Blog do Magno 15 Milhões de Acessos

10/01


2021

Limoeiro: Aluísio Lessa cutuca Orlando e Teobaldo

Na contenda envolvendo a dívida superior a R$ 75 milhões deixada na Prefeitura de Limoeiro, o deputado estadual Aluísio Lessa (PSB) saiu em socorro do ex-prefeito Joãozinho, seu correligionário. Para defender o antigo gestor, bateu forte no novo prefeito, Orlando Jorge, e no deputado federal Ricardo Teobaldo (ambos do Podemos), a quem chamou de "deputado mentirinha".

Leia a mensagem na íntegra:

"Magno, bom dia.

Apenas para registrar minha solidariedade ao ex-prefeito Joãozinho de Limoeiro. E também como o deputado estadual mais votado do município. É importante lembrar que MENTIRA tem perna curta. O novo prefeito de Limoeiro que acaba de assumir, Orlando Jorge, parece que perdeu a memória.

Dos 75 milhões das dívidas escrituradas oficialmente, e que foram entregues nas reuniões de transição, mais de 70 milhões foram de responsabilidades dos aliados dele próprio, que foram deixadas pelos ex-prefeitos Ricardo Teobaldo e Thiago Teobaldo. E para piorar, o Orlando Jorge era secretário de Saúde nas duas gestões. Aprendeu na íntegra as lições do deputado mentirinha!"


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


10/01


2021

Vacina de prefeitura é post para agradar seguidores

Por Fernando Castilho*

No meio da confusão do Ministério da Saúde, na questão do plano de aplicação da vacina contra a Covid-19, dezenas de prefeitos estão anunciado a formalização de protocolos para a compra direta do imunizante produzido pelo Instituto Butantan, com a chancela do Governo do São Paulo. 

É uma providência interessante do ponto de vista de inserção dos novos prefeitos nas suas redes sociais, embora as chances de que algum deles possa assumir a aplicação de vacinas pela inércia do Governo Federal até agora sejam próximas de zero.

Isso não quer dizer que os prefeitos do Recife, Petrolina e Carnaíba não possam ter os seus pedidos atendidos pelo presidente do Butantan, Dimas Covas, que tem uma lista de mais de 180 cidades com a mesma demanda. Mas sejamos sensatos: como isso poderia acontecer? 

Para começo de conversa e, ainda bem que nos seus comunicados, os prefeitos façam a ressalva de que, "se" o MS não for capaz de proceder a vacinação, as suas cidades estarão dispostas a tomar para si a tarefa.

É importante observar que a vacina do Butantan custa caro, exige disponibilidade de oferta e, na lista de prioridades do Ministério da Saúde, a prefeitura está no fim da fila. O contrato entre o Governo de São Paulo e o laboratório chinês Sinovac tem um custo de 90 milhões de dólares. Cada uma custa 10 dólares (R$ 54).

Difícil imaginar que, mesmo com as estultices de Eduardo Pazuello, o MS abra mão de não liderar o processo. Aliás, ele já disse que as 100 milhões de vacinas do Butantan, assim como as 100 milhões da Fiocruz, estarão sob a guarda federal, do Ministério da Saúde, que na verdade é quem vai pagar a conta.

Mas, ainda assim, se num gesto de rebelião fosse possível comprar as vacinas do Butantan? Ora, os estados como entes subnacionais seriam a primeira opção dessa linha de ação. Até porque eles teriam que bancar a compra e distribuí-las igualitariamente.

Imagina o governador Paulo Câmara comprando um lote de 2,8 milhões de vacinas da Sinovac e distribuindo somente no Recife, em Petrolina e em Carnaíba porque João Campos, Miguel Coelho e Anchieta Patriota se dispuseram a comprá-las? Alguém acha que os demais 181 municípios ficariam calados?

Tem mais: alguém pode imaginar o que aconteceria se o Ministério da Saúde não fizer sua parte, o Governo de Pernambuco idem e essas três cidades decidirem começar a vacinação sozinhas? Teriam condições de vacinar apenas os munícipes registrados na suas secretarias de saúde?

Segundo o Butantan, 913 dos 5.568 anunciaram a intenção de compras das vacinas. E pelo que pediramm a demanda já soma mais de 200 milhões de doses. 

O Butantan, que vai fazer as vacinas, tem tradição no setor. Mas ele só tem um cliente: o Ministério da Saúde. Faz vacina para os programas nacionais do Brasil. Alguém já viu uma Nota Fiscal do Butantan para prefeitura?

Então, é importante que o gesto das prefeituras seja compreendido mais como uma forma de pressão junto ao Governo Federal do que possibilidade de chegar na ponta de uma campanha desse porte. Embora isso ajude o Governo do São Paulo, que assumiu a compra das vacinas, na esperança de repassar a fatura para a União. Vale mesmo como gesto político.

Então talvez seja mais interessante para os três prefeitos de Pernambuco, e os outros 910 espalhados pelo Brasil, seguirem o gesto de Eduardo Paes, do Rio de Janeiro, que se apressou em comunicar o obvio: como o Governo Federal anunciou que vai comprar todo o estoque do Butantan, não fazia mais sentido falar em compra direta.

A questão central da ConoraVac hoje é como entregar à Anvisa todos os documentos para se ela aprove o uso de 6 milhões de doses prontas para serem enviadas aos 26 estados e mais o Distrito Federal, de modo que ainda em janeiro elas possam ser aplicadas junto com as outras 2 milhões que a Farmanguinhos vai receber direto da Índia.

Se até a próxima semana pudermos contar com 8 milhões de vacinas, terá sido um avanço enorme no meio dessa barafunda que a questão se tornou por absoluta incompetência do governo. É verdade, isso que acabou, como se viu, criando uma excelente oportunidade para os prefeitos usarem posts nas suas redes sociais e prometer, veementemente, o que nunca terão chance de cumprir.  

Mas e daí? Ninguém recusa um clique de GOSTEI numa rede social. 

*Jornalista. Titular da coluna JC Negócios, do Jornal do Commercio.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

10/01


2021

Cabo promove ação de combate à Covid-19 nas praias

A Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho realizou, ontem, uma ação de combate e prevenção ao novo coronavírus no litoral. Uma equipe de cerca de 100 pessoas distribuiu álcool em gel, panfletos informativos e viseiras para os comerciantes e banhistas das praias de Gaibu, Xaréu, Itapuama, Calhetas e Suape.

O movimento também contou com arte educadores, agentes da Polícia Militar, Procon, Guarda Municipal e Vigilância Sanitária. Eles alertaram sobre a importância de manter o distanciamento social, o uso obrigatório de máscara quando não estiver no mar e os riscos da exposição ao vírus.

O prefeito Keko do Armazém (PL) esteve presente entregando materiais de prevenção à Covid-19 e conversando com a população. "Mobilizamos várias secretarias da nossa gestão, alinhados com o governo estadual, para coibir aglomerações no nosso litoral e conscientizar a população sobre os impactos da pandemia e a importância de nos prevenirmos. Se cada um fizer sua parte conseguiremos vencer esse vírus", declarou o gestor.

Agentes da Guarda Municipal também estiveram na orla, na noite de ontem, para coibir o uso de paredões de som e aglomerações. A ação também ocorre hoje e nos próximos finais de semana de janeiro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu no Zap

10/01


2021

Mãe e filho senadores

A ex-deputada federal Nilda Gondim (MDB-PB) vai assumir esta semana o mandato de senadora da República, com a licença do senador José Maranhão (MDB-PB), que está em tratamento de saúde por conta da Covid-19. Ela é suplente do parlamentar afastado devido à doença.

Nilda será colega do filho Veneziano Vital do Rêgo (sem partido), que foi eleito senador também pela Paraíba em 2018. Outro caso de mãe e filho senadores ocorre no Tocantins: Kátia Abreu (PP) e Irajá Silvestre Filho (PSD).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


10/01


2021

Se Bolsonaro perder, o que ele fará?

Por Adriano Oliveira*

A invasão do Congresso dos Estados Unidos reforçou as minhas hipóteses para as estratégias do presidente Bolsonaro em 2022: 1) Ideologizar, “reliogizar” e militarizar a campanha; 2) Responsabilizar a Covid-19 pelo fraco desempenho da economia; 3) Descredibilizar a urna eletrônica. Os dois primeiros são legítimos, inteligentes e não comprometem o funcionamento da estressada democracia. Porém, a última estratégia alimenta o estresse das instituições. 

Ideologizar a campanha significa o debate de temas que fazem parte dos partidos de Esquerda ou do Centro. Por exemplo: aborto, liberação do porte de armas, Direitos Humanos e Meio ambiente. Reliogização representa o debate sobre os temas citados, o qual alimentará/reforçará a relação de Bolsonaro com os evangélicos. A defesa intransigente dos policiais militares e das Forças Armadas é a estratégia militarizada por parte do presidente-candidato. 

Culpar a Covid-19 pelo pífio desempenho econômico do Brasil (cenário plausível) será outra estratégia do presidente Bolsonaro. A pandemia justificará a ausência de privatizações, a não redução da tabela do imposto de renda e o não controle da inflação. Jair Bolsonaro dirá: “A pandemia do coronavírus destruiu as economias das grandes nações e impediu o crescimento robusto da nossa economia”. E dirá que o seu governo criou um grande programa de alcance social: o Auxílio Emergencial. 

A última estratégia, descredilização das urnas eletrônicas, é extremamente perigosa para a democracia. Se Jair Bolsonaro for reeleito, a sua posse deve ocorrer sem questionamentos por parte do candidato derrotado. Entretanto, se Bolsonaro perder a eleição, a narrativa “descredibilização das urnas eletrônicas” ganhará força no universo dos eleitores bolsonaristas. Assim ocorrendo, o resultado da eleição será questionado e tumultos poderão acontecer. Inclusive, a invasão do Congresso Nacional. 

Tenho grande preocupação com o cenário exposto (cenário é possibilidade), pois o presidente Bolsonaro tem mantido a lealdade das Forças Armadas e de relevante parcela dos militares estaduais e policiais. O que militares e policiais farão, caso o presidente Bolsonaro seja derrotado e convoque a presença deles nas ruas? O bolsonarismo é um movimento de massas. Portanto, tem o poder de influenciar os atores das instituições.

*Doutor em Ciência Política e professor do Departamento de Ciência Política da UFPE.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Ele vai perder!

gilson

Parabéns Professor, pelo artigo, esta é a realidade posta, temos um doente no poder, igual ao outro.


Banco de Alimentos

10/01


2021

Registro de aglomeração em São José da Coroa Grande

Uma nova aglomeração foi registrada neste final de semana na praia de São José da Coroa Grande, no Litoral Sul de Pernambuco, em meio à pandemia de coronavírus. O vídeo foi gravado na noite de ontem e enviado à redação do PortalPE10 na manhã de hoje. Nas imagens, muitas pessoas aparecem sem máscara e consumindo bebida alcoólica em área pública.

Segundo o portal, a Prefeitura de São José da Coroa Grande foi procurada, mas não respondeu até o momento. Conforme determinado por decreto estadual, shows, festas e afins estão proibidos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


10/01


2021

Armando a caminho do PSDB

Sem partido desde a campanha municipal de 2020, quando no segundo turno anunciou apoio no Recife à candidata do PT, Marília Arraes, o ex-senador Armando Monteiro já está com os dois pés no PSDB, legenda em nível nacional presidida pelo pernambucano Bruno Araújo, ex-ministro.

Em conversa, há pouco, com este blogueiro, Bruno confirmou que as portas estão abertas para Armando no PSDB e que será recebido com tapete vermelho. Armando militou por muito tempo no PTB, partido pelo qual foi eleito senador e disputou o Governo do Estado.

"Armando é um dos grandes quadros da vida pública nacional e nos honraria muito vê-lo num partido que tem muito do que ele pensa e do que defendeu ao longo de sua jornada. Ele tem muitos amigo no PSDB que o respeitam profundamente", disse o dirigente tucano. 

O ex-senador deve decidir seu destino partidário até o fim do mês. Ele tem convite também de outras legendas, entre as quais MDB, DEM, Cidadania e Podemos. "Vou para um partido sem alinhamento ao Governo de Pernambuco e em nível nacional sem atrelamento a Bolsonaro", disse Armando.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jornao O Poder

10/01


2021

Gleide visita Yves em Paulista

A deputada estadual Gleide Ângelo (PSB) foi recebida pelo prefeito Yves Ribeiro e seu vice Dido Vieira (ambos do MDB) em Paulista na última sexta-feira (8). Além deles, a secretária municipal da Mulher, Bianca Pinho Alves, e o secretário-executivo de Gabinete Marcos Eduardo participaram do encontro.

Em pauta, a possibilidade de trazer emendas para a cidade. Mais votada de Pernambuco, Gleide também foi a deputada com maior votação em Paulista nas eleições de 2018. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


10/01


2021

Minha São Lourenço em festa

Cidadão sãolourencense, com batismo unânime da Câmara de Vereadores, celebro, hoje, os seus 131 anos de emancipação política com este vídeo enviado pelo meu conterrâneo ilustre Ciro Bezerra, talentoso e múltiplo jornalista do rádio e da TV.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha