Gravatá IPTU 2019 Prorro

11/02


2019

Luciano Bivar é rochedo

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Num momento decisivo da pré-campanha eleitoral, quando muitos desdenhavam da aura vitoriosa do Capitão Marvel, o deputado Luciano Bivar ofereceu a legenda do PSL para ele ser candidato e ser eleito presidente da República. Pense num cara rochedo, o líder nacional do PSL, Luciano Bivar! 

Vocês estão lembrados de quando o guru da seita vermelha, hoje presidiário, convocou o “exército” stalinista do MST para apoiar o governo dele e fazer uma revolução no Brazil.

O novo presidente nacional do Incra é o general João Carlos Jesus Correa. Agora vejamos se os stalinistas comandantes dos chamados sem-terra terão o topete de desafiar o Exército auriverde para invadir e depredar propriedades e desestabilizar o governo. 

Aqui nesta terra dos altos coqueiros, infestada de zumbis da seita do cordão encarnado, que seja indicado um fiel escudeiro do Capitão Marvel para a direção do Incra. As infestações vermelhas continuam no ar. O deputado Luciano Bivar está na linha.    

Os desvalidos do MST são apenas massa de manobra dos vivaldinos. No jargão marxista, formam o lumpem proletariado, ou a “ninguenzada” de que falava Darcy Ribeiro, sem eira nem beira e que se presta a qualquer manobra em busca da sobrevivência. São doutrinados pela esquerda radical, e poderiam ser doutrinados em qualquer direção.    

O lumpem proletariado é carente de profissionalização, de educação, de moradia. A questão agrária depende de infraestrutura, mecanização, manejos produtivos. Distribuir uma gleba de terra em nada resolve o problema de famílias indigentes.

Os farsantes e demagogos do MST e congêneres vivem pendurados nas glândulas mamárias de ONGs e habitam moradias do melhor padrão de classe média. Acampamentos ou barracas do MST submetem os desvalidos a condições promíscuas, sem saneamento, sem instalações sanitárias.

O lema “Terra, trabalho e pão”, ou “Paz, terra e pão”, importado da revolução bolchevique da finada União Soviética no início do século passado, tem auras de romantismo ou de heroísmo, mas não funciona na realidade. Nem precisamos lembrar a tragédia humanitária sofrida por milhões de camponeses sob o terrorismo comunista.

Reforma agrária é agenda de meados do século passado. Vem dos tempos da enxada e do gemido do carro de boi. É um gemido do passado. A realidade agrária em Pernambuco é de minifúndios. Terras do semiárido, aí são outros quinhentos, demandam investimentos públicos em irrigação, mecanização e tecnologia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Congresso Nordestino de Educação Médica

04/06


2018

Intervenção militar, zero

MONTANHAS DA AL-JAQUEIRA – Intervenção militar, zero possibilidade. Os militares cabeças pensantes das Forças Armadas entendem que golpismo, tanques de guerra nas ruas, isto é agenda do século passado.

Atualmente não existem condições objetivas, nem nacionais nem internacionais, para golpes armados. Congresso Nacional, movimentos sociais e a mídia em geral conjugam o noves fora.

Na década de 1964 havia guerrilhas de esquerda na América Latina, emanadas dos regimes comunistas da China, da União Soviética e de Cuba. Daí o apoio dos EUA aos movimentos golpistas de direita.

O pensador Olavo de Carvalho, uma das mentes mais brilhantes da atualidade, chama de “flatulências verbais” as gritarias sobre intervenção. Quem fala em intervenção militar são os novos bárbaros das redes sociais, dispersos, sem representatividade institucional.  

As Forças Armadas não resolvem nem os conflitos da favela da Rocinha, imaginem deste planeta Brazil. 

O presidente Temer não é uma vestal, todos sabemos, mas convém lembrar: foi ele quem resgatou o Brazil das mãos da camarilha vermelha, estancou o assalto aos cofres da Petrobrás e blindou o BNDES do desvio de recursos bilionários em favor de ditaduras comunistas na América Latina e na África.

E mais, conseguiu o milagre de acabar com o imposto sindical. Os pelegos boicotam a reforma trabalhista e o governo fraqueja. Os pequenos e médios empresários morrem de medo de contratar empregados por conta dos encargos trabalhistas. Temer desistiu da reforma da Previdência porque é um molenga e não tem peito para enfrentar a mundiça vermelha.

Falar em instituições democráticas consolidadas é dissimulação. Estão consolidadas, sim, as ditaduras dos sistemas tributário e financeiro e dos planos de doenças. Isto, para a classe média. Para os mais pobres, existem as ditaduras do desemprego, do subemprego e do SUS. No geral, existem as ditaduras das drogas, da delinquência e da violência. A classe média está condenado a trabalhar de quatro a cinco meses por ano para pagar a extorsão do Imposto de Renda. Isto sim é ditadura feroz.

Com uma democracia destas, pra que ditadura?! 

O Congresso Nacional será renovado. Blz. Você acredita, de boa fé, que serão eleitos governantes rochedos para operar reformas maravilhosas? Os comerciantes que em tempos de crise vendem combustíveis pelo dobro do preço são os mesmos que chamam os políticos de pilantras e votam neles.  

O povinho que protesta contra a corrupção é o mesmo que adora o programa Big Brother, delira nos campos de futebol e elege o presidente da República. Mesmo sem querer ser niilista, zero ilusão de minha parte.  

Versículos do abençoado Drummond: “Eu também já fui brasileiro/ moreno como vocês/ ponteei viola/ guie Ford/ e aprendi na mesa dos bares/ que o nacionalismo é uma virtude/. Mas, há uma hora em que os bares se fecham/ e todas as virtudes se negam”.

Drummond vive! Viva Drummond!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Trabalha PMR

28/05


2018

Emboscadas e perigos na estrada

MONTANHAS DA AL-JAQUEIRA –  O Governo do Brazil está bêbado. Sofre alucinações. O preço dos combustíveis e a cobrança de impostos são capítulos delirantes. Ninguém entende. As drogas do poder provocam mais delírios alucinógenos que o LSD, o ácido lisérgico do poeta americano Allen Ginsberg na década de 1960 e do seu parceiro Bob Dylan.  

A carga tributária no Brazil é pornô. É carga pesada.  Os caminhoneiros e seus patrões são da pesada. “Três eixos envenenados e um machão invocado”. A greve dos caminhoneiros virou filosofia de para-choque. Existem emboscadas e perigos na estrada. O Brazil tá parecido com uma virada de trem.

O sistema tributário pornô, corrupto e perverso foi montado ao longo de décadas e deitou raízes na sociedade brasileira. Impossível desmontar a engrenagem com gritos de guerra. Reforma tributária no futuro governo, nos futuros governos? Revolução tributária? Nunquinha da silva. Zero ilusão. Vão fazer apenas uns curativos, umas conchamblanças. O sistema perverso e perdulário é imbatível.      

O guru e os principais feiticeiros da seita vermelha estão na cadeia. Os candidatos a presidente da República estão pintados para a guerra. Nosso país vive seus momentos de quase Venezuela.

O ainda presidente Temer é um banana, e não de dinamite. A dinamite está nas mãos dos radicais da caterva vermelha e dos extremistas da direita revoltosa. A banana de dinamite está chiando.

Bolsonaro sibila a língua de cascavel para abraçar os caminhoneiros. O que dizem o presidiário guru da seita vermelha e o sociólogo dos jardins paulistanos? Silêncio e nhenhenhém.

Em tempos recentes a Petrobras foi assaltada pelas camarilhas vermelhas e seus sequazes. Para virar o jogo a Petro agora resolveu assaltar os brasileiros. Mil vezes mentira dizer que o preço dos combustíveis acompanha a cotação internacional. Nas economias estáveis o preço da gasolina não varia. O que varia todo dia neste bananal é a cotação do dólar. 

A diretoria drogada da Petro aumentou 11 vezes em 17 dias neste mês de maio o preço da gasolina. Isto seria inconcebível se o governo não fosse pornô. Não tem carreta treme-treme, nem truck, nem caminhão-cegonha, nem caminhão Studebaker, nem Buldozer de esteira, nem Caterpillar que aguente.

O governo do Brazil é um bêbado riquíssimo em matéria de impostos. Quando entra na farra gasta fortunas de denários.

O Brazil entrou num labirinto. O coração auriverde padece de labirintite. Os carbonários inflamam a boca das urnas.

As almas brasileiras apresentam fraturas expostas. O Comendador Bueno, magistrado Bartolomeu Bueno de Freitas Morais, uma das cabeças bem pensantes do cenário político e institucional, acredita que o Movimento Constituinte, hoje uma nascente, irá se avolumar e tornar-se uma alternativa irrecusável para repactuar a Federação e apascentar os nossos corações auriverdes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Olinda 2019

21/05


2018

The Gaulle:o Brazil tá doidão!

MONTANHAS DA AL-JAQUEIRA – O cientista político The Gaulle aflorou no recinto. Ele é autor da big tese de que o Brazil é um país muito sério. Ao dar um rolé nas montanhas da Al-Jaqueira, eu perguntei: Como tá tu, The Gaulle? Ele falou: Tô ligado. E o Brazil? Está degradado em todos os cantos onde canta o carcará e onde cantava o sabiá. Tá doidão, bicho, o Brazil tá doidão!

Ele fez a crônica do Brazil delirando e levado numa camisa de força para ser atendido num posto de saúde do SUS. Sem olhar para a cara dos gemedores do Brazil, sua excelência o doutor da Medicina fez o diagnóstico coletivo: todos estão com a peste bubônica da virose. The Gaulle disse que ficou invocado. Os médicos estudam 10 anos nas faculdades e aprendem que todos os pacientes do SUS padecem de virose e fazem consultas-relâmpagos de dois minutos. doenças devem ser revogadas. Assim caminha a saúde pública no Brazil. É a medicina fake, ou fucker.

A saúde pública no Brazil é uma virose crônica, uma tortura. Aflige mais que alivia as dores. A saúde na rede privada depende do bolso do freguês. Faz parte da ditadura dos planos de saúde.

Quem irá sarar as feridas e fazer a remissão do Brazil? A depender das nossas lideranças de meia tigela, não haverá remissão. Estamos órfãos de grandes líderes e de estadistas. 

O guru da seita vermelha está preso e o mundo não acabou. O principal ideólogo do cordão encarnado também entrou em cana. Um cara com mais de 70 anos, de formação revolucionária ortodoxa, 30 anos de cadeia no lombo e sem perspectivas de liberdade, o que irá transmitir aos seus devotos? Ficar resignado não faz parte da natureza dos combatentes fanáticos.

Os doutores da Medicina formam uma casta neste País. Desfilam com reizinhos na região abdominal. A casta impede ou dificulta a abertura de novas faculdades para manter a reserva de mercado. Filhinhos de papais e mamães formados em universidade públicas nas costas dos contribuintes, tripudiam sobre os desvalidos que sustentam seus privilégios. São eles mesmos que criticam os governantes e os privilégios alheios. Os bons profissionais com espírito humanitário e senso de ética são minoritários nessa casta.

The Gaulle assistiu à entrevista da sinhazinha de nariz de Pinóquio à TV Al-Jazeera para o mundo árabe, vasto mundo habitado por espíritos da paz e harmonia e também moinhos de guerra. Qual a mira do nariz de Pinóquio? De guerras bastam nossas tragédias do dia a dia.

Morrendo de amores pelo guru da seita vermelha, a sinhá propôs  cortar o pescoço da vereadora Marília Arraes para levar o apoio do cordão encarnado à reeleição de Paulo Câmara em Pernambuco, sob a condição de o governador trabalhar em favor do indulto para o chefe da camarilha atualmente preso em Curitiba. Liderança política em ascensão, Marília já beijou as barbas vermelhas e hoje seu pescoço está sendo usado como moeda de troca.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


14/05


2018

O Ministério dos Goelas

MONTANHAS DA AL-JAQUEIRA – Completamente nu, sorridente e feliz, o ministro dos Goelas da República concedeu uma entrevista na Esplanada dos Monastérios para falar sobre o preço da gasolina. Na vera, também podem chamar Ministério Pornô dos Juros e dos Impostos do Reino Parasitário dos Banqueiros.  

Vamos à entrevista. O ministro Pornô dos Juros e dos Impostos fez a seguinte delação, impunemente: 45 % do preço dos combustíveis no Brazil são feitos de impostos federais. Isto foi dito em plena luz do dia, diante de senhoras e crianças inocentes.

Sua excelência falou: Em vista do déficit fiscal, nós da República Parasitária dos Banqueiros não cogitamos nenhuma possibilidade de redução de impostos, proclamou, nuzinho da silva. Todos as príncipes do poder, os caboclos mamadores e parasitas desfilam nuzinhos, dos piolhos da cabeça até o dedão do pé, nas suas carruagens em Brasília et Orbi.

O momento mais emocionante da entrevista aconteceu quando o ministro do Reino dos Banqueiros, em meio às gargalhadas, anunciou a previsão do déficit fiscal do Brazil, de 159 bilhõezinhos de reais, ou um pouquinho menos, de 136 bilhõezinhos. Os fogueteiros do Ministério dos Juros lançaram rojões e fogos de artifício, enquanto o ministro recebia dezenas de buquês de flores enviadas pelas lobas e lobos do sistema financeiro.

A carga tributária no Brazil é pornô. O objetivo do sexo explícito tributário é esfolar os contribuintes e as empresas, para não usar outra palavra, ou um palavrão. Ilustração aproximada: quanto custa, exemplo, um automóvel tipo classe média nos Estados Unidos: digamos, 40 mil dólares; no Brazil, no mínimo, 80 mil dólares.

Qual a explicação? Carga tributária, encargos e custos trabalhistas. Encargos e custos não são salários, vão para a goela do Governo.Para onde vão os impostos? Para os goelas da República. O exemplo aplica-se a qualquer outro item, de calçados, têxtil, mecânico, elétrico ou eletrônico. O nome disso é extorsão tributária, herança nefasta do “quinto dos infernos”, queiram ou não queiram os doutores.  

O Copom – Comitê de Política Monetária é fantasia. O Copom fixou a taxa Selic do Banco Central em 6,5 % ao ano. E daí? Os juros do cheque especial e dos cartões de crédito aos consumidores vão além de 300 % ao ano. A agiotagem e as arapucas financeiras mandam mais que o governo, ou governam mais que o governo. 

A lenda do banqueiro de olho de vidro não é lenda, é real. O olho de vidro tem mais calor humano. O olho de vidro nomeia e demite ministros nesta República de Banqueiros. Faz parte do show da ditadura do sistema financeiro parasitário. 

O crime perfeito existe: a dívida pública na casa dos 3,55 trilhões de reais, igual a 3.550 gigas denários. O Brazil deve aos banqueiros e os banqueiros devem ao Brazil. Os brasileiros devem a si mesmos, pois o dinheiro dos banqueiros sai do bolso de todos nós. É um nó nas tripas. 

Ao passear na Esplanada dos Monastérios e presenciar as cenas de nudismo no Ministério Pornô dos Juros e da Fazenda dos Banqueiros, um gurizinho gritou: “Os goelas da República estão nus”.

Os goelas mandaram capar o gurizinho, multá-lo, esfolá-lo e enquadra-lo nos crimes de lesão tributária.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ArcoVerde

07/05


2018

Coração do Brazil é um vulcão

MONTANHAS DA AL-JAQUEIRA – Saudades do ministro da Guerra, Raul Jungmann! Onde tá tu, Raul? Tá no Rio de Janeiro? Tá no Planalto? Tá na planície? Tá nas fronteiras do Brazil? O presidente Michel Temer é um cara malvado. Jogou uma bomba atômica na caixa dos peitos de RJ. Missão heróica: apascentar o coração do Brazil. 

O coração do Brazil hoje é um vulcão.

A guerra no Brazil é subterrânea, nas cavernas, nas emboscadas, nas moitas, nos abismos. O Rio de Janeiro, ministro RJ, é um vulcão em erupção, é ingovernável. Nem o norte-coreano Kim Jong-um, nem o Papa é capaz de pacificar as guerras aos pés do Cristo Redentor.

Os 15.735 quilômetros de fronteiras terrestres do Brazil, da Guiana Francesa ao Uruguai, são ingovernáveis. Quando eu crescer e for nomeado ministro da Guerra pelo futuro presidente Michel Temer Bisneto, eu vou decretar intervenção federal nas fronteiras do Brazil. 

Barbarizaram, esculacharam, degradaram, esfolaram nosso Brazil. Faz lembrar o personagem Santiago Nasar ao final do romance “Crônica de uma morte anunciada”. “Empapado de sangue, levando nas mãos o cacho de suas entranhas, deixando no ar o horrível cheiro de merda, Santiago falou para a tia Wenefrida: “Me mataram, querida Wene!” Ainda hoje estão esfolando as tripas do Brazil.  

A corrupção, o mandonismo, o autoritarismo, o parasitismo do Estado brasileiro, a extorsão tributária, a opressão contra os mais humildes, a violência e os traços culturais da escravatura fazem parte das nossas honoráveis tradições desde os tempos coloniais.

Os impostos hoje são o dobro do “quinto dos infernos” (20 por cento) dos tempos coloniais. O sistema tributário funciona como uma extorsão legalizada para esfolar os contribuintes, asfixiar as empresas e extorquir os consumidores. Exemplo: um automóvel top de linha em nosso País custa em média o dobro do valor vigente nos Estados Unidos, por conta dos impostos extorsivos que alimentam os governos corruptos e incompetentes e as castas de servidores.

As leis trabalhistas – CLT foram implantadas durante Estado Novo de Vargas, em 1943, sob inspiração da “Carta Del Lavoro da ditadura fascista de Benito Mussoline na Itália (de 1925 a 1939). 

Em Pernambuco o famoso “Acordo do Campo” foi celebrado pelo Governo Arraes, idos de 1963, com os bárbaros usineiros e fornecedores de cana. Até então, imperava a “lei do cambão”. Carteira de trabalho assinada e salário mínimo nem pensar. Os usineiros não foram pródigos nem para si mesmos, pois não construíram riquezas, a maioria deles faliu, existe um legado de indigências na Zona da Mata.    

No paralelo, a legislação trabalhista paternalista criou uma categoria de parasitas, os pelegos sindicais. Eles não fiam nem tecem, são sanguessugas que defendem seus próprios privilégios em nome dos trabalhadores e desqualificam as relações trabalhistas.  

Os vermelhos que hoje, de modo leviano, chamam de fascistas os defensores das mudanças na CLT fingem ignorar este fato histórico (ou são mesmo ignorantes). A caterva vermelha de hoje tem saudades do fascismo de ontem.

A realidade virou pelo avesso. Os micros, pequenos e médios empresários, que movem a economia, têm medo de contratar trabalhadores por causa da cultura de conflito social, do custo do emprego, dos encargos sociais e dos impostos. E assim caminha o retrocesso social, cultural e institucional.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

01/05


2018

Juízes fazem mensagem de apoio a Lava Jato

Frederico Vasconcelos - Folha de S.Paulo

O Grupo Palavra de Juiz, formado por mais de 2.000 magistrados que discutem em rede temas sobre o Judiciário, distribuiu moção de apoio aos juízes federais que atuam no julgamento de crimes do colarinho branco, em especial nas ações da Operação Lava Jato.

Segundo o texto, a iniciativa é dirigida principalmente aos juízes Carolina Moura Lebbos, Marcelo da Costa Bretas e Sergio Fernando Moro, como manifestação de “profundo repúdio à série de acontecimentos envolvendo pressões indevidas sobre as atividades de membros do Poder Judiciário, atitudes que não disfarçam a incitação à desobediência civil”.

“Vislumbramos que este episódio, aliado a tantos outros, evidenciam à população uma franca tentativa de amordaçar o Poder Judiciário, perseguindo os seus membros com expedientes vis de ameaças, xingamentos e toda sorte de atos truculentos próprios de quem não sabe conviver em um Estado Democrático de Direito”.

O grupo afirma que os atos decisórios sob a responsabilidade dos três magistrados “foram submetidos ao devido processo legal e ao sistema recursal em sua plenitude”.

“Essa manifestação [a moção] não decorre de voluntarismo ou arroubo de mágoa partidária, mas de obediência ao que ordena o artigo 6º do Código de Ética da Magistratura, ao dispor que ‘é dever do magistrado denunciar qualquer interferência que vise a limitar sua independência'”.

Os manifestantes expressam “profunda preocupação com as ofensas, ameaças diretas aos órgãos do Poder Judiciário perpetradas por diversos políticos –em especial pelo deputado federal Wadih Damous– pois tendem a fragmentar a independência dos Poderes e reduzir o Estado Democrático e Direito”.

Segundo informam os coordenadores, participam do Grupo Palavra de Juiz magistrados estaduais de primeiro grau (ligeira maioria) e de segundo grau, juízes da Justiça Federal, Trabalhista e Militar de todos os Estados, além de alguns ministros do Superior Tribunal de Justiça e do Superior Tribunal Militar.

A moção será encaminhada aos juízes Moro, Bretas e Lebbos e distribuída entre os membros do grupo, do qual também fazem parte mais de 100 magistrados de Portugal e de países africanos de língua portuguesa


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


30/04


2018

Político, teje preso!

MONTANHAS DA JAQUEIRA –  O Brazil está em guerra. Zero novidade. Degradaram. Esculacharam. Barbarizaram o nosso País. A camarilha vermelha dilapidou, esfolou e mamou nos cofres públicos e privados do nosso País. Contestar, quem há de? A corrupção continua no seio, nas coxas e no tutano dos novos inquilinos e síndicos da República. Também não sou doido para negar. O batidão da corrupção é punk, é funk, é da pesada.

Uma senhorinha de narizinho de Pinóquio falou na TV Al Jazeera, para gregos e troianos e transmontanos que o guru da seita vermelha é um preso político. Análise sintática: o guru da seita é o sujeito da oração, substantivo. “Político” é o predicado, ou predicativo. A oração da seita está invertida. A oração correta é a seguinte: o guru é um político preso. Vocativo: Teje preso, político!

Que tal o substantivo próprio Sergio Cabral, aquele do olhar carinhoso de que falava o guru da seita vermelha e que arrombou os cofres do Rio de Janeiro, que tal se ele invocar para si o predicado de preso político?! E a Dona Maricota, a costela dele, substantivo próprio feminino cuja mão pesada roubava até diamantes e hoje cumpre prisão domiciliar para ensinar as criancinhas a roubar desde a infância?!

O substantivo próprio da seita vermelha está na cadeia há três semanas e até hoje o mundo não acabou. O exército vermelho do MST não comandou uma revolução contra as Forças Armadas. Movidos a mortadela, fizeram arruaças e queimaram pneus nas rodovias, mas não incendiaram Curitiba à moda do Imperador Nero na Antiguidade em Roma, enquanto tocava sua harpa. Os carbonários da mundiça vermelha não tocam harpa, só tocam a buzina de uma nota só: fon-fon-fon-golpe-golpe-golpe. É a cantiga do mau agouro do acauã. 

O maledetto Nicolas Maduro, com licença da palavra, não invadiu o Brazil para impor uma ditadura bolivariana. Esfomeados e massacrados pela ditadura comunista falida, os venezuelanos é que estão invadindo nossas fronteiras para saciar a fome e fugir do terrorismo vermelho. Um parêntese: o general Simon Bolívar foi um grande patriota e libertador das Américas nos tempos coloniais. Seu nome está sendo vilipendiado pelos facínoras comunistas nos tempos presentes em nome das tiranias totalitárias.

Falar em prisões políticas é insultar o Judiciário, o Ministério Público, a Polícia Federal, significa insultar a própria democracia.

Comício em Ipatinga (MG), 24.10.2017: o guru da seita vermelha disse que está com um corpinho de quase 72 anos e uma tesão de 20 anos para governar o Brazil. Eis o perigo. Um país se governa com neurônios, com massa cinzenta, não com tesão. Testosterona de 20 anos serve para outras finalidades, não para governar o Brazil. Governar com testosterona é querer xumbregar nosso Brazil.  

Agora está reclamando de solidão e a mundiça vermelha quer fazer comícios e piqueniques na carceragem da PF em Curitiba. 

Testosterona serve para degustar as parceiras em suas visitas íntimas, não para governar o Brazil.

Crimes políticos são crimes de opinião. Não existem no gibi da democracia no Brazil.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bm4 Marketing 2

23/04


2018

Sílvio Neves desvenda os véus de Eça de Queiroz

MONTANHAS DA JAQUEIRA – “Cesse tudo que a antiga musa canta, que outro valor mais alto se alevanta”, proclamou Camões ao despedir-se das navegações de gregos e troianos e saudar as conquistas lusitanas dos “mares nunca dantes navegados”. “Ó mar salgado, quanto do teu sal são lágrimas de Portugal!”. “Políticos e fraldas devem ser mudados frequentemente, e pelos mesmos motivos”, assim o mordaz Eça de Queiroz destila sua ironia sobre os costumes mundanos e políticos de Portugal nos meados do século 19.

Camões, o épico; Fernando Pessoa, o existencialista; Eça de Queiroz, o crítico mordaz. Eles formam a tríade mais luminosa na galeria dos escritores portugueses.

Na idade das fraldas, Eça de Queiroz foi rejeitado pela mãe biológica, Carolina Augusta Pereira D’Eça. Seria uma mãe desnaturada? Mistérios da natureza humana, ou da natureza desumana. Mistérios de muitos véus. Certidão de batismo: “José Maria (ainda não era um Eça de Queiroz) – filho natural de José Maria d’Almeida Teixeira de Queiroz e de mãe incógnita”.    

A bordo de seu telescópio X9, com lentes do Direito de Família e sensores literários, o escritor e advogado Sílvio Neves Baptista navegou no tempo das fraldas, nos jardins da infância e da maturidade para escrever o livro “Eça de Queiroz: um caso de abandono materno e de filiação socioafetiva” e desvendar os véus natalícios do magistral autor. Fez o batistério literário de Eça.        

O pai, Dr. José Maria de Almeida, brasileiro de nascença, mandou trazer de Pernambuco a criada Ana Joaquina Leal de Barros, costureira, casada de papel passado com o alfaiate Antonio José Fernandes do Carmo, para amamentar o infante. A ama forneceu a José Maria o leite da ternura humana.

Carolina Augusta Pereira casou com José Maria d’Almeida Teixeira de Queiroz quando Eça já tinha quatro anos. Mesmo assim não assumiu a maternidade. Há especulações de que ela não seria a mãe biológica de Eça, sendo ele filho de uma mulher casada que não poderia assumir a maternidade.

Somente na adolescência ou juventude, ao estudar no Colégio da Lapa e ingressar na Universidade de Coimbra, quando já era conhecido como tal, o filho do Dr. José Maria de Queiroz e de Dona Carolina Augusta D’Eça assumiu a patente de Eça de Queiroz.   

Esta é apenas uma crônica singela, tipo “chá de fraldas”, na preparação para o lançamento do livro,2ª. Edição, dia 26, quinta-feira as 19 horas, na Academia Pernambucana de Letras.

Eça é autor dos clássicos “Os Maias” e “O crime do Padre Amaro”, considerado romance mais expressivo do realismo português. 

Seja ou não reflexo de sua condição de rejeitado pela mãe na infância, Eça faz referências episódicas a casos de incestos involuntários, adultérios e conflitos familiares.    

Existe vasta bibliografia sobre Eça de Queiroz, mas a abordagem do telescópio SNB-X9 é inédita. O militante político Paulo Cavalcanti, meu memorável amigo de outros tempos, escreveu “Eça de Queiroz, agitador no Brazil”. Paulo fundou a Sociedade Eça de Queiroz em Pernambu