Jaboatão - Nova UBS PET

15/09


2021

Merenda e fardamento escolar não são importantes?

Por João Batista*

De acordo com o art. 212 da Constituição Federal, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios aplicarão vinte e cinco por cento, no mínimo, da receita resultante de impostos, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino.

Deixar de aplicar este percentual mínimo tem se tornado um dos principais motivos da oferta de parecer pela rejeição de contas de governo de prefeitos pelo Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco.

No primeiro dia do corrente mês, o Tribunal de Contas de Pernambuco, respondendo consulta formulada pelo prefeito da cidade de Sertânia, o relator conselheiro Ranilson Ramos, enfatizou que:  “não encontra respaldo na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, não podendo, portanto, serem computadas para fins de apuração do percentual de investimentos na manutenção e desenvolvimento do ensino, as despesas com a remuneração de estagiários, por não serem estes enquadrados como pessoal docente ou profissionais da educação, tampouco as despesas com fardamento escolar, merenda escolar e bolsa escolar, por possuírem natureza assistencial”.

A resposta dificulta muito o cumprimento do limite mínimo de gastos com a manutenção e o desenvolvimento do ensino, uma vez que, além da folha de pagamento dos profissionais do magistério e do transporte escolar, os gastos com merenda escolar e fardamento são significativos anualmente. No entanto, a resposta do Tribunal de Contas foi baseada nos artigos 70 e 71 da Lei 9394/96.

No artigo 70 estão previstos os gastos que compõem as despesas com o ensino entre estas: a remuneração e aperfeiçoamento do pessoal docente e demais profissionais da educação; aquisição, manutenção, construção e conservação de instalações e equipamentos necessários ao ensino; uso e manutenção de bens e serviços vinculados ao ensino; levantamentos estatísticos, estudos e pesquisas visando precipuamente ao aprimoramento da qualidade e à expansão do ensino; à realização de atividades-meio necessárias ao funcionamento dos sistemas de ensino; à amortização e custeio de operações de crédito destinadas à MDE; aquisição de material didático-escolar e manutenção de programas de transporte escolar.

Já o art. 71 proíbe que se conte nos gastos com a manutenção e o desenvolvimento do ensino, entre outras, as despesas com  programas suplementares de alimentação, assistência médico-odontológica, farmacêutica e psicológica, e outras formas de assistência social; obras de infraestrutura, ainda que realizadas para beneficiar direta ou indiretamente a rede escolar; pessoal docente e demais trabalhadores da educação, quando em desvio de função ou em atividade alheia à manutenção e desenvolvimento do ensino.

O que o Legislador Federal talvez não tenha compreendido, é que a merenda escolar, para a maioria das crianças, não é alimentação suplementar, mas essencial, não existe escola de tempo integral sem merenda. Utilizando do linguajar popular diria que “duvido manter” uma escola sem a merenda, “duvido até” da frequência de alguns alunos nas escolas sem a merenda, se isto não for manutenção do ensino, tal qual descrito no art. 212 da Constituição, inibe-se o raciocínio dedutivo e a obtenção correta da interpretação da norma constitucional.

Para além disto, hoje, se discute inclusive a necessidade de distribuição de absorventes femininos como forma de inclusão e de igualdade de gênero na educação, o que é muito justo, pois a falta de condições para aquisição deles, afasta por alguns dias da sala de aula, as adolescentes e jovens menos abastadas.

A inclusão da merenda nos gastos com a manutenção e o desenvolvimento do ensino iria contribuir com a melhoria da sua qualidade, uma vez que, as prefeituras enfrentam dificuldades para fornecer a alimentação essencial a seus alunos dado o subfinancia mento por parte do  Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) que repassa apenas o misero valor de  R$ 0,36 / dia, por aluno do Ensino fundamental e médio, tendo o município que complementar, pois este valor não compra nada de alimentação hoje em dia.

Espera-se assim uma mudança na legislação ou uma interpretação mais abrangente dos gastos com a educação por parte dos órgãos de controle.

*Advogado e ex-prefeito de Triunfo


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cabo - Pavimentação e Drenagem

15/09


2021

Bolsonaro anuncia mudanças no Casa Verde e Amarela

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anuncia, hoje, mudanças no programa de financiamento habitacional Casa Verde e Amarela. Os ministros do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e da Economia, Paulo Guedes, também participam do evento, no Palácio do Planalto. As informações são do portal Poder360.

Uma das mudanças será nova modalidade de financiamento na qual Estados e municípios devem garantir contrapartida de 20% do valor do residencial. Em troca, o valor de entrada no imóvel próprio para famílias com renda mensal de até R$ 4.000 será reduzido ou zerado.

O programa Casa Verde e Amarela é a substituição do programa Minha Casa Minha Vida, criado em 2009 pelo ex-presidente Lula.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina Julho 2

15/09


2021

Além de importante, uma natureza encantadora

No percurso que fiz ontem, de apenas 16 km da estrada de terra vermelha rumo à Salitre, município cearense divisa com a pernambucana Araripina, constatei que, além de ser escoadouro de gesso e mandioca, a região tem uma fauna e flora riquíssimas. A cada trecho alcançado, uma surpresa agradável.

Primeiro, um belo exemplar de camaleão cruzou a estrada de mansinho e ainda fez pose para minha câmera. Quando garoto em Afogados da Ingazeira, cidade que nasci e vivi até 17 anos de idade, cheguei a provar da carne do camaleão. Tem gosto de galinha caipira.

Depois, quem também fez pose para mim foi um gavião. Lembrei-me da música Carcará, do grande João do Vale.

Carcará/Lá no Sertão/É um bicho que avoa que nem avião/É um pássaro malvado/Tem o bico volteado que nem gavião

Carcará quando vê roça/queimada/Sai voando e cantando.

Carcará/Vai fazer sua caçada

Carcará/Come inté cobra queimada/Mas quando chega o tempo da invernada/No sertão não tem mais roça queimada/Carcará mesmo assim não passa fome/Os burrego que nasce na baixada

Carcará/ Pega, mata e come.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca - Microempreendedores

15/09


2021

CPI da Covid ouve advogado Marconny Albernaz

A CPI da Covid-19 no Senado Federal ouve, hoje, o advogado Marconny Albernaz de Faria, apontado como lobista que atuava na administração pública em favor da Precisa Medicamentos.

Albernaz deveria ter prestado depoimento à CPI no início do mês, mas chegou a apresentar um atestado de 20 dias para justificar o não comparecimento. Dada a longa dispensa médica, os senadores suspeitaram de um artifício para “fugir” da CPI e pediram que o hospital Sírio Libanês, onde o advogado afirmou estar internado, confirmasse a versão de Albernaz. Horas depois, o médico que assinou o atestado falou com a secretaria da CPI para comunicar aos senadores que desejava cancelar o documento.

A CPI chegou a colocar a Polícia Legislativa atrás do advogado para conduzi-lo “sob vara” e pediu à Justiça sua condução coercitiva. No início desta semana, a Justiça Federal do Distrito Federal decidiu favoravelmente ao pedido, determinando que ele seja conduzido coercitivamente para prestar depoimento caso não compareça nesta quarta. A defesa de Albernaz, afirmou, em nota, que ele chegou a ir ao Senado "para receber pessoalmente a intimação e confirmar que prestará depoimento na data estabelecida pela CPI da Covid".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


15/09


2021

TSE vai investigar se atos do 7 de setembro foram financiados

O corregedor-geral da Justiça Eleitoral, Luís Felipe Salomão, decidiu investigar se houve financiamento dos atos antidemocráticos de 7 de setembro e, em caso de ter havido, quem financiou. Salomão quer investigar também se os atos configuraram propaganda eleitoral antecipada. As informações são do portal G1.

Participaram dos atos o presidente Jair Bolsonaro e apoiadores. Salomão incluiu essa apuração no em inquérito que corre no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O corregedor quer saber se houve pagamento de transporte e diárias para manifestantes, e quem esteve por trás da organização do evento.

Fontes da Justiça informaram à Globonews que essas novas apurações são consideradas um desdobramento relevante da investigação sobre os atos. Também é a primeira consequência judicial dos atos, principalmente porque vai focar em esclarecer se foi uma manifestação espontânea e se teve conteúdo eleitoral.

O procedimento foi convertido em inquérito, ampliando o objeto de apuração para englobar: possível abuso de poder econômico e político

  • uso indevido dos meios de comunicação social
  • corrupção
  • fraude
  • condutas vedadas a agentes públicos
  • propaganda extemporânea (antecipada), em relação aos ataques contra o sistema eletrônico de votação e à legitimidade das eleições de 2022.

O inquérito administrativo no TSE é fruto de procedimento aberto para que autoridades públicas do país pudessem apresentar provas que comprovassem ocorrências de fraude no sistema eletrônico votação nas eleições de 2018, em particular nas urnas eletrônicas.

Bolsonaro passou os últimos dois anos e meio afirmando que houve fraudes nas eleições de 2018. Há 15 dias, ele chegou a convocar uma transmissão ao vivo para apresentar o que seriam as supostas provas, mas na ocasião admitiu não ter nenhuma – e ainda disseminou informações falsas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Caruaru volta as aulas 2021

15/09


2021

Agronegócio vira aliado do ouro branco do Araripe

Jorge Amado disse, certa vez, que a Bahia, de tão negra e religiosa, é tão misteriosa quanto o verde do mar. De tão branco, cobrindo a relva e o manto sagrado do Araripe, o pó do gesso tem também seus mistérios que, aos poucos, começam a ser desvendados. Com a pandemia, que fechou o mercado para as exportações de gesso, mineral produzido a partir do aquecimento da gipsita, os calcidadores da região encontraram uma saída para manter a atividade e recuperar os empregos jogados pela janela.

Trata-se do gesso agrícola, um fertilizante e condicionador do solo. Quando jogado de encontro às terras não férteis no eixo de produção do agronegócio do País, setor que está segurando firmemente o PIB nacional, o pó branco faz um verdadeiro milagre: fornece cálcio e enxofre e tem a função de neutralizar o alumínio em subsuperficie do solo. Faz com que as plantas absorvam sulfato mais rápido e com ação imediata, garantindo maior produtividade.

Filho de Josias Inojosa, cuja história se confunde com o gesso no País, o empresário Josias Inojosa Filho, da Indústria de Gessos Especiais Ltda, conhecida como a Super Gesso, detém uma reserva de 234 hectares em Araripina e está tirando das suas minas rochosas entre quatro a cinco mil toneladas de gesso agrícola por mês. Já sai da sua calcinadora pago pelos empresários do Agronegócio no Sul do Piauí e no Oeste Baiano, além de outras áreas da Bahia.

"O gesso agrícola é a gipsita moída. Ela fofa o solo e rebaixa o alumínio tóxico, impedindo que as raízes se aprofundem", diz Inojosa Filho. Segundo ele, o gesso agrícola tem uma função mais específica e profunda do que o calcário, tradicional corretor de solos ruins, de terras difíceis de se plantar. "Para se chegar a uma terra fértil e produtiva é preciso uma dosagem dos dois, o calcário com o gesso agrícola", explica.

O branco do gesso está presente na cultura do Araripe. De longe, quando se chega na região, o fumaceiro branco das chaminés dá medo porque se associa a uma poluição descontrolada. O polo gesseiro, gerador do ouro branco em plena Chapada do Araripe, é responsável pela produção de 95% do produto consumido em todo o Brasil, sendo a maioria das jazidas localizadas em Araripina, Ipubi e Trindade e fazendo de Pernambuco o maior produtor do País, com reservas de gipsita que chegam aos 2,8 milhões de toneladas.

Estão envolvidos na atividade mais de 600 empresas, entre mineradoras, calcinadoras e fábricas de blocos e placas de gesso, entre outros, trabalhando com uma produção reconhecida no País pelo seu alto grau de pureza e transformando a atividade no principal ramo industrial da região.

O gesso do Araripe é utilizado de várias formas, sobretudo nas indústrias de joias, cerâmica, automotiva, na Medicina, na Odontologia, entre outras. É para a construção civil, entretanto, que a maior parte dos seus produtos são escoados, apresentando uma ótima relação custo-benefício, graças às características de isolamento térmico, leveza, estabilidade e precisão dimensional.

Donos da Servex Mineração, Erick Freitas e Ariel Sampaio, em parceria com a GYPSUM S.A. (Etex Group), estão na região desde 2019, desenvolvendo um projeto para mineração de gipsita em Trindade. Ali, implantaram a maior central de britagem e moagem de gipsita do País, colocando a empresa entre os maiores produtores nacionais, com capacidade de produção de 120.000 toneladas/mês.

A linha de produtos da SERVEX MINERAÇÃO é composta de gipsita britada, destinada à indústria de cimento e gesso e, também, a gipsita moída (gesso agrícola), destinada ao agronegócio. Para Erick, o gesso agrícola vem despontando, nos últimos anos, como um dos principais produtos do Polo Gesseiro do Araripe, sendo responsável por uma melhora substantiva no aumento de produtividade das culturas de soja, milho, algodão, cana de açúcar, café, entre outras mais.

"As jazidas de gipsita da SERVEX MINERAÇÃO possuem excelentes níveis de pureza e qualidade, tendo elas sido auditadas e certificadas por empresa internacional. Em pouco mais de um ano de atividade já empregamos diretamente 48 pessoas", diz ele.

AÇÃO PREDATÓRIA

Na fase mais difícil para o setor, quando a pandemia reduziu de 14 mil para oito mil o número de trabalhadores formais e informais na atividade gesseira, os calcinadores foram salvos pelo mercado do agronegócio, fornecendo gesso agrícola, o que garantiu a permanência de muita gente no setor e no polo da região.

Mas os calcinadores agem de forma desordenada e até predatória, praticando um preço muito barato. Segundo Inojosa, a tonelada a granel do gesso agricola varia entre R$ 35 a R$ 40 e o R$ 120 ensacada. "Muito barato. Se houvesse um acordo e disciplina, a gente estaria praticando um preço, hoje, muito mais competitivo", disse o herdeiro do velho Inojosa, que presidiu a entidade reguladora do setor.

Diferente do calcário, no manejo do solo, o gesso tem a capacidade de carrear o alumínio para camadas mais profundas do solo, permitindo que os nutrientes possam ser absorvidos, potencializando o uso do calcário e demonstrando quão importante é esse produto, de Pernambuco, para o futuro da agricultura e do País.

"O gesso agrícola é um coproduto da rocha Gipsita que ao ser aquecido, desidratado e triturado em pequenos grânulos encontra-se apto a ser aplicado no solo", destaca o pesquisador Geraldo Eugênio, do IPA, que fez um estudo sobre o mineral. Segundo ele, o gesso agrícola quando aplicado, propicia uma lavagem e leva o alumínio para baixo até dois metros de profundidade e faz com que as raízes de milho, soja, algodão fiquem livres para absorver os nutrientes e a água.

"Rico em enxofre e cálcio é uma solução natural para recuperar o solo e aumentar a produtividade e o lucro. O gesso é um aliado da vida microbiana do solo, aumentando a resistência das plantas às pragas, a doenças e a longos períodos de estiagem”, explicou Geraldo Eugênio.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

15/09


2021

TCE identifica sobrepreço em desapropriações da gestão Geraldo

A Segunda Câmara do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE) referendou, na última quinta-feira, medida cautelar da conselheira Teresa Duere impedindo o pagamento de dez desapropriações de imóveis realizadas na última semana da gestão Geraldo Julio, em dezembro de 2020. De acordo com o acórdão da votação, publicado ontem no Diário Oficial do TCE-PE, auditoria realizada pelo Núcleo de Engenharia do órgão de fiscalização constatou que os valores negociados entre a Secretaria de Educação do Recife e os proprietários dos imóveis somam valores superestimados em R$ 17,71 milhões. A decisão da Segunda Câmara é pela proibição de qualquer pagamento em torno de tais desapropriações.

Segundo os dados do relatório, os valores utilizados como parâmetros para identificar os preços justos para pagamento da desapropriação basearam-se em imóveis com qualidade de estrutura e localização muito diferentes, o que provocou aumentos artificiais dos preços dos imóveis alvos das desapropriações da Prefeitura. Um dos exemplos é um imóvel em Santo Amaro negociado a R$ 2,5 milhões, enquanto uma corretora o anunciava, em site, por R$ 1,6 milhão. Outro imóvel em Afogados teve seu valor de metro quadrado estimado em R$ 4.054,81, enquanto há na região uma unidade escolar da rede privada sendo vendida, em melhores condições, por R$ 1.646,09/m².

Outro elemento considerado relevante para sustentar a medida cautelar trata das deficiências na motivação das desapropriações: ““estudo de demanda” possui inconsistências que suscitam questionamentos acerca da tecnicidade da escolha dos imóveis expropriados, como por exemplo, abertura de escolas em bairros já atendidos, inclusive com sobras de vagas para alunos de regiões vizinhas, em detrimento de outros em que não há escolas disponíveis para todas as crianças, com déficit registrado pelo citado “estudo de demanda””, registra o relatório.

Na última semana, a relatora das contas da Secretaria de Educação do Recife no TCE-PE, Teresa Duere, também conseguiu unanimidade da Segunda Turma do Tribunal na expedição de medida cautelar para proibição de pagamento da compra de outro imóvel, também realizado pela gestão Geraldo Julio em dezembro de 2020. Trata-se de um galpão para acondicionamento de itens (almoxarifado) no Cabo de Santo Agostinho, ao custo de R$ 12,8 milhões. Ainda na última semana de dezembro, entre o Natal e o Ano Novo, a deputada estadual Priscila Krause (DEM) apresentou a denúncia da compra de mais de R$ 50 milhões em imóveis sem qualquer transparência.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Pousada da Paixão

15/09


2021

PSB fecha questão contra PEC da Reforma Administrativa

Os deputados que integram a bancada do PSB na Câmara dos Deputados decidiram, em reunião realizada ontem, fechar questão para votar contra a Proposta de Emenda Constitucional da Reforma Administrativa, a PEC 32/2020.

Segundo o líder da legenda, Danilo Cabral (PE), “a proposta apresentada aprofunda o desmonte do Estado brasileiro ao permitir a privatização do serviço público brasileiros e a contratação de servidores sem a realização de concurso público”.

Entre as questões mais críticas incluídas na PEC 32 e refutadas pelos socialistas está a possibilidade de o Estado firmar contratos de cooperação com entidades privadas para a execução de serviços públicos, inclusive com a utilização compartilhada de estruturas físicas e o emprego de recursos humanos privados. Na prática, esta iniciativa não apenas precariza o serviço público, mas põe fim aos avanços incluídos na Constituição no que diz respeito às exigências e critérios para adentrar às carreiras vinculadas ao Estado como aquelas vinculadas às áreas de saúde, educação e segurança pública.

A deliberação, que ratifica a decisão tomada pelo Diretório Nacional do Partido no mesmo sentido, obriga todos os 31 parlamentares que compõem a legenda na Casa a adotar a mesma posição.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

SESC Agosto 2021

15/09


2021

Não foi negligência, foi política pensada, diz jurista sobre Bolsonaro

O jurista e ex-ministro da Justiça Miguel Reale Jr. disse, em entrevista à GloboNews, hoje, que o presidente Jair Bolsonaro atuou a favor da disseminação do coronavírus no país ao longo da pandemia e que isso não foi negligência, mas sim uma política pensada.

Reale Jr. afirmou que Bolsonaro quis colocar a economia à frente da proteção da vida e da saúde pública, o que levou o país aos cemitérios e UTIs.

O ex-ministro da Justiça coordena o grupo de juristas que apresentou um parecer à CPI da Covid listando os crimes cometidos por Bolsonaro na pandemia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Rafael C.Soares Quintas

E nos EUA, com mais de 600 mil mortes por covid, no Reino Unido, França, Espanha, Itália etc, quem foi o responsável pelas milhares de mortes? Jurista PTralha e parcial


Bandeirantes Agosto 2021

15/09


2021

Coluna da quarta-feira

O sapo e a venta torta de Pernambuco

Joaquim Francisco, que Deus levou há um mês, era frasista dos bons. Quando me convidou para o desafio de coordenar a área de Imprensa da sua campanha em 1990, olhou em minha direção com aquela fisionomia de índio e incentivou: "A vida é um sutiã, meta os peitos". Foi a primeira vez que ouvi algo tão inusitado, criativo e engraçado, principalmente saindo do seu vozeirão com caprichado sotaque de matuto.

Joaquim, na verdade, não tinha nada de matuto. Era um intelectual refinado, provocador de mão cheia. Outra pérola dele que adotei como filosofia de vida profissional: cobra que não anda, não engole sapo. Por isso, sou andarilho da notícia e entendo que repórter que não usa bota de sete léguas, não faz notícia. Nas minhas andanças ao longo desta semana me deparei ontem com uma situação cômica, se não fosse trágica: uma estrada que o Ceará pavimentou até a divisa com Pernambuco e o Governo do Estado esqueceu de fazer a sua parte.

Trata-se do trecho entre Araripina, em Pernambuco, e Salitre, no Ceará, no coração do Sertão do Araripe. O Ceará pavimentou toda sua extensão, enquanto Pernambuco nunca sequer fez o projeto de asfaltar apenas 16 km. É uma estrada extremamente importante para a economia da região. Por ela, não apenas o gesso é escoado para o Ceará, mas também grande parte da produção de mandioca. Araripina é um dos municípios de maior produção de farinha do País. E farinha de qualidade, vale a ressalva, que sai dos vastos campos de mandioca.

Mas o Governo de Pernambuco dá pouca importância a isso, diferente do Ceará. Não tem sensibilidade para compreender que a estrada, pavimentada, iria triplicar a exportação de mandioca e de gesso. Mais do que isso, reduzir o sofrimento dos estudantes universitários que saem todos os dias de Salitre em direção às faculdades de Araripina. Depois dos cursos de Direito e Medicina, Araripina está virando um belo e promissor centro universitário.

Mas só o Governo de Pernambuco não sabe disso.

Multados – O governo de São Paulo multou 10 pessoas por não usar máscara na manifestação realizada no último domingo na Avenida Paulista. Entre os autuados estão Ciro Gomes (PDT), o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP). O uso de máscara em locais públicos é obrigatório no Estado de São Paulo. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já foi autuado 7 vezes pelo mesmo motivo. A última, pela participação em ato no 7 de setembro.

Caiu na galhofa – Em um jantar com empresários, o ex-presidente Michel Temer (MDB) foi flagrado gargalhando de uma imitação que satirizava o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no episódio da nota, divulgada na quinta-feira passada, que o emedebista ajudou o chefe do Executivo a escrever para acalmar os ânimos entre os Três Poderes. O encontro foi organizado por Temer e realizado no apartamento do investidor Naji Nahas, em São Paulo. No vídeo que circula pelas redes sociais, é possível ver o humorista André Marinho – filho do político e empresário Paulo Marinho e apresentador do programa “Pânico”, da rádio Jovem Pan – imitando Bolsonaro.

Boa notícia – A pressão da pandemia no sistema de saúde brasileiro, que teve seu auge em março de 2021, caiu em agosto deste ano. Despencaram os casos, internações, intubações e mortes por covid-19. Há receio entre médicos em dizer algo que desestimule a população a seguir medidas protetivas. Contudo, todos os especialistas consultados pela coluna são unânimes: é indiscutível a grande redução de pressão sobre os hospitais. A média móvel de diagnósticos está em 15.571 casos diários, menor patamar desde 21 de maio de 2020.

União das esquerdas – Dez partidos de oposição, do Novo ao PT, vão se reunir, hoje, para tentar organizar manifestações conjuntas e amplas pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Um dos desafios será encher a rua - objetivo não atingido pelo ato de domingo, liderado majoritariamente por ativistas que defendem uma "terceira via", com apoio de parte da esquerda. O outro é vencer resistências de grupos de direita, como o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem Pra Rua. Eles resistem a participar de eventos que também recebam o partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Efeito da energia eólica – As energias alternativas, entre elas a solar, estão mudando o perfil do Sertão do Araripe e fazendo a alegria dos donos de hotéis em Araripina, a capital do gesso. Grande parte dos técnicos e engenheiros que atuam na região ocupa 70% da rede hoteleira, restando apenas 30% da demanda do dia a dia. Tive dificuldades de encontrar hospedagem na cidade quando cheguei ontem, mas o hotel foi uma bela opção. Localiza-se na principal via de acesso à cidade e dispõe de boas acomodações.

CURTAS

DENUNCIADOS – Oito suspeitos de envolvimento em irregularidades em obras na BR-101, no contorno viário do Grande Recife, foram denunciados à Justiça Federal pelo Ministério Público Federal (MPF). Eles teriam praticado peculato (crime cometido por servidor público), corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro. Entre os denunciados estão ex-integrantes da diretoria do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (DER) e sócio e funcionários da construtora contratada para executar e fiscalizar os serviços.

BELO JARDIM – Na festa dos 93 anos de emancipação política, sábado passado, o prefeito de Belo Jardim, Gilvandro Estrela (DEM), cumpriu uma extensa agenda, começando às oito da manhã, com o hasteamento da bandeira, até às 17 horas. Entregou um posto satélite no povoado de Gravatá, calçamento na Vila Nova, uma Unidade Básica de Saúde na Cohab III e assinou, por fim, as ordens de serviço de uma escola, uma quadra e uma praça no bairro Viana & Moura, nas proximidades da BR-232.

NEM SE TOCOU – Quando deputado estadual, o tucano Emanuel Bringel, que governou Araripina também, fez uma homenagem a dona Benigna Arraes, mãe do ex-governador Miguel Arraes, dando seu nome à estrada que liga o município até Salitre, no Ceará. Arraes ignorou. Segundo Bringel, reagiu dizendo que o deputado queria dar prejuízo aos cofres do Estado. Acredite se quiser!

Perguntar não ofende: A reforma administrativa mexe com direitos adquiridos dos servidores federais?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Arnaldo Rodrigues Freitas

Jamais o Ex-Governador, Eduardo Campos faria um comentário deste. Apesar de Bringel merecer a total indiferença em razão das várias traições cometidas a Miguel Arraes, Eduardo e a Frente Popular. Eduardo tinha um sentimento forte de amor a Pernambuco, em especial ao Sertão do Araripe.

Diego da Silva Araújo

Uma correção: Benigna era mãe de Miguel Arraes, não de Eduardo, que era filho de Ana Arraes



14/09


2021

O ouro branco que corrige o solo

Na pandemia, quando o setor gesseiro, por falta de mercado, dispensou mais de três mil trabalhadores no Sertão do Araripe, maior reserva de gipsita do mundo, os produtores da região se salvaram abastecendo o agronegócio do País com o chamado gesso agrícola, essa massa fina e branca triturada nas calcinadoras da região. Eis o tema da primeira reportagem especial que este blog traz amanhã direto de Araripina, a capital do gesso.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


14/09


2021

Lewandowski suspende retomada de investigações sobre Lula

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski suspendeu, hoje, o andamento de duas investigações sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Justiça Federal em Brasília.

Os processos apuram doações da Odebrecht ao instituto Lula e ainda a compra de um terreno para a sede do Instituto e um apartamento em São Bernardo do Campo.

Na prática, o ministro impede que os casos sejam reiniciados depois que o Supremo reconheceu que o então juiz Sergio Moro atuou com parcialidade na condenação do ex-presidente Lula no caso do triplex no Guarujá e anulou condenações.

Com a decisão, na prática, os casos tiveram que ser iniciados do zero.

Lewandowski atendeu a um pedido da defesa do ex-presidente. A decisão vale até que o Supremo decida sobre o requerimento dos advogados para que essas investigações sejam encerradas.

A anulação das condenações de Lula na Lava Jato foi confirmada pelo STF em abril deste ano.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha