Faculdade de Medicina de Olinda 2

15/04


2019

Escola de Controle Interno promove curso

No período de 22 a 26 de abril, a Escola de Controle Interno da Secretaria da Controladoria-Geral do Estado (ECI/SCGE) promove o curso “Introdução à gestão de riscos”. A turma será formada por 24 servidores da SCGE, que terão aulas no auditório da Casa, das 13h30 às 17h e, apenas no dia 24, das 8h30 às 13h.

Com carga horária de 20 horas/aula, o curso será ministrado pelo assessor técnico da Controladoria, Renato Cirne, que abordará, ao longo da semana, com conteúdo teórico e atividades práticas, temas como governança pública; fundamentos da gestão de riscos; respostas a riscos; entre outros.

A capacitação dos servidores da SCGE é um programa customizado, com o objetivo de facilitar a compreensão da gestão de riscos nos órgãos e entidades públicas, com vistas a ajudar na melhorar da governança pública.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Detran

Confira os últimos posts



11/10


2019

Bolsonaro não cumpriu 20% das metas para 100 dias

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) não cumpriu, até hoje, 20% das metas estabelecidas para os primeiros 100 dias do seu governo. O período se encerrou há seis meses, em 10 de abril.

Levantamento realizado pelo UOL aponta que, das 35 metas lançadas para o período, 7 não foram atendidas até agora. Entre elas, estão a modernização do programa Bolsa Atleta, a redução tarifária do Mercosul e a independência do Banco Central.

Por outro lado, foram cumpridas promessas como a proposição de um "projeto de lei para aumentar eficácia no combate ao crime organizado" – o chamado pacote anticrime; e o apoio a privatizações no setor de transportes.

A reportagem considerou a descrição feita pela Casa Civil no documento de apresentação de cada meta, divulgado em janeiro. Para as metas que dependem de aprovação do Congresso para implementação, foi utilizado como critério o andamento dos projetos de lei apresentados.

É o caso da regulamentação da educação domiciliar, estabelecida como prioritária para o ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Em abril, o governo encaminhou à Câmara dos Deputados um projeto de lei para tratar sobre o tema. Mas o texto não avançou: desde então, o projeto aguarda a criação de uma comissão especial para sua análise na Câmara.

Na semana passada, a deputada federal Caroline de Toni (PSL-SC) apresentou um requerimento para que o texto fosse apensado a um projeto de lei apresentado em 2012 pelo deputado Lincoln Portela (PR-MG). Desarquivada neste ano, a proposta de autoria de Portela já teve passagens pela comissão de Educação. O pedido da deputada, no entanto, foi negado. Clique aqui e leia a reportagem na íntegra.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

13° Bolsa Familia

11/10


2019

Controladoria do Recife esclarece empasse com ASCIRE

Nota oficial

Em resposta à nota divulgada pela Associação dos Servidores de Controle Interno do Recife (ASCIRE), a Controladoria-Geral do Município (CGM) e a Secretaria de Administração e Gestão de Pessoas (SADGP) esclarecem:

Nos dias 18 e 19 de junho, quase todos os servidores lotados na Controladoria-Geral do Município se ausentaram dos postos de trabalho, em horário de expediente, sem que fosse apresentada justificativa formal por parte da Associação em tempo hábil para deliberação da chefia imediata. Os ofícios que justificavam a discussão de Projeto de Lei na Câmara Municipal do Recife foram apresentados poucos momentos antes do abandono em massa dos postos de trabalho.

Em função do ocorrido, foi necessária a aplicação do disposto no inciso II, art. 130 da Lei n.º 14.728/85 – Estatuto dos Funcionários Públicos do Município do Recife –, que determina a perda de um terço (1/3) do vencimento do dia, quando o servidor comparecer ao serviço com atraso máximo de uma (1) hora, ou quando se retirar antes de findo o período de trabalho.

Em relação à mudança de nomenclatura do cargo de Analista de Controle Interno para Gestor Governamental – Controle Interno é importante esclarecer que essa é uma adaptação meramente formal que não acarreta qualquer mudança nas funções originalmente previstas para esses servidores. A adaptação se deu apenas para a unificação das carreiras de Analista de Gestão Administrativa, Analista de Planejamento, Orçamento e Gestão, Analista de Gestão Contábil e Analista de Controle Interno dentro da nomenclatura “Gestor Governamental”.

A CGM e a SADGP reiteram seu compromisso com o debate democrático e a participação dos servidores em todos os espaços de discussão dos interesses das mais diversas categorias que compõem o serviço público municipal, desde que respeitada a legislação vigente.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

11/10


2019

Outro orgulho do Reino dos Cantadores

Meu pai Gastão não repassou apenas a mim o dom da escrita e do bom jornalismo, além da vocação política. Ana Regina Martins e Denise Martins também são do ofício jornalístico.

A primeira se formou em Jornalismo, no Rio. A outra, no Recife. Ambas não fazem passar vexame na escrita. Denise é a espécie mais caricatural do mundo cigano. Que eu lembre, já morou em Afogados da Ingazeira, Boa Vista, capital de Roraima, Curitiba, João Pessoa, Goiânia e Brasília. 

Não pode ver uma porta de avião aberta: dá vontade de mudar de lugar para não deixar de exercitar seu lado cigano e aventureiro. Com tamanha experiência em TV, jornal, rádio e internet, Denise acabou concursada e entrou para os quadros do INSS já tem um bom tempo.

Lá, se abraçou com a comunicação, levou para o País um case montado por ela e de tão talentosa e trabalhadora ascendeu à gerência da instituição no Recife.

Na função, vem tendo tanto destaque que entrou para a lista sagrada das "Mulheres que mudaram a história de Pernambuco, honraria que será agraciada em breve, por mérito.

Fiquei muito feliz com a notícia. A vitória dela transbordou como um riacho de felicidade no coração de todos da família. Formamos uma grande prole: somos nove filhos, criados e educados na disciplina dura de Gastão, que ainda nos dá puxões de orelha aos 97 anos, e mamãe Margarida, que lá do céu nos cobre com seu manto de verdadeira flor margarida.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/10


2019

Um caminhar poético inspirado no Pajeú

Minha amiga pajeuzeira Mariana Teles, advogada por ofício e poetisa por vocação, faz chegar aos nossos olhos a adorável leitura do livro Outros Mares.

Filha do poeta e cantador Valdir Teles, que já me deu a honra e o prazer de levá-lo para alegrar com seu cantar sedutor a festa da inauguração da sucursal do Diário de Pernambuco em Brasília, Mariana dá um nó no leitor no seu primogênito na literatura.

Um nó que ninguém quer ficar livre na medida em que leva os olhos e o coração do leitor a uma viagem saborosa em textos que são mais do que poéticos: são revelações de amor, amor à vida, a um pedaço de um chão seco, o Sertão, que no lugar da água, para ela, brota inspiração ao seu caminhar sereno e feliz. 

Mariana lançou na Paraíba, dando o privilégio aos nossos bons vizinhos, reino de tantos escritores, glosadores e pensadores. Só falta agora marcar a  noite de autógrafos no Recife. Não custa nada esperar pela sua concorrida agenda!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Magno coloca pimenta folha

11/10


2019

Weiller Diniz reforça Frente a Frente em Brasília

Jornalista político com 37 anos de experiência em Brasília, prêmio Esso nacional de Jornalismo, com passagem em redações consagradas, como a revista Isto É, o Jornal do Brasil, a TV Manchete e o SBT, o jornalista Weiller Diniz passa a comentar, a partir de hoje, os bastidores do poder e da politica direto e ao vivo de Brasília. Ninguém conhece como ele do que se passa na cena política nacional.

Informadíssimo, Weiller também foi presidente da Radiobras (atual EBC), diretor de Comunicação do Senado Federal, vice-presidente da agência Máquina Cohn&Wolfe e consultor/analista político. Estamos em boas mãos com ele na companhia do também competente Gabriel Garcia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

as claras

Preclaro Magno, concordo na plenitude com o reconhecimento do conteúdo desse competente profissional. O que não posso, é ficar indiferente quanto a foto... Essa é do tempo que íamos aos carnavais do Recife e de Olinda !!! E já fazem décadas e décadas...


Banner de Arcoverde

11/10


2019

PT e PSOL no Rio: aliança só com apoio ao PT em todo país

;Foto/fonte: jornalggn

Folha de S. Paulo  - Por Mônica Begramo
 

A aliança do PT com o PSOL no Rio de Janeiro deve, na opinião de dirigentes petistas, ser vinculada ao apoio dos psolistas a outros candidatos petistas no país. O partido relutaria em apoiar a legenda em outras cidades.

Na visão de um dos principais dirigentes do PT, é preciso vincular a aliança no Rio a um ajuste nacional que inclua inclusive o apoio do PSOL em São Paulo.

O problema, na visão de lideranças do PSOL, são as incertezas em torno das candidaturas. “É importante que o PT apresente nomes que tenham expressão. Se isso ocorrer, o apoio é certo”, diz o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), pré-candidato psolista a prefeito do Rio.

Segundo ele, a aliança com o PT na cidade não está ameaçada. “Já estamos em fase de discussão de programa.”


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/10


2019

Brasil fora da OCDE: Bolsonaro quer explicação dos EUA

Brasil soube há um mês que não teria apoio americano para entrar na organização

Folha de S. Paulo - Por Mônica Begamo

 

O governo brasileiro soube há um mês que os EUA enviaram uma carta à OCDE (Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Econômico) apoiando o ingresso apenas da Argentina e da Romênia na entidade. E procurou na época o governo americano para ter explicações.

A equipe de Jair Bolsonaro trabalhava até então com a possibilidade de os EUA formalizarem, ainda neste ano, apoio para a entrada dos países na seguinte ordem: Argentina e Romênia em 2019, Brasil em maio de 2020 e Peru em dezembro, e a Bulgária, em maio de 2021.


A OCDE, segundo integrante do governo, chegou a enviar uma carta aos EUA confirmando a ordem. Os americanos responderam aprovando apenas Argentina e Romênia —e deixando o Brasil de lado.


Ao buscar os EUA, a equipe de Bolsonaro ouviu que o problema não era com o Brasil e sim com uma expansão desenfreada de membros sem que a OCDE seja reformada. Os EUA se preocupam com o fortalecimento da União Europeia na entidade.

F
A informação da carta dos EUA à OCDE chegou também ao STF (Supremo Tribunal Federal), por meio de diplomatas estrangeiros.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/10


2019

Brasil fora da OCDE: empresários frustrados com os EUA

Para indústria nacional, país supera candidatos em termos de adesão às regras da organização
Foto: Alan Santos/PR

Folha de S. Paulo - Painel S. A
Por Joana Cunha

 

Empresários se frustram com recuo dos EUA em apoio ao Brasil na OCDE
Para indústria nacional, país supera candidatos em termos de adesão às regras da organização

O ingresso na OCDE é prioridade de política externa para a indústria, que vê a oportunidade como um acelerador de reformas estruturais e regulatórias para a atração de investimentos.

Quando os EUA, em maio, manifestaram apoio à candidatura brasileira, a CNI fez um levantamento segundo o qual o governo brasileiro já havia incorporado 74 instrumentos legais da OCDE, incluindo acordos internacionais, resoluções vinculantes e recomendações.

O desempenho brasileiro equivale a 30% das 249 principais regras da entidade. Como base de comparação, Argentina implementou 18% e Romênia, 17%. A Bulgária tem meros 7%.   

Entre os instrumentos da OCDE implementados pelo Brasil está a convenção sobre combate ao suborno de funcionários públicos em transações internacionais.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/10


2019

Governadores do NE topam nova regra da cessão onerosa

Por reforço no caixa, governadores do Nordeste topam nova regra da cessão onerosa.

Foto/fonte: Brasil247

Folha de S. Paulo - Painel
Par Dainiela Lima

 

Um na mão Mesmo com perdas, governadores do Nordeste estão resignados com a nova divisão dos recursos do megaleilão de petróleo da cessão onerosa, diz o senador Cid Gomes (PDT-CE). 
Tudo para superar o impasse que poderia impedi-los de receber parte dos R$ 10,5 bi. “Se o governador do meu estado aceitou, então estou satisfeito.”
Cid fez ataques ao líder do PP Arthur Lira (PP-AL) para impedir mudanças no formato que ele havia proposto para a divisão da verba.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/10


2019

Gás: consumo cai na índústria e sobe em residências

Segundo levantamento, expansão de distribuição de gás canalizado em condomínios contribui para alta.

Foto: Egemasa

Folha de S.  paulo -  Painel S.A.

Por Joana Cunha

 

O consumo de gás natural caiu 2% em agosto, ante igual período em 2018, diz pesquisa da Abegás (associação do setor). 

A queda na indústria foi de 8,7%. Nas residências, por outro lado, houve alta superior a 10%, com a expansão da distribuição de gás canalizado, segundo a entidade. Cresceu também no comércio (2,6%).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/10


2019

Renan: dos três Bolsonaros, com um é possível dialogar

Dá para enxergar três Bolsonaros, e com um deles é possível dialogar, diz Renan Calheiros. Ex-presidente do Senado, Renan Calheiros (MDB-AL) afirma que nos cerca de dez meses do governo Jair Bolsonaro (PSL) é possível identificar diferentes presidentes.

Foto: Marcos Brandão/Senado Federal)

Da Folha de S. Paulo - Poder por Ricardo Della Coletta, da Folha
Hanrrikson de Andrade, do UOL

 

O das propostas econômicas que “não têm resultado” e o das falas “chocantes e preconceituosas”, além de um terceiro: o que indicou Augusto Aras para a Procuradoria-Geral da República contra o “corporativismo do Ministério Público” e que respeitou a decisão do Congresso de derrubar vetos à lei de abuso de autoridade.

“Se há um Bolsonaro com o qual você pode dialogar, é com esse”, afirma Renan.

Ao programa de entrevistas da Folha e do UOL, em estúdio compartilhado em Brasília, Renan criticou o ministro Sergio Moro (Justiça) e disse que a ida do ex-juiz da Lava Jato para a Esplanada representou um “retrocesso institucional”.

O senador não poupou elogios a seu antigo adversário Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado, e disse que jamais voltará a disputar o comando da Casa.


Mensagens da Lava Jato
 

“Os diálogos da Vaza Jato falam por si só. Eles precisam ser investigados porque, se não houver uma responsabilização para os que cometeram crimes ou extrapolaram os seus limites, vai acabar estimulando novas práticas em favor da impunidade”, diz em relação às mensagens obtidas pelo The Intercept Brasil. 

O ex-presidente do Senado defendeu que a Casa abra uma CPI para investigar o conteúdo das mensagens caso os órgãos competentes não apurem os indícios de irregularidades na força-tarefa da Lava Jato.

 

Atuação de Sergio Moro
 

“O Moro tem uma formação intelectual fascista. Só isso justifica o que ele fez na eleição, na prisão do Lula, na condenação sem provas e na interferência no processo político”, afirma Renan Calheiros.

“Acho que ele tem errado bastante no Ministério da Justiça. Sua vinda para a Esplanada acabou definindo um retrocesso institucional. Ele começou o governo querendo legislar por decreto e nunca teve uma concepção clara da separação dos Poderes. Mandou para o Congresso um pacote anticrime que, ao invés de coibir, dá direito para matar. Traz salvaguardas que em nada vão ajudar na redução da criminalidade”, diz o senador.

 

Moro é técnico ou político?
 

“Moro está despojado hoje de qualquer condição técnica. Hoje ele é mais do que nunca um político.

Quando juiz, ele era um político enrustido, porque liderou um projeto de poder”, afirma Renan.

Ao criticar o ex-juiz da Lava Jato, Renan defendeu a aprovação de um projeto que estabeleça uma quarentena que membros do Judiciário, das polícias e do Ministério Público necessitem cumprir antes de disputar eleições.

 

Investigações a que responde
 

Renan nega que seja um crítico da Lava Jato apenas para se defender de investigações e de delatores que o citaram.

“É uma interpretação errônea, uma tentativa de me paralisar. Fizeram isso quando eu apresentei o projeto do abuso de autoridade. Havia um projeto para destruir a política como um todo. Não havia na prática como destruir a política sem destruir quem estava sentado na cadeira de presidente do Congresso.”

 

Deltan Dallagnol
 

“É um caso típico de como a vaidade pode prejudicar alguém. Ele fez sempre um jogo político, defendeu a necessidade de um procurador ser candidato ao Senado em cada estado. Nós tiramos o Ministério Público do papel e garantimos, na prática, a sua autonomia financeira. Mas ele não pode jamais funcionar para destruir a política e eleger algumas pessoas para serem multi-investigadas”, diz o ex-presidente do Senado.

 

Rodrigo Janot  
 

“O [Rodrigo] Janot me causa asco. O caráter homicida que ele desvenda no seu livro [‘Nada Menos que Tudo’] é uma coisa indicativa do que representou termos um psicopata à frente da PGR. Pela autodelação e autoflagelação que possibilitou naquele livro, ele é uma espécie de cadáver insepulto”, afirma Renan, em referência às declarações do ex-procurador-geral da República no final de setembro.

Janot disse que, em 2017, entrou armado no Supremo com a intenção de matar o ministro Gilmar Mendes, mas que desistiu na última hora.

 

10 meses de Bolsonaro
 

“Nesse curto espaço de tempo já dá para enxergar três Bolsonaros”, afirma Renan.

“Um Bolsonaro das propostas econômicas, que não saem do lugar e não têm resultado. As pessoas entendem que ele é um soldado raso e não batem continência”, cita.

“Tem o Bolsonaro das declarações chocantes, preconceituosas e da radicalização ideológica. Esse aí teria sido reformado [das Forças Armadas] por inaptidão profissional”, afirma o senador.

“E você tem um Bolsonaro novo, que é o que teve coragem de acabar com o corporativismo do Ministério Público, escolhendo um procurador-geral da República [Augusto Aras] contra o próprio modelo e contra os excessos cometidos por alguns procuradores”, diz Renan, dando mais características do que seria este último Bolsonaro com o qual diz poder conversar.

“Você tem um Bolsonaro que colocou o Coaf no seu devido lugar. Você tem um Bolsonaro que, mesmo não concordando com a lei de abuso de autoridade, fez lá os seus vetos, mas não reagiu à deliberação do Congresso Nacional no sentido de rejeitá-los. Estou no campo da oposição, mas, se há um Bolsonaro com o qual você pode dialogar, é com esse.” 

Base no Congresso
 

“O Bolsonaro não construiu uma base e da, forma que as coisas estão, não vai construir. Porque se configura uma base e se dimensiona o seu tamanho a partir de compromissos programáticos, não de eventuais interesses políticos e pessoais”, diz Renan.

Alcolumbre no Senado
 

“No Senado o poder mudou, mas está em boas mãos. O Davi [Alcolumbre] tem surpreendido inclusive a mim. E eu tenho procurado colaborar, claro que com a cabeça de alguém que já foi quatro vezes presidente do Senado e passou por momentos tumultuados da vida nacional. Mas eu acho que o Davi está muito bem, o Senado mantém a sua rotina legislativa”, diz Renan, que, no começo do ano, travou embate com Alcolumbre na disputa pelo comando da Casa.
Indicação de Eduardo Bolsonaro para Embaixada
“Essa indicação não pode ser ser apreciada sob o olhar do parentesco. Muita gente já disse no passado que parente em governo é uma coisa ruim para o governo e para o parente. Nós temos de fazer uma sabatina criteriosa, mas não dá também para antecipadamente fazer um veto”, diz Renan em relação à indicação do filho do presidente, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para Embaixada americana.

“Teoricamente eu voto contra [a nomeação]. Em razão do que tenho lido em relação à subordinação dos interesses da embaixada aos Estados Unidos, que eu entendo conflitar. Mas não posso definir posição antes de sabatiná-lo”, afirma. 

Briga entre Bolsonaro e PSL
 

“Se há uma característica que nós não podemos cobrar do Bolsonaro é fidelidade partidária. Ele já militou em muitas siglas, e acho que isso não vai acabar agora. Vai militar em várias também daqui pra frente”, diz Renan sobre a possível saída do presidente do PSL.

Voltar a presidir o Senado
 

“Não quero, não vou ser candidato jamais. Eu já fui quatro vezes presidente do Senado. Ninguém na República foi cinco vezes presidente do Senado. Estou 100% dedicado ao cumprimento do meu melhor papel”, afirma o emedebista.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/10


2019

Nobel da Paz: nome será divulgado nesta sexta

Nobel da Paz será revelado na manhã desta sexta-feira. Lista de nomeados é cercada de mistérios; Greta Thunberg, Raoni e premiê da Nova Zelândia aquecem bolsas de apostas internacionais.

Nobel da Paz já premiou 133 pessoas ao longo de 99 edições Foto: Jonathan Nackstrand / AFP

O Globo

 

RIO — O Prêmio Nobel da Paz, considerado o título de maior prestígio concedido pela Academia Nobel, será divulgado na manhã desta sexta-feira. O anúncio, que será realizado em Oslo, na Noruega, está programado para ocorrer às 11h da manhã no horário local (6h da manhã em Brasília).

A curiosidade em torno do nome escolhido alimentou apostas em sites em todo o planeta, como é de costume. Há 301 candidaturas definidas, incluindo organizações, mas não se sabe quais foram nomeados nem suas identidades.

A exemplo da edição de 2018, que premiou o médico congolês Denis Mukwege e a ativista yazidi Nadia Murad por "combater corajosamente crimes de guerra e buscar justiça para as vítimas", nomes que ficaram fora dos radares das bolsas de aposta. Atualmente, a ativista climática sueca Greta Thunberg lidera a maior parte das apostas, especialmente depois de voltar aos holofotes durante a Cúpula do Clima das Nações Unidas, em setembro.

O líder indígena kaiapó Raoni Metuktire, ativista dos direitos dos povos originais da Amazônia, também tem sido especulado. Contaria a favor do possível candidato brasileiro seu ativismo em defesa dos direitos indígenas e o contexto do desmatamento e das queimadas desenfreadas na Amazônia, bem como a narrativa bélica de Jair Bolsonaro em relação às reservas indígenas e o próprio discurso do presidente na Assembleia Geral da ONU, no mês passado, que criticou Raoni nominalmente. 

Outros nomes cotados como favoritos para receber o Nobel da Paz são o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, que assinou um acordo de paz que pôs fim a 20 anos de conflito com a vizinha Eritréia, e da premier neozelandesa, Jacinda Ardern. 

Ardern é celebrada por sua resposta eficiente e tolerante aos ataques contra duas mesquitas que deixaram 51 mortos na cidade de Christchurch, em março. A primeira-ministra tornou-se uma vocal defensora do veto a armas automáticas e semiautomáticas em seu país, medida foi aprovada no Congresso por 119 votos a um. A organização Repórteres sem Fronteiras, grupo que está na linha de frente da defesa à liberdade de expressão e da imprensa, também aparece entre os favoritos.

Desde 1901, o Nobel já premiou chefes de Estado, como Barack Obama (2011), Mikhail Gorbachev (1990) e Menachem Begin (1978), além de ativistas, a exemplo de Malala Yousafzai (2014), e organizações internacionais, como a União Europeia (2012) e as Nações Unidas (2001). O vencedor recebe, além de uma medalha de ouro, 9 milhões de coroas suecas, o equivalente a US$ 910 mil (R$ 3,7 milhões).

Desde a última segunda-feira, o Nobel já divulgou os laureados das categorias de Medicina, Física, Química e Literatura. Na próxima segunda-feira, será a vez de Economia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/10


2019

Manchas de óleo: Marinha notificará navios estrangeiros

Marinha vai notificar 30 navios de dez países por manchas de óleo. Medida ocorre após uma triagem das informações do tráfego mercante na região de interesse.

(Márcio Garcez/Agência O Globo)

Por Estadão Conteúdo

 

A Marinha do Brasil afirmou nesta quinta-feira, 10, que, “após uma triagem das informações do tráfego mercante na região de interesse”, está notificando 30 navios-tanque de dez diferentes bandeiras a prestarem esclarecimentos”. A Marinha não informa quais são os dez países cujos navios trafegaram pelo litoral brasileiro, a partir do momento que houve o grave vazamento de óleo que sujou as praias nordestinas desde o início de setembro, que já atingiu 139 locais em 63 municípios de nove Estados do Nordeste.

“A Marinha entrará em contato com as autoridades competentes dos países dessas bandeiras, com a Organização Marítima Internacional e com a Polícia Federal, visando elucidar todos os fatos”, afirma a nota. Segundo a Marinha, a ação tem apoio do Ministério da Defesa, do Exército e de instituições dos Estados Unidos.

A triagem inicial focou em quase 1.100 navios-tanque que circularam entre 1º de agosto e 1º de setembro numa área de 800 km de distância da costa brasileira, entre Sergipe e Rio Grande do Norte. As empresas donas desses navios e seus representantes no Brasil foram consultados para saber se registraram alguma anormalidade, de onde vieram, para onde foram e que tipo de carga estavam carregando.

Nesta quinta, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, negou que o governo tenha demorado a reagir ao vazamento. “Não só a investigação foi iniciada no dia 2 de setembro, como também foram sendo mobilizados, ao longo do tempo, todos os recursos disponíveis para não só realizar a limpeza dessas áreas, mas também para tentar mitigar a propagação desse vazamento para outras regiões”, afirmou.

A Venezuela foi um dos países identificados pela Petrobras no derramamento de óleo no litoral nordestino. O presidente Jair Bolsonaro chegou a afirmar que tem quase certeza que o derramamento de óleo é criminoso


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/10


2019

Equador: libertados policiais e jornalistas feitos reféns

Indígenas libertam policiais e jornalistas feitos reféns em Quito. Protestos completam 7 dias com 5 mortos, 554 feridos e 929 presos.

08/10/2019 (Carlos Garcia Rawlins/Reuters)

Por Redação da Veja

 

O movimento indígena do Equador libertou, na noite desta quinta-feira 10, dez agentes da Polícia Nacional que eram mantidos reféns na Casa da Cultura Equatoriana (CCE) desde a manhã. A Defensoria do Povo do Equador informou nesta quinta-feira que cinco pessoas morreram, 554 ficaram feridas e 929 foram presas durante os protestos contra o governo do país que começaram há uma semana.

A libertação dos agentes foi confirmada pela ministra de Governo do Equador, María Paula Romo, em entrevista coletiva. Além disso, ela afirmou que os manifestantes indígenas permitiram a saída dos jornalistas que também estavam retidos no prédio.

Os indígenas entregaram os agentes após o funeral de Inocencio Tucumbi, uma das lideranças do movimento que foi morto ontem durante os protestos contra o governo. Quatro policiais carregaram o caixão de Tucumbi até o hall da CCE, onde foi realizada uma missa.

Depois da cerimônia, os dez agentes foram levados pela “guarda indígena” até o Parque Alameda, no centro histórico de Quito, em uma manifestação acompanhada por centenas de pessoas. No local, os policiais foram libertados na presença de representantes da ONU e da Defensoria do Povo do Equador.

“Agradecemos a Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) pela entrega pacífica dos policiais. Consideramos isso como um gesto de boa vontade que contribuiu para criar condições de maior confiança para prevenir a violência e buscar uma saída negociada para esta situação”, afirmou da delegação da ONU no Equador em mensagem divulgada nas redes sociais.

Oito dos agentes da Polícia Nacional tinham sido sequestrados no começo da manhã e outros dois durante um prolongado comício que os indígenas realizaram ao longo do dia na CCE.

A simbólica marcha e a entrega dos agentes foi liderada pelo presidente da Conaie, Jaime Vargas, e por Leonidas Iza, dirigente do Movimento Camponês de Cotopaxi, do qual Inocencio Tucumbi fazia parte.

Indignados com a morte de um de seus representantes, os indígenas capturaram os agentes para fazê-los de “escudos” contra qualquer ação de repressão da Polícia Nacional no protesto organizado dentro da CCE.

Durante o comício, os agentes foram colocados no palco instalado no local e obrigados a usar os rádios que carregavam para negociar com os policiais que estavam do lado de fora do prédio.

Eles também retiveram cerca de 30 jornalistas de veículos da imprensa local e internacional. Alguns foram levados ao mesmo palco para admitir que estavam dentro do prédio por vontade própria.

Em comunicado, a Conaie reconheceu que controlou o acesso à CCE, mas disse que tinha como objetivo impedir a entrada de indivíduos que pudessem ser violentos.

Desde que chegaram em Quito para protestar contra as medidas econômicas anunciadas pelo governo de Lenín Moreno, os indígenas tentaram se distanciar da violência protagonizada por outros grupos na capital do país.

No entanto, na saída do comício na CCE, um jornalista da emissora Teleamazonas ficou gravemente ferido após levar uma pedrada na cabeça. Diferentes vídeos divulgados nas redes sociais mostram o profissional caminhando, seguido por várias pessoas, quando o agressor lança a pedra com grande violência, de uma distância muito curta.

(Com EFE)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


11/10


2019

Trump reafirma apoio à entrada do Brasil na OCDE

Após polêmica, presidente dos EUA reafirma apoio à entrada do Brasil na OCDE. Apesar de carta divulgada na qual a Casa Branca apoia apenas Argentina e Romênia no ingresso à organização, Trump diz que segue defendendo entrada do Brasil.

Jair Bolsonaro e Donald Trump se encontram na Casa Branca, em Washington - 19/03/2019 (Carlos Barria/Reuters)

Por Redação da Veja

 

O presidente americano, Donald Trump, declarou nesta quinta-feira 10, no Twitter, que segue apoiando a entrada do Brasil na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), após a divulgação de uma reportagem revelando que os Estados Unidos enviaram uma carta à organização em agosto endossando apenas as candidaturas de Argentina e Romênia.

“A declaração conjunta divulgada com o presidente Bolsonaro em março deixa absolutamente claro que apoio o Brasil no início do processo de adesão plena à OCDE. Os Estados Unidos defendem essa declaração e defendem @jairbolsonaro. Este artigo é NOTÍCIA FALSA!”, escreveu Trump em relação à matéria publicada pela agência Bloomberg.

Um pouco antes, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, negou que Washington tenha retirado seu apoio ao Brasil.

Pompeo usou também o Twitter para explicar que “ao contrário de relatos da mídia”, os Estados Unidos apoiam plenamente o Brasil no processo para ser um membro pleno da organização, relembrando a declaração conjunta feita por Trump e Jair Bolsonaro no dia 19 de março, em Washington.

“Reconhecemos os esforços em curso no Brasil para mais reformas econômicas, melhores práticas e ummarco regulatório que esteja alinhado aos padrões da OCDE”.

“Somos entusiastas apoiadores do ingresso do Brasil nessa importante instituição, e os Estados Unidos vão fazer um forte esforço para apoiar o acesso do Brasil”, escreveu o chefe da diplomacia americana.

Atualmente, na América Latina, apenas Chile e México integram este grupo de países industrializados e em desenvolvimento com práticas pró-mercado.

A embaixada dos Estados Unidos no Brasil emitiu um comunicado informando que Washington apoia uma expansão da OCDE, em um ritmo “moderado” que leve em conta a necessidade de pressionar por reformas de governança.

(Com AFP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha