12/09


2006

Prefeito recua: "Candidato em 2008 será escolhido pelo PT"

 Uma semana depois de antecipar as eleições de 2008, afirmando que seu candidato a prefeito do Recife seria o ex-secretário João da Costa, o prefeito João Paulo (PT) volta atrás e admite, nesta entrevista ao blog, que o nome para a disputa sairá de forma consensual no PT. E citou, além de Costa, as alternativas Dilson Peixoto, Maurício Rands, do PT, e o atual vice-prefeito Luciano Siqueira, do PCdoB. ''Meu nome preferencial é João da Costa, mas se ele não se firmar como liderança, abro mão para quem somar mais dentro do partido'', afirmou.

 

João Paulo recebeu o signatário deste blog em seu gabinete improvisado no cais do porto do Recife, bem ao lado do Marco Zero, porque o seu gabinete, no prédio da Prefeitura do Recife, passa por uma ampla reforma. Tomando apenas água, ele concedeu a seguinte entrevista:

 

Por que essa apatia do eleitorado nesta eleição?

 

O eleitor está sempre querendo mais. Por mais que a situação tenha melhorado – e Lula melhorou – o povo quer mais. Se a outra eleição foi marcada por uma grande emoção, esta realmente está apática. Mesmo assim, sem atração artística, os chamados showmícios, que tiraram um pouco do lado festivo da campanha, conseguimos fazer grandes atos para Lula aqui no Estado.

 

A eleição presidencial será resolvida no primeiro turno?

 

Eleição só se define depois dos votos contados. Talvez eu seja a pessoa mais experiente nesta área. Nós tivemos uma eleição aqui onde comecei com 4%, chegamos ao segundo turno e ganhamos em 2000. E numa segunda eleição, quando as pesquisas me colocavam em terceiro lugar, com 54% de rejeição, ganhei a eleição no primeiro turno, assim como a prefeita de Olinda, Luciana Santos, que tinha 74% de rejeição. Portanto, não há eleição definida. Existe uma vantagem de Lula, mas nós temos que persistir nisso até a apuração dos votos.

 

Essa cautela pode ser explicada pelo fato de eleição ser sempre uma caixinha de surpresa?

 

Sim, mas o ambiente de hoje, se for mantido assim, dificilmente reservará algum tipo de surpresa ao presidente Lula.

 

Em Pernambuco, onde ele tem os maiores percentuais, dá para temer alguma coisa?

 

Aqui, acho muito difícil Alckmin reverter alguma coisa. O sentimento que tenho é que, no lugar onde Lula perde, como no Centro Sul, isso se dá por uma diferença bastante pequena. São Paulo, com todas as dificuldades do PT, lá há uma diferença pequena para os tucanos.

 

Quando o senhor se comporta, assim, com cautela, quer na verdade dar um puxão de orelha naqueles que já estão de sapato alto?

 

Acho que prudência não faz mal a ninguém. Eu só considero uma eleição resolvida depois da apuração. Sou daqueles que esperam e disputam o último voto.

 

Em Pernambuco, por que Lula tem mais de 70% e o candidato do PT a governador não consegue passar dos 25%?

 

Eu diria que nós temos em Pernambuco um cenário bastante complexo, porque, por outro lado, com toda a estrutura do Governo do Estado, do apoio de Jarbas e de lideranças de peso, como Roberto Magalhães, Mendonça Filho, também, não sai dos 36%. Isso, também, gera outra interrogação. Mas, apesar dos ataques e das denúncias, Humberto vem mantendo o mesmo patamar, sem cair nas pesquisas. Agora, é dar uma carga na reta final para chegarmos ao segundo turno. A eleição em Pernambuco tem um cenário consolidado de segundo turno. Isso é uma prova tão cabal que a frente de Mendonça está fazendo uma grande mobilização para vencer no primeiro turno, porque sabe que, no segundo turno, as coisas se complicam.

 

Por que Humberto não foi tão atingido pelo seu indiciamento na máfia dos vampiros? A população acha que ele é inocente?

 

A população faz uma leitura inteligente, porque foi ele que pediu para que a Polícia Federal fizesse a investigação e isso tem um peso significativo. Pernambuco conhece a história de Humberto e sabe que ele não tem nada a ver com isso.

 

Para o Senado, o senhor já jogou a toalha? Jarbas está eleito?

 

De jeito nenhum. Quando comecei a campanha de 2000, eu tinha 4% contra 60% de Roberto Magalhães. Jarbas tem uma grande vantagem, é lógico, está disparado na frente, mas eleição, como mineração, só depois da apuração.

 

O senhor vê, então, algum risco para Jarbas?

 

Vejo e ele sabe disso.

 

Corre risco de perder para quem?

 

Para Luciano, lógico.

 

Mas, como tirar em 20 dias de campanha uma diferença de 65 pontos?


Não se trata de mágica nem estratégia, mas de política. Não falo em milagre em política, mas em montagem de estratégia. Não é fácil derrotar Jarbas, mas a minha sábia mãe já dizia: “O difícil acontece logo; o impossível demora um pouquinho”.

 

No fundo, o senhor não torce pela eleição de Jarbas, pela amizade com ele?

 

Isso não tem nada a ver. Tivemos uma boa relação, mas isso se deu no campo administrativo e isso, pelo fato de trazer conquistas para o Recife e o Estado, foi reconhecido e absorvido pela população.

 

Mas, na política, o senhor quer vê-lo derrotado, não é isso?

 

Lógico. Quero ver a vitória do meu candidato, Luciano Siqueira.

 

Isso não é da boca pra fora, prefeito?

 

Não, de forma nenhuma! Luciano tem posições políticas semelhantes às minhas, é meu vice, eu assino em baixo. Ele seria o ideal para a coligação de Lula.

 

Só não é ideal como candidato a prefeito, já que o senhor lançou João da Costa, não é isso?

 

Luciano pode até ser, não tenho posição fechada sobre isso. Eu não lancei João da Costa. Nunca lancei João da Costa. O que eu disse foi o seguinte: o meu desejo seria deixar no meu lugar uma pessoa do meu grau de relação, que é, pela ordem, Lygia Falcão, João da Costa e Múcio. Só que Lygia nunca pensou em disputar nenhum cargo; Múcio tem uma relação com as massas ainda muito pequena e João teve uma relação com a população muito forte, através do orçamento participativo. Portanto, falei apenas no meu desejo. Eu não quero impor nada. Você sabe que muitos setores defenderam a minha candidatura a governador e em nenhum momento eu impus nada. Na época, disse que a única possibilidade seria a convocação do presidente.

 

Mas, não sendo João da Costa?

 

Pode ser Dílson Peixoto, Maurício Rands, Luciano Siqueira, ou seja, o nome que reúna as melhores condições para vencer a eleição.

 

O senhor vai entregar, portanto, a escolha do candidato ao PT?

 

Vamos discutir não apenas com o PT, mas com os outros partidos. Agora, se João da Costa  consolidar essa liderança, logicamente defenderei o seu nome. Se ele não se consolidar, verei quem tem as melhores condições. João da Costa ainda não foi testado nas urnas. Será, agora, pela primeira vez. Ele já foi bem testado na administração, falta agora o batismo das urnas. Ele foi nota 10 como secretário.

 

Quando esse processo vai ser deflagrado?

 

Só em 2008. Eu não pretendo antecipar o debate eleitoral de 2008, mas também não vou esconder a minha visão. Há uma tendência da antecipação da eleição.

 

O que dizem por aí é que o senhor, saindo candidato a governador e não Humberto, o PT ganharia. O que diz sobre isso?

 

Não discuto hipótese, isso é muito subjetivo. Hoje, existe um candidato, Humberto, que está em segundo lugar nas pesquisas, e vai chegar ao segundo turno.

 

Mas, o senhor é um prefeito reeleito. O passo seguinte não teria sido o Palácio das Princesas?

 

Não. Isso aconteceu com alguns políticos, é verdade, mas você não quer transformar isso numa lei natural.

 

Mas, o senhor não disse que se Lula o convocasse seria candidato?

 

Disse, mas não houve a convocação.

 

O senhor está frustrado por causa disso?

 

Não! Estou tão bem na Prefeitura, com 75% de aprovação, muitas obras, a conquista do Parque de Boa Viagem e outras grandes obras.

 

Mas, o senhor vai ficar sem mandato de 2009 a 2010, dois anos. Não será ruim?

 

O que é que tem?

 

O senhor sonha em ser ministro de Lula?

 

Não, não espero nada. O que vai ser daqui pra frente, não sei

.

Não faltou disposição do senhor para enfrentar Humberto dentro do PT e viabilizar sua candidatura como fez Alckmin em relação ao PSDB?

 

O PT fez a sua escolha, com Humberto. Eu disse que só seria candidato se houvesse uma convocação e não houve. Esse é um assunto superado. Eu não sou Alckmin. Sou João Paulo. Eu não iria para uma disputa no partido, não participo de prévias. Minhas duas eleições se deram de forma consensual no partido.

 

Se Lula convidar o senhor para ministro, deixa a Prefeitura?

 

Convocação de presidente é convocação de presidente. É lógico que eu teria que conversar com ele, mas acho que temos outros grandes quadros no País. Acho difícil essa convocação de Lula.

 

Mas, havendo, o senhor avaliaria


Convocação não se avalia. Convocação é convocação! Chego lá, bato continência para ele e digo que a classe operária está pronta para qualquer batalha.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

PORRA JOSÉ ARNALDO... ME RECOMENDA ESSA ERVA...QUE VIAGEM SÔ!!!!!!.. DIZ ONDE ARRUMO ESSA ERVA QUE EU VOU LÁ CORRENDO.......

Como disse Ruan, o aperto foi grande, João saiu driblando Magno, mas conseguiu escapar. Mas, aqui pra nós: que cara-de-pau, hein?

josé arnaldo amaral

O burgo-mestre do Recife compõe, na cúpula, e como chefe de tendência, o contexto patrimonialista do lullismo no País. Se se fortalece tal vertente com um segundo reinado do MULLA, João Paulo poderá surgir até como opção nacional à sucessão do pai dos vampssugas. Reage Pernambuco !!! 45 nelle!

Ruan Rodrigues

Tenho que reconhecer... O acocho em JP foi bom. Boa entrevista Magno!

DEYVISSON DA SILVA LIMA

Como dizem por aí que a esperança é a última que morre... Esse João Paulo é uma comédia... E essa estória de Lucianônimo foi demais... hehehehhehe


PREF DE OLINDA DESAFIOS DA PANDEMIA 21

12/09


2006

Blog amplia espaço para artigos

A partir de hoje, o blog abre mais espaço para os seus colaboradores. Ao invés de um, postaremos dois ou até mais artigos em Opinião. Na edição de hoje, os saborosos textos de Angelo Castelo Branco e Lino Perrelli. Confira!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

COMPATÍVEL NADA... SOU BEM MENOS INTELIGENTE QUE ISSO......NESTE CASO FOI SORTE...HAHAHAHAHAHAHAHAH

irania Olivia Benicio

Bom argumento Luiz Queiroz, sensível e com uma "carga" de humor compatível com sua inteligência!

Drácula

MAS AÍ EU NÃO PODERIA ESCREVER POR EXEMPLO,,, QUE VC É UM XIBUNGO...SÓ DARIA PARA POR O "X" EM VOCÊ..... HAHAHAHAHAHAHA

José Rodrigues da Silva

Bons os artigos! Quanto ao comentário abaixo, creio ser de suficiente tamanho um lugar prá se marcar só um "x", pois, mais, não é necessário.

Drácula

ISSO MAGNO...DE ESPAÇO PARA OS INTELECTUAIS...PORQUE NA ÁREA DE COMENTÁRIOS....OS BURROS, COMO EU.....SENTEM FALTA DE MAIS ESPAÇO PARA AS BOBAGENS......


Ipojuca 2021

12/09


2006

Uma reflexão sobre frustrações

"Diz-nos a tradição oral nordestina apadrinhada por Euclides da Cunha que o ''brasileiro é, antes de tudo, um forte''. É até possível que assim seja, embora não enxergue nisso nenhuma robustez, e sim um louco desejo de se preservar vivo na esperança futura de que surja no cenário dos palcos públicos um honrado cidadão que conduza este rico país de pobres governantes ao destino da sua sabida grandeza. Como Collingwood, gostaria que não me habitasse nenhuma ''suposição'' anterior sobre os melhores propósitos daqueles que têm como tarefa dos destinos de todos cuidar", observa o escritor Lino Perrelli, que volta a colaborar com o blog, em artigo que acabo de postar em Opinião. Boa leitura!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

NÃO ENTENDI NADA...HAHAHAHAHA....MAS ENTENDO DE UMA COISA...."SE O ASSUNTO É SANGUE...HUMBERTO ENCOSTA"....


Petrolina abril 2021

12/09


2006

O melhor ator da campanha

"Quem melhor está se saindo na atual campanha eleitoral pernambucana é uma figura que, contraditoriamente como convém aos fatos políticos, não disputa um único voto sequer. Trata-se do prefeito petista recifense, João Paulo. Mantém-se eqüidistante das rinhas entre os amigos da esquerda e dá carga total à sua relação indireta com a direita de Jarbas Vasconcelos e Marco Maciel.

João Paulo é visto nos palanques do PT, mas é também visto com assessores próximos ao grupo governista, jantando explicitamente em restaurantes da Zona Sul do Recife com profissionais que há uma década produzem os filmes concebidos para o marketing publicitário do ex-governador Jarbas Vasconcelos", avalia o jornalista Angelo Castelo Branco, em artigo que acabo de postar em Opinião. Boa leitura!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

PEGANDO CARONA NO CLAUDIO HUMBERTO...JANJÃO É O QUE SE PODE CHAMAR DE "TOTAL FLEX"... ESTÁ EM TODAS...HAHAHAHAHA



12/09


2006

João Paulo fala ao blog

Daqui a pouco, postarei a entrevista que fiz, ontem, com o prefeito do Recife, João Paulo (PT). Tem uma posição nova dele a respeito da sua sucessão 2008. Aguarde!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

ÔXI... E JANJÃO NÃO FALOU ONTEM?????...É JANJÃO EM DOSE DUPLA É??????... EU QUERO VER É MAGNO DAR ESPAÇO AOS FRACOS E COMPRIMIDOS.....CLÓVIS CORRÊA É O ´PRÓXIMO ENTREVISTADO... SENÃO NÃO VALE....."NÃO VOTE EM MENSALEIRO CASSADO...O VOTO NÃO VALE.....VOTE NO PRIMO DO MENSALEIRO QUE VALE..."

Paulin de Caruaru.

Tirando a vitória de Humberto,nada tira João Paulo do nirvana...


ALEPE

12/09


2006

Alckmin sofre a primeira baixa da campanha

Divergências internas causaram a primeira baixa no comando da campanha do tucano Geraldo Alckmin à Presidência. Embora continue a ocupar formalmente a função, o coordenador da campanha em São Paulo, José Henrique Reis Lobo, renunciou a qualquer poder de decisão por discordar do tom mais agressivo na TV, que deverá ganhar também as ruas.

 

Com o aval do candidato, uma coordenação paralela foi instalada no diretório estadual do PSDB, e composta por tucanos mais incendiários, como João Câmara e Tião Farias.A decisão nasce da incompatibilidade entre a estratégia da campanha de Alckmin e a de José Serra ao governo do Estado, também coordenada por Lobo. Sob pressão dos tucanos mais inflamados, Lobo se negou, por exemplo, a confeccionar panfletos associando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva à corrupção.

 

Lobo também criticou o tom adotado no programa de TV do ex-governador. E, após ter sido contrariado pela cobrança de tucanos, entregou a coordenação na quarta-feira. A pedido do partido, ele só permaneceu no cargo para que não seja passada impressão de racha entre Alckmin e Serra. As informações são da Folha de S. Paulo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

PÔ SEVERINO.. POUPA A GENTE VAI...PODE COMENTAR À VONTADE...FAÇA A SUA PARTE.... MAS DAÍ CHAMAR LULA DE PRESIDENTE OPERÁRIO... É DEMAIS... O CARA NÃO TRABALHA SEVERINO... HÁ MAIS DE 20 ANOS......E AINDA GANHA PRA NÃO FAZER NADA SÔ......ISSO É QUASE COMO ALCANÇAR O NIRVANA SÔ....

Severino Isidoro Fernandes Guedes

O tucanato já percebeu que não ganha de jeito nenhum, agora quer partir para a baixaria explicita contra Lula. Só não não perceberam que com isso vão perder ainda mais feio para o presidente operário, pois o povo quer ver propostas, não luta-livre.

Drácula

E O SÉRGIO GUERRA HEIM???? NÃO ESTARIA NA HORA DELE SE RECOLHER AO SEU HARAS.......????........

guilherme alves

Se instalou a dicotomia na campanha tucana. O Geraldo deseja sangue e campanha violenta, Serra, peremptoriamente, como frisa os jornais de São Paulo, pede uma campanha sem esses subterfúgios ao critacar a forma alckminiana que Mercadante faz a sua campanha.Quem perde baixa o nível.

O Brasil todo já sabe que Serra não engole Alckmin, principalmente a forma que foi escolhido para disputar a eleição ao palácio do planalto. Agora é só confusão. É Lula lá e Eduardo cá.


Bandeirantes 2021

12/09


2006

MST freia invasões para favorecer campanha de Lula

Para não correr o risco de prejudicar a campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, que lidera com folga a corrida presidencial, o Movimento dos Sem-Terra (MST) pisou no freio das invasões em todo o País. De acordo com números do próprio movimento, nos quatro primeiros meses deste ano, foram realizadas 134 ações em 21 Estados. Nos quatro meses seguintes, coincidindo com o período de campanha eleitoral, o número de invasões despencou - de maio a agosto foram apenas 46 em 11 Estados.

Antes do período eleitoral, o MST não se poupou de praticar ações de grande repercussão negativa, como a destruição do centro de pesquisas florestais da Aracruz Celulose, em Barra do Ribeiro, no Rio Grande do Sul. O mês de abril foi marcado por uma onda de invasões de prédios e fazendas, bloqueios de rodovias e ocupação de pedágios. Como bom aliado, assim que as pesquisas apontaram o favoritismo do presidente, o movimento recolheu sua massa de frente, a militância que organiza as ações. Vários líderes estão engajados na campanha do PT.

Em julho, foram registradas 12 invasões e, em agosto, apenas 7, todas elas pontuais, realizadas para atender a circunstâncias locais. Na última ação, na quarta-feira da semana passada, quando 200 sem-terra invadiram a sede do Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp), em Presidente Prudente, o coordenador José Aparecido Maia pediu cuidado aos militantes: ''Não quebrem, não estraguem nada.'' As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Pedro Araújo

Quem não lembra da eleição passada? esses baderneiros fizeram a mesma coisa, pena é não ter polícia para sentar-lhes o cacetete. Lugar de bandidos é atrás das grades, se quiserem podem levar Alí-babá junto.

josé arnaldo amaral

O aparelhamento dos movimentos e organizações sociais pelo MULLA/PT/CATERVA às custas do dinheiro do Povo, institucionaliza a política da pelegagem nesses setores. Está tudo dominado pelo governo dos vampssugas. 45 nelles !!!

Fabio Henrique Cavalcanti Pedrosa

A quadrilha petista combinou com a quadrilha do MST essa trégua nas invasões. Só um idiota não enxerga isso.

Drácula

COMBINARAM ISSO COM O DOIDINHO DO BRUNO MARANHÃO??????

Paulin de Caruaru.

o MST faz o contrário do PCC.


Serra Talhada 2021

12/09


2006

Lula diz que trabalhou “até o limite da lei” para ter o PMDB

Em comício realizado em um centro de eventos, em Goiânia, onde recebeu apoio de parte do PMDB para sua campanha à reeleição, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou ontem à noite que atuou até o limite da lei para tentar fechar uma coligação formal com o partido, que acabou não se concretizando.


''Trabalhei para isso até o limite do possível permitido pela lei'', afirmou Lula a cerca de 4.500 simpatizantes do PMDB, em Goiânia. No ato, o petista recebeu apoios de 46 prefeitos do Estado, 220 ex-prefeitos e em torno de 200 pastores evangélicos, além do senador Maguito Vilela (PMDB), candidato a governador, e do prefeito da cidade, Iris Rezende (PMDB).

O presidente, que agora já articula para contar com o apoio do PMDB em um eventual segundo mandato, culpou uma ''turma'' do partido pelo fracasso das negociações. ''Essa turma que não se separou ainda da viúva do governo passado'', disse Lula, em referência à parte do PMDB que teria apoiado o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e que não aceitou formalizar o apoio a Lula. O ex-tesoureito petista Delúbio Soares, que tinha base em Goiás, não foi ao evento, mas seu irmão, Carlos Soares, sim. As informações são da Folha de S. Paulo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

"LIMITE DA LEI"..... DEVE SER AQUELE LUGAR QUE FICA PRÓXIMO AO.... "LIMITE DA RESPONSABILIDADE"..... DO GOVERNO FHC....CERTO?


Anuncie Aqui - Blog do Magno

12/09


2006

Vampiro e sanguessuga

 Da coluna da Cláudio Humberto: ''Em Pernambuco, adversários chamam de “flex” o ex-ministro Humberto Costa (PT), candidato do PT a governador: “é vampiro e sanguessuga”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Severino Isidoro Fernandes Guedes

De ladroagem o pefelê e o tucanato entendem muito mais. São PHds em roubar sem que o furto apareça explicitamente. FHC que o diga, todo mundo sabe que garimpou votos a peso de ouro para conquistar a emenda da reeleição, mas nada foi provado (também não deixaram apurar, né tucanada? Né pefelândia?

Drácula

EU JÁ DISSE... EU JÁ DISSE...."SE O ASSUNTO É SANGUE....HUMBERTO ENCOSTA"....

Paulin de Caruaru.

Quanta maldade!!!!


Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

12/09


2006

Alckmin ataca Lula em evento com prefeitos na Bahia

Em meio a críticas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que foi chamado de ''inoperante e incapaz para governar'', Geraldo Alckmin (PSDB) prometeu intensificar as visitas ao Nordeste nos 20 dias que antecedem o primeiro turno da eleição. ''Os eleitores brasileiros têm demonstrado que querem no poder políticos que têm passado, íntegros, que não estejam vinculados ao mensalão, ao valerioduto e ao cuecão'', disse.


Em sua quinta visita como candidato à Bahia, foi recepcionado por cerca de 320 prefeitos (250 da Bahia e 70 do resto do Nordeste), segundo estimativas do coordenador da campanha do tucano, o senador Sérgio Guerra (PE). Organizado pelo senador Antonio Carlos Magalhães (PFL), o encontro contou apenas com dois prefeitos do PSDB -na Bahia, o presidente regional da legenda, deputado Jutahy Magalhães Júnior, é adversário de ACM.


Alckmin desembarcou em Salvador à tarde. Recepcionado pelo governador Paulo Souto (PFL) e por ACM, seguiu para um hotel na orla, onde prefeitos e lideranças políticas o esperavam desde as 13h. Alckmin disse que Lula tem ''muita coisa que esconder'' em seu governo. ''Governo corrupto é assim mesmo, tem de esconder. Não temos nada a esconder, temos de prestar conta aos eleitores.'' Segundo o PFL, os prefeitos e líderes políticos que participaram do encontro em Salvador pagaram suas despesas com dinheiro do próprio bolso. As informações são da Folha de S. Paulo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Severino Isidoro Fernandes Guedes

Tenho pena do senhor José Arnaldo do Amaral (seria o ex-prefeito de Olinda?). Será que ele acredita mesmo que o Geraldo é honesto barrando 68 CPIs na Assembléila Legislativa de São Paulo? Acredita na integridade de ACM e na seriedade do PFL? Será que acredita também em papai noel? 13 e 40 nelles!

guilherme alves

O risível e contaditório é que o discurso do Geraldo estava sendo feito com um exemplo de tudo aquilo que condena juntinho, ou seja, o senador Antonio Carlos Magalhães. Em todos os campos tem politico com passado nebuloso do o senhor ACM. Qquanto a manipulação de recursos era um show, com registro.

josé arnaldo amaral

Alckmin representa abertura para o desenvolvimento de um municipalismo libertário, com certeza. Estão certos os prefeitos progressistas brasileiros reagirem, pela base, à gang do MULLA/PT/CATERVA, tendo como instrumento a candidatura do Povo pensante. Para cima, para o alto !! 45 na roubalheira!!