FMO janeiro 2020

28/03


2020

Mandetta empareda Bolsonaro na Globo

Por Brasil247

O clima esquentou neste sábado, em Brasília, numa reunião em que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, apresentou cenários possíveis para a doença no Brasil e advertiu Jair Bolsonaro. Segundo relata a jornalista Eliane Cantanhêde, em reportagem publicada no Estado de S. Paulo, Mandetta afirmou  que, se morrerem mil pessoas, será o correspondente à queda de quatro Boeings. Depois, perguntou: “Estamos preparados para o pior cenário, com caminhões do Exército transportando corpos pelas ruas? Com transmissão ao vivo pela internet?”, questionou.

Mandetta fez um apelo para o presidente criar “um ambiente favorável” para um pacto entre União, Estados, municípios e setor privado para todos agirem em conjunto, unificar as regras e medidas e seguir sempre critérios científicos. O ministro também pediu a Bolsonaro para não menosprezar a gravidade da situação nas suas manifestações públicas e, por exemplo, não insistir em ir a um metrô ou um ônibus em São Paulo, como chegou a aventar em entrevista coletiva. Mandetta deixou claro que, se o presidente fizesse isso, seria obrigado a criticá-lo. E Bolsonaro rebateu que, nesse caso, iria demiti-lo, segundo relata a jornalista.

"Mandetta também disse que ele e sua equipe não vão pedir demissão no meio da crise, mas estão prontos a sair depois dela se for o caso. Ele, inclusive, se colocou à disposição para assumir a função de 'bode expiatório', em caso de fracasso, e se comprometeu a não capitalizar politicamente, em caso de sucesso. Disse que não tem ambições políticas nem reivindica nenhuma posição de destaque", aponta ainda a reportagem.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

MANDETTA, um ministro bipolar

Fernandes

Vocês já perceberam que todo trambiqueiro e mau caráter odeia o PT e o Lula!

marcos

Lula é Ladrão.

Fernandes

Esse governo Bozonaro é uma bosta.

marcos

Essa postagem abaixo não é minha, marcos de Camaragibe.


Abreu e Lima

28/03


2020

Brasil: 114 mortes e 3.904 casos confirmados de covid-19

Por Estadão Conteúdo

O Brasil registrou hoje, em atualização da plataforma do Ministério da Saúde, 3.904 casos confirmados da covid-19, transmitida pelo novo coronavírus. O número corresponde a 487 novas confirmações em relação à última atualização de ontem dos dados da pandemia no País, 14% de incremento.

As mortes pela doença chegam a 114, com aumento de 19 casos em relação a ontem. O índice de letalidade está em 2,8%. O horário de fechamento dos números foi às 15h deste sábado, 28.

O País tem infectados em todas as regiões e Estados. São Paulo é a unidade da Federação mais afetada pela doença, com 1.406 casos confirmados. Em seguida, Rio de Janeiro (558), Ceará (314) e o Distrito Federal (260).

Neste sábado, o governo do Distrito Federal, informou, que errou ao divulgar o registro da primeira morte por covid-19 na sexta-feira. Segundo o GDF, a suspeita foi descartada após o teste do homem dar negativo para a doença. Até o momento, nenhuma morte foi registrada na capital do Brasil.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


28/03


2020

Procurador faz alerta duro a prefeitos

Blog do Elielson

O procurador-geral de Justiça do Ministério Público de Pernambuco, Francisco Dirceu Barros, publicou neste sábado, a Recomendação PGJ n.º 16, que dispõe sobre a impossibilidade de que os gestores municipais determinem a reabertura do comércio local ou qualquer outro ato administrativo que vá de encontro à Lei Federal n.º 13.979/2020 e, por consequência, os Decretos Federal n.º 10.282/2020 e Estadual nº 48.809/2020 e suas alterações. Caso os gestores descumpram as medidas sanitárias, principalmente as medidas de quarentena, o município poderá sofrer intervenção estadual. 

“Todos os entes e diversos órgãos estão ensejando tentativas de contenção da pandemia da Covid-19. E, além disso, tem chegado ao conhecimento do Ministério Público de Pernambuco que alguns prefeitos promovem movimentos de flexibilização, ou até mesmo de descumprimento, das normas restritivas emanadas das autoridades sanitárias no âmbito federal e estadual. Assim estamos expedindo essa recomendação, alertando, principalmente, sobre as penalidades que podem decorrer do descumprimento”, disse o procurador-geral de Justiça, Francisco Dirceu Barros, no texto da recomendação. 

Os promotores de Justiça de todo o Estado, principalmente aqueles que têm atuação na defesa do Patrimônio Público, por delegação da Procuradoria-Geral de Justiça, foram orientados a notificar os prefeitos em suas respectivas localidades, sobre o conteúdo da Recomendação exarada. Além de adotar as providências necessárias para que sejam cumpridas em todos municípios do Estado as normas sanitárias federais e estaduais, promovendo, inclusive, medidas administrativas ou judiciais. O promotor de Justiça pode solicitar, inclusive, reparação dos danos materiais, caso seja criado ônus financeiro ao Sistema Único de Saúde (SUS), decorrentes do descumprimento. 

A recomendação foi encaminhada aos promotores de Justiça de todo o Estado e também para a Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) para que seja dada ampla divulgação aos gestores municipais. “O afrouxamento das normas de quarentena impostas pelo Estado de Pernambuco, sem qualquer estudo técnico, poderá colocar em risco o sucesso das ações de enfrentamento da pandemia, vindo a provocar não só a falência do sistema de saúde pernambucano,  como muitas vidas perdidas”, reforçou o PGJ no documento.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

28/03


2020

PE: 5ª morte e 68 casos confirmados de Covid-19

Do G1 - PE

Neste sábado (28), aumentou para cinco o número de mortes de pacientes com o novo coronavírus em Pernambuco. O quinto óbito foi de uma mulher de 69 anos. Ela tinha leucemia e estava em um hospital privado no Recife, onde morreu na sexta-feira (27). O número de casos confirmados da infecção Covid-19 no estado subiu para 68, 11 a mais que o registrado no boletim anterior.

Esse quinto óbito corresponde à primeira mulher que morreu em Pernambuco com o novo coronavírus. Ela "procurou um serviço privado na quarta (25) e foi transferida para outro na quinta (26), onde permaneceu em UTI [Unidade de Terapia Intensiva]", disse a Secretaria Estadual de Saúde em nota.

A faixa etária dos pacientes com a Covid-19 que morreram no estado fica entre 60 e 69 anos (duas mortes), acima de 80 (dois casos), entre 70 e 79 anos (um caso). As mortes anteriores registradas no estado foram de quatro homens idosos:

. Homem de 85 anos que estava internado no Hospital Universitário Oswaldo Cruz, no Centro do Recife
. Homem de 69 anos que morava no Recife
. Turista canadense de 79 anos que estava no navio retido por 14 dias no Porto do Recife
. Homem de 82 anos que morava no bairro do Vasco da Gama, na Zona Norte do Recife

Casos confirmados no estado
Entre os 11 casos a mais de confirmação do novo coronavírus no estado, conforme o boletim divulgado neste sábado (28), estão cinco homens e seis mulheres, na faixa etária dos 30 aos 89 anos.

Os 68 casos confirmados da Covid-19 no estado estão distribuídos em nove municípios pernambucanos: Recife (46 casos), Jaboatão dos Guararapes (5), Olinda (4), Petrolina (2), Camaragibe, São Lourenço da Mata, Belo Jardim, Caruaru e Goiana — todos eles com uma confirmação cada. Fernando de Noronha também tem um caso confirmado da doença. Os cinco casos restantes são de outros países (3) e estados (2).

Cura clínica

Pernambuco conta com nove casos de cura clínica da Covid-19, dois a mais que o boletim divulgado na sexta-feira (27). Uma das nove pacientes curadas do novo coronavírus é a advogada Renata Berenguer, de 30 anos. Ela lembrou que a recomendação de isolamento social precisa ser seguida à risca.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


28/03


2020

Morre Frei Tito após mal súbito

Do JC Online

Neste sábado (28), morreu, aos 79 anos, o Frei Tito Figueiroa de Medeiros. Ele fazia parte da Congregação dos Frades Carmelitas. O religioso estava recluso na casa de amigos, na praia de Gaibu, no Cabo de Santo Agostinho, respeitando as medidas restritivas do Estado devido ao novo coronavírus, quando faleceu.

Após almoçar, Frei Tito teve um mal súbito e foi socorrido, mas não resistiu. O frade tinha um histórico de problemas cardíacos. Em 2019, já tinha sofrido um princípio de infarto e tinha feito cateterismo. Neste ano, passou por procedimentos médicos também e estava se recuperando de uma cirúrgia cardíaca.

Ainda não foram divulgados data e local do velório e do sepultamento.

Sobre o religioso

Frei Tito era doutor em Ciências Humanas e Antropologia pelo Museu Nacional, com pós-doutorado pela Universidade de Brasília (UNB). Também, era membro do GT de Patrimônio da ABA e do Conselho Setorial do Patrimônio Imaterial da Fundarpe. Professor e pesquisador da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o frade dedicou pesquisas sobre Vida Religiosa Urbana, Sincretismo Religioso, Populações Afrobrasileiras e Quilombolas. Frei Tito ainda era escritor, autor de livros como “O Policial Militar: O indivíduo transformado em quase Estado”, e “Frei Caneca: vida e escritos", sendo o último uma de suas obras mais conhecidas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

28/03


2020

"Fomos atingidos por um meteoro", diz Paulo Guedes

Por G1

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse neste sábado (28) que o Brasil foi atingido por um “meteoro” ao comentar o impacto financeiro da pandemia de coronavírus no país. Ele afirmou ainda que pretende anunciar a rolagem das dívidas dos municípios com a União.

Diante do aumento de casos da doença, diversos estados e cidades adotaram medidas, em diferentes graus, para conter o contágio na população, como o fechamento de comércio e empresas.

Em videoconferência realizada por uma corretora de valores, o ministro afirmou que a tramitação das reformas estruturantes, como a tributária e o pacto federativo, já estava acertada com o Legislativo e que a expectativa era de que o trimestre na economia fosse “excepcional”, “quando chegou o coronavírus”.

“Nós fomos atingidos por um meteoro. Isso que aconteceu é um meteoro. Mas nós sabemos sair da formação. Vamos combater o meteoro. E, no ano seguinte, estamos de volta para o trilho das reformas estruturantes de novo. Aliás, nesse ano mesmo. Vamos retomar as estruturantes este ano mesmo”, declarou.

Em outro momento do debate, Guedes disse que se trata do "momento mais difícil da nossa história" e que "não sabemos da amplitude dessa bomba genética que cai sobre nós", mas que o Brasil vai "saber fazer a coisa certa".

Guedes descartou ainda deixar o governo em meio à crise. “Isso é conversa fiada [sobre a minha saída]. Esquece. Esquece. Esquece. Conversa fiada total. O presidente tem confiança no meu trabalho. Eu tenho confiança de que o presidente quer consertar essa parte econômica. Não existe isso de sair. Não tem esse negócio de sair. Como eu vou deixar o país no momento mais grave sabendo que eu tenho condições de ajudar? Estou 24h por dia dedicado a isso”, afirmou.

Dívidas dos municípios

O ministro listou as medidas já tomadas pelo governo no campo econômico para mitigar os efeitos da crise e afirmou que deverá anunciar também a rolagem da dívida dos municípios.

"Não anunciamos ainda, mas vamos fazer os municípios também. Rolamos a dívida dos estados, mas vamos rolar também a dívida dos municípios", afirmou.

No início da semana, o presidente Jair Bolsonaro anunciou que o governo vai implementar um plano de R$ 85,8 bilhões para fortalecer os estados e os municípios no período da pandemia do coronavírus.

Entre as medidas, está a suspensão das dívidas dos estados com a União, que, de acordo com o presidente, vai garantir aos estados R$ 12,6 bilhões a mais em caixa para enfrentamento da crise.

Segundo Guedes, as ações voltadas para reduzir o impacto do coronavírus somarão uma injeção de cerca de R$ 750 bilhões, representando 4,8% do PIB.

"Quando você coloca tudo isso junto [todas as medidas do governo], já passou de 750 bi. Está subindo. Já estamos em 4,8% do PIB. Vai ser realmente um déficit extraordinário, de déficit primário. Não tem problema. Não vamos deixar os brasileiros para trás. Isso vai passar", disse.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

28/03


2020

Ministério da Saúde volta a defender isolamento

Por Estadão Conteúdo

O Ministério da Saúde evitou fazer comentários sobre o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro, que divulgou uma campanha para defender o retorno das pessoas às suas atividades, quando o número de mortes no País chega a 92 pessoas, além de registrar 502 novos casos de contaminação nas últimas 24 horas, chegando a 3.417 pessoas.

"Nós não vamos fazer nenhuma análise do discurso do presidente", disse o secretário executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis. Por outro lado, Gabbardo reforçou a orientação de que as pessoas devem permanecer em isolamento.

"Idosos devem ficam em isolamento. Familiares dessas pessoas devem ficar em isolamento. Todos nós devemos reduzir a circulação para evitar aglomerações. Essas medidas em nada foram modificadas e devem continuar sendo as mesmas", comentou.

Até o momento, os Estados que já registraram mortes pela covid-19 são: São Paulo (68), Rio de Janeiro (10), Pernambuco (4), Ceará (3), Rio Grande do Sul (2), Paraná (2), Amazonas (1) e Goiás (1), Santa Catarina (1).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

28/03


2020

Quarentena: Ernesto publica fatos distorcidas no twitter

Época - Coluna do Guilherme Amado

Um tuíte de Ernesto Araújo para defender o fim do isolamento forçou a barra a ponto de incluir a Espanha no G-20, o grupo de maiores 20 economias do mundo. Mas não foi só. Vamos lá.

Primeiro, eis o tuíte de Araújo.

"Só 6 países do G20 têm hoje confinamento compulsório (quarentena horizontal): África do Sul, Argentina, Espanha, França, Índia, Itália. EUA e Alemanha têm quarentena em certos estados. China suspendeu. Assim, 11 países do grupo não têm ou tiveram quarentena compulsória horizontal".

Fora a inclusão da Espanha, Araújo excluiu a Itália, hoje o país que mais sofre com a pandemia — justamente porque não fez o isolamento na hora certa.

Esqueceu-se do Canadá, em que até o Parlamento foi fechado.

Do Reino Unido, onde o primeiro-ministro está infectado e regulou até que só se pode sair de casa uma vez por dia.

O Japão, um exemplo para todo o mundo no quesito controle do coronavírus, fechou todas as escolas duas semanas antes dos feriados da primavera, no fim de março e cancelou todos os eventos públicos. Por isso, está agora com um isolamento parcial, com restaurantes e lojas abertas. 

A Indonésia tem uma situação semelhante.

A Alemanha desistiu de pedir um isolamento nacional, optando por medidas estritas de distanciamento social, incluindo a proibição de reuniões de mais de duas pessoas, porque a curva de crescimento da doença naquele país de fato estava baixa. Cientistas (lembra deles, ministro?) ainda não sabem com exatidão por que isso está acontecendo.

E a China só evoluiu no controle da pandemia porque isolou a população.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Shopping Aragão

28/03


2020

CNI propõe isolamento vertical na indústria

Por Agência Brasil

Na sexta-feira (27), a Confederação Nacional da Indústria (CNI) encaminhou ao presidente Jair Bolsonaro e aos presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, do Senado Federal, Davi Alcolumbre, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, uma carta em que propõe isolamento vertical na indústria. Dessa maneira, apenas os grupos considerados de risco ficariam isolados para evitar a covid-19.

Segundo a proposta, cerca de 9,4 milhões de trabalhadores industriais deverão fazer exames rápidos a cada 15 dias. “A evolução de casos da covid-19 na Coreia do Sul e na Alemanha demonstra que, se bem executada, essa é uma estratégia eficiente para promover o achatamento da curva de propagação do vírus, preservar vidas e reduzir a pressão sobre o sistema de saúde”, justifica o presidente da entidade Robson Andrade.  “Ao mesmo tempo, facilita a retomada, ainda que gradual das atividades produtivas”, acrescenta.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


28/03


2020

Covid-19: quase 50% dos casos graves estão abaixo dos 60

Por UOL

A campanha do governo federal chama de "raros" os casos fatais do novo coronavírus. Segundo o último levantamento por faixas etárias da população, disponibilizado pelo Ministério da Saúde, mortes de menores de 60 anos representam 10% do total no Brasil. Entretanto, quando se trata de casos graves, jovens e adultos representam quase a metade. 

De acordo com essa análise oficial por faixas etárias, no momento em que o país registrava 59 óbitos, seis vítimas tinham menos de 60 anos — cerca de 10% do total. Dos 391 casos graves, 188 (ou 48%) eram de jovens e adultos. Ontem, o número de óbitos subiu para 92 (2,7% do total de 3.417 casos), mas a pasta do governo não divulgou a divisão por faixas etárias.

"Não é nada raro. Essa coisa de que jovem não vai ter problema [com o vírus] é uma ilusão, não representa a realidade dos nossos hospitais", afirma a infectologista Naihma Fontana, que cuida de uma UTI (unidade de tratamento intensivo) em Sorocaba, no interior paulista. 

Para ela, ao estimular isolamento só de idosos, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) despreza a taxa de mortes e ignora as sequelas deixadas em quem sobrevive a casos graves de coronavírus.

"Nós temos pacientes em estado grave de todas as idades. Tem de 46, 48, 33 anos. Todos entubados, com ventilação mecânica. O vírus não escolhe faixa etária. Claro que morrem mais idosos por causa das complicações, mas os jovens morrem, sim. Ficam em estado grave, sim", afirma Fontana. 

A infectologista entende que o Estado e parte da população têm de parar de tratar o assunto como se fossem números. Diz ainda que não faz sentido o governo desprezar as taxas de mortalidade das vítimas abaixo de 60 anos.

"Falam que 2% é letalidade baixa, mas e se for seu pai, sua mãe, seu filho? Aí não representa 2%, representa 100%! As pessoas têm de ter consciência", avalia a médica.

A médica sanitarista Sylvana Medeiros também diz não entender o objetivo da campanha. Para ela, focar apenas em idosos não faz sentido, quando se trata de controlar uma epidemia. 

"As crianças adoecem menos, mas adoecem também. O que fazer com as crianças que têm problemas crônicos? Isolá-las? E os jovens? Se a gente não quer dispor a nossa população ao risco, tem de pensar em várias frentes, de forma ampla — não falar em isolar só idoso, porque jovem, teoricamente, morre pouco", afirma Medeiros.

Confira a íntegra aqui: Coronavírus: Quase 50% dos casos graves no ... - UOL Notícias


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


28/03


2020

Fim da feira livre e ajuda a feirantes

Após suspensão da Feira Livre em cumprimento ao decreto do Governo do Estado que proíbe aglomeração a partir de 10 pessoas, o prefeito de Ipubi, Chico Siqueira, anunciou uma ajuda de custo no valor de R$ 200,00 para todos os feirantes que comercializem alimentos perecíveis e hortifrutigranjeiros. 

Várias cidades do Sertão do Araripe já suspenderam as feiras livres, com objetivo de conter à propagação do coronavírus, mas Ipubi é o único município da região a ofertar o benefício para minimizar o impacto econômico causado pela crise. 

Já na próxima segunda-feira,  15 mil máscaras serão distribuídas com a população de risco. Outra medida importante foi a aquisição de 30 testes para os pacientes que estivem com os sintomas do coronavírus. Uma ação conjunta entre Secretarias de Saúde e Desenvolvimento Social. 

As medidas têm como principal foco a prevenção da saúde de todos os ipubienses. Chico acredita que, em poucos dias,  com a população tendo consciência das medidas de proteção e com a redução dos casos suspeitos, o comércio local reabrirá as portas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


28/03


2020

O discurso é um, a prática é outra

O prefeito do Recife, Geraldo Júlio (PSB), enche o peito para propagar a tese do isolamento na pandemia do coronavirus, mas entre o que diz e que faz na cidade que administra vai uma distância muito grande. Confira nos dois vídeos


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


28/03


2020

Deputado-pastor Eurico está com corona

O deputado federal e presidente estadual do Patriota em Pernambuco, Pastor Eurico, confirmou ao Blog do radialista Alberes Xavier, de Santa Cruz do Capibaribe, que testou positivo para o COVID-19, o vírus disseminador da enfermidade coronavirus, que ameaça o mundo de morte.

Ele é pastor da Assembleia de Deus de Pernambuco, exerce o seu terceiro mandato na Câmara Federal. Tem 57 anos e apresenta sintomas como febre, calafrios e  tosse. Não é caso de internação. 

Encontra-se em quarentena em casa. Sua esposa Irmã Lígia também aguarda resultados de exames para confirmar se foi infectada com o vírus.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


28/03


2020

TRF2 derruba decisão de prisão domiciliar para doleiro

Por Agência Brasil

O desembargador federal Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal – 2ª Região (TRF2), determinou ontem o retorno do doleiro Dario Messer para a prisão. A decisão é liminar e foi proferida em mandado de segurança apresentado pelo Ministério Público Federal (MPF) contra decisão da primeira instância que havia concedido prisão domiciliar ao chamado “doleiro dos doleiros”. O mérito do mandado de segurança ainda deverá ser julgado pela Primeira Turma Especializada do TRF2, em data a ser definida.

Messer permanecia custodiado no Complexo Penitenciário de Bangu 8, na zona oeste do Rio, acusado de evasão de divisas e lavagem de dinheiro que somariam cerca de R$ 1,6 bilhão e US$ 30 milhões. Ele teve a prisão decretada em maio de 2018, juntamente com outros investigados na Operação Câmbio, Desligo – desdobramento da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, mas permaneceu foragido até ser capturado em julho de 2019, em São Paulo.

O doleiro também é réu no processo da Operação Patrón, que igualmente apura crimes de lavagem de dinheiro.

Na quinta-feira, (26), a primeira instância da Justiça Federal do Rio concedeu a prisão domiciliar para Messer por “questão humanitária e de saúde pública”, já que ele é idoso e hipertenso, estando no grupo de risco para infecção pelo vírus covid-19. A decisão de primeiro grau foi tomada depois que o relator do processo no Supremo Tribunal Federal (STF) negou pedido de habeas corpus e determinou que o juízo reavaliasse a situação carcerária do réu, diante da pandemia do novo coronavírus.

Na  decisão, Abel Gomes entendeu que “não há absolutamente nenhuma dúvida acerca da presença dos pressupostos autorizadores da prisão preventiva em face de Dario Messer, tanto no que toca aos fatos deduzidos nos autos relativos à Operação Câmbio, Desligo quanto à Operação Patrón”.

O desembargador escreveu na decisão, que  “o risco de fuga do acusado, que tem capacidade logística e financeira para isso, e que  para se manter foragido, ele teria utilizado vários expedientes como identidade falsa e mudanças na aparência, mais magro, de barba e com cabelo pintado”. Ele lembrou ainda na decisão lembrou “quanto ao perigo, quase certeza de fuga, fala o fato de Dario Messer possuir cidadania paraguaia, onde também logrou  manter-se  foragido por considerável período, sendo certo que não há ainda notícia de endereço fixo no Brasil”, avaliou o magistrado.

Abel Gomes também destacou os documentos juntados pelo MPF, dando conta de que em Bangu 8 não há superlotação, que o presídio tem capacidade de realizar  isolamento de internos e que resolução conjunta das Secretarias de Saúde e do Sistema Penitenciário do Estado do Rio de Janeiro prevê plano de contingência, incluindo medidas de separação em casos suspeitos para covid-19, controle higiênico e sanitário e previsão de transferência de presos: “Emblemático, nos documentos juntados pelo MPF, que há no local 70 presos, sendo que lá existe capacidade para comportar 146  internos em custódia”, esclareceu o desembargador.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


28/03


2020

Estados e municípios cobram da Saúde respiradores

Por Estadão Conteúdo

Com dificuldade para encontrar respiradores, Estados e municípios pedem para o governo federal ir ao mercado e centralizar a aquisição do produto essencial para o tratamento de casos graves da covid-19.

A pasta abriu na quinta-feira, 26, edital para compra dos primeiros 15 mil produtos deste tipo, mas fornecedores já avisaram que não têm estoque para entrega imediata.

A ideia dos gestores do SUS é evitar um leilão entre Estados e municípios pelas compras de respiradores, o que só beneficiaria empresas fornecedoras. O governo federal quer ainda ter o controle das vendas para impedir que os equipamentos sejam distribuídos de forma desigual.

Secretários estaduais e municipais cobraram o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM) pela distribuição dos produtos. Em reunião realizada na quinta-feira, 26, eles argumentam que o Ministério da Saúde tem maior poder de compra e deve aproveitar para tentar baixar preços no mercado.

A ideia dos gestores do SUS não é proibir que um Estado busque os próprios produtos, segundo pessoas presentes na reunião. O governo federal tem dito que exige ser informado sobre as aquisições, para evitar que um Estado acumule equipamentos, enquanto outro local, com mais casos, está desassistido.

Segundo dados do governo, há cerca de 65 mil respiradores no País. Estão fora de uso 5,6% do total. O Sudeste concentra 33 mil unidades.

Em edital lançado na quinta, o governo busca 15 mil ventiladores pulmonares microprocessados com capacidade de ventilar pacientes adultos. A pasta chegou a elaborar uma versão prévia da licitação prevendo a compra de outros 15 mil respiradores do tipo “eletrônico portátil”, mas a versão final foi modificada.

A corrida para aquisição de respiradores, essenciais para o tratamento de casos graves da covid-19, criou uma disputa entre o governo federal, Estados e municípios. Hospitais da rede privada também reclamam que ordens desencontradas para recolhimento de produtos ameaçam inviabilizar o atendimento de pacientes, além de expor equipes de saúde à contaminação por falta de insumos.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), também reclama sobre o confisco de respiradores. Em videoconferência com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, na quarta, Doria prometeu ir à Justiça para evitar bloqueio de produtos. “Não faz nenhum sentido confiscar equipamentos e insumos. Se essa questão for mantida, tomaremos medidas necessárias no ramo judicial.”

Em resposta a Doria, o ministro Mandetta defendeu compras centralizadas pelo governo federal. “No momento que temos um encurtamento de respiradores, fizemos o movimento para centralizar e para poder descentralizar de acordo com a epidemia”, disse. Segundo o ministro, além de importações, a ideia é que quatro fábricas no Brasil produzam até 400 respiradores por semana. “Vamos conseguir assim abastecer todos os Estados. Não adianta cada local querer montar todos os aparelhos esperando casos. A gente vai mandando de acordo com a realidade de cada caso.”


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


28/03


2020

Um alerta a Bolsonaro

Opinião

Beto Rabello

Advogado, secretário de Relações Internacionais da Prefeitura do Recife

Conforme noticiários do governo federal, diários na imprensa escrita, televisionada e nas redes sociais, estão sendo liberados bilhões de reais, através do banco BNDES, que serão destinados para “ajudar “ as pessoas físicas e pessoas jurídicas de pequeno porte, MEI, empresa individual, microempresas, entre outras.
Os bancos que serão intermediários desses volumosos valores são exatamente aqueles que se negam a “emprestar “ aos pequenos empresários, ou seja, Itaú, Bradesco e o Santander. Todos bancos privados e que abocanham mais de 80% do mercado financeiro nacional. São exatamente eles que continuam cobrando 14% de juros (mora), no cheque especial e nos financiamentos de capital de giro, de veículos e habitacional. Extorquindo aqueles que mais precisam. Debitam taxas exorbitantes em conta corrente, sem autorização do correntista e para fazer qualquer operação bancária, (empréstimos) “obrigam” diretamente o cliente a aceitar venda casada de seguros ou consórcios. Se o cliente não “ajudar” seu gerente a bater cotas, simplesmente tem seus pleitos negados.

A liberação desses bilhões de reais, através do BNDES, são para salvar empregos, e os pequenos empresários, que não têm capital financeiro para honrar seus compromissos, como salários, aluguéis, energia, impostos e outros. Porém, esses bancos, Itaú, Bradesco e Santander, vêm se negando a emprestar ou refinanciar valores a quem tem limite de cheque especial em mora, prestação de financiamento de veículos, cartão de crédito ou imóveis atrasados. Basta apenas uma parcela! Se você procurar seu gerente para conseguir um empréstimo para pagar seus débitos, eles não aceitam afirmando que você está no Serasa. Porém, foi o banco mesmo que te colocou lá. Condicionando os empréstimos a quem estiver em dia. Como esses bancos vão receber  essa linha de crédito do governo federal através do BNDES e repassar para esses microempresários  que têm restrição em bancos de informação de proteção ao crédito? Basta apenas ter uma conta de telefone atrasada e constar no SPC que seu crédito será negado.

Sr. Presidente, estamos passando por uma calamidade pública, as empresas estão fechadas e os pequenos empresários não têm dinheiro guardado, trabalham diuturnamente para pagar seus funcionários e suas despesas pessoais, a maioria endividados no setor financeiro.

Esses bancos vão pegar bilhões de reais do BNDES com juros baixos e repassar para os grandes empresários que já movimentam milhões nestas instituições privadas.

São justamente os grandes empresários ou conglomerados que são os maiores beneficiados com milhões em capital de giro dessas instituições.

Nenhum dos maiores empresários deste país vai vender qualquer bem móvel ou imóvel de sua propriedade para pagar seus funcionários. Aproveitam a situação de pânico daqueles que estão vulneráveis, usando desse ardil para pegar mais milhões e milhões dos bancos públicos. Ao contrário dos pequenos empreendedores, que fecharão suas portas e ficarão desempregados, aumentando o caos social!

É preciso que V.Exa. interfira junto a essas instituições privadas, para que elas atendam os pequenos empreendedores, não vinculando obrigações passadas. Trata-se de uma calamidade pública e as famílias estão necessitando, mais do que nunca, da intervenção do estado! Os bancos exigem que o pequeno empresário tenha no mínimo um ano de conta corrente para ter direito a crédito. O CNPJ desses pequenos empreendedores tem que ter no mínimo dois anos, ou seja, se você tiver uma empresa há exatamente um ano e onze meses trabalhando honestamente, não é digno de crédito! Presidente, interfira e acabe com essa metodologia criada pelos bancos para tomar dos pequenos e dar para os grandes. Robin Hood fazia ao contrário!

Diario de Pernambuco


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


28/03


2020

Forças armadas venezuelanas ratificam apoio a Maduro

Por AFP

As forças armadas da Venezuelana reiteraram seu apoio ao presidente Nicolás Maduro ontem depois que os Estados Unidos o acusaram de crimes de narcotráfico e ofereceram 15 milhões de dólares por sua captura.

“A Força Armada Nacional Bolivariana rejeita categoricamente as acusações extravagantes e extremas” contra Maduro, segundo comunicado lido pelo almirante Remigio Ceballos, chefe do comando operacional estratégico militar.

A nota vincula o processo aberto no sistema de justiça americano a um suposto plano para assassinar Maduro e várias figuras de poder na Venezuela e que, segundo o governo do país sul-americano, foi orquestrado da Colômbia com o apoio da Casa Branca.

“Este ataque surge logo após a revelação de um plano de ações violentas a partir do território colombiano, cujos objetivos seriam autoridades reconhecidas em nosso país”, indicou o comunicado.

Os militares estão entre os pilares mais poderosos que mantêm Maduro no poder, que lhes concedeu ampla participação em áreas estratégicas do país, como o setor de petróleo.

O presidente e várias figuras do governo, como o ministro da Defesa, general Vladimir Padrino, são acusados por Washington de “inundar” os Estados Unidos com cocaína colombiana.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


28/03


2020

Quase 50% dos casos graves no Brasil estão abaixo dos 60 anos

A campanha do governo federal chama de "raros" os casos fatais do novo coronavírus. Segundo o último levantamento por faixas etárias da população, disponibilizado pelo Ministério da Saúde, mortes de menores de 60 anos representam 10% do total no Brasil. Entretanto, quando se trata de casos graves, jovens e adultos representam quase a metade. De acordo com essa análise oficial por faixas etárias, no momento em que o país registrava 59 óbitos, seis vítimas tinham menos de 60 anos — cerca de 10% do total. Dos 391 casos graves, 188 (ou 48%) eram de jovens e adultos. Ontem, o número de óbitos subiu para 92 (2,7% do total de 3.417 casos), mas a pasta do governo não divulgoua divisão por faixas etárias.

"Não é nada raro. Essa coisa de que jovem não vai ter problema [com o vírus] é uma ilusão, não representa a realidade dos nossos hospitais", afirma a infectologista Naihma Fontana, que cuida de uma UTI (unidade de tratamento intensivo) em Sorocaba, no interior paulista. Para ela, ao estimular isolamento só de idosos, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) despreza a taxa de mortes e ignora as sequelas deixadas em quem sobrevive a casos graves de coronavírus.

"Nós temos pacientes em estado grave de todas as idades. Tem de 46, 48, 33 anos. Todos entubados, com ventilação mecânica. O vírus não escolhe faixa etária. Claro que morrem mais idosos por causa das complicações, mas os jovens morrem, sim. Ficam em estado grave, sim", afirma Fontana. A infectologista entende que o Estado e parte da população têm de parar de tratar o assunto como se fossem números. Diz ainda que não faz sentido o governo desprezar as taxas de mortalidade das vítimas abaixo de 60 anos. "Falam que 2% é letalidade baixa, mas e se for seu pai, sua mãe, seu filho? Aí não representa 2%, representa 100%! As pessoas têm de ter consciência", avalia a médica.

UOL


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha