FMO - Previnir é a melhor forma de lutar

23/10


2021

Kajuru diz que líder de Bolsonaro ofertou R$ 100 mi em emendas

O senador Jorge Kajuru (Podemos-GO) acusou o senador Eduardo Gomes (MDB-TO), líder do governo no Congresso, de oferecer, em uma suposta conversa informal, R$ 100 milhões em emendas parlamentares, para ele deixar de ser crítico em relação ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). As declarações do parlamentar foram dadas à revista Crusoé.

Kajuru disse à revista que a suposta declaração de Gomes teria ocorrido para o seu assessor de orçamento. Apesar das afirmações, o senador do Podemos não apresentou provas das acusações. Em nota enviada ao UOL, o líder do governo disse que não enviou recados a Kajuru via assessoria.

"Agora, eu te digo que o meu assessor de orçamento ouviu da boca do senador Eduardo Gomes (líder do governo no Congresso), de quem eu gosto, e que é muito educado, o seguinte: 'O Kajuru podia ter 100 milhões (de reais) em emendas. Fala para o Kajuru mudar, não bater no governo desse jeito'", disse Kajuru.

Em nota, a assessoria de Eduardo Gomes afirmou que ele "respeita o senador Kajuru por suas posições e sua história, tendo sempre mantido com ele diálogo republicano de alto nível, de maneira direta, sem precisar enviar recados via assessoria. Todas às vezes que o senador Kajuru votou com o governo, o fez por convicção", declarou o senador.

Já Kajuru relatou que, ao ser informado da suposta oferta, foi conversar com Gomes e falou: "Vou fingir que você não falou isso porque, se tivesse falado comigo, eu teria gravado e colocado no ar".

Segundo o senador do Podemos, ele mesmo tem verbas oficiais e legais que totalizam R$ 27 milhões e qualquer quantia acima é preciso explicar à sociedade como o parlamentar conseguiu essa verba. Ele ainda questionou como há parlamentares que conseguem valores muito altos em emendas.

"Como é que tem senador que conseguiu 150 milhões para o Rio Grande do Sul, como o [Luis Carlos] Heinze? Como tem senador que conseguiu 200 milhões para o Amapá, como o Davi [Alcolumbre]? Isso tudo tinha que ser absolutamente esclarecido. Isso tudo o presidente sabe. Aí está a responsabilidade dele, grave, de ter comandado tudo. Não tem desculpa."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jaboatão - Mutirão de Vacinação

23/10


2021

ANP: gasolina, diesel e gás tiveram nova alta de preços

O valor médio cobrado pela gasolina, pelo diesel e pelo botijão de gás subiu nesta semana. Dados divulgados pela ANP (Agência Nacional do Petróleo), ontem (22), mostram que a gasolina é vendida a até R$ 7,46 na semana atual —de 17 a 23 de outubro— no Sul do país. Já o gás de cozinha pode ser encontrado a até R$ 135,00 em vários Estados. As informações são do Poder360.

O preço médio do litro da gasolina comum no país foi de R$ 6,32 na semana anterior para R$ 6,36 nesta semana, com aumento de 0,61%. No ano, a alta acumulada é de 41,96%.

O valor mais alto foi identificado no Rio Grande do Sul, onde o combustível está sendo vendido por até R$ 7,46, segundo pesquisa semanal da ANP. Na sequência, no topo da lista, estão: Rio de Janeiro (R$ 7,39) e Piauí (R$ 7,15).

Já o diesel subiu 0,26% em relação à semana anterior, passando de R$ 4,97 para R$ 4,98, de acordo com a ANP. A alta no ano está em 38,18%. O botijão de gás de 13kg saltou de R$ 100,44 na semana passada para R$ 101,96. A alta foi de 1,51%. No ano, o avanço chega a 36,4%.

Uma manifestação de caminhoneiros contra o aumento dos preços e o risco de desabastecimento fez com que postos de Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo ficassem sem combustíveis. Em entrevista a jornalistas ontem, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já havia avisado sobre a alta dos preços.

Esta foi a 12ª semana consecutiva de altas e estabilidade nos preços dos combustíveis. Especialistas do setor avisam sobre a possibilidade de novos reajustes para cima por conta da alta do dólar e do aumento do preço do barril no mercado internacional.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cabo - Pavimentação e Drenagem

23/10


2021

Temer: Bolsonaro errou ao não assumir controle da pandemia

Em entrevista ao UOL, ontem, o ex-presidente Michel Temer (MDB) disse que o erro do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na condução da pandemia foi não ter assumido o controle. Para o ex-presidente, se tivesse feito isso, Bolsonaro "teria virado líder nacional" e estaria em posição mais "confortável com reeleição".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Graças a Deus, se não tinha morrido mais de 2 milhões de brasileiros, desde quando esse Genocida teve apego aos mortos. Isso é um MENTIROSO Genocida Inválido.


Petrolina setembro 2

23/10


2021

Sinpol pede interdição da Delegacia de Boa Viagem

O Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco) protocolou no Ministério Público do Trabalho (MPT), no último dia 15, um pedido de interdição da Delegacia de Boa Viagem, Zona Sul do Recife. De acordo com o sindicato, a solicitação foi feita devido "às condições precárias para o funcionamento, com o ambiente totalmente insalubre". 

"Entre as irregularidades, foram constatadas as seguintes: objetos inservíveis amontoados em locais indevidos, como nas áreas de circulação e até mesmo no alojamento; materiais apreendidos armazenados em local destinado à circulação dos Policiais Civis; inúmeras infiltrações e vários pontos de mofo; gambiarras; alojamento com condicionador de ar quebrado; materiais armazenados em sala transformada em depósito, em quantidade que inviabiliza até mesmo a entrada de servidores e  bebedouro quebrado", informa o Sinpol.

Segundo a instituição que representa os policiais civis, vários ambientes internos da referida delegacia estão tomados por materiais apreendidos, como motos, e há um grande acúmulo de entulhos, como colchões e cadeiras quebradas. O Sinpol também afirma que, para realizar uma faxina, os servidores da Delegacia fizeram uma vaquinha para contratação de pessoal.

“O Comitê Gestor do Pacto Pela Vida havia definido como uma de suas principais metas o 'aumento da capacidade de investigação de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI)' no Estado. Passados mais de 11 (onze) anos do início do aludido programa governamental, a situação dos policiais civis no interior do Estado e na Região Metropolitana do Recife (RMR) continua a mesma: ausência de mínimas condições de conduzir uma investigação criminal criteriosa e acurada por não dispor de instrumentos, viaturas e efetivo”, reclama o presidente do Sinpol, Rafael Cavalcanti.
 

As condições de insalubridade violam as normas do Código Sanitário de Pernambuco, o Decreto Estadual nº 20.786, de 10 de agosto de 1998, que protege a saúde do trabalhador de situações insalubres. Por isso, o Sinpol encaminhou um ofício ao MPT em caráter emergencial.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/10


2021

CNM: 95% das cidades aplicam doses de reforço

Cerca de 95% dos Municípios brasileiros já iniciaram a aplicação da dose de reforço em idosos e profissionais de saúde. Os que ainda não deram início, quase todos já estão organizados para começar essa imunização. Os dados constam da 29ª edição da pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), que ouviu 1.855 gestores municipais entre os dias 18 e 21 de outubro.

A pesquisa também aponta que um em cada quatro Municípios ficou sem imunizantes nesta semana. Desses, 67,4% informaram que foi impactada a aplicação da primeira dose, sendo a Pfizer a principal vacina em falta. Destaca-se que apenas esse imunizante pode ser aplicado em adolescentes entre 12 e 17 anos no Brasil, faixa etária que está sendo vacinada em quase 100% dos Municípios. Apenas 3,8% vacinam pessoas entre 18 e 24 anos.

Já para a aplicação da segunda dose, relatada por 43,8% dos respondentes que alegaram insuficiência de imunizantes, a vacina Astrazeneca foi a que mais faltou nos postos de saúde, sendo apontada por 91,3% dos gestores que responderam essa questão.

Passaporte da vacina e eventos

Pelo menos 249 prefeituras (13,4%) já editaram decreto para exigir o chamado passaporte da vacina para frequentar lugares coletivos públicos. Nesta semana, a CNM também perguntou se os eventos públicos e privados já estão liberados: 73,3% afirmaram que sim e 23,2% que ainda não. Dos que já liberaram a realização de eventos, as celebrações religiosas estão entre as que mais foram permitidas (92,5%); seguido de eventos culturais e shows comerciais (75,6%); eventos ligados à rede de educação (66,6%); feiras comerciais (66,4%); e jogos esportivos com plateia (64,7%).

Para esses eventos, 89,7% dos Municípios afirmaram que realizam fiscalização quanto às medidas de prevenção contra a Covid-19. Segundo os gestores, as medidas que vêm sendo adotadas são: redução da capacidade de lotação do local (93,4%); limite de horário (56,4%); obrigatoriedade de vacinação completa (38,8%); e apresentação de teste de Covid-19 negativo (23,1%). Segundo 96,2% dos gestores, o Município segue os protocolos estaduais em relação à liberação de eventos e 76,7% utilizam protocolos locais em complementação aos estaduais.

Quase a totalidade dos Municípios mantém a obrigatoriedade do uso de máscaras em ambientes coletivos privados (98,2%) e públicos (97,4%). Pelo menos 61% dos Municípios devem manter a exigência mesmo com a vacinação de toda a população local. Já 34,9% informaram que a questão ainda está em definição e apenas 2,8% apontaram que não devem manter a obrigatoriedade. Medidas restritivas de circulação de pessoas e atividades econômicas ainda vêm sendo adotadas por 39,2% dos Municípios, menor percentual já apresentado na pesquisa.

Novos casos e óbitos

Uma notícia boa foi apontada na pesquisa desta semana: 1.429 Municípios, ou 77% dos respondentes, não registraram óbitos pela doença. Apenas 5,1% registraram aumento; 9% estabilidade e 7,4% queda. Em relação aos novos casos, 539 (29,1%) não tiveram registros de Covid-19 nesta semana. Em 27,2% houve estabilidade nos números, em 23,9% diminuição; e 18,7% aumento. Sobre a variante Delta, 17,9% dos gestores alegaram que já houve registro da cepa no Município e 78,2% afirmaram que não.

O número de internações pela doença também mostra um cenário positivo: 1.160 (62,5%) não registraram pacientes pela doença. Outros 14,9% apresentaram queda; 13,8% estabilidade; e 6,6% aumento. Diante desse contexto, 31,2% dos Municípios respondentes fecharam leitos de UTI destinados ao tratamento da doença nos últimos 60 dias. Já 52,9% afirmaram que não houve fechamentos.

Retorno às aulas presenciais

As aulas presenciais já retornaram em 87,5% dos Municípios. Dentre os demais, 5,6% afirmaram que têm data definida e 4,7% que não haverá aulas presenciais neste ano. O formato híbrido está sendo adotado por 62,6% dos Municípios. Já 36% afirmaram que as escolas municipais estão com aulas 100% presenciais em todas as etapas de ensino.

A Confederação perguntou aos gestores como está sendo realizada a distribuição da merenda escolar no Município. De acordo com 38,3% dos gestores, a merenda continua sendo entregue aos alunos no ensino remoto; e 66,7% apontaram que está sendo oferecida nas escolas. Em algumas cidades, nas quais há o ensino híbrido, ocorrem as duas formas de distribuição da merenda.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Sindicontas

23/10


2021

Pega, mata e come

Por Marcelo Tognozzi*

Sergio Regina era um homem com talento e paciência especiais para ensinar a molecada de 12, 13, 14 anos no Colégio Rio de Janeiro dos anos 1970.

Regina era admirado pela galerinha como faixa preta de judô e por fazer a gente gostar de literatura com livros superinteressantes como “Os Meninos da Rua Paulo”, do húngaro Ferenc Molnár, “As Aventuras de Tom Sawyer”, de Mark Twain, ou “Capitães da Areia”, de Jorge Amado. As aulas dele eram simplesmente imperdíveis. Mesmo quando ensinava gramática, análise sintática ou nos obrigava a mergulhar nas conjugações verbais, pretéritas, futuras, perfeitas e imperfeitas. Acima de tudo, sujeito com muitos predicados.

Já vão mais de 50 anos desde que li pela primeira vez “Capitães da Areia”, o livro de Jorge Amado sobre os meninos de rua de Salvador. Aquilo me marcou imensamente, porque crianças vivendo na rua era realidade cotidiana naquele meu Rio de Janeiro ainda cheio de Bossa Nova, Cinema Novo, Banda de Ipanema e mulatas do Sargentelli. No ano de 1937, quando o livro foi publicado, esta realidade também era parte do cotidiano da cidade de Salvador.

Já se vão 84 anos. De lá para cá, a China trocou a pobreza pela prosperidade, a Europa se reergueu de uma guerra que matou mais de 70 milhões, a Coréia entrou para o clube dos ricos e o Japão floresceu depois de lavar as feridas de um ataque nuclear.

Em todos estes lugares a pobreza deixou de ser um passivo. Menos no Brasil. Pessoas continuam nascendo, crescendo e morrendo nas ruas das grandes cidades faz tempo, quase 200 anos. No início, eram somente loucos e mendigos, depois vieram os escravos libertos, soldados voltando de guerras como a do Paraguai ou de Canudos, sem dinheiro para alugar uma vaga num dos cortiços do Centro do Rio.

Os que voltaram de Canudos foram morar no Morro da Favela, nome dum arbusto espinhento típico do sertão, perto da Central do Brasil. Ali nasceu a primeira de muitas favelas. Na Bahia aconteceu o mesmo, especialmente com os escravos libertos e abandonados à própria sorte por uma sociedade que se negou sistematicamente a incluí-los.

Nos Estados Unidos, apesar do racismo ostensivo, o mercado falou mais alto quando, depois da Guerra de Secessão, os Estados do Sul criaram escolas para negros, como uma forma de inseri-los na sociedade de consumo que dava seus primeiros passos. Hoje muitos criticam estas escolas, dizendo que foram concebidas para “branquear” os negros, mas a universalização da educação básica funcionou. Acabou o analfabetismo.

Hoje, 13,6 milhões de brasileiros vivem em favelas. No ano passado, uma reportagem da EBC, agência de noticias do governo federal, informou que a economia favelada gira incríveis R$ 119,8 bilhões por ano.

No início do mês surgiu a notícia da prisão de uma mulher que cresceu nas ruas e hoje é mãe de 5 filhos. Ela furtara de um supermercado 2 refrigerantes, 2 pacotes de miojo e 1 de suco em pó. Conta de R$ 21. Ré confessa, roubou porque tinha fome. Mofou duas semanas na cadeia (ali pelo menos havia almoço e janta grátis) por obra e graça da Justiça de São Paulo, até ser libertada pela caneta de um juiz do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A pandemia empobreceu ainda mais os brasileiros e expôs esta miséria mais que centenária, eterna, incrustrada nas grandes cidades.

No Rio e São Paulo, pessoas ocupam calçadas, acampam, improvisam cubículos de papelão, vivem da caridade alheia. Numa época de pandemia, esta situação de famílias amontoadas pelas ruas é um risco, uma mistura de pobreza e desamparo com saúde pública precária. Pessoas sem poder tomar banho, fazer higiene pessoal, dias e dias com a mesma roupa, mal alimentadas e com o sistema imunológico debilitado, são vetor natural de doenças num país onde o direito à saúde está previsto no artigo 196 da Constituição.

Gerações de pessoas vivendo nas ruas nunca deveria ser vista como uma coisa normal, muito menos tolerada pela sociedade de um país capaz de produzir comida para 1,5 bilhão de seres humanos. A miséria é hoje o maior passivo do Brasil. Num mundo onde o meio ambiente, a sustentabilidade e a governança, a famosa sigla ESG, ditam o comportamento das sociedades mais ricas e desenvolvidas, um país repleto de miseráveis que roubam para matar a fome não tem a menor chance chegar lá.

Cuidar das pessoas significa cuidar do planeta. A sociedade é quem escolhe e paga o preço. E até aqui temos pagado caro pelas piores escolhas.

Nossa sociedade tem a cultura do atalho. Nos anos 1960 escolheu a ditadura como melhor remédio para acabar com a corrupção e construir um país forte. Não deu certo. Nos anos 1980, o atalho era acabar com a inflação cortando zeros e o que era 1.000 passou a ser 1. Também não deu certo.

O Estado do compadrio e do patrimonialismo emperra soluções que poderiam ser simples. Um dos maiores exemplos é a proibição do jogo, feita pelo ex-presidente Dutra, em 1946, via decreto-lei. Bastava revogar e o assunto estava resolvido, mas foram criando tantas complicações que, agora, será preciso uma senhora lei para legalizar aquilo que a sociedade faz escondido há 75 anos.

No Brasil dos Capitães da Areia continua em pleno vigor a lei do “Carcará” de João do Vale, que Maria Bethânia deixa ainda mais voraz quando diz: “Em 1950 mais de 2 milhões de nordestinos viviam fora dos seus estados natais. 10% da população do Ceará emigrou. 13% do Piauí! 15% da Bahia!! 17% de Alagoas!” Foi em 1950, moço, há 71 anos. O Brasil está diante do impasse: ou se livra da miséria ou será engolido por ela. Igual na música: pega, mata e come.

*Jornalista. Texto publicado originalmente no Poder360.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Agora temos uma Praga, Morte e Fome!


Ipojuca - Outubro

23/10


2021

PSD lança Pacheco candidato à Presidência

Poder360

Prestes a se filiar ao PSD, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), foi lançado candidato a presidente pelo chefe da sigla, Gilberto Kassab. O prefeito do Rio, Eduardo Paes, também endossou o nome do mineiro.

“Rodrigo mostrou que tem talento e sabedoria para a vida pública. Se Deus quiser ele é o próximo presidente do Brasil. O PSD está pronto para abraçar suas propostas“, disse Kassab.

O ato foi o 1º encontro da legenda desde que o diretório estadual do Rio passou para as mãos do prefeito da capital, Eduardo Paes. “Vou votar no capeta ou no coisa ruim? Não dá. A política precisa mostrar alternativas. Você está sendo convocado a disputar a Presidência da Republica pelo PSD“, disse.

Pacheco foi o último a falar e discursou por 17 minutos. Não disse se aceitava o convite para sair candidato. Mas apresentou os pilares do discurso que deve adotar na campanha, caso abrace a disputa no ano que vem.

Pacheco disse que o Brasil precisa ser governado sob três sentimentos: união, respeito e responsabilidade.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Caruaru - Transparência em 1° Lugar

23/10


2021

Demonstração de Foguetes

Da coluna de João Alberto

O general Richard Fernandez Nunes, comandante militar do Nordeste, recebe convidados terça-feira, às 10h, para a demonstração de Tiro de Lançadores Multiplos de Foguetes, no Campo de Instrução Marechal Newton Cavalcanti, em Paudalho, dentro da Operação Guararapes 2021. Será a primeira vez que a demonstração acontecerá fora do Rio de Janeiro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

23/10


2021

Terça Livre anuncia fim das atividades

A página Terça Livre divulgou, ontem, o encerramento das atividades. Um dos criadores do blog, Italo Lorenzon fez uma publicação no Twitter para falar sobre o desfecho.

O blogueiro Allan dos Santos, dono do canal, está sendo investigado por disseminação de fake news e organização e financiamento de atos antidemocráticos. Ele está morando nos Estados Unidos.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decretou a prisão preventiva do blogueiro, além de solicitar ao Ministério da Justiça que dê início imediato ao processo de extradição de Allan, que está com o visto americano vencido.

Na sentença, Moraes determina que a Polícia Federal inclua o mandado de prisão na lista da Difusão Vermelha da Interpol para que Allan dos Santos seja preso e deportado para o Brasil. A Embaixada dos Estados Unidos também foi acionada.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Joao

Agora cadeia!


Pousada da Paixão

23/10


2021

Ciro Gomes aposta no verde e amarelo


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

SESC Outubro 2021

23/10


2021

Ministros do Turismo do Mercosul aprovam divulgação conjunta

Unificação de protocolos, estruturação de rotas e divulgação conjunta por meio de uma marca única. Esses foram alguns dos principais temas abordados na XXV Reunião de Ministros de Turismo do Mercosul, que terminou ontem (22) no Recife (PE).

O encontro, que teve representantes de Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile (país associado), foi organizado pelo Ministério do Turismo do Brasil com a participação da Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur). O evento contou com as presenças do ministro do Turismo do Brasil, Gilson Machado Neto; da ministra do Turismo do Paraguai, Sofía Montiel; do ministro do Turismo do Uruguai, Tabaré Viera; e do ministro do Turismo e Esporte da Argentina, Matías Lammens, que participou por videoconferência. 

Várias medidas foram aprovadas durante o encontro, como a criação de uma marca única para o Bloco, a Visite a América do Sul, com o slogan “Um lugar, Vários mundos”. Também foi alinhado um pedido conjunto urgente para uma reunião dos ministros da Saúde para determinar protocolos sanitários unificados entre os países, além da liberação dos cruzeiros. Além disso, ficou definido que será feita uma solicitação conjunta de audiência com o Papa Francisco para tentar o reconhecimento do Caminho dos Jesuítas na América do Sul como rota de turismo religioso.

A pauta ainda incluiu temas como a promoção turística conjunta, programas de investimentos, harmonização de protocolos de biossegurança, Turismo de Natureza e o Corredor Bioceânico. “Quando você junta Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai temos o maior endereço turístico do mundo. Nossos países são verticais, temos a maior variedade de fauna do mundo”, destacou o ministro Gilson Machado Neto.

O ministro ressaltou, ainda, a importância da conectividade nos destinos turísticos da América do Sul. “Sem internet, se você não puder acessar as redes sociais, você não tem turismo. Temos que lutar para que nossos atrativos turísticos tenham uma boa conectividade”, discursou.

Parceria

Presentes no Brasil para a primeira reunião presencial do Bloco após o início da pandemia, os ministros dos países vizinhos exaltaram a importância da parceria entre entre as nações para aumentar o fluxo de viajantes no continente. “O grande desafio que temos agora é o de aumentar as frequências de voos. Os turistas que chegam ao Paraguai querem passar pela Argentina, percorrer o Uruguai e vir ao Brasil”, comentou Sofía Montiel, ministra do Turismo do Paraguai.

Para Tabaré Viera, ministro do Turismo do Uruguai, é preciso abrir as fronteiras dos países para o turismo, adotando protocolos sanitários e avançando na vacinação: “Essas reuniões são fundamentais para nossas atividades conjuntas em um setor tão importante para o desenvolvimento dos países.”

Já o ministro do Turismo e Esporte da Argentina, Matías Lammens, também salientou a necessidade do trabalho conjunto entre os países do bloco, além da diversidade do Mercosul. “Temos diferentes produtos para oferecer de diferentes pontos de vista. Atravessamos talvez o momento mais difícil da história do setor, mas estamos atravessando com muita inteligência e resiliência”, elogiou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes outubro 2021

23/10


2021

Blog traz na segunda-feira cenário das eleições

Faltando menos de um ano para as eleições, este blog, em parceria com o Instituto Opinião, de Campina Grande (PB), apresenta, na próxima segunda-feira, à meia-noite, uma ampla pesquisa com os cenários para presidente da República, governador e senador em Pernambuco. O campo, encerrado na última quinta-feira, incluiu 80 municípios, sendo aplicados dois mil questionários, com margem de erro de 4 pontos percentuais para mais ou para menos.

Para presidente foram estimulados os nomes de Bolsonaro, Lula, Ciro Gomes, Doria, Eduardo Leite, Datena, Sérgio Moro e Rodrigo Pacheco. Já para o Governo do Estado, no PSB, partido que detém hoje o poder em Pernambuco, entraram na pesquisa os nomes de Geraldo Júlio, Zé Neto e Fernandha Batista, enquanto na oposição foram incluídos Raquel Lyra (PSDB), Miguel Coelho (DEM), Anderson Ferreira (PL), Gilson Machado Neto (sem partido) e Zé Múcio (sem partido). 

Considerando a hipótese de o PT disputar em faixa própria e não numa aliança com o PSB, caminho mais provável em se tratando das negociações avançadas no plano nacional com Lula na cabeça, foi testado o nome de Marília Arraes. Já para o Senado entraram Armando Monteiro, André de Paula, Silvio Costa Filho, Eduardo da Fonte e este blogueiro.

O levantamento também inclui a avaliação em Pernambuco do Governo Bolsonaro e da gestão Paulo Câmara. É a segunda pesquisa do Opinião este ano. A primeira ocorreu há seis meses, faltando então um ano e meio para o pleito. Desta feita, o cenário é de um ano separando o eleitor da urna. Mudou muito? Quem subiu? Quem desceu? Tudo isso será mostrado à meia-noite da próxima segunda-feira.

Aguarde! 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
Publicidade

Publicidade

Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Opinião

Publicidade
Apoiadores
Parceiros