FMO janeiro 2020

31/03


2020

No Roda Viva, especialista em vírus critica Bolsonaro

Por Revista Forum

O biólogo Atila Iamarino voltou a defender a necessidade de isolamento para evitar o impacto do coronavírus no Brasil. Em entrevista hoje no Roda Vida, da TV Cultura, o especialista em vírus elogiou as medidas tomadas pelos governadores estaduais e, questionado, criticou a postura de Jair Bolsonaro, que tem minimizado a gravidade da pandemia.

“A gente depende de que ações estão sendo tomadas. O Estados todos pararam a circulação, colocaram as pessoas em quarentena, restringiram comércio. Eu sinto que a gente está em um momento em que a casa está pegando fogo, a gente quer tirar todo mundo de casa para não perder ninguém e não importa quem acendeu o fogo, se o bombeiro é de direita ou de esquerda. Estão tomando ações para fazer isso? Está ótimo. Se estiver atrapalhando o que os Estados estão fazendo, está atrapalhando o que o mundo inteiro está fazendo. Se os Estados estiverem agindo independente, se torna irrelevante”, afirmou o biólogo.

Segundo Iamarino, a atitude de Bolsonaro de trabalhar contra o isolamento e minimizar a gravidade da Covid-19 “vai contra tudo que todos os líderes mundiais estão fazendo”. “Eu só conheço um que diz que Covid não é nada e não está tomando ações contra que é a Bielorrússia. Lá a recomendação é sauna três vezes por semana e lavar a mão com vodka. Não, não resolve.”

Doutor em microbiologia pela USP, com pós-doutorado em Yale, o biólogo tem chamado atenção nas redes sociais com conteúdos técnicos e embasados sobre o coronavírus. Uma de suas publicações mais comentadas foi a previsão de que R$ 1 milhão de brasileiros podem morrer sem medidas de isolamento e encerramento das atividades, semelhante ao projetado pelo estudo do Imerial College de Londres, que utiliza o mesmo modelo.

“A situação na China é Wuhan. Na Itália, é a Lomabardia. Aqui no Brasil nós temos o potencial de cada cidade virar uma Lombardia ou uma Wuhan da vida, se não for monitorado. Mesmo em um único Estado, como São Paulo, existem muitas metrópoles que podem passar por um problema parecido”, alertou Iamarino, durante a entrevista.

‌O especialista ressaltou a necessidade de se fazer mais testes e o rastreio das pessoas. Questionado sobre se o clima mais quente reduz a propagação, ele explicou que é uma possibilidade, mas não é algo que está completamente comprovado e os planos de ação dos governos não devem trabalhar contando com a sorte.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu e Lima

31/03


2020

Aras intercede em favor de Bolsonaro no STF

Por Revista Forum

Ontem, o procurador-geral da República, Augusto Aras, entrou com um pedido no STF (Supremo Tribunal Federal) para derrubar os decretos estaduais e municipais que visem estabelecer restrições de circulação.

Na solicitação, Aras argumenta que “a imposição unilateral de medidas tendencialmente voltadas ao fechamento de fronteiras, por meio da restrição ao transporte coletivo de passageiros e de cargas, bem como da restrição de ingresso de pessoas” configura, segundo ele uma medida que supera os limites que estados e municípios têm para legislar sobre tais temas.

Outro ponto levantado por Aras é que a restrição ao transporte coletivo interestadual e intermunicipal “prejudica o acesso a serviços básicos de saúde e impede que profissionais da saúde que vivem afastados dos centros de chegar aos seus locais de trabalho”.

A competência dos estados e municípios para determinar restrições de circulação é um dos temas que surgiu no país a partir da guerra declarada entre os governadores, que são favoráveis às medidas de restrição e em sintonia com medidas semelhantes tomadas em outros lugares do mundo que enfrentam a pandemia, e o presidente Jair Bolsonaro, que defende o que chama de “isolamento vertical”, onde somente os pertencentes a grupos de risco devem estar isolado, e o resto da sociedade deve seguir sua vida normalmente.

Na semana passada, o ministro do STF, Marco Aurélio Mello, determinou que os governadores e prefeitos têm capacidades para restringir a locomoção em estados e municípios. Em sua avaliação, as autoridades estaduais e municipais possuem atribuições necessárias para tomar medidas de caráter temporária, como uma quarentena.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


31/03


2020

Ministro do STF encaminha pedido de afastamento de Bolsonaro

Revista Forum

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou ontem um pedido de afastamento de Jair Bolsonaro à procuradoria-geral da República.

Marco Aurélio é o relator da notícia-crime protocolada na semana passada pelo deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG), que acusa Bolsonaro dos crimes de omissão e difusão do coronavírus.

O documento lista uma série de episódios em que o presidente minimizou o surto da Covid-19 – detalhando uma série de adjetivações usadas pelo ex-capitão – e aponta que ele “incentivou ostensivamente o descumprimento das medidas de isolamento recomendadas pela Organização Mundial da Saúde e pelo próprio poder executivo”.

Caso a PGR aceite a notícia-crime, Câmara será consultada para autorizar ou não o seguimento da Ação Penal e, em caso positivo, Bolsonaro será afastado por 180 dias. Em caso de crime transitado em julgado, o presidente perde o mandato.

Também na segunda-feira (30), partidos de oposição protocolaram outra queixa-crime contra Bolsonaro pelo “passeio” que o presidente deu no Distrito Federal, no último domingo (29). Na ação, são apontados diversos crimes que Bolsonaro pode ter cometido ao sair às ruas mesmo estando sob suspeita de ter contraído coronavírus.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

31/03


2020

Procuradores querem ação de improbidade contra Secom

Por Estadão Conteúdo

Procuradores do Ministério Público Federal e também do Ministério Público de Contas do Estado de São Paulo apresentaram representação ao MPF no Distrito Federal para que processe por improbidade administrativa o secretário especial de Comunicação Social da Presidência da República, Fábio Wajngarten, em razão da campanha publicitária "O Brasil não pode parar", contratada pelo governo Jair Bolsonaro, sem licitação, pelo valor de R$ 4,9 milhões, para defender a flexibilização do isolamento social.

Para os procuradores, "não é razoável supor que essa postagem tenha se dado sem a autorização" de Wajngarten, "tendo em conta o seu significado nos dias atuais, da possibilidade de centenas ou milhares de mortes provocadas por uma campanha que não obedece aos parâmetros definidos por autoridades sanitárias nacionais e internacionais".

No último domingo, a Justiça Federal no Rio de Janeiro acolheu uma ação da Procuradoria da República naquele Estado e mandou suspender a campanha. Em seguida, o governo apagou ao menos três publicações com o slogan nas redes sociais que defendiam o fim do isolamento social. Agora, o Palácio do Planalto nega ter divulgado as peças oficiais.

Os procuradores afirmam que "a publicidade oficial veiculada pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República é destituída dos atributos que deveria acompanhá-la: ser educativa, informativa e de orientação social".

"Ao contrário, o que ela procura é adesão irrestrita ao pensamento governamental, e, pior, é enganosa, porque induz as pessoas a erro, ao pretender que acreditem em uma falsa oposição entre as medidas determinadas pela Organização Mundial da Saúde, pela comunidade médica e pelas autoridades brasileiras, de enfrentamento a uma pandemia mortal, por um lado, e a preservação da economia nacional, por outro", sustentam.

Segundo os procuradores, "centros de pesquisa nacionais e internacionais indicam que, sem a política de quarentena social, haverá um caos social de maior escala, o qual também provocará insuperáveis danos econômicos".

Ainda afirmam que a campanha "também abusiva, pois induz os cidadãos brasileiros a se comportarem de maneira perigosa à sua saúde e à saúde de todas as demais pessoas, na medida em que os conclama a voltarem às suas atividades laborais e de consumo, ignorando, assim, as prescrições sanitárias de isolamento e máxima restrição à locomoção".

"Finalmente, a campanha é dissonante do esforço mundial no enfrentamento e combate à pandemia, dirigido pela OMS", argumentam.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


31/03


2020

Villas Bôas critica "ações extremadas" contra coronavírus

Por Estadão Conteúdo

Ex-comandante do Exército e atualmente assessor do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o general Eduardo Villas Boas publicou ontem, em sua conta no Twitter, algumas opiniões sobre a crise causada pelo avanço da covid-19 no Brasil. Na publicação, que foi compartilhada pela conta do presidente Jair Bolsonaro, Villas Bôas elogia o mandatário e fala que o Brasil pode encarar "consequências imprevisíveis", que seriam fruto de "ações extremadas".

Na postagem, Villas Bôas diz que o País vive "um momento especial e muito grave" e que tem se preocupado com a falta de "sinergia, integração de esforços e compatibilizações de visões" dos "protagonistas", sem citar nomes. Segundo o general, há o risco dos pobres terem de pagar o preço por "ações extremadas" - expressão usadas duas vezes no texto.

Sobre Jair Bolsonaro, Villas Bôas diz que o presidente "não tem outra motivação que não o bem estar (sic) do povo e o futuro do País", e que suas posturas mostram "coragem e perseverança nas próprias convicções". Nas últimas semanas, Bolsonaro tem discutido, via imprensa, teleconferências e redes sociais, com governadores e críticos que defendem maiores restrições à mobilidade e ao comércio como forma de conter a disseminação do novo coronavírus. Para o presidente, é necessário "voltar à normalidade" para evitar um colapso econômico.

"Um líder deve agir em função do que as pessoas necessitam, acima do que elas querem", termina o texto de Villas Bôas. O ex-comandante notabilizou-se por suas publicações no Twitter em momentos importantes, como quando falou sobre risco de "convulsão social" no dia anterior ao julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) que poderia colocar em liberdade o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deixou a cadeia posteriormente, por uma mudança no entendimento do STF sobre cumprimento de pena após condenação em segunda instância.

Em outro momento, Villas Bôas disse ver em falas do presidente francês, Emmanuel Macron, "ameaças de emprego de poder militar" contra a soberania brasileira. Em setembro de 2019, em entrevista ao Estado, o general falou que estava preocupado com as deliberações entre bispos católicos no Sínodo da Amazônia, ocorrido no Vaticano. Para Villas Bôas, o encontro entre religiosos havia adquirido "viés político".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

31/03


2020

Agência dos EUA autoriza hidroxicloroquina e cloroquina

Por Estadão Conteúdo

A Food and Drug Administration, agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, aprovou de forma emergencial um plano do governo Donald Trump para distribuir milhões de doses de medicamentos contra malária a hospitais em todo o país, dizendo que vale a pena arriscar tratamentos não comprovados para retardar a progressão do novo coronavírus em pacientes em estado grave.

Houve apenas alguns poucos estudos que mostram um possível benefício dos medicamentos hidroxicloroquina e cloroquina para aliviar os sintomas respiratórios agudos da covid-19 e limpar o vírus de pacientes infectados.

Especialistas em saúde alertam que os efeitos colaterais conhecidos dos medicamentos podem se tornar mais comuns com um uso muito mais amplo. Em particular, dizem eles, pacientes com problemas cardíacos existentes ou que tomam certos medicamentos, como antidepressivos que afetam o ritmo cardíaco, correm o risco de um episódio fatal. Os especialistas recomendam a triagem antes que os medicamentos sejam prescritos para evitar mortes relacionadas ao medicamento.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

31/03


2020

Bolsonaro acusa governadores de inflarem número de vítimas

Por Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar as políticas de contenção à proliferação do novo coronavírus, defendidas por governadores brasileiros, em especial, a recomendação de quarentena. Em entrevista à Rede TV! ontem, ele afirmou: "Não se pode impor isolamento como alguns Estados fizeram de forma quase eterna".

"Parece que há interesse por parte de alguns governadores de inflar o número de vitimados do vírus. Daria mais respaldo para eles, para justificar as medidas que tomaram", defendeu Bolsonaro. Para o mandatário, há restrições a uma "quarentena maior que está aí porque esse pessoal vai ter dificuldade para sobreviver". Ele disse tratar da doença, da preservação da vida e do emprego simultaneamente.

"O que o povo mais pede é para voltar a trabalhar", disse Bolsonaro, relatando a conversa que teve com populares durante visita feita à Ceilândia (DF), no domingo. Segundo Bolsonaro, que desconsiderou as recomendações de isolamento defendidas pelo Ministério da Saúde, não houve nada preparado da parte dele para que houvesse gente na rua no domingo.

Congresso

Na entrevista, o presidente disse que o Congresso tem cooperado com o governo neste momento de crise causada pelo alastramento do novo coronavírus, apesar de "alguns problemas" na relação entre governo e Parlamento. Em referência à aprovação pelo Senado Federal do auxílio de R$ 600 para autônomos e informais, Bolsonaro disse que o valor ajuda, "mas é aquém do que (as pessoas) necessitam".

"Alguns problemas com relação ao Congresso não são de agora, vão desde quando eu assumi o governo, assim como com alguns governadores. Mas hoje o Congresso deu mais uma prova de que não existe diferença: o Senado aprovou um abono de R$ 600 para os informais. O Congresso também aprovou o estado de calamidade, ele tem sua participação", disse o presidente.

Apesar da aprovação do auxílio aos informais, cujo impacto fiscal deve ficar em R$ 15 bilhões ao mês, Bolsonaro disse que mantém a preocupação com a possibilidade de um crescimento no número de desempregados. "A questão do emprego é uma preocupação nossa", disse. Segundo o presidente, há necessidade de "afrouxamento" na quarentena que vem sendo promovida em alguns Estados, como Rio de Janeiro e São Paulo.

"A maioria da população não tem com ficar em casa mais, tem que ser afrouxada alguma coisa, paulatinamente, para que o desemprego não aumente. O dano causado pelo desemprego vai ser muito pior do que o dano causado pelo vírus", argumentou Bolsonaro.

O presidente afirmou que se a Covid-19 fosse algo "terrivelmente mortal" para ele, talvez não estivesse na rua. "O H1N1 foi muito mais terrível e não trouxe esse pânico para nós." Em seguida, lembro do atentado em Juiz de Fora e disse: "Se o vírus pegar em mim, não vou sentir quase nada". De acordo com o presidente, a estimativa é de que pelo menos 60% da população vai contrair o vírus. "O que o governo está tentando fazer é que nem todos peguem ao mesmo tempo", disse.

Penitenciárias

Segundo o presidente, foi "equivocada" a decisão do TSJ de liberar provisoriamente presos no grupo de risco da doença. "Se depender de mim, não soltaria ninguém", disse Bolsonaro. "Estão mais protegido lá dentro. Têm comida, foram proibidas as visitas", afirmou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

31/03


2020

Coluna da terça-feira

Trapalhada no hospital Maria Lucinda

Diante de tudo de tudo que já se viu em Pernambuco em tempos de coronavírus, um já despertou a atenção da mídia nacional: o atestado falso para coronavírus como causa mortis do borracheiro Jacinto, levando à eternidade pela gripe Influenza, segundo nota oficial do próprio hospital Maria Lucinda, pivô da maior trapalhada da atual crise na saúde que atravessa o País sob a ameaça do Covod-19, o vírus da morte.

Na vida pública se pratica muitos crimes, inclusive o da omissão. Em se tratando de hospital, omissão remete de imediato à negativa do socorro. Mas não tem nada disso. A omissão foi praticada, no episódio em análise, pelo hospital, que até agora não deu o paradeiro da médica Ingrid Rodrigues, que assinou o atestado de óbito falso, e ao Governo, cujo representante do setor, o secretário de Saúde, André Longo, silencia.

Silêncio é sinônimo de omissão, grave pecado na vida de um cidadão. Embora o hospital Maria Lucinda seja filantrópico, tem relação com o SUS, recebe dinheiro do Estado e do Governo Federal, através de emendas parlamentares. Uma história muito mal contada. Se não, vejamos: o paciente morre, a equipe que o assiste colhe sangue para identificar a enfermidade, se conclui por gripe influenza e o atestado de óbito sai Covid-19.

No cartório, ninguém tem notícia do laudo da causa mortis. Envolvida no episódio, por sentir tratar-se de um escândalo nacional, a deputada Bia Kicis (PSL-DF) postou dois vídeos em suas redes sociais desconfiando que Pernambuco seja um caso em que o número de mortes pelo corona esteja crescendo de forma manipulada, atestando o Covid-19 como causa mortis em vítimas de outras enfermidades. Com a família do borracheiro, ela conseguiu o resultado do exame para influenza, mas não o laudo do médico no qual o cartório se baseou para o atestado de óbito.

Esse laudo sumiu, a médica Ingrid Rodrigues, que assinou o atestado, também tomou Doril. Mesmo destino chamado sumiço teve o secretário estadual de Saúde, André Longo. Ao longo do dia de ontem, tentei, por várias vezes, uma entrevista com ele, deixei mensagens no seu celular, mas se recusou a falar. Certamente, deve estar com a consciência pesada pelo aval do Estado a uma trapalhada lamentável de um hospital filantrópico.

Mais uma morte – Por falar em coronavírus, subiu para seis o número de mortos em Pernambuco com a Covid-19, segundo dados oficiais divulgados ontem. Também foram registrados quatro novos casos, totalizando 77 no Estado. A nova morte foi de um homem de 62 anos, com quadro de hipertensão e diabetes. No domingo passado, eram 73 casos confirmados. Também houve dois novos casos de cura clínica, chegando a 13 recuperações. De acordo com a Secretaria de Saúde, o homem morreu no domingo. Ele deu entrada no Hospital dos Servidores do Estado (HSE) no dia 25 de março, depois de ser encaminhado por uma unidade de saúde do município de Goiana, com quadro de infecção respiratória.

Emendas como reforço – A Assembleia Legislativa confirmou que os deputados repassaram um total de R$ 62,7 milhões para as áreas de saúde e assistência social, em meio à pandemia do novo coronavírus. De acordo com a Comissão de Finanças, Orçamento e Tributação, esse valor equivale a 67,7% do total de emendas parlamentares, que totalizaram R$ 92,5 milhões. O valor de emendas remanejadas para a saúde e assistência social chegou a R$ 56,6 milhões. O Legislativo informou que todos os 49 deputados estaduais fizeram o remanejamento e repassaram recursos para essas áreas, com o “objetivo específico para o enfrentamento ao novo coronavírus”.

Monitoramento ilegal – A denúncia foi do jornal O Poder: o recifense está sendo monitorado pela Prefeitura sem autorização e isso se constitui crime. Mesmo sem se referir à reportagem do jornal, o prefeito Geraldo Júlio (PSB) confirmou que mais de 510 mil pessoas já receberam alertas, pelo celular, sobre a necessidade do isolamento social para conter a pandemia do novo coronavírus no Recife. Até ontem, segundo ele, os avisos foram vistos mais de quatro milhões de vezes pelos moradores de bairros com menor índice de isolamento social, medido por uma ferramenta de monitoramento de aparelhos. O sistema é o mesmo denunciado pelo jornal para invadir a privacidade do cidadão.

Hospital de campanha – Em Fortaleza, o prefeito Roberto Cláudio (PDT) resolveu construir um grande hospital de campanha num estádio de futebol, da mesma forma como vem sendo feito no Rio. No Recife, não há notícia sobre tal iniciativa, mas em Fernando de Noronha, sim. Ali, o trabalho de montagem já está de vento em popa para receber possíveis pacientes com a Covid-19, a infecção causada pelo novo coronavírus. A unidade emergencial de saúde vai funcionar no auditório da Escola Arquipélago. Inicialmente, o espaço contará com seis leitos, mas a capacidade é de até 12 pessoas em tratamento.

CURTAS

BALANÇA, MAS NÃO CAI – O ministro da Casa Civil, Walter Souza Braga Netto, garante que “está fora de cogitação” e que “não existe essa ideia” de demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. O presidente Bolsonaro vem defendendo o relaxamento das medidas de isolamento social adotada nos estados e a retomada da atividade econômica, com a reabertura do comércio e volta dos estudantes às escolas. As recomendações de especialistas, da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do próprio Mandetta são de que o isolamento é necessário para evitar a expansão da pandemia. Essa postura diferenciada do ministro em relação ao chefe gera especulações de que Mandetta pode cair.

VOZ MUNICIPAL – A Frente Nacional de Prefeitos (FNP) tem dito que o presidente Bolsonaro “contraria orientações sanitárias, gerando insegurança e dúvida na população”. A FNP representa 406 cidades incluindo todas as capitais, e assim respaldada enviou novos ofícios cobrando responsabilidades, medidas oficiais do governo federal, testes rápidos para profissionais de saúde e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para os municípios. No texto, a entidade faz referência às novas posturas adotadas por Bolsonaro no fim de semana, que fez passeios pelo bairro Sudoeste em Brasília e pelo centro de Ceilândia, e vão contra as recomendações do Ministério da Saúde para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus.

INTEIRINHO DA SILVA – Inácio Manoel do Nascimento, o Nino, prefeito de Nazaré da Mata pelo PSDB, tomou um susto com sintomas do coronavírus na última sexta-feira, deu entrada num hospital do Recife para exames e ontem recebeu alta com o teste do mal negativo. Nino é bom camarada, segundo o prefeito de Tabira, Sebastião Dias (PTB). “Brincalhão e divertido, ele anima qualquer ambiente borocoxô”, diz o prefeito-poeta. Enquanto esteve internado, Nino deixou a cidade em pânico. “Mas, graças a Deus, correu tudo bem”, revela o vereador Nino Filho, herdeiro político do pai.

Perguntar não ofende: Quantos dias a mais iremos aguentar ainda em prisão domiciliar?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Shopping Aragão

30/03


2020

Bolsonaro: Guedes vê recuperação econômica em um ano

Por Reuters

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira que confia ser possível recuperar a economia brasileira em um ano após o fim da crise do coronavírus, e disse ter ouvido do ministro da Economia, Paulo Guedes, que o pacote de medidas para mitigar os impactos econômicos da pandemia no país chegará a cerca de 800 bilhões de reais.

Em entrevista por telefone à Rede TV, Bolsonaro disse ter conversado com Guedes nesta segunda sobre a situação econômica do país diante do coronavírus.

"Conversei com ele hoje. As medidas tomadas por ele podem chegar, somando tudo, a por volta de 800 bilhões de reais", disse Bolsonaro.

"O que ele expôs pra mim hoje é essa possibilidade de recuperar em um ano a economia é possível. Quando acabar a crise, mais um ano, voltamos ao estágio que estávamos em janeiro, isso é possível sim", acrescentou.

Bolsonaro destacou ainda que, ao ter conseguido aprovar no Congresso o decreto do estado de calamidade pública, não está faltando recursos para a saúde e para o combate ao desemprego.

Mais uma vez, o presidente criticou medidas de isolamento social tomadas por governadores e prefeitos. Segundo ele, é preciso se preocupar com os 38 milhões de trabalhadores informais no país, que têm sofrido as consequências das quarentenas.

O presidente afirmou ainda que a questão do emprego preocupa, ao destacar que o povo pede a ele para voltar a trabalhar.

"Não se pode impor quarentena maior do que já está", disse Bolsonaro, ao avaliar que a ajuda mensal de 600 reais para os informais aprovada pelo Congresso ajuda, mas não é suficiente.

Bolsonaro disse ainda que "quase todo mundo" vai pegar o vírus, mas o trabalho que tem sido feito é para evitar que todo mundo pegue ao mesmo tempo. Segundo ele, a curva de contaminação da enfermidade, no entanto, não pode ser esticada a ponto de o desemprego aumentar "de forma galopante".

"Pânico é uma doença", disse Bolsonaro. Para ele, os malefícios do clima de histeria são muito maiores do que o próprio vírus.

Segundo o presidente, quem tem recursos pode ficar em casa na quarentena, mas a maioria da população não pode ficar sem trabalhar, pois precisa garantir o sustento.

Numa defesa indireta do giro que fez na véspera por cidades do Distrito Federal, Bolsonaro afirmou que, se o coronavírus fosse algo "terrivelmente mortal" para ele, não teria ido para a rua.

O presidente disse que tem problemas com governadores e com o Congresso que não são de agora, mas elogiou o Congresso por estar fazendo a sua parte neste momento de crise e citou a aprovação nesta segunda pelo Senado da proposta que prevê o auxílio de 600 reais para os informais.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha