ArcoVerde

11/01


2019

Raquel Dodge quer Temer, Padilha e Franco presos juntos

Em manifestação encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF) ontem, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, se posicionou a favor de que o ex-presidente Michel Temer e os ex-ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Minas e Energia) sejam investigados conjuntamente no caso que trata de supostas propinas de R$ 14 milhões da Odebrecht para a cúpula do MDB.

A apuração está relacionada com o jantar no Palácio do Jaburu, realizado em 2014, e que foi detalhado nos acordos de colaboração premiada de executivos da Odebrecht. Então vice-presidente, Temer teria participado do encontro em que os valores foram solicitados.

O inquérito tramitava no STF, mas foi desmembrado - apenas a investigação contra Temer estava suspensa pelo fato de a investigação dizer respeito a atos ocorridos antes do período em que ele comandou o Palácio do Planalto. A Polícia Federal já concluiu pela existência de indícios de que Temer, Padilha e Moreira Franco cometeram os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.  (Estadão Conteúdo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

Confira os últimos posts



13/01


2019

Bolsonaro, feliz com prisão de Battisti, diz general

Battisti será trazido para o Brasil antes de extradição para a Itália, diz ministro

Sara Resende, TV Globo — Brasília

O ministro Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), afirmou neste domingo (13) que o italiano Cesare Battisti será trazido da Bolívia para o Brasil em um avião brasileiro. No Brasil, Battisti deve trocar de avião para seguir para Itália. O ministro não informou a data nem o horário da viagem. Heleno também disse que o presidente Bolsonaro está feliz com a prisão de Battisti e negou que o presidente esteja "capitalizando a extradição"

"Não quer capitalizar nada. Quer botar para fora um bandido. Nada além disso", disse. Augusto Heleno falou com a imprensa depois de se reunir com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada. Também participaram da reunião os ministros da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, e das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

A defesa de Battisti no Brasil informou, por meio de nota, que "não possui habilitação legal para atuar em outra jurisdição que não a brasileira" e espera que o caso tenha um "desfecho de respeito aos direitos fundamentais" de Battisti.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/01


2019

Battisti será trazido em breve para o Brasil, diz Presidência

O assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais, Filipe Martins, escreveu em sua conta pessoal no microblog Twitter que o italiano Cesare Battisti “em breve será trazido para o Brasil”, após ser preso na Bolívia no último sábado (12).

“O terrorista italiano Cesare Battisti foi preso na Bolívia esta noite e em breve será trazido para o Brasil, de onde provavelmente será levado até a Itália para que ele possa cumprir pena perpétua, de acordo com a decisão da justiça italiana”, escreveu Martins no Twitter.

Fontes da PF disseram reservadamente à Coluna que vão aguardar as autoridades bolivianas para definir os próximos passos da operação.

O italiano Cesare Battisti foi preso na Bolívia, confirmaram à Coluna fontes da Polícia Federal no Brasil. Ele estava foragido desde dezembro, quando o governo do então presidente Michel Temer decidiu pela extradição para a Itália, onde Battisti foi condenado por quatro assassinatos nos anos 1970.

Segundo o jornal italiano Corriere della Sera, que noticiou a prisão primeiro, Battisti estava em Santa Cruz de la Sierra, uma das maiores cidades da Bolívia e considerada principal centro financeiro, comercial e industrial daquele país. De acordo com o jornal, Battisti usava uma barba falsa e portava documento com seu nome verdadeiro.  (Rafael Moraes Moura e Andreza Matais – Coluna do Estadão)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/01


2019

Bolsonaro elogia prisão de Battisti e chama de corrupto governo do PT

Folha de S.Paulo

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) parabenizou nas redes sociais os responsáveis pela prisão de Cesare Battisti. Ele também aproveitou a ocasião para lembrar que o terrorista italiano é "companheiro de ideias" do PT ao chamar novamente o governo do partido de corrupto.

"Parabéns aos responsáveis pela captura do terrorista Cesare Battisti! Finalmente a justiça será feita ao assassino italiano e companheiro de ideiais de um dos governos mais corruptos que já existiram do mundo (PT)."

"A Itália só teve 'anos de chumbo' porque antes teve anos de terrorismo. Bombas, autoridades sequestradas, assassinatos políticos e etc. Não dá para combater terrorismo como se fosse crime comum", disse. 

O ministro da Justiça da Itália, Alfonso Bonafede, publicou um texto no Facebook dizendo que finalmente a justiça foi feita.

Que acabou-se a longa fuga de Battisti e que seu pensamento está com os familiares das vítimas. 

Afirmou ainda que Battisti será devolvido à Itália, que ele terá de cumprir sua pena e que o tempo que passou não aliviou as feridas que Battisti deixou nas famílias de suas vítimas e no povo italiano.

Ele agradeceu às autoridades italianas e brasileiras, à Interpol, à Inteligência italiana e todas as forças policiais pelo empenho, e também às autoridades bolivianas.

Já o embaixador da Itália comemora: "Battisti está preso! A democracia é mais forte que o terrorismo!!"


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Coração Vermelho

Bolsonaro comemora a prisão de Cesare Battisti, acusado de matar quatro pessoas por motivos políticos, na Itália, nos anos 70! Bolsonaro idolatra Ustra, acusado de matar mais de 50 pessoas por motivos políticos no Brasil, nos anos 70!

Fernandes

Se o Battisti matou bandidos por que os bolsominions tem raiva dele?

marcos

Que vergonha para lula e para o PT. Bandido bom é bandido morto, bandido Ruim tá lá em Curitiba.



13/01


2019

Pesidência da Câmara: panela de pressão

A disputa pela presidência da Câmara se transformou numa troca de acusações veladas. Sobrou para todos os candidatos.

Opositores dizem que Rodrigo Maia (DEM-RJ) é traidor; tentam colar em Arthur Lira (PP-AL) a pecha de amigo de Eduardo Cunha e chamam Fábio Ramalho (MDB-MG) de novo “Severino Cavalcanti”.

O tom do debate aumentou depois que o PSL apoiou Maia publicamente, acordo que escanteou MDB e PP da aliança.

“Rodrigo vivia mais no gabinete dele (Cunha) que eu, mas tem uma postura diferente e o traiu no final. Eu não largo ninguém para trás”, diz Lira.

Sobre as acusações de traição, Maia põe panos quentes: “Deixa esse assunto para lá.”  (Coluna do Estadão - Andreza Matais)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/01


2019

Pior do que está, fica

Caso o favoritismo do juiz Friedmann Anderson Wendpap, da 1ª Vara Federal de Curitiba, se confirme e ele assuma a vaga deixada por Sergio Moro, as perspectivas para o ex-presidente Lula, admitem petistas, não serão boas.

Wendpap é considerado por esses aliados como dono de perfil mais duro do que o de Moro.

Escolhido, pode ter como primeira missão decretar as sentenças nos casos do sítio de Atibaia (SP) e do Instituto Lula.

A juíza Gabriela Hardt indicou a advogados que deixará as decisões para o substituto definitivo de Moro. (Painel)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Se o Battisti matou bandidos por que os bolsominions tem raiva dele?

marcos

Te prepara Cotó que o juiz Friedmann Anderson Wendpap tem a macaca maior que a do Negão do WhatsApp. kkkkkk

marcos

UI lula, manda o Juiz enfiar teus processos no cu. kkk



13/01


2019

É com Paulo Guedes

Integrantes do grupo que assessora o ministro da Economia, Paulo Guedes, advogam que, se houver acordo com os militares, o governo envie junto com a proposta de mudança no regime previdenciário deles um projeto de reajuste salarial, atendendo demanda da categoria.

Hoje, os militares podem se aposentar com salário integral após 30 anos de serviço.

Relatório do Tribunal de Contas da União de 2017 mostra que 55% dos integrantes das Forças Armadas se aposentam entre os 45 e os 50 anos de idade.(FSP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/01


2019

Aposentadoria dos militares

Uma das propostas que está na mesa da equipe econômica de Jair Bolsonaro prevê que a idade mínima para a aposentadoria dos militares seja de 45 anos.

Quem optasse por sair da ativa com essa idade, porém, receberia apenas uma fração do salário.

O modelo é semelhante ao dos EUA. Quanto mais tarde a aposentadoria, maior a fração a ser embolsada.

Por essa proposta, o valor integral do salário da ativa seria pago aos que deixassem as atividades após os 60 anos.  (FSP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

bm4 Marketing 3

13/01


2019

Battisti: 4 presidentes brasileiros, batalhas e fugas

A saga até prisão na Bolívia

Já se passaram quase quatro décadas e quatro países desde que Cesare Battisti fugiu de sua terra natal, a Itália, onde foi condenado à prisão perpétua pela participação em quatro assassinatos.

BBC News Brasil

O Brasil foi peça-chave desta jornada, mas o capítulo mais recente se desenrola agora na Bolívia, onde Battisti foi preso neste sábado (12) por uma equipe conjunta de agentes bolivianos e italianos.

Segundo o jornal italiano Corriere della Sera, ele foi detido enquanto caminhava em uma rua de Santa Cruz de la Sierra com barba postiça, óculos escuros e documento de identidade brasileiro com seu nome verdadeiro. Battisti não resistiu à prisão, confirmada por autoridades da Itália.

O Brasil foi peça-chave desta jornada, mas o capítulo mais recente se desenrola agora na Bolívia, onde Battisti foi preso neste sábado (12) por uma equipe conjunta de agentes bolivianos e italianos.

Segundo o jornal italiano Corriere della Sera, ele foi detido enquanto caminhava em uma rua de Santa Cruz de la Sierra com barba postiça, óculos escuros e documento de identidade brasileiro com seu nome verdadeiro. Battisti não resistiu à prisão, confirmada por autoridades da Itália.

A possibilidade de fuga para o país vizinho foi aventada pela Polícia Federal brasileira em 2017, quando Battisti ficou preso por alguns dias depois de tentar cruzar a fronteira entre Brasil e Bolívia portando o equivalente a mais de R$ 23 mil (1,3 mil euros e US$ 6 mil). À época, ele afirmou que estava indo fazer compras e que o dinheiro não era apenas seu. Mas o caso serviu para o então presidente Michel Temer decidir extraditar Battisti, que fugiu e estava foragido havia um mês.

Não há informações oficiais sobre os próximos passos do processo. Em seu perfil no Twitter, Filipe Martins, assessor especial da Presidência da República brasileira para assuntos internacionais, afirmou: "O terrorista italiano Cesare Battisti foi preso na Bolívia esta noite e em breve será trazido para o Brasil, de onde provavelmente será levado até a Itália para que ele possa cumprir pena perpétua, de acordo com a decisão da justiça italiana."

O advogado do italiano, Igor Tamasauskas, não foi localizado pela BBC News Brasil para comentar o caso. Battisti vivia no Brasil desde 2004, mas sua presença no país veio a público em 2007 - quando foi preso no Rio de Janeiro e teve seu pedido de extradição feito pela Itália. Desde então, sua situação mobilizou a opinião pública e políticos no Brasil.

Neste período, o destino de Battisti também foi definido em trocas de passes entre o Judiciário e o Executivo. Em dezembro, o ministro do STF Luiz Fux revogou uma liminar favorável a Battisti e decretou a prisão do italiano. A decisão abriu caminho para a extradição de Battisti, que no entanto deveria ser definida pela Presidência. O então presidente Michel Temer havia decidido pela extradição por meio de um decreto, mas o italiano fugiu do país antes do desfecho do processo.

A possibilidade de fuga para o país vizinho foi aventada pela Polícia Federal brasileira em 2017, quando Battisti ficou preso por alguns dias depois de tentar cruzar a fronteira entre Brasil e Bolívia portando o equivalente a mais de R$ 23 mil (1,3 mil euros e US$ 6 mil). À época, ele afirmou que estava indo fazer compras e que o dinheiro não era apenas seu. Mas o caso serviu para o então presidente Michel Temer decidir extraditar Battisti, que fugiu e estava foragido havia um mês.

Não há informações oficiais sobre os próximos passos do processo. Em seu perfil no Twitter, Filipe Martins, assessor especial da Presidência da República brasileira para assuntos internacionais, afirmou: "O terrorista italiano Cesare Battisti foi preso na Bolívia esta noite e em breve será trazido para o Brasil, de onde provavelmente será levado até a Itália para que ele possa cumprir pena perpétua, de acordo com a decisão da justiça italiana."

O advogado do italiano, Igor Tamasauskas, não foi localizado pela BBC News Brasil para comentar o caso. Battisti vivia no Brasil desde 2004, mas sua presença no país veio a público em 2007 - quando foi preso no Rio de Janeiro e teve seu pedido de extradição feito pela Itália. Desde então, sua situação mobilizou a opinião pública e políticos no Brasil.

Neste período, o destino de Battisti também foi definido em trocas de passes entre o Judiciário e o Executivo. Em dezembro, o ministro do STF Luiz Fux revogou uma liminar favorável a Battisti e decretou a prisão do italiano. A decisão abriu caminho para a extradição de Battisti, que no entanto deveria ser definida pela Presidência. O então presidente Michel Temer havia decidido pela extradição por meio de um decreto, mas o italiano fugiu do país antes do desfecho do processo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Prisão perpétua para esse assassino, comunista, fascista, bandido, e protegido por gente Safada Brasileira



13/01


2019

Pesca de mentira

Uma burla foi a solução dada por Bolsonaro para flagrante do Ibama

Janio Freitas – Folha de S.Paulo

A recente anulação da multa aplicada em 2012 a Jair Bolsonaro, por pesca ilegal em lugar ilegal, é mais interessante do que a sua notícia sugere. 

Com a decisão, datada de dez dias antes da posse do novo presidente —mero acaso, é claro—, Bolsonaro foi retirado do cadastro de devedores da União.

Deu-se que há exatos seis anos o então deputado foi surpreendido por fiscais do Ibama em um bote inflável, no recanto de Angra dos Reis chamado de Tamoios. Deu-se também que Bolsonaro, o bote e seu equipamento de pesca de vara não podiam estar ali, na Estação Ecológica de Tamoios, área sob proteção em que a presença humana é proibida. No caso, eram presença, bote, motor marinho e pesca.

A multa foi de R$ 10 mil. O deputado recusou-se a mostrar documentos. A partir daí, o Ibama desenrolou um colar de inoperâncias muito ilustrativo da defesa ambiental que os governos brasileiros proclamam ao mundo com orgulho. 

O auto de infração só foi emitido em 6 de março, dois meses e 12 dias depois do flagrante. O multado só recebeu a respectiva notificação em 6 de outubro. De 2014. Dois anos, oito meses e 12 dias depois da infração. Não pagou a multa. 

Seu nome e a dívida foram, por isso, inscritos no cadastro de inadimplentes. Em 16 de outubro. De 2015. Um ano e seis dias depois de encerrado o prazo para pagamento.

Recursos de Bolsonaro fizeram o processo passar por duas instâncias de julgamento do Ibama. Em ambas, recusa dos recursos. Entra no roteiro a AGU, Advocacia-Geral da União, mas nem sempre pró-União. Já é dezembro, dia 7. De 2018.

A AGU se manifesta: Bolsonaro não teve direito a ampla defesa, os julgamentos do Ibama "não analisam os argumentos das peças defensivas e não fundamentam os indeferimentos" (dos recursos). Anule-se a multa, anule-se tudo. Volta ao zero.

Mas Bolsonaro, o bote, o motor e o equipamento de pesca foram apenas vistos e abordados. Foram fotografados pela fiscalização no ambiente da Estação Ecológica. A imagem não foi adulterada. Sua defesa nunca merecerá o qualificativo de ampla, em qualquer sentido. Não pode ser mais do que a negação do óbvio documentado e inquestionável. 

Apesar disso, a defesa de Bolsonaro protocolada no dia 22 de março de 2012 baseia-se na afirmação de que, no dia, hora e lugar do alegado flagrante ele, na verdade, decolava no aeroporto Santos Dumont.
Um caso de ubiquidade? O chanceler Ernesto Araújo já delatou a união de Deus e Olavo de Carvalho como autora da eleição de Bolsonaro. 

Não seria demais que Olavo intercedesse para santo Antônio ceder a Bolsonaro um pouco de ubiquidade emergencial. Mas um dos dois, que por certo não foi Olavo, falhou. A solução ficou para o próprio Bolsonaro. E não foi tão simplória quanto a AGU, o Ibama e o pouco noticiário aceitaram.

O flagrante e a decolagem puderam coincidir por um jogo de datas. Na argumentação defensiva, a data do flagrante, 25 de janeiro, cede o lugar e a importância factual ao dia 6 de março em que afinal foi lavrada a autuação —impossibilitada na ação fiscalizadora pela recusa de Bolsonaro a dar sua identificação. 

Uma burla, portanto. E um exemplo, em se tratando agora de um presidente que promete mudar o exercício da moralidade no país.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/01


2019

A colaboração está virando jabuticaba

O instituto que começou como uma arma contra malfeitores aos poucos tornou-se uma barafunda que os favorece

Elio Gasperi - Folha de S.Paulo

Antonio Palocci, ex-ministro de Lula e Dilma, quindim da banca enquanto mandou, fechou seu terceiro acordo de colaboração, desta vez com o Ministério Público Federal em Brasília. Condenado a 12 anos de prisão, cumpriu menos de dois e está em casa, de tornozeleira. Como de hábito, o que vazou de suas confissões é uma mistura de notícias velhas com aulas de ciência política.

Quando juiz, no calor da campanha eleitoral, Sergio Moro divulgou um dos anexos da colaboração de Palocci à Polícia Federal. Espremendo-a, dela resultou que Lula chamou-o para uma reunião no Palácio da Alvorada e mandou que organizasse uma caixinha com os fornecedores 
de sondas para a Petrobras. 

Grande revelação, desde que em outros anexos, ainda desconhecidos, ele tenha contado a quem mordeu, quanto arrecadou e como passou o dinheiro adiante. Sem isso, o anexo é o que foi: um instrumento de campanha política.

instituto da colaboração de malfeitores está contaminado desde 2015, quando um procurador de Curitiba formulou a doutrina da “bosta seca”, segundo a qual, havendo colaborações conflitantes, não se aprofunda a investigação.

Aceita-se a palavra do delator e, mais tarde, sentenças baseadas nelas caem nas instâncias superiores. Essa jabuticaba faz a fortuna de uma nova geração de criminalistas.

Ainda neste ano o Supremo Tribunal Federal decidirá se mantém ou revoga o acordo feito por Rodrigo Janot com os donos da JBS. Os irmãos Batista estão na frigideira, mas Janot, a outra ponta de um acordo tão astucioso quanto escalafobético, vai bem, obrigado.

Com a ida do astro-rei Sergio Moro para o Ministério da Justiça, talvez se possa começar a duvidar da eficácia da doutrina da “bosta seca”. Estima-se que, de cada dez anexos de colaboração, só a metade resulte em investigações ou sindicâncias. 

Para ficar num exemplo que entrará nos anais da diplomacia, o Itamaraty de Lula deu agrément ao doutor Choo Chiau Beng, para a posição de embaixador de Cingapura no Brasil. Ele não pertencia ao serviço público, nunca chefiou a embaixada em Brasília e não deixou de ser o CEO do estaleiro Keppel, que 
fornecia sondas à Petrobras.

Essa circunstância foi revelada na colaboração do operador da Keppel no Brasil, Zwi Skornicki, que pagou a propina de 1,2% no contrato de US$ 700 milhões da plataforma P-52.

Quem topou dar o agrément? Choo entregou suas credenciais a Lula e chegou a fazer uma visita protocolar ao presidente do STF, Joaquim Barbosa. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Mimimi Corrupto tem que ser preso



13/01


2019

Madrugada violenta no Ceará

Criminosos usam explosivo em ponte e incendeiam carros no 12º dia de ataques no Ceará

Ações criminosas após anúncio de medidas para tornar mais rigorosa fiscalização nos presídios. Neste sábado, Assembleia Legislativa aprovou pacote de medida contra onda de violência.

Por Paulo Martins e Rafaela Duarte, G1 CE

Membros de facções criminosas voltaram a cometer ataques no Ceará na madrugada deste domingo (13) na tentativa de fazer com que o estado recue de medidas que tornam mais rigorosa a fiscalização nas penitenciárias.

No 12º dia da onda de violência, bandidos detonaram explosivos em uma ponte da BR-116 na Grande Fortaleza e incendiaram veículos em duas cidades.

A ponte sobre o Rio Choró, na cidade de Chorozinho, foi interditada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) nesta madrugada, após a detonação de explosivos na parte inferior da estrutura. Ainda não há informação sobre a dimensão do dano causado à ponte, conforme a PRF.

Explosivos foram detonados na estrutura da ponte sobre o Rio Choró, na Grande Fortaleza. — Foto: Arquivo pessoal

Pessoas que moram próximo ao local, na entrada da cidade, relataram um “tremor” com o impacto da detonação. “Estremeceu até a janela daqui de casa, parecia um tremor de terra. Foi um estrondo muito grande”, afirmou um morador da região, que não quer se identificar. A casa dele ficou com ranhuras nas paredes após a explosão. Os crimes ocorreram após a apreensão de cerca de cinco toneladas de explosivos no Bairro Jangurussu, na periferia de Fortaleza, na tarde de sábado (12).

Segundo a Polícia Civil, membros de uma facção criminosa presa no depósito forneciam o material explosivo utilizado nos crimes.

Entre a noite de sábado e a madrugada deste domingo também foram incendiados carros particulares em Umirim, no interior do estado, e em Fortaleza, no Bairro Siqueira.

.Nos 12 dias de crimes, foram 198 ações violentas em 43 municípios; 330 suspeitos foram presos, conforme a Secretaria da Segurança do Ceará.

O Ministério da Justiça confirmou também a transferência, para presídios federais, de 35 chefes de facção que ordenavam os ataques.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Vai Camilo Santana do PT, chama Maria do Rosário pra conversar com os bandidos.



13/01


2019

Apagão administrativo

Planalto envia ao Congresso mensagem errada de sanção de lei

Os cegos do castelo - A dificuldade do Planalto de executar atividades corriqueiras após a demissão em massa ordenada pela Casa Civil assombrou integrantes do Congresso que receberam, na sexta (11), mensagem oficial encaminhada pela equipe de Jair Bolsonaro. O texto comunicava a sanção de projeto que prevê parcerias entre a administração pública e gestoras de fundos patrimoniais.

Problema: a norma anexada à mensagem era outra. Ela alterava o quorum para deliberação de sociedades limitadas.

Após a sanção ou veto de um projeto de lei aprovado pelos parlamentares, o Planalto precisa enviar mensagem assinada pelo próprio presidente para a Secretaria Legislativa do Congresso comunicando oficialmente a decisão.

Como, neste caso, os técnicos ficaram sem saber qual proposta foi realmente sancionada por Bolsonaro, o jeito foi devolver a peça ao Planalto e pedir uma correção.  (Painel – Folha)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Bom era no tempo do governo Lula, segundo a IstoÉ até Rapariga (Rosemary Noronha) nomeava ministro.

P Guerra

Colocar um sujeito como o Bozo na presidência é igual a colocar um elefante ou um macaco numa loja de louças. Não vai sobrar nadica de nada. Cada dia é uma cagada superando a do dia anterior.

marcos

Chora não Nemia, daqui à 20 anos lula volta.

Coração Vermelho

Como deve ser triste ser mínion! Enganados pelo Aécio — Enganados por R$ 0,20 — Enganados pelo Moro — Enganados pela facada — Enganados pelo Bozo — Enganados pela mudança — Já nós nunca nos enganamos sempre soubemos que vocês são uns otários!

Coração Vermelho

Engraçado que a PF foi até ao hospital buscar o Guido Mantega. Até agora a família do Queiroz não foi depor e fica por isso mesmo.



13/01


2019

Ordem a americanos: nada de ônibus no Ceará

Governo dos EUA pede que americanos que moram no Ceará não andem de ônibus

Ancelmo Goes – O Globo

O Departamento de Estado dos EUA enviou um “alerta de segurança” aos seus cidadãos que moram no Brasil, especialmente no Ceará, sobre “o aumento de atividades criminosas relacionadas a facções e ao aumento da presença policial no estado”.

Recomenda que os cidadãos evitem “o uso de ônibus público municipal no Brasil a qualquer hora do dia e especialmente à noite”.

Ainda: veja como também os interesses econômicos dos EUA em relação à Venezuela, hoje padecendo da ditadura Maduro, tem antecedentes. Acaba de sair uma biografia de Sergio Quintella, destacado empresário carioca e vice-presidente da FGV. Ele conta a história da construção, nos anos 1970, da Hidrelétrica de Guri, a terceira maior do mundo e que fornece até hoje energia para Roraima.

A construção tinha sido prometida pelo presidente Carlos Andrés Pérez para a Camargo Corrêa. Mas Quintella ouviu da boca do então presidente da Morrison Knudsen (MK), ao saber do interesse da empreiteira brasileira: “A Venezuela é território americano”.

Na época, nos EUA, a Venezuela, pelo seu petróleo, era como se fosse um segundo Texas, o estado americano. A MK ficou com a obra principal e a Camargo, com prejuízo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


13/01


2019

Despetização atrapalha deixa vazios cargos importantes

apagão administrativo que sucedeu a demissão em massa de funcionários do Planalto permanece em outras frentes. Márcio Freitas, que foi secretário especial de Comunicação de Michel Temer, ainda não foi exonerado pelo atual governo.

A falta de funcionários na Casa Civil após a “despetização” também atrapalha a nomeação de cargos importantes nos ministérios.

Na Educação, por exemplo, só há três postos ocupados na cúpula da pasta: o do ministro Ricardo Vélez Rodríguez, o do chefe de gabinete dele e o de seu adjunto.  (Folha)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Chora não Mortadela Fascista, daqui quatro anos tu vota no Kit gay outra vez

Coração Vermelho

DESPREPARO TOTAL, ABSOLUTO E IRREVERSÍVEL DO GOVERNO BURRONARO. EU JÁ SABIA...KKKK

Coração Vermelho

Engraçado que a PF foi até ao hospital buscar o Guido Mantega. Até agora a família do Queiroz não foi depor e fica por isso mesmo.

Coração Vermelho

RESPONDA COM SINCERIDADE ; NÓS TEMOS UM GOVERNO BOSTA OU UMA BOSTA DE GOVERNO ?



13/01


2019

Maia evita traições em apoio de bancadas temáticas

Daniela Lima – Painel – FSP

Em meio ao fortalecimento do bloco de oposição à reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) na Câmara, aliados do democrata buscam agora o apoio das bancadas temáticas.

Maia deve se reunir com presidentes das bancadas evangélica, da agricultura e da segurança. O gesto emula o manual de articulação política de Jair Bolsonaro.

A avaliação dos apoiadores de Maia é a de que há riscos de traições nos partidos que fecharam com ele. Nesse cenário, acreditam que a aproximação com as frentes pode ampliar a base de eleitores fiéis.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores