O Jornal do Poder

07/08


2020

A educação tem muito o que aprender

Por Arnaldo Santos*

De uma forma geral, desde primeiro de junho último que a economia brasileira iniciou seu processo de flexibilização dos setores, através do Plano de Retomada das Atividades Econômicas e Comportamentais. Segundo informações que vêm sendo publicadas pelos governos estaduais e municipais, quase todas as atividades já se encontrariam aptas a funcionar, restando, entretanto, segmentos como o de eventos, bares, cinemas e as aulas presenciais nas escolas e universidades.

No que se refere ao último segmento, o educacional, pais, educadores, alunos, professores, funcionários, ministério e defensoria pública, dentre outros, vêm discutindo como se dará o retorno das aulas presenciais, haja vista os riscos que possa oferecer essa decisão, no momento em que os índices de infecção e mortes pelo coronavírus, apesar de terem diminuído, ainda são uma ameaça.

Embora existam estudos indicando que crianças e adolescentes são menos propensas a se infectarem pelo vírus, no Ceará, por exemplo, o Governador Camilo Santana e o Prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, mantendo a prudência e a responsabilidade que se espera de um chefe do poder executivo, comunicaram semana passada que as aulas presenciais, só retornariam em setembro, se o cenário da COVID-19 oferecer segurança. É do conhecimento geral e dessa realidade poucos devem discordar que as escolas, mesmo as particulares, possam ser um foco de reincidência perigoso dado a seu caráter aglomerativo, o que vai exigir uma ampla estrutura de testagem e monitoramento, quando do retorno.

Como esperado, a maior pressão sobre as autoridades públicas, para um retorno imediato, procede do setor privado, ao alegar prejuízos financeiros, sendo este, inclusive, um aspecto ocorrente na maioria dos estados brasileiros. Deparamos, também, entretanto, um problema relevante, o de definir responsabilidades por eventuais mortes de professores e alunos, visto que a maioria das escolas não oferece condições para redefinição de uma nova configuração dos seus espaços que garantam o distanciamento exigido pelos protocolos sanitários. Até que se tenha uma vacina, que garanta imunidade a todos, o sistema híbrido, com aulas presenciais e turmas divididas, para permitir o distanciamento no mesmo espaço, e on-line, exprime-se, decerto, como a alternativa mais segura.

No concernente à ideia defendida por alguns – de que, após a reabertura das escolas, cabe aos pais a decisão sobre permitir ou não que seus filhos voltem a frequentar as aulas presenciais – é crucial se atentar para dois fatos que submetem a dúvidas mencionada opção. O primeiro é que a covid-19, sendo um problema de saúde pública com alta taxa de letalidade, cabe ao Estado regular e decidir o momento mais seguro. O segundo reside na noção de que, para oferecer essa alternativa, o Poder Público terá que disponibilizar infraestrutura digital (computador e internet) para os estudantes que não dispuserem desses recursos, que, como sabemos são muitos, para não agravar ainda mais o já comprometido aprendizado.

Em paralelo a essa discussão, a pandemia carreou para o centro dos debates, em escala global, a necessidade de se reformar o modelo tradicional de ensino, não apenas nos conteúdos mas também no seu formato, iniciando uma gradual substituição do ensino presencial pela modalidade on-line  e educação em casa, antecipado pela emergência da doença.

Refletindo sobre o modelo de ensino adotado pelas escolas no Mundo, em seu livro 21 Lições para o século XXI, o historiador Yuval Noah Harari descreve que “[…] as escolas continuam concentradas em ensinar as habilidades acadêmicas tradicionais e numa aprendizagem mecânica, quando melhor seria priorizar o pensamento crítico que é mais importante para o sucesso dos alunos no futuro”.

Em um contexto de país em desenvolvimento, como o Brasil, assim como para alguns estados da África, e outros periféricos, não constitui surpresa que a ideia de educação vigente ainda seja a mesma de uma escolaridade arraigada na maneira como os nossos antepassados a imaginavam – estruturas físicas como as que temos hoje, ocupadas pelos estudantes, com o professor sendo centro das atenções e única referência do saber. As modernas tecnologias já desfizeram essa concepção e transportaram o conhecimento para a palma das mãos dos alunos.

É notória a ideia de que, no atinente a qualidade da educação, maneiras de ensino, nível de aprendizado dos alunos, papel docente e outros temas correlatos, a matéria é quase tão antiga quanto a criação do quadro negro, ou lousa, criado pelo professor escocês James Píllans, ainda no século XVIII. Referimo-nos à mais tradicional e revolucionária tecnologia de ensino no Mundo, pois perpassou dois séculos, já está no terceiro, e nem as modernas tecnologias digitais a fizeram perder a utilidade em sala de aula. 

Como observador que acompanha atentamente as transformações sociais, culturais e tecnológicas sucedidas no Mundo, não é sem propósito afirmar que, nos últimos quarenta anos, quase tudo se desenvolveu e se modernizou, mas a educação e o nosso sistema de ensino ainda têm muito o que aprender, para, pelo menos, situarem-se no tempo corrente.

Essa afirmação é facilmente verificada todos os dias em sala de aula, (pelo menos era, até a pandemia provocar o fechamento das escolas no Mundo), quando, em plena Era Digital e de Inteligência Artificial, os professores da maioria da escolas e universidades públicas, e também privadas, não só no Brasil, ainda são obrigados a usar, em sala, uma caderneta, caderno ou diário de classe, com a lista dos alunos,  perdendo de 15 a 20 preciosos minutos, fazendo a velha e tradicional chamada para verificar a comparência dos alunos. Essa prática é a autodeclaração do atraso do nosso sistema de educação.

Adite-se o fato de termos uma escola de ensino fundamental e médio, pelo menos no Brasil, de concepção do século XIX, com professores do século XX, ensinando crianças e adolescentes, na sua totalidade nascidas no século XXI, antenadas com as novas tecnologias, cujo cérebro parece já trazer impressa uma placa com alguns milhões de megabytes no processador, e outros tantos terabytes de memória, bem como um ministro da Educação que ainda fala no uso da palmatória. Não é preciso dizer mais sobre o quanto a educação ainda tem que aprender.

O documento The covid 19 pandemic: shocks education and policy responses aponta que, mesmo antes da pandemia, o Mundo já enfrentava uma crise de aprendizado, e 258 milhões de crianças e jovens em idade escolar primária e secundária estavam fora da escola; e, pela crise na qualidade do ensino, os que estavam estudando aprendiam muito pouco. “[…] A taxa de aprendizagem da pobreza nos países de baixa e média renda era de 53% - o que significa que mais da metade das crianças de 10 anos não conseguia ler e entender uma história simples”.

É nesse contexto que o novo coronavírus impôs o fechamento das escolas, em 190 países, deixando fora das salas de aula 1,6 bilhão de alunos, segundo dados da Unesco. Isso representa 90% das crianças em idade escolar no Mundo, com grave repercussão no desenvolvimento intelectual dos estudantes, afetando, mais agudamente, os mais pobres, além das repercussões na vida acadêmica de todas elas. Na perspectiva de Richard Amitage, da Divisão de Saúde Pública e Epidemiologia da Universidade de Nottinghan, apesar desses problemas, eles “[…] não devem ser tomados como justificativa para reabri-las”.

Dentre as várias lições que o Mundo teve de aprender com a pandemia, a mais tangível se refere ao papel que as tecnologias estão aptas a desempenhar para o ensino e a aprendizagem on-line, além da digitalização dos vários processos em uso pela sociedade em geral, pois a doença fez antecipar o futuro, nesse e em muitos outros aspectos da vida em geral.

Nessa direção, num estudo desenvolvido pela Universidade de Harvard – Mind the Skills (Gap), os pesquisadores descobriram que, na economia global atual, o conhecimento que adquirimos na faculdade dura apenas cinco anos, tornando-se obsoleto desde então. Isso impõe a todos, especialmente aos professores, não imaginar que suas habilidades têm validade premente, quando o Universo está em permanente evolução e transformação.

Para remate desses comentários, talvez, a lição mais importante a ser tirada do que a pandemia impôs é que, quando o sistema escolar voltar a funcionar e a se estabilizar, os países devem investir ainda mais na inovação das suas estruturas educacionais e nos seus modelos de ensino, não só para atenuar os efeitos negativos desse período, mas, também e principalmente, não desperdiçar a oportunidade de dar o “salto de qualidade” que a educação está a exigir. Com esse objetivo, deve cuidar para não reproduzir os erros do pré-covid, mas desenvolver sistemas aprimorados e aprendizado acelerado para todos os alunos.

Como nos ensina Albert Einstein “[…] A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original”.

*Jornalista, sociólogo e doutor em Ciências Políticas


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Potencial Pesquisa & Informação

Confira os últimos posts



01/10


2020

Agrovale doa 7 mil mudas nativas da Caatinga para Petrolina

O projeto 'Viveiro de Mudas Nativas' da Agrovale, que em 12 anos de existência já doou 312 mil mudas de espécies nativas da Caatinga para 45 municípios nordestinos, será um dos principais parceiros do programa ‘Orla Nossa’ em Petrolina.

A assinatura do termo de doação de 7 mil mudas para recuperação de 12 hectares de mata ciliar na margem pernambucana do Rio São Francisco, aconteceu, ontem, durante reunião na sede da empresa sucroalcooleira, em Juazeiro – BA.

De acordo com o diretor da Agência Municipal de Meio Ambiente de Petrolina (AMMA), Geraldo Miranda, o programa ‘Orla Nossa’ faz parte do Plano de Recuperação de Área Degradada (PRAD) para reflorestamento da mata ciliar e limpeza da área que vai do Círculo Militar na Orla II até o último restaurante da via. O trecho é completamente cercado para delimitar e proteger o local.

“Depois da análise do solo, implantação do sistema de irrigação vamos fazer o plantio das espécies da Caatinga a exemplo de ingazeiro, marizieiro, jatobá e caraibeira”, ressaltou. Geraldo Miranda destacou ainda que a primeira fase do programa deve ficar pronta em dezembro próximo e no ano que vem serão implantadas trilhas ecológicas para visitação pública. Agradecemos a Agrovale pela imprescindível parceira”, pontuou.

O vice-presidente da empresa, Denisson Flores, lembrou que vem de longe a parceria da Agrovale com Petrolina. “Assim como em diversos municípios nordestinos sempre estamos presentes em Petrolina e Juazeiro com projetos socioambientais de relevância. A doação de mudas vem ampliando a cobertura verde das cidades em projetos de arborização, paisagismo, repovoamento ou reflorestamento de áreas degradadas. Esta é mais uma contribuição nossa para uma maior sensibilização e sustentabilidade ambiental da biodiversidade regional”, concluiu.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

01/10


2020

Em discurso, Gilson cita entrevista ao blog


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/10


2020

MPE pede impugnação de candidatura do prefeito de Ipubi

O Ministério Público Eleitoral entrou, ontem, com uma ação de impugnação do registro de candidatura do prefeito de Ipubi, Francisco Siqueira (PSB), que tenta a reeleição. Um dos motivos alegados pelo promotor Guilherme Goulart Soares no pedido feito à juíza da 133ª Zona Eleitoral é que o "requerido encontra-se com restrição ao seu direito de elegibilidade, porquanto se enquadra na hipótese prevista no art. 1º, I, da LC nº 64/1990, com redação dada pela LC nº 135/2010, segundo o qual são inelegíveis os que tiverem suas contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável que configure ato doloso de improbidade administrativa, e por decisão irrecorrível do órgão competente".

"Observa-se, de início, a existência de 'rejeição das contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas', tendo em vista que o impugnado teve contra si representação julgada procedente pelo Tribunal de Contas da União", prossegue o promotor.

Na quinta-feira passada (24), o prefeito Francisco Siqueira sofreu derrota no Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE-PE), que julgou irregular o procedimento adotado pela Prefeitura de Ipubi, sob sua responsabilidade, na contratação e execução dos serviços de transporte escolar relacionados a 2019.

Antes, uma medida cautelar, expedida em julho de 2019 pelo conselheiro do TCE Dirceu Rodolfo, não foi cumprida pela gestão municipal. Pela reincidência, o prefeito foi multado em R$ 42.512,50.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/10


2020

TSE mantém cassação de Thiago Nunes em Agrestina

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral, Tarcísio Vieira, manteve a decisão do TRE-PE que decidiu pela cassação do prefeito de Agrestina, Thiago Nunes, e seu vice, Zito da Barra. Ainda na decisão, o ministro determinou que a cidade continuasse com a eleição indireta até que a população escolha seu novo prefeito ou prefeita em 15 de novembro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/10


2020

Aos leitores

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não pousou fora da agenda em Santa Cruz do Capibaribe para conhecer o polo de confecções da cidade. O blog postou um vídeo confiando na informação de um leitor que nos enviou, mas, em seguida, o mesmo pediu desculpas dizendo que as imagens foram feitas no distrito de Queimadas, nas proximidades da cidade de Campina Grande, na Paraíba. Pedimos desculpas aos leitores.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/10


2020

Bolsonaro pede votos em “quem tenha Deus no coração”

Estadão

Em inauguração de uma adutora de abastecimento de água em São José do Egito (PE), o presidente Jair Bolsonaro pediu que os eleitores "caprichem para escolher prefeito e vereador" em novembro. "Vamos escolher gente que tenha Deus no coração, que tenha na alma o patriotismo e queira a liberdade e o bem do próximo", afirmou. E emendou o lema do integralismo: "Deus, pátria e família". Cerca de 300 pessoas estavam na plateia.

Não é a primeira vez que o presidente usa o lema do movimento surgido na década de 1930 no Brasil, influenciado pelo fascismo na Europa. Em junho deste ano, Bolsonaro publicou pelo Twitter foto ao lado do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, usando o lema do movimento autoritário como legenda da imagem. O mote também chegou a ser usado como slogan do partido que Bolsonaro pretendia criar, Aliança pelo Brasil, porém a agremiação não ainda saiu do papel.

Segundo o Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas (FGV), a Ação Integralista Brasileira (AIB) foi "o movimento de inspiração fascista mais importante organizado no Brasil". De acordo com a instituição, "a Ação Integralista nasceu numa fase de ascensão das ideias autoritárias de direita, a partir do marco político estabelecido pela Revolução de 1930, radicalizando em direção do discurso ideológico fascista as tendências antiliberais difundidas entre amplos setores políticos e intelectuais no contexto pós-revolucionário".

O presidente, que havia dito que não participaria das eleições municipais este ano, mudou de discurso na semana passada e afirmou que poderia declarar o voto em três cidades: São Paulo, Santos e Manaus.

Para o Odilon Caldeira Neto, professor de História Contemporânea na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e co-autor do livro "O fascismo em camisas verdes: do integralismo ao neointegralismo", o discurso de Bolsonaro não é necessariamente baseado em ideias integralistas, mas compartilha similaridades.

"A forma como Bolsonaro faz uso da noção de 'Deus, pátria e família' não é a mesma que os integralistas queriam fazer. A dimensão religiosa no integralismo era sobretudo de um conservadorismo católico, não apenas cristão. No bolsonarismo, sabemos que há um conservadorismo evangélico", diz.

"É justamente nesse discurso mais conservador que o princípio de interação se faz representar no governo Bolsonaro. A partir dessa dimensão mais conservadora, sobretudo pelo ministério da Damares, existe a atuação de grupos neo integralistas que são elogiosos ao integralismo histórico", completa.

O professor comenta, ainda, que apesar do movimento apresentar uma fragilidade de articulação política por apresentar um discurso anacrônico e antidemocrático, o grupo, assim como outros extremistas, auxiliam a enfatizar o processo de radicalização das direitas.

"Enquanto os grupos neo integralistas estão articulados na marginalidade, quando não na ilegalidade, da extrema-direita, as ideias são partilhadas para além deles. É como se o integralismo não fosse mais propriedade absoluta dos grupos integralistas. Não à toa que o próprio lema 'Deus, pátria e família' hoje está espalhado na extrema-direita.  Essa ideia de criminalizar partidos comunistas ou o que se entende por comunismo, naturalizar o processo de desumanização de oponentes políticos, são elementos caudatários do próprio fascismo histórico", diz.

Defesa da cloroquina

No evento em Pernambuco, Bolsonaro voltou a defender o uso da hidroxicloroquina, medicamento sem comprovação da sua eficácia no tratamento contra a covid-19. "Deus foi tão abençoado que nos deu até a hidroxicloroquina para quem se acometer da doença, e quem não acreditou, engula agora", disse o presidente, durante o discurso.

"Eu não sou médico, mas sou ousado como o cabra da peste nordestino", completou o presidente, que foi contaminado por covid-19, se recuperou e declarou ter usado o medicamento no tratamento da doença.

Bolsonaro afirmou também que, como chefe supremo das Forças Armadas, nunca abrirá mão da liberdade e democracia do País. O presidente disse que seu governo "tudo fará para todos no Brasil, mas, em especial, não esquecerá dos mais humildes". Segundo Bolsonaro, "quando chega a água ao nordestino, parece que ele ganhou na Mega-Sena".

O presidente e sua comitiva não usaram máscaras em nenhum momento da visita, quebrando os protocolos de segurança e recomendações das autoridades sanitárias. Ele causou aglomeração em pelo menos dois lugares diferentes: nos arredores do estádio de futebol, onde pousou sua aeronave, e no local do evento, onde por decreto municipal apenas 100 pessoas poderiam participar. A cerca de 1 km do estádio de futebol, um grupo de aproximadamente 60 pessoas fizeram manifestação contra a visita de Bolsonaro.

Esta é a primeira visita do presidente a Pernambuco depois do início da pandemia. O governador Paulo Câmara, do PSB, partido de oposição ao presidente, não estava presente no evento. Segundo sua assessoria, ele não foi convidado. A região do Pajeú, onde está a cidade de São José do Egito, é um grande reduto do PSB. O prefeito do município, Evandro Valadares (PSB), recepcionou o presidente na sua chegada, mas também não participou da cerimônia por ser candidato à reeleição.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/10


2020

PCR tentou contratar empresa de fachada

EXCLUSIVO

O hepta da gestão do PSB vem aí ? Após uma representação do Ministério Público de Contas de Pernambuco (MPCO), o Tribunal de Contas do Estado expediu uma medida cautelar monocrática para suspender os efeitos da dispensa emergencial de licitação 031/2020, para a covid-19, realizada pela Secretaria de Desenvolvimento Social, Juventude, Políticas sobre Drogas e Direitos Humanos da Prefeitura do Recife. 

O objeto era a "contratação emergencial de pessoa jurídica, para prestação de serviço de  alojamento ou hospedagem emergencial e provisório para a população de rua em situação de vulnerabilidade, ao preço total de R$ 1.728.000,00". O contrato está sendo realizado por dispensa emergencial, com base na lei federal que regula compras para a covid-19 durante a pandemia. 

Apesar dos dois cancelamentos anteriores, segundo o TCE, a Prefeitura publicou a terceira dispensa emergencial com a mesma empresa, no último sábado (26 de setembro). A empresa foi aberta apenas em fevereiro de 2020, sendo que a Prefeitura do Recife tentou contratar a empresa já em março, apenas 21 dias depois da empresa ser oficialmente aberta. O capital social da empresa é de apenas R$ 100 mil. A contratação da Prefeitura do Recife era para pagar R$ 1,7 milhão para a empresa, 17 vezes o capital declarado da empresa. 

Em outro documento apresentado pelo MPCO, é comprovado que a empresa está irregular na inscrição estadual da SEFAZ-PE e mesmo assim foi contratada por emergência pela Prefeitura do Recife. Dentre as irregularidades apontadas, na decisão do TCE assinada por Teresa Duere, está a suspeita que a empresa era "de fachada", criada por uma família envolvida na política de Flores/PE, já investigada pela Polícia Federal na Operação Solaris, deflagrada em 2018. 

Em 2018, a Polícia Federal fez a Operação Solaris, que investigava desvio de recursos no Fundo Municipal de Saúde de Salgueiro/PE. O objeto da Solaris eram os pagamentos feitos a uma pousada localizada no Recife, para receber pacientes da Prefeitura de Salgueiro para receber tratamento de saúde no Recife, o chamado Tratamento Fora de Domicílio (TFD). Na época, a Polícia Federal disse que a pousada recebia os recursos públicos mesmo sem hospedar pacientes. A secretária municipal Ana Rita Suassuna Wanderley foi notificada pelo TCE, nesta quarta-feira (30), para apresentar a defesa da Prefeitura do Recife. Ela terá cinco dias para se defender.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/10


2020

O casal 20 na campanha

Livre do processo eleitoral de São Paulo, a deputada Tábata Amaral (PDT), noiva do deputado João Campos, já está integrada de corpo e alma à campanha do amor da sua vida, candidato a prefeito do Recife pelo PSB. Ontem, ela debutou na periferia recifense de graves constrastes sociais mal tratada pelo prefeito Geraldo Júlio, padrinho de João. Com direito à comemoração pelas redes sociais.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/10


2020

Marília lamenta decisão da Globo de não fazer debate

A candidata do PT à Prefeitura do Recife, Marília Arraes, se posicionou novamente, hoje, sobre a decisão da Rede Globo de não promover debate entre os prefeituráveis da capital pernambucana no primeiro turno. Ela lamentou a medida da emissora.

Leia a nota na íntegra:

Resposta à consulta sobre o Debate da Globo

A coligação Recife Cidade da Gente vem mais uma vez destacar que lamenta a postura da Rede Globo e o distanciamento do seu interesse de realização do debate entre os candidatos no primeiro turno.

No fundo, em seu comunicado enviado aos partidos, a Globo deixa de apresentar uma solução, impõe um formato restritivo, e joga a responsabilidade para que os partidos se entendam. 

É óbvio que com isso os preteridos não vão concordar, com justa razão. Também estranhamos a ausência de sabatinas feitas pelos telejornais, como de costume aconteceu em eleições anteriores. 

Na nossa visão o povo do Recife merece um amplo e democrático debate sobre os problemas da cidade e sobre o futuro, diante inclusive do estado de calamidade em que o Recife se encontra, em função não só da pandemia do coronavírus, mas também das fragilidades que a pandemia mostrou na administração municipal. 

A nós cabe deixar claro que Marília Arraes está à disposição para participar de todos os debates que possam ocorrer. 

A simples cobertura de agenda, por si só, é apenas um registro da dinâmica de campanha eleitoral, não da discussão de propostas dos candidatos.

Sem mais, 

Coligação Recife Cidade da Gente


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/10


2020

Bolsonaro é recebido aos gritos de mito em SJE

Na visita que faz a São José do Egito, no Sertão do Pajeú, o presidente Jair Bolsonaro foi saudado por apoiadores aos gritos de "mito". O chefe do Executivo veio a Pernambuco, hoje, para a inauguração da primeira fase da segunda etapa do Sistema Adutor do Pajeú, em São José, e também para visitar as obras do Ramal do Agreste, em Sertânia, na mesma região.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Wellington Antunes

Impressionante, milhares de apoiadores. Hehehe

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

A petralhada chora kkkkkkkkk



01/10


2020

A chegada de Bolsonaro ao Pajeú

Confira imagens da chegada do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao município de São José do Egito, no Sertão do Pajeú.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/10


2020

Bolsonaro inaugura trecho de obra de abastecimento

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegou a Pernambuco, na manhã de hoje, para a inauguração da primeira fase da segunda etapa do Sistema Adutor do Pajeú, em São José do Egito, no Sertão, e também para visitar as obras do Ramal do Agreste, em Sertânia, na mesma região.

Bolsonaro desembarcou no aeroporto de Campina Grande, na Paraíba, e chegou de helicóptero no Sertão pernambucano por volta das 10h. Na chegada do comboio presidencial ao local da inauguração, às 10h40, foi registrada aglomeração de apoiadores.

O evento começou às 11h e o presidente participa da solenidade sem máscara. Ele veio acompanhado do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho; do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno; e do ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos. Segundo a agenda oficial, ele deve embarcar de volta para Brasília no início da tarde.

O trecho do Sistema Adutor do Pajeú irá abastecer quase 100 mil habitantes com água proveniente do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco, nas sedes das cidades de Carnaubeira da Penha, São José do Egito (e no distrito de Riacho do Meio), Tuparetama e Itapetim, além do distrito Tupanaci, do município de Mirandiba. Também será atendido o município paraibano de Princesa Isabel. O sistema todo irá beneficiar 14 municípios.

A primeira etapa, que está em operação desde 2014, abastece 200 mil moradores da região. A etapa inaugurada nesta quinta recebeu mais de R$ 245 milhões do Governo Federal, por meio do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS).

Já o Ramal do Agreste, que também será receptor das águas do Eixo Leste, está com 70,6% de execução - a previsão é de que as obras sejam concluídas em julho de 2021. A expectativa é de atender 68 municípios e mais de 2,2 milhões de habitantes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/10


2020

Quem esconde o quê?

De um leitor: “Tenho visto uma cobrança para Marília Arraes assumir Lula e o PT. Mas na verdade ninguém briga pelo que tem. E todo mundo sabe que a rafameia petista não está com ela, e sim com João Campos, que anda fazendo inclusive críticas a essa rafameia.

Por outro lado, João Campos esconde Paulo Câmara e Geraldo Júlio, os escândalos de corrupção no Recife e o fato de sua família ter os bens bloqueados pela justiça, também por corrupção.

Ainda tem outros dois lados: um o da delegada Patrícia, que não gosta muito de trabalhar e passou boa parte da pandemia em casa por ser grupo de risco. Mas agora, ainda em meio à pandemia, ela anda pela cidade para pedir votos sem nenhuma preocupação e sem máscara. Ela também esconde a Senadora Selma (MT), cassada por caixa dois e abuso de poder econômico”.

O leitor preferiu não se identificar


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Não entendi o que a Senadora Selma tem haver com a Patrícia? Fosse assim, todo PSDB, PT, MDB e outros partidos que tiveram algum político envolvido em falcatrua, não poderia ter candidato. Me admira o Magno divulgar uma asneira dessa. Se seu irmão matar alguém, você vai ser condenado? Diferentemente, alguns candidatos defendem o Lula ladrão, o Geraldo Júlio e o Paulo Câmara. Neste caso sim, temos de ter cuidado e não elege-lo.



01/10


2020

Paulo Câmara não vai a ato de Bolsonaro no Sertão

O governador Paulo Câmara não estará na agenda que o presidente Jair Bolsonaro cumpre, hoje, em Pernambuco por um motivo: não recebeu convite para o ato. De acordo com a agenda presidencial, divulgada pelo Palácio do Planalto, o presidente participará da inauguração da segunda etapa do Sistema Adutor do Pajeú, em São José do Egito, no Sertão do Estado. As informações são da Folha de Pernambuco.

De Pernambuco, integram a comitiva do presidente, o líder do governo no Senado, senador Fernando Bezerra Coelho, e o deputado federal André Ferreira, líder do PSC na Câmara Federal.

André, inclusive, estava com a passagem de retorno ao Recife marcada para a manhã de ontem. Mas retardou a volta à capital pernambucana em função do convite do presidente para que ele viesse junto no avião.

Segundo informações do Palácio das Princesas, o governador Paulo Câmara não recebeu qualquer comunicado da agenda, realizada no Estado que governa. A programação oficial do governador para a manhã desta quinta prevê a visita à inauguração do Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa, no Recife. Na ocasião, Câmara participa da entrega da unidade de saúde, em cerimônia liderada pelo prefeito Geraldo Julio.

Não é a primeira vez que agendas do Governo Federal ocorrem sem a presença do governador por falta de comunicado. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, em meio ao problema do derramamento de óleo, também passou por Pernambuco sem entrar em contato com o chefe do Executivo estadual.

O presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, já protagonizou atritos em ocasiões diferentes com o governador Paulo Câmara. O presidente já compartilhou vídeos em situações diferentes contendo provocações ao socialista, a quem chegou a tachar de "espertalhão" em discussão sobre o 13º do Bolsa Família. Também ironizou diagnóstico de Covid-19 do governador.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


01/10


2020

Consumidores demonstram insatisfação com a Celpe

A matéria publicada, ontem, sobre as dificuldades enfrentadas pela AABB de Afogados da Ingazeira com a Companhia Energética de Pernambuco encorajou diversos leitores a demonstrarem insatisfação com os serviços da empresa. O blog recebeu dezenas de depoimentos que ilustram a péssima imagem da Celpe, que foi privatizada sob a justificativa de melhoria dos serviços prestados.

Os próprios funcionários da companhia estão expostos à violência, como no triste caso do eletricista José Reginaldo de Santana Júnior, assassinado na última terça-feira (29) ao tentar cortar a energia de um fazendeiro em Limoeiro.

Reproduzimos, abaixo, alguns comentários de leitores, clientes da Celpe, que sintetizam isso:

“O que mais dói é não termos a quem recorrer. O serviço é caro, de baixa qualidade e o atendimento horrível. Aí vem uma pergunta? E as agências reguladoras? Alguém, de sã consciência, saberia me dizer para que serve a Aneel - Agência Nacional de Energia Elétrica, ou a Anatel (teles), ou a Anac? Venderam uma empresa rentável para um grupo espanhol que explora o serviço ao seu modo e fica por isso mesmo. Já esqueceram as mortes por conta de fios descascados e gambiarras expostas, a exemplo de um filho de Auxiliadora Veras e Davi Santiago, em Boa Viagem, quando passeava com o seu animal de estimação?”. Danizete Lima

“Sem falar nos absurdos de cortes de energia elétrica com as contas pagas, deixam os clientes a ver navios com ações ínfimas na justiça que se arrastam por anos, lamentável”. – Roberto Rodrigues Wanderley

“Isso foi o maior absurdo que aconteceu em Pernambuco: venderam a Celpe pelo um valor, muito abaixo que valia, construíram uma BR, com muito defeito. Só presta de São Caitano até Encruzilhada de Bezerros. De lá até Recife, você viaja parecendo, que está em cima de uma sela, amassando um cavalo brabo, fora os retornos, que já dão na pista expressa. O risco de entrar embaixo do outro carro é grande, a terraplanagem mal feita... Resumindo: um erro em toda obra”. – José Flavio Gomes Freitas

“A questão de segurança na hora do corte tem a ver com a Celpe. Se fosse pública não ocorreria o mesmo assassinato do funcionário que estava ali cumprindo a ordem do seu serviço”. – Neto Lima

“Senhor jornalista Magno Martins, compartilho de sua indignação através do seu prestigiado blog para externar o sentimento dos produtores rurais da minha região. É um verdadeiro absurdo a forma como essa companhia, a Celpe, vem atuando em todo o estado de Pernambuco, na região do Vale do Moxotó, nos municípios de Ibimirim e Inajá, onde hoje se concentra um importante polo de produção irrigada de frutas e hortaliças. A Celpe vem atuando de forma autoritária e desrespeitosa com os consumidores: aplicação de multas irregulares, invasão de propriedade privada fora de horário comercial sem prévia autorização do proprietário, péssimo atendimento ao cliente, cobrança de taxas indevidas, entre outros.

E tudo isso além dos altíssimos custos na tarifa de energia elétrica que vem inviabilizando a produção de alimentos na região uma vez que a atividade depende desse insumo para o bombeamento de água de poços artesianos para irrigar as plantações. Os produtores da região vivenciam todo esse descaso perplexos e muitas vezes são obrigados a paralisar a sua atividade, responsável pelo sustento da sua família, assim como pela geração de emprego e renda em uma região que depende da agropecuária para o impulsionamento da economia local. Sem ter a quem recorrer, todos os agricultores e pecuaristas da região assistem a tudo isso sem poder fazer nada, na esperança de que alguma autoridade política tome alguma providência na defesa dos interesses da classe diante de toda essa situação que vem prejudicando os produtores em toda a região”. – Eudes Germano


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha