, e de 9% do álcool.

No etanol, uma das explicações é a entressafra da cana-de-açúcar. Mas o dólar, que ultrapassou os R$ 4,30, também pesa na conta.

“Há componentes como fertilizantes, que são muito impactados por taxa de câmbio, herbicidas, produtos de proteção ao cultivo e o próprio diesel, que é utilizado no transporte de cana-de-açúcar, que também sofre efeito do câmbio”, explicou Plínio Nastari, presidente da DATAGRO.

Já a gasolina, esse combustível leva etanol na composição, que representa quase 15% do preço final que a gente paga na bomba. E ainda tem a disparada do dólar que também foi determinante.

“A política de preços da Petrobras, desde o final de 2016, é atrelar o preço da gasolina e do diesel ao preço do petróleo do mercado internacional e às variações cambiais. Você faz um reajuste pelo dólar e também pelo preço do petróleo no mercado internacional. Não se usou o preço do petróleo no mercado, mas se usou o dólar para fazer um ajuste”, explicou Fernanda Delgado, professora da FGV Energia.

Em um dos postos mais movimentados da Zona Norte do Rio de Janeiro, o litro da gasolina comum está custando R$ 5,19. Se você quiser encher o tanque de um carro médio, com mais ou menos 50 litros, vai custar R$ 259,90.

Ou seja: 25% de um salário mínimo. Isso, no Rio, que tem o preço médio mais alto do Brasil, seguido do Acre. Os menores preços estão no Amapá e em Roraima. O álcool mais caro está nas bombas do Rio Grande do Sul e do estado do Rio. O mais barato, em São Paulo e na Paraíba. Como fazer essa despesa caber no orçamento?

“Trabalhando mais com aplicativos, corretagem de imóveis. Eu sou aposentada. Estou me virando nos dez, nos 30, nos 40”, disse a motorista de aplicativo Marilena Borges.

Publicado em: 14/02/2020