Pousada da Paixão


18/06


2021

Coluna da sexta-feira

Quebradeira nos restaurantes 

Dos mais de 1 milhão de bares e restaurantes que existem no Brasil, mais de 300 mil fecharam as portas de vez por causa da pandemia do novo coronavírus. Na cidade de São Paulo, 30 mil dos mais de 70 mil estabelecimentos existentes fecharam, de acordo com uma pesquisa feita pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), só no ano passado. Em Belo Horizonte, onde o isolamento está sendo mais demorado, a proporção é bem maior.

Segundo a mesma instituição, cinco mil dos 12 mil bares e restaurantes de BH fecharam, ou seja, um a cada três deixou de operar. O mesmo aconteceu na cidade do Rio do Janeiro: 40% dos estabelecimentos deixaram de funcionar, ou três mil dos 10 mil estabelecimentos. Atualmente, 73% dos bares e restaurantes no Brasil que resistiram, já retomaram as atividades.

Desses, 18% estão atuando só com delivery ou comida para viagem. Cerca de 38% estão com serviço à lá carte e só 21% funcionam com o bufê. O faturamento está menor do que o esperado para 71% dos empreendimentos. As receitas estão em queda, uma vez que parte dos gastos dos consumidores se reduziu: para 39%, o tíquete médio por compra está igual ou maior do que antes da pandemia. Ou seja, 61% dos consumidores estão gastando menos.

Com a queda nas receitas, também cai o número de vagas oferecidas pelos bares e restaurantes. Cerca de 51% estão trabalhando com menos da metade dos funcionários que tinham antes de a reabertura ser permitida e 64% não pretendem voltar a contratar no momento, mesmo com o retorno às atividades.

Famosos não resistem – Em São Paulo, estabelecimentos tradicionais fecharam as portas nos últimos meses. Em abril, o La Frontera e o Pasv, também da região central, encerraram as suas atividades. Nas redes sociais, o bar Cateto, na região de Pinheiros, zona oeste paulistana, anunciou que “diante de uma pandemia mundial que ninguém estaria pronto para prever ou se preparar, nós, como tantos outros pequenos negócios, não resistimos”. Anúncio semelhante foi feito pelo bar Capivara, na Barra Funda, também na zona oeste. Em Brasília, entre os tradicionais e mais famosos que não resistiram, o Piantella, reduto dos políticos.

Crise é geral – No Rio de Janeiro, segundo levantamento do Sindicato de Bares e Restaurantes do Estado (SindRio), encerraram as suas atividades o Bar Leo, duas unidades do Ráscal (CasaShopping e Rio-Sul), o Laguiole Lab, Puro, Aconhego Carioca (Leblon), a cervejaria Yeasteria, o restaurante Zuka e o Espirito Santa. Em nota, a Companhia Tradicional de Comércio, que administra o bar Astor, em Ipanema, e duas unidades da Bráz Pizzaria, no Jardim Botânico e na Barra da Tijuca, afirmou que os estabelecimentos de Ipanema e da Barra da Tijuca interromperam as suas atividades. De acordo com a companhia, 22 funcionários foram demitidos da unidade da Barra da Tijuca e outros 44 foram desligados do bar Astor.

Em outros setores – A crise provocada pela pandemia do novo coronavírus provocou o fechamento de 135 mil estabelecimentos comerciais no País. A perda equivale a 10% do número de estabelecimentos comerciais com vínculos empregatícios existentes antes da crise sanitária, segundo cálculos da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo). A migração gradual de parte das vendas presenciais para o comércio online deve fazer o varejo encerrar o semestre com 80 mil lojas a menos, segundo o mesmo estudo, que é arrasador.

Lula pisa na bola – Pelas redes sociais, o ex-presidente Lula disse, ontem, que, se eleito, iria por abaixo o teto de gastos. Ex-presidente do Banco Central no próprio Governo Lula, Henrique Meirelles comentou o assunto. Afirmou que o petista está mal-informado sobre o teto de gastos — regra que limita o crescimento das despesas à inflação. “O teto não impede políticas sociais; ao contrário: cria condições para o crescimento e para o país gastar melhor com as pessoas”, disse o economista.

O ex-comunista – O governador do Maranhão, Flávio Dino, anunciou que está de saída de seu partido, o PCdoB. A legenda passará a não ter nenhum governador. Dino anunciou a decisão, ontem, por meio de sua conta no Twitter. “Uma grande Frente da Esperança é um vetor decisivo para um novo ciclo de conquistas sociais para o Brasil. A tal tarefa seguirei me dedicando”, declarou. Flávio Dino está em seu segundo mandato à frente do Governo do Maranhão. Antes, foi deputado federal de 2007 a 2011. Esteve filiado ao PCdoB nos últimos 15 anos, segundo afirmou no Twitter.

CURTAS

NO PSB – A tendência é que Dino migre para o PSB e se candidate ao Senado no ano que vem. Há cerca de 15 dias ele esteve com o presidente do partido, Carlos Siqueira, e acertou a filiação à sigla. Siqueira disse que não há acordo para outros quadros do PC do B migrarem junto com Flávio Dino, mas que egressos da sigla seriam “bem-vindos” no PSB. A sigla de Siqueira também está próxima de filiar outro importante político do campo da esquerda: o deputado federal Marcelo Freixo (Psol-RJ), que poderá ser candidato a governador.

NOVAS ELEIÇÕES – O Tribunal Regional Eleitoral define amanhã ou na próxima quarta-feira a data das eleições suplementares para prefeito dos municípios de Capoeiras e Palmeirina, no Agreste Meridional, segundo o advogado Emílio Duarte, que atuará na eleição nos dois municípios. Já Pesqueira, São José da Coroa Grande, Águas Belas e Joaquim Nabuco, que também devem ter novos pleitos, estão sem previsão no calendário.

Perguntar não ofende: Lula continua desinformado ou é mesmo muito mal assessorado?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Mesquita

Bolsonaro admite que não houve corrupção no BNDES após gastar R$ 48 mi em buscas. A “caixa preta do BNDES” foi uma das bandeiras eleitorais do presidente, que queria “desmascarar” a corrupção dos governos anteriores.


Petrolina abril 2021


17/06


2021

Coluna da quinta-feira

Um deserto de líderes

O estudo do Banco Mundial, instituição insuspeita, apontando Recife como o pior ambiente para se fazer negócios entre as 27 capitais do País, só confirma, de forma insofismável, que era falsa e oportunista a campanha midiática do ex-prefeito Geraldo Júlio, o Covidão (PSB), vendendo a então propalada Veneza Brasileira como a Capital do Nordeste.

Covidão deveria se envergonhar por ter passado ao seu sucessor uma cidade abaixo até da pequena Macapá, capital do Amapá, em tratamento decente e respeitoso a quem deseja abrir um negócio, gerar empregos e reduzir as desigualdades sociais, como identificou o Banco Mundial. Mas a culpa não é apenas dele. O governador Paulo Câmara e as principais lideranças políticas do seu arco de aliança são igualmente responsáveis.

Pernambuco, notadamente Recife, que virou o patinho feio entre as capitais brasileiras, são vítimas de um modelo que se exauriu, o socialismo disfarçado, que reina há 16 anos. Uma monarquia na qual o rei é uma rainha, os áulicos batem palmas para a mediocridade, porque não têm a mínima capacidade nem um lampejo de discernimento para enxergar que o Leão do Norte há muito não ruge.

O ranking do Banco Mundial reflete, também, numa outra ponta, um Pernambuco sem liderança política, um governador amorfo, uma Assembleia Legislativa lagartixa, uma bancada federal silenciosa, conivente com os disparates que acontecem no Estado. Mesmo com suas contradições e atos não republicanos, como foram descobertos após a sua morte, o ex-governador Eduardo Campos foi a última lamparina neste deserto de líderes.

Foi altivo, quando Pernambuco exigiu firmeza dele. Corajoso, quando bateu de frente com aqueles que queriam contrariar os interesses dos pernambucanos. Sua morte abriu uma lacuna indiscutível. Nenhum Estado prospera sem liderança. Eduardo se foi, mas deixou uma herança maldita. Seus herdeiros fracassaram.

Se o governador lá fora precisa de cartão de apresentação, no Recife o prefeito João Campos é um aprendiz de gestor, verde, assessorado por menudos, fazendo uma gestão Zé Gotinha, o Papa da vacina. No Senado, como líder do Governo, Fernando Bezerra Coelho (MDB) até poderia fazer a diferença, mas só carreia recursos para sua Petrolina. Cadê a voz respeitada nacionalmente do senador Jarbas Vasconcelos?

Sem voz, a quem os pernambucanos devem recorrer? A ninguém, porque o Estado não tem mais lideranças. Tem a Bahia, com ACM Neto, sucessor do avô Antônio Carlos Magalhães. Tem o Ceará, com Camilo Santana (PT), governador competente, respeitado e tocador de obras. Fortaleza se orgulha do ex-prefeito Roberto Cláudio, campeão em popularidade, que bateu Salvador, deixando a capital cearense na liderança regional do PIB.

Certa vez, o cacique baiano ACM disse: "Nós trazemos fábricas para a Bahia, usamos o talento dos baianos para dar as fórmulas de que a Bahia precisa. Em toda parte, a Bahia cresce. Por que? Cresce porque trabalhamos, porque temos vontade de lutar por essa terra que tanto amamos".

A mão que embala o berço governa o mundo, ensinou Abraham Lincoln, ex-presidente americano, que influenciou o curso da história mundial ao assumir a liderança do Norte durante a Guerra de Secessão.

Fica a sua lição!

São Paulo na frente – Pelo estudo do Banco Mundial, São Paulo, Minas Gerais e Roraima são os estados onde é mais fácil abrir e manter um negócio. De acordo com o levantamento, Pernambuco, Espírito Santo e Amapá ocupam as últimas posições, com destaque para Recife, a capital, que aparece em último lugar. Esta é a primeira vez que a instituição relaciona "boas práticas" e "obstáculos regulatórios" em todos os 26 estados e o Distrito Federal. Até então, o relatório abrangia somente os dados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Só Armando – Omissa, a bancada do PSB em Brasília silenciou, mais uma vez, diante da péssima notícia do Banco Mundial. Mas o ex-senador Armando Monteiro, não. “O Banco Mundial é uma instituição multilateral de grande respeitabilidade e confirma com o estudo a existência de um ambiente de negócios absolutamente disfuncional, o que explica a elevada taxa de desemprego no Recife e em Pernambuco. Há poucos dias, falei sobre as taxas de desemprego recorde que estamos amargando e apontei o seu caráter estrutural. As causas incluem a burocracia, qualidade das políticas públicas, baixa capacidade de investimento, déficit na infraestrutura e outros aspectos que criam um ambiente de operações não amigável para as nossas empresas. Perde o empreendedor, perdem os cidadãos”, afirmou.

Lula pega ar – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua família entraram com um novo recurso no processo movido contra a atriz Regina Duarte, para que ela seja condenada a pagar uma indenização no valor de R$ 131 mil reais por danos morais. As informações são do jornal O Globo. O processo contra a ex-secretária de Cultura foi movido pelos filhos de Lula no ano passado. Um post divulgado por Regina afirmava que foram encontrados R$ 256 milhões nas contas de Marisa Letícia Lula da Silva, ex-primeira dama.

Licitação vergonhosa – Após a tentativa de comprar R$ 15 milhões em móveis de luxo (como cadeiras e mesas com especificações) para Suape, licitação que só foi cancelada com o escândalo da revelação por este blog, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, titularizada pelo ex-prefeito Geraldo Júlio (PSB), prepara outra licitação que tem sido considerada por fontes especializadas, no mínimo, estranha. Quer gastar até R$ 2.709.750, 24 apenas para a "realização do monitoramento da qualidade do ar no Porto de Suape".

Troféu da vergonha – O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), também bateu sem piedade na posição lanterninha do Estado no estudo feito pelo Banco Mundial. “Pernambuco é líder nacional de desemprego, um troféu que ninguém se orgulha em receber, e para que a gente deixe essa posição e volte à liderança que realmente interessa, a gente precisa discutir Pernambuco, a gente precisa somar lideranças, ouvir as pessoas, trabalhar em conjunto pelo futuro do nosso estado. É possível fazer isso, e juntos, nós temos toda a capacidade de mudar o nosso presente para construir um Pernambuco melhor para todos”, afirmou.

CURTAS

BOA NOTÍCIA – O Governo do Estado anunciou, ontem, uma seleção pública para contratar 1.575 profissionais de saúde para atuar no atendimento a pacientes com Covid-19. As inscrições já começam hoje e seguem até domingo pela internet. Os salários vão de R$ 1.100 a R$9.886,16. Desse total, há 507 oportunidades para médicos, 248 para analistas em Saúde e 820 para assistentes em Saúde.

GRANDE LÍDER – A morte repentina, ontem, do prefeito de Lajedo, Adelmo Duarte (PSD), causou um profundo abatimento na população. Ex-prefeito por três vezes, dois mandatos de deputado estadual, Duarte era uma das maiores lideranças políticas do município. Aliado do ex-prefeito Rossini Blesmany (PSD), derrotou, mais vez, na eleição passada, o candidato da família Dourado, que reinou absoluto por muito tempo.

Perguntar não ofende: Quem será o candidato do PSB a governador depois de Geraldo inviabilizado?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Mesquita

A terceira via virou uma miragem literária. A polarização entre Bolsonaro e Lula deve engolir uma candidatura moderada.


Ipojuca 2021


16/06


2021

Coluna da quarta-feira

Federação não é impositiva

Autor da proposta da federação partidária, o deputado Renildo Calheiros (PCdoB) explica que o sistema em discussão no Congresso tende a ser aprovado no bojo da reforma política, já valendo para as eleições de 2022, porque, da forma como foi discutida pelos partidos, já tendo aprovação numa das Casas, no caso o Senado, não se coloca como imposição.

“Adere ao modelo o partido que quiser, sem prejuízo nenhum”, diz Calheiros, adiantando que a federação, na prática, pode ser interpretada como uma meia fusão partidária. “Meia fusão porque os partidos se unem como se fossem uma única legenda para durar o mandato de quatro anos, mas na prática cada partido federado continuará a existir”, disse.

Segundo Calheiros, o fato de a Câmara ter aprovado a urgência-urgentíssima para votar a federação partidária não anula a discussão e votação do distrital, alternativa que transforma a eleição proporcional em majoritária, na medida em que são os eleitos os deputados mais votados, independente de partido ou coligação.

“Tanto a federação quanto o distritão estão na ordem do dia e postos no projeto de reforma política que está sendo discutida na Câmara. Em relação ao distritão, a vantagem da federação é que já foi aprovada pelo Senado”, explicou. O deputado nega que a federação seja uma emenda casuística.

Em entrevista ao Frente a Frente de ontem, Renildo disse que a federação partidária não implica na adoção de coligações camufladas. “Não se trata de coligação, está mais para uma fusão, mas uma fusão que, na prática, não implica no fim dos partidos”, observou.

“Trata-se de um sistema proposto para substituir as coligações partidárias nas eleições proporcionais (para vereador, deputado estadual e deputado federal). A federação permite que os partidos com maior afinidade ideológica e programática se unam para atuar de maneira uniforme em todo o País”, acrescentou. 

Haja explicação! – Pouco conhecido – e muitas vezes mal interpretado – esse modelo de aliança partidária recebe cada vez mais apoio no País. É uma alternativa viável diante do risco de esvaziamento e até extinção de partidos com um perfil ideológico e programático, como PCdoB, PSOL, PV e Rede Sustentabilidade, além de outros partidos com certa expressão no cenário político, como Cidadania e Solidariedade. Com base numa nota técnica do consultor legislativo da Câmara dos Deputados, Roberto Carlos M. Pontes, o Portal do PCdoB, partido que sustenta a proposta, faz um trabalho didático junto aos partidos e aos deputados para convencer tratar-se da melhor alternativa na eleição proporcional.

Coligados por 4 anos – Diante das críticas da mídia, de que a federação é a volta das coligações proibidas desde a eleição passada, o PCdoB sustenta que as coligações valem exclusivamente para o período eleitoral e podem mudar de Estado a Estado. Já as federações partidárias funcionam durante toda uma legislatura, reunindo partidos no âmbito nacional, para aturarem conjuntamente no Congresso. A semelhança entre coligações e federações partidárias é que, nos dois casos, os partidos continuam a existir, preservando seus programas.

Bolsonaro x Lula – O ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou que a disputa para a eleição presidencial de 2022 já está definida. “É Bolsonaro e Lula”, disse. A declaração foi feita no programa de rádio Pânico, na Jovem Pan. Afirmou que Bolsonaro (sem partido) é o favorito para a disputa, principalmente com a “retomada econômica” do País. “O cenário está polarizado. Lula vive seu melhor momento. Bolsonaro está no meio da pandemia. As pessoas estão em lockdown há mais de um ano, estão nervosas e com medo de perder o emprego. Mas em três ou quatro meses, Bolsonaro estará muito melhor do que agora”, afirmou.

Prévias tucanas – A Executiva Nacional do PSDB definiu, ontem, as regras para as prévias do partido. A proposta foi aprovada e os votos dos filiados terão um peso menor do que a daqueles com um mandato político. O modelo representa uma derrota para o governador de São Paulo, João Doria. Ele queria que todos os filiados do partido tivessem o mesmo peso na votação. Doria é um dos tucanos interessados em ser o candidato do partido à Presidência da República em 2022. A ideia dele era que os filiados tivessem 50% de peso e os mandatários os outros 50%.

Meu nome é trabalho – O prefeito de Belo Jardim, Gilvandro Estrela (DEM), não esperou sequer 15 dias do pós-cirurgia e já está trabalhando a todo vapor, pegando até voo para Brasília, como se não tivesse passado por uma delicada cirurgia para se livrar de um câncer. “É impressionante a sua disposição de trabalho a obstinação para fazer um governo que atenda os anseios da população”, diz o ex-ministro Mendonça Filho, aliado do prefeito, que o recepciona em Brasília desde ontem, ao lado de mais três prefeitos do seu grupo.

CURTAS

MAINHA BRIGOU – A prefeita de Caruaru, “Mainha” Raquel Lyra (PSDB), como assim foi tratada na campanha e continua sendo conhecida, jura de pés juntos que está tudo bem com o seu vice Rodrigo Pinheiro, também tucano. Mas até as paredes da Prefeitura sabem que estão brigados e isso pode complicar uma possível renúncia dela para disputar o Governo do Estado em 22.

DUQUE NA FRENTE – O ex-prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque (PT), bateu o martelo com o prefeito Romonilson Mariano (PSB), prefeito de São José do Belmonte, de quem terá apoio fechado no município na disputa por um mandato na Assembleia Legislativa. Pelo andar da carruagem, Duque tende a ser o estadual mais votado do Sertão do Pajeú.

Perguntar não ofende: Por que Pernambuco virou, agora, lanterninha na vacinação contra a covid?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Tudo por culpa do jegue acéfalo que preferiu comprar cloroquina em vez de vacinas!

Sérgio Ricardo Claudino Patriota

PE Lanterna em vacinação? Jura? PBS é partido de gente? Corja de ladrões e incompetentes. Lembrando que até Edauardo fazia parte da lista da Odebrecht!

Mesquita

Tudo isso é culpa de Bolsonaro, que protelou a compra da vacina.


Caruaru Campanha São João


15/06


2021

Coluna da terça-feira

PE no rabo da gata

Não precisa recorrer a nenhum instituto de pesquisa: a população quer vacina já. A prioridade absoluta é vencer o dragão da morte, a covid-19. Os Estados Unidos já alcançaram 100% na imunização dos americanos. O Brasil aplicou a primeira dose em 55.457.496 pessoas até às 21h de domingo passado. Dessas, 23.847.77 receberam a segunda dose. Ao todo, 79.305.267 doses foram administradas no País.

O dado é da plataforma coronavirusbra1, que compila dados das secretarias estaduais de Saúde. O número de vacinados com ao menos uma dose equivale a 26% da população, conforme a projeção de habitantes para 2021 feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os que receberam as duas doses são 11,2%.

Dos que tomaram a 1ª dose, 43% já receberam também a 2ª e estão imunizados. As vacinas que estão sendo aplicadas no Brasil são a CoronaVac, Oxford/AstraZeneca e a da Pfizer. Todas requerem duas doses. A unidade federativa com a vacinação mais avançada é o Mato Grosso do Sul, com aplicação da 1ª dose em 35,5% da população. Já o Amapá é o Estado com o ritmo mais lento de imunização –16,7% da população recebeu a 1ª dose.

Um estudo da Universidade de São Paulo e da Universidade Estadual Paulista mostra que se o Brasil ampliasse para dois milhões de doses de vacinas aplicadas por dia, 20 mil vidas seriam salvas todo mês. O estudo aponta que 60 mil mortes poderiam ter sido evitadas nos últimos três meses caso o ritmo de vacinação fosse mais acelerado.

O ritmo de vacinação contra a Covid-19 deve ficar mais acelerado depois do anúncio do Governo do Estado de São Paulo que antecipou em 30 dias o calendário de vacinação. O plano é aplicar a primeira dose em toda a população adulta até 15 de setembro. A previsão é vacinar 7,5 milhões de pessoas. Pelo menos nove estados anteciparam as datas de vacinação contra a Covid-19.

Além de São Paulo, Pará, Rio Grande do Sul e em Goiás, a vacinação das pessoas acima dos 18 anos com a primeira dose deve ser concluída em setembro. Em se tratando de Estados, não dá para entender porque Pernambuco não acompanha o ritmo de outras unidades da Federação. Vi, por exemplo, o Mato Grosso do Sul completou 50,3% da população vacinada, 46,3% com a primeira e 14,0% com a segunda dose. A média nacional é 37,7%. Enquanto isso, Pernambuco só vacinou, até agora, 35,2% - 24,8% com a primeira e 10,4% com a segunda dose.

Ceará na frente – No Ceará, a previsão é vacinar todos os adultos até 31 de agosto. No Rio de Janeiro, Espírito Santo, Alagoas e Santa Catarina - até o fim de outubro. Para os especialistas, a maneira mais rápida de superar a crise sanitária do coronavírus é com a vacinação em massa e seguindo os protocolos. Segundo José Cássio de Moraes, especialista em imunização e membro do Observatório Covid-19, o sucesso da vacinação depende de dois fatores. "Que as entregas de vacinação sejam feitas com regularidade, não haja falha, e o segundo ponto, que é um ponto que depende da população, que é tomar a segunda dose da vacina", explica.

Boa notícia – Seis cidades de Pernambuco vão receber 118,6 mil doses da vacina contra a Covid-19 produzida pela empresa Janssen. O imunizante, de dose única, vai ser destinado às localidades com maior incidência da doença, que já matou mais de 16 mil pessoas desde março de 2020. As vacinas serão disponibilizadas ao Recife, que receberá metade das doses, e a Caruaru e Garanhuns, no Agreste; e a Arcoverde, Serra Talhada e Afogados da Ingazeira, no Sertão. A capital vai usar as doses para vacinar 6,5% do público entre 18 e 59 anos; e as outras cidades, 18,6% das suas populações na faixa etária determinada.

Menos imperfeito – Em entrevista ao Frente a Frente, no especial de ontem dedicado a Marco Maciel, o ex-ministro Gustavo Krause afirmou que ninguém fez mais por Pernambuco e o Brasil como o ex-senador pernambucano. “Disse em vida o que ele representou para mim: o ser humano menos imperfeito com quem convivi cinco décadas. Como afirmou o jornalista Anchieta Hélcias, também testemunho da dedicação de MM à vida pública, “foi para a morada de Deus o seu grande amigo”. O programa teve depoimentos também de Roberto Magalhães, Joaquim Francisco, Joel de Holanda, José Jorge, Silvio Amorim, Ângelo Castelo Branco, Samir Abou Hana e Vandenbergue Machado, ex-chefe de gabinete.

Saiu batendo – Ex-líder do governo e atual opositora do presidente Jair Bolsonaro, a deputada Joice Hasselmann (SP) decidiu romper também com seu partido, o PSL. A parlamentar, que foi a candidata à Câmara mais votada do País em 2018, diz que o presidente da sigla, deputado Luciano Bivar (PE), entregou novamente a legenda para Bolsonaro "em troca de um cargo na Mesa Diretora da Câmara". "Para mim, o nome disso é prostituição", disse Joice em entrevista exclusiva ao Estadão. Bivar foi alçado ao posto de 1.º secretário da Câmara ao apoiar a eleição de Arthur Lira (Progressistas-AL), nome do Palácio do Planalto ao comando da Casa. "Eu não posso estar em um partido amorfo que virou um balcão de negócios", afirmou a parlamentar, que disputou a eleição para a Prefeitura de São Paulo em 2020 representando o partido.

Viaduto Marco Maciel – Dois dias após o seu sepultamento, o ex-senador Marco Maciel recebeu, ontem, a primeira grande homenagem pós morte: o novo e moderno viaduto de Petrolina, capital do Vale do São Francisco, inaugurado pelo prefeito Miguel Coelho (MDB), terá o nome do ex-presidente da República, segundo proposta do deputado Fernando Filho (DEM), a ser apresentado à Câmara dos Deputados, em Brasília. Maciel, com certeza, deve ser um dos homens públicos que contará com o maior volume de homenagens em logradouros públicos.

CURTAS

NO MARANHÃO – A vacinação contra covid-19 para jovens sem comorbidades com menos de 30 anos já é uma realidade no Maranhão. A Prefeitura de São Luís anunciou o cadastro para pessoas a partir de 25 anos para serem vacinadas nesta semana. Além disso, o Governo do Maranhão iniciou, sexta-feira passada, a imunização de pessoas com 29 anos em quatro municípios: São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa.

CURVA CRESCENTE – Pernambuco confirmou, ontem, mais 1.117 casos e 32 óbitos de pessoas com a Covid-19. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, com os novos registros o Estado passou a totalizar 520.694 confirmações da doença e 16.860 mortes. Os números começaram a ser registrados em março de 2020.

Perguntar não ofende: Será que chegaremos em dezembro com todos os brasileiros vacinados?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Se o acéfalo negacionista tivesse comprado as vacinas que foram oferecidas pela Pfizer, estaríamos no mínimo com 70% da população vacinada e não tínhamos 500 mil mortes, mas o mensageiro das trevas decidiu seguir o seu pequeno cérebro, agora estamos pagando a conta!




14/06


2021

Coluna da segunda-feira

Um ciclo com ponto final

Lamentada no País inteiro, com repercussão no Exterior, a morte de Marco Maciel, sábado passado, simboliza também, na verdade, um ciclo que está se fechando em Pernambuco como celeiro exportador de políticos com DNA nacional para atuar em favor do Brasil com assento no Congresso. A Câmara já foi presidida por três pernambucanos – Inocêncio Oliveira, Severino Cavalcanti e o próprio Maciel.

Nilo Coelho, maior expressão política do clã petrolinense, comandou o Senado. Também presidiu a Casa Alta o usineiro João Cleofas, que disputou três vezes o Governo de Pernambuco, perdendo para Agamenon Magalhães, Cordeiro de Farias e Miguel Arraes.Das lideranças forjadas no combate à ditadura – e Pernambuco foi grande protagonista – apenas o senador Jarbas Vasconcelos (MDB) cumpre mandato, hoje, aos 78 anos. Da sua geração, igualmente com visibilidade nacional, Roberto Magalhães, Inocêncio Oliveira, Joaquim Francisco, Egídio Ferreira Lima e Gustavo Krause estão sem mandato.

Deste ciclo, morreram Marcos Freire, Ricardo Fiúza, Carlos Wilson, José Mendonça, Sérgio Guerra, Eduardo Campos, Fernando Lyra, Cristina Tavares, Osvaldo Lima Filho, Maurílio Ferreira Lima, Osvaldo Coelho, Mansueto de Lavor, Antônio Farias e Severino Cavalcanti, todos com mandato de alta relevância, linhas de atuação antagônicas e ideologias as mais dispares. No velho ditado, cada macaco no seu galho, cumpriram papéis relevantes.

O ciclo que se fecha foi inspirado lá atrás. Estado revolucionário, Pernambuco mantém uma tradição em dar pitaco na cena nacional de longe. Já na Constituinte de 1824, tinha 11 representantes, entre eles Manuel Inácio Cavalcanti de Lacerda e Manuel Caetano de Almeida Albuquerque. Em 1946, Gilberto Freyre foi eleito deputado federal constituinte, recebeu vários prêmios e acabou contemplado com o título de Cavaleiro do Império Britânico, concedido pela Rainha Elizabeth II, da Inglaterra.

Eleito duas vezes deputado federal por Pernambuco, Josué de Castro destacou-se no cenário brasileiro e internacional não só pelos seus trabalhos ecológicos sobre o problema da fome no mundo, mas também no plano político em vários organismos internacionais. Outros nomes pernambucanos brilharam no plano nacional, viraram símbolos, como Joaquim Nabuco, líder da bancada abolicionista na Câmara dos Deputados.

Estácio Souto Maior, médico formado em 1935 pela Faculdade de Medicina de Pernambuco, ingressou na vida política filiando-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Elegeu-se deputado federal no pleito de outubro de 1954 e reelegeu-se quatro anos depois. Após a renúncia do presidente Jânio Quadros em 1961, votou contra a Emenda Constitucional nº 4, que implantou o sistema parlamentarista de governo, sob o qual foi empossado o vice-presidente João Goulart.

Interrompeu o mandato em setembro de 1961, quando foi nomeado ministro da Saúde do governo de João Goulart (1961-1964). Esteve à frente da pasta até junho de 1962, quando retornou à Câmara. Em outro plano, seja ocupando mandato federal ou não, são grandes referenciais políticos como o abolicionista José Mariano, o senador José Ermírio de Moraes, os ex-governadores Etelvino Lins, Barbosa Lima Sobrinho e Agamenon Magalhães.

Conde da Boa Vista, Cruz Cabugá, Rosa e Silva, Estácio Coimbra, Dantas Barreto, José do Rego Maciel, Francisco Julião, os irmãos Suassuna, Armando Monteiro Filho, Francisco do Rego Barros, Miguel Arraes e tantos outros que escapam da minha memória deram a Pernambuco o status da sua vocação: gerar para o Brasil uma geração de benfeitores.

O vice dos sonhos – Homenageado por lideranças de todos os matizes, Marco Maciel era uma unanimidade pelo seu perfil conciliador.  Fernando Henrique Cardoso disse que teve o vice dos seus sonhos. Se somados os dias alternados em que governou de fato nos oito anos de governo de FHC, Maciel ficou mais de um ano na Presidência. Fernando Henrique lhe dedicou espaço em seu “Diários da Presidência — 1995-1996”, lançado em 2015. Em suas 936 páginas, o ex-presidente cita seu vice 122 vezes. Considerado um coordenador político, recebia discretamente levas e levas de políticos em seu gabinete, aliviando o presidente de desgastes desnecessários.

Mal de Alzheimer – A família não divulgou a causa mortis de Marco Maciel, mas o ex-senador perdeu a vida pelas consequências nefastas do Mal de Alzheimer. Após deixar a Vice-Presidência, Maciel seguiu na política até 2011, quando terminou o mandato de senador pelo DEM. Com 20 anos no Senado em dois períodos, sua derrota na última tentativa de reeleição foi como um prenúncio da doença. O que parecia uma depressão foi se agravando.

O início do isolamento – O diagnóstico correto de nada adiantou, mas preparou a família. Até 2014, a doença pouco o afetava, mas Ana Maria, agora viúva, percebeu que o marido não conseguia acompanhar conversas e não lembrava de fatos históricos. “Ele percebia o esquecimento e ficava constrangido. No fim de 2014, não quis mais sair [de casa], só para consultas e coisas corriqueiras”, contou. Como os cuidados especiais exigem o trabalho de uma equipe, o casal mudou do apartamento que possui em Brasília para uma casa alugada onde pudesse acomodar os cuidadores.

Uma ave rara  Junto com Michel Temer, Marco Maciel era um dos ex-vice-presidentes brasileiros ainda vivos. Só que ao contrário do sucessor de Dilma, Maciel jamais rompeu com o titular do mandato, nem tentou ir além de suas atribuições. Visto como uma figura protocolar pelos detratores, seu verdadeiro papel foi de conciliador e de correção. Nunca brigou com FHC, diferente de Itamar Franco, que rompeu com Collor, e José Alencar, peça decorativa de Lula. O atual de Jair Bolsonaro, Hamilton Mourão, já derrapou com as palavras algumas vezes. Maciel primava pela lealdade e jamais foi duro com o superior hierárquico acomodado na cadeira presidencial.

Amansou até ACM – Diplomático, o maior feito de Maciel é praticamente desconhecido. A ele é creditada a capacidade de conter o explosivo senador Antônio Carlos Magalhães (PFL/DEM-BA), que presidiu a Casa de 1997 a 2001. Ele também ajudou a dissipar o escândalo da pasta Rosa, que denunciava o financiamento ilegal de campanhas de aliados do governo. Seus críticos diziam que ele jamais se expunha. Durante os governos Sarney e Collor, o deputado Ulysses Guimarães (PMDB) afirmava que o senador Maciel era capaz de falar por horas sobre os assuntos mais complexos sem proferir nenhuma opinião ou se posicionar, mesmo sendo presidente do PFL.

CURTAS

Alternativa – Não era de todo verdade. Egresso do movimento estudantil no início dos anos 60, Marco Maciel entrou na Arena, partido de sustentação da ditadura militar, sendo eleito deputado estadual e federal. No ocaso dos militares, defendeu abertamente a volta da democracia e chegou a ser cogitado como alternativa civil à Presidência do general João Figueiredo (1979-1985).

O rompimento – Depois, Maciel rompeu com o PDS, sucessor da Arena, ajudando a criar o PFL, que se alinhou com Tancredo Neves contra Paulo Maluf na eleição indireta para suceder Figueiredo. Nessa época, era presidente da Câmara. Foi conservador, claro, mas nem de longe era omisso ou um mero cortesão político. É uma triste ironia que um mestre do diálogo tenha sido enclausurado no labirinto de sua mente deteriorada, chegando a morrer, justamente nesses tempos de tamanho embate político.

Perguntar não ofende: Marco Maciel será lembrado em logradouros públicos, a partir de agora, tanto como Eduardo Campos? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

CABO


12/06


2021

Coluna do sabadão

Barrado no próprio baile

Criado para dar voz a uma das categorias mais sofridas na pandemia, a dos artistas brasileiros, o quadro “Sextou”, do Frente a Frente, programa que apresento pela Rede Nordeste de Rádio, tem se revelado numa caixinha surpreendente de gratas revelações. Na estreia, há quatro semanas, o cantor Gilliard confessou que Recife foi a cidade em que teve o maior estouro em vendas de discos no auge do seu sucesso, nos anos 80.

Amado Batista provocou repercussão nacional com a declaração apontando o ex-presidente Lula como ladrão, a partir do instante em que a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffman, anunciou que estava processando o cantor. Terceiro convidado, Alcymar Monteiro, o rei do forró, distinção que só perde para Gonzagão, o rei do baião, contou que, não fosse a mão estendida de Reginaldo Rossi, em São Paulo, não teria chegado aonde chegou.

Nando Cordel abriu o coração, revelou segredos da sua carreira artística e até pessoal. Contou que, no ápice do seu sucesso, ganhou muito dinheiro, desmaiou num show e só aí despertou para a vida espiritual. Abriu uma organização social que cuida de idosos e crianças. Contou, ainda, que fez a música De volta para o meu aconchego, uma das mais conhecidas de sua autoria, a pedido de Dominguinhos, que havia brigado com a esposa.

Convidado do “Sextou” da próxima sexta-feira, Santana, o Cantador, conta que começou como vocalista na banda de Luiz Gonzaga, diz que a música Tamborete de forró, preferida por ele em shows, é uma homenagem a sua esposa Laelma, de Palmares, e que chegou a ser barrado num baile em que ele próprio seria o cantor, o astro da noite.

Foi uma festa filantrópica no Recife para ajudar Arlindo dos 8 baixos. Em um ano de pandemia, completado em março passado, os artistas deixaram de arrecadar um valor estimado em mais de R$ 2 bilhões, com direitos autorais em shows e eventos, segundo o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), responsável por angariar essa renda e distribuir entre os artistas no País.

Grana irrecuperável – A superintendente executiva do Ecad, Isabel Amorim, destacou que esse dinheiro não pode ser recuperado, pois remete ao período atual, em que tudo está parado. Por recomendação das autoridades de saúde e determinação de governos locais, diversos eventos foram adiados ou cancelados e comércios estão proibidos de abrirem as portas para o público. “No caso dos shows, alguns serão remarcados para outras datas. Porém, não haverá uma nova reprodução pública da música em outra data. Se não tocou, não tem direito autoral para pagar”, explicou Isabel Amorim.

Ameaçado de derrota – A novela mexicana em que se transformou a anulação da eleição em Pesqueira, impedindo o Cacique Marquinhos (Republicanos) de tomar posse, parece que está chegando ao fim. Os ministros do TSE – sete ao todo – começaram, ontem, a votar pelo plenário virtual. No primeiro dia, apenas três se manifestaram, deixando o Cacique em desvantagem de 2x1. Até o final da próxima semana, os quatro ministros irão proferir os seus votos. O que se diz no TSE é que o Cacique será derrotado. O TSE rejeitará o seu recurso e marcará a data da eleição suplementar. 

Assessor global – Amigo pessoal de Lula, o jornalista Franklin Martins será o todo-poderoso da comunicação da provável campanha do petista ao Palácio do Planalto, em 2022. Resta saber como será a relação do jornalista com sua antiga casa, a Globo, alvo de duras críticas do ex-presidente. Em julho de 2020, ao ser entrevistado pelo portal ‘Brasil 247’, o veterano do jornalismo analisou o canal carioca. “Os dois maiores partidos políticos do Brasil são o PT e a Rede Globo”, disse ao editor Gustavo Conde.

Destruir o PT – Franklin afirmou ainda que “a TV Globo se construiu a partir de uma posição quase monopolista dentro dos meios de comunicação” e acusou o canal de passar “os últimos 10 anos querendo destruir o PT e não conseguindo” Em maio, durante live, ele voltou a atacar a emissora ao opinar sobre a próxima eleição. “A Globo gostaria de construir um candidato que não fosse o Lula e pudesse derrotar o Bolsonaro, mas o Bolsonaro tomou grande parte do eleitorado que a Globo foi cativando, formando, dentro do processo de perseguição e golpe (contra o PT)”.

Boa escolha – Pernambucano do Recife, sobrinho do ex-ministro José Múcio Monteiro e do empresário Eduardo Monteiro, o deputado Fernando Monteiro (PP) chegou em Brasília como assessor de Múcio no final dos anos 90, conheceu rapidamente os meandros e segredos do Congresso e, de repente, foi eleito para representar o Estado na Câmara Federal. Escolhido presidente da Comissão da Reforma Administrativa, um tremendo abacaxi, porque contraria muitos interesses, ocupou, nos últimos dias, um grande espaço na mídia nacional. Preparado, passou segurança e conhecimento de causa. Deve fazer um bom trabalho.

CURTAS

EM QUEDA – Nas últimas semanas, a Globo está com dificuldade de atingir a casa dos 30 pontos de audiência no Ibope. Houve perda de público em quase todas as regiões do País. Em algumas, fuga de 15% de telespectadores. Esse revés seria consequência do alardeado boicote proposto na internet por críticos da Globo e os bolsonaristas? O principal telejornal da TV seria vítima do radicalismo político-ideológico?

RETRAÇÃO – A rejeição ao jornalismo da emissora carioca explica uma pequena fração do declínio no Ibope. Outras causas são bem mais danosas. A primeira é a retração do distanciamento social nas grandes cidades. As taxas caíram apesar do apelo “fique em casa” repetido pelas autoridades. Mais gente nas ruas por conta do comércio aberto até mais tarde significa menos público diante da TV na faixa nobre.

Perguntar não ofende: Por que o deputado Renildo Calheiros (PCdoB) está bancando o ônus da emenda casuística da federação dos partidos?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes Junho 2021


11/06


2021

Coluna da sexta-feira

Mais uma excrescência

Enlouquecidos com as dificuldades de montar chapas que garantam uma boa soma de votos e com isso a salvação dos seus mandatos, os deputados federais aprovaram, na noite da última quarta-feira, a urgência do projeto que cria a federação de partidos, um tremendo casuísmo que, na prática, permite, de forma disfarçada, trazer de volta as velhas coligações que eles próprios derrubaram nas eleições municipais, em 2020.

A urgência urgentíssima da medida, que permite a formação de um bloco de partidos concorrendo sob a mesma legenda, teve amplo respaldo na casa legislativa. A tramitação acelerada do Projeto de Lei 2522/15 recebeu votos favoráveis de 429 parlamentares e apenas 18 contrários. Entre os partidos, apenas o Novo votou contra. O requerimento que solicitou a urgência urgentíssima é de autoria do líder do PCdoB na Câmara, Renildo Calheiros (PCdoB-PE).

No plenário, Calheiros destacou que o texto em si ainda deve sofrer modificações, mas ressaltou a importância do tema. “Para o mérito, nós temos a expectativa de, com isso, contribuirmos para o debate, melhorarmos o arcabouço jurídico, as alternativas jurídicas para os partidos políticos brasileiros, dentro de uma construção democrática, de uma negociação que precisa evoluir, de entendimentos que precisam evoluir, mas é uma modesta contribuição que nós estamos dando”, afirmou.

Parlamentares destacaram a importância da tramitação da matéria em razão da proximidade do prazo de mudanças na legislação eleitoral – um ano do pleito. Nas redes sociais, a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) celebrou o resultado. “Aprovada na Câmara a urgência do projeto que cria as Federações Partidárias. Estamos no caminho de aprovarmos uma legislação moderna e democrática para o Brasil que une partidos em frentes únicas”, tuitou.

Na verdade, só é boa, moderna e democrática, para os nobres parlamentares, porque vai resolver a vida de muita gente que estava a beira de sofrer um ataque, devido às dificuldades de reeleição impostas pelo fim das coligações. O Congresso atua sempre assim: quando está em jogo os interesses deles próprios, vale bater palmas para uma excrescência de tamanha magnitude.

Arranjo de coligações – Especialista na matéria, o professor Maurício Romão diz que na federação, os partidos, resguardadas suas autonomias estatutárias, podem unir-se, funcionando como se um partido fosse, com identidade única, obedecendo a uma mesma linha ideológico-programática, votando matérias conjuntamente e obrigados a permanecerem nesse modelo durante o período da legislatura. Na versão da PEC, a federação será repetida nos estados, porém se faculta aos órgãos partidários nacionais decidir se o arranjo se reproduziria nas eleições municipais. O texto deixa muitos pontos sem esclarecimento, remetendo à legislação ordinária definição de regras sobre o mecanismo das federações nas casas legislativas e no processo eleitoral.

Fusão, a saída – Para Romão, alterações na atual legislação, às duras penas estatuída, faltando pouco mais de um ano de quatro meses para as eleições, devem ser prontamente repelidas. “O caminho alternativo para os partidos com insuficiente envergadura de votos, de perpassar os rigores do novo regramento, é o de se estruturarem mediante fusão, o que lhes possibilitam maior competitividade eleitoral e nova roupagem programática”, sugere.

Globo tentou Copa – Agora crítica da realização da competição, a Globo tentou transmitir a Copa América. Os principais executivos da emissora viajaram ao Paraguai em outubro de 2020 para pedir perdão à Conmebol para que a TV pudesse concorrer na disputa pelos direitos do campeonato. As informações são do site Notícias da TV. O perdão era necessário porque a Conmebol está processando a Globo por quebra de contrato. A emissora brasileira terminou o contrato de transmissão da Copa Libertadores em agosto do ano passado, antes do prazo estipulado. Sem a autorização da Conmebol, a Globo não poderia participar da concorrência para a transmissão de nenhum de seus torneios.

Mas quebrou a cara – A comitiva global contou com Jorge Nóbrega, presidente executivo da Globo, Paulo Marinho, diretor dos canais da emissora, e Pedro Garcia, diretor de aquisição de direitos. Eles foram à sede da Conmebol e foram recebidos pelo presidente da entidade, Alejandro Domínguez. A proposta da Globo era adquirir os direitos de transmissão da Copa América e da Libertadores, de 2023 a 2025 – os direitos são do SBT até 2022. A Globo queria os direitos para as TVs aberta e por assinatura, internet, rádio e streaming. Mas a Conmebol não fechou negócio.

Pressão pelo distritão – Há um movimento na Câmara para atropelar a comissão especial da reforma política e votar o projeto direto no plenário. O motivo é a pressa para aprovar mudanças nas regras eleitorais até outubro na Casa e no Senado. Se votadas depois disso, não valem para 2022. O modelo de eleição com mais apoio na Câmara é o distritão, que elege os deputados mais votados independentemente do desempenho dos partidos. No sistema de eleições atual as cadeiras de cada unidade da Federação na Câmara são dividas de acordo com a votação dos partidos. As vagas conquistadas pelas siglas são divididas entre seus filiados mais votados.

CURTAS

COM LIRA – Os pedidos para acelerar a tramitação do projeto, uma PEC (proposta de emenda à Constituição), já chegaram ao presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL). O Poder360 apurou que o deputado não demonstrou contrariedade, mas que ainda não há certeza se o Regimento Interno da Câmara permitiria a manobra. Em tese, só é possível retirar o projeto da comissão e levar para o plenário quando ela estiver funcionando a ao menos 40 sessões da Casa. Foram apenas 15 até o momento.

REELEIÇÃO DIFÍCIL – A pressão para mudar as regras eleitorais aumenta à medida em que as tratativas para fechar as candidaturas do ano que vem avançam. A manutenção das regras atuais ameaça a existência dos partidos pequenos e também é problemática para diretórios locais pouco estruturados de siglas grandes. Pode haver dificuldades pare encontrar candidatos a deputado federal em determinados Estados.

Perguntar não ofende: Por que os nobres deputados federais adoram legislar em causa própria?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

felipe

Não tire a máscara, tire o Bolsonaro!


Serra Talhada 2021


10/06


2021

Coluna da quinta-feira

Obama e Amado Batista

O cantor Amado Batista, que ontem voltou a recepcionar o presidente Bolsonaro numa chácara em Goiás, reagiu com ironia em relação à ameaça de ser processado pela presidente do PT, Gleisi Hoffman, por ter chamado o ex-presidente Lula de ladrão. “Se realmente isso ocorrer, vou recorrer a Barack Obama para me auxiliar na defesa”, disse o maior fenômeno musical do País, que já bateu o rei Roberto Carlos em venda de discos.

A declaração de Amado Batista foi repassada ao blog por uma relevante fonte que esteve com ele recentemente. A entrevista do cantor irritou profundamente a cúpula do PT, Lula e seus asseclas. É um dos assuntos mais comentados nas rodas políticas do Congresso, na Esplanada dos Ministérios e no coração do poder, o Palácio do Planalto. A mídia nacional, em quase sua totalidade, reproduziu trechos e o áudio que foi ao ar no Frente a Frente pela Rede Nordeste de Rádio.

Não se sabe quando, mas Barack Hussein Obama, ex-presidente americano, declarou em seu livro de memórias (Uma Terra Prometida), que tinha conhecimento de suspeitas de corrupção bilionárias no governo do corrupto e lavador de dinheiro, Lula da Silva, a quem, certa vez, tadinho, chamou de “o cara”.

Antes tarde do que nunca, né? Mas Obama que não venha, agora, posar de ludibriado, pois não é. Seria impossível que o presidente dos EUA, simplesmente a maior potência econômica e militar do planeta, não soubesse de todos os mega esquemas de propina que abasteciam a cleptocracia lulopetista.

O democrata escreveu sobre o presidiário (provisoriamente em liberdade, por conta e graça de seis ministros do STF): “Ex-líder sindical grisalho e cativante (eu: quase todo criminoso é cativante), com uma passagem pela prisão por protestar contra o governo militar (eu: prisão de um mês), e eleito em 2002”.

E continuou, Obama: “Constava também que tinha os escrúpulos de um chefão do Tammany Hall (organização política criminosa que dominou Nova Iorque por 200 anos), e circulavam boatos (eu: boatos??) de clientelismo governamental, negócios por baixo do pano e propinas na casa dos bilhões”.

Ataque na Globo – Obama deu declarações também no programa de Pedro Bial, na TV Globo. Afirmou: “Soube dos relatos de corrupção que surgiram e que afetaram o sistema brasileiro. Na época, quando falei que Lula era o cara, não sabia de todos esses problemas envolvendo-o com corrupção. Acho que o dom que o Lula tinha ao se conectar com o povo brasileiro e o progresso econômico que realmente aconteceu, quando ele tirou as pessoas da pobreza naquela época, são coisas que não podem ser negadas, mas são coisas que tento fazer no livro, descrever as complexidades de todas as figuras, inclusive de Lula”.

A caneta é de Teobaldo – Presidente nacional do Podemos, a deputada Renata Abreu (SP) reforçou, ontem, ao blog, a liderança e o poder do deputado Ricardo Teobaldo como presidente da legenda em Pernambuco. Disse, enfaticamente, que qualquer liderança que manifeste interesse em ingressar no partido no Estado para disputar as eleições tem que sentar com Teobaldo. “É ele que decide”, disse. Foi um recado à deputada Clarissa Tércio, que tem sinalizado uma possível filiação ao Podemos para disputar o Governo do Estado.

O Novo tem líder – Candidato a vereador mais votado no Recife pelo partido Novo, mas não eleito por causa do voto de legenda, Técio Teles, que é sertanejo de Calumbi, mostrou, ontem, em Brasília, que é uma liderança em ascensão na legenda não apenas em Pernambuco, mas nacionalmente. Circulou com desenvoltura entre o salão verde da Câmara e azul do Senado, fazendo gestões já com vistas às eleições do próximo ano.

Sem recurso – Sob pressão, o Cidadania e o PSB desistiram de ações no Supremo Tribunal Federal (STF) que pediam a suspensão dos pagamentos de verbas do orçamento secreto, esquema montado pelo presidente Jair Bolsonaro para obter apoio político. O recuo das legendas causou estragos internos nos partidos. Um dos parlamentares insatisfeitos, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) disse ao Estadão que se desfiliará da legenda. Em nota, o senador Alessandro Vieira classificou de “escândalo de dimensão nacional” o chamado orçamento secreto e disse discordar “frontalmente” da desistência da ação.

Aposta no Distritão – A possível adoção do Distritão para 2022, sistema na eleição proporcional que, no fundo, se traduz na chamada verdade eleitoral, está ganhando mais adeptos no Congresso. Segundo o deputado Silvio Costa Filho (Republicanos), a proposta pode ser aprovada na Comissão da Reforma Política, já para vigora em 22. Quanto à versão de que passaria na Câmara, mas seria barrada no Senado, diz que é mera especulação. “O Senado é uma casa revisora e não ia contrariar uma grande maioria formada na Câmara”, afirmou.

CURTAS

OS AGRESSORES – De acordo com o boletim de ocorrência sobre a agressão à vereadora Liana Cirne, da bancada do PT na Câmara do Recife, os policiais militares envolvidos na agressão à parlamentar com spray de pimenta foram o sargento Ronaldo Santos de Lima e os soldados Paulo Henrique Ferreira Dias, Aberlryton José Mendes de Aguiar e Lucas França da Silva.

A COMPROVAÇÃO – A agressão ocorreu no dia 29 de maio, durante a violenta repressão policial ao protesto pacífico contra Bolsonaro (sem partido). A truculência policial resultou em diversos feridos e na perda da visão de um dos olhos por dois homens atingidos por balas de borracha. Os quatro policiais aparecem nos documentos que estão sendo investigados pela Delegacia do Bairro do Recife.

Perguntar não ofende: Que tipo de punição sofrerão os policiais envolvidos na agressão à vereadora?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Ivanildo Santos

Diante da evidência dos fatos, o PT também deveria processar Barack Obama que chamou Lula de ladrão!

Joao

Grande QI amebóide, Amado Batista. Esse idiota só não toca na quantidade de brasileiros mortos por falta de vacina, ele sabe quem tem uma parcela grande de culpa nessas mortes, não toca no assunto Micheque, não fala na casinha de Flavinho chocolate rachadinhas.....asno!

felipe

Familiares de vítimas da pandemia processam Bolsonaro. A Associação de vítimas e familiares de vítimas da Covid-19 AVICO — protocolou terça-feira junto à Procuradoria Geral da República uma representação criminal contra Bolsonaro por negligência.


Anuncie Aqui - Blog do Magno


09/06


2021

Coluna da quarta-feira

Múcio, o tertius?

Na inviabilidade da ainda considerada candidatura natural de Geraldo Júlio ao Governo de Pernambuco, o ex-ministro José Múcio Monteiro, do Tribunal de Contas da União, poderia despontar como opção de tertius. Pelo menos é o que vem sendo especulado em Brasília nos últimos dias, na medida em que as notícias sobre as consequências das operações da Polícia Federal envolvendo investigação de recursos da pandemia comprometem Geraldo e assessores mais próximos.

Múcio goza de prestígio e amizade com o ex-presidente Lula, de quem receberia a indicação para a cúpula do PSB estadual. Foi ministro da Articulação Política do Governo Lula e por ele indicado ao Tribunal de Contas. Sua missão naquela corte já foi encerrada com muito sucesso, tendo se aposentado logo após cumprir dois anos como presidente. Com trânsito fácil em Brasília, Múcio continuou a morar na cidade, mas voltou a ter ligações diretas com Pernambuco.

Um deputado da bancada federal lembra que o Estado está carente de lideranças de envergadura, o que tem de sobra em José Múcio. Fala-se até que, no caso dele vir a ser escolhido como candidato alternativo, seu ingresso partidário seria via o PSB. Com assento no poder há 15 anos, o partido não quer perder o direito da indicação da cabeça de chapa para o Governo do Estado numa eventual aliança com o PT.

Por muito tempo, José Múcio militou no PTB, mas teve que se desligar tão logo assumiu a vaga de ministro do TCU. Com trânsito fácil em todos os partidos que integram a aliança governista em Pernambuco, não teria nenhuma dificuldade em ser acolhido no PSB. Em entrevista ontem ao Frente a Frente, ele negou que tenha feito qualquer articulação para buscar filiação partidária com vistas ao processo eleitoral de 22 em Pernambuco.

"Nunca tratei de qualquer assunto de 22 com Lula, com quem, aliás, tem tempo que não me encontro", afirmou. Múcio pode estar escondendo o jogo. Ele pode até não querer entrar no jogo sucessório de Paulo Câmara, mas tem muita gente torcendo por isso. Outro deputado chegou a lembrar até o nome do secretário da Casa Civil, José Neto, como o melhor candidato a vice numa chapa encabeçada por José Múcio.

Covidão no grito – Na visita do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, ao Agreste pernambucano, na semana passada, o presidente estadual do PTB, Coronel Meira, perdeu a paciência com o discurso de lideranças da região culpando o Governo Bolsonaro pelo agravamento da pandemia no Estado. Diante de um discurso radical de um vereador em Garanhuns, Meira explodiu. Pegou o microfone e dedo em riste afirmou: "Acabe com essa conversa mole, vereador. O maior culpado em Pernambuco é o seu PSB, que desvia dinheiro da Covid. O maior responsável pelos desvios é o seu prefeito Geraldo Covidão". O vereador calou-se.

Auxilio de R$ 12 bi – O ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que a extensão do auxílio emergencial deve ser custeada por R$ 12 bilhões de crédito extraordinário (emissão de dívida pública) e R$ 7 bilhões que já estão disponíveis no orçamento do programa. Segundo o ministro, é “muito razoável” fazer essa despesa extra já que a vacinação não alcançou toda a população adulta (ele espera que isso ocorra até setembro). Guedes pontuou ainda que o governo está aumentando suas receitas por causa de uma melhora da economia, o que deve diminuir o deficit público.

Não deu em nada – Apesar de considerar cordial o gesto do governador Paulo Câmara em receber uma comissão de parlamentares da Assembleia Legislativa para falar sobre a ação da Polícia Militar no protesto do último dia 29, o deputado estadual Antonio Coelho (DEM) mostrou-se reticente com os argumentos apresentados. O líder da Oposição na Casa afirmou que a impressão passada durante a reunião é de não haver consenso no governo sobre de onde partiu a ordem para a polícia agir. O parlamentar, inclusive, reafirmou a disposição da bancada em buscar o esclarecimento dos fatos e defendeu a importância da abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Casa.

TCU investiga servidor – O Tribunal de Contas da União (TCU) informou, ontem, que vai apurar a conduta do servidor que escreveu uma nota apontando suposta "supernotificação" no número de mortes por Covid-19 em 2020. O documento foi citado pelo presidente Jair Bolsonaro na segunda-feira  como se tivesse sido produzido pelo próprio TCU. O Tribunal de Contas negou a autoria e, nesta terça, Bolsonaro admitiu ter errado na declaração. O TCU ressaltou, ainda, que as informações divulgadas no documento “não encontram respaldo em nenhuma fiscalização" do tribunal. O tribunal vai abrir procedimento interno para investigar o caso.

Nova onda – Em seu segundo depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse, ontem, que há a tendência de o Brasil viver uma nova aceleração das mortes pela doença, sem, no entanto, admitir a iminência de uma 3ª onda de contágio. Ele reforçou que o chamado tratamento precoce com remédios como cloroquina e ivermectina não tem eficácia e declarou ter foco exclusivo na ampliação da campanha de vacinação. “Para mim, ainda não está caracterizada uma terceira onda. Eu acho que estamos ainda nessa segunda onda e num platô elevado de casos. E a minha esperança para conter isso é a vacina”, declarou o ministro.

CURTAS

VALIDADE – O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Carlos Lula, informou que os 3 milhões de doses da vacina da Janssen que devem chegar ao Brasil na semana que vem têm prazo de validade até 27 de junho. Como o imunizante é importado, o país terá de 10 a 14 dias para receber, distribuir e aplicar todas as doses. Segundo Carlos Lula, o Ministério da Saúde consultou o Conass e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) para saber como proceder com a oferta de antecipação da farmacêutica mediante com um prazo de validade apertado.

COMÉRCIO – Pernambuco fechou o mês de abril com a maior alta no comércio varejista do ano. Com acréscimo de 8,2% no setor, o Estado teve um resultado quatro vezes maior do que o nacional, que fechou o mesmo período com alta de 1,8%. No resultado regional, Pernambuco ficou atrás apenas da Bahia, cuja elevação foi de 10,4%. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo IBGE.

Perguntar não ofende: O Congresso vai ter recesso em julho em tempos de pandemia?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

camila mesquita

Eu não Esqueci quem é a Rede Globo… Mais se hoje ela é a única que quer DERRUBAR o MILICIANO BOZO, É para Ela que vou dar Ibope !.

felipe

Em pronunciamento, jogadores da Seleção Brasileira justificaram o 7 x 1 para Alemanha.

felipe

A PÁTRIA DE CAIXÃO: na carta dos jogadores da seleção nem uma vírgula dos 500 mil “torcedores” mortos.


Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2


08/06


2021

Coluna da terça-feira

O ator e o mandante

Quem deu a ordem para atirar nos manifestantes que foram às ruas do Recife em protesto contra o Governo Bolsonaro, na semana passada, foi o secretário de Defesa, Antônio Pádua, demitido por esta razão e não porque pediu para sair. O comandante da PM, Vanildo Maranhão, também afastado, só deu o grito de ordem ao Batalhão de Choque em obediência ao secretário.

Já Pádua, por sua vez, não tinha autonomia para reprimir nenhum tipo de manifestação se não tivesse recebido ordem superior. Decisões dessa magnitude seguem, portanto, uma rígida hierarquia. No topo desse sistema, no velho e surrado linguajar do manda quem pode, obedece quem tem juízo, está o governador Paulo Câmara. Mas ele não vai dar o braço a torcer nunca. Em ano pré-eleitoral, assumir uma mancada dessa seria suicídio político.

Deste triste, lamentável e deprimente episódio se chega, igualmente, a conclusão de que a corda só arrebenta no lado dos mais fracos. O comandante da PM, o mais baixo na hierarquia, coitado, foi o verdadeiro boi de piranha. Pagou o preço pelo cumprimento da missão. Soldado no quartel, diz o ditado popular, está pronto para toda e qualquer missão que surgir, mesmo sendo contrário aos princípios.

Ao demitir o comandante da PM e em seguida o secretário de Defesa, o governador inverteu as ordens. O primeiro a cair deveria ter sido Pádua. De uma sala especial em seu gabinete, ele monitorou toda manifestação, informando ao governador passo a passo de tudo. E quando recebeu a ordem do chefe mandou o comandante jogar a tropa em cima dos manifestantes.

O final foi trágico e "projetou" Pernambuco no Fantástico, domingo passado, programa de maior audiência da Rede Globo. Tragicidade maior para os dois senhores que perderam uma das vistas atingidas por balas de borracha, que nada tinham a ver com o ato. Infelizmente, tiveram do Governo menos atenção e cuidados do que a vereadora petista, que se jogou no chão depois de levar spray de pimenta nos olhos.

Até as paredes – A versão acima, levantada por este blogueiro com as mais variadas fontes militares, é do conhecimento de toda a tropa, ativa e inativa, da aguerrida Polícia Militar de Pernambuco. Está presente também na bancada governista na Assembleia Legislativa e chegou fortemente aos deputados da própria coligação oficial na bancada federal. Como se diz no Palácio, as paredes têm vozes e falam tudo claramente.

Casuísmo a caminho – incomodados com a proibição da formação de coligações partidárias, experiência que os vereadores serviram de cobaias nas eleições passadas, os deputados federais estão decididos a promover um tremendo casuísmo: aprovar a federação dos partidos. Trata-se de um projeto que nasceu no Senado, ainda é objeto de uma grande polêmica, mas se passar na Câmara pode abrir uma janela para a volta das coligações.

Retrocesso eleitoral – À propósito, um especialista em legislação eleitoral fez o seguinte comentário sobre o projeto casuístico que começou no Senado por iniciativa do PCdoB: "A única diferença para as coligações na proposta do PCdoB é que na federação os partidos são obrigados a permanecerem unidos durante a legislatura. O resto é coligação pura e simples. Um retrocesso inconcebível".

Investimento espanhol – O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, sobrevoo o litoral de Alagoas e Pernambuco, ontem, levando a bordo uma delegação de empresários espanhóis de olho em hotelaria e energia solar no Nordeste. Machado procurou o grupo depois de ser informado da intenção dos espanhóis de investir em território cubano e não no Brasil. Depois de uma manhã de trabalho, o ministro ofereceu um almoço para a comitiva num restaurante da zona sul. Hoje, Machado vai levá-los para o Norte, especialmente o Pará, Estado que pretendem também investir em equipamentos turísticos.

Viva Joaquim! – Liguei, ontem, para o ex-governador Joaquim Francisco, a quem servi como secretário de Imprensa. Recentemente, ele se submeteu a duas cirurgias para se livrar de um câncer. Encontrei um Joaquim animado, alegre e divertido, como sempre. Louco para voltar às atividades de advogado no seu escritório e a caminhar no parque da Jaqueira. Homem público decente e probo, Joaquim Francisco é raridade na fauna política. Nunca seu nome esteve envolvido em qualquer tipo de desvio ético. E olha que ocupou muitos cargos – prefeito do Recife, governador, deputado federal e ministro de Estado! Honra Pernambuco.

CURTAS

MINHA PROFESSORA – Soube, ontem, antes de embarcar para Brasília, que a jornalista Valdelusa D’Arce, sofreu um derrame cerebral hemorrágico. Foi minha professora de Jornalismo na Unicap e colega de redação no Diário de Pernambuco. Estamos em oração por ela. Grande figura!

CIDADANIA – A Câmara de São José do Egito, berço da poesia pajeuzeira, aprovou, ontem, por unanimidade, meu título de Cidadão. Estou feliz porque São José é parte da minha vida e cenário do start no jornalismo. Ali, defendi muitas bandeiras, desde os anos 80, com destaque para os problemas decorrentes das secas periódicas. Também promovi sua cultura e o talento dos seus grandes poetas, desde Louro a Cancão. Este, aliás, personagem de uma bela reportagem de capa no caderno Viver, do DP. Em nome do vereador Albérico Tiago (PP), autor da proposição, agradeço a todos os 13 parlamentares.

Perguntar não ofende: Quando a CPI da Covid vai colocar em pauta a convocação de Geraldo Covidão?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

felipe

O voto no Peru é impresso e a direita diz que perdeu por fraude...

felipe

Santos, Cadê aquela massa que gritava o Brasil precisa de hospitais, não de Copa do Mundo, pra gritar agora. O Brasil precisa de Vacina, não de Copa América. Cadê?

Ivanildo Santos

A birra é tão grande com o Presidente que se ele anunciar que é contrário ao suicídio, o povo da esquerda se mata!

felipe

O curioso caso do país que não pode ter Censo, mas pode ter Copa.




07/06


2021

Coluna da segunda-feira

O imexível Pedro Eurico

Na indiscutível sapiência da seleção do seu time, o ex-governador Eduardo Campos classificava seus auxiliares em dois patamares: os leiteiros e os sorveteiros. Reza a tradição do leiteiro acordar nos primeiros raios de sol no horizonte para a labuta diária da arte de sugar com as duas mãos, subtraindo das mamas da vaca no curral, o precioso leite das crianças.

Já o vendedor de sorvete só arrasta o carrinho com a sua mercadoria às ruas, na rotina de ir atrás do trocado diário, depois do meio-dia, tendo em vista que quase não existe seu consumo pela manhã por ser um produto gelado, bom para amenizar o calor.  Eduardo, claro, bom na pegada da ralação, admirava os sorveteiros, principalmente quando, brilhantes, rendiam bons resultados.

Mas, no fundo, só elogiava os leiteiros. Secretário de Justiça e Direitos Humanos do Governo Paulo Câmara, o advogado Pedro Eurico não é leiteiro nem sorveteiro. Mesmo assim, não sei por que razão ou milagres dessa vida caminhante, é um visgo de poder. Não cai nunca. É parte dos sanguessugas do serviço público: viram-se páginas de governo, mas ele está sempre lá.

E produzindo fábulas grotescas. Numa entrevista à TV Globo que virou meme pelas redes sociais, disse que o vírus da covid-19 não se pega em transportes públicos, seja em ônibus que as pessoas se transformam em salsichas, seja nos metrôs nos quais os passageiros passam pelo constrangimento de cheirar até o sovaco alheio, afora o assédio sexual.

“Ônibus não é vetor de contaminação”, proclamou ele, ao vivo, na poderosa global. Pedro Eurico é uma piada de mau gosto. Lá atrás, em 2016, liberou o número do seu celular para os presidiários. Os presídios, onde há rebeliões constantes, são subordinados a ele. “Eu vou ser cínico? Eu vou mentir? O celular existe e está lá. Além de dar o número do meu celular, eu disse: “Liguem a cobrar”.

Esta declaração, que na época gerou muita polêmica, foi sustentada, segundo ele, na suposta hipótese de um detendo sofrer tortura e ter a liberdade de denunciar por telefone. O governador não gostou nem um pouquinho, mas o manteve no cargo. No episódio mais recente, a repressão da PM aos manifestantes que foram às ruas contra o Governo Bolsonaro, Pedro Eurico disse que a ordem de bater e atirar bala de borracha não partiu do Governo e que não havia comando paralelo na polícia. Se não há comando paralelo, então partiu de quem, cara pálida, se não do Governo?

Pedro Eurico é uma piada de mau gosto! Teve cinco mandatos de deputado estadual. Ao final do último, encerrado em 2010, faz carreira na vida pública em todos os governos socialistas. Quer saber por que é imexível?

Eu não sei, mas talvez os pássaros que alegram as manhãs modorrentas do governador Paulo Câmara nos jardins do Palácio do Campo das Princesas tenham a resposta na ponta do bico.

No Livro dos Recordes – Pedro Eurico de Barros e Silva iniciou sua carreira política como militante da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Olinda e Recife. Durante a ditadura militar, defendia presos políticos, denunciava a tortura e a perseguição política. Em 1982 foi eleito vereador do Recife e em 1986, deputado estadual pelo PSB. No segundo Governo Arraes (1986-1990) ocupou a Secretaria de Habitação. Eleito, Eduardo Campos o nomeou secretário da Criança e da Juventude, sendo remanejado por Paulo Câmara para Justiça. Em 15 anos de governo socialista, Pedro Eurico se segura em cargos há nove anos. Candidatíssimo ao Guiness Book.

O rei dos memes – O super poderoso Pedro Eurico cometeu outro baita deslize verbal que viralizou como meme. Para tirar o Governo do bombardeio quando as concessionárias de automóveis foram excluídas do decreto de restrição de funcionamento na pandemia, afirmou o seguinte: "As concessionárias, primeiro, não agrupam muitas pessoas e, segundo, é um serviço essencial para que as pessoas possam exercer o direito de trocar, comprar seus veículos, como também isso funciona para supermercados, para farmácias".

Festas clandestinas – O decreto de restrições para tentar conter a Covid-19 no Estado foi desrespeitado na praia de Barra de Sirinhaém, sábado passado. Moradores e turistas se aglomeraram na orla. Em Pombos, na Zona da Mata Sul, a Polícia Militar descobriu uma festa clandestina com 35 pessoas e levou o organizador para a delegacia. Vídeos enviados para a TV Globo mostram uma fila de ônibus, vans e carros particulares perto da orla de Barra de Sirinhaém. Havia muitas pessoas na faixa de areia e no mar, inclusive em barcos e lanchas. A PM disse que orientou os banhistas a deixar o local.

No Supremo - O Cidadania e o PSOL anunciaram que vão ingressar, hoje, no Supremo Tribunal Federal (STF), para suspender a execução das emendas do orçamento secreto, esquema criado pelo presidente Jair Bolsonaro para aumentar sua base de apoio no Congresso em troca de liberação de recursos. Os dois partidos apontam inconstitucionalidade na utilização de verbas reunidas por emenda de relator-geral (RP9). A manobra foi revelada pelo jornal O Estado de São Paulo.

PT processa Amado - A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou que vai processar o cantor Amado Batista depois que ele chamou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de “ladrão”. A declaração foi no Frente a Frente, programa que apresento pela Rede Nordeste de Rádio. Na entrevista, Batista defende o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com quem tem amizade, e ataca Lula e seus filhos. O cantor também criticou as últimas pesquisas de intenção de voto, que trazem Lula à frente de Bolsonaro nas simulações de 1º e 2º turno das eleições de 2022. Pelo Twitter, Gleisi Hoffmann escreveu que “quem faz acusações falsas tem que ser responsabilizado pelo que diz, famoso ou não”. A mídia nacional, entre os quais o site Poder360, do jornalista Fernando Rodrigues, reproduziu a íntegra da entrevista.

CURTAS

MUDANÇA CLIMÁTICA – Do apresentador Luciano Huck, que ainda é visto no páreo na disputa presidencial de 2022, apesar de ter renovado seu contrato com a Globo: “A pandemia foi só um aviso da natureza. Um alerta sobre os maus tratos que ela vem sofrendo principalmente nos últimos 100 anos. A mãe de todas as pandemias será a mudança climática. E esta não tem vacina que resolva”.

NO CEARÁ TEM DISSO, SIM – No Ceará, a partir de hoje, o funcionamento dos shoppings e restaurantes será estendido até às 22 horas, voltando ao horário normal. Vale também para os restaurantes, que devem faturar alto no Dia dos Namorados, próximo sábado. Já em Pernambuco, os namorados terão que comemorar em casa. Tudo fechado!

Perguntar não ofende: Nem no Dia dos Namorados, os restaurantes podem faturar uma graninha, governador? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



05/06


2021

Coluna do sabadão

União abandona BR-232

As estradas de Pernambuco, as quais estou sempre nelas, seja em visitas ao meu pai em Afogados da Ingazeira ou em compromissos profissionais, não estão mal conservadas apenas nos trechos cuja manutenção é de responsabilidade do Governo do Estado. A União, que cuida das BRs, também abandonou grande parte, a começar pela mais movimentada, a rodovia 232.

Na vinda para Afogados da Ingazeira, onde estou desde quinta-feira passada, me deparei com obras tapa-buraco na 232 entre Recife e Caruaru, Caruaru x Recife. As eternas obras sonrisais: basta uma forte chuva para o asfalto ir embora. Não sei o que está acontecendo, mas antes essa manutenção da estrada até Petrolina era invejável, um verdadeiro tapete.

Agora, tudo mudou, embora o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Freitas, responsável pelas estradas brasileiras, apareça nas redes sociais dizendo que tem duplicado muitas BRs e ampliado a malha viária até do Amazonas. Só esqueceu Pernambuco. O trecho, por exemplo, da mesma 232, entre Pesqueira e Arcoverde, está uma tábua de pirulito.

E não é de agora. Verdadeiras crateras têm colocado em risco a vida dos motoristas num pedaço da BR muito movimentado e perigoso. Já na BR-104, com 146,7 quilômetros em Pernambuco, importante elo entre os estados da Paraíba e Alagoas, como à BR-101, o Governo também esqueceu, embora esteja sendo duplicada.

Em Caruaru, ela cruza o trecho duplicado da 232, e precisa, urgentemente, dos bons olhares do Governo e da boa vontade do ministro Tarcísio. Quanto às estradas de responsabilidade do Governo de Pernambuco, a chiadeira é muito maior, as coisas acontecem lentamente, como é o caso do trecho entre Cruzeiro do Nordeste e Sertânia.

Sertaniense de origem e coração, a secretária Fernandha Baptista, de Infraestrutura, acha que fez um tapete, um trecho de apenas 9 km dos 48 km da via. Trata-se, porém, de uma obra muito malfeita. O restante, não se sabe ainda quando sairá, enquanto a operação tapa-buraco do trecho a ser restaurado, anda a passos de tartaruga.

Herança maldita – Segundo o Ministério da Infraestrutura, das 38 mil obras levantadas em cinco bancos de dados do Governo Federal, mais de 14 mil foram encontradas paralisadas pelo presidente Bolsonaro, ou seja, mais de um terço das obras que deveriam estar em andamento pelo País, cerca de 37%, não tiveram avanço ou apresentaram baixíssima execução nos últimos dois anos, analisados em cada caso. Juntas, elas alcançam um investimento previsto de R$ 144 bilhões, dos quais R$ 10 bilhões já foram aplicados.

Boa notícia – Pelos menos em Araripina, a secretária Fernandha Batista está com a bola cheia: conclui a pavimentação da estrada que dá acesso ao povoado de Lagoa do Barro, investimento de R$ 2,5 milhões. Obra executada pelo DER, a estrada é bastante esperada pelos moradores da região, porque vai melhorar o escoamento da produção de gesso e facilitar a circulação da população para o centro de Araripina e localidades ao entorno, e ainda, no escoamento da produção agropecuária e hortifrutigranjeira.

Comando questionado – De Rafael Alcaipani, gerente de relações institucionais do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em entrevista à repórter Beatriz Castro, da Globo, sobre a violência da PM no ato contra Bolsonaro no Recife: "As polícias militares têm a obrigação de seguirem a lei. Quando elas não seguem a lei, como aconteceu no Recife, é urgente que se descubra quem foram as pessoas, que elas sejam punidas, senão a gente quebra a ordem, a hierarquia e toda vez que a política entra no quartel, a hierarquia e a ordem saem por outro lado. E toda vez que a hierarquia e a ordem saem do quartel é o comando dos oficiais que fica questionado”.

Protesto isolado – Um grupo de pessoas fez um ato, ontem, no Recife, cobrando respostas sobre a repressão da PM ao protesto contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que deixou vários feridos e dois homens sem parte da visão após serem atingidos por balas de borracha atiradas por policiais militares. Com curativos manchados com tinta vermelha nos olhos, eles pediram justiça por Daniel Campelo e Jonas Correia de França, os trabalhadores agredidos.

Senador festeiro – Os vizinhos do condomínio de luxo onde senador Romário mora, na Barra da Tijuca, no Rio, estão revoltados com a postura dele. Segundo informações do jornal O Dia, Romário estaria promovendo diversas festas em meio à pandemia do novo coronavírus. Nas celebrações, existe uma total falta de cuidado com a doença. Todos os convidados sem usar máscaras e muita aglomeração, com isso, indo contra os protocolos de segurança orientados pela OMS. Vale lembrar que em janeiro deste ano, Romário celebrou o seu aniversário em grande estilo e, mais uma vez, não respeitando a forte onda de Covid-19. Os 55 anos do Senador contou com vários convidados famosos, shows e uma lista para 500 pessoas.

CURTAS

Quem mata – O presidente Jair Bolsonaro se dirigiu à cúpula da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado para rebater críticas a sua decisão de trazer a Copa América para o Brasil. “Renan Calheiros, o que mata gente não é quem manda dinheiro para estádio, é quem desvia dinheiro do estádio”, disse em transmissão ao vivo nas redes sociais.

O ridículo FHC – Do ex-presidente FHC em defesa da CPI da Pandemia: “Pode parecer que é só o show, contém partes de show, mas além disso é um instrumento de defesa da sociedade. O governo não pode dormir porque a CPI acorda, sacode, né?”. “Às vezes há exagero, precisa entender, mas não tem problema. É melhor ter exagero do que não ter CPI”.

Perguntar não ofende: Até quando vai se estender o questionamento ao Governo sobre quem mandou bater nos manifestantes?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



04/06


2021

Coluna da sexta-feira

Entre o poder e o afago do povo

Soube, ontem, quando cheguei em Afogados da Ingazeira, para visitar meu pai, através do também jornalista e meu amigo Mucíolo Ferreira, da morte do jornalista José Almir Borges, 75 anos. Deus chamou mais um grande amigo, um dos primeiros chefes que tive no start da minha carreira, nos anos 80. Trabalhei com ele no antigo SIP, o Serviço de Imprensa do Governo de Pernambuco, mais tarde, com status de primeiro escalão, elevado à Secretaria de Imprensa.

Grandes homens fazem com que todos se sintam pequenos diante deles, mas o grande e verdadeiro homem é aquele que faz com que todos se sintam gigantes lado a lado, face a face, com ele. Zé Almir era um desses. Mais que um jornalista, um notável gigante na comunicação e na relação humana. Seu maior valor, a humildade. Ensinava a arte da simplicidade, da tolerância.

Egresso do Maranhão, ingressou no Bandepe, por onde palmilhou uma longa carreira no serviço público. Descoberto por Ângelo Castelo Branco, pelas mãos de quem ingressei no velho e saudoso SIP, cuidou da imagem com quem trabalhou, entre os quais os governadores Marco Maciel, José Ramos e Roberto Magalhães, com um zelo invejável. Não conseguia dormir com uma simples nota numa coluna que contrariasse o interesse deles, principalmente Roberto Magalhães, de quem foi secretário de Imprensa.

Zé Almir era uma paixão ardente não apenas pelo jornalismo. Gostava de povo, do cheiro de gente simples, uma gente que se viu em coluna social pela primeira vez numa página assinada por ele, Soçaite nos Bairros, no Diário da Noite.

Durante o dia, de paletó e gravata, Zé Almir vivia o mundo do poder, de bastidores fantásticos, que guardou em segredo pelo resto da vida, fiel escudeiro a quem nele depositava confiança. De noite, com direito a virar a madrugada, era recebido, sem paletó e de calça jeans, com tapete vermelho, no Clube das Pás, nas gafieiras e bailes populares. O Zé Almir colunista do povo era celebridade entre os excluídos.

Deu voz a esse povo, conquistou uma legião de fãs, amigos e admiradores. A sua coluna, ilustrada com bumbuns gigantes clicados no roteiro boêmio periférico, era proibitiva às primeiras damas dos governadores com os quais trabalhou. A elite não lia Soçaite dos Bairros, lia João Alberto, lia Alex, Orismar Rodrigues.

Mas o povão delirava com uma foto na coluna dele. Zé Almir vai deixar muita saudade. Pensador e filósofo chinês, Confúcio nos ensinou a imitar os homens bons e desprezar os maus. No céu, Zé Almir vai ensinar humildade. Vai dizer que o topo da inteligência é a humildade. Vai ensinar também que quanto maiores somos em humildade, mais próximos estaremos da grandeza.

Zé Almir se foi, mas nos deixou um grande aprendizado:  gentileza, frugalidade e humildade. Afinal, os gentis podem ser corajosos, os frugais liberais e os humildes, condutores de homens.

Covax Facility – O governo dos Estados Unidos anunciou que irá compartilhar 75% das doses de vacinas contra a covid-19 que prometeu doar por meio do Covax Facility. O anúncio foi feito em nota divulgada pela Casa Branca, ontem. O Covax é uma aliança da OMS (Organização Mundial da Saúde) para o acesso igualitário à vacina, e outros parceiros para a distribuição das vacinas. Segundo a nota do governo norte-americano, cerca de 19 milhões de doses serão distribuídas entre a América Latina e o Caribe, o Sul e o Sudeste da Ásia e a África. O Brasil deve receber doses com o grupo da América Latina e Caribe, mas não foi informado o quanto será.

Vírus da insubordinação – Generais da reserva ouvidos pelo Blog do Gerson Camarotti, ontem, manifestaram preocupação com a decisão do comandante Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira de não punir o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde. O Regulamento Disciplinar do Exército e o Estatuto das Forças Armadas proíbem a participação de militares da ativa em manifestações políticas. Aberto um processo disciplinar, o comando do Exército considerou que não houve transgressão e anunciou que o caso está arquivado. “Isso pode disseminar o vírus da insubordinação”, alertou um dos três generais da reserva ouvidos pelo Blog na condição de anonimato.

Silencio de Mourão – O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, informou que não comentará a decisão do Exército de não punir o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, general da ativa, pela participação em um ato político com o presidente Jair Bolsonaro. A posição foi informada pela assessoria do vice. Mourão é general da reserva do Exército e, no mês passado, defendeu o respeito às regras das Forças Armadas que vedam a participação dos militares em atos políticos. O vice-presidente disse que a aplicação de uma punição poderia evitar "que a anarquia se instaure" nas corporações militares.

PSB contra a Copa América – Os deputados federais Danilo Cabral e Julio Delgado, ambos do PSB, ingressaram com uma ação popular, na Justiça Federal, para impedir a realização da Copa América no Brasil. Eles pedem que sejam anulados os atos administrativos relacionados à competição feitos pelo governo federal em razão da pandemia no país. “É, no mínimo, imoral a realização de um evento de tamanha envergadura, com vultuosos gastos, uso de recursos e patrimônio públicos para colocar em risco a população brasileira”, diz um trecho da ação.

Seu Direito – A TV Alepe, o canal da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), começa a veicular, hoje, o programa “Seu Direito”, produzido pela Escola Superior de Advocacia (ESA) da Ordem dos Advogados do Brasil, seção Pernambuco. O programa semanal terá duração de 30 minutos e vai ao ar a partir das 14 horas. O objetivo é sempre abordar e debater temas relevantes do Direito que impactam a sociedade como um todo. A apresentação da primeira edição do “Seu Direito” será feita pela vice-diretora geral da ESA, Isabela Lessa, e pela coordenadora temática de Compliance na ESA, Mariana Teles, ambas advogadas.

CURTAS

BOULOS – O ex-candidato à Presidência da República pelo PSol nas eleições de 2018, Guilherme Boulos, estará no Recife, hoje, cumprindo agenda política e social na cidade. Às 11h, ele marca presença no ato simbólico em frente ao Palácio da Justiça. Boulos também inaugurará, às 12h30, uma “Cozinha Solidária do Brasil – Vila Santa Luzia”, na Torre, Zona Oeste do Recife. Esta é a 10º cozinha inaugurada pelo MTST no País.

PFIZER – Pernambuco recebeu, ontem, no Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre, a quarta remessa de vacinas da Pfizer/BioNTech, contendo 25.740 doses. Esse quantitativo será destinado ao grupo de pessoas com comorbidades, além das gestantes e puérperas em todo o Estado.

Perguntar não ofende: Os militares do Governo Bolsonaro não vão comentar a insubordinação de Pazuello?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



03/06


2021

Coluna da quinta-feira

Ordem foi do chefe maior

Quem deu a ordem para o Batalhão de Choque de Pernambuco agredir, atirar balas de borracha em gente inocente e reprimir os manifestantes que foram às ruas do Recife, sábado passado, protestar contra o Governo Bolsonaro? A polícia só um tem um comandante, o governador do Estado, no caso Paulo Henrique Saraiva Câmara, cidadão pernambucano, nascido no Recife em 8 de agosto de 1972, 49 anos de idade.

Foi Paulo Câmara, portanto, nome de guerra do governador. A menos que ele tenha perdido autoridade de chefe de Estado ou o Batalhão bata continência para um comando paralelo. Não sei qual situação pior, se ter autorizado ou a PM ter agido por conta própria. No segundo caso, as chances são muito remotas, porque o secretário de Defesa, Antônio de Pádua, foi flagrado numa sala acompanhando, com assessores, o desenrolar do episódio.

Estranhamente, o governador alimenta um silêncio que dói na sociedade como um soco no estômago. Tem um ditado popular que minha avó repetia muito, que diz que quem cala consente. Mais estranho, ainda, é o governador priorizar receber em audiência a vereadora agredida antes mesmo do seu secretário que dá as ordens ao Batalhão de Choque e a polícia em geral.

Ao ser abordado por deputados estaduais, o secretário disse, no mesmo dia que o governador dava tratamento de nobreza à vereadora petista, que não podia adiantar muitas informações aos nobres parlamentares porque não tinha tido, ainda, oportunidade de discutir tudo que havia se passado no sábado com mais profundidade com o próprio governador.

O governador deve uma satisfação ao povo pernambucano.

Certeza da ordem – Com a experiência de ter vindo do quartel, o deputado estadual Alberto Feitosa (PSC) gravou, ontem, e espalhou pelas redes sociais um vídeo contundente, cobrando do governador a resposta que toda a sociedade exige: quem deu a ordem para a PM reprimir no ato de sábado passado? Em outra gravação, ele diz não ter a menor dúvida que foi o governador. “O silêncio do governador é muito suspeito”, ironiza o parlamentar.

Nova posse – De volta ao cargo em Arcoverde, desde quando foi afastado em fevereiro passado, acusado de abuso de poder econômico na campanha, o prefeito Wellington Maciel (MDB) tomou posse na Câmara de Vereadores, depois recebeu o poder de volta, na sede da Prefeitura, pelo então prefeito interino Siqueirinha, que agora volta à Câmara Municipal reempossado presidente. Nas últimas 48 horas, Arcoverde celebrou com intensidade o regresso do empresário-gestor.

Decisão monocrática – Uma das responsáveis pela defesa do prefeito de Arcoverde, a advogada Diana Câmara corrige uma informação, ontem, nesta coluna, sobre o processo que definiu a volta ao cargo pelo prefeito eleito Wellington Maciel. Segundo ela, a decisão do ministro Alexandre de Moraes, em favor do prefeito, não se deu por liminar, mas por um julgamento monocrático e terminativo do ministro. Até cabe recurso, segundo ela, para o pleno do TSE, mas a decisão de Alexandre, pela sua robustez, foi do tipo final.

Partido problemático – O ministro Edson Fachin, do STF, encontrou “elevada gravidade” na acusação protocolada pelo vice-presidente do Patriota, Ovasco Roma Altimari, questionando as mudanças feitas na sigla pelo presidente, Adilson Barroso, para acomodar Jair Bolsonaro e seus filhos. “As alegações da petição inicial revestem-se de elevada gravidade e devem ser submetidas ao escrutínio do Estado-juiz”, disse o ministro na decisão. Fachin, que deu a decisão como parte da sua atuação no TSE, disse que é importante que o caso seja investigado pela autoridade competente.

Volta às ruas – Os movimentos sociais e centrais sindicais que organizaram os protestos realizados em todo o País, no último sábado, marcaram uma nova manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro para o dia 19 de junho. O ato deve novamente pedir o impeachment do presidente, o retorno do auxílio emergencial enquanto durar a pandemia e a vacinação em massa contra o coronavírus. Dezenas de milhares de pessoas foram às ruas em mais de 200 cidades do Brasil e do interior. Mesmo usando máscaras e buscando seguir recomendações de distanciamento social, houve aglomeração entre os manifestantes.

CURTAS

CEARÁ EM QUEDA - O número de pacientes com Covid-19 dando entrada nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Fortaleza caiu 25% entre março e maio. A queda nos atendimentos foi observada logo após o pico da segunda onda da pandemia no Ceará. Além disso, os dados dão conta de que a gravidade dos casos diminuiu 51,7% entre abril e maio.

IRREGULARIDADE – De acordo com informações da Folha de S. Paulo, publicadas na edição de ontem, o Ministério da Saúde comprou máscaras impróprias a profissionais da saúde por um valor acima do praticado no mercado. O documento interno que mostra a compra foi enviado à CPI da Covid, no Senado, que está com um catatau de documentos em avaliação.

Perguntar não ofende: Governador, revele ao blog: quem deu a ordem?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



02/06


2021

Coluna da quarta-feira

Volta quase irreversível 

Relator no Tribunal Superior Eleitoral do processo de afastamento do prefeito de Arcoverde, Wellington Maciel (MDB), o ministro Alexandre de Moraes julgou, ontem, procedente a volta do gestor ao poder, do qual foi obrigado a deixar em fevereiro deste ano em ação na qual é acusado por abuso de poder econômico. O grupo do prefeito comemorou como uma volta definitiva ao cargo.

Mas a oposição anunciou, ontem, que recorrerá ao pleno do TSE, já que a decisão é monocrática, e até cabe recurso, mas é quase uma decisão final. Enquanto Wellington esteve afastado, o Governo municipal foi tocado pelo prefeito-interino, Weverton Siqueirinha, até então do grupo situacionista, mas hoje considerado traidor.

Traidor porque demitiu todo o secretariado de Wellington, inclusive o vice-prefeito Israel Rubis, nomeado para a Secretaria de Serviços Públicos e Meio Ambiente. Siqueirinha, inclusive, dava como certa a cassação definitiva do prefeito, tanto que já estava articulando a sua candidatura a prefeito na eleição suplementar que julgava como certa. Quebrou a cara.

A volta de Wellington, segundo a advogada Diana Câmara, foi sustentada numa defesa amplamente robusta do ponto de vista de sustentação jurídica e técnica. “Basta ler o parecer do Ministério Eleitoral de Brasília, da Procuradoria Geral Eleitoral, e agora o voto do ministro Alexandre de Moraes. Estamos confiantes de que, mesmo havendo recurso, nossa defesa será vitoriosa no pleno”, disse Diana.

Politicamente, saem vitoriosos, também, a ex-prefeita Madalena Brito, que emplacou Wellington como sucessor, e o deputado federal Fernando Monteiro (PP), que acompanhou de perto em Brasília a tramitação do processo fazendo, quando possível, sustentação forte e convincente em defesa do prefeito, que deve tomar posse ainda hoje numa Arcoverde em festa, apesar das comemorações discretas por causa das restrições impostas pela pandemia do coronavírus. 

Reação – “Ganhamos nos pênaltis, mas ganhamos”, comemorou o prefeito de Arcoverde, Wellington Maciel (MDB), ao comentar a decisão dada pelo ministro Alexandre de Moraes devolvendo o poder a ele até que se julgue o processo final pelo pleno do TSE em recurso já anunciado pela oposição, liderada no município pelo ex-prefeito Zeca Cavalcanti (PTB). Dada em primeira mão por este blog, com repercussão no Frente a Frente, a decisão levou os aliados de Wellington a fazer uma verdadeira invasão à sua casa na noite de ontem em comemoração.

Judas arcoverdense – O maior derrotado com a volta de Wellington ao poder em Arcoverde não é o ex-prefeito Zeca Cavalcanti, seu adversário derrotado no pleito de 2020, mas o prefeito interino Siqueirinha. Sai do episódio como o maior traíra da história de Arcoverde. No poder, com a chibata nas mãos, deu chute no traseiro de todos os aliados do prefeito e da ex-prefeita Madalena Brito. Ao invés de Siqueirinha, está sendo chamado na cidade de “Judas”.

Gravidade – De acordo com o que este blog apurou, o episódio brutal da PM no Estado, sábado passado, é algo da maior gravidade. Na verdade, é preciso apurar o que corre nos quartéis, de que a tropa saiu do quartel com ordem expressa para atirar. Nem na ditadura isso jamais ocorreu. A exceção está longe, vem do Rio, onde o governador Wilson Witzel, segundo reportagem, era acusado de mandar atirar para matar, mirando na cabeça. Nenhuma polícia, vale a ressalva também, vai às ruas dispersar manifestação pacífica sem ordem ou autorização do governador.

Foi insubordinação? – Ainda sobre o episódio, se não houve ordem do governador, então dá para inferir que houve insubordinação. Em se tratando disso, não tem qualquer relação com o bolsonarismo, pois teria ocorrido também em outros Estados. O que apurei é que a tropa chegou às ruas autorizada a dispersar a manifestação, sob a orientação de auxiliares próximos para se cumprir o decreto da pandemia, no qual está proibido qualquer tipo de ato que acabe em aglomeração.

Covidão é imbatível – Um documento oficial da Controladoria Geral da União (CGU), enviado à CPI da pandemia no Senado Federal, comprovou o que este blog já havia antecipado há muito tempo: o ex-prefeito Geraldo Júlio (PSB), o Geraldo Covidão, foi o recordista nacional de operações da Polícia Federal contra supostos desvios de recursos da covid-19. Assume o pódio absoluto com sete operações na sua gestão, encerrada em 2020. O segundo colocado foi o Governo do Estado do Rio de Janeiro, cujo governador já foi até alvo de impeachment. O Rio ficou em segundo lugar, com apenas cinco operações.

CURTAS

SEM URGÊNCIA – Na ação de Paulo Câmara (PSB), para impedir a convocação de governadores na CPI da pandemia no Senado, a ministra Rosa Weber resolveu não deferir enquanto a liminar de urgência não for requerida. Antes de dar a canetada, a ministra do STF vai ouvir o senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI, o advogado-geral da União e o procurador-geral da República. O despacho da ministra foi divulgado ontem.

COLAPSO – A ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em Pernambuco é preocupante não apenas na rede pública, mas também na rede privada de saúde. O Estado registrou, ontem, 98% e 94%, respectivamente, de leitos ocupados por pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag). Com essa alta, médicos temem o colapso do sistema de saúde

Perguntar não ofende: Quem mandou a tropa reagir com tiros?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha