Cabo Agosto 2021


16/07


2021

Coluna da sexta-feira

FBC vai à guerra no MDB

Líder do Governo Bolsonaro no Senado, o pernambucano Fernando Bezerra Coelho vai guerrear dentro da executiva nacional do MDB para reverter a decisão monocrática do presidente estadual, Raul Henry, de negar a legenda ao prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, filho do senador, para disputar o Governo do Estado nas eleições do ano que vem. Uma fonte bem próxima ao presidente do diretório nacional, Baleia Rossi (SP), garante que são altíssimas as chances de FBC dar o troco.

É que, disputando com candidato próprio o Palácio do Campo das Princesas, o MDB tem condições de eleger entre três a quatro deputados federais e igual número para Assembleia Legislativa. Já batendo continência para o PSB, como deseja Henry, não elege nenhum candidato, nem mesmo o próprio Henry, que, para tentar se manter na Câmara Federal, só lhe restaria a alternativa de mudar de partido.

Em Pernambuco, o MDB, segundo visão de Baleia, está num processo de esvaziamento que tende a ser irreversível, se prevalecer a tese de Henry. Hoje, o partido só um deputado federal e um deputado estadual, 13 prefeitos e pouco mais de 100 vereadores. “Para um partido que já esteve no poder, com a maior bancada federal e a maior estadual, além da maioria expressiva dos prefeitos, um retrocesso atroz”, diz essa mesma fonte ligada a Baleia.

Henry está levando o MDB a calvar uma sepultura coletiva quando nega a legenda a Miguel e se alia ao PSB, pois além de não eleger candidatos proporcionais, tende a perder também espaço na chapa majoritária do PSB, já que os socialistas, em razão da aliança nacional em torno da candidatura de Lula ao Planalto, priorizarão o PT na montagem da chapa.

Isso é fato lógico, mas Henry, com o aval de Jarbas, seu guru e padrinho político, no ocaso da carreira, prefere se abraçar com a morte. Único deputado estadual da legenda, o ex-prefeito de Caruaru, Tony Gel, já mandou avisar que não vai participar do suicídio coletivo, estando de olho em outra legenda para disputar a reeleição.

Estados no prejuízo – A queda de arrecadação prevista com as mudanças no Imposto de Renda vai pressionar Estados e municípios, que ficarão com a maior parte dessa conta. A perda deve ficar entre R$ 23 bilhões e R$ 27 bilhões, segundo cálculos de tributaristas. Em reação, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) divulgou nota classificando a nova versão do texto como “escândalo”. O parecer do relator do projeto, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), prevê uma diminuição total da carga de até R$ 30 bilhões, resultado de medidas como o corte da alíquota do IR das empresas de 15% para 2,5%. Na prática, governadores e prefeitos assumiriam entre 77% e 90% do impacto total.

Chances de salvação – Depois de passar pelo purgatório e enxergar o inferno, o PSDB em Pernambuco parece, enfim, que alcançará a salvação política. Seus dois melhores quadros, o ex-senador Armando Monteiro Neto, e a prefeita de Caruaru, Mainha Raquel Lyra, aparecem bem posicionados nas pesquisas, o primeiro para voltar ao Senado, enquanto a gestora da capital do Agreste surge como um dos nomes preferenciais na disputa pelo Governo do Estado nas eleições de 2022.

Mulher em alta – O Senado aprovou uma proposta que impõe aos partidos a aplicação de recursos do fundo partidário na promoção de candidaturas femininas a partir de 2022. A mudança foi feita por meio de PEC relatada pelo senador Nelsinho Trad (PSD-MS) e apresentada pelo senador Carlos Fávaro (PSD-MT). O texto estabelece que cada partido deverá aplicar no mínimo 5% do fundo partidário na criação e manutenção de programas que promovam a participação política das mulheres. Os recursos poderão ser acumulados em diferentes exercícios financeiros para utilização em campanhas futuras.

Vacinação em 15% – O Brasil chegou ao número de 86.332.655 vacinados com ao menos uma dose contra a covid-19, o equivalente a 40,77% da população. Já aqueles que receberam duas doses ou dose única agora são 32.118.717, ou 15,17% da população. É a primeira vez em que o índice fica acima de 15%. Nas últimas 24 horas, foram administradas 1.580.833 doses de vacinas anti-covid. Ao todo, 912.894 pessoas receberam a primeira dose, 490.678 receberam doses de reforço e outras 177.261 foram imunizadas com uma vacina de aplicação única, representada no Brasil pelo imunizante da Janssen.

A terceira via – Presidente nacional do PSL, o deputado Luciano Bivar é um dos mais entusiasmados com o ingresso do apresentador José Luiz Datena, da Band-SP, em sua legenda. Acha que o vácuo da terceira via presidencial tem tudo para ser ocupado pela alternativa Datena. “Pode apostar. Datena vai se revelar numa grata surpresa, sendo a melhor alternativa para os que não querem a continuidade deste governo derretido e aos que não querem a volta da corrupção, do PT e de Lula”, diz.

CURTAS

COMPROVAÇÃO – A Câmara dos Deputados aprovou o projeto que suspende até 31 de dezembro de 2021 a comprovação de vida dos beneficiários junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A matéria retorna para análise do Senado. “A prova de vida presencial, num contexto de pandemia, serve como fio condutor que pode acarretar a morte daqueles que se submetem ao risco de contágio para não comprometer sua renda”, argumentou o relator da matéria, deputado Danilo Cabral (PSB-PE).

CEARÁ TEM DISSO – O Ceará tem a segunda maior taxa de óbitos associados ao consumo abusivo de álcool do Brasil: são 38,2 mortes por 100 mil habitantes, atrás apenas de Sergipe, com 39,3/100 mil. A taxa do País é de 32,6 óbitos/100 mil. Uma a cada quatro (25%) dessas mortes entre cearenses é causada por violência interpessoal, que inclui brigas e homicídios, por exemplo.

Perguntar não ofende: O Congresso aprova a reforma política ou as regras eleitorais de 20 vão prevalecer em 22?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina Julho 2


15/07


2021

Coluna da quinta-feira

Ceará investe em Pernambuco 

O Complexo Industrial Portuário de Suape terá um novo terminal de tancagem de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), o gás de cozinha. A nova estrutura será um investimento da ordem de R$ 1,2 bilhão realizado por uma joint venture formada pelo Grupo Edson Queiroz, controlador da Nacional Gás, por player global de armazenagem e Copa Energia, controladora da Liquigás e Copagaz. O objetivo é garantir o abastecimento da região Nordeste, que atualmente conta com estoque de apenas quatro dias.

O terminal contará com unidade de infraestrutura de 90 mil metros cúbicos de tancagem, além da implantação de dutos para movimentar a matéria-prima e fazer as conexões logísticas. O diferencial está na tecnologia inédita no Brasil, onde o gás é armazenado refrigerado, ocupando um volume reduzido e aumentando assim a capacidade de estoque. Por ano, o terminal de 60 mil metros quadrados irá comportar 1,5 milhão de toneladas de GLP.

O anúncio foi feito pelo presidente do Grupo Edson Queiroz, Carlos Rotella, em reunião, ontem, no Recife, com o governador Paulo Câmara. O Grupo Edson Queiroz é, segundo o governador, parceiro histórico de Suape e agora fará um aporte bilionário para ampliar a capacidade de abastecer o mercado de gás de cozinha, como também promover empregos importantes nas obras e na futura operação.

“Nossa responsabilidade no cumprimento de contratos e na garantia de oferecer segurança jurídica a quem decide investir em Pernambuco têm esse resultado. Acordos mantidos e aportes reforçados”, ressaltou Câmara. Com o início das operações, o terminal de tancagem deve colocar o Nordeste em uma nova situação de autonomia de abastecimento de GLP. Hoje, o Brasil vive um déficit de combustível, já que não produz tudo o que consome e por isso importa gás dos EUA, Oriente Médio e África. O Nordeste é o mais afetado, uma vez que as principais refinarias do País estão localizadas nas regiões Sul e Sudeste.

Efeito da facada – Ante a possibilidade de nova cirurgia abdominal, o presidente Jair Bolsonaro afirmou ter “mais um desafio” pela frente e afirmou nas redes sociais que o problema é uma consequência da “tentativa de assassinato promovida por antigo filiado ao Psol”, em referência ao atentado que sofreu durante campanha eleitoral em 2018. Antes de ser transferido para São Paulo, ele deu entrada no Hospital das Forças Armadas, em Brasília, com dores abdominais e realizou exames para investigar a origem de uma crise de soluços. O presidente está com dificuldade para falar há 12 dias por causa do problema. E, mais grave ainda, está com uma obstrução intestinal, problema que só tem solução mediante cirurgia.

Imagem na maca – Pelo Instagram, Bolsonaro publicou uma foto em que aparece na maca do Hospital das Forças Armadas, em Brasília. A imagem lembrou as cenas de quando recebeu a facada, em 2018. Naquela ocasião, o crime sensibilizou grande parte do País e de seu eleitorado. Desde a semana passada, o presidente vinha se queixando de uma crise de soluços. O incômodo ficou claro na live semanal da última quinta-feira. Na ocasião, Bolsonaro chegou a pedir desculpas logo no início da transmissão. “Peço desculpas. Estou há uma semana com soluços, talvez eu não consiga me expressar adequadamente nesta live”, explicou.

Soluços e hérnia – Bolsonaro está com soluços há 11 dias. Disse a apoiadores que a causa é um remédio que tomou depois de um procedimento ortodôntico, que realizou na semana passada. O presidente também tem refluxo e em abril afirmou que precisaria passar por um novo procedimento cirúrgico para a correção de uma hérnia. Ele, contudo, não informou quando seria. Bolsonaro foi internado pelo menos quatro vezes desde que lançou sua candidatura à presidência da República e realizou seis cirurgias. Também teve covid-19.

Copo invertido – Em conversa com apoiadores, Bolsonaro voltou a reclamar das contrações involuntárias no diafragma. O presidente chegou a dizer que estava “arrebentado" e “sem voz”. “Pessoal, eu estou sem voz, pessoal. Se eu começar a falar muito, volta a crise de soluço. Já voltou o soluço”. A uma apoiadora, Bolsonaro chegou a dizer que encontrou um “macete" para solucionar o problema. A solução, segundo ele, seria "tomar água com o copo invertido”. “Achei um macete de (parar o) soluço. Testei duas vezes hoje e deu certo. Tomar água com o copo invertido. Dá certo. Eu estava hoje, eu estava arrebentado. Fui para o banheiro e (faz gesto de beber água). Agora, a gente começa a tomar a água aqui (aponta para a boca) e sai pelo nariz. Acabou de tomar, na hora, duas vezes”, disse. O ensinamento teria sido repassado por “um colega de Marinha.”

Injeção no Bolsa-Família – O ministro da Economia, Paulo Guedes, pretende elevar em cerca de R$ 20 bilhões o gasto do Bolsa Família em 2022, para um orçamento total de R$ 50 bilhões. A cifra representa um reajuste de 56% em relação ao valor desembolsado anualmente. Em entrevista ao Valor Econômico, Guedes explicou que o ajuste será compensado pelo aumento de arrecadação com impostos, sem quebrar a regra do teto de gastos, que limita o crescimento das despesas públicas. Também citou o valor que será ganho com a tributação de dividendos –incluída na reforma tributária do Imposto de Renda.

CURTAS

VARIANTE DELTA – O Estado registrou, ontem, os dois primeiros casos da variante delta do novo coronavírus em tripulantes filipinos de um navio cargueiro que está atracado no Porto do Recife. A informação foi confirmada pelo Governo, que também anunciou a ampliação em uma hora do horário de funcionamento de bares e restaurantes e a liberação da retomada da música ao vivo, a partir de 19 de julho.

MÚSICA AO VIVO – A secretária-executiva de Desenvolvimento Econômico, Ana Paula Vilaça, afirmou que os bares e restaurantes poderão ter apresentações musicais no estilo de voz e violão. No entanto, permanecem proibidas as danças e as aglomerações nos estabelecimentos. Além disso, o Governo autorizou a ampliação do horário de funcionamento de bares e restaurantes na Macrorregião I, que compreende o Grande Recife e partes das Zona da Mata e Agreste.

Perguntar não ofende: Até quando Bolsonaro sofrerá, fisicamente, as consequências da facada levada na campanha de 2018?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Ele sofrerá e usará está facada até 2022, ano das eleições, já até começou, que ser mártir. Caso seja eleito, duvido muito, ficará logo bom!


Caruaru Novas Creches


14/07


2021

Coluna da quarta-feira

Henry pode sofrer revés  

Ao negar a legenda para o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, disputar o Governo do Estado em 22, o presidente estadual do MDB, Raul Henry, respaldado pelo senador Jarbas Vasconcelos, pode sofrer, mais na frente, em Brasília, uma derrota inesperada. Presidente nacional, o deputado Baleia Rossi (SP) está muito mais preocupado, na atual conjuntura, em contabilizar o número de deputados federais que o partido pode eleger do que mesmo no pleito majoritário.

As eleições que se aproximam, sem coligações partidárias, como se deu em 2020, estão tirando o sono dos dirigentes partidários. Legendas tradicionais, históricas e com bancadas expressivas na Câmara dos Deputados, como o próprio MDB, vislumbram um cenário nebuloso até para manter seus atuais representantes. Aumentar, objeto de todos os partidos, se apresenta hoje como algo quase impossível.

Diante disso, Baleia deve agir com muito pragmatismo quando bater o martelo em relação ao controle do grupo que dará as cartas do MDB em Pernambuco. Com o núcleo jarbista no comando, como se dá no momento, quantos deputados federais o partido elege? Nenhum, nem mesmo Raul Henry, porque faltarão candidatos para a formação da cauda eleitoral, mecanismo que permite, na soma, emplacar o mandato dos primeiros mais votados com base no coeciente eleitoral.

Já com o grupo do senador Fernando Bezerra Coelho no seu comando, o MDB tem chances de eleger até três deputados federais, caso o próprio FBC saia candidato à Câmara dos Deputados e não à reeleição. Neste cenário, seriam eleitos Fernando e o filho Fernando Bezerra Filho, podendo emplacar o terceiro, que seria Henry. Com base nesse raciocínio, Baleia entregará o partido em Pernambuco a quem?

Se for pragmático, Baleia transfere o partido para o grupo de FBC. Com Jarbas e Henry, Pernambuco tende a não ter representantes do MDB na Câmara dos Deputados. Traduzindo: para o partido, melhor ter três deputados do que nenhum. Sabendo que tem uma carta nas mangas, Fernando vai resistir até o fim. Foi por isso que, no comunicado distribuído ontem com a Imprensa, contrariado com a decisão de Henry, Miguel não jogou a toalha, nem muito menos disse que sairia do partido.

Rei do blefe – Henry blefa ao afirmar que a maioria dos emedebistas, prefeitos e lideranças do Interior deseja se manter debaixo do guarda-chuva do PSB nas eleições do próximo ano. Prefeito de Paulista, município importante e estratégico na Região Metropolitana, Yves Ribeiro não quer nem ouvir em falar na possibilidade de subir no palanque do candidato socialista a governador, assim como o prefeito Edilson Tavares, de Toritama, a capital do jeans. Ambos reclamam que são tratados e pão e água pelo Governo.

Rabo de cavalo – Sem entusiasmo com o mandato, o senador Jarbas Vasconcelos delegou poderes a Raul Henry para agir da maneira que mais atenda a seus interesses na gestão do diretório estadual do MDB. Com o afilhado político no comando, o partido em Pernambuco cresce feito rabo de cavalo, para baixo. Isso a direção nacional está careca de saber. Michel Temer nunca moveu uma palha para mudar esse curso, mas com Baleia Rossi a história pode ser diferente.

O desabafo de Miguel – Trecho do manifesto do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, contra a decisão do MDB: “Manteremos com todas as nossas forças e de forma respeitosa o debate pela construção de um novo Pernambuco. Mesmo que a direção estadual de nosso partido tenha decidido manter o MDB onde está, num projeto que nada mais tem a oferecer, apenas a desesperança. Lamento profundamente tal decisão. Ao mesmo tempo, respeito a escolha da direção estadual do MDB. Sigo ao lado da esperança de mudança em Pernambuco. Expresso isso com a tranquilidade de saber que o desejo de mudar para melhor não ser apenas meu, e sim de milhões de pernambucanas e pernambucanos ansiosos por um novo tempo”.

Dirceu reage – O ex-ministro José Dirceu (PT) pediu ao Supremo Tribunal Federal que sejam investigadas declarações de que ele estaria chantageando o ministro Roberto Barroso, integrante da Corte. No começo deste mês, um blog afirmou que Dirceu teria vídeos comprometedores de Barroso e que estaria usando o material para obter decisões favoráveis. Nenhuma evidência foi apresentada pelo autor do texto. Ainda assim, a narrativa passou a circular em grupos bolsonaristas. O próprio presidente Jair Bolsonaro usou o Twitter para sugerir que “uma autoridade” estaria sendo chantageada por “Daniel”, codinome usado por Dirceu em sua época de movimento estudantil.

O governo das boquinhas – A nova política pregada pelo ex-governador Eduardo Campos se traduz numa cartilha rezada ao inverso pela sua cria política Paulo Câmara, governador do Estado. Basta acompanhar os seus atos abrigando em sinecuras (emprego sem necessidade de expediente) políticos do Interior, como o caso da ex-prefeita de Arcoverde, Madalena Brito (PSB), contemplada com uma boquinha líquida de quase R$ 5 mil. E o mais incrível é que Madá, como é conhecida na cidade, ainda agradeceu o mimo pelas redes sociais. “Nunca tive medo de trabalho. Visto a camisa e arregaço às mangas”, postou. Que trabalho, cara pálida?

CURTAS

BOM EXEMPLO – O Governo do Ceará pagará, pelos próximos seis meses, 50% do salário mínimo de 20 mil novas contratações nos setores do comércio e serviço. O anúncio foi feito, ontem, pelo governador Camilo Santana (PT). A medida é para estimular abertura de novos postos de trabalho no Estado. O Ceará foi destaque na geração de novos empregos entre janeiro e maio de 2021, com a abertura de 24 mil postos de trabalho, segundo o Cadastro Nacional de Empregados e Desempregados (CAGED).

VOZ NA ALEPE – Irmão do prefeito de Ibimirim, Wellington Siqueira (PCdoB), o professor Edeson Siqueira é a mais nova aposta da família para o município ganhar representação na Assembleia Legislativa nas eleições do ano que vem. Em Buique, sua terra natal, recebeu o apoio de um expressivo grupo, como os vereadores Neném de Barão, Dore do Amaral e Nê Camarão, que o recepcionaram na Vila de São Domingos.

Perguntar não ofende: O sistema cubano desta feita vem abaixo?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021


13/07


2021

Coluna da terça-feira

As verdades de Datena

Ao falar, ontem, com exclusividade para o Nordeste, numa entrevista ao Frente a Frente, o apresentador José Luiz Datena, da Band em São Paulo, não se inibiu em bater no presidente Bolsonaro nem tampouco no ex-presidente Lula. Datena é uma aposta do PSL de construção da terceira via na disputa pelo Planalto, num movimento deflagrado pelo presidente nacional da legenda, Luciano Bivar, coincidentemente pelo mesmo partido que Bolsonaro se elegeu em 2018.

Datena já tem o discurso alinhado na ponta da língua para entrar no embate frente a Bolsonaro e Lula. Sobre o presidente da República, disse que há um processo claro de derretimento do Governo, principalmente depois das denúncias de cobrança de propinas na compra de vacinas. “Hoje, Bolsonaro já perdeu 25% dos eleitores que votaram nele e apostaram numa grande mudança, segundo apontam as pesquisas de intenção de voto”, assinalou.

Quanto a Lula, disse que não pretende entrar, de imediato, numa guerra aberta, mas fica claro, segundo ele, que o Supremo o tirou da cadeia para derrotar Bolsonaro. “Soltaram Geddel, Palocci e Eduardo Cunha para beneficiar Lula com a anulação da leitura de prisão em segunda instância pelo STF. Não quero uma briga aberta com o Lula, mas tiraram ele da cadeia para derrotar Bolsonaro”, afirmou.

Para Datena, no momento em que o Supremo salvou Lula, abriu as portas do inferno na cara da sociedade sem proteção. “Até chefe do PCC tiraram da cadeia com o fim da prisão em segunda instância. Lula, que montou uma das maiores quadrilhas dos últimos tempos no Brasil, não foi inocentado. Foi apenas anistiado, porque foi mal julgado e mal investigado. Sabe quando haverá um novo julgamento das penas graves que ele cometeu? Nunca mais”, desabafou.

O apresentador diz que não tem medo de enfrentar nenhum dos dois candidatos bem posicionados na pesquisa, mas que não pode se apresentar como candidato de si próprio, atrair o maior número de partidos aliados e aceitação popular. “Política é destino, dizia Tancredo. Primeiro, tem que aparecer os partidos que me apoiem. Já tentei sair prefeito de São Paulo, meu nome chegou a ser ventilado a vice do prefeito Bruno Covas, mas só entro com segurança esse caminho, não vou me ferrar por causa desses caras. “A maior malandragem é o cara ser honesto”, dizia meu pai”.

Paixão pernambucana – Simpático e acessível, Datena revelou, ontem, antes da entrevista, sua paixão por Pernambuco. Relembrou o tempo em que esteve com muita frequência no Recife apresentando o Verão Vivo, na praia de Boa Viagem, criado pelo saudoso Luciano do Vale, que morou por muito tempo no Estado, com residência fixa em Porto de Galinhas. “Eu sobrevoava o litoral, esse litoral lindo e maravilhoso na cobertura do Verão Vivo”, disse. O apresentador também atuou muito no Nordeste, segundo ele, na transmissão de jogos pelo campeonato brasileiro como narrador. 

Pau nos governadores – Na mesma entrevista, Datena fez um duro ataque aos governadores em geral, principalmente os nordestinos que, segundo ele, desviaram recursos federais da pandemia e cometeram o crime de comprar respiradores para porcos. “Esses (os governadores) acusam Bolsonaro de Genocida, mas são, igualmente, negacionistas”, disse. Para ele, o Brasil continua com políticos que confundem o que está na Constituição, de que se governa para o povo. “Muitos governam para o bolso e pelo bolso”, ironizou.

Visão de Ciro – O ex-ministro e presidenciável Ciro Gomes (PDT) endossou, ontem, a convicção que dirigentes partidários manifestaram depois das últimas pesquisas eleitorais. Para ele, Jair Bolsonaro passará por um derretimento ainda maior e "qualquer um" irá derrotá-lo. O pedetista tem aparecido em terceiro nos levantamentos, atrás do atual mandatário e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)."Qualquer um de nós vai derrotar o Bolsonaro. Mas não vamos abaixar a arma, porque ele é muito perigoso. Nós só vamos abaixar as armas quando ele estiver enterrado politicamente", disse em encontro com o babalaô Ivanir dos Santos e outras lideranças negras no Rio de Janeiro.

Vacinação avança – Ao todo, 30.675.030 de pessoas completaram o esquema vacinal contra a covid-19, ou seja, tomaram a segunda dose ou a dose única de vacinas e estão imunizadas no Brasil. O número representa 14.49% da população, conforme a projeção de habitantes para 2021 feita pelo IBGE. Dos quatro imunizantes contra a doença utilizados no País para combater a doença, três necessitam da aplicação de duas doses. São elas: Pfizer, AstraZeneca e CoronaVac. Apenas a Janssen é administrada em dose única. Até ontem, 2.501.158 pessoas receberam a Janssen, enquanto 28.173.872 receberam a segunda dose de uma das três vacinas disponíveis no País. Outras 55.948.182 aguardam para completar o esquema vacinal.

Pesquisas - Este blog começa, hoje, por Serra Talhada, uma série de pesquisas de avaliação dos primeiros seis meses das gestões municipais. No caso de Serra, a população foi ouvida sobre o Governo da prefeita Márcia Conrado (PT) e as áreas da sua gestão que mais atenderam às expectativas em relação ao que ela prometeu ao longo da campanha. Traz também o primeiro cenário da eleição do próximo ano, de presidente a deputado estadual. O levantamento é do Instituto Opinião, de Campina Grande (PB), parceiro deste blog há mais de dez anos. A postagem será feita, pontualmente, às 9 horas.

CURTAS

CÂMARA ARROMBADA – A Câmara de Vereadores de São José da Coroa Grande, no Litoral Sul, foi arrombada na madrugada da última segunda-feira. Roubaram objetos e danificaram equipamentos e móveis. Imagens enviadas ao WhatsApp da TV Globo mostraram os danos na área administrativa na sede do Poder Legislativo da cidade, que fica distante 114 quilômetros do Recife. Nas imagens é possível observar móveis revirados e equipamentos jogados no chão.

HERDEIRO DE FIUZA – O Partido Solidariedade lançou, ontem, a pré-candidatura a deputado estadual de Ricardo Fiuza Neto, de 24 anos, que atua no ramo da advocacia no Recife. Ele é neto do ex-deputado Ricardo Fiuza, que conquistou diversos mandatos por Pernambuco na Câmara Federal, chegando a ser ministro da Ação Social e da Casa Civil no Governo Collor.

Perguntar não ofende: A CPI da Covid desistiu de investigar a roubalheira dos governadores e prefeitos?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Perguntar não ofende: será que o blogueiro não sabe que isso cabe as assembléias e câmaras municipais respectivamente? Novo queridinho do blog juntamente com os Coelhos e os Ferreiras, não esquecendo o sanfoneiro puxa-saco.




12/07


2021

Coluna da segunda-feira

A era dos insultos   

Num belíssimo e oportuno artigo postado neste blog, sábado passado, o jornalista Marcelo Tognozzi lembrou o papel que o ex-presidente Sarney vem exercendo, em reserva, aos 91 anos, em Brasília, cidade que adotou para viver após seu último mandato de senador. “Virou uma espécie de Oráculo de Delfos”, definiu, ao explicar que a casa de Sarney passou a ser frequentada por quem precisa de respostas, aplacar medos e angústias.

Sarney é uma das últimas pérolas do reinado da conciliação de um Brasil que assistiu Tancredo Neves, um dos seus ícones, a estender a mão para consolidação, sem traumas, do processo de redemocratização do País. Como vice de Tancredo, a quem sucedeu antes mesmo da velha raposa mineira chegar ao poder, arrastado para sepultura às vésperas da sua posse, Sarney comeu o pão que o diabo amassou, engoliu sapos, mas fez a transição.

Tudo isso com a ajuda de um grande brasileiro, que marcou a sua vida pelo diálogo, verdadeiro apagador de incêndios: Marco Antônio de Oliveira Maciel, o Marco de Pernambuco. Fernando Henrique Cardoso, que há pouco completou 90 anos, vivia agradecendo a Deus por ter caído do céu um vice de atributos invejáveis. Ulysses Guimarães, que morreu no mar sem seu corpo nunca ter sido achado, dizia que Maciel era imprescindível ao Brasil.

A era Bolsonaro instalou o Brasil dos insultos, dos ataques entre poderes, da agressividade verbal, quase física. Ninguém se dá mais ao respeito, ninguém constrói pontes alicerçadas em palavras sábias, que busquem, em primeiro lugar, o bem do País. As instituições estão vilipendiadas, ultrajadas. Dizem que o hábito faz o monge.

Na verdade, quando olhamos para um monge, não imaginamos o processo que o levou até ali. O segredo é o hábito. Essa frase sugere que, a partir do uso frequente de bons hábitos, é possível alcançar o estado desejado. No Brasil de hoje, se persegue os maus hábitos. Um poder xinga outro. Ouvi muito de Marco Maciel algo que, nos dias atuais em Brasília, está fora de mora: a liturgia do poder.

Sem liturgia, cada governante cria e exercita suas manias. Idi Amin, ditador de Uganda, dizia que conversava com Deus “sempre que necessário”. Outros se colocavam em pé de igualdade com Deus. Em Gana, o ditador Nkrumah era comparado a Confúcio, Maomé, São Francisco de Assis e Napoleão. Franco proclamava-se “Caudilho da Espanha pela graça de Deus”. Bolsonaro não poderia ser diferente. Há quem diga que seu estilo de ir para a ofensiva, usando um linguajar fora do padrão da liturgia, é obra do seu próprio universo. Ouvi em Brasília, por esses dias, que o presidente fala para o seu público, para a sua seita.

Cada governante, a seu modo, se esforça para lustrar a imagem, trocando a semântica pela estética. Quando exageram, a imagem se esfarela. O povo percebe. Por isso, alguns sobem, outros descem. No caso de Bolsonaro, se esfarela, conforme apontam as pesquisas. Talvez lhe falte um conselheiro da estirpe de Marco Maciel.

Fica o recado – Um presidente, um magistrado ou um parlamentar, qualquer autoridade deve vestir o manto litúrgico sob os valores do respeito, da ordem, da credibilidade, da disciplina, da norma. Quando um deles maltrata essa liturgia, rebaixa o seu conceito. Deve-se respeitar as pessoas como elas são. Mas todos devem preservar a ordem para o cumprimento de suas tarefas.

A face oculta – Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD, afirma que Jair Bolsonaro mostra uma face que ficou escondida nas eleições de 2018 ao ter “arroubos autoritários”. Ainda assim, diz considerar que o presidente da República vá chegar a dezembro de 2022 sem que um processo de impeachment seja aberto contra ele. “O presidente Bolsonaro faz uma leitura totalmente equivocada da relação dele com a sociedade”, disse, ontem, ao Estadão. “Ele assusta, está amedrontando o eleitor, mostra uma face que ele não mostrou na campanha eleitoral em 2018. Na democracia, as pessoas querem ver o presidente dando exemplo. Isso afasta ele do eleitor”, acrescentou.

Bateu, levou! – O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luis Roberto Barroso, disse, em nota, que é crime de responsabilidade tentar impedir a realização das eleições. Foi uma resposta ao presidente Jair Bolsonaro, que sugeriu que o Brasil pode não ter eleição em 2022 se até lá não houver voto impresso auditável. “A realização de eleições, na data prevista na Constituição, é pressuposta do regime democrático. Qualquer atuação no sentido de impedir a sua ocorrência viola princípios constitucionais e configura crime de responsabilidade”, afirmou o ministro.

Gastos com energia - A atual crise hídrica fez o Ministério de Minas e Energia aumentar a previsão de uso e gastos com usinas termelétricas para geração de energia. A estimativa de custo com essa fonte energética passou de R$ 9 bilhões para R$ 13,1 bilhões. A previsão anterior de R$ 9 bilhões foi informada em junho. Na comparação com a nova estimativa, o aumento foi de 45%. O cálculo é baseado em simulações do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), que considera o uso adicional das usinas entre os meses de janeiro e novembro deste ano.

Novo ataque – A motociata com Jair Bolsonaro em Porto Alegre, sábado passado, terminou com um discurso a apoiadores, a maioria deles vestidos de verde e amarelo e com bandeiras do Brasil, onde o presidente atacou de novo o ministro Luís Roberto Barroso, a CPI da Covid-19 e o governador Eduardo Leite (PSDB), além de mais uma vez defender o voto impresso para 2022. "Se aquele de nove dedos tem 60%, segundo o Datafolha, vamos fazer o voto impresso e auditável da deputada Beatriz, que está aqui, para ver se ele ganha realmente na opinião do povo", afirmou se referindo a pesquisa recente do instituto que mostra o ex-presidente Lula na liderança da corrida eleitoral.

CURTAS

Vacinação avança – Desde janeiro passado, Pernambuco aplicou 4.830.266 doses de vacinas contra a Covid-19. Desse total, 1.270.634 pessoas completaram os esquemas vacinais. Foram 1.126.777 pessoas vacinadas com imunizantes aplicados em duas doses e outras 143.857 contemplados com vacina aplicada em dose única. Em relação às primeiras doses, foram 3.559.632 aplicações.

Está baixando – A taxa de ocupação na rede pública de Pernambuco era de 59% até sábado passado, com 2.778 vagas disponíveis. Nas UTIs públicas, eram 1.634 vagas e 63% desses leitos estavam ocupados. Nas enfermarias dos hospitais públicos, a taxa de ocupação de leitos era de 54% das 1.144 unidades abertas. Na rede privada, a taxa de ocupação de leitos era de 53%, com 435 vagas disponíveis. Nas UTIs dos hospitais particulares, eram 268 vagas e 61% desses leitos estavam com pacientes com Covid. Nas enfermarias, a taxa de ocupação era de 41% das 167 unidades abertas.

Perguntar não ofende: Sem eleição, como quer Bolsonaro, caso não seja aprovado o voto impresso, o Congresso se renova sem reeleição ou será fechado?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

AURI LIMA

Bolsonaro não mudando as estratégias de comunicação está destinado ao fracasso. Ele precisa mudar ! Ele pode muito bem continuar defendendo seus pontos, mas tem que saber como fazer; precisa de orientações. oaurilima.blogspot.com (BLOG DO AURI)


Pousada da Paixão


10/07


2021

Coluna do sabadão

Sextou rende até polêmicas 

Criado neste momento de pandemia para dar voz aos artistas e ao mesmo tempo abrir um palco para um show pelo rádio, o quadro Sextou, do Frente a Frente, às sextas-feiras, tem sido, para este colunista, âncora e blogueiro, uma experiência fantástica e emocionante. Repórter perdigueiro, fui curtido na profissão fazendo entrevistas. Adoro provocações, estimular o entrevistado a abrir o coração com grandes e emocionantes revelações.

A experiência tem sido igualmente desafiadora porque me põe frente a frente com celebridades da música brasileira. Foi no Frente a Frente que Gilliard, um dos maiores sucessos entre os anos 70 e 80, revelou que Pernambuco foi o Estado, na sua explosão com a música A Nuvem, que mais contribuiu com a vendagem de seu primeiro LP para ganhar o primeiro Troféu de Ouro, recebido no programa de Chacrinha, na TV-Globo.

Foi também no Sextou que arranquei a revelação de Nando Cordel de que a música “De volta pro aconchego”, um dos seus maiores sucessos, interpretado por ele e uma dezena de artistas nacionais, foi feita a pedido de Dominguinhos, que vivia na época uma crise conjugal. Também ocorreram polêmicas. Uma delas virou pauta para a mídia nacional: a entrevista com o cantor Amado Batista.

Nela, o consagrado artista, que empata em venda de discos com o rei Roberto Carlos, acusa o ex-presidente Lula e seu filho Lulinha de ladrões. Arranquei ainda a declaração do forrozeiro Santana que a música Tamborete de Forró, cantada em todos os seus shows como um dos maiores sucessos, foi feita para sua esposa Laelma, que faz também o papel de empresária dele, amor que nasceu em Palmares.

Ainda no Sextou, Margareth Menezes, a musa do movimento afro-pop brasileiro, cantou, pela primeira vez, a música que fez em parceria com Del Feliz, forrozeiro baiano, destacando a importância da vacina contra a covid-19. Ontem, entrevistei um dos monstros sagrados do romantismo: o mineiro-paulista Nilton César.

Aos 81 anos, ainda com a mesma voz aveludada da largada da sua carreira, o intérprete de “A namorada que sonhei” revelou que faz mais sucesso, hoje, na Colômbia e outros países da América do Sul, do que mesmo no Brasil, cantando em castelhano. Confessa-se um emotivo, que chora nos palcos com a reação dos seus fãs, para quem, como Roberto Carlos, ao final dos shows, oferece rosas vermelhas, simbolizando o amor.

Vacinação suspensa – Pelo menos três capitais brasileiras anunciaram, ontem, a suspensão da aplicação da primeira dose da vacina contra a covid-19. Curitiba, Florianópolis e Maceió informaram que estão com falta de imunizantes. A Prefeitura de Curitiba estava atendendo pessoas de 41 anos ou mais e chegou a aplicar 41.373 doses em três dias. Ontem, aplicou apenas a segunda dose, conforme anúncio feito através de sua página no Instagram. Segundo a Prefeitura, “o cronograma é criado de acordo com a quantidade de imunizantes disponíveis para aplicação” e “assim que a Prefeitura receber mais doses, a vacinação será retomada “.

Posando de macho – Do senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, ao bombardear Bolsonaro: “O presidente da República calou já faz 13 dias. E se calando, ficando em silêncio, ele deixa muito mal o líder do seu Governo na Câmara dos Deputados que já ocupou cargos importantíssimos na República, porque ele em nenhum momento negou a afirmação que fizeram o deputado e o seu irmão. Isso é muito ruim para um presidente da República que posa de macho todos os dias no cercadinho do Alvorada e emudece diante da comissão parlamentar de inquérito”, disse Renan.

Manifesto do IR – Líderes de nove partidos da Câmara dos Deputados divulgaram um manifesto contra a proposta de reforma do Imposto de Renda enviada pelo Ministério da Economia. Na avaliação dos dirigentes, o projeto de lei aumenta a carga tributária. Deve ser visto como uma “antirreforma“, com o objetivo de “engordar os cofres públicos”. Para eles, os mais prejudicados pela reforma do IR serão os 14,7 milhões de brasileiros em busca de trabalho e as famílias de baixa renda. Assinam os líderes ou presidentes dos partidos da chamada terceira via, que não se alinha automaticamente nem com o governo nem com a esquerda: PSL, MDB, PSDB, Democratas, Solidariedade, Podemos, Novo, Cidadania e PV.

No Ceará tem disso, sim – A venda por WhatsApp e outras plataformas de chats vem se tornando um canal relevante de transações para os comerciantes cearenses, em especial nos empreendimentos de menor porte. Pesquisa da Benchmark Conversational Commerce Brasil, produzida pela OmniChat, startup do segmento de chat-commerce, aponta que os cearenses ocupam uma fatia referente a 13,39% dos brasileiros que realizam compras via chat, segundo maior percentual do País, atrás apenas de São Paulo, que detém 34,18% dos consumidores deste nicho do comércio eletrônico.

Mais uma – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez em sua live das quintas-feiras um comentário racista. Ao comentar sobre o cabelo crespo de um dos apoiadores, Bolsonaro disse: “Como é que está a criação de barata aí?” Tanto o presidente quanto diversos apoiadores caem na gargalhada com o comentário. De acordo com o UOL, o presidente perguntou ao apoiador quantas vezes por mês o rapaz lavava o cabelo, e disse que ele não poderia tomar o medicamento ivermectina, para não matar seus piolhos. O medicamento é um dos que o presidente costuma defender como tratamento precoce para a Covid-19, mesmo com o vermífugo sendo comprovadamente ineficaz contra a doença.

CURTAS

SAFADÃO DERRAPA – O Ministério Público do Estado do Ceará vai abrir procedimento para investigar a vacinação de Thyane Dantas contra a Covid-19, ocorrida na quinta-feira (8). A esposa do cantor Wesley Safadão recebeu dose do imunizante na capital, no mesmo dia, local e horário do marido, apesar de ter nascido em 1991 e a campanha do município ainda estar atendendo público geral até 1989.

DECANO DE PIJAMA – O presidente Jair Bolsonaro sancionou a aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello, decano do Supremo Tribunal Federal, que se despede da corte na próxima segunda-feira, quando completa 75 anos. O decreto que oficializa a aposentadoria no ministro foi publicado na edição de ontem do Diário Oficial da União.

Perguntar não ofende: A CPI da Covid não vai investigar quem roubou nos Estados e Municípios o dinheiro da covid?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes Junho 2021


09/07


2021

Coluna da sexta-feira

O confronto Centrão x Militares

O circo armado na CPI da Covid, com a voz de prisão ao ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, José Roberto Dias, pelo presidente da Comissão, Omar Oziz (PSD-AM), escancarou a disputa de poder entre o Centrão e os militares que orbitam em torno do presidente Jair Bolsonaro, muitos deles agindo no submundo das informações reservadas.

Se antes a briga era entre os generais e a ala ideológica do Governo, agora o confronto de vida ou morte é entre o “núcleo camuflado” de farda e o grupo político que há anos dá as cartas no Ministério da Saúde. A prisão jogou os holofotes sobre novos dossiês com acusações de corrupção, que vão muito além da compra de vacinas.

As denúncias passam agora pela Casa Civil da Presidência, que até então serviu como escudo para blindar Bolsonaro. Nesta temporada, no entanto, a crise mudou de patamar, segundo o jornal Estadão. “Toda CPI tem um ponto de inflexão”, disse o ex-senador Delcídio do Amaral, presidente da CPI dos Correios, que investigou o mensalão no Governo de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2005.

“Naquela época, foram duas inflexões: o depoimento do Roberto Jefferson e o do Duda Mendonça. Roberto era o grande líder político e Duda, o marqueteiro que elegeu o Lula. Com todo o respeito, mas, do jeito que está hoje, não roda. É muita fuleiragem. A CPI da Covid pegou o segundo escalão”, acrescentou.

Preso em novembro de 2015, quando era líder do governo Dilma Rousseff no Senado, Delcídio foi absolvido pela Justiça Federal quatro anos depois. Acusado de tentar impedir a delação premiada do ex-diretor da Petrobrás, Nestor Cerveró, para atrapalhar as investigações da Lava Jato, ele também foi cassado pelo Senado, com votos do seu próprio partido na ocasião, o PT.

Ex-petista, Delcídio preside hoje o PTB de Mato Grosso do Sul e pretende concorrer a deputado federal, em 2022. Jefferson, que teve o mandato cassado após a CPI dos Correios, virou seu amigo. “Há também um mensalão no Ministério da Saúde, só que ninguém está observando isso”, afirmou o deputado Luis Miranda (DEM-DF), pivô da CPI da Covid e alvo de um dossiê preparado pelo governo Bolsonaro.

Miranda é o homem que diz ter informações para “explodir a República”, usa colete à prova de bala e instalou um detector de metais na entrada de sua casa, em Brasília. Foi ele que esteve com Bolsonaro em 20 de março, no Palácio da Alvorada, e levou a tiracolo o irmão Luis Ricardo, chefe de importação do Departamento de Logística.

No radar – Após o escândalo da cobrança de propina, o Ministério da Saúde suspendeu o contrato com a Precisa Medicamentos, representante do laboratório Bharat Biotech que intermediou as tratativas para a compra do imunizante. Ainda segundo o Estadão, tudo será cancelado e haverá uma “faxina” no Ministério, na tentativa de estancar a crise. Ontem, o demitido foi o diretor do Departamento de Imunização, Lauricio Monteiro Cruz. No depoimento de Dias, que saiu da CPI preso e acabou soltou após pagar fiança de R$ 1.100, as certezas do presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), entraram no radar das aflições do Planalto.

Covidão só faz gol contra – Geraldo Covidão, ex-prefeito do Recife, não consegue fazer um único gol como secretário de Desenvolvimento Econômico. Ontem, o Tribunal de Contas do Estado suspendeu mais uma licitação polêmica dele, um contrato de R$ 3, 8 milhões para estudos da implantação do Arco Metropolitano da Região Metropolitana do Recife. O relator Valdecir Pascoal considerou supostas irregularidades graves e suspendeu a licitação. Covidão queria fazer a licitação "de todo jeito". O processo não tinha nem mesmo a licença-prévia ambiental, como exige a legislação federal.

Pente fino – “A Covaxin não tinha passado pela Anvisa. Depois tem a CGU, a CGU que tem um ministro à frente dela, faz um pente-fino na maioria dos contratos e depois ainda tem o TCU, como você vai fazer uma sacanagem dessa? Só na cabeça de um cara que desvia do seu Estado R$ 260 milhões, como o Omar Aziz desviou, é que pode falar isso aí “, disse o presidente. Em seguida, Bolsonaro repetiu que o relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), seria alvo de 17 inquéritos na Justiça.

Notícia de compadre – Omar Aziz respondeu sobre o assunto em sessão da CPI na manhã de ontem. “Não sei onde ele ouviu isso, mas, infelizmente, como ele se informa através de compadre, de compadrio, de coisas pequenas, a gente releva. Presidente, eu lhe desafio a procurar um processo em que eu seja réu ou denunciado”, disse. O senador informou ainda que mandará uma carta ao chefe do Executivo questionando o presidente sobre a veracidade das declarações do deputado Luis Miranda (DEM-DF). O deputado afirmou à CPI que Bolsonaro sabia das suspeitas de irregularidades no caso da Covaxin. “O senhor não responde. Passa 50 minutos querendo desqualificar a CPI. Mas é só uma resposta, Presidente, só uma que o Brasil quer ouvir de Vossa Excelência “, afirmou Aziz.

Bolsonaro ataca – No contra-ataque, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, ontem, em Brasília, que o senador Omar Aziz (PSD-AM) desviou R$ 260 milhões em recursos estaduais do Amazonas. O senador é presidente da CPI da Covid na Casa, que investiga as possíveis irregularidades na compra da vacina indiana. Para apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro comentou sobre as suspeitas de superfaturamento nas negociações do imunizante. Segundo ele, não seria possível ocorrer corrupção já que o Ministério da Saúde tem “filtros”, além da atuação da Controladoria Geral da União e do Tribunal de Contas da União.

CURTAS

AMEAÇADO – Aos apoiadores, Bolsonaro voltou a falar, ontem, sobre o voto impresso e as eleições de 2022. Ele indicou que, caso o voto “auditável” não seja aprovado, o pleito estaria ameaçado. “Eleições ano que vem serão limpas. Ou fazemos eleições limpas no Brasil ou não temos eleições. Daí teve um tweet que alguém escreveu para o analfabeto de nove dedos dizendo que eu roubei as eleições do ano passado e enganei por causa de uma facada ainda “, disse.

5-G NAS ESCOLAS – O ministro das Comunicações, Fábio Faria, garante que o Governo levará o 5G puro, também conhecido como standalone, a quase todas as escolas urbanas do Brasil. Apesar disso, Faria disse que escolas sem energia elétrica ainda não poderão ter a conexão do 5G e 4G até o aperfeiçoamento da infraestrutura local. “Cerca de 72 mil escolas urbanas poderão fazer a Internet das Coisas, as soluções e aplicações com o 5G. 13 mil escolas receberão o 4G, internet de boa velocidade que temos hoje no Brasil. Portanto, todas as escolas estarão contempladas e quase todas com o 5G standalone”, disse.

Perguntar não ofende: Quem será a próxima vítima de voz de prisão da CPI dos 7 bandidos, como diz Bolsonaro?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Não teve nada de circo na CPI, teve a prisão decretada de um mentiroso, prerrogativa do presidente. Camuflado vive o Brasil, governado por um acéfalo. Todo mundo é bandido para o presidente, basta investigar algo ou alguém que bate a sua porta. Está chegando sua vez Bozo!




08/07


2021

Coluna da quinta-feira

Brasília vira um caldeirão

Brasília ferve. A temperatura subiu na CPI da Covid no Senado, ontem, com a prisão do ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, José Roberto Dias, decretada pelo presidente da comissão de investigação, Omar Aziz, após constatar que o depoente prestou falso testemunho. Dias foi detido e levado para a polícia legislativa, onde prestou depoimento. A voz de prisão pelo presidente da CPI pareceu ter sido desencadeada pela menção, pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), a áudios extraídos do celular do cabo da PM mineira e vendedor autônomo da Davati Medical Supply Luiz Paulo Dominghetti Pereira.

O teor das gravações, em que ele conversa com um interlocutor identificado como Rafael, dá a entender que Dominghetti já havia conversado com Dias antes do encontro em 25 de fevereiro no restaurante Vasto, no Brasília Shopping, região central da capital federal. A mensagem contradiz a versão do ex-diretor do Ministério da Saúde, de que havia marcado um chope com um amigo, José Ricardo Santana, e o coronel Marcelo Blanco teria aparecido espontaneamente acompanhado de Dominghetti.

Mas o senador Marcos Rogério (DEM-RO), aliado do governo do presidente Jair Bolsonaro, fez críticas à decisão, afirmando que houve claro abuso de autoridade. “Não foi apontado um único fato concreto para que fosse decretada a sua prisão em flagrante! Absurdo!”, disse.

Numa outra ponte, o presidente Bolsonaro voltou a atacar o ministro Luís Roberto Barroso, do STF. Ao defender o voto impresso, Bolsonaro criticou a atuação de Barroso que é presidente do Tribunal Superior Eleitoral. O chefe do Executivo disse Barroso era um “péssimo ministro “. “Por que o Barroso não quer mais transparência nas eleições? Porque ele tem interesse pessoal nisso. Ele tá se envolvendo em uma causa como essa e interferindo no Legislativo, e isso é concreto porque depois da ida dele ao parlamento brasileiro várias lideranças partidárias trocaram os membros da comissão que analisa o voto auditável “, declarou.

Bolsonaro afirmou que Barroso quer “destruir a democracia” e disse que o ministro defende a legalização das drogas e o aborto. “Um ministro como o Barroso, pelo amor de Deus, o que esse cara faz no Supremo Tribunal Federal? Ele quer destruir a nossa democracia”, declarou. Bolsonaro também repetiu que “haverá problemas” no ano que vem caso o voto impresso não seja implementado nas eleições de 2022. O chefe do Executivo citou que poderia contestar o resultado do pleito.

“Eles vão arranjar problemas para o ano que vem se esse método continuar aí sem a contagem pública. Eles vão ter problemas porque algum lado pode não aceitar o resultado. Esse algum lado, obviamente, que é o nosso lado“, disse.

O poder da CPI – Uma CPI pode determinar prisões em flagrante, no caso de falso testemunho, mas não em quaisquer circunstâncias. Os poderes atuais das Comissões Parlamentares de Inquérito são resultado de uma jurisprudência construída com base na Constituição de 1988 e validada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a partir da premissa de que, nessas comissões, o Legislativo ganha algumas atribuições que são exclusivas do Poder Judiciário. O poder de determinar uma prisão ganhou destaque, ontem, durante o depoimento do ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, acusado pelo presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), de ter mentido ao colegiado.

Gilson sinaliza disputa – Em entrevista, ontem, ao Frente a Frente, o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, disse que já pegou boi brabo na caatinga, está acostumado a montar cavalo e que se em 2022 o cavalo da sucessão de Paulo Câmara passar selado monta nele, desde que seja um desejo do presidente Bolsonaro. “Eu sou um soldado do presidente, faço o que ele achar melhor e o que for melhor para Pernambuco”, disse, dando a entender que pode, sim, como vem sendo especulado, sair candidato ao Governo do Estado como alternativa do campo bolsonarista.

Amado notificado – O juiz José de Anchieta Félix, da 5ª Vara Criminal do Recife, notificou, ontem, o cantor Amado Batista, com um pedido de explicações sobre as acusações contra o ex-presidente Lula. Ele deu 15 dias para o artista explicar em que contexto sugeriu, no Frente a Frente, que o petista e seu filho Lulinha seriam ladrões. Na entrevista, Amado chegou a dizer que Lula e seus filhos “praticaram roubo durante os governos petistas”. “Presentes os pressupostos legitimadores da utilização do pedido de explicações em juízo, diante da dúvida objetiva em torno do conteúdo moralmente ofensivo das afirmações questionadas, notifiquem-se o interpelado para que, em querendo, manifeste-se no prazo determinado”, afirma o juiz no despacho.

Quem coordenou – Em depoimento à CPI da Covid no Senado, o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, afirmou, ontem, que o coronel Élcio Franco, ex-número 2 da pasta na gestão do general Eduardo Pazuello, foi quem coordenou todo o processo de negociação do governo para aquisição da Covaxin, vacina indiana contra o coronavírus. A compra do imunizante é investigada após um servidor da pasta apontar suspeitas de irregularidades, como pressão de superiores para acelerar a compra e a tentativa de pagamento antecipado.

Sem cobrança do ICMS – As uvas de mesa produzidas no Vale do São Francisco continuarão isentas da cobrança do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), segundo garante o secretário de Ciência e Tecnologia, Lucas Ramos. “O governador Paulo Câmara assina decreto que retoma o incentivo tributário, destacando que a isenção também alcança o produto que é comercializado em embalagens plásticas”, disse Lucas, responsável pela articulação que resultou na ação governamental.

CURTAS

CALAMIDADE – O estado de calamidade pública em decorrência da pandemia de Covid foi prorrogado pela Assembleia Legislativa, ontem, em 131 dos 184 municípios. Com a aprovação de projetos, ontem, a medida terá validade até setembro. Os deputados também reconheceram formalmente a solicitação das prefeituras. Segundo a Alepe, os outros 53 municípios poderão enviar ao Legislativo seus decretos em agosto, com efeito retroativo a julho de 2021.

BLOQUEIO – O prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira (PL), anunciou, ontem, que vai bloquear o cadastramento das pessoas que quiserem escolher o tipo de imunizante contra a Covid-19. A medida tem como meta evitar os conhecidos “somelliers” de vacina. Por meio de nota, a prefeitura de Jaboatão informou que a pessoa que tentar escolher a vacina só poderá ser imunizada depois de 60 dias.

Perguntar não ofende: A prisão foi legal ou ato de picadeiro?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

A prisão foi legal e o presidente da CPI tem autonomia e autoridade para tal. O picadeiro já vive o o Brasil com um Bozo no comando. O Gilson Machado não é soldado do presidente, mas apenas um puxa saco!




07/07


2021

Coluna da quarta-feira

Reforma eleitoral não anda

Pelo andar da carruagem, as regras eleitorais para o pleito de 2022 devem ser as mesmas de 2020. O sentimento flora não apenas entre os deputados federais, mas também Salão Azul, onde circulam desenvoltos os senadores. Em encontro com líderes partidários, ontem, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), sentiu um claro descontentamento com a frequência das mudanças nas regras eleitorais no Brasil por parte dos próprios líderes.

O que houve de mais próximo de um encaminhamento foi o indicativo de usar o recesso do Legislativo, entre 17 de julho e 1 de agosto, para discutir o assunto e tentar chegar a um acordo para, depois, votar. Caso não haja recesso, uma possibilidade se não houver votação da Lei de Diretrizes Orçamentarias nos próximos 10 dias, ainda assim seria usada a segunda quinzena de julho para tentar um acerto.

“Há um sentimento de que não é hora de se ter mudanças substanciais nas regras eleitorais. Os presidentes dos partidos têm consciência de que não dá para alterar o sistema eleitoral a cada eleição”, disse Roberto Freire, presidente do Cidadania, manifestando o sentimento dos demais presidentes de partidos. Caso esse cenário se concretize, poderá haver uma corrida para aprovar projetos sobre esses temas no início do segundo semestre.

Só valem em 2022 mudanças nas regras eleitorais aprovadas ao menos um ano antes das eleições. Ou seja, o limite é outubro desse ano para Câmara e Senado aprovarem algo. Ao chegar à Câmara depois da reunião com os partidos e almoço com líderes de bancada aliados, Lira disse que a votação do tema na Casa será até a partir do dia 4 de agosto. “Prazo fatal no plenário”, declarou.

Mas poucos acreditam que isso venha a prosperar, até porque não há consenso em nenhuma mudança proposta para eleição proporcional, nem em relação ao sistema do distritão, que, na prática, são eleitos os mais votados, nem tampouco na proposta das federações partidárias, a união de partidos por quatro anos, o que abriria uma janela para as coligações partidárias, proibidas nas eleições passadas.

Distritão rejeitado – As cúpulas de alguns dos principais partidos são contra o distritão porque ele diminui o poder das siglas sobre seus filiados. Mas, na Câmara, a maioria dos deputados tem demonstrado interesse pelo sistema e podem atropelar os dirigentes da legenda. O motivo é o fim das coligações no Legislativo. Nas regras atuais, os partidos podem ter um número de candidatos equivalente a 150% da quantidade de vagas que cada Estado tem na Câmara. Lançar menos que isso significa menos gente fazendo campanha, menos votos e, portanto, menos chances de eleger deputados.

As grandes barreiras – Partidos pequenos ou mesmo diretórios estaduais pouco estruturados de grandes legendas estão com dificuldades para encontrar candidatos. Os deputados estão assustados porque isso pode comprometer reeleições. Quanto ao voto impresso, trata-se de uma pauta promovida pelo presidente Jair Bolsonaro e seus seguidores. Mas 11 partidos, inclusive aliados de Bolsonaro, colocam-se contra a alteração e fizeram a proposta perder força na Câmara. O Código Eleitoral, por sua vez, deverá ser um projeto, ainda não oficialmente divulgado, com mais de 800 artigos. E as federações partidárias dividem partidos pequenos e grandes, que tenderiam a absorver os filiados de siglas que podem definhar nos próximos anos se mantidas as regras atuais.

CPI sem recesso – O presidente da CPI da Covid no Senado, Omar Aziz (PSD-AM), comunicou, ontem, que o colegiado não interromperá seus trabalhos nas duas semanas de julho em que o Congresso pode ter recesso. O senador disse que a comissão não tem “o direito de tirar férias com pessoas morrendo “. “Nós não temos esse direito, e ninguém pode nos obrigar a ter esse direito. Nós temos a vida toda para tirar férias, agora não dá para tirar férias, com pessoas sendo vítimas da covid-19, do negacionismo, da falta de espírito público. A CPI irá continuar em pleno recesso, vamos continuar “, afirmou.

Boa notícia – O governador Paulo Câmara ampliou, a partir de ontem, o horário de funcionamento de bares e restaurantes. Na Macrorregião 1, que compreende o Grande Recife, a Zona da Mata e parte do Agreste, os estabelecimentos poderão funcionar até 23h, durante a semana, e até 22h, nos finais de semana e feriados. Nas demais regiões, os bares e restaurantes podem funcionar até 22h, durante a semana, e até 21h, nos fins de semana e feriados. Em Fernando de Noronha, ampliação é até 0h e poderão ser retomadas as apresentações musicais.

Péssima notícia – Em meio à pandemia de Covid-19, Pernambuco registrou um aumento de 473,7% nas confirmações de Chikungunya. No primeiro semestre de 2021, foram 3.947 casos confirmados. No mesmo período de 2020, houve 688 ocorrências consolidadas nas estatísticas do Governo. Os dados são da Secretaria Estadual de Saúde, com registros entre 3 de janeiro e 26 de junho deste ano. Houve notificações em 111 dos 184 municípios. Ainda segundo a Secretaria, houve redução nas confirmações de dengue, no mesmo período. No primeiro semestre de 2021, o Governo confirmou 3.152 casos. Em 2020, foram 6.437 confirmações. A queda chegou a 51%.

CURTAS

CONCLUSÃO – A Secretaria de Defesa Social concluiu as investigações preliminares sobre a conduta de PMs que agiram com violência no protesto pacífico contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em 29 de maio, no Recife. Sete processos administrativos disciplinares foram abertos pela Corregedoria-Geral contra os envolvidos. Na manifestação, duas pessoas ficaram gravemente feridas: o adesivador de táxis Daniel Campelo, de 51 anos, e o arrumador de contêineres Jonas Correia, de 29 anos, perderam a visão de um dos olhos.

PUNIÇÕES – Os policiais, segundo nota da Defesa, continuam afastados de suas funções. Um deles cumpre afastamento cautelar, com recolhimento de armamento e carteira funcional. Os demais estão afastados de suas atividades operacionais, prestando serviços administrativos nas unidades onde são lotados. Ao todo, foram realizadas nove investigações preliminares sobre a ação no protesto. Oito estão concluídas e uma teve o prazo prorrogado.

Perguntar não ofende: Datena dá algum caldo para uma terceira via?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



06/07


2021

Coluna da terça-feira

As provas estão em livro

Receoso de entrar no bombardeio, até pelo tremendo telhado de vidro, o ex-presidente Lula escalou o filho Lulinha, que catava cocô de elefante num zoológico em São Paulo antes de o pai chegar ao poder, para brigar judicialmente com o cantor Amado Batista, por este ter declarado no Frente a Frente que ele (Lula) é ladrão, e o filho igualmente.

Esses processos são, na verdade, peças que compõem o jogo da intimidação. Não dão em nada. Amado Batista, aliás, nem precisará se auxiliar de um advogado para preparar a sua defesa. Sugiro baixar na Internet o livro Sócio do Filho, do jornalista Marco Vitale. Nele, o autor mostra, com documentos e provas, como o herdeiro de Lula enriqueceu da noite para o dia. De tão contundente, a obra foi embargada e o jornalista até hoje está sendo perseguido.

O livro relata em detalhes inúmeros negócios escusos feitos pelo empresário Jonas Suassuna em parceria com os irmãos Kalil e Fernando Bittar, dono oficial do sítio em Atibaia, e Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente. O jornalista conta o que viu e ouviu durante sete anos em que trabalhou como diretor do grupo Gol. Embora homônima, a empresa responsável por prestar uma série de serviços superfaturados para governos e empresas privadas.

Não tem nenhuma relação com a companhia aérea. Ele diz que o chefe da quadrilha é Lula, pai de Lulinha. Segundo o autor, o livro prova parte da corrupção cometida durante a era petista, dos governos Lula e Dilma. Amparadas em notas fiscais, e-mails e cópias de contrato, as denúncias mostram que Lula foi o chefe da quadrilha que tinha Lulinha como sócio.

Se quiser ainda enriquecer ainda mais a sua defesa, Amado Batista clica no Google e pega todos os links com provas dos R$ 18 bilhões desviados na era petista, segundo a operação Lava Jato. Pode recorrer ainda ao ex-ministro Palloci. Saber dele de onde veio os R$ 100 milhões devolvidos no seu acordo para a delação premiada.

Elementar, meu caro Watson!

Homem-bomba – A Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid-19 no Senado ganhou relevância nos últimos dias e deve drenar as atenções do Congresso novamente na semana que se inicia. Os senadores do colegiado devem ouvir na quarta-feira o ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias. Dias foi acusado de cobrar propina de US$ 1 por dose em uma negociação suspeita para compra de vacinas da AstraZeneca contra a covid. A história tem lacunas. Foi contada por Luiz Paulo Dominghetti, cabo da PM de Minas Gerais que trabalhava como vendedor autônomo da Davati, multinacional que vende produtos farmacêuticos. Detalhe: a empresa venderia vacinas de um laboratório –AstraZeneca– que não usa intermediários e trata diretamente com o Governo.

Olho no Senado – A médica cearense Mayra Pinheiro, conhecida como “Capitã Cloroquina”, está sondando os seus seguidores nas redes sociais sobre a possibilidade de sair candidata ao Senado pelo Ceará em 2022. Ela já concorreu a uma vaga na Casa Alta em 2018, mas não foi eleita. A sondagem começou com uma enquete no Instagram e no Facebook. Mayra publicou uma foto perguntando: “Se a eleição para o Senado no Estado do Ceará fosse hoje, quem você elegeria?”. A médica só deu duas opções aos seus seguidores: ela e o senador Tasso Jereissati (PSDB). Natural de Fortaleza, Mayra Pinheiro já foi filiada ao PSDB e foi candidata em duas ocasiões pelo partido. Em 2014, concorreu a uma vaga como deputada federal pelo Ceará. Em 2018, tentou o Senado, como Dra. Mayra.

Lula na liderança – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lidera as intenções de voto para presidente em 2022, enquanto o atual ocupante do cargo, Jair Bolsonaro, possui a maior taxa de rejeição entre os eleitores, segundo pesquisa divulgada, ontem, pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e pela MDA. Os dados mostram que, na pesquisa espontânea — em que não são apresentados nomes aos entrevistados —, os votos favoráveis a Lula somam 27,8% do total, enquanto aqueles favoráveis a Bolsonaro foram 21,6%. Em terceiro lugar aparece o ex-ministro Ciro Gomes, com 1,7%, e os indecisos somaram 38,9%.

Energias alternativas – O volume de energia gerada por grandes empresas para consumo próprio dobrou de 2009 para cá e deve dar novo salto com a pressão da sociedade em torno de uma agenda mais sustentável. Dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) mostram que a capacidade instalada dos chamados autoprodutores cresceu de 12.834 megawatts (MW), em 2009, para 25.314 MW, no ano passado. Essa escalada se deve ao avanço de térmicas, sobretudo daquelas movidas por biomassa. O potencial de geração do setor de açúcar e álcool, por exemplo, cresceu 181%, segundo a EPE.

Sem Bolsonaro – O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, informa que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não estará presente em São José do Belmonte, na próxima sexta-feira (9), para a inauguração de um complexo de energia solar. O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o próprio Gilson Neto estarão no evento. A empresa espanhola Solatio é responsável pelo projeto, cujo investimento chega a R$ 3,5 bilhões. A obra é tida como o maior parque solar do Brasil. No mesmo dia, Bolsonaro cumprirá agenda em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul.

CURTAS

REDUÇÃO DE IDADE – A Prefeitura do Recife anunciou a ampliação da vacinação contra Covid-19 para pessoas sem comorbidades a partir de 37 anos de idade. O agendamento desse novo grupo abriu ontem mesmo para que as pessoas recebam a vacina a partir de hoje. O município também anunciou que vai implementar um bloqueio para quem recusar marca de imunizante só poder reagendar dali a 60 dias, uma forma de evitar os "sommeliers" de vacina.

ATÉ SETEMBRO – A capital pernambucana vacinava, até então, pessoas a partir de 40 anos, além de outros grupos prioritários. A estimativa da Prefeitura do Recife é que o grupo de moradores entre 37 e 39 anos seja composto por 81 mil pessoas. "Se o Governo Federal mantiver o calendário [de entrega de vacinas], a gente consegue imunizar 100% da população adulta até setembro", diz o prefeito João Campos (PSB).

Perguntar não ofende: Recife está sendo privilegiada ou não nas cotas de vacina pelo Estado?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Wellington Antunes

O Blogueiro puxa-saco dos Coelhos e dos Ferreiras e agora de Amado Batista, está inovando, aponta como provas um livro que não levou a nada, pois qualquer pessoa de bom senso há de pergutarr: se o que contém neste livro é verdadeiro por que a PF não aprofundou e prendeu o filho de Lula?

Joao

De que o jornalista blogueiro puxa-saco dos coelhos e Ferreira, agora do acéfalo, falaria dos crimes cometidos por este governo?

Mauro Guerra

O \"jornalista\" chama Lula de ladrão, chama Geraldo Julio de covidão, chama Paulo Câmara de marcha lenta. Mas chama Bolsonaro de presidente, o correto não seria chamar pelo apelido também? GENOCIDA. Ou estar ganhando algum por for?




05/07


2021

Coluna da segunda-feira

Mais um blefe de Lula

Depois de silenciar sobre a crise e até ser objeto de memes que virilizaram na internet, o ex-presidente Lula (PT) disse, em entrevista ao jornal O Liberal, do Pará, que se comprovadas as denúncias contra o Governo Federal, a CPI da Covid deveria abrir a interdição ou o pedido de impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Lula disse que a CPI está “desnudando o monstro que foi plantado no Brasil” e afirmou que os senadores devem apurar “todas as denúncias” contra o Governo.

Na verdade, Lula blefa. Não é este o pensamento dele nem tampouco o cerne da sua estratégia para tentar voltar ao poder. Ele, seus asseclas, orientadores e conselheiros, como o jornalista Franklin Martins, querem Bolsonaro na frigideira, queimando até o limite do irrecuperável, para ser mais fácil o abate nas urnas. O afastamento do presidente implica, em qualquer das hipóteses, na chegada ao Planalto do vice-presidente Hamilton Mourão, osso mais duro de roer.

Ao assumir, Mourão criaria o fato novo, com chances de atrair mais apoios do que Bolsonaro se viesse a dar o rumo ao Brasil que a sociedade deseja e que se frustrou com o Governo. Recuperaria, igualmente, o eleitorado que votou em Bolsonaro para tirar o PT do poder e que anda desapontado com o Capitão. Lula quer Bolsonaro sangrando até as eleições. Num pleito polarizado, quanto mais queimado o chefe da Nação, mais chance de Lula derrotá-lo.

Com Mourão, cara nova, expectativas restauradas no eleitorado de centro, de direita e até esquerda, este segmento ranzinza com a roubalheira do PT, o cenário seria muito mais complicado para Lula. Poliglota, centrado, Mourão é integrante das Forças Armadas desde 1972. Escalou rápido entre as patentes e se tornou general, visto por interlocutores das instituições militares como o principal líder do Exército. Mesmo ocupando cargos altos, Mourão nunca se privou de dar demonstrações de insatisfação com governos e contra a esquerda.

Em 2015, quando era chefe do Comando Militar do Sul, um dos maiores do País, acabou exonerado do cargo após criticar a gestão Dilma Rousseff (PT) durante uma palestra ministrada no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR), em Porto Alegre. Na indecisão da escolha do vice de Bolsonaro, o nome de Mourão surgiu para apaziguar os ânimos entre vertentes do PSL que preferiam o de Janaina Paschoal e outras lideranças, que optavam pelo do empresário Luiz Philippe de Orleans e Bragança. Na articulação, ficou acordado que Bolsonaro apoiaria o candidato do PRTB ao governo de São Paulo, Rodrigo Tavares, genro de Fidelix. Mourão sempre se destacou por ser arrojado, de coragem moral e muito culto.

Bom senso – O fato de ter Mourão como vice traz tranquilidade diante do futuro, caso Bolsonaro seja impedido pelo Congresso. Não que seja um estadista, muito menos traidor, como o presidente desconfia, mas é o agregador natural, pelo cargo que ocupa e pelas atitudes que vem tomando, das insatisfações disseminadas. Mourão tem tido comportamento correto diante das grandes crises, demonstra bom senso na maior parte das vezes, coloca-se como alternativa natural ao gênio explosivo de Bolsonaro, sem precisar fazer declarações críticas, apenas usar o bom senso.

Poder moderador – O jornalista e cientista político Gaudêncio Torquato diz que Mourão é talhado para o poder moderador. “O Mourão recebeu até a CUT e está se saindo muito bem, melhor até que Bolsonaro, que prefere a companhia dos filhos”, diz Torquato, especialista em militarismo. Mourão, no seu entender, faz o contraponto no enfrentamento aos bolsões radicais do próprio Governo. “Ele se consolida como poder moderador, escudo protetor do Governo na crise. A simples presença dele inibe sugestões de alternativas fora da Constituição”, acredita o cientista.

Reação da economia - Silvio Campos Neto, 44 anos, sócio e economista sênior da Tendências Consultoria, avalia que a percepção da sociedade com a melhora da economia deve ser sentida no segundo semestre deste ano. Ele estima crescimento de 4,4% no PIB (Produto Interno Bruto) em 2021 e de 2,2% em 2022. O analista foi entrevistado pelo Poder360, do jornalista Fernando Rodrigues. De acordo com ele, a economia recompôs parte das perdas no fim de 2020 e início de 2021. Uma parcela do crescimento forte deste ano se deve ao ano de comparação frágil, de 2020, quando o PIB tombou 4,1%. Mas há elementos de melhora concreta da economia, segundo ele, principalmente na indústria, na construção civil, no agronegócio e no extrativismo.

Só cumpriu 20% – Dois anos e meio após iniciar o segundo mandato à frente do Governo de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB) cumpriu totalmente seis das 30 promessas feitas durante a campanha eleitoral, em 2018, o que corresponde a 20% do total. Além disso, o governador tirou do papel parcialmente 11 promessas, o equivalente a 36,7%. É o que aponta o levantamento exclusivo do G1, site da Rede Globo, que monitora o que pode ser cobrado e medido do que foi prometido pelo governador, tanto no programa de governo registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) quanto em entrevistas e debates com a participação do político.

Defesa da federação – De Renildo Calheiros, líder do PCdoB na Câmara, ontem, em artigo no Poder360: “A federação é uma alternativa de organização partidária moderna, testada e aprovada em vários países. Promove o aperfeiçoamento e a modernização de todo o sistema partidário ao fortalecer legendas, ao valorizar convergências programáticas e ao enxugar democraticamente o espectro partidário. Trata-se da união de siglas, com afinidades entre si, para atuar em conjunto, em todo o território nacional por pelo menos quatro anos. Com programa, estatuto e direção próprios, as federações se expressam, como se fossem um único partido em todos os lugares. É um amadurecimento para a fusão, mas sem exigir a extinção dos partidos”.

CURTAS

Segurança – Das 30 promessas feitas por Paulo Câmara, dez são na área de segurança pública, das quais três foram cumpridas. Há, ainda, outras três com cumprimento parcial e quatro delas que não avançaram. A maioria das promessas nessa área é sobre a criação de batalhões específicos de polícia. O Governo alega que está sem poder investir mais recursos na área.

Na Educação – A segunda área com mais promessas é Educação, seis ao todo. Duas delas ainda não foram iniciadas: ampliar para professores o programa Ganhe o Mundo, que oferece intercâmbio de estudo em países com os quais o Governo tem convênio, e a criação do novo campus avançado da Universidade de Pernambuco (UPE). Em ambos os casos, o Governo alega o corte de gastos devido à pandemia.

Perguntar não ofende: No furacão da crise, o líder do Governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), resiste ao tiroteio desta semana?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Claro que resiste, um governo que hoje tem como articulistas: Collor, Roberto Jeferson, Arthur Lira. Barros é fichinha.




03/07


2021

Coluna do sabadão

A confissão de olho no Planalto

A revelação do governador do Rio Grande do Sul, o tucano Eduardo Leite, assumindo de público sua homossexualidade caiu como uma bomba no País. Ele disse que era gay no programa de Pedro Bial, na Rede Globo. Um gesto raro num País preconceituoso, ainda de mentalidade jurássica. O próprio Bial destacou que em seus 40 anos de carreira nunca ouviu uma declaração tão importante de um político.

Além disso, afirmou que um fato como esse poderia destruir a carreira de qualquer político há 20 anos. Já o apresentador Luciano Huck publicou um vídeo em apoio ao governador. Assim como a sociedade moderna avança na luta pelos direitos civis, a mentalidade também se expande abrindo espaço para discussões polêmicas e necessárias, como por exemplo a homossexualidade, pauta posta à mesa pelo governador gaúcho.

Sua decisão, inusitada e surpreendente, em se tratando de um político, gera controvérsias, mas essa pauta começa a ganhar destaque nos maiores centros políticos do mundo, porque são poucos os países que não lutam pela integração da comunidade homossexual. Presidentes, ministros, senadores, deputados e prefeitos estão se assumindo cada vez mais, mostrando que competência nada tem a ver com sexualidade e lutando pelos direitos à liberdade e respeito não só dentro do parlamento, mas fora também.

Há quem diga que Eduardo Leite foi estimulado a fazer a revelação para criar o impacto, ser conhecido e roubar do seu concorrente na legenda, o governador de São Paulo, João Dória, o direito de disputar o Palácio do Planalto em 22. Se é estratégia ou não, o fato é que ele é uma ave rara a assumir que é gay no universo político do Brasil.

Diferente dos políticos, famosos no Brasil quebram paradigmas. Vários artistas globais já deixaram as opiniões da sociedade em segundo plano e assumiram publicamente relacionamentos com pessoas do mesmo sexo. Foi o caso de Nanda Costa, destaque na novela Segundo Sol, da Globo, e Lulu Santos, do The Voice. Hugo Bonemer, primo de William Bonner, fez a confissão em entrevista ao programa TV Fama, dizendo que namora um rapaz.

Ele não fez questão de esconder seu relacionamento com o ator Conrado Helt e corrigiu um repórter que o questionou sobre sua namorada. “É ele, namorado”, disparou o primo do jornalista, sem cerimônias. No Amor & Sexo, Mariana Santos revelou ser bissexual. Thalita Carauta também mostrou sua relação com a amada em seu perfil no Instagram. O cantor Jão também assumiu ter relacionamentos com homens. A Agatha de Avenida Brasil, Ana Karolina Lannes, surpreendeu ao revelar ser lésbica aos 18 anos.

Bruno Gadiol, ex-Malhação e também ex-The Voice, também assumiu o seu relacionamento homossexual. No dia dos namorados, o ator publicou um videoclipe de uma canção que fez em parceria com o namorado, Gabriel Nandes, no qual os dois aparecem aos beijos. Entre os nomes mais conhecidos, estão ainda o autor de novelas Tiago Santiago, o ator Fabiano Augusto, conhecido pelos comerciais das Casas Bahia, alguns jornalistas da Globo e ator Luis Lobianco.

Ciúme de gay – O ex-deputado Jean Wyllys (PT) usou o Twitter na madrugada de ontem para criticar o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB). O tucano assumiu a homossexualidade durante entrevista concedida ao jornalista Pedro Bial, em programa na Rede Globo, que foi ao ar também nesta madrugada. Willys disse que só quem não conhece a luta da comunidade LGBTI sai “louvando” o come outing (saída do armário) de um governador de direita. O ato do governador, segundo o ex-deputado, é apenas “bacana” e nada mais.

Médico namorado – Depois de sair do armário, o governador do Rio Grande do Sul contou ao apresentador Pedro Bial que se sente aliviado após a declaração sobre sua homossexualidade e confirmou que está namorando um médico do Espírito Santo. “Tô feliz, tô aliviado. A gente não sabe ainda quais serão as repercussões, as reações que virão, mas sejam elas quais forem, estarei muito tranquilo com a minha consciência e estarei me apresentando na integridade para a população brasileira”, contou.

O amor é lindo – A declaração de Eduardo Leite, rara no meio político, causou surpresa. O governador do Rio Grande do Sul usou as redes sociais para agradecer o apoio recebido. “As inúmeras mensagens de carinho e apoio que estou recebendo me deixam absolutamente seguro: o amor vai vencer o ódio! Muito, muito, muito obrigado a todos!”, escreveu Leite em suas redes sociais, dando margem para uma repercussão muito maior do que esperava da entrevista na TV-Globo.

Crime de prevaricação – A Procuradoria-Geral da República pediu para Supremo Tribunal Federal a abertura de inquérito para apurar suposto crime de prevaricação do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) no caso Covaxin. A manifestação foi assinada pelo vice-procurador-geral Humberto Jacques de Medeiros e enviada, ontem, à ministra Rosa Weber. A investigação tem como base notícia-crime apresentada pelos senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Fabiano Contarato (Rede-ES) e Jorge Kajuru (Podemos-GO). Eles dizem que Bolsonaro prevaricou ao não requisitar à PF (Polícia Federal) a abertura de uma investigação para apurar o suposto caso de superfaturamento na compra da vacina indiana Covaxin.

Pressão em Lira – O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT-SP), e o deputado Rui Falcão (PT-SP), ex-presidente do PT, entraram com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal pedindo que a corte determine que o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), analise um pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro apresentado em maio de 2020. A informação foi publicada pela Folha de S. Paulo. Segundo os advogados dos petistas, Lira está se omitindo das suas responsabilidades ao não examinar ou encaminhar internamente a petição de impeachment por crimes de responsabilidade. O pedido de 2020 reúne 159 signatários.

CURTAS

FLEXIBILIZAÇÃO – O Governo do Estado anunciou, ontem, a autorização para retomada de eventos sociais e flexibilização de atividades corporativas, em mais uma etapa de avanço no plano de convivência com a Covid-19. A partir da próxima segunda-feira fica liberada, ainda, a ampliação do horário de comércio e serviços de academias, bares e restaurantes.

FESTAS PROIBIDAS – As novas medidas são válidas para todo o Estado. Os horários de funcionamento de serviços dependem de cada região. Mesmo com esse novo avanço, os eventos culturais, como shows e festas, permanecem proibidos. O anúncio foi feito durante entrevista coletiva concedida pela internet. Participaram os secretários estaduais de Saúde, André Longo, de Turismo, Rodrigo Novaes, além da executiva de Desenvolvimento Econômico, Ana Paula Vilaça.

Perguntar não ofende: Bolsonaro vai conseguir sobreviver à artilharia mantendo o seu líder na Câmara, Ricardo Barros?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

O ideal seria que esta sobrevivência de ambos fosse numa cela de cadeia e uso de roupa quadriculada,




02/07


2021

Coluna da sexta-feira

Dia de vexame na CPI

A CPI da Covid ouviu, ontem, o vendedor-policial Luiz Paulo Dominguetti, responsável pela denúncia de cobrança de propina na compra de vacina por parte de Roberto Ferreira Dias, diretor de Logística do Ministério da Saúde, afastado no mesmo dia pelo presidente Bolsonaro. Por pouco, Dominguetti não sai preso da CPI por entrar em contradição em vários momentos da sua fala.

Após vários pedidos de senadores para que Dominguetti fosse preso, o presidente da Comissão, Omar Aziz (PSD-AM), não ordenou a prisão do depoente, que se apresentou como representante da Davati Medical Supply, afirmando ter recebido proposta de propina de Roberto Ferreira Dias. Aziz alegou que não ordenaria a detenção de Dominguetti apenas em respeito à família do policial e classificou como grave a atuação dele frente à CPI.

O incômodo de Aziz e de outros senadores se deu com o fato de Dominguetti ter exibido à comissão um áudio do deputado federal Luis Miranda - que denunciou as irregularidades da vacina indiana Covaxin - afirmando que o parlamentar também estaria envolvido em negociações de venda de vacinas. Miranda, no entanto, negou que o assunto do áudio fosse sobre imunizantes. Depois disso, Dominguetti precisou ajustar seu discurso.

Segundo o presidente da comissão, a gravação apresentada por Dominguetti estava fora do contexto e ainda teria sido editada - o que o policial afirmou desconhecer. "É muito grave o senhor emitir áudio editado", disse Aziz. O presidente da comissão questionou ainda por qual motivo Dominguetti teria tanta confiança no representante da Davati no Brasil, Cristiano Alberto Carvalho, que enviou a ele o áudio. Aziz também mencionou a necessidade de a CPI realizar uma acareação entre Dominguetti e outros citados por ele, como Cristiano e Roberto Dias.

Armação do Governo? – O senador Rogério Carvalho (PT-SE) pediu que a CPI da Covid solicite uma investigação da Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre as condições do depoimento do policial militar Luiz Paulo Dominguetti. Para Carvalho, há no "mínimo suspeição" de que Dominguetti, que se apresentou como vendedor de vacinas, teria sido "plantado" na comissão para desviar o foco das investigações em torno da vacina indiana Covaxin. Ao citar publicações de Dominguetti nas redes sociais em apoio ao presidente Jair Bolsonaro, Carvalho insinuou que o governo poderia estar por trás das declarações do policial.

Lula sumiu! – Com mais de 11 mil tuítes sobre o tema, a hashtag #LulaSumiu ficou entre os assuntos mais comentados, ontem, no Twitter. Muitos usuários questionam o “sumiço” do petista em um momento em que a CPI da Covid no Senado mira os supostos esquemas de corrupção envolvendo o governo federal na negociação de vacinas. Maias cedo, Ciro Gomes, pré-candidato à presidência pelo PDT, citou antigos aliados do ex-presidente e falou sobre a ausência de declarações do petista em relação aos possíveis casos de corrupção envolvendo o governo atual.

Versão alterada – O áudio apresentado por Luiz Paulo Dominghetti, ontem, à CPI da Covid, segundo Luis Miranda (DEM-DF), está descontextualizado e não se trata de uma intermediação de vacinas. O deputado registrou em cartório que se referia a uma negociação de luvas que teria ocorrido em outubro do ano passado. Dominghetti foi pressionado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) sobre o recebimento do áudio. "A perícia vai provar que recebi o áudio de Cristiano", respondeu Dominghetti, se referindo ao CEO da Davati Medical Supply.

Sem visibilidade – O filho "01" do presidente Jair Bolsonaro, senador Flávio Bolsonaro (Patriota), afirmou, ontem, que o pai optou por não "dar visibilidade ao assunto" ao evitar comentar sobre o encontro que teve em março com o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), que afirma ter relatado ao presidente as suspeitas de irregularidade na compra da vacina indiana Covaxin. "O presidente não quer dar visibilidade para o assunto, ele está muito tranquilo e seguro, quem pode falar sobre o encontro é ele", disse Flávio ao ser confrontado com a lembrança de que Bolsonaro não desmentiu Luis Miranda até o momento.

O padrinho da 423 – O deputado Fernando Rodolfo (PL) teve papel importante na pressão em cima do Governo para sair do papel a duplicação da BR-423, que liga São Caetano a Garanhuns. Em entrevista ao Frente a Frente de ontem, o parlamentar relatou que chegou a se encontrar com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, por diversas vezes em Brasília em alguns estados nordestinos, para cobrar o contrato de início dos trabalhos. “Esta é uma luta antiga e só temos que comemorar a decisão do Governo em assegurar o início do projeto de engenharia, que dá sequência às obras de duplicação”, afirmou.

CURTAS

CRIME – Uma assessora do vereador Novo da Banca (Republicanos), de Vitória de Santo Antão, foi assassinada a tiros na noite da última quarta-feira. Josineide Victor dos Santos, de 38 anos, estava em uma moto na estrada que liga os bairros de Caiçara e Pirituba quando foi baleada. "Ela cresceu junto dos meus filhos, é como se fosse da minha família mesmo. Ela ia se mudar para a nova casa dela", afirmou o parlamentar.

REGIONALIZAÇÃO – A Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) promove, hoje, o webinar Desafios para Regionalização e Sustentabilidade dos Serviços de Limpeza Urbana e Manejo de Resíduos Sólidos no Estado de Pernambuco. O evento é uma iniciativa do Ministério do Desenvolvimento Regional, com apoio da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação, da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco e da Amupe.

Perguntar não ofende: Por que Geraldo quer sigilo nos contratos de Suape?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha



01/07


2021

Coluna da quinta-feira

Falta o batom na cueca

Escândalo pega como um visgo num Governo quando as desconfianças de envolvimento do chefe maior, no caso o presidente da República, vão se confirmando com os fatos. Este caso da cobrança de propina na compra de vacina, tendo como protagonista o diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, despencou no colo de Bolsonaro, mas está faltando o batom da cueca.

Diferente da era PT, que começou com Lula e se estendeu a Dilma, Bolsonaro não esperou o resultado das investigações. Degolou Dias de imediato, no calor da emoção, sem fazer o menor esforço de ouvir a versão de quem estava sendo acusado. Confiou apenas no que saiu na mídia, ou seja, na palavra do denunciante, o vendedor Luiz Paulo Dominguetti, da empresa Davati Medical Supply.

Dias estava no Ministério desde a posse de Luiz Henrique Mandetta, mas, segundo o ex-ministro, sua ascensão ao cargo se deu por indicação do ex-deputado Alberto Lupion, do DEM do Paraná. Além de Lupion, quem está mais próximo ao diretor? Ele tinha poderes para assinar contratos bilionários e, certamente, os anteriores que administrou, assinou e liberou estão também eivados de suspeitas, ou não?

Só se descobriu o da propina da vacina, diga-se de passagem, porque o vendedor denunciou, mas passou por ele, gestor de todos os contratos e dono absoluto da logística do Ministério da Saúde, uma bolada de dinheiro para compra de todos os equipamentos médicos hospitalares usados no combate à pandemia. É aí que mora o perigo!

Porque, além do atual ministro Marcelo Queiroga, Dias teve outros chefes que deram aval para suas compras, entre eles o ex-ministro Eduardo Pazuello, que está no olho do furacão. Como Pazuello, que teve ontem seu sigilo bancário e fiscal quebrado pela CPI da Covid, é extremamente ligado a Bolsonaro, militar como ele, há um caminho para os fatos que podem respingar no presidente. Se isso ocorrer, aparece o batom na cueca.

Negociação oficial – Uma troca de e-mails obtida pela CPI da Covid no Senado mostra que o Governo negociou a compra de 400 milhões de doses da vacina da AstraZeneca com a Davati Medical Supply “via” Luiz Paulo Dominguetti Pereira. A empresa com sede no Texas (EUA) nega que ele seja seu representante, mas o apontou como intermediário de uma oferta formal enviada ao Ministério da Saúde em 26 de fevereiro deste ano. Dominguetti Pereira relatou que Roberto Ferreira Dias teria pedido propina de US$ 1 por dose da vacina AstraZeneca. Suas declarações foram publicadas pelo jornal Folha de S. Paulo. Dominguetti se apresentou como representante da Davati no Brasil, o que a empresa nega.

Os sete bandidos – O presidente Jair Bolsonaro participou, ontem, da inauguração de nova estação de radar de fiscalização em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. No evento, criticou duramente a condução da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado. “Não conseguem nos atingir. Não vai ser com mentiras ou com CPI, integrada por 7 bandidos, que vão nos tirar daqui. Temos uma missão pela frente, conduzir o destino de nossa nação e zelar pelo bem-estar e pelo progresso do nosso povo”, disse.

Novo suspeito – Responsável por levar suspeitas de corrupção na compra de vacinas ao presidente Jair Bolsonaro, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) afirmou, ontem, recebido uma oferta de propina para agilizar a contratação do imunizante indiano Covaxin no Ministério da Saúde. O parlamentar, até então aliado do Palácio do Planalto, disse que a proposta partiu de Silvio Assis, um lobista conhecido em Brasília, próximo do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (Progressistas-PR). Segundo Miranda, ele recusou a oferta.

O substituto – O Ministério da Saúde designou o general da reserva Ridauto Lúcio Fernandes como substituto eventual do diretor do Departamento de Logística em Saúde, cargo que até, ontem, era ocupado por Roberto Ferreira Dias, exonerado após ser acusado de pedir propina para fechar um contrato para compra de vacina. Ridauto é assessor do mesmo departamento desde janeiro deste ano e assume a função no lugar de Marcelo Blanco da Costa, dispensado também acusado de participar das negociações por propina. Militar, Blanco da Costa foi nomeado assessor da área pelo então ministro Eduardo Pazuello ainda em maio do ano passado.

Lula no Recife – Em entrevista, ontem, ao Frente a Frente, o líder do PSB na Câmara, Danilo Cabral, informou que o ex-presidente Lula estará em Pernambuco agora em julho, mas não falou em data. Negou que o partido já tenha batido o martelo em apoio ao petista como pré-candidato ao Palácio do Planalto. “O que existe, hoje, são conversações para um grande movimento no sentido de derrotar Bolsonaro”, disse. Quanto ao roteiro de Lula no Estado, Danilo explicou que só será definido quando foi marcada a data, o que deve ocorrer ainda na primeira quinzena deste mês.

CURTAS

COTA PARLAMENTAR – A Assembleia Legislativa aprovou, ontem, por unanimidade, projeto de lei que dá autonomia aos deputados estaduais para reajustar os auxílios saúde e alimentação dos servidores do Legislativo. Além disso, o plano permite que sejam modificados os valores da verba indenizatória deles próprios, que vai passar a se chamar "cota parlamentar".

NO JEITINHO – Durante a sessão ordinária, os deputados deixaram claro que os benefícios eram destinados aos servidores da Alepe e não aos parlamentares. No entanto, o terceiro artigo do projeto institui a cota para o exercício da atividade parlamentar, destinada a custear gastos vinculados ao exercício das atividades dos deputados. E esta cota substitui a verba indenizatória do exercício parlamentar.

Perguntar não ofende: Bolsonaro agora entrou de vez no paredão?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Como perguntar não ofende: quantos bandidos estão ao lado do presidente? Não é o presidente que está no paredão, mas nós simples mortais, que não temos as benesses do dinheiro público e que todos os dias temos nossos salários valendo menos, pois a inflação corrói tudo.




30/06


2021

Coluna da quarta-feira

Vem aí um novo apagão?

É grave a crise hídrica no País, que corre risco de sofrer um apagão com a mesma intensidade do que ocorreu na era Fernando Henrique Cardoso. A desconfiança nessa direção se deu com a campanha publicitária do Governo para sensibilizar a população quanto ao desperdício de água. E se confirmou com o pronunciamento, em rede nacional de TV e rádio, pelo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

Ele pediu a colaboração da população para economizar energia e água devido à crise hídrica. Afirmou que é natural que os brasileiros tenham preocupação com a possibilidade de um racionamento, como aconteceu em 2001. O ministro reiterou que o Governo está atento e afirmou que o sistema elétrico brasileiro evoluiu nos últimos anos, o que traz “garantia do fornecimento de energia elétrica aos brasileiros”.

Durante o pronunciamento, o ministro citou medidas do Governo para enfrentar a situação, incluindo um programa de redução de consumo voluntário para incentivar grandes empresas e indústrias a deslocarem o uso de energia para horários menos disputados. O mecanismo ainda está em elaboração e não há previsão de quando será lançado. Segundo o ministro, o consumo consciente vai reduzir a pressão no sistema elétrico e o custo da energia gerada.

O governo publicou, também na segunda passada, mesmo dia do pronunciamento do ministro, uma medida provisória (MP) que dá poderes excepcionais para o enfrentamento da crise hídrica ao titular de Minas e Energia. Na MP, o Governo retirou o termo "racionalização compulsória" do texto. O trecho abria a possibilidade de o governo implementar um racionamento de energia. Não há mais nenhuma menção à programa de racionamento (corte compulsório no consumo de energia) ou a racionalização (incentivo à economia de energia).

Pela MP, todos os custos dessas decisões, financeiros e ambientais, serão pagos por meio de um encargo embutido na conta de luz - o Encargos de Serviço do Sistema (ESS), que é pago por todos os consumidores, sejam os cativos atendidos por distribuidoras, sejam os livres (grandes consumidores, como indústrias).

TCE-PE escapa – Os Tribunais de Contas de Mato Grosso, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Sul e Pará aparecem em 1º lugar no ranking da Ong Transparência Brasil, com o máximo de 100 pontos, enquanto o Tribunal de Contas do Distrito Federal aparece em 5º, com 33,3 pontos. A análise se concentrou na divulgação de dados sobre compras públicas relacionadas à alimentação escolar em Estados e municípios. Os Tribunais de Contas de Alagoas e Amapá são os últimos colocados, com 16,7 pontos cada. Outro índice criado pela ONG mostra a qualidade das informações fornecidas pelos órgãos fiscalizadores. Mais de 80% dos que foram avaliados não chegaram a alcançar 50% do total de pontos possível.

No olho do furacão – Já recuperado plenamente da Covid-19, o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, voltou ao olho do furacão de Brasília. Depois de se reunir, ontem, com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o deputado pernambucano tem jantar agendado, hoje, com ministros do Supremo Tribunal Federal, no Lago Sul, na casa de Alexandre de Morais. Ontem, em São Paulo, jantou na casa do presidente do MDB, Baleia Rossi, encontro que teve a presença também do ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ex-DEM a caminho do MDB, e do apresentador da Band, José Luiz Datena.

Covid na Copa – O Ministério da Saúde confirmou que subiu para 198 o número de casos de covid-19 entre pessoas que estão trabalhando na realização da Copa América no Brasil. São 57 entre jogadores e membros das delegações, 137 de prestadores de serviços e quatro da Conmebol, que inclui equipe de arbitragem, médicos e logística. As contaminações dos prestadores foram confirmadas em Brasília, Goiânia, Cuiabá e no Rio de Janeiro. O Ministério não detalhou quais foram as seleções afetadas. Em nota, a pasta disse que “a positividade de casos por covid-19 geral [entre os participantes do torneio] foi de 0,66%”. Afirmou também que “os resultados do sequenciamento genético para análise de variantes serão concluídos em até 14 dias”.

Privatização da EBC – A secretária especial do PPI (Programa de Parcerias e Investimentos), Martha Seillier, confirmou que o Governo pretende ter o edital de privatização da EBC (Empresa Brasil de Comunicação) analisado pelo TCU até o final de 2022. Em audiência pública na Câmara dos Deputados para discutir a inclusão da EBC no Plano Nacional de Desestatização, ela disse que a privatização da EBC está em fase de estudo para a discussão sobre qual seria o melhor modelo para o futuro da estatal. Deputados da oposição são contra a privatização. Há projetos na Câmara para cancelar o decreto que incluiu a estatal no PND. A EBC é um conglomerado de canais de comunicação. Funciona na internet, TV e rádio. É responsável, por exemplo, pela TV Brasil e Agência Brasil.

Pajeú em queda – Do Sertão do Pajeú, uma das mais atingidas pela pandemia, chegam notícias animadoras de redução de casos da Covid-19, consequência do avanço da vacinação e de medidas de restrições. Segundo a diretora do hospital Eduardo Campos, Patrícia Queiroz, em Serra Talhada, a ocupação dos leitos e UTIs, que chegou a 100%, caiu para 78,75%, uma das mais baixas desde que a fase mais aguda se acentuou. Já no hospital regional Emília Câmara, em Afogados da Ingazeira, as internações caíram para 53%, segundo revelou ao blog de Nill Júnior, da Rádio Pajeú, o diretor Sebastião Duque.

CURTAS

REJEIÇÃO – O ex-prefeito de Caruaru, José Queiroz (PDT), sofreu novo revés em relação as suas contas de 2015 no Tribunal de Contas do Estado. Tudo porque deixou de recolher as contribuições previdenciárias dos servidores ao INSS e cometeu irregularidades em dispensas de licitações de caráter emergencial na compra de merenda escolar, além da compra irregular de livros didáticos.

VACINAÇÃO – A quantidade de pessoas vacinadas com a primeira dose contra a covid-19 no Brasil chegou a 71.369.215, segundo dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa, divulgados na segunda-feira passada. O número representa 33,7% da população brasileira. Levando em consideração as pessoas que receberam as duas doses, a quantidade é de 25.592.271, 12,09% dos habitantes.

Perguntar não ofende: Quando a CPI vai ouvir Geraldo Covidão?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Perguntar não ofende : esse blog só fala no covidão do Geraldo, por quê ? Porém não toca no vacinão da covaxinão do Bolsonarão, por quê?