FMO janeiro 2020

12/09


2011

Ciro Gomes diz que política monetária é ''criminosa''

 O ex-deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE) criticou, hoje, a política monetária do Banco Central que reduziu a taxa de juros, após aumentá-la cinco vezes seguidas. Ele chamou a política cambial de ''estúpida'' e a monetária de ''criminosa'', em palestra para cerca de 5.000 lojistas, durante a 52ª Convenção Nacional do Comércio Lojista, em Fortaleza (CE), informa a Folha Online.

''O grande problema brasileiro é a descoordenação absoluta, uma política de câmbio completamente estúpida, provocada por uma política monetária criminosa, porque o mundo inteiro está com taxa de juros negativa e o Banco Central brasileiro administrando a mais alta taxa de juros do mundo. A liquidez brasileira é sólida, absoluta, então você tem como ganhar muito, sem correr risco, e isso inunda o mercado brasileiro de dólar especulativo, a moeda brasileira se valoriza. E está aí a tragédia: não conseguimos exportar'', disse Ciro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

roberto lima

O irmãozinho, um espertalhão; ele vive a procura de oportunidades. Vive a criticar para tentar achar uma boquinha. De tanto dizer besteiras e "apurrinhar" acabam sacodindo ele num cargo para mantê-lo sob controle


Banco de Alimentos

Confira os últimos posts



03/07


2020

Pernambucana no comando da Fiat na América Latina

Pela primeira vez, uma fábrica da Fiat Chrysler na América Latina será comandada por uma mulher. A engenheira Juliana Coelho, de 31 anos, assumirá o posto máximo na unidade de Goiana (PE), onde atualmente são produzidos os Jeep Renegade e Compass e a Fiat Toro.

Ela trabalha na empresa desde 2013, e faz parte do primeiro time de funcionários da unidade pernambucana, aberta em 2015 e considerada uma das mais modernas da FCA em todo o mundo.

Antes de assumir o cargo de gerente da fábrica, Juliana Coelho trabalhou como Especialista de Processo de Pintura, Supervisora e Gerente da Pintura e Gerente da Montagem na Jeep, além de, mais recentemente, ter chefiado a área de novos desenvolvimentos na manufatura da América Latina na fábrica da Fiat em Betim (MG).

Antes dela, o posto era ocupado pelo italiano Pierluigi Astorino, que se torna Diretor de Manufatura da Fiat Chrysler Automóveis para a América Latina. Ele sucederá o também italiano Francesco Ciancia, que retorna à Itália com a missão de liderar a manufatura das marcas Maserati e Alfa Romeo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

03/07


2020

Lava Jato denuncia José Serra por lavagem de dinheiro

A força-tarefa da Operação Lava Jato em São Paulo denunciou o senador e ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) por lavagem de dinheiro. A Polícia Federal começou a fazer, no início da manhã de hoje, buscas contra ele em uma nova fase da operação.

A assessora de imprensa de José Serra disse que a defesa do ex-governador ainda não teve acesso ao conteúdo dos autos e que irá se pronunciar após tomarem conhecimento do processo.

Segundo o Ministério Público Federal, a Odebrecht pagou a José Serra cerca de R$ 4,5 milhões entre 2006 e 2007, supostamente para usar nas suas campanhas ao governo do estado de São Paulo, e cerca de R$ 23 milhões (atualizados em R$ 191,5 milhões), entre 2009 e 2010, para a liberação de créditos com a Dersa, estatal paulista extinta no ano passado.

Em nota, a construtora diz colaborar com a Justiça. “A Odebrecht, hoje comprometida com atuação ética, íntegra e transparente, colabora com a Justiça de forma permanente e eficaz para esclarecer fatos do passado”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


03/07


2020

Vice de Lupércio é unanimidade na chapa

Articulado, jeitoso, com trânsito fácil em todas as correntes partidárias da aliança formada para reeleger o prefeito Professor Lupércio (SD), o vice-prefeito de Olinda, Márcio Botelho, também do SD, é apontado, hoje, como uma espécie de nome consensual para permanecer na chapa.

Até os adversários reconhecem seu potencial no campo da articulação política e na própria divisão de tarefas da gestão no dia a dia com o prefeito, que cumpre com muita eficiência e lealdade canina.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


03/07


2020

Ciro diz ter provas que Bolsonaro é mentor das milícias

Durante 55 minutos, tempo que durou, ontem, a live do ex-ministro Ciro Gomes a este blog, pelo Instagram, foram disparados ataques virulentos ao presidente Bolsonaro e ao ex-presidente Lula. Ciro Gomes, em fase de pré-campanha antecipada à Presidência da República em 2022, acusa o presidente Bolsonaro de ser mentor de uma quadrilha, a de milicianos, integrada pelos seus filhos. Assegura que 70% do eleitorado do Nordeste, da Bahia para baixo, votaram iludidos. “Elegeram um despreparado, boçal, de família bandida, ligada com as milícias e da mamatinha de roubar dinheiro de gabinete”, acusa Ciro, para em seguida afirmar que está seguro no que diz, com a ressalva de que o presidente e seus filhos não o enfrentam com medo. “Eles não me processam, pois sabem que tenho todas as provas. O Queiroz não é do Flávio, é do Jair Messias Bolsonaro, esse cara que está na Presidência”, desabafou.

Sobre as declarações do ex-presidente Lula, ontem, numa live, afirmando que ele (Ciro) vai se constituir num fracasso eleitoral em 2022 maior do que o das eleições presidenciais de 2018, o presidenciável disse que não leva a sério as declarações, porque Lula, segundo ele, não está bem da cabeça. “Diferentemente dele, eu pelo menos estou solto, não é? Não tenho ameaça de prisão. Mas não quero ficar nesse nível. O Lula não está nada bem. Eu conheço Lula há 35 anos e ele está tomado de ódio, frustração. Achava que o povo brasileiro deveria ter descido em Curitiba, destruído a Polícia Federal e ter levado ele para o poder. E isso deformou o Lula. Ele está falando muita bobagem e mentira. E sempre com a expressão do rancor, da mágoa. E eu estou em outra”,afirmou. Abaixo a entrevista.

O senhor já está em campanha à Presidência da República?

Eu sempre estou em campanha. Mas agora tem essa coisa de calendário eleitoral, crise política, militância do PDT e o meu livro, que estou lançando virtualmente.

 É uma autobiografia?

Não, é uma proposta básica de diagnóstico do problema estrutural brasileiro, do modelo econômico falido e, a partir disso, uma proposta de um novo projeto nacional de desenvolvimento, além de conceitos de direita e esquerda, papel do Estado, enfim, um livro de economia política.

Lula andou falando mal do senhor hoje de novo. Disse que em 2022 o senhor vai ter menos votos do que em 2018 e vai ser uma grande decepção. Como o senhor vê essa provocação do ex-presidente?

Diferentemente dele, eu pelo menos estou solto, não é? Não tenho ameaça de prisão. Mas não quero ficar nesse nível. O Lula não está nada bem. Eu conheço Lula há 35 anos e ele está tomado de ódio, frustração. Achava que o povo brasileiro deveria ter descido em Curitiba, destruído a Polícia Federal e ter levado ele para o poder. E isso deformou o Lula. Ele está falando muita bobagem e mentira. E sempre com a expressão do rancor, da mágoa. E eu estou em outra. Não estou nisso por projeto pessoal. Se tivesse, tinha aceitado participar da fraude que ele montou em 2018, quando me chamou para ser o vice dele. Todo mundo sabia que ele não podia ser candidato e eu nunca aceitei, porque acho que o povo merece respeito.

Mas o rancor é dele próprio ou do PT em geral com o senhor?

Hoje, o PT está muito dividido. É que nem as Forças Armadas: projetam que estão unidos, mas dentro não existe essa unidade. Olhando para trás, será que o povo brasileiro virou todo fascista e gado como eles chamam? Será que 70% do eleitorado de São Paulo e do Rio viraram fascistas? A Dilma ganhou do Aécio em Minas e de repente lá em Minas também o povo é fascista? O Sul do Brasil também? Essa coisa descolou da realidade. Veja, por exemplo, a eleição de 2016. Haddad só tirou 16% dos votos para reeleição. E esse foi o homem que o Lula escolheu para ser presidente quando o anti-petismo estava muito forte. O Lula não está preocupado com o Brasil e sim com micro-projeto dele dentro da turma do PT. Pessoas boas estão excluídas e quem dá as cartas são medíocres e com ficha suja. Parece que Lula sente necessidade de travar o debate. Depois de 14 anos, um governo que diz ser de esquerda terminou com a maior concentração de renda do mundo. O pior sistema tributário do mundo, só cobra imposta do trabalhador. Então, tudo isso caiu. Hoje temos cinco milhões de jovens devendo ao FIES. As pessoas não são idiotas e o Lula acha que o povo ainda está nessa de "São Lula". E eu não vou concordar mais com esse tipo de irresponsabilidade, porque isso está ferrando com o nosso País.

Todos dizem e não apenas ele e o PT que o senhor é temperamental, muito difícil de conviver, pavio curto...

No Brasil existe a mania de bater no carteiro para que as pessoas não leiam a carta. Se isso fosse verdade, será que eu teria sido ministro da Integração indicado por ele para fazer o projeto de Transposição. Quando isso passar, sabe o que vai ficar do Governo Lula? Criação de universidades e o projeto do São Francisco. E ele entregou a mim o projeto São Francisco. Depois, eu fui ministro da Fazenda. Claro que eu sou afirmativo, não tenho sangue de barata. Mas fui o governador mais popular do Ceará. E agora, porque estou discordando dessas maluquices, sou pavio curto? O Lula agora é o papa? Ele vai ter que ouvir.

O governador da Bahia, Rui Costa, disse, hoje, que está convencido de que teria sido melhor apoiar o senhor do que o Haddad em 2018. Ele é uma voz isolada no PT?

Ele já havia defendido isso na época. E não é por nada, seria até inteligente, embora eu não estivesse pedindo apoio do PT. Havia claramente uma força que estava derrotada em 2018: o lulopetismo. Rui e Jaques Wagner (ex-governador da Bahia e padrinho de Rui) não têm voz dentro do PT, porque são inteligentes e o Lula prefere se cercar de bajuladores de quinta categoria. O Rui Costa dizer isso é bom, mas não seria bom para mim. O Lula sabia que pela Lei da Ficha Limpa que não ia ser candidato e colocou um cara que tinha perdido a eleição em São Paulo para fazer papel de ridículo. E aí produziram o Bolsonaro.

Eu estive com Pedro Correa há algumas semanas e ele me disse que José Dirceu falava horrores de Lula na cadeia, mas, publicamente, nunca detonou Lula. Por que esse silêncio de Dirceu, o homem forte de Lula, em relação ao ex-presidente?

Zé Dirceu, faça-se a crítica que quiser, é um homem de honra. Em tempos de delação premiada, é preciso pôr em relevo. Mas opiniões de Zé Dirceu em relação a Lula vão morrer comigo, ele também já me revelou seus horrores, mas que vão morrer comigo em respeito a ele.

O senhor falou da Transposição com o início de ter dado o start do projeto, obra essa que foi marcada depois por escândalos de desvios de recursos superfaturados. O que houve?

Tudo isso ocorreu porque o Lula nomeou o Geddel (Geddel Vieira, político baiano). Ele sabia quem era Geddel. E depois das denúncias, ele ainda exigiu a vice-presidência da Caixa Econômica para o Geddel, de onde saiu aqueles R$ 51 milhões nas malas dentro do apartamento de um laranja dele em Salvador. Está na cadeia. Então, repare, o Lula acha que o povo é imbecil. Eu fiz um canal de 120 quilômetros em 90 dias. Tecnicamente, não tem mistério. Faz a água evoluir com bombeamento e derruba ela em declive. Tem tudo no Brasil. Dava para fazer com um terço do valor e em três anos. Virou 14 anos por cinco vezes o valor. 

E Bolsonaro esteve lá e disse que inaugurou uma obra que o PT ganhou muito dinheiro na corrupção...

Bolsonaro sempre foi contra essa obra. Como deputado, votou contra. E se fosse por ele, só 3% do Eixo Norte estaria pronto. Ele demorou um ano e meio para fazer 3%. Se fosse no ritmo de Bolsonaro, essa obra ia levar 40 anos para sair do papel. Então, um viva ainda para a turma que o antecedeu.

Por que Bolsonaro não tem empatia com o povo do Nordeste?

Bolsonaro não tem empatia com gente. É um grande fracassado como pessoa. E olha como o Brasil é. Estava ali numa hora que, com assessoramento estrangeiro, de muita grana suja, chegou aonde chegou. Ninguém fazia ideia do poder dessas fake news, até  aonde podiam chegar em grupos de Whatsapp, Telegram, etc. O Trump mandou um cara chamado Steve Bannon comprar a Presidência do Brasil e o Bolsonaro estava ali na área e topou fazer esse jogo sujo. Mas ele tem como livro de cabeceira um livro de um torturador. No Nordeste, além dele não ter empatia, tem muita raiva porque a jogada dele não colou. No Ceará, por exemplo, ele ficou em terceiro lugar na eleição. Ele não vai perdoar o povo do Nordeste jamais. E ele vomita esse preconceito sempre que pode.

Lula cresceu com o Bolsa-Família. Bolsonaro agora criou o auxílio dos R$ 600 e deu uma melhorada na popularidade no Nordeste. Não seria o caminho da salvação dele apostar em programas sociais?

 O debate sobre isso é que o Bolsonaro tinha proposto um auxílio de R$ 200. Houve uma grande luta para chegar aos R$ 600 ser aprovado. Ele merece o reconhecimento por ter entregado os R$ 600. Ele acabou engolindo. Mas estamos no pior dos mundos: fizemos um isolamento "meia bomba" e a recuperação econômica será mais lenta pela incompetência de Bolsonaro. Teve uma compreensão equivocada, grosseira e trocou de ministros três vezes. Ele mantém 23 militares sem experiência nenhuma no Ministério. Um pára-quedista está cuidando da saúde no Brasil. Ele determinou que comprassem cloroquina e foi comprado por seis vezes o valor. Vai acabar em processo penal contra o exército. Veja aonde chegamos! A economia brasileira vai cair duas vezes e meia o que a economia vai cair no mundo.

No exercício da Presidência da República, como o senhor como conduziria essa crise da pandemia?

Você mencionou uma coisa que explica o Bolsonaro. O Bolsonaro ouve esse tal de Bannon, que é o mesmo do Trump. É o Boris Johnson no Reino Unido, Trump e Bolsonaro. Em linha, com a mesma atitude: anticientífica, cloroquina, gripezinha. E são os três lugares com mais mortes no mundo. Em Pernambuco, morreu mais gente que na China. Se você pegar a América do Sul todinha tem um terço das mortes do Brasil. A diferença é o desgoverno. Quando se deu a pandemia, a OMS anunciou do que se tratava. E aí fiz uma carta aberta ao Bolsonaro com sugestões do que eu faria. Isolamento social radical, um acerto com a China para pegar testes e respiradores para trazer isso para o Brasil, e socorro às famílias e empresas de urgência. Não seria parcelado e sim de uma vez só. Se a gente tivesse feito algumas coisas assim, a situação estaria diferente. Tiro isso de casos como Coréia do Sul, Alemanha, Nova Zelândia, China, Argentina, que fizeram isso e tiveram êxito. Evitaram mortes e diminuíram a repercussão econômica.

Eu estive no Ceará antes da pandemia e constatei avanços na saúde, mas no inicio da pandemia me assustei com os elevados índices de Covid em Fortaleza e no resto do Estado. O que aconteceu?

O Ceará saiu na frente nos testes. Testamos o vírus em grande número de pessoas, enquanto em outros Estados não se via esse diagnóstico não seguro. O vírus não tem vacina nem remédio. O Ceará recebeu um grande contingente de turistas, porque transformou o turismo como mola mestra da economia. Nós tínhamos 48 vôos semanais, com mais de 30 mil passageiros de fora por semana aqui no Ceará. Na hora que a Covid explodiu na Itália, Espanha, Portugal, a gente tentou limitar a vinda dessas pessoas, mas Bolsonaro, através de liminar, conseguiu derrubar isso e nós ficamos recebendo, no auge da pandemia, 40 mil estrangeiros. Também houve uma explosão de casos nos bairros ricos e depois nos bairros pobres. Essa foi a principal razão.

Que tipo de aliança o senhor está pensando para 2022? O senhor bate no PT, no PTB e outros potenciais aliados. Vai sobrar alguém para se aliar?

Sobra a maioria. O tamanho da crise está tão grande que estou naquela dos Titãs: "O acaso vai me proteger enquanto eu andar distraído". É preciso falar com clareza. As tragédias vêm nas costas do povo brasileiro. É uma crise sem precedentes. Nós temos mais brasileiros fora do mercado de trabalho do que dentro. Vai negar a própria confiança do povo na democracia. Daqui a pouco o povo vai entrar no supermercado e pegar o que tiver para comer. Aí vai o presidente e todo dia introduz uma crise política, uma coisa de ex-general dentro do Palácio. Ninguém vai mais aceitar uma ditadura. Eu acho que esse extremismo do PT e do Bolsonaro vai destruir a nação brasileira. Mas acho que isso só alcança 25% da opinião pública brasileira. Eu quero alcançar os outros 50% para tirar o País desse confronto, que já descamba para a violência de rua. Quando acabar a pandemia é provável que o povo vá para as ruas pedir o impeachment de Bolsonaro. Bolsonaro hoje só existe porque ameaça Lula. E Lula acha que o bolsonarismo é tão trágico que vai absolver o PT das bobagens que fez. Nós queremos construir um caminho diferente. Temos que ir à luta.

A eleição se dá em dois turnos. Vamos supor que o senhor chegue lá enfrentando Bolsonaro ou o PT. O senhor aceitaria se compor com o PT para derrotar Bolsonaro ou se compor com Bolsonaro para derrotar o PT?

 Quem se propõe a governar o País tem que ter humildade de apresentar alguns pontos. Para se chegar ao segundo turno tem que ser radical na ideia que eu defendo. Vai que o povo gosta e me dá uma eleição no primeiro turno? Mas só quem é mentiroso como Bolsonaro diz que não vai negociar. Diz que isso é molecagem e tal. Mas para quem quer governar, a negociação é imperativa. A questão é como negociar. Então eu negociaria, sim. Eu vou tentar ganhar a eleição no primeiro turno, apostando no povo. Depois, no segundo turno, você faz alianças com base em algumas concessões. Se você tiver pouca força, as concessões são muito grandes. O fato é que ninguém governa o País sem negociar. E não é bom que isso aconteça.

Mas quem seria mais confiável: Bolsonaro ou PT?

Na política, tudo é subjetivo. A afinidade com o PSB continua. Porque a ideia central do PSB é o socialismo democrático. Com Miguel Arraes, Eduardo Campos e etc. Frustrações são do ramo. Imagina se eu tiver 25% dos votos naquela eleição todo mundo teria ficado comigo. Mas nós tivemos que provar antes. Houve um momento que o Lula colocou a faca na garganta do PSB e disse que se ficassem comigo iria tirar o apoio em Pernambuco e derrotar o PSB com Marília Arraes. A mesma coisa eles fizeram com o PCdoB. Mas o PSB não me enganou. Carlos Siqueira sempre esteve comigo. Mas, enfim, 70% do eleitorado da Bahia para baixo votou num despreparado, boçal, de família bandida, ligada com as milícias e da mamatinha de roubar dinheiro de gabinete. Eles não me processam, pois sabem que tenho todas as provas. O Queiroz não é do Flávio, é do Jair Messias Bolsonaro, esse que está na Presidência.

Com base em quais sustentações jurídicas poderia acontecer o impeachment de Bolsonaro, já que esses supostos crimes teriam acontecido antes do mandato?

É muito importante isso. O Brasil tem usado de maneira muito vulgar o impeachment. Então, só existe um motivo para interromper um governo, que é cometer um crime de responsabilidade. Não é ser por simplesmente um mau governo. Mas, para mim, Bolsonaro comete três crimes de responsabilidade, coisa que Dilma não cometeu. A Dilma era um governo desastrado. Mas a pedalada não é crime. Nunca foi. Todos os governantes fizeram. Bolsonaro comete o crime de constranger ou regular o funcionamento dos poderes da República, quando vai para a porta do quartel-general e diz "eu sou vocês e vocês sou eu" com faixa de intervenção militar e fechar congresso, supremo, AI-5 e etc. Depois, expõe a sociedade brasileira ao genocídio, quando diz que é uma gripezinha. Vai em seguida para a televisão com uma caixinha de remédios banida pela comunidade científica e cabe até representação no tribunal penal internacional. Outro crime é obstrução de justiça quando houve acusações gravíssimas de Sérgio Moro, relacionadas à Polícia Federal. Ele comete esse crime e até diz na reunião que era para proteção de amigos de família. E é por isso que ele precisa ser punido, não é porque é um mau governante.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


02/07


2020

Ciro diz que vai às ruas pedir impeachment de Bolsonaro

Na live deste blog, hoje mais cedo, às 18 horas, o ex-ministro Ciro Gomes anunciou que o seu partido, o PDT, irá as ruas pedir o impeachment do presidente Bolsonaro, por entender que ele cometeu três crimes de responsabilidade. "Constrangeu o funcionamento dos Poderes da República, expôs a sociedade ao genocídio com a cloroquina e obstruiu a Justiça para proteção dos amigos e da família", disse. Para Ciro, Bolsonaro é o mentor de uma quadrilha familiar de milicianos que está levando o País a uma crise sem precedentes na história do País.

"Acho que a crise brasileira é tão grave que lembra a frase do Titãs “o acaso vai me proteger enquanto eu andar distraído”. Quebraram o Brasil. Estamos indo para 20 milhões de desempregados. Isso é uma tragédia! Todo dia o presidente introduz uma crise política a fazer frases como se tivesse tutela sobre os poderes. Ora, vão catar coquinho! Esse extremismo do PT e do bolsonarismo com seus puxadinhos somam 25% cada um. Quero organizar os 50% que são a maioria. Vamos pedir o impeachment e esquentar a rua", afirmou.

Para Ciro, quem se propõe a governar o País precisa de humildade e tem que ser o mais honesto no conjunto de valores que defende. "Temos 32 partidos com representação no Congresso brasileiro. Se você quer governar, a negociação é um imperativo", disse. Ciro confirmou que já está em campanha para presidente em 2022 e perguntado se aceitaria o apoio do PT numa eventual disputa em segundo turno contra Bolsonaro, disse que não recusaria apoios.

 "Aceitaria, claro. Se eu não conseguisse no primeiro turno a eleição. Vamos apostar no povo. No segundo turno se faz aliança com base em algumas concessões. Ninguém vai governar o país sem negociar. Um amplo campo de centro-esquerda é o projeto que defendo. Está na hora de botar o pé no chão e debatermos. São 107 milhões que vivem sem proteção da lei. É uma selva. Estamos pagando gás de cozinha em dólar. Não posso conviver com isso. Só tem uma saída que é um Estado forte", afirmou.

Sobre o fato de não ter contado com o apoio do PSB quando se lançou, lá atrás, candidato ao Planalto, Ciro disse que o presidente do partido, Carlos Siqueira, foi muito correto, jogou transparente. "Na política, tudo é subjetivo. A afinidade com o PSB continua porque tem realização e testemunhos relevantes. Frustrações do dia são do ramo. Se eu tivesse 25% dos votos, estavam todos comigo naquela eleição. O problema é que Lula botou a faca no pescoço dos partidos. O PSB nunca me enganou. Existe uma gratidão difusa do povo mais carente com Lula, mas 70% do eleitorado votou num boçal, líder de uma quadrilha familiar ligada a milícia do Rio de Janeiro. Falo isso e ele não me processa porque sabe que tenho provas".

A íntegra da live está nas postagens do Instagram no endereço @blogdomagno.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


02/07


2020

Maraial: cassação volta a assombrar família Moura e Silva

Mais uma vez, o futuro político da família Moura e Silva está nas mãos da Câmara Municipal de Maraial, isso porque, 31 anos após ser afastado das funções, o ex-prefeito Antônio Carlos de Moura e Silva vê o seu filho tomando o mesmo rumo que o seu. Os vereadores votarão, amanhã, às 14h, a cassação do atual prefeito, Marco Antônio de Moura e Silva.

Caberá aos 14 vereadores da cidade, localizada na Mata Sul de Pernambuco, decidirem se o chefe do Executivo Municipal permanecerá no cargo ou será obrigado a se afastar.

Marco Antônio Moura e Silva é acusado de ter cometido improbidade administrativa. O gestor foi denunciado por supostamente não ter repassado 15% dos impostos para a área da saúde e de ter gasto R$ 1,5 milhão sem que as despesas tivessem sido empenhadas.

“A gestão do prefeito está sendo caótica. Maraial retrocedeu. Chegou a hora de darmos um basta nesses desmandos. O dinheiro público e a população não foram tratados com zelo e respeito”, destaca o vereador Carlos Alexandre.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


02/07


2020

Editorial analisa a liberação de recursos pelo Governo Federal

No Frente a Frente de hoje, programa que ancoro pela Rede Nordeste de Rádio, o meu editorial foi sobre o ato do Governo Federal em liberar R$ 13,8 bilhões para os municípios combaterem a pandemia do novo coronavírus. Vale a pena conferir!

O Frente a Frente tem como cabeça de rede a Rádio Hits 103,1 FM, em Jaboatão dos Guararapes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


02/07


2020

STF dá 5 dias para Pazuello explicar sobre uso da cloroquina

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu prazo de cinco dias para que o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, apresente informações sobre as orientações para o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina contra o novo coronavírus.

Mello é o relator de uma ação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Saúde (CNTS) que contesta as orientações do governo para o uso das substâncias. As orientações constam de protocolo divulgado no dia 20 de maio pelo Ministério da Saúde. O documento libera no SUS o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina até para casos leves de Covid-19.

As informações prestadas pelo ministro da Saúde podem ser usadas pelo ministro do STF para decidir sobre o pedido de liminar da confederação.

A decisão do ministro é do último dia 30. No processo, a CNTS pede à Corte que, em decisão liminar, determine ao governo uma série de ações em relação ao uso dos medicamentos no combate ao coronavírus. Entre elas:

- Que autoridades do governo federal não tomem medidas de enfrentamento à pandemia que contrariem as orientações científicas, técnicas e sanitárias das autoridades nacionais (Ministério da Saúde) e internacionais (Organização Mundial da Saúde);

- Que as autoridades do governo federal se abstenham de recomendar o uso de cloroquina e/ou hidroxicloroquina para pacientes acometidos de Covid-19 em qualquer estágio da doença, suspendendo qualquer contrato de fornecimento desses medicamentos;

- Que o governo pare de divulgar ou retire da internet e redes sociais orientações ou recomendações de cloroquina e/ou hidroxicloroquina para pacientes com Covid-19 em qualquer estágio da doença;

- Que o governo publique, na página do Ministério da Saúde e no perfil da Secretaria de Comunicação em uma rede social, a seguinte frase: “As evidências científicas mais recentes comprovam que a cloroquina e hidroxicloroquina não têm qualquer efeito no tratamento de pessoas com COVID19 e ainda podem piorar os efeitos da doença, aumento a taxa de mortalidade”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


02/07


2020

Ciro na live do blog agora às 18h

Devido a compromissos na agenda, a live de hoje do blog com o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), que disputou à Presidência da República na eleição passada e já está em campanha aberta pelas redes sociais para 2022, será daqui a pouco, às 18h.

Se você não segue ainda o Instagram do blog vai lá e adiciona: @blogdomagno.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


02/07


2020

Pedra ganha prêmio “Prefeito Amigo da Criança”

O prefeito de Pedra, Osório Filho, comemorou, ontem, um dia histórico para as políticas públicas do município voltadas a primeira infância e a juventude. Pela primeira vez na história, a cidade conquistou o Prêmio “Prefeito Amigo da Criança” concedido pela Fundação Abrinq. A premiação reconhece os gestores de todo o Brasil que se dedicaram e cumpriram todas as etapas propostas ao longo dos quatro anos de gestão (2017-2020), ao atingir as metas propostas pela fundação.

“Desde o início de nosso governo estamos trabalhando para garantir uma educação de qualidade, saúde e assistência as nossas crianças e hoje vemos esse trabalho ser reconhecido nacionalmente. Isso nos enche de alegria e aumenta ainda mais nossa responsabilidade para seguir em frente transformando a vida das pessoas, desenvolvendo nosso município”, destacou Osório Filho.

Dentre as ações destaques, que foram os principais critérios para a seleção do prêmio, estão a apuração do orçamento Criança e Adolescente durante os 03 anos; redução de 10,9 pontos na taxa de distorção idade-série no Ensino Fundamental, anos iniciais, da rede púbica municipal. De 28,2, em 2016, para 17,3, em 2019. Redução de 18,8 pontos na taxa de mortalidade infantil. De 25,4 óbitos para cada 1.000 nascidos vivos, em 2016, para 6,6 óbitos a cada 1.000 nascidos em 2018.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


02/07


2020

Prefeitura de Petrolina e Univasf garantem mais 20 vagas de UTI

O tratamento de pacientes de Covid-19 em condição grave será reforçado. A Prefeitura de Petrolina pactuou com a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) a abertura de 20 novos leitos de UTI. Os equipamentos serão instalados na ala de tratamento da Covid-19 da Policlínica de Petrolina. Assim, agora, a estrutura passa a contar com 40 vagas para tratamento intensivo na parceria firmada pela Prefeitura e Univasf.

Para garantir a ampliação de leitos de UTI, a Secretaria de Saúde de Petrolina irá disponibilizar duas novas equipes de médicos, enfermeiros e outros profissionais. A Univasf entrará com a parte de infraestrutura, equipamentos recebidos do Estado, como respiradores, além da manutenção da ala de UTI, como já ocorre nas outras 20 vagas já criadas.

De acordo com o prefeito, os novos leitos pactuados serão liberados, caso haja crescimento de internações de pacientes graves. "Hoje, das 20 vagas da Policlínica para pacientes com Covid-19, 12 estão ocupadas. Se esse total chegar próximo do limite, automaticamente abriremos os 20 novos leitos. A gente torce para que não seja preciso, mas nosso trabalho tem sido preventivo desde o início da pandemia, quando essa parceria abriu os primeiros 10 leitos. O importante é que através da união de forças estamos garantindo a melhor estrutura possível para preservar as vidas de nosso povo", garante o prefeito Miguel Coelho.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


02/07


2020

Manifestantes fincam cruzes na praia de Boa Viagem

Na manhã de hoje, um grupo de dez ativistas fincou cruzes na praia de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. A intenção do ato é lembrar que o Brasil já ultrapassa o número de 60 mil mortes por pessoas infectadas pelo novo coronavírus. As informações são do Portal FolhaPE.

O grupo, formado por pessoas ligadas a sindicatos, profissionais de saúde e de ONGs levou 180 cruzes para a orla da praia da Zona Sul, nas proximidades da Padaria Boa Viagem. O protesto defende o isolamento social para impedir que o vírus continue se espalhando, principalmente nas áreas de maior vulnerabilidade.

"A gente apoia as medidas de isolamento e cuidado, pois entendemos que a Covid-19 está avançando nas favelas e periferias.  Por isso, entendemos que o cuidado deve ser redobrado para esta camada da população, uma vez que a outra camada, quando foi fortemente atingida, havia o cuidado e o isolamento social por parte do Governo", relatou Carla Pereira, da ONG Frente Favela Brasil.

Durante o ato, pessoas a favor do governo Bolsonaro, que passavam pela Avenida Boa Viagem, ameaçaram os manifestantes. Elas chegaram a solicitar o apoio da Polícia Militar, que marcou presença no local. Entretanto, após constatar que se tratava de uma ação pacífica, sem qualquer tipo de aglomeração na orla, os policiais deixaram a área depois de alguns minutos. Cidadãos a favor da continuidade do isolamento e de uma melhor política de segurança aplaudiram os responsáveis pelo protesto enquanto caminhavam no calçadão.

Ontem, o Governo do Estado, através da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), confirmou mais 847 novos casos da Covid-19 em Pernambuco, além de 65 óbitos. Agora, o Estado soma 59.705 casos e 4.894 mortes de pessoas diagnosticas com o vírus.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

É preciso lembrar que, Bozo dizia que era apenas um gripezinha.

marcos

Manda Geraldo e Paulo comprarem mais respiradores para Porcos, talvez resolva!



02/07


2020

Lula volta a pedir acesso a conversas entre Moro e Lava Jato

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) o acesso a mensagens trocadas entre os procuradores da República da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba e o ex-juiz Sergio Moro.

Os advogados argumentam haver “fatos novos” relacionados a vazamentos de conversas entre autoridades. O pedido foi feito na noite de ontem em um habeas corpus no qual a defesa de Lula defende que os procuradores da força-tarefa sejam considerados suspeitos nos casos contra o petista.

No recurso, a defesa pede que o Supremo considere nulos os atos dos membros da força-tarefa nos processos contra o ex-presidente. Segundo a defesa, as mensagens fazem parte de material apreendido pela Polícia Federal na Operação Spoofing. A ação foi realizada em julho do ano passado e prendeu quatro pessoas suspeitas de invadir contas do Telegram de diversas autoridades, entre elas os procuradores da Lava Jato.

 O pedido é para o compartilhamento de mensagens “trocadas por meio de aparelhos funcionais, que digam respeito, direta ou indiretamente” a Lula. O inquérito está sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes.

“Foram revelados novos elementos da colaboração secreta – e ilegal – havida entre os procuradores da força-tarefa da Lava Jato com autoridades norte-americanas”, diz a petição, que cita reportagem publicada pela Agência Pública em parceria com o Intercept Brasil.

“Não se está buscando acesso a conversas privadas dos procuradores da República em tela, mas, sim, a conversas realizadas em aparelhos do Estado e que dizem respeito aos atos funcionais praticados por tais agentes públicos sem a observância da lei e com o objetivo de prejudicar o paciente”, ressalvam os advogados.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


02/07


2020

Paulo discute com Maia enfrentamento à Covid-19

O governador Paulo Câmara recebeu, na manhã de hoje, no Palácio do Campo das Princesas, o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia, para apresentar as ações do Governo de Pernambuco no enfrentamento à pandemia do novo Coronavírus. Durante o encontro, o gestor estadual detalhou as medidas adotadas nas mais diferentes áreas governamentais e defendeu a construção de uma unidade nacional, aproveitando a ocasião para indicar caminhos que podem ser seguidos pelo legislativo federal para apoiar os Estados e municípios. 

“Mostramos nosso modelo de atuação, e o presidente Rodrigo Maia se comprometeu a continuar a nos ajudar e ajudar o Brasil a superar essa crise”, disse o governador, completando: "A Câmara dos Deputados e o Congresso têm feito um papel importante. E é necessário que o Governo Federal, cada vez mais, busque ações e um planejamento. Ainda temos um longo caminho para percorrer no enfrentamento à pandemia”.

Rodrigo Maia elogiou o trabalho realizado em Pernambuco e reafirmou a ajuda e a disposição para "a junção de forças" para seguir com essa atuação. “Temos ainda muitas pautas que vamos precisar votar e precisamos saber o que de fato está projetado em todos os estados, para que possamos organizar, colocando as matérias em votação conectadas com a realidade de cada um. Vimos a projeção de queda de arrecadação, perda do fundo de participação dos estados e como isso ainda vai afetá-los. Com essas informações, dialogaremos com o Governo Federal para que os próximos projetos tratem de recursos e que estejam do tamanho adequado para atendimento das demandas da sociedade de todo o Brasil”, declarou o presidente da Câmara dos Deputados.

Até o momento, o Governo de Pernambuco investiu mais R$ 570 milhões no enfrentamento à pandemia no estado, entre a estruturação de leitos, ações de proteção social e contratação de pessoal. A estimativa da gestão estadual é de aportar cerca de R$ 900 milhões até o final da crise provocada pelo novo Coronavírus.

Também estiveram presentes no encontro a vice-governadora Luciana Santos, o deputado federal Tadeu Alencar e os secretários Décio Padilha (Fazenda), André Longo (Saúde), e Alexandre Rebêlo (Planejamento e Gestão).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


02/07


2020

Queiroz presta depoimento ao MPF em presídio de Bangu

O Ministério Público Federal (MPF) programou, para a tarde de hoje, ir tomar um depoimento de Fabrício Queiroz no Complexo Penitenciário de Bangu, na Zona Oeste do Rio.

Os procuradores buscam detalhes do suposto vazamento da Operação Furna da Onça para beneficiar Jair Bolsonaro nas eleições de 2018.

O suposto vazamento foi denunciado pelo empresário Paulo Marinho, que apoiou Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral para a Presidência da República.

O procurador da República Eduardo Benones, do Grupo de Controle Externo da Atividade Policial do MPF no Rio, vai tomar o depoimento dentro do presídio de Bangu 8, onde Queiroz está preso desde 18 de junho.

Será o segundo depoimento de Queiroz desde que ele foi preso em Atiabaia, interior de São Paulo, na casa de Frederick Wassef, ex-advogado de Flavio Bolsonaro.

Na última segunda-feira (29), Queiroz foi ouvido pela Polícia Federal no Rio, no inquérito que também apura as denúncias de vazamento da Operação Furna da Onça.

Nesse depoimento, Queiroz disse que não teve informações privilegiadas de operações. Ele também contou aos investigadores que pediu para ser exonerado pelo então deputado estadual Flávio Bolsonaro, contrariando a tese de que foi demitido porque o parlamentar soube da operação de forma antecipada.

Fabrício Queiroz contou que seu desligamento do gabinete de Flávio Bolsonaro, na (Alerj), aconteceu porque ele queria da saúde e estava cansado de atuar como assessor político.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha