Jaboatão vai conquistar você

15/01


2022

A reforma da dona Ursula

Por Marcelo Tognozzi*

tempo dirá se foi ignorância ou má fé, quem enganou quem ou quem usou ou se deixou usar. O fato é que a reforma trabalhista espanhola, transformada em bandeira política pelo PT, não surgiu de uma grande negociação entre o governo do socialista Psoe (Partido Socialista Operário Espanhol), trabalhadores e empresários.

Ela foi gestada e parida pela Comissão Europeia e desde 2019 integra a agenda de governo da presidente Ursula von der Leyen, pupila da ex-chanceler alemã Angela Merkel. A reforma trabalhista espanhola só não saiu antes por causa da pandemia e suas emergências. Outras virão.

A Comissão Europeia pagou por ela. A 1ª parcela, que acaba de chegar a Moncloa é de 9 bilhões de euros, alguma coisa como R$ 60 bilhões. Com tanto dinheiro em jogo, não foi difícil o governo convencer empresários e trabalhadores de que as mudanças propostas nas leis trabalhistas trariam estímulos à economia e ajudariam a diminuir o desemprego entre os mais jovens. Mais dinheiro está previsto, elevando o total da ajuda para cerca de 12 bilhões de euros.

Um dos protagonistas das negociações pelas reformas foi o Comissário do Trabalho da Comissão Europeia, Nicolas Schmit, um eurodeputado social-democrata de Luxemburgo, grão-ducado fundado há quase 1.000 anos, encravado entre a Alemanha, França e Bélgica, habitado por 630 mil almas e com metade da área de Brasília. Luxemburgo é paraíso fiscal e um dos lugares mais ricos do planeta. Schmit foi ministro das Relações Exteriores e do Trabalho e Imigração, num país onde a maioria dos habitantes veio de Portugal, França e Itália.

Schmit entende de finanças e de financiamentos. Foi com este conhecimento que anunciou ao parlamento europeu, durante sua sabatina em 2019, a proposta de usar o Fundo Social Europeu (ESF+) para estimular iniciativas de criação de empregos, especialmente para os mais jovens, promover maior segurança e estabilidade social. Ele usou a palavra “resiliente” na sabatina, hoje uma das word-keys dos discursos das autoridades espanholas, empresários e trabalhadores defensores das medidas. A própria presidente Ursula van der Leyen falou tudo isso na carta que escreveu a Schmit com suas recomendações ao seu comissário do Trabalho.

Ele não fez mais do que vocalizar a preocupação de Ursula van der Leyen com a estabilidade política de uma Europa sacudida pelo Brexit, a crise separatista na Catalunha, o crescimento da direita e as pressões vindas da Rússia e da China.

A reforma, portanto, é muito mais uma prioridade da Comissão Europeia do que do governo espanhol. Pedro Sánchez assumiu o governo em junho de 2018, chegou forte e poderia ter feito a reforma trabalhista de olho nas eleições gerais de 2019, na qual teve uma vitória apertada. Se a reforma era uma prioridade para o seu governo, por que preferiu esperar até agora?

O Brexit deu aos espanhóis o posto de 3º sócio mais importante da União Europeia. Antes da Inglaterra abandonar o barco, a Espanha era tratada como um primo pobre, integrava o grupo apelidado pelos primos ricos de Pigs, porcos em inglês, cuja sigla é formada pelas iniciais de Portugal, Itália, Grécia e Espanha (Spanish).

Fora do chiqueirinho, a Espanha agora manda na política externa da Europa, com o competente Josep Borrell, e fala de igual para igual com França e Alemanha. Isso pode explicar por que está sendo a 1ª nação a receber dinheiro da União Europeia para combater o desemprego e investir em políticas de inclusão social.

As conversas entre o governo espanhol e a Comissão Europeia começaram no início de 2021. Em junho, os empresários davam seus pitacos. A Coce (Confederação Espanhola de Organizações Empresariais) já falava dos fundos como suporte para o Plano de Recuperação Europeu tocado pela equipe de Ursula. Entre abril e julho de 2021 foram mais de 2 bilhões de euros distribuídos entre os países membros.

Em linhas gerais, a reforma espanhola turbinou os sindicatos ao acabar com os acordos coletivos por empresa e endureceu em relação aos contratos temporários, criando uma série de obrigações para as empresas, como formação de mão-de-obra jovem, recolocação de trabalhadores e ainda encareceu as demissões. São circunstâncias muito diferentes das do Brasil.

Não precisa ser leigo em geopolítica para perceber que estas eleições brasileiras de 2022 terão influência de atores internacionais importantes. A Espanha é o 2º país em investimentos diretos no Brasil com U$ 79,1 bilhões, perdendo apenas para os Estados Unidos com U$ 145 bilhões. Comandando uma coalisão de esquerda, o Psoe é sonho de consumo do PT. Da mesma forma que o governo Pedro Sánchez fatura politicamente com a reforma paga por dona Ursula, Lula e sua turma vendem este peixe aqui no Brasil falando do efeito, mas omitindo a causa.

Quem olha para a reforma trabalhista sem ler o Real Decreto que a instituiu, pode imaginar que os espanhóis voltaram ao século 20. Mas ao entendermos seu contexto, uma das metas da Comissão Europeia, percebemos não ser esta uma questão de embates políticos de trabalhadores contra empresários e vice-versa, como vemos na versão petista, a qual, dependendo do ponto de vista, tanto pode ser filha da ignorância quanto da má fé. Na real mesmo, é a Europa investindo na sua estabilidade social e política.

Na boca de Lula, esta narrativa nos remete ao século 20 do imposto sindical de triste memória. Ele fala para sua bolha, que deseja ressuscitar os sindicatos como atores políticos relevantes financiados com dinheiro público, furar o teto de gastos e outras estripulias. Quem está querendo enganar quem?

As mudanças trabalhistas feitas no governo Temer podem não ser as melhores do mundo – e não são mesmo – mas neste momento em que a pandemia devastou a economia com lockdowns e demissões em massa, tem muita gente pagando as contas trabalhando como motorista de aplicativo, entregador ou fazendo trabalhos temporários, simplesmente porque ainda não é possível saber o que acontecerá amanhã ou semana que vem.

Mexer nisso sem critério pode criar transtorno semelhante ao da PEC das Empregadas Domésticas de Dilma Rousseff, quando grande parte deixou de ter carteira assinada e passou a trabalhar como diarista.

O Brasil exige mudanças mais profundas, como a rediscussão do pacto federativo e a autonomia dos estados, tanto jurídica quanto econômica. A situação de um trabalhador de Pernambuco não é e não será igual ao de Santa Catarina. Cada um sabe onde aperta seu calo. É preciso discutir nosso futuro, que, certamente, será diferente do da Espanha ou de qualquer outro país desta Europa transformada numa federação de 27 países.

O Lula de hoje lembra o Getúlio Vargas da campanha 1950. Eleito presidente da República aos 68 anos, enfrentou um Congresso hostil e um país radicalmente diferente daquele que conhecera 5 anos antes, quando deixou o Catete deposto pelos militares. No início daquele ano, a foto de Getúlio aparecia em caixas de fósforos, lenços, chaveiros, cartazes e onde mais coubesse com a frase: “Ele voltará”. O jingle de Haroldo Lobo e Marino Pinto, “Bota o retrato do velho outra vez, bota no mesmo lugar, o sorriso do velhinho faz a gente trabalhar”, era a volta ao passado na boca do povo.

Lula, sem dizer, adotou o mesmo slogan. Terá 77 anos se voltar em outubro. Da mesma forma que Getúlio se reconciliou com o paulista Adhemar de Barros, aquele do “rouba, mas faz”, Lula busca a reconciliação com Geraldo Alckmin. Getúlio nomeou uma equipe apelidada de “Ministério da Experiência”, mas um Congresso indomável e a crise política sem fim transformaram seu governo um inferno. Tudo acabou no tiro que o fez sair da vida para entrar para a história.

O congresso que emergirá das urnas em outubro deste ano não será dócil. Empoderado pela independência financeira dos fundos eleitoral e partidário, virá forte, voraz e cheio de vontades.

Não desejo para Lula o mesmo fim de Getúlio, mas numa época em que o Manifesto Comunista de Marx e Engels voltou à moda, nunca é demais lembrar do 18 Brumário de Louis Bonaparte. Ali, logo no 1º capítulo, Marx anota: “Hegel escreveu que todos os grandes acontecimentos e personagens históricos ocorrem, por assim dizer, duas vezes. Esqueceu-se de acrescentar: a 1ª vez como tragédia, a 2ª como farsa”.

*Jornalista. Texto publicado originalmente no Poder360.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Caruaru - Jan 2022

15/01


2022

Coluna do sabadão

Oposição reinicia movimentações

Por Houldine Nascimento, repórter do Blog

Enquanto a situação ainda discute o candidato que vai para a disputa ao Governo de Pernambuco, o bloco de oposição voltou a se movimentar neste início de ano eleitoral. Na próxima segunda-feira (17), em Gravatá, no Agreste, a prefeita de Caruaru e presidente estadual do PSDB, Raquel Lyra, lidera o primeiro encontro do partido em 2022. Ela será recepcionada pelo ex-prefeito gravataense Joaquim Neto.

Como líder da sigla social-democrata, Raquel faz articulações para a montagem das chapas proporcionais. Pré-candidata ao Governo, a tucana integra o movimento Levanta Pernambuco ao lado do prefeito de Jaboatão dos Guararapes e presidente estadual do PL, Anderson Ferreira.

Na última semana, o gestor foi ao Rio de Janeiro para se reunir com o presidente da Petrobras, Silva e Luna, numa agenda que mais parecia de governador. O encontro tratou do plano de investimentos da estatal para a conclusão da Refinaria Abreu e Lima, em Ipojuca. Jaboatão é uma das oito cidades que compõem o território estratégico de Suape e a expectativa é que a retomada das obras gere cerca de 10 mil empregos, reaquecendo a economia local.

Assim como Raquel, ele também é pré-candidato e começou a articular a formação das chapas para o PL. Na última quinta-feira (13), Anderson anunciou a filiação da advogada Izabel Urquiza, que é secretária de Desenvolvimento Econômico, Tecnologia e Inovação de Olinda e mira uma vaga na Câmara dos Deputados.

Outro que teve uma agenda fora de Pernambuco foi o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (DEM), ao fazer uma visita técnica ao governador de Alagoas, Renan Filho (MDB). Dos oposicionistas, ele é o único que firmou o nome na disputa pelo Palácio do Campo das Princesas. Durante a semana, publicou um artigo com críticas à gestão do PSB e defendendo a mudança em Pernambuco, além de subir o tom em uma entrevista: “São mais de mil obras paralisadas pelo Governo incompetente, incapaz, acomodado e preguiçoso do PSB.”

Homem de confiança do presidente Jair Bolsonaro (PL), o ministro Gilson Machado Neto (Turismo) tem participado de diversas ações no Estado. Ontem, ele divulgou a destinação de R$ 4,8 milhões para obras de infraestrutura turística nos municípios de Igarassu, Chã Grande e Quipapá.

Viagens na berlinda – O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), em Brasília, deu um prazo de cinco dias para que a União explique o decreto do presidente Jair Bolsonaro que libera viagens de ministros e de servidores federais na classe executiva para voos internacionais com duração superior a sete horas. A determinação do juiz Marcos José Brito, da 13ª Vara Federal do DF, também pede que o Ministério Público se pronuncie e ocorre a partir de uma ação popular, que requer a revogação do decreto.

Vacina e livro – Recife iniciou a vacinação infantil contra a Covid-19. A primeira vacinada foi a pequena Maria Antônia de Oliveira, 11, que tem Síndrome de Down. A Associação Afeto, na Encruzilhada, foi o espaço selecionado para começar a campanha. O prefeito João Campos (PSB) esteve presente. Cada criança vacinada receberá um livro como maneira de incentivar a imunização. No Brasil, a primeira criança que tomou vacina contra a Covid foi um indígena de oito anos em SP.

Nada novo – A nova rodada da pesquisa Ipespe apresenta os mesmos números de dezembro entre os principais presidenciáveis: no cenário mais relevante da consulta estimulada, Lula (PT) tem 44%, Jair Bolsonaro (PL) 24%, Sergio Moro (Podemos) 9% e Ciro Gomes (PDT) aparece com 7%. No segundo turno, Lula venceria todos e Bolsonaro perderia para qualquer um. Foram entrevistadas 1 mil pessoas entre 10 e 12 de janeiro. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais. O levantamento está registrado no TSE sob o protocolo BR-09080/2022.

PTB recusa Queiroz – Ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), Fabrício Queiroz procurou o PTB para se candidatar a deputado federal, mas o projeto é rejeitado no diretório da sigla no Rio de Janeiro. Presidente do PTB fluminense, o deputado estadual Marcus Vinicius sugeriu que o ex-policial militar tentasse filiação no PL. “Ele quer vir como deputado federal? Acho melhor ele procurar o PL, não?”, aconselhou em entrevista ao portal Metrópoles.

Susto – O vice-prefeito de Ibimirim, Charles do Paulistão (Podemos), prestou queixa, ontem, na Delegacia de Arcoverde depois que seu carro (um Fiat Toro branco) foi atingido por um tiro. De acordo com ele, um dos assessores conduzia o veículo quando um carro preto se aproximou nas imediações do distrito de Lagoa da Areia e um dos ocupantes efetuou o disparo. Charles acredita que há motivação política. Rompido, o prefeito Welliton Siqueira (PCdoB) emitiu uma nota em solidariedade ao vice e rechaçou qualquer envolvimento com o ataque.

CURTAS

PREOCUPAÇÃO – Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), entre 10 e 13 de janeiro, mostra que 93,9% das cidades mapeadas (2 mil) relatam crescimento preocupante de pessoas com sintomas gripais.

SAÍDA – Admirada pelo público e no meio jornalístico, a apresentadora Meiry Lanunce deixou a Rede Globo Nordeste após mais de 20 anos. “Tomei essa decisão de forma muito tranquila, em paz. Estava planejado”, disse ao Blog.

Perguntar não ofende: Quantas candidaturas a oposição vai lançar em Pernambuco?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

arnaldo luciano da luz alencar ferreira

Miguel, Raquel e Anderson são bons nomes, agora só aquele que ficar mais longe possível de Armando Monteiro tem chance de Vitória, o Eleitor Pernambucano não vota no palanque que Armando sobe.

Joao

Destas, só a do Miguel é competitiva. Os lambe-botas não vão a lugar nenhum, principalmente o péssimo sanfoneiro. Raquel fogo de palha!


Cabo - Pavimentação e Drenagem

14/01


2022

Meiry Lanunce deixa a Globo

A Globo Nordeste perdeu mais um grande talento: a âncora Meiry Lanunce deixou a emissora depois de um longo período. "Tomei decisão de forma muito tranquila, em paz. Estava planejado", disse, ao ser procurada pelo blog. Natural de Taquaritinga do Norte, Meiry atuou por mais de 20 anos na Globo. Foi repórter e apresentadora dos telejornais Bom dia, Pernambuco e NE-TV segunda edição.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina Dezembro 2021

14/01


2022

Controle do orçamento deixa políticos distantes do eleitor

Por Márcio de Freitas*

O deslizamento que destruiu um casarão do século 19 em Ouro Preto (MG) é retrato ilustrativo do quanto a política deixou de oferecer soluções ao povo brasileiro. Interditado há 12 anos, a construção foi levada pelo desmoronamento do Morro da Forca, nomenclatura ainda mais simbólica para o triste evento. Geólogos já haviam identificado o risco e o sobrado estava sem habitantes.

Durante mais de uma década o poder público não encontrou uma forma de tentar preservar o casarão, a história que ele representou para a cidade, ou para as pessoas que ali viveram ou o frequentaram por mais de cem anos. Nenhuma tecnologia, nenhuma obra de engenharia ou ação humana impediu a força das chuvas de se entranhar no solo e derreter parte da montanha. As paredes da construção cederam como se fossem de palha, como na fábula do lobo e dos três porquinhos.

Acontece que há muitos lobos e milhões de porquinhos na história da carochinha que é a realidade brasileira, cheia de finais incertos, alguns tristes nestes tempos de tragédias provocadas pela natureza em Minas, na Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Pará. Na nossa literatura, há lobos devorando silenciosamente o orçamento público. Em cavernas secretas, regurgitam de barriga cheia. São uns poucos, mas ferozes.

Os porquinhos somos muitos. E cuidamos de alimentar os lobos, faça chuva ou sol; seca ou inundação. “Em política, nada mais podemos fazer do que concluir qual dos males é o menor”, delimitou o escritor George Orwell. Ele é a mente que nos assombra ainda hoje com a sigla Big Brother (do romance "1984"), desvirtuada nos repetidos programas da pseudo observação da vida alheia, onde pessoas são colocadas no aquário eletrônico de nossas salas. Voyeurismo consentido para adeptos de pornografia recoberta por edredons.

Orwell escreveu também a Revolução dos Bichos (ou Fazenda dos Animais, como preferem outros tradutores). É um livro sobre o totalitarismo. Nele, os animais tomam o poder na fazenda numa revolução. Os porcos chegam ao poder e se tornam “lobos”. Metáfora provocadora à URSS de então.

A alegoria orwelliana é cheia de nuances gritantes para a política, antiga ou atual. Sua obra está entranhada em nosso imaginário, até àqueles que jamais o leram. Quem não gosta de ficção deveria ler os números do orçamento público e a tradução dos privilégios nacionais, com a escolha dos lobos prevalecendo sempre sobre os porcos. Nada tem de literatura, é aridez total. Enquanto alguns cuidam de seus interesses, regando suas hortas eleitorais com fundos bilionários, a maioria anda em estradas esburacadas que se desmancham nas enxurradas.

O asfalto se liquefaz, enquanto projetos emergenciais preparam obras precárias para substituir as antigas rodovias malfeitas, num ciclo de concorrências regidas pela lei do menor preço, onde a baixa qualidade é sempre a resultante final. E forma-se a indústria precária do improviso, onde se ganha muito sempre refazendo a obra perenemente desgastada assim que inaugurada. Rediscutir esse processo vicioso em campanhas é importante… mas quem o faz?

O povo se distancia da política porque os políticos estão inacessíveis. E a cada naco de poder que ganham sobre o destino do dinheiro público mais longe eles habitam. Assim se deu com o financiamento público de campanha, vendido ingenuamente como a solução para o combate à corrupção.

Hoje, são os financiamentos eleitorais de campanha que concorrem com o dinheiro para solucionar as tragédias da defesa civil, com recursos para educação e saúde, para infra-estrutura básica. E os políticos mesmos batem o martelo sobre quanto dinheiro poderão gastar nas suas próprias campanhas. Antes, tinham de pedir contribuições a empresas, sindicatos, pessoas físicas e, nesse processo, eram obrigados a se atrelar a interesses visíveis. Alguns eram até subterrâneos, verdade. Mas esses permaneceram, agora negociados de forma secreta e sem qualquer indício de materialidade, pois não há mais como fazer a conexão financeira.

Nas próximas eleições, políticos usarão o dinheiro público para convencer o distinto público a votar neles. Fortaleceu-se a indústria cartorial de partidos políticos, onde comandos se perpetuam eternamente no controle das legendas. O retroalimentar dessa indústria é como a água que cai sobre as montanhas e vai se infiltrando no solo da democracia. A erosão é evidente.

Tal como o casarão de Ouro Preto, corremos o risco de interdição, pois já houve uma encosta a ruir nos protestos de 2013. Alguns sinais são preocupantes, mesmo para quem olha tudo de forma panglossiana hoje e no futuro. As paredes da política brasileira são de palha, sob uma montanha ameaçadora.

*Analista político da FSB Comunicação


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


14/01


2022

Dono do Banco

Da coluna de João Alberto

O presidente do PL e um dos destaques do Centrão, Valdemar Costa Neto, é, literalmente, o “dono” do Banco do Nordeste, mesmo sem ser nordestino (é paulista). Tentou emplacar José Gomes da Costa na presidência, mas teve o nome vetado pelo Palácio do Planalto. Agora quer a indicação do engenheiro Ricardo Pinto Pinheiro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Arcoverde janeiro 2022

14/01


2022

Vice-presidente da Câmara tem poema de Thiago de Mello tatuado

Por Rudolfo Lago*

“A vida sempre foi boa comigo./ Quando soube que o meu coração/ estava carregado de sombras/ e que ele só se alimenta de luz/ abriu uma janela no meu peito/ para que por ela possam entrar/ o resplendor do orvalho/ o fulgor das estrelas/ e o invisível arco-íris do amor”.

O vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (sem partido-AM), tem os versos acima tatuados nas suas costas. São os versos de “A Janela Encantada”, um dos “poemas de esperança” do poeta amazonense Thiago de Mello, que morreu hoje, aos 95 anos. “Perdi um amigo que era pura inspiração”, conta Marcelo Ramos. Segundo o vice-presidente da Câmara, ele e o poeta se conheceram na campanha de 2014, quando ele foi candidato a governador do Amazonas pelo PSB, apoiando a candidatura de Marina Silva à Presidência, depois da morte de Eduardo Campos. A partir daí, tornaram-se grandes amigos.

“Antes, eu já tinha grande admiração pela poesia de Thiago de Mello, que conheci como estudante, me preparando para o vestibular”. Thiago de Mello, amazonense do município de Barreirinha, tinha dois amigos em comum com Marcelo Ramos, que fizeram a aproximação durante a campanha para governador: Tenório Teles e a própria Marina Silva.

Marcelo Ramos resolveu tatuar o poema de Thiago de Mello nas costas em um momento de grande provação na sua vida. Em cima do poema, estão os nomes de dois dos filhos do deputado: Gabriel, que tem 24 anos, e Carol, que morreu vítima de uma meningite. Ela teria hoje 18 anos. Marcelo Ramos tem outros dois filhos, Marcelo e José. “Seus nomes também estão tatuados em outra parte do meu corpo”, conta Marcelo Ramos.

“A Janela Encantada” é também o nome de um blog que Marcelo Ramos tem para expor a sua atividade literária, crônicas e poemas. Ele tem ainda um outro blog, Corro à Toa, sobre sua atividade como corredor de rua. “Eu me esforço muito para manter também ativa a minha humanidade, além da atividade política”.

Sobre Thiago de Mello, Marcelo Ramos comenta: “Uma fatia grande de profunda humanidade vai-se com Thiago de Mello”.

*Diretor-executivo do Congresso em Foco


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Serra Talhada 2021

14/01


2022

Turismo destina cerca de R$ 4,8 mi para obras em PE

O Governo Federal, por meio do Ministério do Turismo, vai investir cerca de R$ 4,8 milhões em obras de infraestrutura turística em três cidades pernambucanas: Igarassu, Chã Grande e Quipapá. O objetivo é melhorar a experiência dos visitantes e dos moradores e atrair cada vez mais turistas à região.

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, reforçou que a prioridade do governo federal, do presidente Jair Bolsonaro, é investir o dinheiro dos brasileiros no Brasil. “Sou pernambucano e tenho muito orgulho da minha terra. Uma terra cheia de riquezas naturais e culturais que todos precisam conhecer. Estamos investindo não só em Pernambuco, mas em todo o Brasil, investindo no nosso turismo, para que ele seja cada vez melhor e gere cada vez mais emprego e desenvolvimento para o país”, afirmou.

Do total dos recursos, mais de R$ 3,8 milhões serão destinados à pavimentação do acesso à Serra das Russas em Chã Grande, distante 82 km da capital, Recife. A cidade é muito procurada por turistas por suas belezas naturais e por moradores de cidades vizinhas que buscam um clima de montanha durante o inverno.

Além disso, Chã Grande é um importante destino de turismo religioso do estado e atrai turistas e romeiros, principalmente durante as festividades tradicionais de São Padre Pio e São Roque, realizadas em setembro e agosto, respectivamente. Cerca de 3 mil pessoas visitam a cidade todos os dias durante estes eventos.

Igarassu, por sua vez, localizada na Região Metropolitana do Recife, vai ganhar um novo Centro de Atendimento ao Turista. O investimento de cerca de R$ 239 mil do MTur, também contemplará a reforma da praça do distrito de Nova Cruz que ganhará banheiros públicos, equipamentos de uso comunitários e iluminação para fomentar a prática de lazer e esporte, além de atrair mais visitantes ao local.

O Ministério do Turismo vai investir, ainda, mais de R$ 728 mil para a construção de um centro de eventos e de um mirante no município de Quipapá, distante cerca de 200km do Recife. As intervenções incluem novos banheiros, bancos, paisagismo, acessibilidade, sinalização turística e iluminação.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

SESC - Férias de Janeiro

14/01


2022

Na hotelaria de Bonito, tudo começou pelo Plaza

Ao ler as postagens que fiz sobre o potencial do turismo em Bonito, o empresário Josa Monteiro me convidou para conhecer o Bonito Plaza Hotel, de sua propriedade. Ofereceu um jantar regado com um bom papo sobre investimentos em Bonito. Optamos por bacalhau com a marca do chef Fábio Idelfonso, recentemente chegado de São Paulo.

O hotel pioneiro de Josa ocupa uma área de 2,5 hectares com cara de hotel-fazenda estando em pleno centro da cidade. Quando ninguém acreditava no turismo em Bonito, hoje bombando, Josa comprou o hotel, fez um projeto arrojado de mudança no seu perfil e hoje é imbatível em fluxo e atração de hóspedes no município.

Na última reforma, quando abriu 50 apartamentos, investiu mais de R$ 4 milhões. Além de apartamentos duplos e triplos com varanda, TV, cama box, ducha e sofás, abriu chalés e diversificou a área de lazer e recreação, com sala de jogos, campo e quadra de futebol, redário e uma piscina.

No jantar que Josa ofereceu a mim e Nayla, Fábio Idelfonso mostrou que é um dos melhores cozinheiros de Bonito. Todos os pratos, sem exceção, estavam impecáveis. O Plaza, além de ser bom, amplo e aconchegante, tem a melhor cozinha entre todos os hotéis da cidade.

O leitor encontra mais informações sobre o hotel nos contatos: @bonitoplazahotel (Instagram) // (81) 3737-1249


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bandeirantes novembro 2021

14/01


2022

Ouça agora o Sextou sobre a musicalidade de Lampião

Se o leitor não conseguiu acompanhar a entrevista do maior estudioso do cangaço sobre a história de Lampião no Brasil, o múltiplo pesquisador Frederico Pernambucano de Melo, ao quadro “Sextou” do programa Frente a Frente, ancorado por este blogueiro e exibido pela Rede Nordeste de Rádio, não se preocupe. Clique no link disponível e confira. Está incrível!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Pousada da Paixão

14/01


2022

Joezil é homenageado com culto de gratidão

No próximo dia 20 de janeiro, o jornalista e amigo Joezil Barros, falecido em dezembro de 2021, receberá um culto em homenagem à sua memória. Será realizado às 19h na Capela do Seminário Teológico Batista, Rua Padre Inglês,143, Boa Vista – Recife.

A família agradece aos que comparecerem à cerimônia de fé e solidariedade cristã. Na ocasião serão observados os protocolos de segurança sanitária, determinações legais e regulamentares vigentes, em razão da pandemia do Covid-19.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


14/01


2022

Sextou de daqui a pouco será sobre músicas do cangaço!

Maior estudioso do cangaço e da história de Lampião no Brasil, o múltiplo pesquisador Frederico Pernambucano de Melo leva os ouvintes do Frente a Frente a um verdadeiro mergulho na musicalidade do Rei do Cangaço e do seu bando no Sextou de hoje.

Revela ao mesmo tempo curiosidades do reinado de Lampião detalhando episódios marcantes do cangaço, como a histórica afoita invasão ao município de Mossoró, no Rio Grande do Norte. Para Frederico, autor de vários livros sobre o cangaço, Lampião virou um mito internacional, objeto de livros de escritores americanos e europeus.

O Sextou vai ao ar daqui a pouco, às 18 horas, pela Rede Nordeste de Rádio, integrada por mais de 40 emissoras em Pernambuco, Alagoas e Bahia, tendo como cabeça de rede a Nova FM 98,7, no Recife. Se você deseja ouvir o Frente a Frente, clique no botão Rádio acima ou baixe o aplicativo da Rede Nordeste de Rádio na play store.

Imperdível!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


14/01


2022

Prefeito de Ibimirim se solidariza com vice

NOTA DE SOLIDARIEDADE

O prefeito de Ibimirim, Welliton Siqueira, manifesta sua solidariedade ao vice-prefeito do município, Charles do Paulistão, que sofreu um atentado na manhã desta sexta-feira (14/01) ao ter seu veículo alvejado por um tiro.

Esclarece ainda que suas divergências referem-se ao campo estritamente do debate salutar próprio da política e da democracia, e repudia veemente quaisquer insinuações de que ele teria qualquer relação ou conhecimento prévio do ataque.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


14/01


2022

Morre poeta amazonense Thiago de Mello

O poeta amazonense Thiago de Mello morreu aos 95 anos, hoje. Ele faleceu em casa, em Manaus. A causa da morte ainda não foi informada. Thiago de Mello nasceu em Barreirinha, no interior do Amazonas, e é um dos poetas mais conhecidos da região, influente tanto nacionalmente quanto internacionalmente.

Suas obras foram traduzidas para mais de trinta idiomas. Seu poema mais conhecido é 'Os Estatutos do Homem', em que o poeta chama a atenção do leitor para os valores simples da natureza humana.

O escritor e poeta Tenório Telles informou que o velório de Thiago de Mello ocorrerá no Palácio Rio Negro, Centro Histórico de Manaus, em horário a ser definido. "A passagem do Thiago é uma perda irreparável para a cultura do nosso estado, para o país e para a literatura mundial. Ele fará muita falta pelos compromissos que ele tinha com a vida e com o ser humano", disse.

O governador Wilson Lima e o prefeito de Manaus David Almeida, decretaram luto oficial de três dias pelo falecimento do poeta.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha