06/03


2021

Covid, vacina e governança

Por Arnaldo Santos*

Ao final do ano passado, escudada sob estudos que já comprovavam a aparição de novas cepas do Sars-Covi-2, e demostravam sua capacidade de mutabilidade com as novas variações, a comunidade científica brasileira emitiu alerta à população, chamando atenção e fazendo um apelo para a necessidade de que fossem evitadas as comemorações de final de ano, para que não houvesse aglomerações, como sendo a maneira mais segura de contenção da transmissibilidade do vírus, para não colapsar as estruturas de saúde.

Pela incivilidade e ausência de um mínimo de consciência coletiva, o que se viu foi uma proliferação de centenas de festas clandestinas, como se o vírus não mais estivesse em circulação ou tivesse ido passar o final de ano fora do Brasil. No período do carnaval, esse inadmissível e incivil comportamento somente se agravou, mesmo sob os apelos que continuaram sendo feitos pelos infectologistas, epidemiologistas, secretários de saúde - e governadores – estes por meio dos decretos de restrições, igualmente desrespeitados.

Agora a fatura chegou; e o valor que está sendo cobrado é a vida de milhares de brasileiros, somado às filas nas emergências dos hospitais à espera de um leito de UTI, que já não existem em disponibilidade para atender ao número de infectados, antecipando o fato de que muito mais vidas serão perdidas, enquanto o presidente segue sua trajetória como irresponsável disseminador do vírus da morte, ao promover aglomerações por onde passa.

Infelizmente, durante esta semana, batemos os recordes mais macabros da história da pandemia até aqui. Na terça feira, foram 1.724 mortos e na quarta (3.3.2021) 1.840, números que continuaram aumentando, segundo os epidemiologistas com quem conversamos.

 São perguntas que se impõem: - quantos mortos vamos ter que contar e chorar? Quantos caminhões-frigoríficos os governos estaduais ainda terão que adquirir para armazenar, em câmeras frias, os milhares de cadáveres ao lado dos hospitais, para que, finalmente, a população se conscientize da imperiosa necessidade de cumprir as medidas restritivas de isolamento social, que são, somente elas, as de que dispomos para salvar nossas vidas, enquanto não temos vacinas para todos?

O colapso no sistema de saúde público e privado, originado pela pandemia, mormente nessa onda, a segunda, somado aos impactos econômicos e sociais, denunciam e situam no centro do debate a incapacidade e a negligência do governo brasileiro para o enfrentamento da covid-19.

Os dados disponíveis, ainda que sujeitos a falhas pela demora dos resultados dos testes, apontam que já são quase 120 milhões de infectados, pouco mais de 65 milhões recuperados, e mais de 2,5 milhões de mortos em todo o mundo, sendo que, desses, mais de 260 mil óbitos ocorreram em nosso País, e o quantitativo continua crescendo.

Essa tragédia não deve ser vista apenas pela frieza dos números, mas, também e principalmente, pelo que significam em termos de vidas perdidas, e a orfandade das famílias que perderam seus entes queridos, muitos deles infectados pelos próprios parentes que não atenderam ao chamamento que vem sendo feito, o que está exigir com máxima urgência uma mudança de comportamento, guiado por uma ação de bom senso e de responsabilidade, de uma significativa parcela da sociedade, que precisa fazer a sua parte no cumprimento dos protocolos sanitários, ainda que o obtuso presidente oriente em sentido contrário.

Uma Outra ação ainda mais importante cabe ao próprio Governo Federal, que, ante o agravamento do problema, precisa assumir o papel que lhe cabe de estruturar uma governança da Covid, para, de modo objetivo, executar um planejamento nacional que possibilite coordenar e unificar as ações estaduais, em articulação com os governadores e prefeitos, no sentido de interromper o agravamento da pandemia, que, pelo número de mortos e infectados, e a desestruturação da economia, já é considerada a maior catástrofe que se abateu sobre o Brasil.

Nessa perspectiva, as ações de isolamento social, por exemplo, deveriam obedecer a uma determinação nacional unificada, e a um padrão mais rígido, e não somente de fins de semana, como vêm sendo adotado por estados e municípios, sem produzir os efeitos esperados.

Consoante essas medidas, os aeroportos e portos, bem como o transporte terrestre interestadual, deveriam obedecer a um controle unificado do Governo Federal, que também poderia incentivar e coordenar a formação de consórcios entre estados e municípios para aquisição de vacinas, medicamentos e EPIs, com grande redução de custos pelos ganhos de escala nessas compras, como sugere o professor doutor Flavio Ataliba, secretário executivo do Planejamento e Gestão do Governo do Ceará.

É de saber global o fato de que a pandemia trouxe para o centro do debate, em escala planetária, dois dos mais graves problemas, que em maior ou menor grau, atingem todas as nações - as crises sanitárias e econômicas, com agudo influxo político e social, nomeadamente nos países em desenvolvimento como o Brasil, onde o problema é amiudemente discutido de modo maniqueísta, como se saúde e economia fossem antagônicas e excludentes.

Todos são conhecedores, também, da realidade corrente do coronavírus, que expôs, de modo dramático, as dimensões da saúde coletiva e do desenvolvimento econômico-social como inexoravelmente vinculadas, sendo ao mesmo tempo um erro e uma falta de visão o antagonismo que o presidente da Republica tenta artificializar entre economia e saúde, somado ao seu comportamento de negação a todas as recomendações da comunidade científica em relação ao cumprimento dos protocolos sanitários, o que concorre para aprofundar ainda mais os rebatimentos da pandemia sobre a parcela mais pobre da população.

Na segunda onda, uma governança unificada para a Covid se faz ainda mais impositiva, e o desafio que se infunde ao governo é o de que o modelo a ser assumido articule todas as variáveis subjacentes à desestruturação da economia e do sistema de saúde, como consequências da aparição das novas cepas do vírus e a velocidade com a qual se dissemina.

É notória, divisada por toda a população nacional, a realidade de que os governadores, assim como os prefeitos, em todo o País, cobram insistentemente do Governo Federal uma governança centralizada da Covid, especialmente para a fase da segunda onda, quando a campanha de vacinação é a principal política que o governo, por intermédio do Ministério da Saúde, é capaz de oferecer às unidades subnacionais.

É surpreendente que, também nessa área, se observa uma ação pouco eficiente, em especial, na aquisição de vacinas já disponíveis em todo o mundo, não obstante a ANVISA se haver mostrado diligente em aprovar tanto os registros provisórios para esse período emergencial, e até o registro definitivo para a vacina da Pfizer, único laboratório que tem condições de atender uma maior quantidade de doses, para imunizar a população, mas que o governo somente essa semana resolveu anunciar a contratação desse imunizante.

Ante o negacionismo e as posições erráticas do presidente, recorremos mais uma vez aos Titãs, para perguntar aos cidadãos: será que “[…] o acaso vai ‘nos’ proteger, enquanto ‘andarmos’ distraídos” – dizemos - sem cumprir com as medidas restritivas, como determinam os protocolos sanitários?

*Jornalista, sociólogo e doutor em Ciências Políticas. Comentários e críticas para: [email protected].


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Cabo 2021

06/03


2021

Armando Monteiro justifica volta ao PSDB

EXCLUSIVO

Por Houldine Nascimento, da equipe do Blog

O retorno do ex-senador Armando Monteiro Neto ao PSDB depois de 24 anos será oficializado na segunda-feira (8), às 10h30, em evento na sede estadual do partido, no Recife. Ele atendeu a um convite do presidente nacional da legenda, o pernambucano Bruno Araújo, que foi reconduzido ao cargo no mês passado.

Com a presença de poucos convidados, o ato será transmitido para os filiados do PSDB por meio de videoconferência e marca a mudança de comando entre os tucanos em Pernambuco: a deputada estadual Alessandra Vieira passa a Presidência para a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra. Ao Blog, Armando Monteiro justifica a filiação à legenda social-democrata.

"Meu primeiro partido foi o PSDB. Sempre tive uma certa afinidade com a linha social-democrata. Eu tinha muita admiração pelo governador Mário Covas, sempre tive uma relação de muito respeito com o presidente Fernando Henrique. Sou amigo do senador Tasso Jereissati, tenho muita estima pelo ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin e boa relação com o atual governador, João Doria", afirma.

Após 17 anos, Armando Monteiro Neto saiu do Partido Trabalhista Brasileiro, em razão das mudanças impostas ao diretório estadual pelo presidente nacional da sigla, Roberto Jefferson. Além disso, causava incômodo o alinhamento do PTB ao presidente Jair Bolsonaro. A situação deixou sua permanência insustentável.

De acordo com o ex-senador, a escolha de um novo partido tinha de obedecer a dois requisitos: ser oposição ao grupo político que conduz o Governo do Estado e a Bolsonaro. "O PSDB atende a isso", comenta. Sua chegada ao PSDB também é carregada de muita expectativa pelo fato de possuir um grande número de aliados em Pernambuco, a exemplo da prefeita de Ipojuca, Célia Sales (PTB).

Armando Monteiro Neto nega a filiação da aliada por ora. "A prefeita Célia não definiu isso. Essa questão partidária depende muito de fatores locais. Não é só ter um alinhamento com a liderança. Eu deixei todos os aliados à vontade, cada um com o seu tempo. Não precisa entrar todo mundo de uma vez. Os que quiserem ingressar serão bem-vindos", explica.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


06/03


2021

Igarassu emite novo decreto com medidas restritivas

A prefeita de Igarassu, Professora Elcione Ramos (PTB), anunciou novo decreto com medidas de prevenção à Covid-19, ontem. Entre as novas determinações, estão suspensos os atendimentos ao público nos órgãos e repartições da Prefeitura até o próximo dia 17.

A gestão disponibilizou um telefone de atendimento à população, das 7h às 13h: (81) 3543-0729. Ainda de acordo com a Prefeitura de Igarassu, as portarias da Secretaria Municipal de Saúde poderão estabelecer normas complementares específicas, caso haja necessidade.

Além disso, durante este período, o município segue o decreto do governo estadual, que estabeleceu a suspensão de atividades consideradas não essenciais nos finais de semana, evitando aglomerações. A restrição de horário ao comércio continua durante os dias da semana. A Prefeitura está com equipes de fiscalização.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Ipojuca 2021 IPTU

06/03


2021

Yves quer acelerar parcerias com Governo de PE

O prefeito de Paulista, Yves Ribeiro (MDB), quer acelerar o início das obras de infraestrutura urbana em Paulista, em parceria com o Governo do Estado. Ele se reuniu, ontem, com a secretária de Infraestrutura de Pernambuco, Fernandha Batista. Em pauta, o andamento dos projetos no setor em curso na Secretaria estadual, que serão executados na cidade, em parceria com a Prefeitura.

Na semana passada, Yves esteve com o governador Paulo Câmara no Palácio do Campo das Princesas para tratar de obras estratégicas para o município. Entre elas, o recapeamento da PE- 18, que liga Paratibe ao Complexo Industrial de Abreu e Lima, onde acontecerá a requalificação de toda a iluminação da PE-15, com a colocação de LEDs, a revitalização de ciclofaixas e o recapeamento e construção da PE- 22.

Além disso, o emedebista tratou com a secretária sobre a construção de canteiros paisagísticos nas rodovias estaduais que cortam o município e da  pavimentação da estrada liga a comunidade de Nossa Prata ao bairro de Maranguape 1. De acordo com Yves, alguns projetos já estão em processo acelerado e devem ter início de execução ainda neste primeiro semestre.

"Vamos buscar recursos por meio de emendas parlamentares para ampliar o escopo de obras, visando atender demandas reclamadas pela população", adiantou o prefeito.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


06/03


2021

Esculturas de Brennand: 90 dias já se foram

Por Mauro Ferreira Lima*

Em 04 de março, foram completados 90 dias do mais volumoso furto de esculturas do Recife, doadas pelo artista plástico e escultor Francisco Brennand. Encontravam-se no parque, nos arrecifes, em frente ao Marco Zero, no Recife Antigo. Eram 79, surrupiaram 64 sem que, nunca, nenhuma autoridade responsável por aquele conjunto viesse a público explicar o porquê daquilo. Ninguém soube, apenas viram sumir gradativamente peças importantes. Providências zero! SE tivesse havido, não chegaria a um horror deste ponto a que chegamos.

Nestes 90 dias, ninguém soube nada deste deplorável episódio. Não se entende como um furto desta magnitude não tenha uma explicação pública sobre o andamento da apuração e quem são os responsáveis, direta e indiretamente, pelo descaso da devida vigilância e os responsáveis pelo horror da consecução de tal fato. Até hoje não se tem informação oficial que explique para a população como pode ter acontecido algo tão estranho, ali, aos olhos de transeuntes e com câmeras, a princípio em funcionamento.

Este furto aconteceu sequencialmente após inúmeros outros verificados anteriormente. O objeto da façanha era uma escultura em bronze, intermitente, com 20 metros de extensão e 1,5 metro de altura. Um episódio inusitado, ousado e muito esquisito! 

Em 02 de fevereiro, a polícia anunciou que prendeu cinco suspeitos de envolvimento com este caso e os enviou para o Cotel. Deste episódio, nada mais se soube! Não há explicação plausível para um sonegação de informação sobre um fato que tanto marcou esta cidade e teve repercussão nacional. O que está por trás disto tudo? Quem são este meliantes detidos? Serviam a que interessses? Quem adquiriu as peças subtraídas do parque? E o pesado bronze ? Como foi a logística para transportá-lo e quem o adquiriu?

Perguntas desta ordem estão no no ar! Espera-se uma palavra - ja tardia - da SDS e demais autoridades vinculadas, como já disse, direta e indiretamente a este execrável e abominável crime. Mesmo sem expectativas de alguma solução para recuperação do que já deve ter sido destruído, estamos no aguardo de que falem, senhoras e senhores, autoridades responsáveis!

Mesmo tardiamente.

*Analista Econômico


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Jaboatão Março 2021

06/03


2021

Paulo Câmara promete mais 150 leitos de UTI em março

O governador Paulo Câmara participou, na manhã de hoje, de videoconferência com o ex-secretário nacional de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira, para ouvir a análise do epidemiologista sobre o atual cenário da pandemia no Brasil. O gestor estadual aproveitou para apresentar as ações que vêm sendo desenvolvidas para conter a disseminação do novo coronavírus em Pernambuco.

“É muito importante esse momento de valorização da ciência e de ouvir os especialistas. Ano passado, montamos uma estrutura com a pandemia em andamento. Hoje, essa estrutura já existe e é ampla. Tivemos condições de abrir leitos nos últimos dias e há um planejamento para disponibilizar mais 50 vagas por semana, ainda neste mês. Superamos o número de 1.050 e devemos chegar a 1,2 mil leitos nas próximas três semanas”, adiantou Paulo Câmara.

O governador também pontuou para Wanderson Oliveira a distribuição dos casos nas diferentes regiões de Pernambuco e as medidas restritivas tomadas no âmbito estadual, além de comentar o panorama da pandemia nos Estados vizinhos. Por sua vez, o atual secretário de Serviços Integrados de Saúde no Supremo Tribunal Federal (STF) avaliou que as próximas duas semanas serão críticas. “Baseado no comportamento das curvas de Síndromes Respiratórias Agudas Graves e nos dados de Covid entre 2019 e 2020, podemos entender que as próximas duas semanas serão de alta no número de casos”, afirmou Wanderson Oliveira.

Participaram de forma remota da reunião, entre outros secretários estaduais, o de Saúde, André Longo, o de Planejamento e Gestão, Alexandre Rebêlo, e o da Fazenda, Décio Padilha, além do prefeito do Recife, João Campos, e da secretária de Saúde da capital pernambucana, Luciana Albuquerque.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Petrolina 2021

06/03


2021

Miguel cobra Governo de PE por distribuição de vacinas

Por Houldine Nascimento, da equipe do Blog

O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), procurou o Governo de Pernambuco para obter detalhes sobre a distribuição de vacinas aos municípios. O questionamento ocorreu, ontem, após matéria publicada no UOL, que aponta maior percentual de doses de imunizantes contra a Covid-19 para o Recife em relação a outras cidades pernambucanas.

Em um vídeo publicado nas redes sociais, Coelho disse que "tomou um susto" com a informação. "Solicitei ao governador uma resposta clara, transparente e que possa traduzir a forma com que a Secretaria Estadual de Saúde vem distribuindo as vacinas para todos os municípios. Um homem ou uma mulher do interior é igual ao da capital", afirmou o prefeito.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Jovelina Maria de Brito

vá cobrar teu pai!!!! ele não tá lá colado nos ovos do bozo???


Serra Talhada 2021

06/03


2021

As homenageadas do 21° Prêmio Tacaruna Mulher

Na 21ª edição do Prêmio Tacaruna Mulher 2021, o Shopping Tacaruna homenageia nove mulheres de destaque em áreas diversas, com uma exposição que vai até a próxima segunda-feira (8), das 9h às 20h, no segundo piso, perto da Praça de Eventos. Devido às novas restrições estabelecidas pelo Governo de Pernambuco, o centro comercial estará fechado hoje e amanhã.

Confira todas as homenageadas:

Áurea Negromonte Arraes - Ação Social

Cida Pedrosa - Cultura

Geisy Lima - Medicina e Saúde

Juliana Coelho - Política, Economia e Negócios

Márcia Longman - Moda

Maria Maciel - Educação

Mariana Vargas - Atividades Jurídicas

Mércia Carréra - Design, Arquitetura e Decoração

Sabrina Rocha - Comunicação


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Anuncie Aqui - Blog do Magno

06/03


2021

Carta para dona Luiza

Por Marcelo Tognozzi*

Dona Luiza Helena Trajano a senhora tem sido uma espécie de antídoto contra a mediocridade nacional. Dá orgulho ver uma empresária como a senhora atuando como ativista da livre iniciativa, da inovação e da competência. Aqui no Brasil os empresários bem-sucedidos são incensados e transformados em mitos, quando na realidade não passam de seres humanos com inteligência, capacidade de trabalho e obstinação acima da média. Muitos deles acabam envenenados pela vaidade e iludidos pela conversa de que serão capazes de mudar o Brasil do dia para noite.

Na última quinta-feira, duas das principais colunistas de O Globo publicaram notícias sobre a possibilidade de a senhora entrar para a política. Como paulista nascida em Franca, cidade famosa pelos sua indústria calçadista, sabe muito bem que o sujeito só valoriza os sapatos quando perde os pés. À frente do Magazine Luiza a senhora tem feito pelo Brasil muito mais do que os políticos e os jornalistas que torcem pela sua candidatura fariam em 100 anos de vida.

Ao longo das últimas décadas vimos alguns dos mais brilhantes empresários brasileiros caírem nesta armadilha da política. O banqueiro Olavo Setúbal foi um deles. Como empresário ergueu um dos maiores bancos do mundo. O governador Paulo Egydio Martins nomeou-o prefeito de São Paulo em 1975. Paulo Egydio era um fiel servidor da ditadura militar e, a bordo de um governo forte, Setúbal teve total liberdade para trabalhar como bem entendia e nos deixar boas coisas de herança, por exemplo, a bela avenida Juscelino Kubistchek. Mas quando quis ser governador de São Paulo, os políticos cortaram-lhe as asas, a despeito de alguns enxergarem nele muito mais que um Itaú de oportunidades. O doutor Olavo ficou tão obcecado com ideia de governar São Paulo que, em 1986, largou o comando do Itamaraty para tentar ser governador pelo PFL. Um ano antes ele apoiara a candidatura vitoriosa de Jânio Quadros à prefeitura. Os políticos deram a volta no doutor Olavo e ele nem chegou a ser candidato.

Neste ano, quem conseguiu entrar no páreo foi o industrial Antônio Ermírio de Moraes, dono do Grupo Votorantim, de cujas linhas de produção saíam desde cimento e alumínio até suco de laranja. Ermírio era incensado, massageado e endeusado por políticos e jornalistas. Eles conseguiram convencê-lo de que sua entrada na política era o fato mais importante dos últimos 500 anos. Como o doutor Olavo, Ermírio era um modelo de eficiência, gestor exemplar e alguém que genuinamente desejava contribuir para melhorar o país. A campanha foi sua pior experiência de vida. Quando os políticos não lhe pediam dinheiro, queriam negociar cargos. “Uns vagabundos que detestam trabalhar”, queixava. Ermírio concorreu pelo PTB e perdeu a eleição para o profissional Orestes Quércia por uma diferença de quase 2 milhões de votos. Saiu humilhado, traído e com orgulho em pandarecos.

Três anos depois do naufrágio do doutor Antônio Ermírio, foi a vez de Silvio Santos. Em plena efervescência da eleição de 1989, a primeira presidencial desde a eleição de Jânio Quadros em 1960, nosso Silvio foi convencido a disputar a Presidência da República pelo Partido Municipalista Brasileiro (PMB). Entrou na raia por obra e graça do deputado Marcondes Gadelha e dos senadores Hugo Napoleão e Edison Lobão. O piorzinho deles era capaz de dar nó em pingo de éter no escuro e calçando luvas de boxe. Silvio gastou um bom dinheiro, apanhou muito e acabou tendo a candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral. Por causa da lambança, os incentivadores da aventura de Silvio entraram para a História com a alcunha de 3 Porquinhos. Passados 28 anos, ele admitiu, durante um dos seus programas, ter sido picado pela vaidade.

Tanto Setúbal quanto Ermírio e Silvio fizeram muito mais pelo Brasil e os brasileiros trabalhando nas suas empresas do que atuando na política. Todos caíram na mesma armadilha fisgados pela lábia dos políticos profissionais, que somente conseguem ser políticos e profissionais porque têm o dom de conhecer muito bem o jeito de cada ser humano funcionar. A senhora, como profissional de vendas, também conhece as esquinas da alma humana como poucos. Mas um cliente raramente consegue perceber o vendedor por este ponto de vista, a não ser que este cliente seja um político.

A senhora tem feito política todos os dias com as suas atitudes, como quando o Magalu anunciou um processo seletivo para a contratação de negros. Ou quando decidiu informatizar suas lojas, numa época em que isso não passava pela cabeça da maioria dos concorrentes. A senhora tem sido muito eficiente neste caminho, porque é este o seu negócio, seu propósito de vida. Outro dia uma amiga economista de Curitiba saiu da sua live sobre vacinas encantada, dizendo ter sido uma experiência muito intensa. Isso é o que faz a diferença. Lembre de Olavo, Antônio e Silvio da próxima vez que um político quiser tirá-la para dançar. Não deixe que este seu antídoto contra a mediocridade nacional seja envenenado pela vaidade.

Aceite os cumprimentos deste seu admirador.

*Jornalista. Texto publicado originalmente no portal Poder 360.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Blog do Magno 15 Milhões de Acessos 2

06/03


2021

Olinda vacina idosos a partir dos 78 anos

A Secretaria de Saúde de Olinda avança em mais uma etapa do Plano de Vacinação contra a Covid-19 na cidade e anuncia um plantão para imunizar idosos a partir dos 78 anos de idade, hoje (6) e amanhã (7). A população pode procurar três locais que estarão disponíveis para aplicar as doses da vacina, dois no sistema drive-thru: no Shopping Patteo, em Casa Caiada, das 9h às 17h, e na Vila Olímpica, no bairro de Rio Doce, das 9h às 16h. 

Os idosos podem ainda se deslocar até o Espaço Caenga, em Águas Compridas, das 9h às 16h, e serão atendidos por ordem de chegada. Não é preciso fazer o agendamento, mas é necessário levar um documento com foto, CPF e comprovante de residência.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
Publicidade

TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores