Versão Agreste Central

13/04


2017

Temer, Lula e FHC em pacto por sobrevivência política

Nelson Jobim e Gilmar Mendes principais emissários nas conversas

Folha de S.Paulo – Marina Dias

Foi em novembro do ano passado, quando a Lava Jato mostrou poder para atingir novos setores políticos e econômicos, que emissários começaram a costurar um acordo entre dois ex-presidentes e o atual chefe da República.

O objetivo era que Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Michel Temer (PMDB) liderassem um pacto para a classe política, fragilizada pelo avanço das investigações.

Apartamentos de autoridades e restaurantes sofisticados serviram para que aliados dos líderes políticos discutissem medidas para limitar a operação e impedir que o grupo formado por PSDB, PT e PMDB seja, nas palavras de articuladores desse acordo, exterminado até 2018.

Nas últimas semanas, a Folha ouviu pessoas relacionadas às três partes e a avaliação foi unânime: a Lava Jato, segundo elas, quer eliminar a classe política e abrir espaço para um novo projeto de poder, capitaneado, por exemplo, por aqueles que comandam a investigação.

O bom trânsito com os dois ex-presidentes e com Temer credenciou o ex-ministro do STF Nelson Jobim e o atual ministro da corte Gilmar Mendes como dois dos principais emissários nessas conversas.

Jobim tem falado com todos. Já almoçou com Temer e FHC e marcou de encontrar com Lula nos próximos dias. Gilmar, por sua vez, hoje é próximo ao presidente, que participa de negociações para articular um acordo para a reforma política, diante do debate sobre a criminalização das doações eleitorais.

Este é o ponto que atinge os principais expoentes da política brasileira, inclusive Temer, Lula e FHC, os três citados nas delações de executivos da Odebrecht por recebimento de dinheiro de forma indevida, por exemplo.

As acusações contra Lula e FHC foram encaminhadas a instâncias inferiores pelo relator da Lava Jato no STF, Edson Fachin, visto que ambos não têm foro privilegiado. Temer, por sua vez, apesar de citado em dois inquéritos, não é investigado por sua "imunidade temporária" como presidente.

A convergência entre os três é: se não houver entendimento para assegurar um processo eleitoral "tranquilo" em 2018, aparecerá um "outsider" ou "aventureiro".

O acordo de bastidores passaria pela manutenção de Temer até 2018 e a realização de eleições diretas, em outubro do ano que vem, com a participação de Lula.

A tese de quem está à frente das negociações é que não há tempo para uma condenação em segunda instância do petista até 2018, o que o deixaria inelegível. E, caso exista, garantem, haveria recursos em instâncias superiores.

As conversas, por ora, estão divididas entre as articulações de cúpula, que costuram o pacto para a classe política, e as do Congresso, que buscam medidas práticas para eliminar o que consideram abusos da Lava Jato e fazer uma reforma política.

VOTAÇÕES

Entre o que esses grupos avaliam ser possível votar no Congresso para 2018 estão a aprovação da cláusula de barreira para partidos e o fim das coligações proporcionais.

Isso fortaleceria as siglas do establishment e enfraqueceria nanicos e aventureiros.

Projetos como a anistia ao caixa dois, um novo modelo para o financiamento de campanha eleitoral e até o relaxamento de prisões preventivas, que mantêm encarcerados potenciais delatores para a força-tarefa, também entrariam na lista de medidas.

FHC, Temer e Lula se falaram pessoalmente sobre o assunto em fevereiro, quando os dois primeiros visitaram o petista no hospital onde sua mulher estava internada.

A partir dali, emissários se movimentaram com mais frequência, mas, por ora, não há expectativa de que os três se encontrem novamente.

Mas em público, os agentes têm falado. FHC afirmou que é preciso "serenar os ânimos" e "aceitar o outro". Já havia dito que era preciso fazer "distinções" entre quem recebeu recursos de caixa dois e quem obteve dinheiro para enriquecer. Gilmar Mendes e o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo (PT) acompanharam o tucano.

No Congresso, o discurso é ainda mais direto. Parlamentares repetem que é preciso "separar o joio do trigo" e "salvar a política".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Eles sabem que, Lula é uma lágrima de Cristo.

sonia

Esses pacto de sobrevivência não é um acordo de gente séria.. \"Quem tem a Lei acima de si próprio não é digno\" INTERVENÇÃO MILITAR JÁ !!!


Versão Sertão do São Francisco

Confira os últimos posts

26/07


2017

A charge do dia


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Mata Norte

26/07


2017

PSDB e DEM já articulam o pós-Temer

O Pós-Temer

O Estado de S.Paulo - Vera Magalhães

 

O encontro do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, é simbólico não pela confirmação de uma aliança PSDB-DEM, mas pela demonstração de que os dois partidos já articulam o pós-Temer, que começa imediatamente, independentemente de o presidente permanecer ou não no posto. Como disse no domingo, o presidente consegue, dia a dia, se tornar invisível.

Maia e Alckmin discutiram, sem ninguém do governo, a necessidade de avançar com uma reforma da Previdência possível, e que tucanos e democratas empunhem esta bandeira. Para isso, dizem aliados de ambos, pouco importa se o presidente ficará no cargo. A negociação se dará sobretudo com Henrique Meirelles (Fazenda) como interlocutor.

Na impossibilidade de o PSDB tomar uma posição definitiva sobre seu dilema pueril de ficar com o governo ou romper, Alckmin vai se afastar dessa discussão.

Maia, por sua vez, empenhado em dissipar a imagem de conspirador, quer ser reconhecido pelo mercado como avalista de que a pauta econômica não ficará refém da política. Avalia, segundo seus aliados, que isso lhe dará legitimidade para assumir caso Temer não aguente o tranco de delações como a de Eduardo Cunha ou de Lúcio Funaro e caia mais adiante.

Caciques do DEM reagiram à versão de que o jantar de segunda-feira selou um eventual apoio a Alckmin no ano que vem. Cientes de que ainda podem ter o presidente da República caso Temer seja afastado, querem deixar essa decisão para o ano que vem. Além disso, vão tentar inflar ao máximo a bola de suas estrelas mais vistosas, como o senador Ronaldo Caiado e o prefeito ACM Neto, para negociar apoio dos tucanos em praças importantes.

Para costurar uma aliança forte caso seja o candidato a presidente do PSDB, Alckmin terá antes de apagar incêndios em sua própria base. O DEM resolveu medir forças com o projeto estadual do vice-governador Márcio França, e ameaça lançar candidato à sucessão do tucano. O único nome de consenso, dizem os democratas, seria João Doria Jr. Pessoas próximas ao prefeito, no entanto, garantem que ele só deixaria a Prefeitura para disputar a Presidência.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Duas almas sebosas, dois sem-vergonhas.


Versão Sertão de Itaparica

26/07


2017

Empresa: Geddel discutiu anistia ao caixa 2 com JBS

Folha de S. Paulo - Mônica Bergamo

 

Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) será personagem principal de um dos anexos que executivos da JBS começam a entregar nesta semana à PGR (Procuradoria Geral da República) como complementação de seu acordo de delação premiada. O ex-ministro teria discutido com a empresa um projeto de anistia ao caixa dois. 

O diretor jurídico da empresa, Francisco de Assis e Silva, diz no anexo que esteve várias vezes com Geddel em Brasília e chegou a entregar a ele o rascunho de um projeto de lei prevendo a anistia, o que livraria vários políticos de punição. Pelo texto, o caixa dois seria tratado como os crimes tributários -que, ao serem confessados, deixam de ser penalizados. 

No ano passado, Geddel foi um dos primeiros políticos a vir a público defender abertamente a anistia ao caixa dois. Ele ainda era ministro da Secretaria de Governo de Michel Temer. O peemedebista, no entanto, sempre negou ter a intenção de querer "melar" a Lava Jato.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Ladrão safado.



26/07


2017

Meirelles: fervido por Temer, Congresso e sua parolagem

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles - Jantar com os participantes do Fórum de Investimentos Brasil 2017 (FIB 2017)

Meirelles é fervido por Temer, pelo Congresso e pela própria parolagem

Elio Gapari – Folha de S.Paulo

Não se diga que estão fritando Henrique Meirelles. Ele é um queridinho do mercado, entende-se bem com Michel Temer e vocaliza as ortodoxias de gênios que sabem como consertar o Brasil, mas não conseguem conviver bem com seu povo. Meirelles está sendo fervido.

A fervura de um ministro difere da fritura porque enquanto a frigideira é desconfortável desde o primeiro momento, inicialmente o panelão oferece um calorzinho agradável. Depois é que são elas.

Desde o amanhecer do governo, Michel Temer flertava com a abertura de um balcão no Planalto. O ministro da Fazenda conseguiu contê-lo, até que surgiu o grampo de Joesley Batista. Para salvar seu mandato, o presidente abriu os cofres para os piores interesses predatórios instalados no Congresso. Não se deve esquecer que Meirelles foi levado para a Fazenda numa equipe em que estavam o senador Romero Jucá e o deputado Geddel Vieira Lima.

Temer deu a Meirelles quase toda a autonomia que ele pediu, mas o ministro não entregou os empregos e a perspectiva de crescimento que prometeu. Entrou no governo oferecendo um aumento de 1,6% para este ano e elevou o balão para 2%. Tudo fantasia, hoje o FMI espera 0,3%.

Na segunda-feira, ao ser indagado sobre a possibilidade de um novo aumento de impostos, ele informou: "Tudo é possível, se necessário". Frase típica das serpentes encantadas pelos refletores. Não quer dizer absolutamente nada. Enuncia um dilema que exige a definição de "possível" e de "necessário". Atravessar uma rua com o sinal fechado, por exemplo, pode parecer necessário, mas deixa de ser possível se o cidadão é atropelado. O Visconde de Barbacena achava que a derrama era necessária. Descobriu que não era possível.

Todos os ministros da Fazenda desempenham o papel da animadores do auditório. Alguns fazem isso com elegância, como Pedro Malan, outros, de forma patética, como Guido Mantega. Meirelles distanciou-se de Malan e caminha para o modelo de Mantega, num governo onde estão Michel Temer e seu mundo de bichos fantásticos.

Leia artigo completo clicando aí: Meirelles é fervido por Temer, pelo Congresso e pela própria parolagem


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Governo de Pernambuco

26/07


2017

Haja dedo: Temer tem de ligar ainda para 80 deputados

O Globo - Cristiane Jungblut

Presidente diz ter revertido cerca de 20 votos; parte dos parlamentares está viajando durante recesso

Para garantir que a Câmara dos Deputados rejeite a denúncia apresentada pela procuradoria-geral da República (PGR), o presidente Michel Temer está ligando para cerca de 80 deputados que se mantêm indecisos sobre o voto. A lista de parlamentares foi preparada pelo vice-líder do governo na Câmara, deputado Beto Mansur (PRB-SP).

— O presidente Temer está ligando para uns 80 deputados — disse Beto Mansur.

Temer disse a interlocutores que já conseguiu reverter "uns 20 votos" com os telefonemas. A intenção do Palácio do Planalto é derrotar a denúncia e mostrar que Temer ainda tem uma base aliada formada por cerca de 280 ou 300 deputados.

O governo está confiante porque cabe à oposição reunir 342 votos para que seja aceita a denúncia contra Temer. A legislação prevê que uma denúncia em ação penal contra o presidente seja autorizada por ao menos 2/3 dos deputados, o que representa 342 votos.

A oposição admite que não tem todos os votos necessários, mas afirma que Temer também não tem mais a mesma força política do início de seu governo, no ano passado.

Segundo aliados, Temer está animado com a lista de parlamentares. O problema, porém, é que muitos integrantes da listagem estão viajando, longe de Brasília. O Congresso está de recesso e só retoma os trabalhos na próxima terça-feira.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Flamac - 1

26/07


2017

PT vai pagar voos de Lula em jatinhos privados

A incorporação de Lula ao diretório nacional do PT, como presidente de honra, resolveu problemas financeiros práticos envolvendo o ex-presidente.

A legenda pode agora, por exemplo, pagar o aluguel de aeronaves para que ele viaje pelo país.

Antes disso, sempre que pagava por uma viagem, o PT tinha que dar várias explicações na hora de prestar contas ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), já que Lula era, juridicamente, um militante comum.

O diretório recebe cerca de R$ 30 milhões por ano do fundo partidário.  (Painel - Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

lino perrelli

Entre as inúmeras asneiras humanas, a cretinice se destaca!

Nehemias

lula, você representa a esperança.

Nehemias

o voto mais fiel do Brasil é de quem vota em LULA. kkkk


Banner - Hapvida

26/07


2017

Candidatos a delator correm para acordo sob Janot

Folha de S.Paulo – Bela Megale e Walter Nunes

A Procuradoria-Geral da República está acelerando os trabalhos para finalizar a negociação de pelo menos cinco acordos de delação premiada até a saída do chefe do órgão, Rodrigo Janot, em 17 de setembro.

Segundo relatos de investigadores à Folha, o procurador-geral e sua equipe pretendem concluir as tratativas com a empreiteira OAS, o ex-ministro Antonio Palocci, o empresário Henrique Constantino, sócio da Gol, o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o doleiro Lúcio Bolonha Funaro.

O grupo dedicado à Lava Jato tem trabalhado intensamente –na semana passada, procuradores fizeram reuniões até as 23h30.

Advogados da JBS, que entregarão mais 20 anexos (volumes) para complementar os depoimentos, também estiveram no local.

Advogados afirmam que não sabem o que esperar de negociações com a futura procuradora-geral, Raquel Dodge –principalmente, o que sua equipe exigirá para negociar delações.

Os defensores dizem que já conhecem a dinâmica do grupo de Janot e os assuntos que despertam seu interesse.

Os investigadores alertam, nos bastidores, que finalizar uma negociação não significa necessariamente que a delação premiada será assinada. Pode haver casos em que a PGR opte por encerrar as conversas sem chegar a um acerto, por exemplo.

A procuradoria, porém, priorizou essas cinco delações porque acredita que são grandes as chances de serem homologadas pelo Supremo até setembro, ainda na gestão de Janot.

Vazamentos...

Continue lendo clicando aí: Candidatos a delator correm para fechar acordo sob Janot


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

lino perrelli

Breve, voltará ao ostracismo do qual nunca deveria ter saído... o Janot.


ArcoVerde

26/07


2017

A reforma que não virá

 Hélio Scwartsman - Folha de S.Paulo

A Lava Jato, hoje, é "imexível". Todos os políticos que acharam que teriam força para estancá-la quebraram a cara. Alguns foram até presos. Mas essa situação não vai durar para sempre. E nem é desejável que dure. O ideal é que baixos níveis de corrupção sejam uma consequência do desenho institucional do país, não de campanhas esporádicas que só se sustentam porque conseguiram angariar uma boa dose de apelo popular.

Nesse contexto, é imprescindível que o Brasil proceda a uma reforma política. Se não o fizermos, é muito provável que, dentro de um par de anos, depois que os ventos moralizantes tiverem amainado, opíparos esquemas de desvio de dinheiro público voltem a instalar-se.

Cuidado, não estou aqui fazendo coro ao discurso de alguns políticos de que é o sistema que os faz delinquir. O pressuposto de nossa civilização é o de que existe a responsabilidade individual. Todos aqueles que aceitaram caixa dois ou propina podem e devem responder por suas escolhas. Mas punir quem precisa ser punido não nos exime de buscar uma configuração institucional que, se não chega a inspirar um comportamento virtuoso, ao menos não estimule a roubalheira. Para tanto, é fundamental reduzir drasticamente o custo das campanhas.

Os caminhos para fazê-lo são mais ou menos conhecidos. A introdução de listas eleitorais definidas pelos partidos em vez do voto nominal é uma possibilidade, embora soe particularmente suspeita no momento. O voto distrital também é uma alternativa (minha preferida).

Lamentavelmente, as discussões no Congresso apontam para uma reforma muito mais modesta, que se limita a aumentar o repasse de dinheiro público para os partidos (o que beira o imoral) e tomar tímidas medidas para tentar reduzir o número de partidos políticos. Precisamos de muito mais, ainda que as mudanças possam vir de forma escalonada


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Supranor 1

26/07


2017

Aécio deixa comando do PSDB em agosto

Aécio: tentativa de acordo esbarra em Alckmin (Pedro Ladeira/Folhapress)

Veja - Coluna Holofote 

Aécio  Neves (MG), enfim, pediu que um aliado fizesse chegar ao colega de Senado Tasso Jereissati (CE), interino na cadeira, que pretende deixar a presidência do PSDB em agosto, numa negociação pacificada, quando o Congresso retomará suas atividades com uma agenda com potencial explosivo ao governo Michel Temer.

O principal argumento é que Tasso não enfrentaria constrangimento em anunciar o desembarque oficial da sigla da gestão Temer caso o presidente sobreviva à votação da denúncia da Procuradoria-Geral da República, na semana que vem, no plenário da Câmara.

A saída de Aécio do posto tem o aval de José Serra, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e, há semanas, é opinião majoritária nas bancadas da Câmara e do Senado.

Um entrave impede o fim da novela: o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, não quer Tasso à frente do partido dada a proximidade do calendário eleitoral de 2018. Alckmin tem péssima memória da última passagem de Tasso pelo comando da legenda, especialmente o ano de 2006, quando concorreu à Presidência da República. Avalia que o colega jogou contra sua candidatura ao Palácio do Planalto e repetiria a dose agora. Segundo aliados, acha que Tasso faria campanha interna por SerraAlckmin quer o governador de Goiás, Marconi Perillo, à frente do PSDB. A novela tucana não tem — nunca teve — fim.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Garanhuns 14/06/17

26/07


2017

DEM tenta acalmar Alckmin, que continua desconfiado

Helena Chagas - Blog Os Divergentes

Da hora e meia que durou o encontro do governador Geraldo Alckmin com a cúpula do DEM, nesta segunda-feira, mais de uma hora foi gasta em conversas sobre amenidades. Só no final, quando os visitantes já se levantavam para ir embora, é que se animaram a tocar no assunto que os levara lá: o avanço sobre parte da bancada governista do PSB, que deve mudar de legenda. Rodrigo Maia, ACM Neto e José Agripino explicaram que seu partido não tem intenção de ter hegemonia na Câmara, e que não quer ter uma bancada maior do que o PSDB e nem competir com os tucanos em 2018.

O mais enfático nessas explicações foi o prefeito de Salvador, nome cogitado para a vaga de vice de Alckmin numa eventual aliança presidencial na eleição do ano que vem. Alckmin fez que acreditou e ficou com cara de satisfeito.

Mas o principal objeto das angústias tucanas, o deputado Rodrigo Maia, não falou tanto assim. Por isso, ainda restou um fiapo de desconfiança no tucanato, que teme ver Maia fortalecido, na presidência, engordar seu partido e acabar candidato à reeleição em 2018. Pelo sim, pelo não, a ala do PSDB que defende a candidatura Alckmin continua apostando na permanência do partido no governo e na sustentação de Michel Temer até o fim do atual mandato.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Mobi Brasil 3

26/07


2017

Reprovação de Temer chega a 94% e é novo recorde

Nível de desaprovação de Temer é superior ao de Cunha (93%), Aécio (90%) e de Lula (68%)

Nível de desaprovação de Temer é superior ao de Cunha (93%), Aécio (90%) e de Lula (68%)

Além disso, 85% das pessoas acham sua gestão "péssima" ou "ruim"

Agência ANSA

Uma pesquisa divulgada nesta terça-feira (25) pelo instituto Ipsos mostrou que 94% dos brasileiros desaprovam "totalmente" ou "um pouco" o governo de Michel Temer.

O levantamento ouviu 1,2 mil pessoas entre 1º e 14 de julho e representa um recorde negativo para o peemedebista - na última sondagem, esse índice era de 93%.

Outros 3% aprovam Temer "totalmente" ou "um pouco", enquanto 3% não sabem ou não responderam.

O nível de desaprovação do presidente é superior ao do deputado cassado Eduardo Cunha (93%), do senador Aécio Neves (90%) e do ex-mandatário Luiz Inácio Lula da Silva (68%).

Além disso, 85% dos entrevistados avaliam o governo Temer como "péssimo" ou "ruim", outra cifra recorde para o peemedebista.

Para apenas 2% das pessoas, a gestão do ex-vice de Dilma Rousseff é "ótima" ou "boa".

A pesquisa foi divulgada faltando pouco mais de uma semana para a votação da denúncia por corrupção passiva contra Temer na Câmara dos Deputados, marcada para 2 de agosto.

O presidente é acusado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de ser o destinatário dos R$ 500 mil dados em uma mala pela JBS ao ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

25/07


2017

Procurador: Odebrecht pagou US$ 27,7 mi em propina

Colômbia

Empresa já havia admitido pagamentos ilícitos de US$ 11 milhões a autoridades dos EUA

Do Globo por AFP

 

A Odebrecht pagou mais de US$ 27,7 milhões em propinaS na Colômbia segundo informou, nesta terça-feira, o Ministério Público colombiano, que pediu autorização para investigar quatro senadores daquele país. O valor inclui os US$ 11,1 milhões que havia sido revelado em dezembro pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, quando a construtora e a Braskem, seu braço no setor petroquímico, firmaram acordo de leniência com autoridades americanas, brasileiras e suíças.

Em entrevista nesta terça, o procurador-geral, Nestor Martinez, disse que a empresa pagou mais de 84 milhões de pesos (cerca de US$ 27 milhões) em propinas para garantir contratos de obras públicas na Colômbia. Segundo Martinez, as evidências coletadas pela investigação permitem concluir que a Odebrecht pagou, por meio de suas filiais na Colômbia, 34.653 milhões de pesos (cerca de US$ 11,4 milhões) entre 2014 e 2015 para garantir um aditivo a um contrato no setor dois da Ruta del Sol, uma obra viária no norte do país.

"Uma vez recebido o dinheiro, estas empresas distribuíram parte dele por meio de outros subcontratos ou transações posteriores, as quais tinha o objetivo de realizar pagamentos ilícitos a funcionários públicos", disse Martinez.

O procurador pediu autorização à Corte Suprema de Justiça, foro responsável pelos processos que envolvem parlamentares, para investigar os senadores Bernardo Miguel Elias, Musa Besaile e Plinio Olano, do Partido de la U, e Antonio Gerra de la Espriella, do partido Cambio Radical, apontados como "supostos beneficiários desses pagamentos".

Ele também incluiu o parlamentar Ciro Rodriguez, investigado por suposto crime de tráfico de influência, e anunciou a imputação de outras seis pessoas, sendo três do Brasil e de Portugal, por participarem do esquema.

O procurador destacou ainda que a investigação "avança na identificação" de destinatários de supostos pagamentos de 18,5 milhões de pesos (cerca de US$ 6,1 milhões) em 2009 e de 9,4 milhões de pesos (cerca de US$ 3,1 milhões) em 2014.

A Odebrecht admitiu para as autoridades dos Estados Unidos o pagamento de US$ 11,1 milhões de dólares em propina na Colômbia. Deste montante, US$ 4,6 milhões estão relacionados à obra da Ruta del Sol, um trajeto viário de mais de 500 quilômetros que une o centro da Colômbia ao Caribe e cuja execução teve início no mandato do presidente Álvaro Uribe (2002-2010) e foi expandida no governo de Juan Manuel Santos, a partir de 2010.

Os outros US$ 6,5 milhões foram pagos em 2014 para um aditivo no trecho Ocaña-Gamarra. O ex-vice-ministro de Transportes Gabriel Garcia e o ex-senador Otto Bula foram presos por causa destes pagamentos.

As autoridades eleitorais da Colômbia também investigam as campanhas presidencias de Juan Manuel Santos e Óscar Iván Zuluaga, seu rival nas eleições de 2014.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

bm4 Marketing 5

25/07


2017

AGU recorre da suspensão do aumento de combustíveis

Advogacia Geral da União (AGU) recorre contra decisão de juiz que suspendeu decreto sobre combustíveis. Decreto do presidente Michel Temer, assinado na semana passada, elevou a alíquota do tributo que incide sobre gasolina, diesel e etanol. Juiz de Brasília mandou suspender medida do governo.

TV Globo

Por: Mariana Oliveira 

 

Advocacia Geral da União (AGU) informou ter recorrido nesta terça-feira (25) contra a decisão de um juiz de Brasília que mandou suspender o decreto que elevou a alíquota de PIS/Cofins que incide sobre a gasolina, o diesel e o etanol (relembre a decisão da Justiça no vídeo acima).

O decreto foi assinado pelo presidente Michel Temer na semana passada. Com a decisão, a tributação sobre a gasolina subiu R$ 0,41 por litro. A tributação sobre o diesel subiu R$ 0,21 por litro e o imposto sobre o etanol, R$ 0,20 a mais por litro.

Mais cedo, nesta terça, o juiz substituto Renato Borelli, da 20ª Vara Federal de Brasília, determinou a suspensão da medida do governo.

O recurso da AGU foi apresentado ao Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), com sede na capital federal.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/07


2017

Corregedor: saber de habeas para filho de juíza preso

Preso com Maconha e munições

João Otávio de Noronha, corregedor-geral do Conselho Nacional de Justiça, mandou oficiar tribunal de Mato Grosso do Sul para que informe sobre decisões que tiraram da prisão Breno Borges e autorizaram sua remoção para uma clínica médica de Campo Grande

O Estado de S. Paulo - Julia Affonso e Fausto Macedo

 

O ministro João Otávio de Noronha, corregedor-geral do Conselho Nacional de Justiça, determinou nesta terça-feira, 25, que o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul informe sobre dois habeas corpus concedidos ao empresário Breno Fernando Solon Borges, de 37 anos, filho da desembargadora Tania Garcia de Freitas Borges, presidente do Tribunal Regional Eleitoral/MS.

Breno havia sido preso no dia 8 de abril com 129 quilos de maconha, uma pistola e munições. Na sexta-feira, 21, desembargadores do TJ de Mato Grosso do Sul, colegas de Tania, acolheram pedidos de habeas e autorizaram a transferência do empresário para a clínica. A defesa alegou que Breno sofre de Síndrome de Borderlin – doença marcada por ‘desvios dos padrões de comportamento’, com alterações de afetividade e controle de impulsos.

O objetivo do corregedor é saber se houve ‘atuação indevida’ da presidente da Corte eleitoral de Mato Grosso do Sul.

A reportagem tentou contato com a desembargadora. O espaço está aberto para manifestação.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/07


2017

Paulo Câmara defende reeleição de Sileno Guedes

Por Larissa Rodrigues – especial para o blog

Após discursar para uma plateia de prefeitos durante a abertura do 4º Congresso da Amupe, hoje, o governador Paulo Câmara (PSB) afirmou à imprensa que defende a reeleição de Sileno Guedes à frente do PSB de Pernambuco. Paulo, inclusive, lembrou que conversou sobre o assunto com o prefeito de Paulista, no Grande Recife, Júnior Matuto, que encampa um bate-chapa com Sileno nos bastidores.

"Eu tive uma conversa com o prefeito Júnior Matuto há semanas. Na ocasião, a gente colocou o nosso entendimento do PSB estadual. Então, a conversa já existiu. O entendimento é da reeleição do candidato Sileno Guedes, isso é o que eu defendo no âmbito do partido como militante e vou continuar defendendo", cravou Paulo Câmara.

A candidatura de Matuto pode ganhar musculatura com o apoio de membros do PSB que consideram Sileno inacessível. Sobre isso, o governador disse que cabe a Sileno qualquer tipo de ruído e de reclamação, que ele vai terá de conversar com as pessoas e buscar entendimento. O governador negou que que tenha chegado aos seus ouvidos uma queixa formal da postura de Sileno. Mas acabou mandando um recado para o socialista.

"O que chega é o que a gente vê que vocês escrevem nos jornais. Muitas vezes, é o recado que passam. Cabe a ele (Sileno), agora que está em campanha para reeleição, conversar com as pessoas e ver esse tipo de ação que possa diminuir (os ruídos). É importante ele dar retorno, conversar com as pessoas. Eu procuro fazer isso como governador. Acho que todo mundo que ocupa cargos estratégicos e que tem gestão de representação deve fazer isso também."

Antes da abertura formal do Congresso, Sileno conversou com a imprensa. "Eu aprendi com o governador Miguel Arraes que a gente não arenga, a gente constrói a unidade. Mas o foco agora não é a sucessão estadual e, sim, os congressos municipais. O prefeito Júnior deve estar envolvido no congresso de Paulista. A nossa executiva está ajudando os municípios a fazerem os seus congressos e os segmentos do partido estão espalhados por todo o estado, para que tenhamos em Brasília a plenitude dos delegados que vamos levar", declarou. Sileno destacou que o PSB vai realizar congresso nacional entre os dias 10 e 12 de outubro, em Brasília.

Abreu e Lima – O PSB de Abreu e Lima, no Grande Recife, que é presidido por Gutemberg Maia, sob o comando do prefeito Marcos José, programa grande festa para o congresso municipal, dia 5 de agosto, na Câmara Municipal. Na pauta, a defesa do governador Paulo Câmara e eleição dos novos membros do diretório municipal e eleição dos delegados para o congresso estadual. São aguardados representantes do partido de todo o estado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/07


2017

Hélio dos Terrenos assume Prefeitura em Belo Jardim

O prefeito e o vice-prefeito de Belo Jardim, eleitos no pleito suplementar, no último dia 2, foram diplomados e empossados hoje. Hélio dos Terrenos (PTB) e Dr. Silvano assumiram os cargos em solenidades realizadas na Comarca Municipal no Salão do Júri, e na Câmara de Vereadores de Belo Jardim, marcando o último ato oficial da Justiça Eleitoral nas eleições suplementares. Eles foram diplomados pelo juiz eleitoral Demétrius Liberato Aguiar e empossados pelo presidente da Câmara de Vereadores, José Anselmo da Silva.

Ao sair da Câmara, Hélio e Dr. Silvano foram recebidos pelo povo que se concentrava na praça aguardando-os para juntos seguirem em caminhada até a prefeitura. A transmissão de cargos foi feita pela procuradora do município, a advogada Fernanda e o secretário municipal de Saúde, Dr. Maneco, que cordialmente receberam o prefeito e o no gabinete do até então gestor interino, Gilvandro Estrela (PV). Além dos secretários e vereadores, amigos, familiares e demais lideranças políticas e autoridades da cidade se fizeram presentes nas solenidades. Entre eles, o ex-prefeito e deputado Cintra Galvão e o deputado estadual José Humberto, que preside o PTB em Pernambuco. Ele representou o senador Armando Monteiro (PTB).

O deputado estadual Augusto César e João Paulo Costa também estiveram na solenidade, assim como os deputados federal e estadual Silvio Costa e Silvio Costa Filho. Após a transmissão de cargos, o prefeito discursou em frente ao Palácio Municipal, reforçando o compromisso em trabalhar para garantir melhor qualidade de vida a todos os cidadãos belo-jardinenses, "com uma gestão pautada na transparência e na participação popular". O prefeito ainda anunciou os novos secretários municipais, ressaltando que alguns nomes ainda serão divulgados até o início da próxima semana.

Confira o novo secretariado de Belo Jardim:

- Secretaria de Saúde: Dr. Silvano Galvão

- Procuradoria Municipal: Uriel José Campelo Filho

- Secretaria de Educação e Tecnologia: Ricardo de Oliveira

- Secretaria de Cultura, Esporte, Turismo e Eventos: Sílvio Romerio

- Secretaria de Obras: Fábio Galvão

- Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente: Roberto Barbosa

- Secretaria de Juventude e Trabalho: Neto Andrade

- Secretaria Especial da Mulher: Zuleide Oliveira

- Secretaria de Governo e Articulação Política: Cecílio Galvão

- Controladoria Geral: Uriel José Campelo

- Secretaria de Ação e Desenvolvimento Social: Luza Torres

- Autarquia Educacional: José João Ribeiro

- Instituto de Previdência dos Servidores Municipais: Sebastião Cordeiro Filho

- Autarquia de Trânsito: José Valdemir de Brito

- Gabinete do Prefeito: Ivanildo Assis


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/07


2017

Sistema Integrado Siriji vai atender distrito de Vicência

A Companhia Pernambucana de Saneamento – Compesa vai ampliar o alcance das águas do Sistema Integrado Sirijí. O governador Paulo Câmara autorizou a realização de uma obra com investimento de R$ 1 milhão, para a implantação do sistema de abastecimento de água do distrito de Borracha, no município de Vicência, na Mata Norte.

A iniciativa irá beneficiar cinco mil pessoas na localidade, hoje atendidas precariamente por um poço da Prefeitura. O termo de compromisso para a execução do empreendimento foi assinado hoje (25) pelo presidente da Compesa, Roberto Tavares e pelo Prefeito de Vicência, Guilherme Nunes, que chegou acompanhado do deputado estadual Antônio Morais e do secretário de Administração do Estado, Milton Coelho. O edital da licitação será publicado nesta quarta-feira (26), no Diário Oficial de Pernambuco.

Segundo o presidente da Compesa, a obra será mais um passo importante para a universalização do abastecimento nas cidades da Mata Norte. "O governador Paulo Câmara tem acompanhado diretamente a ampliação dos sistemas, especialmente, diante dos sete anos de seca", pontuou Roberto Tavares. Os recursos para viabilizar a obra para o distrito de Borracha serão do Governo do Estado e da Compesa, contando também com a parceria da Prefeitura de Vicência, que será responsável pelos serviços de escavação e reaterro.

A partir da assinatura da ordem de serviço, a obra será executada em até seis meses e prevê a construção de uma estação de bombeamento e adutora, com a extensão de 5.200 metros, para transportar água do Sistema Integrado até o reservatório elevado, que fica situado no distrito de Borracha. A Compesa também vai implantar 2 mil metros de rede de distribuição na localidade.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/07


2017

Sertânia marca presença no Congresso da Amupe

O prefeito de Sertânia, Ângelo Ferreira (PSB), esteve presente na abertura da quarta edição do Congresso Pernambucano de Municípios, que acontece de hoje até a próxima quinta-feira, no Centro de Convenções de Pernambuco. A iniciativa é organizada pela Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) com o objetivo de discutir a cidade que queremos, por meio do tema "Hoje - Implementando Cidades Sustentáveis".

A abertura, na manhã de hoje, contou com a presença do ministro das Cidades, Bruno Araújo, do presidente da Amupe, José Patriota, do governador Paulo Câmara, além de diversas autoridades do Estado e prefeitos de vários municípios. Em conversa, o governador e o prefeito sertaniense afirmaram que devem definir em breve a data da inauguração do Contorno Rodoviário, na cidade.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores