Ipojuca 2021 IPTU

29/09


2006

Um resumo do que ocorreu no debate da Globo

 A ausência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que concorre à reeleição pelo PT, e os escândalos de corrupção durante sua gestão foram os principais temas do debate entre os candidatos à Presidência da República realizado ontem, na TV Globo, que reuniu Cristovam Buarque (PDT), Heloísa Helena (PSOL) e Geraldo Alckmin (PSDB).

Cristovam dirigiu a primeira pergunta do debate a Lula, que poucas horas antes do início anunciou sua decisão de não comparecer. O senador lembrou o escândalo do dossiê e perguntou ao presidente se ele renunciaria caso fosse comprovada sua participação no episódio. ''Estão votando no senhor ou no candidato a vice, José Alencar?'', indagou, dando o tom do que seria o resto do debate.

Pelas regras da Globo, cada participante podia fazer uma pergunta ao candidato ausente. Os três usaram a regra e dirigiram perguntas que ficaram sem a resposta do presidente.

Geraldo Alckmin (PSDB) também criticou a ausência de Lula no início, mas, ao contrário do se podia esperar, optou por fazer um breve comentário. Ele disse que o debate é um momento importante do processo democrático e não comparecer demonstra ''falta de respeito aos eleitores''.

O tucano voltou a atacar a ausência de Lula em diversas outras oportunidades. Em duas, com mais ênfase: na pergunta que pôde dirigir ao presidente e nas considerações finais.

No terceiro bloco, com temas determinados, Alckmin foi sorteado para fazer uma pergunta sobre corrupção. O tucano, então, escolheu Lula para ''responder'', dando a entender que atacaria o presidente.

Apesar disso, em vez de falar dos escândalos do governo anterior, Alckmin perguntou sobre a ausência de Lula no debate, com duas retóricas: sobre educação e sobre saúde.

Já nas considerações finais, o tucano voltou a tocar no assunto. ''O Lula, com sua ausência aqui nesse debate, mandou um recado aos brasileiros: ''Eu não estou interessado na sua opinião, eu não preciso prestar contas para ninguém''. Domingo, mande um recado para ele e mude de presidente.''

A candidata do PSOL, Heloísa Helena, atacou o presidente de forma enfática em sua primeira fala. Para ela, Lula foge do debate porque é ''covarde'' e não consegue explicar os escândalos de corrupção de seu governo.

''Ele tinha a obrigação de descer do seu trono de corrupção, arrogância, covardia política e estar aqui para responder ao povo brasileiro'', afirmou a senadora.

Ao longo do debate, Heloísa, como se previa, foi quem fez as críticas mais veementes ao presidente Lula.

A senadora estava com tanta vontade de criticar Lula que nem conseguiu fazer a pergunta que ficaria sem resposta. Ao introduzir sua indagação, com críticas à ausência dele no debate, ela estourou o tempo (40 segundos) e foi interrompida por William Bonner.

Corrupção

A primeira pergunta do segundo bloco do debate era de Alckmin para Cristovam. O tema era livre e o tucano escolheu a corrupção.

Com Lula ausente e líder nas pesquisas de intenção de voto --segundo o Datafolha ele venceria ainda no primeiro turno--, o assunto se encorpou e dominou o resto do bloco. Os três adversários do petista o atacaram com veemência.

O tucano usou a pergunta para falar dos escândalos de corrupção do governo Lula. Ele citou o máximo que pôde --mensalão, sanguessuga, dossiê, etc.--, chegando a ser interrompido por Bonner por estourar o tempo.

Na resposta, Cristovam voltou a criticar a ausência de Lula. ''Faltar a um debate como esse é uma forma de corrupção'', disse. O senador falou ainda que a corrupção no Brasil deixou de ser um fato isolado para se transformar em ''corrente contínua''.

Ao mencionar o episódio do dossiê, Cristovam fez um apelo ao eleitor. ''Por favor, vamos fazer, em nome da democracia brasileira, um segundo turno.''

Depois da troca de ataques ao governo Lula sobre corrupção entre Alckmin e Cristovam, foi a vez de Heloísa Helena partir para o ataque ao petista. Ela voltou a chamar o PT de ''organização criminosa'' chefiada pelo presidente da República e fez questão de ressaltar que não saiu do partido, mas foi expulsa.

Alckmin x Heloísa

O segundo bloco registrou um dos poucos momentos em que o tema central do debate não foi o governo e/ou o presidente Lula.

Cara a cara, o tucano e a senadora trocaram farpas quando o tema era a segurança pública. Para Heloísa, a culpa pela situação em São Paulo tem que ser atribuída tanto ao PSDB (governo estadual nos últimos 12 anos e federal durante a era Fernando Henrique Cardoso) como ao PT (governo federal).

Alckmin, por sua vez, tentou convencer o eleitor que fez o possível para combater a violência como governador do Estado, mas que sofreu com a ineficiência do governo Lula na área. E ironizou a senadora pelas referências a FHC. ''A senhora sempre vem com essa história, temos que pensar no futuro.''

Irritada com a postura do tucano, Heloísa respondeu no mesmo tom. ''Alckmin tem esse problema de atribuir todos os problemas a esse governo [do PT].''

Bolsa Família

Quando esgotaram o tema da corrupção, os três participantes do debate fizeram críticas à gestão petista nas áreas da saúde e da educação. Neste momento, inclusive, assim como aconteceu nos outros debates, na Band e na Gazeta, Heloísa Helena e Cristovam Buarque trocaram elogios.

Além disso, eles aproveitaram a oportunidade para criticar uma das maiores bandeiras da campanha de Lula à reeleição: o programa Bolsa Família.

O tucano atacou o uso do programa como ''moeda de troca'' para conseguir votos. Apesar de enfatizar que não acabaria com o programa, Alckmin defendeu que o projeto tenha ''força de lei'' para, segundo ele, não ser usado para fins eleitoreiros.

Cristovam, por sua vez, defendeu que o programa volte a ser vinculado à presença das crianças nas escolas públicas.

Apelo e emoção

Nas considerações finais, Cristovam fez um pedido aos petistas que ''descobriram que Lula não foi o caminho prometido'' e aos ''que estão em dúvida''. ''Façam com que o Brasil tenha um segundo turno. A democracia, o processo democrático precisa de um segundo turno.''

Heloísa, por sua vez, fez um discurso emocionado --quase chorando--, falou das dificuldades da campanha eleitoral até aqui e, como não poderia deixar de ser, aproveitou para alfinetar Lula. ''Andei por todo o Brasil sem ''Aerolula'', sem jatinho, sem dinheiro público roubado, sem dinheiro de banqueiro de mensaleiro, de trambiqueiro.''

Audiência

Segundo a Rede Globo, a prévia de audiência do Ibope do debate foi, em média, de 30 pontos na Grande São Paulo, o que corresponde a 49% dos televisores ligados no horário.Como cada ponto equivale a 176 mil pessoas, o debate deve ter alcançado cerca de 5,28 milhões na região. As informações são da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina abril 2021

29/09


2006

O tiro de misericórdia no candidato ausente

 ''...O Lula, com a sua ausência nesse debate,  mandou um recado aos brasileiros e brasileiras: ''Eu não estou interessado na sua opinião. Eu não preciso prestar contas pra ninguém''. No domingo, mande um recado para ele: mude de presidente. Quero pedir o seu voto para mudar o Brasil. Não é possível nós acharmos que essas malas de dinheiro são coisas normais. Não é normal. Nós não podemos perder a nossa capacidade de nos indignarmos frente ao que está errado'' - Geraldo Alckmin no encerramento do debate da TV Globo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nathália Hozzi

É Lula denovo, coma força do poooovo, é Lula denovo, coma força do pooovo... hehehe

Paulin de Caruaru.

Tiro de misericórdia em quem? Não entendi esta manchete!!!!!!.

IVAN INÁCIO DE OLIVEIRA

kd a pesquisa da isto é

IVAN INÁCIO DE OLIVEIRA

kd a pesquisa da isto é

IVAN INÁCIO DE OLIVEIRA

kd a pesquisa da isto é


ALEPE

29/09


2006

Lula: "Preferi encontrar meus companheiros"

 O presidente e candidato do PT Luiz Inácio Lula da Silva praticamente evitou falar de sua ausência no debate entre os presidenciáveis promovido pela TV Globo. Em São Bernardo do Campo, onde iniciou sua carreira política, ele disse que preferia ''encontrar os companheiros''.

''Não tem nada mais importante na minha vida, na minha trajetória política, do que fazer o último comício da minha campanha na terra em que eu nasci politicamente, com os meus companheiros que me ajudaram a nascer politicamente'', disse ele, em sua única referência indireta ao fato de não ter comparecido ao debate da TV Globo.

''Não há valor que pague eu ver aqui companheiros que estão juntos comigo desde 1979'', acrescentou Lula, e localizou na multidão junto ao palco um ex-companheiro de militância. ''Eu me considero um homem de muitos amigos e de muitos companheiros''.

Em seu discurso, Lula recapitulou sua trajetória política desde os tempos de líder sindical e fez promessas para um eventual segundo mandato, como ampliação do ''ProUni'', e disse que, se tudo corresse como ele pensava, iria vencer as eleições no primeiro turno.

O apelo ao ''companheirismo'' foi mencionado em outro momento do discurso, quando Lula adiantou sua agenda de campanha na sexta-feira. Lembrando que não vai ''poder falar'' durante panfletagem porque a legislação não permite comícios, disse que sua comunicação ''vai ser só no falar''. ''Entre nós, um olhar vale mais do que um discurso de meia hora''. As informações são da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

Conversa por rádio entre 2 seguranças da Presidência. 1 em Brasília. Outro na TV Globo, aguardando Lula para o debate: 1- Posto Globo câmbio!!!..2- Na Escuta câmbio....1 - Pode desarticular. Falcão não vai mais ao debate....2 - Falcão não vem, câmbio?...1 - Não, o frango tá com medo da onça do PSOL.


Bandeirantes 2021

29/09


2006

Ao fugir, Lula cometeu ato de corrupção, diz Cristovam

 No debate da TV Globo, o candidato Cristovam Buarque (PDT) afirmou que ''é preciso ampliar o conceito de corrupção'' e exemplificou: ao fugir do debate, o presidente Lula ''cometeu um ato de corrupção contra a democracia''. Ele respondia a uma pergunta de Geraldo Ackmin, que, na tréplica, concordou ''plenamente'' com Buarque, acrescentando que Lula ''é fraco'' para combater a ladroagem, mas é forte quando se trata de perseguir, por exemplo, o caseiro Francenildo, que teve o sigilo bancário criminosamente quebrado por ordem do ministro da Fazenda. A informação é da coluna de Cláudio Humberto.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

IVAN INÁCIO DE OLIVEIRA

kd a pesquisa da isto é

Drácula

Conversa por rádio entre 2 seguranças da Presidência. 1 em Brasília. Outro na TV Globo, aguardando Lula para o debate: 1- Posto Globo câmbio!!!..2- Na Escuta câmbio....1 - Pode desarticular. Falcão não vai mais ao debate....2 - Falcão não vem, câmbio?...1 - Não, o frango tá com medo da onça do PSOL.



29/09


2006

Rota dos dólares é falsa

 A versão – divulgada ontem – de que os US$ 248 mil da gangue do dossiê teriam vindo de Miami via Lufthansa não se sustenta, garante um grande empresário brasileiro na Flórida: aquela empresa aérea não faz essa rota e, para sair dos Estados Unidos com mais de US$ 10 mil, só com a autorização da Federal Aviation Administration. Mesmo assim, embarcados em contêiner, no porão do avião. De onde sai direto para o cofre-forte. A informação é manchete da coluna de Cláudio Humberto.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Mariazinha do Sertão

Não iremos nos admirar muito qdo essa novela dos dólares se desenrolar, só quero ver como o Lula vai administrar esse novo episódio . Acho q se ele for indiciado ele vai faltar tb, ENFIM É MELHOR REVER OS AMIGO , Ô PRESIDENTE MEI MUNDO !!!

Drácula

Conversa por rádio entre 2 seguranças da Presidência. 1 em Brasília. Outro na TV Globo, aguardando Lula para o debate: 1- Posto Globo câmbio!!!..2- Na Escuta câmbio....1 - Pode desarticular. Falcão não vai mais ao debate....2 - Falcão não vem, câmbio?...1 - Não, o frango tá com medo da onça do PSOL.


Serra Talhada 2021

29/09


2006

Candidatos defendem mudanças no Bolsa-Família

 O Bolsa-Família será mantido, mas terá algumas modificações. Essa foi a promessa do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, e do candidato do PDT, Cristovam Buarque. Contudo, nenhum dos candidatos explicou quais seriam estas mudanças. Cristovam Buarque disse apenas que não quer usar o programa como moeda de troca.

Alckmin aproveitou a oportunidade para lembrar que o Bolsa-Família reuniu um conjunto de programas sociais que foram iniciados no governo Fernando Henrique Cardoso. Exemplo disso, segundo ele, foi o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil. ''Criança não trabalha, estuda'', disse.

Em uma crítica velada, o tucano destacou que o que todo mundo quer é ter emprego e trabalho. ''Vou manter o Bolsa-Família, regulamentar, ampliar e melhorar, mas darei o caminho da educação.'' As informações são da Agência Estado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Drácula

Conversa por rádio entre 2 seguranças da Presidência. 1 em Brasília. Outro na TV Globo, aguardando Lula para o debate: 1- Posto Globo câmbio!!!..2- Na Escuta câmbio....1 - Pode desarticular. Falcão não vai mais ao debate....2 - Falcão não vem, câmbio?...1 - Não, o frango tá com medo da onça do PSOL.


Anuncie Aqui - Blog do Magno

29/09


2006

Serra mantém liderança e pode vencer no primeiro turno

 A três dias do primeiro turno das eleições, pesquisa Datafolha mostra que o candidato do PSDB ao governo de São Paulo, José Serra, mantém chances de ser eleito no primeiro turno. O tucano tem 15 pontos de vantagem sobre a soma de todos os seus adversários.

Se a eleição fosse hoje, Serra teria 59% dos votos válidos, excluindo votos brancos, nulos e indecisos, contra 36% dos demais candidatos.

Na pesquisa encomendada pela Folha e pela TV Globo, e divulgada nesta quinta-feira no ''SPTV - 2ª Edição'', Serra manteve a taxa de intenções de voto verificada na semana passada --51%.

Aloizio Mercadente (PT) oscilou um ponto para cima e agora tem 22%. Na pesquisa anterior o petista tinha 21%. O petista tem 26% dos votos válidos

O terceiro colocado, Orestes Quércia (PMDB) oscilou de 9% para 8%. O peemedebista tem 10% dos votos válidos.

Carlos Apolinário (PDT) tem 2% das intenções de voto. Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) e Cunha Lima (PSDC) tem 1% das preferências.

Anaí Caproni (PCO), Cláudio de Mauro (PV), Éder Xavier (PTC), Fred Correa (PTN), Pedro Viviani (PMN). Prof. Mario Luiz Guide (PSB), Renato Reichmann (PRONA), Sarli Jr. (PAN) e Tarcísio Fóglio (PSC) somaram 2%.

A margem de erro da pesquisa é de dois pontos, para mais ou para menos. O Datafolha ouviu 2.033 eleitores em 66 cidades entre ontem e hoje. A pesquisa foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número 312906/2006.

Leia a pesquisa completa na edição desta sexta-feira da
Folha de S.Paulo (só para assinantes). As informações são da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

29/09


2006

Tropas federais atuarão em cinco Estados

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) aprovou nesta quinta-feira o envio de tropas federais para auxiliar as eleições em 17 municípios de cinco estados. As tropas serão enviadas para seis cidade do Piauí, cinco de Sergipe, quatro do Rio Grande do Norte, uma da Paraíba e uma do Amazonas.

De acordo com o TSE, os reforços foram requisitados pelos municípios e aprovados pelos tribunais regionais eleitorais para tentar garantir a ordem e a segurança da votação e da apuração nas eleições.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


29/09


2006

A visão da Imprensa internacional sobre as eleições

A imprensa internacional acompanha com atenção as eleições de domingo no Brasil. Nos últimos dias, os principais jornais europeus e asiáticos enviaram correspondentes ao País e uma série de reportagens sobre tudo que pode ter relação com o Brasil já foi publicada.

Ao contrário dos comentários positivos às vésperas das eleições de 2002, em que o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva aparecia como a esperança, a cobertura neste ano tenta entender como, apesar de todos os escândalos de corrupção, o presidente segue sendo o favorito.

Para o Nouvel Observateur, da França, ''apesar dos escândalos, da persistência da desigualdade, do crescimento fraco e das reformas em pane, o atual presidente tem fortes chances de ser reeleito''. Segundo artigo publicado na quarta, ''a ajuda aos mais pobres, aumento do salário mínimo e melhor renda''  teriam dado essa popularidade à Lula.

Em Portugal, onde vive a maior quantidade de brasileiros na Europa, os jornais trazem praticamente todos os dias as notícias sobre as eleições. No Pravda, da Rússia, os últimos cinco dias foram de violentos ataques contra Lula no Brasil.

O jornal suíço Tribune de Geneve, ironizou a recente passagem do ministro da Cultura, Gilberto Gil, por Genebra e suas declarações sobre corrupção. ''Esse é o mistério da vida'', respondeu Gil quando questionado sobre a liderança de Lula apesar dos escândalos. ''A corrupção não é verdadeiramente um problema para o cidadão, não é sua preocupação principal'', disse ele na edição do Tribune. O jornal ainda questionou se o Brasil seria ''ingovernável sem corrupção''. ''Isso é você quem está dizendo. Isso é pura especulação'', respondeu o ministro. As informações são da Agência Estado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Adlinaide Sinara N. Mariano Pires

O interessante é q só os brasileiros ñ sabem q Lula é corrupto e responsável por todos esse absurdos acontecidos no país, vejam então q todo o MUNDO reconhece isso , só ñ os brasileiros , talvez qdo perceberem seja tarde D+!!!!



29/09


2006

Em nota, Alckmin chama Lula de fujão

O candidato da coligação PSDB-PFL à Presidência da República, Geraldo Alckmin, reagiu, nesta quinta-feira, à decisão do presidente e candidato à reeleição pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva, de não participar do debate desta noite na Rede Globo. Em nota oficial em seu site de campanha, o tucano diz: ''Lula fujão evita debate para não ter de explicar escândalos'' e classifica a atitude do adversário petista de ''vergonhosa''.

A nota diz: ''Lula não tem como explicar a seqüência de escândalos que envolvem seu Governo, como Waldomiro e os bingos, mensalão, vampiros, sanguessugas, ONGs da companheirada, cartilha de R$ 11 milhões que ninguém viu, e agora a armação de um dossiê fajuto para tentar prejudicar a campanha de Geraldo. Em todos os escândalos estavam envolvidos assessores diretos de Lula.'' E continua: ''É uma vergonha. Mas esta é a realidade. O presidente do Brasil não pode aparecer em programas que visam esclarecer a opinião pública porque não tem como responder às perguntas.''  As informações são da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Ivan Câmara de Andrade

Deixa de conversar besteiras Chuchu, tu queria era pegar carona na audiência que somente Lula poderia garantir.

Drácula

Conversa por rádio entre 2 seguranças da Presidência. 1 em Brasília. Outro na TV Globo, aguardando Lula para o debate: 1- Posto Globo câmbio!!!..2- Na Escuta câmbio....1 - Pode desarticular. Falcão não vai mais ao debate....2 - Falcão não vem, câmbio?...1 - Não, o frango tá com medo da onça do PSOL.