Coluna da sexta-feira

Governo de viés preconceituoso

Um Governo que faz escárnio do povo não pode ser levado a sério. Escárnio especialmente com os nordestinos, já chamados pelo presidente de cabeça chata e paraíbas. O ministro da Economia, Paulo Guedes, foi contaminado pelo besouro da malignidade do chefe. Um dia após chamar os servidores públicos federais de parasitas, atacou, com viés preconceituoso, as nobres trabalhadoras domésticas.

Forçado a comentar a alta do dólar, o ministro disse que no passado, com o dólar em baixa, até as domésticas viajavam ao Exterior. E daí, ministro, doméstica não é gente? Que preconceito mais deplorável e inaceitável! Ao invés de agredir à classe trabalhadora doméstica do País, Guedes deveria agir com o poder que detém para dar mais dignidade no trabalho a quem tanto rala para ganhar o pão.

Das mais de 6 milhões de domésticas que batem ponto nos diversos lares brasileiros, pouco mais de 4 milhões ainda trabalham sem carteira assinada, sem direito a férias remuneradas nem 13º salário. Isso é uma vergonha para um País com tamanha desigualdade social, onde impera a lei do mais forte, dos vendilhões do dinheiro fácil.

Um presidente nem muito menos um ministro da estatura de Guedes, que cuida de política econômica, o coração de um governo, pode se dar ao luxo de sair por aí maltratando trabalhadores que acordam cedo e dormem tarde em busca de um lugar ao sol, sofrendo tenazmente para sustentar suas famílias.

Aos servidores públicos federais, Guedes pediu desculpas, mas não estendeu a mesma mão do perdão às domésticas, feridas com muita razão. Elas querem, na verdade, arrancar o fígado dele. Com uma taxa de crescimento pífio, juros ainda na estratosfera, a economia brasileira precisa de um comandante capaz e respeitoso, não um que achincalha e debocha dos que dão o sangue e suam para ver o País prosperar.

Transnordestina nos trilhos – A ferrovia Transnordestina, conforme antecipei, ontem, no jornal O Poder, será retomada pelo presidente Bolsonaro. Segundo o líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB), a ideia é entregar o projeto à empresa Valec, a mesma estatal que botou a Ferrovia Norte Sul nos trilhos depois de uma longa paralisação. Para conclusão dos trechos entre os Estados de Pernambuco e Ceará, o custo está orçado em R$ 7 bilhões. No Ceará, as obras não pararam, vale a ressalva, mas em Pernambuco há muito tempo os canteiros estão à mosca.

Alvo de protesto – O deputado Fernando Rodolfo (PL), que emplacou, ontem, o diretor do INSS em Caruaru, Jefferson de Menezes, está provocando a ira de um segmento eleitoral insatisfeito com a sua atuação parlamentar em Brasília. Amanhã, será alvo de um protesto por parte de uma troça carnavalesca. Foi da capital do forró que a candidatura federal de Rodolfo ganhou asas, depois de insinuar que havia sido afastado de um programa de televisão que ancorava por pressão do Governo do Estado, o que, na prática, não se configurou realidade.

Dinheirama – Certa vez, perguntei ao governador Paulo Câmara, em meio a um café no Palácio, qual Estado nordestino estava tendo maior fluidez de recursos federais. Ele disse que as queixas dos colegas nordestinos eram generalizadas em relação a má vontade do presidente Bolsonaro, mas não foi isso o que constatei na passagem pela Bahia nem pelo Ceará. Ambos os governadores, mesmo sendo do PT, não fizeram nenhum tipo de reclamação nessa direção. Mas comparando com os Estados, quem de fato está vendo a cor do dinheiro de Bolsonaro sem precisar recorrer a óculos de grau é Petrolina, administrada pelo jovem Miguel Coelho, filho do líder FBC. Ali, a dinheirama jorra.

Sem posse agendada – Nomeado desde a última terça-feira superintendente do Incra em Pernambuco, o suplente de deputado federal Kaio Maniçoba (SD) segue na próxima terça-feira para Brasília sem saber ainda a data da posse. Kaio é filho da ex-prefeita de Floresta Rorró Maniçoba, pré-candidata à prefeita pelo PSB, apontada como imbatível, segundo todas as pesquisas de intenção de voto já publicadas.

CURTAS

VOLTA À PRISÃO – Relatora da Operação Calvário no Superior Tribunal de Justiça (STJ), a ministra Laurita Vaz colocou na pauta da próxima terça-feira (18), na Sexta Turma da Corte, o julgamento do recurso do Ministério Público Federal que pede a volta do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) à prisão, informa de João Pessoa, em primeira mão, o jornalista Heron Cid. Ontem, o MPF emitiu novo parecer ao STJ contra a soltura de Coutinho. De acordo com as investigações do Ministério Público da Paraíba, a organização criminosa chefiada pelo político desviou pelo menos R$ 134 milhões da Saúde e Educação, via Organizações Sociais (OS).

O ESTRATEGISTA – Marqueteiro do ex-governador Eduardo Campos por dez anos, o publicitário Edson Barbosa, o Edinho, está, desde ontem, em Pernambuco, convocado para traçar estratégias da campanha de diversos candidatos, entre elas a do jornalista Fernando Veloso, em Goiana, município com potencial econômico, sede da montadora Jeep e de outros grandes investimentos. Dono da Link Propaganda, Edinho também deve ser contratado por uma das candidaturas em potencial no Recife. Ele sabe o que diz e entende desse jogo mais do que ninguém.

EM SURUBIM – A prefeita de Surubim, Ana Célia (PSB), só dorme agora sob o efeito tranquilizante do Lexotan depois de saber que o ex-prefeito Túlio Vieira, ex-PT e agora no Podemos, se entendeu com o presidente da Câmara, Fabrício Brito, e pode formar uma chapa competitiva, tendo na vice o empresário Fernandinho Brito (PTB). As negociações andam de vento em popa e vão acelerar uma definição por parte do ex-prefeito e pré-candidato Flávio Nóbrega, ainda no PSB, que não sabe o que quer da vida.

Perguntar não ofende: Qual será o próximo ministro a rodar a baiana no instável e extravagante Governo Bolsonaro?

Publicado em: 14/02/2020