Aposta na iniciativa privada

Jornal do Commercio

Prefeito de Salvador e presidente nacional do DEM, ACM Neto defendeu o nome de Mendonça Filho para disputar a prefeitura do Recife, mas deixou a decisão a cargo do ex-ministro. À Rádio Jornal, disse que o partido tem condições de conversar com várias correntes ideológicas. Herdeiro político de uma das mais tradicionais famílias políticas do País, ACM inaugura, em parceria com uma empresa francesa, hoje, o novo Centro de Convenções, com a promessa de alavancar o turismo de negócios na capital baiana. Confira abaixo trechos da sua entrevista ao Jornal do Commercio.

CECON

Vamos inaugurar o Centro de Convenções de Salvador, é um equipamento preparado pela prefeitura para reposicionar a capital baiana como um dos principais destinos do turismo de negócios de todo o Brasil. É um equipamento que poderá comportar eventos de porte nacional e internacional, grandes congressos, feiras, convenções, eventos musicais e, a partir desta quinta-feira, poderemos entregar esse equipamento não só à capital baiana, mas ao Nordeste como um todo, pois de certa forma quando uma capital importante do Nordeste traz investimentos, gera empregos, movimenta a economia, isso acaba impactando em toda a região.

Quero deixar muito claro que não quero roubar nada de Pernambuco, pelo amor de Deus, gosto muito de Pernambuco e dos pernambucanos, mas já começamos com uma pauta bem intensa, bem recheada. Só nesses primeiros 20 dias do ano já foram confirmados 30 grandes eventos para esse ano de 2020 e a pauta ainda está em aberto e outros eventos estão sendo negociados. Trouxemos, por exemplo, a Bienal do Rio, que aconteceu no Rio de Janeiro no ano passado, e que teve a polêmica envolvendo o prefeito do Rio (Marcelo Crivella, Republicanos) com censura a livros, e trouxemos para Salvador. Também está confirmado o AfroTech, que é um evento muito repercutido no setor musical e de entretenimento.

O Centro de Convenções foi construído com 100% de recursos da prefeitura, mas fiz a concessão da gestão do Centro de Convenções à iniciativa privada. Ganhou uma empresa francesa, multinacional, e foi importante pois eles trazem a expertise de saber gerenciar um equipamento como esse e eles têm uma cadeia de relações que vai promover o destino Salvador. Então, estimamos que só no primeiro ano vai ser injetado na economia de Salvador mais de R$ 500 milhões.

PONTE

A ponte Salvador-Itaparica é uma construção que também cabe ao governo do Estado. Eles fizeram recentemente um leilão na Bolsa de Valores de São Paulo, houve a apresentação de uma proposta por parte dos chineses, é um investimento que deve superar a casa dos R$ 4 bilhões e está em fase de discussão técnica, seja com a prefeitura ou com demais órgãos envolvidos. Tem uma regra que vale para qualquer governo, quando se pode oferecer um ambiente de negócios, segurança jurídica, transparência nas relações, você tem espaço para fomentar o investimento privado. E está claro que o poder público sozinho não consegue resolver as coisas. Esse exemplo que eu trouxe do Centro de Convenções eu tenho uma empresa francesa investindo aqui e que vai explorar ele por 20 anos. E o diferencial é que o investidor tem que confiar, saber que o recurso terá retorno e, para isso, é fundamental ter gestão pública.

RUI COSTA

Ele (governador Rui Costa, PT) não vai à inauguração por dois motivos. Primeiro ele está se recuperando de um procedimento cirúrgico em São Paulo, que ele fez no início deste ano. Depois, porque procuramos evitar constrangimentos. Temos uma relação civilizada, há um respeito institucional de lado a lado; aqui nós nunca permitimos que as diferenças políticas prejudicassem a população, exemplo disso foi a parceria que a prefeitura estabeleceu no transporte público viabilizando a entrega do metrô de Salvador, que hoje tem a terceira maior malha metroviária do Brasil.

Quando cheguei à prefeitura, em 2013, essa obra estava parada, era uma novela que se estendia por 12 anos, fiz a parceria necessária com o governo do Estado, governo federal para garantir que a obra saísse do papel. Sobre o Centro de Convenções, o governador não mostrou muita simpatia porque o governo do Estado tinha um Centro de Convenções, que veio a desabar e o governo esperou muito tempo, não conseguiu produzir uma solução, a prefeitura foi lá e resolveu. Acho que isso incomodou um pouco o governo estadual. Mas isso não prejudicou em nenhum momento as relações institucionais que precisam acontecer.

Em 2012, diziam que a prefeitura precisava ser do mesmo partido do governo para as coisas funcionarem e, em Salvador, foram sete anos de prefeitura do Democratas com governo PT e nada deixou de funcionar. Pelo contrário, as coisas levantaram, e muito, na capital baiana, pois a prefeitura chamou para si as responsabilidades que eram suas.

PDT e DEM

O Democratas hoje é um partido que tem condições de conversas com várias correntes ideológicas do País, eu diria que da centro-esquerda até a direita nós temos dialogado com diversos partidos. O PDT é um deles. De fato, tive algumas conversas com o presidente, Carlos Lupi, e com o ex-ministro Ciro Gomes e, talvez, a gente consiga produzir alianças em algumas capitais. Estamos falando em torno da pré-candidatura do meu atual vice-prefeito, Bruno Reis (DEM), em Salvador. O PDT está trabalhando o nome do meu secretário de Saúde, que é deputado estadual, Leonardo Prates, a ideia é que possamos fazer o trabalho conjunto. Estamos dialogando em São Luís do Maranhão e em Fortaleza. E esse diálogo pode acabar se estendendo para outras capitais brasileiras. O que não quer dizer que, automaticamente, haverá um alinhamento entre Democratas e PDT para o futuro. Pode-se ou não acontecer, as alianças municipais de 2020 podem ou não significar algo a mais para o futuro, mas, por enquanto, o que está em discussão é a eleição municipal nestas principais capitais do Brasil.

Em relação ao PDT e DEM em Pernambuco, nós temos absoluta confiança na condução do nosso presidente estadual, o ex-ministro Mendonça Filho, que hoje preside a fundação do nosso partido. É um quadro que tem minha confiança pessoal e política. É uma das pessoas que eu mais ouço para tomar decisão, até mesmo administrativa aqui em Salvador. Converso muito com Mendonça para buscar compartilhar a experiência dele, a sua capacidade como gestor público e ele tem a nossa confiança para conduzir, ao lado do deputado federal Fernando Coelho Filho, que é outro importante parceiro que nós temos, uma grande revelação desses novos quadros da política do Brasil. Eles vão conduzir com toda a autonomia e confiança da Direção Nacional do partido, podendo conversar com as mais diferentes correntes, de acordo, é claro, com o desenho mais adequado para a política do Recife.

RECIFE

Estou conversando bastante com Mendonça sobre o cenário do Recife. Entendo que ele é um dos quadros mais qualificados, reuniria todas as condições para ser um grande prefeito do Recife e percebo que hoje ele tem um senso coletivo e uma noção da responsabilidade na construção desse projeto. O que ele tem compartilhado comigo é que esse é um momento de reflexão, de conversas com outros partidos, de diálogo com outras lideranças. O nome dele é um nome que pela direção nacional do partido – se a decisão dele for a de disputar a prefeitura – ele terá todo o respaldo e o máximo apoio do Democratas Nacional. Mas é uma decisão que eu sei que ele ainda não tomou, ele está refletindo sobre isso e, com certeza, nos próximos meses ele vai apresentar sua posição pública no Recife.

BOLSONARO

Nós sempre deixamos muito claro qual é o posicionamento do Democratas. Nós somos a favor da agenda do Brasil. O Democratas foi decisivo ao longo de 2019 para a aprovar a reforma da Previdência. Sempre que o governo precisou do nosso partido, de maneira responsável, nós colaboramos com o governo, mas isso não significa dizer alinhamento político automático.

O Democratas, inclusive, sequer integra formalmente a base do governo Bolsonaro. A gente quer muito que o Brasil dê certo. Eu, ACM Neto, se o Brasil tiver que dar certo, se as pessoas melhorarem suas vidas e se isso significar pontos positivos para o presidente Bolsonaro, ótimo, não tenho nada contra isso. Agora, o Democratas servir de barriga de aluguel não vai acontecer em nenhum lugar do Brasil.

REGINA DUARTE

A Regina é um nome respeitado, que conhece a cultura do Brasil e transita no meio cultural brasileiro, e espero que da parte do governo federal não haja um tom ideológico. Em Salvador, toda nossa política cultural é feita tecnicamente por pessoas do setor, dei carta branca para essas pessoas conduzirem o setor cultural. Não faço política partidária, ideológica com setor cultural, espero que isso aconteça a nível nacional, pois até agora não aconteceu. Quem sabe, com a chegada da Regina Duarte, uma pessoa com nome nacional, que tem muito o que perder, que ela possa chegar e imprimir esse ritmo no governo federal.

EDUCAÇÃO

Cada cidade tem sua situação, sua peculiaridade e não me cabe, como prefeito de Salvador, estar estabelecendo qualquer tipo de disputa. Sobre a educação, quando cheguei à Prefeitura de Salvador, a nossa capital tinha um dos piores IDEBs do País – que avalia a qualidade do ensino –, e no penúltimo IDEB nós fomos a capital do Brasil que mais avançou em Ensino Fundamental I e em Ensino Fundamental II. Hoje, conseguimos universalizar e chegamos a 94,8% de assistência pré-escola, que é fundamental e somos a terceira capital do Brasil que mais oferece vaga em creche. Quando cheguei a educação era um caos, talvez seja o setor que mais avançamos, então fico confortável sobre os números da educação.

SEGURANÇA

Como sou adversário do governo do Estado e o governo é do PT, eu tenho uma série de críticas à política de segurança pública do governo. Mas se você vier hoje a Salvador, visitando os pontos de maior frequência turística, andando nas áreas mais centrais da cidade, você tem uma sensação de segurança. O que critico muito é que se você vai para as periferias, para as áreas mais pobres, você vai ver uma incidência de criminalidade.

FUTURO

Em 2021 vou cuidar do Democratas Nacional, meu mandato à frente do partido vai até, pelo menos, 2022. Terei a incumbência de organizar o partido para a disputa de 2022 de maneira que o Democratas possa chegar forte, não só influenciando no desenho nacional, mas também organizando os palanques em cada um dos Estados e vou analisar com cautela, ouvindo meus parceiros, qual será o meu destino em 2022. O mais provável, não tem nada decidido, é disputar o governo do Estado da Bahia. Mas até 2021 meu objetivo é deixar um legado na prefeitura e contribuir para que façamos um bom número de prefeitos neste ano. “O diferencial é que o investidor tem que confiar, saber que o recurso terá retorno e, para isso, é fundamental ter gestão pública. Ele (Mendonça Filho) é um dos quadros mais qualificados, reuniria todas as condições para ser um grande prefeito do Recife”.

Publicado em: 23/01/2020