FMO

11/01


2017

Coluna da quarta-feira

    Tiro no escuro para 2018

No Brasil, as disputas eleitorais começam cedo, no mínimo dois anos antes. Após o Carnaval, anote aí, já estará sendo dada a discussão da sucessão presidencial e dos governos estaduais em 2018. Alguém tem dúvida de que em Pernambuco a oposição bota o bloco na rua tão logo o Homem da Meia Noite deixe dormindo pelas ladeiras de Olinda o último folião ressacado da folia?

O senador Armando Monteiro Neto (PTB), principal liderança da oposição, é um político curtido pelo passar dos anos e, certamente, sabe que, leitor do Eclesiastes, o tempo ainda será outro para assumir a sua candidatura. Mas a vereadora Marília Arraes, alternativa do PT, segundo interlocutores, tende a assumir logo o projeto de uma pré-candidatura majoritária, para infernizar o PSB.

No plano nacional, o cenário é de uma obscuridade nunca vista. Réu já em cinco processos envolvendo três operações diferentes na operação Lava Jato, o ex-presidente Lula é um morto vivo. Se escapar das garras da justiça, o que parece impossível, passará a campanha dando explicações. Tancredo Neves dizia que quando o político começa a se explicar está cavando a sua própria sepultura. A profecia se aplica perfeitamente ao líder petista.

Na seara tucana, fala-se na candidatura do governador Geraldo Alckmin, fortalecido nas eleições municipais ao emplacar no primeiro turno o prefeito da capital, João Dória. Mas tem muito que explicar, também, sobre fraudes em seu governo e que atingem igualmente outros tucanos de alta plumagem, como José Serra, chuva de verão no Ministério das Relações Exteriores.

Aécio Neves, por sua vez, como Lula, vive o inferno astral de operações no Governo mineiro revelando as promiscuidades com as mesmas empreiteiras envolvidas na operação Lava jato. Quem sobra? Jair Bolsonaro? Pelo amor de Deus! Seria o pior retrocesso que este País poderia sofrer. Marina Silva, arrastada para a jaula dos leões pelas mentiras deslavadas na campanha passada, é matéria vencida.

Na verdade, o Brasil está sem lideranças, vácuo que pode ser preenchido por aventureiros, que vão surgir, inevitavelmente, da mesma forma que Bolsonaro desabrocha. Faltando menos de dois anos para o povo brasileiro eleger, democraticamente, o presidente que substituirá a presidenta cassada, sobram dúvidas, faltam candidatos.

CENTRÃO – O líder do PTB na Câmara, deputado Jovair Arantes (GO), lançou, ontem, sua candidatura à presidência da Casa em um ato organizado no Salão Nobre. A eleição está marcada para 2 de fevereiro. O lançamento da candidatura de Jovair se deu um dia após o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), também oficializar a campanha dele ao cargo mais importante da Câmara. Jovair e Rosso são aliados do Palácio do Planalto e integram o chamado "Centrão". O bloco, informal, é composto por partidos de perfil conservador e foi criado a partir de uma articulação do então deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atualmente cassado e preso.

Igual à seleção brasileiraExperiente marqueteiro e bem-sucedido no plano nacional, o pernambucano Marcelo Teixeira, da Makplan, tem uma resposta na ponta da língua às críticas ao modelo adotado pela nova prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), que exportou do Recife nove dos 13 secretários na montagem da sua equipe, provocando a ira dos caruaruenses. “Secretariado é como escalar a seleção brasileira: todo mundo tem o seu time preferido. Na prática, impossível agradar a gregos e troianos”, diz ele.

 

Violência em Salgadinho – A população de Salgadinho, cidade turística pelo atrativo das suas águas termais no Agreste Setentrional, a 85 km do Recife, enfrenta uma onda de violência nunca vista em toda a sua história. Também pudera: o município só conta com dois policiais por dia para proteger à população e a única viatura disponível está quebrada, sem uso há 30 dias. O mais grave ainda é que o secretário de Defesa, Ângelo Gioia, ignora completamente este quadro nefasto.

Amigos para sempre– Uma semana após fumarem o cachimbo da paz num ato em Serra Talhada ao lado da direção da companhia aérea Azul, que está abrindo voos comerciais para o município, o prefeito Luciano Duque (PT) e o secretário estadual de Transportes, Sebastião Oliveira, dois bicudos fenomenais, voltaram a se encontrar, ontem, no Recife. Em audiência formal, definiram os próximos passos para emplacar os recursos que serão utilizados no projeto que põe fim ao lixão aberto nas proximidades do aeroporto.

E haja parentes!Em Frei Miguelinho, no Agreste Setentrional, a prefeita Adriana Assunção (PSB) também vai entrar para o Livro dos Recordes na famigerada prática de nepotismo. O marido Rogério Barbosa foi nomeado chefe de gabinete, o irmão Gilmar Assunção, secretário de Obras; Adriano Assunção, também irmão, secretário de Administração; Tatiana Assunção, cunhada, secretária de Ação Social; Júnior de Nelson, primo, secretário de Saúde, e, por fim, Cibele França, esposa do vice-prefeito Lindonaldo França (PSB), secretária de Transportes. Desbancou, de longe, o prefeito de Bodocó.

CURTAS

CARA-DE-PAU- Campeão em nepotismo no Estado, o prefeito de Bodocó, Tulio Alves (DEM), disse que não descumpriu a lei quando nomeou o pai, a mãe e outros parentes de primeiro grau para o seu secretariado. Diz que a Constituição assegura esse direito. Mas o povo não o elegeu para fazer da sua gestão um gueto familiar.

SECRETARIADO – O prefeito de Toritama, Edilson Tavares (PMDB), convocou uma entrevista coletiva para hoje, às 9h30m, na Câmara de Vereadores, para anunciar o secretariado. Deve aproveitar para revelar o tamanho do buraco herdado do antecessor Odon Ferreira (PSB).

Perguntar não ofende: Depois de tantas advertências ouvidas, ontem, por técnicos do Tribunal de Contas, os prefeitos aprenderam as lições para não atropelar a Lei de Responsabilidade Fiscal? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias Fernandes Jaques

Cadê os paneleiros?

Nehemias Fernandes Jaques

Mais uma categoria enganada pela rede GLOBOSTA.

Nehemias Fernandes Jaques

Caminhoneiros desabafam e dizem que agora tá pior que tava com Dilma. Cadê as filas de carretas, que estavam desfilando com faixas, dizendo fora Dilma? E agora! Pediram ganharam, tá aí a coisa.


Versão Agreste Meridional

Confira as últimas colunas

27/05


2017

Coluna do sabadão

     Procurador enfrenta Moro

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima afirmou, ontem, que parte dos valores desviados no esquema investigado na 41ª fase da Operação Lava Jato abasteceram contas do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB, e de sua mulher Cláudia Cruz. Para ele, Cláudia tinha como saber a origem dos recursos. A mulher de Cunha foi inocentada pelo juiz Sérgio Moro, mas o Ministério Público Federal (MPF) pretende recorrer da decisão.

A absolvição de Cláudia se deve ao "coração generoso" de Moro, ironizou o procurador, para acrescentar: "Nós sabemos que parte desses valores abasteceu a conta que foi usada por Cláudia Cruz para seus gastos em bens de altos valores. Nós vamos recorrer”. De acordo com Lima, uma pessoa com o "nível cultural" de Cláudia Cruz tinha "indicativos suficientes para saber" que os recursos que recebia eram incompatíveis com o salário que Cunha recebia como deputado federal.

"Ao gastá-los, ela cometeu o crime de lavagem. Nós não estamos acusando Cláudia Cruz de corrupção, mas de lavagem. Então, nesse aspecto o comportamento dela não é justificado e é criminoso", declarou o procurador. Moro absolveu Cláudia dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Segundo MPF, ela recebeu em uma conta na Suíça mais de US$ 1 milhão da propina ganha por Cunha oriunda do esquema do Benin. O ex-deputado foi condenado justamente por seu envolvimento no mesmo caso.

O juiz Sergio Moro inocentou Cláudia dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão fraudulenta de divisas. Na sentença, o juiz alega falta de provas suficientes para comprovar que ela tenha agido com dolo. O Ministério Público havia pedido a condenação dela, em regime fechado, argumentando que uma conta secreta da jornalista na Suíça, chamada de Kopek, havia recebido mais de US$ 1 milhão oriundo de propina recebida por Eduardo Cunha por facilitação nos contratos da Petrobras para obter direitos de exploração em Benin, na África.

O dinheiro teria passado por dois trusts e uma offshore até chegarem na conta de Cláudia, configurando crime de lavagem de dinheiro e dissimulação do produto de crime de corrupção. Segundo Moro, porém, não há provas de que o dinheiro tenha feito este caminho. "Falta materialidade à imputação do crime de lavagem de dinheiro, tendo por antecedente o crime de corrupção. Então a imputação do crime de lavagem descrito como fato 05 da denúncia é insubsistente", sentenciou o juiz.

REDUÇÃO DE EQUIPE– O delegado federal Igor Romário de Paula, coordenador da Operação Lava Jato no Paraná, afirmou, ontem, que existe uma dificuldade em relação à quantidade de pessoas na equipe que precisa ser superada. “Com o número que a gente tem hoje, é muito difícil dar continuidade para o trabalho da forma satisfatória, como sempre foi”, disse o delegado. Segundo ele, esta é uma dificuldade operacional. “A gente vai ter que superar, porque, se não, o prejuízo no trabalho vai ser concreto”, disse o delegado. Atualmente, de acordo com o delegado, são 120 procedimentos em andamento.

A grande questão do quemO Velho Guerreiro Chacrinha tinha um bordão que dizia: “O jogo só acaba quando termina”. A questão objetiva da sucessão presidencial não é ser a favor ou contra Temer. A pergunta é quem! O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, dará prosseguimento ao Impeachment, liderando a Câmara e o Senado para aprovar a cassação de Temer e, assim, tornar-se o presidente da Republica tampão? Volto a dizer: a questão é quem? Quem? Sem uma grande liderança contrária, Raul Castro continua presidente de Cuba e Maduro da Venezuela. No Brasil, quem é a liderança de oposição que terá forças para conduzir um processo de novas eleições indiretas ou diretas antes do pleito de 2018? Quem?

Cronologia para desmentir – O ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque, detalhou em pelo menos dois anexos de sua delação premiada operações envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O novo delator da Lava Jato quer desmentir versão apresentada pelo petista ao juiz federal Sérgio Moro no qual falou de encontro com Duque, em um hangar do aeroporto de São Paulo, para perguntar sobre contas no exterior do ex-diretor da estatal. Nesses dois anexos, estão detalhados os encontros com Lula e o esquema de propinas envolvendo a Sete Brasil, empresa que tinha contratos com a Petrobras para a construção de navios-sonda.

Em busca do depoimento– O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu autorização ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), para tomar o quanto antes o depoimento do presidente da República, Michel Temer (PMDB), o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) no curso inquérito aberto contra os três a partir da delação da JBS. Em relação ao depoimento de Temer, Janot disse a Fachin que a oitiva deve acontecer “nos moldes a serem definidos por Vossa Excelência [Fachin]”. Janot afirma que, por haver investigados presos, o prazo para a conclusão da investigação por parte da Polícia Federal e da própria apresentação da denúncia pela Procuradoria-Geral da República (PGR) é mais curto.

Alckmin quer Tasso ou FHCO governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defendeu, ontem, os nomes do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), para disputar uma eleição indireta na eventual saída do presidente Michel Temer (PMDB) do poder. O tucano reforçou que, nesse cenário, não é candidato. Ele pretende disputar as eleições gerais no pleito de outubro do ano que vem. A declaração foi dada um dia depois de Alckmin se reunir com Jereissati e com o prefeito João Doria na casa do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

 

 

 

 

CURTAS

CAIU FORA– A presidente do BNDES, Maria Silvia Bastos Marques, pediu, ontem, demissão do cargo. A executiva será sucedida interinamente pelo diretor de operações Ricardo Ramos, funcionário de carreira da instituição. Alegou motivos pessoais para deixar o cargo. Em comunicado, ela diz que deixa o posto "com orgulho de ter feito parte da história da instituição". A executiva assumiu o cargo em junho do ano passado e era alvo de fogo amigo no governo.

LANÇAMENTO– Só reforçando o convite: o lançamento do meu livro Histórias de Repórter, Editora Bagaço, com prefácio do acadêmico José Paulo Cavalcanti, está marcado para a próxima segunda-feira, às 19 horas, no novo Buraco Frio da Assembleia Legislativa. Conto com a presença dos meus leitores e ouvintes do Frente a Frente. A obra traz 103 bastidores que vivi nos últimos 35 anos entre Brasília e Recife.

Perguntar não ofende: Qual ou quais as bombas que as revistas seminais trarão neste fim de semana para complicar a vida de Temer? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Por que será que a Mundiça defende tanto os Corruptos?

marcos

A elite já se prepara para a prisão de Lula e a Mundiça também!

marcos

Será que Moro Vai inocentar Rosimari Noronha a rapariga de Lula assim como fez com Claudia Cruz, mulher de Cunha?

Nehemias

Só lembrando: O capitalismo te dá várias liberdades, afinal dá pra ser pobre de vários jeitos e níveis diferentes, né?

Nehemias

Foi por medo de Avião que o Fachin não mandou Aécio para a prisão.


Versão Sertão do São Francisco

26/05


2017

Coluna da sexta-feira

   A alternativa Armando Monteiro

Na coluna de quarta-feira noticiei que o nome do senador pernambucano Armando Monteiro Neto (PTB) teria entrado nas especulações da mídia nacional como alternativa para presidente da República numa eventual vacância do cargo com a renúncia do presidente Temer. Em sua coluna de ontem, a jornalista Teresa Cruvinel foi mais fundo na questão. Disse que, nas conversas subterrâneas e cada vez mais ostensivas, o nome do senador e ex-ministro Armando Monteiro Neto, que é do PTB, pode fazer diferença.

“Isso porque, diz ela, nestas prospecções, vai ganhando força a ideia de que o nome do “indireto”, a ser chancelado por meio de um grande acordo partidário, não pode ser nem do PMDB, nem do PT e nem do PSDB. Para ser um presidente de transição e união, que conduza o barco até 2018 com uma razoável redução dos conflitos, o candidato não deveria ser parte do contencioso que levou o País à crise atual”.

“O PMDB, prossegue a jornalista, não tem nomes mesmo, mas de todo modo é o partido de Temer, que será afastado, espera-se, pelo TSE. Contra ele volta-se o ressentimento do PT e o repúdio de toda a esquerda. O PT é o partido da presidente deposta pelo golpe, a quem o PSDB, através de Aécio Neves, depois de ter perdido a eleição de 2014, fez cerrada oposição, após jurar que não a deixaria governar. Realmente, entre estes três não há nome que seja de pacificação”.

Por este critério, Tasso Jereissati estaria rifado. Em reunião com a bancada da Câmara, a primeira desde que assumiu a direção do partido, Tasso foi muito enfático ao descartar seu próprio nome. A suposição de que os tucanos estão tramando a eleição de um dos seus tem deixado os peemedebistas irritados e raivosos, ao ponto de lavarem roupa suja com tão pouca cerimônia, como fizeram na tribuna do Senado os senadores Renan Soares e Romero Jucá. Renan praticamente queimou os navios na relação com o Governo e está cada vez mais próximo dos tucanos.

Na busca de um nome que não seja tucano, peemedebista ou petista é que se chegou ao nome de Armando Monteiro Neto, a favor de quem um colega senador enumera as seguintes vantagens: Ele é do PTB, partido neutro na relação com os três grandes contendores. É empresário, ex-presidente da CNI, com largo trânsito e apoio no mundo empresarial.  Foi ministro de Dilma Rousseff, a quem foi fiel no curso do impeachment, e isso lhe rende simpatias do PT. Dialoga com Lula e com FHC.

Contra Armando Monteiro ou contra Tasso Jereissati, entretanto, pesa outra questão.  Ambos são senadores, e na Câmara tem gente dizendo que o “indireto” tem que sair da Casa. São 513 deputados e apenas 81 senadores. O detalhe é que para ser eleito o sujeito terá que ter a maioria absoluta dos votos, metade mais um, em cada casa do Congresso. Assim como ocorre na apreciação de vetos, a vitória em uma Casa nada vale se houver derrota na outra. Então, não adianta a Câmara impor o nome de um deputado. Se ele não passar pelo Senado, nada feito.

O nome da Câmara todo mundo sabe qual. É Rodrigo Maia, que segundo a Constituição, como segundo na linha sucessória atual, assumirá a Presidência quando Temer cair e convocará o pleito indireto para dentro de no máximo 30 dias. Mais tem a seu favor o bom trânsito com as correntes partidárias, inclusive na oposição. Tem contra si a citação em uma lista da Lava Jato. Um de seus aliados destaca outro aspecto: como ele já será presidente interino, se eleito, seu mandato será de continuidade. O País será poupado de uma presidência faz-de-conta por 30 dias, que não se ocupará de nada senão da eleição. Pode ser, mas será preciso saber também isso, se o interino pode concorrer.

OAB PEDE IMPEACHMENT– Ordem dos Advogados do Brasil levou à Câmara, ontem, histórica denúncia contra o presidente e pedido de encaminhamento ao Senado 'para impor a pena de perda do mandato, bem como inabilitação para exercer cargo público'. A OAB quer Michel Temer fora da vida pública por oito anos. A entidade máxima da Advocacia protocolou na Câmara denúncia contra o presidente no episódio JBS com pedido de impeachment do peemedebista. A OAB requer encaminhamento dos autos ao Senado ‘para impor ao denunciado a pena de perda do mandato, bem como inabilitação para exercer cargo público pelo prazo de oito anos’.

A degola de CostaO deputado Silvio Costa (PTdoB) foi destituído  da vice-liderança da oposição na Câmara após discordar da postura adotada pelos parlamentares hostis ao Governo durante a invasão à mesa-diretora da Casa.  O líder da oposição, José Guimarães (PT), que o destituiu, sequer o informou.  “Ele não teve a coragem de informar a atitude pessoalmente”, afirmou.  Costa provocou a ida do líder quando classificou de "infantil e equivocada” a postura de invadir a mesa da Câmara Federal, querendo encerrar a sessão à força. “Uma oposição responsável deveria ter ficado no plenário, obstruindo a sessão e criticando o Governo”, avaliou.

Pedido de anulação– O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou, ontem, que vai receber os representantes do Instituto Brasileiro do Direito de Defesa (Ibradd) na próxima semana e, somente depois, vai analisar o mandado de segurança da entidade que pede a anulação dos termos da delação premiada assinada pelos executivos da JBS. O documento foi assinado por cinco advogados e recomenda ao STF que considere o acordo como inconstitucional. Para o instituto, as condições acordadas entre delatores e a Justiça ferem a Constituição. Na peça, o Ibradd sustenta que "o conteúdo light e excepcionalmente benevolente e generoso do referido acordo de colaboração premiada, em favor dos referidos colaboradores e desfavor da coletividade brasileira, viola os princípios da proporcionalidade, razoabilidade e moralidade".

TSE pode cassar– Ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ouvidos reservadamente, consideram que a governabilidade do presidente Michel Temer, alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF), será levada em conta no julgamento da chapa Dilma Rousseff-Temer, marcado para o dia 6 de junho na corte eleitoral. Para eles, o quadro político e econômico dará, até lá, um cenário sobre o futuro do governo. O julgamento, que pode levar à cassação da chapa e do mandato do presidente da República por abuso de poder econômico e político, é visto por partidos da base como um marco que vai definir a permanência ou não do peemedebista no Planalto. Nos bastidores, os magistrados apontam que na última semana o cenário político viveu uma série de reviravoltas. Até 6 de junho, portanto, apostam que será possível ter um panorama mais claro do que o atual.

Recorrendo contra expulsãoLíder do PSB no Senado, o senador pernambucano Fernando Bezerra Coelho admitiu, ontem, pela primeira vez, que a direção do seu partido já abriu um processo de expulsão do seu filho, o ministro Fernando Filho, de Minas e Energia, por ter contrariado a orientação da executiva nacional pelo rompimento com o Governo, permanecendo no cargo. O pedido de desligamento do partido já está no Conselho de Ética, mas o ministro recorreu à instância superior, que é o diretório, convocado para ser renovado em eleição marcada para outubro. “O recurso foi acatado e ele pode ficar no partido até outubro”, afirmou.

CURTAS

DELAÇÃO– O ex-ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, já discute os anexos da sua delação premiada com seus advogados. Isso significa que as tratativas para seu acordo estão aceleradas. Segundo o blog apurou, um fator que ajudou Palocci nas negociações nos últimos dias foi a delação da JBS. Motivo: investigadores da Lava Jato avaliam que a repercussão sobre os termos do acordo para os donos da JBS geraram desgaste para a imagem da operação.

LANÇAMENTO– Só reforçando o convite: o lançamento do meu livro Histórias de Repórter, Editora Bagaço, com prefácio do acadêmico José Paulo Cavalcanti, está marcado para a próxima segunda-feira, às 19 horas, no novo Buraco Frio da Assembleia Legislativa. Conto com a presença dos meus leitores e ouvintes do Frente a Frente. A obra traz 103 bastidores que vivi nos últimos 35 anos entre Brasília e Recife.

Perguntar não ofende: Diante da sangria que o País vive, seria suportável um processo de impeachment que duraria no mínimo seis meses? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Lula dispara e vai 45%, diz Paraná Pesquisas. Eles morrem de inveja.

Nehemias

Mulher do Cunha foi absolvida pelo Moro por não ter provas. Deixe sua risada irônica lembrando do triplex.

Nehemias

UMA BOMBA DE PAVIO CURTO. Segundo os jornais Folha e O Dia, de barbas por fazer, cabelos desgrenhados e sob forte depressão, Aécio Neves está maniacamente repetindo a expressão “dar um fim nisso”, com amigos próximos e parentes do Senador temendo por um suicídio. Não me regozijo, afinal, mesmo os canalhas são humanos, e em situações assim a piedade fala mais alto, a apreensão pelo destino de um semelhante incomoda, porque humano também.

Ricardo José

Temos a infelicidade de ter mais de 30 siglas partidária no país. Creio que ao ficar protelando para não serem expulsos do PSB, os coelhos estão ficando neutros dentro da sigla. Sinceramente, se fosse comigo já teria solicitado a desfiliação caso do pai, que como Senador não volta o mandato para o partido. Se a sigla continuar com a ditadura implementada, certamente haverá uma redução nos quadros na próxima eleição.


Versão Mata Sul

25/05


2017

Coluna da quinta-feira

     Baderna, vandalismo, crime!

Uma manifestação que estava para ser pacífica, ontem, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, promovida pelas Forças Sindicais e os movimentos sociais, degringolou à violência, vandalismo, desrespeito, na agressão ao patrimônio público, na ameaça às pessoas, muitas delas servidoras que se encontravam trabalhando.  Os manifestantes (ou baderneiros) quebraram vidros e invadiram as portarias dos prédios na Esplanada. Houve registro de incêndio na área interna dos ministérios da Agricultura, do Planejamento e da Cultura, mas, segundo o Corpo de Bombeiros, as chamas não deixaram feridos.

Em meio à bagunça, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, informou que o presidente Michel Temer decretou a "ação de garantia da lei e da ordem" e, com isso, tropas federais passariam a reforçar a segurança na região da Esplanada dos Ministérios. De acordo com estimativa da Central Única dos Trabalhadores (CUT), os atos reuniram 200 mil manifestantes durante todo o dia. Até as 15h30, a Secretaria de Segurança Pública estimava público de 35 mil pessoas no ápice dos protestos.

Manifestantes com rosto coberto foram fotografados no térreo do Ministério da Agricultura ateando fogo no prédio.  As chamas foram extintas cerca de 40 minutos depois. Segundo o Corpo de Bombeiros, o tumulto dificultou o acesso dos carros para combater as chamas. O fogo atingiu o auditório no andar térreo, e fotos de ex-ministros foram quebradas. A Tropa de Choque entrou no prédio para evitar o avanço da depredação.

O térreo do Ministério do Planejamento também foi atingido pelas chamas. Imagens pela TV mostravam que uma sala da Secretaria de Patrimônio da União (SPU), que fica no edifício, também foi destruída. Segundo os bombeiros que atuaram no local, havia risco de desabamento do forro do teto. No Ministério da Cultura, manifestantes também atearam fogo em estruturas da área interna. O prédio também é sede do Ministério do Meio Ambiente.

Com roupas vermelhas, brancas e amarelas, manifestantes estiraram uma bandeira com as cores do Brasil na pista ao lado do Congresso. Eles também tacaram fogo em alguns objetos criando mini fogueiras. A fumaça subiu a uma altura maior que a dos ministérios, mas o Corpo de Bombeiros rapidamente chegou ao local para controlar o fogo. Os manifestantes também derrubaram banheiros químicos no meio da pista.

A intervenção do Exército provocou uma grande reação, porque o decreto tem validade por oito dias. O clima esquentou entre o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (PMDB-RJ), e o ministro da Defesa, Raul Jungmann. Mais cedo, Jungmann disse que Maia havia pedido a intervenção das Forças Armadas diante da violência dos manifestantes na Esplanada dos Ministérios.

A informação chegou aos deputados da oposição, que rapidamente começaram a cobrar explicações, o que culminou em uma briga generalizada entre oposicionistas e integrantes da base no plenário. Maia disse que o pedido se referia apenas ao prédio do Legislativo. “O pedido de apoio da Força Nacional foi para o prédio da Câmara e no seu entorno. Se o Governo decidiu adotar outra medida, essa outra medida é uma responsabilidade do governo”, reagiu Maia.

EXPLICAÇÃO DE JUNGMANN– Do ministro Raul Jungmann sobre o decreto colocando as tropas federais nas ruas de Brasília: “O decreto é baseado no artigo 142 da Constituição. Nós fizemos isso nas Olimpíadas, duas vezes no Espírito Santo, no Rio de Janeiro, em Pernambuco e no Maranhão. É a mesma operação de agora. As Forças Armadas são acionadas quando as forças locais não têm mais condições de cumprir a ordem. E é o que está acontecendo. Os prédios públicos estão sendo depredadas, as pessoas estão desesperadas. Isso é inadmissível. O Exército não está envolvido em repressão. Foi para as ruas para liberar as forças locais de segurança possam cuidar das manifestações. O pedido partiu do Rodrigo Maia e o presidente Temer atendeu”.

Sem convocação– O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), rejeitou  pedido do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) para convocar o Congresso Nacional. Randolfe solicitou a reunião conjunta para que os parlamentares discutissem e sustassem o decreto do presidente Michel Temer que mandou tropas federais para conter manifestações em Brasília. “O decreto não se baseia no estado de defesa. A lei complementar 97 permite que ele [Temer] possa fazer [o que fez]. Nesse caso colocado pelo presidente da República não cabe à manifestação expressa do Congresso Nacional. Não está previsto na Constituição. Portanto, tenho que indeferir a questão de ordem de vossa excelência”, explicou Eunício.

Apuração de gravação– jornalista Reinaldo Azevedo pediu, ontem, ao Supremo Tribunal Federal, a apuração da divulgação de uma conversa dele com Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG). Ele afirmou que teve conversas "interceptadas e divulgadas indevidamente, em franca violação à Constituição Federal". Segundo o texto do pedido, "devem-se tomar as providências necessárias para se apurar os fatos". A conversa, sem nenhuma ilegalidade, continha críticas do jornalista à revista "Veja", onde Azevedo trabalhava, o que levou ao pedido de demissão do jornalista. A publicação da conversa provocou protestos de jornalistas e da Associação Brasileira de Imprensa (ABI).

A espera da perícia– A Polícia Federal procurou a defesa do presidente Michel Temer para saber quando o peemedebista deve dar depoimento. Imediatamente, os advogados do presidente encaminharam ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), o pedido para que suspenda a realização de qualquer depoimento antes da conclusão da perícia dos áudios gravados pelo empresário Joesley Batista, delator da JBS. Os advogados Antônio Claudio Mariz de Oliveira e Gustavo Guedes pedem, também, que “se o Presidente da República for ouvido deverá sê-lo em ato presidido por Vossa Excelência (Fachin) ou responder por escrito quesitos adredemente elaborados”.

Temer não renunciaO presidente Michel Temer repetiu a senadores do PMDB, durante reunião, ontem, que só deixará a Presidência quando seu mandato terminar. Ele disse aos senadores que vai ficar até dia 31 de dezembro de 2018. Na reunião, o líder do Governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), aproveitou para criticar o senador Renan Calheiros, que é líder do PMDB no Senado. Jucá disse que Renan não o representa nem representa a maioria da bancada. E pediu uma nova reunião para discutir a situação da bancada. O senador Jader Barbalho (PMDB-PA), por sua vez, fez críticas ao Ministério Público e à delação da JBS, defendendo a criação de uma CPI.

CURTAS

REAÇÃO– Do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, sobre a decisão do Governo de recorrer às tropas federais: "Voto um pouco preocupado com o contexto, e espero que a notícia não seja verdadeira. O chefe do Poder Executivo teria editado decreto autorizando uso das Forças Armadas no Distrito Federal no período de 24 a 31 de maio”.

TASSO– Em entrevista ao Frente a Frente de ontem, o deputado Jarbas Vasconcelos (PMDB) disse que apoia o nome do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) para ser colocado em uma mesa de negociação na base do Governo para uma eventual renúncia do presidente Temer. “Tasso tem respeitabilidade, experiência de gestor e é um nome talhado para este momento”, afirmou.

Perguntar não ofende: Se Temer for cassado pelo TSE no dia 6 pode ser uma saída honrosa? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Lula dispara e vai 45%, diz Paraná Pesquisas. Eles morrem de inveja. hahahahahahahahahahahahahahahahaha

marcos

Lula o Presidente mais corrupto da história mundial!

marcos

Quem foi que recebeu U$D 70.000.000,00 Setenta Milhões de dólares de toco da JBS? Lula, Acertou Mizeravi kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Nehemias

Lula dispara e vai 45%, diz Paraná Pesquisas. De acordo com a Paraná Pesquisas, o petista tem 45% e o segundo lugar é ocupado por NENHUM candidato com 12,5%. Foram entrevistados 1.502 eleitores em 32 municípios durante os dias 18 a 22 de maio de 2017. A margem de erro é de 2,5% para mais ou para menos. Chupa essa besteirinha coxinhas.

Nehemias

Se o prefeito de São Paulo Dorica quer tanto internar os drogados porque não começa por seu amigo Aécio!



24/05


2017

Coluna da quarta-feira

     Nome de Tasso é costurado

Aliados que estiveram, ontem, com o presidente Michel Temer, tanto no Palácio Jaburu, a residência oficial, quanto no Planalto, local de despacho, revelaram que ele está com uma baita disposição de resistir até o fim, mesmo sabendo das imensas dificuldades e barreiras a enfrentar. “Encontrei um presidente com fome de briga, um leão”, relatou um parlamentar.

O que motivou a mudança de postura, na verdade, foi a colaboração da base no Congresso. Temer pediu e os senadores trabalharam quase o dia inteiro de ontem na Comissão Especial da Casa, onde, em meio a agressões morais e até no campo físico, deram como lido o relatório da reforma trabalhista já aprovada na Câmara. Presidente da Comissão, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) se preparava para passar a palavra para o relator Ricardo Ferraço fazer a leitura, quando Lindbergh Farias (PT-RJ) foi em direção ao relator dizendo que a oposição não ia permitir a leitura.

Houve, então, gritaria, empurrões e os senadores ficaram exaltados. Lindbergh Farias e Ataídes Oliveira (PSDB-TO), mais exaltados, precisaram ser contidos por colegas e até seguranças. Parlamentares contrários à reforma se dirigiram à mesa e fizeram um cordão de isolamento para impedir a leitura do relatório.

Nesse momento, Ataídes e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) trocaram acusações. O senador tucano, gritando, precisou ser contido por Otto Alencar (PSD-BA). A sessão foi suspensa pelo presidente da comissão. Algumas pessoas que estavam na plateia acompanhando a reunião da comissão gritavam palavras de ordem contra o presidente Michel Temer. A confusão continuou mesmo após a suspensão da sessão. Senadores tentam acalmar a plateia da comissão.

Enquanto senadores se agrediam, fora do Congresso lideranças da base se reuniam para discutir uma saída para a crise. Numa eventual renúncia do presidente Temer, o nome mais cogitado no dia de ontem, na bolsa de apostas, era o do próprio Tasso, que, na Comissão, tentava acalmar as feras e acabou dando o relatório como lido, sob os protestos furiosos da oposição, que obstruía.

O nome de Nelson Jobim, ex-ministro do Supremo, estaria descartado por uma razão simples: seu escritório de advocacia atende, hoje, a um grande número de políticos e empresários envolvidos na operação Lava Jato. Quanto a um nome do Supremo, tanto a presidente Carmem Lúcia quanto o ministro Ayres Brito, opções levantadas por segmentos da mídia, seriam cartas fora do baralho, porque eleger um membro do Judiciário seria atestar a intervenção de um poder em outro.

Tasso já teria sinalizado que toparia o desafio desde que viesse a ser objeto de um processo não traumático, sem disputa, de forma consensual. Ex-governador do Ceará, Tasso é um empresário bem-sucedido, reformou seu Estado e acabou com a política dos coronéis. Foi também presidente nacional do PSDB e agora assumiu, novamente, o comando do partido com o afastamento de Aécio. É um nome com trânsito fácil no Congresso e respeitado.

AÉCIO QUER VOLTAR– A defesa do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) apresentou, ontem, recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) contra decisão que o afastou do mandato após abertura de inquérito para investigá-lo por corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa. A investigação foi autorizada pelo ministro relator da Lava Jato, Luiz Edson Fachin, após delação dos donos do frigorífico JBS, Joesley e Wesley Batista na operação. O ministro determinou ainda o afastamento de Aécio do mandato de senador. Fachin também apreendeu o passaporte de Aécio e o proibiu de ter contato com outros investigados. O ministro negou o pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para prender Aécio. A PGR recorreu da decisão.

Armando também lembrado– O senador pernambucano Armando Monteiro Neto (PTB) teve seu nome também especulado, ontem, pela mídia nacional, como uma alternativa numa eleição indireta para presidente da República, caso ocorra a vacância no cargo numa eventual renúncia do presidente Temer. Ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) por oito anos, ministro da Indústria Comércio (MDIC) no Governo Dilma Rousseff e hoje líder do PTB no Senado, Armando é um nome com ampla interlocução com o setor industrial e goza de respeitabilidade no Congresso, além de trânsito político no Congresso. Segundo avaliação de colunistas nacionais, o maior impedimento de Armando seria o fato de ter sido ministro de Dilma.

Foto como prova – O ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque, protocolou, ontem, por meio de seus advogados, petição na qual cita provas de três encontros com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele já havia mencionado esses encontros em depoimento ao juiz Sérgio Moro em 5 de maio. No documento de Duque, há também uma foto em que os dois aparecem lado a lado, registrada, segundo a defesa do ex-diretor da Petrobras, em 2012, no Instituto Lula, em São Paulo. Esse encontro não foi mencionado por Lula no depoimento que deu ao juiz federal Sérgio Moro.

Fim do sigilo – A Ordem dos Advogados do Brasil pediu, ontem, ao Tribunal Superior Eleitoral, o fim total do sigilo da Ação Judicial de Investigação Eleitoral que pede a cassação da chapa Dilma/Temer, eleita em 2014. Em petição ao ministro relator da ação, Herman Benjamin, o presidente da Ordem, Claudio Lamachia, alega ‘interesse público e a preservação da Carta da República’ para solicitar o levantamento do sigilo e que seja disponibilizada a íntegra do processo. A OAB vai protocolar, amanhã, na Câmara dos Deputados, pedido de impeachment do presidente Michel Temer, a quem a entidade máxima da Advocacia atribui crime de responsabilidade, em violação ao artigo 85 da Constituição.

Estrelas no São João de LimoeiroO prefeito de Limoeiro, João Luis Ferreira, o Joãozinho (PSB), divulgou, ontem, a grade do São João com atrações que devem atrair muita gente para os festejos juninos naquele município. Entre tantos artistas consagrados, Geraldinho Lins, Cristina Amaral, Josildo Sá, Ribeiro Filho, Almir Rouche, Spock e Orquestra Forrobodó, Brucelose, Paulinho do Acordeon e Pegada do GB. O lançamento oficial do São João de Limoeiro está marcado para a próxima sexta-feira, às 19 horas, num palhoção montado na Rua da Alegria.

 

 

 

CURTAS

O PIOR– Do vereador Professor Marcelo, da bancada do PTB de Olinda, em resposta ao ex-vereador de Casinhas, Walter Borges, que afirmou,  em nota neste blog, na defesa do governador, que o senador Armando Monteiro teria sido o ministro do desemprego: “Não adianta ir contra os fatos: Paulo Câmara é o pior governador de nossa história”.

ENCONTRO– Em meio à crise política que atinge o Governo Michel Temer após a delação da JBS, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se reuniu na manhã de ontem com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia. O encontro ocorreu na Corte e não constava na agenda oficial dos dois.

Perguntar não ofende: Ao botar o Congresso para funcionar, ontem, Temer deu uma demonstração de que está vivinho da silva? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Coxinhas são extremamente patéticos: sempre me surpreendem com o ódio doentio do PT. Devem ser todos milionários.

Nehemias

São os comunistas os que pensam como cristão.

marcos

Lula o Ateu Alcoólatra que faz piadas com o nome de Deus.

Nehemias

Lula é, hoje, o símbolo da repulsa à destruição dos direitos trabalhistas e previdenciários da população é que a pesquisa Datafolha que o aponta na liderança – e sem competidor visível – constitui sinal de seu favoritismo nas eleições presidenciais do ano que vem. o favoritismo de Lula fará com que se inicie o processo de aglutinação em torno dele.

Nehemias

Lula significa o resgate da política.


Versão Sertão de Itaparica

23/05


2017

Coluna da terça-feira

      OAB vai arrastar Temer

A pior da notícia para o presidente Temer, que tenta resistir sem aparentar forças suficientes, veio com a conformação do pedido de impeachment pela Ordem dos Advogados do Brasil, a OAB, a mesma que puxou o tapete de Collor e de Dilma. Ontem, o presidente da instituição, Claudio Lamachia, informou que apresentará, ainda nesta semana, à Câmara dos Deputados, um pedido de impeachment do presidente Michel Temer.

No último fim de semana, a OAB aprovou, por 25 votos a 1, entrar com o pedido de impeachment após se tornar público o conteúdo das delações dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, no âmbito da Operação Lava Jato. Segundo Lamachia, mesmo que a gravação de uma conversa entre Joesley e Temer (em 7 de março deste ano), entregue ao Ministério Público, tenha passado por algum tipo de edição, como argumenta a defesa do presidente, as declarações públicas de Temer sobre o episódio confirmam o teor do diálogo e "isso que é indiscutível".

"Não há definição sobre a data. Estamos elaborando a peça, com responsabilidade, isso tem que ser feito com calma. Asseguro a vocês que ainda no curso dessa semana estaremos protocolando", disse Lamachia, em entrevista à imprensa. Ao falar sobre o pedido de impeachment, Lamachia explicou que a peça em elaboração não leva em conta eventuais edições ou montagens na gravação da conversa entre Joesley Batista e Michel Temer, mas, sim, a atitude do presidente após o encontro, ocorrido no dia 7 de março.

"Mesmo que o áudio tivesse alguma edição, as duas declarações públicas de Temer confirmam o teor do diálogo. E isso que é indiscutível. A decisão da OAB levou mais em consideração o fato de o presidente ter escutado tudo que escutou e não ter feito nada em relação a isso, do que propriamente o conteúdo integral", afirmou o presidente da OAB.

MAIA RESISTE– O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), evitou responder, ontem, sobre se dará andamento a pedidos de impeachment do presidente Michel Temer. Ao ser questionado sobre o assunto, respondeu que a Casa "não será instrumento para desestabilização do Governo". Até à tarde de ontem, a Câmara já havia recebido 14 pedidos de impeachment de Temer. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) deve entrar com mais um pedido ainda nesta semana. Do total de pedidos, nove foram protocolados desde a divulgação de informações da delação premiada dos donos da JBS, Joesley e Wesley Batista. Outros cinco já tramitavam na Casa anteriormente.

Firme com o chefe– Tão logo tomou conhecimento, ontem, de uma notícia infundada, segundo ele, dada pelo Estadão, dando conta de que teria entregado o cargo, o ministro da Educação, Mendonça Filho, que tem tido uma postura de lealdade ao presidente Temer, informou que permanece firme no Governo. “Qualquer posicionamento meu será precedido de conversa com o meu partido e com o próprio presidente Temer, com quem tenho e sempre tive respeito mútuo”, afirmou. O DEM, partido do ministro, tem reunião convocada para amanhã, em Brasília, na qual avaliará o cenário e a decisão de permanecer ou não no Governo.

Meirelles foge de especulações – O ministro Henrique Meirelles passou a manhã e o início da tarde de ontem em "conference call" (conferência por telefone) com investidores nacionais e estrangeiros. A principal dessas conferências foi organizada pelo banco J.P. Morgan, de Nova York. Cerca de 900 investidores acessaram a conferência.  No decorrer da conversa, a pergunta inevitável foi feita por um dos participantes: o presidente Michel Temer fica no cargo? Meirelles disse aos investidores que trabalha com a hipótese de permanência do presidente. Mas e se ele deixar o cargo, aceitaria substitui-lo?, quis saber outro investidor. Meirelles disse ser “um homem prático”, que trabalha com a realidade e que, na sua avaliação, o presidente segue no cargo.

Tucano fala em gravidade – O presidente do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), disse, ontem, que as delações da JBS contêm “denúncias gravíssimas”, com desdobramentos imprevisíveis. Tasso evitou ser taxativo quanto à permanência do PSDB na base aliada do presidente Michel Temer, mas afirmou ser preciso afastar uma “aventura” no País. “Num momento como este, não podemos jogar o País numa aventura”, insistiu o tucano. Antes de ser informado de que Temer havia mudado sua estratégia jurídica, desistindo do pedido de suspensão do inquérito contra ele no Supremo Tribunal Federal (STF), Tasso mostrou desapontamento ao saber que a Corte não iria mais julgar o caso amanhã.

O calvário de LulaA força-tarefa da Operação Lava Jato denunciou, ontem, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do Sítio de Atibaia, interior de São Paulo. Além do ex-presidente, também foram denunciados outros 12 investigados. A denúncia refere-se à propina de pelo menos R$ 128.146.515,33 pagas pela Odebrecht, em quatro contratos firmados com a Petrobrás, bem como a vantagens indevidas de R$ 27.081.186,71, pagas pela OAS, em três contratos firmados com a estatal.

CURTAS

CANDIDATO– Em Belo Jardim, cujas eleições suplementares foram marcadas para o dia 2 de julho, o prefeito afastado João Mendonça (PSB) já escolheu seu candidato: o vice-prefeito Luiz Carlos. Já o grupo do ministro da Educação, Mendonça Filho, que faz oposição ao ex-prefeito, trabalha para unir a oposição em torno de um nome, que será posto em discussão com o grupo do ex-deputado Cintra Galvão.

CRISE DO LEITE– A Comissão de Desenvolvimento Econômico da Assembleia Legislativa de Pernambuco, presidida pelo deputado Aluísio Lessa (PSB), realiza audiência pública na próxima sexta-feira, em Garanhuns, na Codeam, para discutir a crise do leite. A produção de leite está em queda de quase 50% desde 2011, quando eram mais de 900 milhões de litros produzidos no Agreste (responsável por 75% de toda a produção do Estado). Hoje, não passa de 480 milhões de litros.

Perguntar não ofende: Temer já está sendo embalsamado para o seu funeral? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

PT13 Vermelho é a cor dos bons, dos Petistas, dos apaixonados pelas causas Sociais.

Nehemias

Lula significa o resgate da política

Nehemias

Amigos de Aécio temem que ele cometa suicídio. Finalmente! Vai cumprir a promessa de matar antes da delação !

marcos

Lula fala em seu depoimento a Moro que conheceu Renato Duque em 2014. Hoje a defesa de Duque entrega foto dos dois no Instituto Lula em 2012! Chamem os Paneleiros Mentirosos!!!

marcos

O garotinho pergunta: Pai quando a gente Mente o nariz cresce? O pai responde; isso era antigamente, hoje em dia cai o dedo mindinho. kkkkkkkkkkkkkkkkkk


Flamac - 2

22/05


2017

Coluna da segunda-feira

    Bruno, o mais vacilante

O Governo Temer entra para a história como o que mais abriu espaços para Pernambuco. O Estado tem quatro ocupantes de cadeiras na Esplanada dos Ministérios: Educação, com Mendonça Filho; Defesa, entregue a Raul Jungmann; Minas e Energia, ao deputado Fernando Bezerra Coelho Filho; e, por fim, Cidades, comandado pelo tucano Bruno Araújo. Atuando hoje na política de São Paulo, Roberto Freire, que abandonou a Cultura na explosão da crise, poderia ser o quinto.

Como se comportam diante da maior crise da República dos últimos 30 anos? Embora já com sotaque e DNA paulista, Roberto Freire teve uma recaída de esquerdista e foi o primeiro a cair fora. Entregou o Ministério da Cultura antes mesmo de saber que diabos havia nos áudios gravados pelo moleque e pilantra do frigorífico JBS. O PPS de Roberto Freire sofre dificuldades de crescer porque não é imune a chiliques moralistas.

Antes de Roberto Freire jogar a toalha, o tucano Bruno Araújo se precipitou, não ouviu o PSDB e revelou que estava saindo no dia seguinte ao estouro da boiada. Voltou atrás, diferentemente de Freire. O que se diz em Brasília, entretanto, é que Araújo resolveu abandonar Temer, a quem vivia elogiando e servindo como ministro, porque é acusado pelo Ministério Público Federal. Seu inquérito, dentro da operação Lava-Jato, de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro, já foi aceito.

Dois delatores da Odebrecht deixaram claro que lhe repassaram dinheiro de caixa dois, mas que não houve contrapartida. “Bruno deveria ser mais cuidadoso e menos ligeiro nessas matérias. Se pensa em abandonar o Governo contribui para a sua reputação, está cometendo um erro adicional. Isso vale, aliás, para o conjunto dos tucanos”, escreveu em seu blog o jornalista Reinaldo Azevedo.

Fernando Filho não se manifestou até o momento. Como está em Minas e Energia por indicação da corrente minoritária do PSB, liderada pelo seu pai, o senador Fernando Bezerra Coelho, não depende da manifestação da executiva do seu partido, que em reunião, sábado passado, em Brasília, rompeu com o Governo. Na verdade, isso nem pode ser considerado um rompimento, porque 16 dos 30 deputados socialistas já vinham votando contra as reformas de Temer. 

Por fim, restam Raul Jungmann e Mendonça Filho, que ocupam áreas poderosas e estratégicas do Governo. O primeiro, numa decisão corajosa e louvável, enfrentou o próprio partido, o PPS, mantendo-se no Governo. Deixar à deriva os comandos do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, num momento em que se especula até a possibilidade de um golpe militar, seria uma tremenda covardia.

Mendonça Filho, por sua vez, se manteve no Governo, mas calado. Até que saia a manifestação pública do seu partido, o DEM, que estava com encontro agendado ontem em Brasília, não abriu o bico. Foi visto despachando normalmente no seu gabinete e há noticias de que agiu com absoluta firmeza e lealdade a Temer, diferentemente de Freire e Bruno Araújo.

ORDEM É VOTAR – Em reunião, ontem, no Palácio da Alvorada com os principais aliados, presidentes de partidos e líderes, o presidente Temer pediu que o Congresso retome, amanhã, a votação das medidas econômicas que estão pendentes, antes do julgamento de quarta-feira no Supremo Tribunal Federal que vai analisar a perícia nos áudios da JBS. A ideia de Temer é dar uma resposta nas votações para mostrar que seu trunfo ainda existe em meio à crise política: fazer o Congresso andar. Temer pediu a Maia que vote o PLC da convalidação dos incentivos fiscais e as MPs do Refis e do INSS. Em outra ponta, Temer avalia como retaliar a JBS economicamente. O presidente discutiu o assunto com auxiliares.

Temer continuaDo marqueteiro Marcelo Teixeira, da Makplan, ontem, em artigo neste blog: “A saída de Collor tinha uma grande articulação para Itamar. A de Dilma também para Temer. E, agora, para quem ser Presidente? Falar em Carmem Lúcia ou Gilmar é a prova da ausência de quadros políticos para a sucessão e ainda assim, um grande desconhecimento da Constituição. Eles não podem ser candidatos. Falar em diretas remete a mesma questão: e a Constituição? Trabalhei na campanha das "Diretas Já", num palanque cheio de lideranças, artistas e a imprensa presente contra a ditadura, as ruas cheias de entusiasmo. Diversos nomes de peso para a disputa da Presidência: Ulisses, Brizola, Covas e não passou no Congresso. Imagine agora, com que liderança? Temer continuará na Presidência da República, aprovará as reformas. Os Tribunais tanto o eleitoral como o da justiça preservarão o Brasil”.

TSE seria a saída – Aliados já avaliam que a solução de julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral pode ser a mais rápida para a crise política instalada no País diante dos sinais de resistência do presidente Michel Temer em renunciar, depois da divulgação do conteúdo da delação premiada dos donos da JBS. A percepção entre lideranças de partidos que dão sustentação ao governo é que, depois do pronunciamento de sábado, Temer transmitiu todos os sinais de que pretende resistir no cargo. Mas há o reconhecimento de que a fala do presidente não estancou a sangria.

OAB surpreende – O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse, ontem, que a decisão da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de protocolar na Câmara pedido de impeachment do presidente Michel Temer, diante da gravidade das delações da JBS, surpreendeu o Governo. “É algo que surpreende porque a OAB, tradicionalmente, é uma entidade que tem sido sustentáculo da institucionalidade e da legalidade no exercício do poder no Brasil”, afirmou. Na busca de um contraponto, o Palácio do Planalto também tenta arregimentar a adesão de outras entidades favoráveis à permanência do presidente. “Temos recebido muitos telefonemas de apoio de várias organizações da sociedade civil, especialmente empresariais”, acrescentou.

Em ação no AgresteO mundo não acabou e a vida continua. Pensando assim, o deputado federal Zeca Cavalcanti (PTB) passou o fim de semana em articulações em suas bases políticas. Em Arcoverde, teve uma reunião com vereadores e agricultores sobre o perímetro irrigado de Itaparica, contando também com a participação da presidente da Codevasf, Kênia Marcelino, e o superintendente da 3ª Regional, Aurivalter Cordeiro. Em Garanhuns, esteve com a ex-candidata a prefeita de Terezinha, Nadir Ferro, e seu grupo político, quando acertou uma visita em breve ao município para uma reunião sobre as demandas mais urgentes do município.

CURTAS

EM PAULISTA– Enquanto o País atravessa uma profunda crise política, ética e financeira, em Paulista o prefeito Júnior Matuto (PSB) segue trabalhando normalmente e até entregando obras. Sábado passado, entregou as chaves de 196 apartamentos no Conjunto Habitacional Nossa Prata, em Maranguape II. “O País está parado, mas Paulista anda”, disse, em discurso para os familiares contemplados pelas habitações.

BRAGA SÁ– O procurador Braga Sá, embaixador de Caruaru no Recife, recebe mais uma justa homenagem: a medalha Eduardo Campos, em reconhecimento ao elevado espírito público prestado, através de apoios às causas da Defensoria Pública de Pernambuco. A solenidade está marcada para a próxima quinta-feira, às 19h30m, no Teatro Santa Isabel.

Perguntar não ofende: Teremos a semana mais quente de Brasília dos últimos anos? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Quem votou em Dilma votou no Temer. Oh, mentecapto, quem seguiu Jesus apoiou Judas também? Quem casa com a moça, não casou com a sogra, ou tranqueira. Não se vota na chapa, infelizmente a lei eleitoral é assim.

N. Power

Marginal usa um codinome ,uma alcunha para agredir as pessoas. \"os cães ladram e a carava passa\" provérbio milenar árabe

N. Power

Muita cara de pau botox (pra não dizer outra coisa) desse \"senhor\" batendo panelas. Agora o que ele deve fazer com essas panelas? o povo deve saber.Ta agora numa sinuca de bico: ou trai o \"chefe\" ou não vai ter como se justificar com a turma que votava (votava passado ) . Além de se defender das acusações que pairam no ar. qua qua qua

José Pereira da Silva

Não quero defendo Temer, mas não consigo entender toda essa revolta contra Temer por esses petralhas vagabundos e corruptos,afinal foram vocês seus fdp que votaram e elegeram o mesmo, essa conversa merda de que votou na Jumenta e luladrão, e coisa de petista safado que não assume a cagada que fez.

Nehemias

O capitalismo te dá várias liberdades, afinal dá pra ser pobre de vários jeitos e níveis diferentes, né?


Mobi Brasil 3

20/05


2017

Coluna do sabadão

    Quem vai escapar?

As delações dos tubarões do Frigorífico JBS são avassaladoras para a classe política brasileira. Atingem tanta gente que a impressão que dá é que não escapa ninguém. Mas deixam também a constatação de que PSDB, PT, PMDB e PSB, além de outros partidos, recorreram aos mesmos canais de obtenção de dinheiro sujo para financiar suas campanhas.

Se um dia antes, o PT comemorou a derrocada de Temer, que virou um zumbi no Palácio do Planalto com o vazamento da gravação do empresário Joesley Batista, a liberação dos novos áudios do mesmo delator, ontem, deixou os petistas em polvorosa. O dono da JBS disse que transferiu para contas no exterior US$ 70 milhões destinados ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e mais US$ 80 milhões em conta, também no exterior, em benefício da ex-presidente Dilma Rousseff.

Joesley Batista afirmou ter sido procurado por João Bacelar (PR) para comprar votos contra o impeachment de Dilma. Segundo o empresário, o deputado apresentou uma lista com 30 deputados que poderiam ser "comprados" por R$ 5 milhões cada um. O empresário diz ter "comprado" cinco deputados por R$ 3 milhões cada. Perguntado pelos investigadores, ele diz que não se lembrava dos nomes dos que foram comprados e não tinha a lista.

Na delação, Joesley contou que pagou R$ 30 milhões em propina para eleger Eduardo Cunha (PMDB) na Câmara. Segundo empresário, peemedebista “saiu comprando deputados Brasil a fora”. Na mesma delação, Joesley Batista relata pagamento de R$ 6 milhões em notas frias a José Serra. Em um dos vídeos que integram a delação, Joesley Batista detalha como funcionava a corrupção e como se aproximou de Temer. Ele conta que muitas vezes, a propina era disfarçada de doação política.

Segundo Joesley, a empresa pagou, nos últimos anos, cerca de R$ 400 milhões em propina a políticos. O diretor do frigorífico JBS, Ricardo Saud, afirmou à Procuradoria-Geral da República que pagou R$ 35 milhões em propina a cinco atuais e ex-senadores do PMDB para garantir o apoio de todo o partido à reeleição de Dilma Rousseff nas eleições de 2014.

Joesley Batista também entregou ao Ministério Público Federal gravação na qual Aécio Neves (PSDB-MG) pede a ele R$ 2 milhões para pagar as despesas com advogados que o defendem em processos na Lava Jato. Com base no que os delatores informaram, o ministro Luiz Edson Fachin determinou o afastamento de Aécio do mandato de senador.

No caso específico de Pernambuco, Ricardo Saud, diretor de Relações Institucionais da JBS, revela, em sua delação, que a empresa negociou propina de R$ 15 milhões com Eduardo Campos, Paulo Câmara e Geraldo Julio. “Ficamos muito empolgados com a candidatura do Eduardo Campos. E tivemos com ele em alguns jantares, em conversas, com ele o Paulo Câmara e o Geraldo Júlio. A gente resolveu investir nele”. “Nós pusemos um limite pra ele, pra iniciar, pra ter as coisas e tal. Vamos deixar aqui pra você uns R$ 15 milhões de propina. Se você continuar a crescer, nós vamos te alimentando. Depois a gente acerta quando você ganhar. E isso foi feito” explicou Saud.

ARTICULAÇÃO CONJUNTA– O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirma que o presidente Michel Temer e o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) agiram "em articulação" para impedir o avanço da Lava Jato. A afirmação consta da decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin, que determinou a abertura de inquérito para investigar Temer, Aécio e o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) por corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa. O inquérito está relacionado ao acordo de delação de executivos do frigorífico JBS. A decisão foi divulgada ontem.

Tucanada não debandaO PSDB não deixará o Governo “a não ser que surjam fatos novos que justifiquem esta atitude”, disse, ontem, o novo presidente do partido, Tasso Jereissati. “Conversamos muito, ontem, com o governo Temer e o que queremos é ouvir os áudios da delação premiada de Joesley Batista, que estão sendo divulgados pelo STF. Nosso papel é de grande responsabilidade e temos que lembrar que o programa econômico do governo é nosso”, lembra o senador cearense, que assumiu o comando tucano com a saída de Aécio Neves. Os tucanos, disse ele, devem discutir esta posição “somente à luz de fatos novos”.

Legalidade – O ministro Luiz Edson Fachin, relator da operação Lava Jato no STF, apontou no despacho de abertura do inquérito que tem entre os investigados o presidente Michel Temer que não existe ilegalidade nos áudios gravados pelo empresário Joesley Batista, do Grupo JBS. O ministro aponta ainda que as conversas gravadas foram “ratificadas e elucidadas” por Joesley em depoimento ao Ministério Público. “Convém registrar, ainda e por pertinência, que a Corte Suprema, no âmbito de Repercussão Geral, deliberou que ‘é lícita a prova consistente em gravação ambiental realizada por um dos interlocutores sem conhecimento do outro”, disse.

NO BOLSO – O presidente Michel Temer teria recebido R$ 15 milhões do Partido dos Trabalhadores para financiar sua campanha à Vice-Presidência, em 2014, mas decidiu "guardar" R$ 1 milhão, segundo afirmou Roberto Saud, diretor da JBS, em depoimento ao Ministério Público Federal. Os detalhes estão em um vídeo de 23 minutos, que faz parte do material divulgado à imprensa, ontem, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), e baseia um dos inquéritos que apuram atos ilícitos de políticos.

A negativa de CâmaraEm nota, ontem, à Imprensa, o governador Paulo Câmara (PSB) afirma que não recebeu um tostão da JBS para a sua campanha em 2014. “Nunca solicitei e nem recebi recursos de qualquer empresa em troca de favores. Tenho uma vida dedicada ao serviço público. Sou um homem de classe média, que vivo do meu salário”, disse. O governador fez referência ao documento que sintetiza a delação, na qual o delator Ricardo Saud, da JBS, afirma que não houve negociação nem promessa de ato de ofício, “o que significa que jamais houve qualquer compromisso de troca de favores ou benefícios”. A nota conclui com a ressalva de ser descabido o uso de expressões como “propina” ou “pagamento”.

CURTAS

BOLSA DE APOSTAS– No caso de uma renúncia do presidente Temer ou seu afastamento por um processo de impeachment quem o Congresso poderia eleger por via indireta, como determina a Constituição? Três nomes começaram a ser especulados no Salão Verde da Câmara dos Deputados: o ministro Nelson Jobim, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o ex-senador Pedro Simon.

HOMENAGEM– Na próxima segunda-feira, o município de Serra Talhada será homenageado durante a celebração do Jubileu de Ouro de reinstalação da Justiça Federal em Pernambuco, em ato, às 16h30, no auditório da sede da Seção Judiciária. O prefeito Luciano Duque (PT) diz que o reconhecimento é fruto da parceria estabelecida ao longo dos anos entre o município e a Justiça Federal de Pernambuco. Em Serra, funcionam duas subseções - a 18ª e a 38ª Vara Federal.

Perguntar não ofende: A resistência de Temer dura uma semana? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Quem votou em Dilma votou no Temer. Oh, mentecapto, quem seguiu Jesus apoiou Judas também? Quem casa com a moça, não casou com a sogra, ou tranqueira. Não se vota na chapa, infelizmente a lei eleitoral é assim.

marcos

Basta seguir a Constituição...///... Para tentar segurar o impeachment de Dilma Jumenta, petistas e simpatizantes diziam que o país mergulharia no caos e o Estado de Direito estaria ameaçado. Dilma caiu e o contrário foi demonstrado, porque a Constituição foi seguida. Para tentar segurar Michel Temer, peemedebistas e simpatizantes dizem que o país mergulhará no caos e o Estado de Direito está ameaçado. Se Temer cair, o contrário poderá ser demonstrado, se a Constituição for seguida. Se a Constituição for seguida, a eleição do novo presidente será indireta e Lula ( o encantador de Burros) dará adeus ao seu plano de fugir imediatamente para o Palácio do Planalto.

marcos

Imaginem vocês com a quantia de U$D 150.000. 000,00 ( Cento e cinquenta milhões de Dólares) o toco (propina) que Lula e Dilma Jumenta receberam da JBS, Quantos Hospitais e Escolas dariam para serem construídos?

marcos

Quem votou em Aécio, Marina, Eduardo Campos e no Pastor Everaldo , com certeza elegeu Temer. Certo é a frase: Lula o Encantador de Burros!

Nehemias

Já pensou se surgisse uma gravação em que Lula pede propina e ameaça matar um possível delator?


Banner - Hapvida

19/05


2017

Coluna da sexta-feira

    Temer ganha tempo e agrava crise

O presidente Temer não jogou a toalha, ontem, no pronunciamento à Nação, porque, como jurista e conhecedor da lei e do tempo político, sabe que esta decisão terá que ser amadurecida para ser tomada em outro tempo, que não deve demorar. Os áudios liberados, ontem, pelo Supremo, comprovam o envolvimento do presidente da República em atos de obstrução da Justiça com o objetivo de afastar qualquer investigação e de eliminar a sua ligação com Eduardo Cunha.

Cada dia, entretanto, que Temer permanecer à frente do País aprofundará a crise econômica e a instabilidade política. Ao se agarrar ao poder, o presidente tem dois objetivos: primeiro, se proteger das consequências criminais que pesarão contra ele quando deixar a Presidência e, segundo, ganhar tempo para conduzir o Congresso a uma eleição indireta em que ele eleja o próximo presidente.

A não renúncia tem o sentido da preservação desse guarda-chuva protetor do foro privilegiado. É ruim para o País, agrava a crise. São inevitáveis dois processos. O processo penal no Supremo e o processo de impeachment no Congresso. A nação continuará sangrando com a sua decisão. Alguns poderão dizer que faltou grandeza ao presidente Michel Temer de renunciar e refazer o pacto na condução da crise econômica, mas o que ele fez foi se preservar.

Renunciando de imediato, Temer poderia até ser preso de imediato, caindo nas garras do juiz Sérgio Moro. Temer vai passar uns dias em agonia e vai colocar o povo em agonia. Perdeu a oportunidade de fazer um discurso com menos retórica e mais gesto. O depoimento de Temer, na fala à Nação, trouxe a enorme gravidade, porque, em primeiro lugar, disse que se encontrou com o empresário em agenda que não havia sido divulgada pela Presidência da República.

O presidente decidiu desafiar a crise. Politicamente, ele já foi julgado. Não tem mais condições de governabilidade. Neste momento grave de crise, ele optou muito mais pela imunidade institucional do que pela realidade que passa o País, com mais de 14 milhões de desempregados. O gesto que se esperava era a renúncia, para dar mais celeridade a uma solução para a crise. No momento em que ele resolve desafiar a crise, não existe outro instrumento que não seja trabalhar o processo de afastamento do presidente pelo Congresso, o que fez a oposição, ontem, protocolando o pedido do processo de impeachment.

TASSO ASSUME PSDB– O senador Aécio Neves (PSDB-MG) divulgou uma nota no fim da tarde de ontem na qual anunciou ter se licenciado da presidência do PSDB. Na mesma nota, informou ter indicado à Executiva Nacional do PSDB o nome do senador Tasso Jereissati (CE) para exercer a função interinamente. Procurada, a assessoria de Jereissati informou que ele aceitar assumir o posto. A assessoria de imprensa do PSDB informou que, por se tratar apenas de uma licença, a indicação de Tasso não precisará ser submetida à Executiva do partido. Diante disso, Tasso já é o presidente interino da sigla.

Saiu e voltouPrimeiro a cair fora do Governo por achar irreversível o afastamento do presidente Temer, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, recuou da decisão mais tarde quando se inteirou da decisão da cúpula do seu partido de se manter firme no apoio ao Governo. Raul Jungmann, ministro da Defesa, também pernambucano, teve que divulgar uma nota oficial diante das notícias de que teria abandonado o barco também.  

 

Indicação de Aécio – Transcrição de diálogos que constam na delação premiada dos donos do frigorífico JBS, os irmãos Joesley e Wesley Batista, apontam que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) ofereceu aos empresários que escolhesse qualquer uma das diretorias da Vale para colocar alguém da confiança deles. A TV Globo teve acesso ao conteúdo do termo de delação. O documento resume conversas que Joesley gravou em reuniões com Aécio Neves. Em um trecho, Joesley disse ter conversado com Aécio sobre seu interesse em indicar Aldemir Bendine, o Dida, para a Vale. O dono da JBS disse ter feito essa sugestão após saber que o senador mineiro seria o responsável por indicar o novo presidente da empresa.

DUPLO INQUÉRITO - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin autorizou a abertura de um novo inquérito para investigar o presidente do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), no âmbito da Operação Lava Jato. A abertura desse inquérito não tem relação com as delações dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos da JBS. A investigação foi autorizada a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR). O caso tramitava em segredo de Justiça, mas o sigilo foi derrubado na última segunda (15) por Fachin.

Recife protestaDurante um protesto que teve início na Praça do Derby e seguiu em passeata por várias ruas da área central do Recife, ontem, manifestantes pediram a saída do presidente Michel Temer do Governo. Motivados pela gravação feita pelos donos do frigorífico JBS que mostra o titular da presidência autorizando o pagamento pelo silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), os participantes iniciaram a concentração às 16h, gritando 'Fora Temer' e exibindo faixas e cartazes com mensagens favoráveis à saída do sucessor de Dilma Rousseff.

 

CURTAS

DELAÇÃO– Ao ser alvo da Operação Bullish na semana passada, o empresário Joesley Batista não foi encontrado porque estava fora do país. Na ocasião, ele deveria ter sido alvo de condução coercitiva, mesma situação do seu irmão Wesley, os dois donos do frigorífico JBS. Sabe-se agora que Joesley contatou informalmente a Justiça para dar três informações: que estava negociando uma delação premiada, que não pretendia fugir, que não deixaria de prestar todos os esclarecimentos necessários aos investigadores da Bullish.

INSTITUTO– O escritório do advogado Marlus Arns de Oliveira deixou, ontem, a defesa do ex-deputado federal Eduardo Cunha. A decisão ocorreu um dia após a revelação de que o empresário Joesley Batista, dono do grupo JBS, pagou uma suposta mesada a Cunha, para que ele não fizesse um acordo de delação premiada com a Justiça. O pagamento teria recebido a anuência do presidente Michel Temer.

Perguntar não ofende: O que trarão de novo para agravara situação de Temer as revistas semanais neste fim de semana? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Moro pode ser preso por obstruir a justiça. Moro não deixou Cunha fazer as perguntas que incriminavam Temer...

Nehemias

São os comunistas os que pensam como cristão. Cristo falou de uma sociedade onde os pobres, os frágeis e os excluídos sejam os que decidam. Não demagogos, mas o povo, os pobres, os que tem fé em Deus ou não, mas são eles a quem temos que ajudar a obter igualdade e liberdade. Lula uma dádiva de Deus.

Nehemias

Comunistas transam melhor.

Nehemias

Comunistas pensam como os cristãos.

Nehemias

Lula é, hoje, o símbolo da repulsa à destruição dos direitos trabalhistas e previdenciários da população é que a pesquisa Datafolha que o aponta na liderança – e sem competidor visível – constitui sinal de seu favoritismo nas eleições presidenciais do ano que vem. o favoritismo de Lula fará com que se inicie o processo de aglutinação em torno dele.


Asfaltos

18/05


2017

Coluna da quinta-feira

   Se tiver gravações, Temer renuncia 

Se as gravações confirmarem o que o Globo online antecipou, não resta nenhuma saída para o presidente Temer se não a renúncia. O quadro é gravíssimo. O Congresso não pode ficar silente frente a uma grandiosidade da denúncia. Neste cenário conturbado, o presidente nem o País aguentaria um novo processo de impeachment.  O clima em Brasília é de que o Governo acabou e que se tem urgentemente  buscar uma saída para o País: renúncia, impeachment ou diretas já.

A oposição, de imediato, apresentou um pedido de impeachment de Michel Temer com base no pedido de propina feito para manter o silêncio do preso Eduardo Cunha. Pediu celeridade no processo para que o Brasil fique livre dessa situação vergonhosa. Nesse momento em que surgem essas gravações, o Governo não tem legitimidade para continuar governando. Chegou ao ponto final. O ponto final, se não for dado pela sua própria renúncia, será feito pela Câmara e pelo Senado, através de um impeachment.

Líder do DEM na Câmara, o deputado Efraim Filho (PB) afirmou que não descarta a possibilidade de um processo de impeachment ser aberto contra o presidente Michel Temer após as notícias sobre a delação da JBS. Segundo ele, o Congresso agora tem que ter “serenidade” para avaliar os fatos que vieram à tona e dar respostas rápidas à sociedade. “A investigação irá dizer se houve infração à Constituição. Se houve a Constituição tem que ser seguida, conforme o rito a que foi submetida a ex-presidente Dilma Rousseff”, afirmou.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, disse que ‘são estarrecedores’ os fatos noticiados por O Globo sobre uma suposta trama de obstrução de Justiça atribuída a Michel Temer. A sociedade precisa de respostas e esclarecimentos imediatos. Os cidadãos brasileiros não suportam mais conviver com dúvidas a respeito de seus representantes.

O que se espera agora é a divulgação das gravações que Joesley fez no Jaburu. As gravações citadas precisam ser tornadas públicas, na íntegra, o mais rapidamente possível. E a apuração desses fatos deve ser feita com celeridade, dando aos acusados o direito à ampla defesa e à sociedade a segurança de que a Justiça vale para todos, independentemente do cargo ocupado. 

VETO NA PAUTA– Ainda na marcha dos prefeitos, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmou que irá convocar sessão do Congresso, na próxima semana, para colocar em votação o veto realizado pelo presidente Michel Temer à lei de reforma do Imposto sobre Serviços de qualquer natureza (ISS). "Quero deixar bem claro que em relação à questão do ISS e de outras matérias de interesse dos municípios, elas estarão na pauta da próxima semana do Congresso”, afirmou.  A reforma fixa em 2% a alíquota mínima do imposto e amplia a lista de serviços alcançados pelo ISS. O principal veto, realizado no final do ano passado, é sobre a arrecadação do ISS no local de consumo do serviço.

Gol na despedidaCassado pelo Tribunal Superior Eleitoral, o prefeito de Belo Jardim, João Mendonça (PSB), se despede, forçadamente, mas com decisões importantes para o município. Entre os últimos atos que assinou o pagamento antecipado de metade, ou seja, 50%, do 13º salário dos servidores municipais. Numa demonstração de que fez o dever de casa do ponto de vista fiscal e de gestão, João deixa para o sucessor o fundo municipal da Previdência com um caixa de R$ 32 milhões. Quando assumiu havia apenas R$ 3 milhões, um salto e tanto num momento em que o País assista a tantos descalabros nos municípios.

Renegociação na pauta – O plenário do Senado aprovou, ontem, o pedido de urgência para o projeto que prevê uma espécie de socorro aos estados em crise financeira. Na prática, como o requerimento acelera a tramitação da proposta, o texto não precisará ser analisado em comissão e já poderá ser votado em plenário após duas sessões ou até mesmo de forma imediata, desde que haja acordo entre os parlamentares. O projeto foi aprovado pela Câmara na semana passada e suspende o pagamento das dívidas estaduais com a União por três anos (prorrogáveis por mais três), desde que sejam adotadas medidas de ajuste fiscal, as chamadas contrapartidas.

Contra terceirização– O ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), afirmou, ontem, em audiência na Câmara dos Deputados, que é contra a terceirização de professores e é a favor de regime especial de aposentadoria para docentes. Na mesma audiência, ele disse que o novo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) deve ser anunciado pelo governo nas próximas semanas. O projeto que aprova a terceirização foi aprovado pela Câmara dos Deputados em março e sancionado pelo presidente Michel Temer. Ele permite a contratação de serviço terceirizado em qualquer tipo de atividade de uma empresa.

Reaproximação à vista?O governador Paulo Câmara (PSB) decolou, ontem, de Brasília para o Recife, depois de participar da Marcha dos Prefeitos, levando no jatinho o prefeito do Cabo, Lula Cabral (PSB), e também o presidente da Compesa, Roberto Tavares. Tão logo tomou posse, Cabral se rebelou contra a Compesa pela escassez de água na cidade, que tem uma fonte que abastece outros municípios, mas esquece do Cabo. Cabral teve que criar um próprio sistema de abastecimento e muita gente entendeu a sua reação como um rompimento. É possível que tenham fumado o cachimbo da paz a dez mil pés. Câmara precisa de Lula Cabral, uma das maiores lideranças da Região Metropolitana, empenhado na sua reeleição em 2018.

CURTAS

SIRIGI– O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, estará em Pernambuco no início de junho para participar da inauguração da Adutora do Sirigi. A agenda foi acertada, ontem, durante conversa com o governador Paulo Câmara, quando os dois trataram das obras hídricas de Pernambuco feitas em parceria entre o Governo Estadual e o Governo Federal. Sirigi está recebendo um investimento de R$ 34 milhões. A interligação irá permitir o reforço do abastecimento de água a partir da Barragem de Palmerinha, também conhecida como Pedra Fina, responsável pelo atendimento das cidades de Bom Jardim, João Alfredo e Orobó, além de abastecer a cidade de Surubim por meio do ramal reativado pela Compesa em 2016.

INSTITUTO– Um dia depois do Tribunal Federal Regional da 1ª Região (TRF-1) determinar a imediata reabertura do Instituto Lula, o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), saudou a decisão, em discurso no plenário da Casa. Humberto criticou o juiz que havia mandado interditar a entidade e a perseguição política gritante a que o ex-presidente Lula vem sendo submetido. Para o líder da Oposição, a decisão de fechar a entidade foi tomada por um juiz “desvairado”.

Perguntar não ofende: E a foto de Lula no sítio de Atibaia inspecionando a reforma é o chamado batom na cueca? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

A culapa não é minha: Eu votei na Dilma.

Nehemias

Moro faz parte desse golpe. Não quis ouvir Cunha e liberou a Claudia Cruz . Moro sabia de tudo

marcos

Resumo dos comentário do dia, Cadeia para Aécio, Temer, Lua e Dilma Jumenta!

marcos

E aí PTzada alienada, JBS confessa que deu R$ 300 Milhões de Reais para o PT e vocês comendo Mortadela. Por que as panelas se calam?

marcos

Corrupção existe no mundo todo, mas fã club de Corrupto ( lula) só no Brasil!


Supranor 1

17/05


2017

Coluna da quarta-feira

      Economia começa a reagir  

Na fala aos prefeitos, ontem, na instalação da 20ª Marcha dos Municípios a Brasília, o presidente Michel Temer (PMDB) disse que o pior momento do País já passou e voltou a falar em entusiasmo sobre a reação da economia. Depois da reação do PIB, que cresceu 1,1%, outra notícia alvissareira foi bastante comemorada ontem: o Brasil voltou a gerar empregos com carteira assinada em abril, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério do Trabalho.

No mês passado, segundo o levantamento, as contratações superaram as demissões em 59.856 vagas. Foi o primeiro resultado positivo para abril desde 2014. Abril também foi o segundo mês de 2017 em que houve geração de empregos formais - em fevereiro as contratações também superaram as demissões em 35.612 vagas, no que foi o primeiro registro de criação de postos com carteira assinada no país em quase dois anos.

Após o resultado positivo de fevereiro, porém, o País voltou a fechar vagas de trabalho em março. Naquele mês, 63.624 postos foram fechados. "Espero que no mês que vem, quando venhamos a conversar novamente, possamos comemorar essa expectativa da retomada do emprego no Brasil. Isso é uma tendência. Quanto maior o número de pessoas consumindo, toda essa cadeia se fortalece. Esperamos que se concretize e se estabeleça esses números positivos", disse o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

Apesar do resultado positivo no mês passado, os dados do Governo mostram que, no acumulado de janeiro a abril, houve o fechamento de 933 vagas com carteira assinada no País. Mesmo negativo esse foi o melhor resultado para este período desde 2014 - quando 458 mil vagas formais foram abertas. Nos quatro primeiros meses de 2015 e de 2016, respectivamente, foram fechados 137 mil e 358 mil empregos com carteira assinada.

Os números de criação de empregos formais do primeiro quadrimestre, e de igual período dos últimos anos, foram ajustados para incorporar as informações enviadas pelas empresas fora do prazo nos meses de janeiro e março. Os dados de abril ainda são considerados sem ajuste. A notícia de que o País voltou a criar empregos em abril ocorre num momento em que dados apontam para um possível início de recuperação da economia brasileira.

Esses números mostram que, no primeiro trimestre deste ano, o nível de atividade voltou a acelerar, embora os efeitos da recessão ainda não tenham acabado. Além disso, a prévia do PIB, divulgada pelo Banco Central nesta semana, indica que o PIB brasileiro cresceu 1,1% no acumulado dos três primeiros meses deste ano, na comparação com o último trimestre de 2016.

MEDIDAS– Para tentar reaquecer a economia, o Governo Michel Temer tem anunciado medidas como a liberação de saques das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O Banco Central também vem reduzindo a taxa Selic, o que deve se traduzir em queda dos juros dos empréstimos bancários e, consequentemente, em retomada do consumo. Os dados do Caged mostram que quase todos os setores da economia registraram criação de empregos formais em abril. O único setor que demitiu no mês passado foi à construção civil, que fechou 1.760 vagas.

Um arrependido ainda vivoDepois de passar os três primeiros meses da sua gestão sem receber um só centavo do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), por causa de embaraços financeiros e judiciais deixados pelo antecessor, o prefeito de Maraial, Marquinhos Moura (PTB), perdeu o elã. Foi a mais destacada ave borocoxô da 20ª Marcha dos Prefeitos, ontem, em Brasília. “Se arrependimento matasse eu já estaria no além”, brincou, arrancando risadas de um grupo de prefeitos que aguardavam uma audiência com o senador Armando Monteiro Neto (PTB).

Izaías volta a bater– Já o prefeito de Garanhuns, Izaias Régis (PTB), que também participa da Marcha dos Prefeitos, dizia aos colegas municipalistas que estava encomendando uma máscara de Pinóquio para o governador Paulo Câmara (PSB), a quem se recusou a receber no seminário “Pernambuco em ação”, no mês passado, em seu município. “Ele agora deu para falar em milhões e milhões liberados para os municípios nos seminários. É um contumaz mentiroso, este dinheiro não existe, é uma grande perua dele”, afirmou.

Greve em Bom Conselho– A greve dos professores da rede municipal em Bom Conselho, no Agreste Meridional, já completou 41 dias. Os cerca de 400 profissionais da cidade decidiram cruzar os braços para reivindicar melhores condições de trabalho. Na pauta da categoria, estão a efetivação do Plano de Cargos e Carreiras e um reajuste de 7,64%. Desde dezembro do ano passado que o reajuste está aprovado pelo Ministério da Educação e até agora não houve o repasse. "O prefeito não depositou um centavo a mais no nosso contracheque. Também precisamos que o Plano de Cargos e Carreiras seja cumprido. Até fardamento e merenda para os alunos faltam. Precisamos de condições básicas para trabalhar”, disse uma professora. O prefeito Danilo Godoy (PSB) diz desconhecer a informação da falta de repasses e afirmou que todas as verbas devidas aos profissionais estão sendo viabilizadas regularmente.

Danilo quer PSB com MarinaVoto contra a qualquer projeto de iniciativa do Governo na Câmara dos Deputados, o deputado Danilo Cabral (PSB) não enxerga um cenário em 2018 no qual a legenda socialista possa se compor com o PT, novamente, no plano nacional. Dentro da bancada e na executiva nacional, ele disse que vai defender que o PSB apoie a candidatura presidencial da ex-senadora Marisa Silva. A manifestação dele se deu no mesmo dia em que a Rede, de Marina, rompeu com o Governo Paulo Câmara, decisão formalizada em nota dois dias após um encontro no Recife com a ex-senadora Heloisa Helena, de Alagoas.

CURTAS

LIMOEIRO– O prefeito de Limoeiro, João Luis Ferreira, o Joãozinho (PSB), disse, ontem, que, apesar das dificuldades vai manter a tradição dos festejos juninos. “Vamos fazer um grande São João, com atrações que vão agradar a todos os públicos”, disse. Joãozinho também está em Brasília participando da Marcha dos Prefeitos e ao mesmo tempo cumprindo uma agenda nos ministérios para tentar viabilizar recursos federais para o município.

SURUBIM–Quem também está em Brasília é a prefeita de Surubim, Ana Célia (PSB). Depois da abertura da marcha, ela esteve no gabinete do deputado Danilo Cabral, que já conseguiu alocar uma emenda impositiva de R$ 2 milhões para o projeto do anel viário, a maior intervenção que a socialista pretende fazer para melhorar o fluxo de trânsito na cidade.

Perguntar não ofende: Quantos votos Temer contará na bancada de Pernambuco para aprovar a reforma da Previdência? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Lula é único que pode unir o Brasil!! Acorda povo !!

Nehemias

O único caminho para superar a grave crise em que nos encontramos é Resistir ao GOLPE! Deter o Fascismo! Garanti a DEMOCRACIA!

Nehemias

Sejamos o pesadelo dos que querem roubar nossos sonhos.

Nehemias

EMPREGO E MISTIFICAÇÃO. Meirelles fez um estardalhaço com este fato: o Brasil criou 58 mil e 900 empregos em Abril. Vamos arredondar para 60 mil e facilitar o Calculo. O Ministro da Fazenda foi logo para a televisão, com duas afirmações .1- Com isso e mais a queda da inflação, podemos dizer . Que a recessão terminou. 2- Com segurança, garantimos que o Desenvolvimento voltou. Tudo fanfarronice. Os 14 milhões e 200 mil desempregados, continuam Praticamente no mesmo. Vá lá, caíram 0,3 por cento, imaginem a Comemoração que fariam se a criação de empregos fosse um pouquinho . Maior. Por favor, informem à coletividade: onde está havendo investimento.

Nehemias

Lula vence na justiça e reabre seu instituto.


ArcoVerde

16/05


2017

Coluna da terça-feira

    Dívida do INSS em 200 parcelas

Na reta final das negociações para a aprovação da reforma da previdência na Câmara, o presidente Michel Temer pretende anunciar, hoje, a Medida Provisória com a previsão de parcelamento da dívida dos municípios com o INSS. Os últimos ajustes da proposta foram discutidos em reunião realizada na manhã de ontem no Palácio do Planalto. O evento contou com a presença de Temer, do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco e lideranças da base aliada.

Segundo relatos, a previsão é de que a dívida dos municípios seja parcelada em até 200 vezes, conforme antecipou o Estado na semana passada. O valor dos juros ainda deverá ser calibrado por Meirelles em novas reuniões previstas para ocorrerem ao longo do dia. Caso o anúncio se confirme, ele deverá ocorrer em evento promovido pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) que acontecerá, hoje, em Brasília.

O gesto de Temer vem num momento em que o Governo tenta avançar nas negociações para aprovar a reforma da Previdência no plenário da Câmara. Lideranças da base aliada ainda se queixam da forte pressão sofrida nos redutos eleitorais contra a proposta e têm colocado esse como um dos entraves para se votar a matéria. "Prefeito feliz é deputado feliz", resumiu um interlocutor de Temer.

Reportagem publicada pelo Estado no início deste ano revelou que 4,95 mil municípios (89% do total) sustentam uma dívida bilionária INSS. De acordo com a Receita Federal, o passivo soma R$ 99,6 bilhões em contribuições previdenciárias devidas e a inadimplência tem levado ao bloqueio de parcelas do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). A falta de pagamento também é um dos motivos por trás do "nome sujo" de prefeituras no Cadastro Único de Convênios (Cauc), do governo federal, o que inviabiliza o repasse de transferências voluntárias, como emendas parlamentares.

SEM NOVAS TESTEMUNHAS– O juiz Sérgio Moro negou o pedido do Ministério Público Federal (MPF) e da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ouvir mais testemunhas na ação penal do triplex do Guarujá, no âmbito da Operação Lava Jato, antes da fase de alegações finais. A decisão foi publicada no sistema eletrônico da Justiça Federal por volta das 5h30 de ontem. Por meio de nota, a defesa de Lula afirmou que o despacho de Moro tem "erros factuais" e que tomará "as medidas necessárias para afastar as ilegalidades presentes nessa decisão." O MPF informou que, se houver manifestação, será nos autos do processo.

Sem medo da degolaNa lista dos 14 deputados da bancada do PSB que serão expulsos por infidelidade partidária, consequência do voto favorável ao Governo nas reformas trabalhista e previdenciária, Marinaldo Rosendo antecipa que não resistirá à degola, mas prevê que o partido tende a se transformar numa legenda nanica nas eleições de 2018. “Se expulsam 14 deputados de uma bancada de 30, na prática estão dando o cartão vermelho a metade dos parlamentares socialistas e isso é um tiro no pé”, avalia Marinaldo, dissidente na bancada, integrante do grupo do senador Fernando Bezerra Coelho.

 

Ações pela Araripe – Com base política no Sertão do Araripe, o deputado Ricardo Costa (PMDB) foi ao Palácio das Princesas e mediou o encontro do presidente e dos diretores do Consórcio Intermunicipal do Sertão do Araripe com o governador Paulo Câmara e o secretário da Casa Civil, Antônio Figueira. Na pauta, novos investimentos para o Araripe. "Temos acompanhado de perto os esforços que o Governo do Estado tem feito para realizar benfeitorias na região. Semana passada, no Seminário "Pernambuco em Ação", acompanhamos uma série de ações que foram assinadas e entregues à população do Araripe”, disse Costa. O presidente do Consórcio, Everton Costa, esteve acompanhado do prefeito de Parnamirim, Tácio Pontes, vice-presidente da instituição. Também presentes o prefeito de Afrânio, Rafael Cavalcanti, e o de Bodocó, Túlio Alves.

Mais professores– Para reforçar a rede municipal de ensino, a Prefeitura do Recife nomeou 100 Auxiliares de Desenvolvimento Infantil e 100 Agentes de Apoio ao Desenvolvimento Escolar Especial, além de ter convocado 223 professores temporários. Os mais de 400 profissionais terminam de tomar posse hoje. Os docentes contratados por tempo determinado vão substituir os professores titulares em casos de afastamentos temporários, como nos casos de licença médica, licença maternidade, licença prêmio e aula atividade – carga horária destinada ao planejamento e à preparação de aula. No total, a Secretaria de Educação do Recife já convocou mais de 1.200 docentes polivalentes (professores de Educação Infantil e Anos Iniciais) aprovados nesta seleção simplificada.

Na marcha dos prefeitosO prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (PSB), participa da 20ª edição da Marcha dos Prefeitos ao logo desta semana em Brasília. Na passagem pela capital federal, Miguel ainda se reunirá com o ministro dos Transportes, Mauricio Quintella, para tratar sobre obras de mobilidade na cidade. “A mobilização dos prefeitos é uma iniciativa importante principalmente para acelerar as discussões sobre a remodelação do pacto federativo. Também temos encontros nos ministérios e com lideranças políticas para apresentar novos projetos estruturantes para Petrolina e liberar recursos importantes”, disse Miguel.

CURTAS

LEITURA– A deputada Laura Gomes (PSB) elogiou a promoção da empresa Borborema, que disponibiliza livros para seus usuários, gratuitamente, como parte do projeto “Viaje na Leitura”, lançado no início do mês de março, e amplamente aprovado pelos passageiros agora contemplados com uma nova oportunidade de conhecimento e lazer. Obras de Gilberto Freyre, Carlos Drummond de Andrade e do Padre Marcelo Rossi estão entre alguns dos títulos colocados em bolsões de plástico.

REVITALIZAÇÃO–Foi lançado, ontem, o projeto de requalificação do Parque Histórico Nacional dos Guararapes. A cerimônia, realizada no Mirante dos Montes dos Guararapes, no bairro de Prazeres, contou com a participação dos ministros da Cultura, Roberto Freire, e da Defesa, Raul Jungmann, além do governador de Pernambuco, Paulo Câmara, e do prefeito do Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira. O lançamento ocorre quatro dias após o presidente da República, Michel Temer, assinar decreto criando a comissão interministerial que ficará responsável pela condução do projeto.

Perguntar não ofende: Vai resultar em alguma coisa a marcha dos prefeitos esta semana em Brasília? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Candidatura Lula já é irreversível. Semana retrasada, a Folha de São Paulo divulgou que o crescimento de Lula no último Datafolha fez um grupo de governadores lançar carta pública em apoio à candidatura do petista à Presidência.. Segura pão com ovo.

Nehemias

No Brasil ainda temos assalariados que pensam que são ricos.

Nehemias

Lula significa o resgate da política. Isso é o que pão ovo tem inveja.

Nehemias

Nosso AMOR pelo o Lula é maior que seu ódio, pão com ovo.

marcos

Lula o encantador de Burros.



15/05


2017

Coluna da segunda-feira

     Moro vai condenar Lula

Falando num um evento em Londres, sábado passado, organizado por brasileiros que estudam em universidades britânicas, o juiz federal Sérgio Moro revelou sinais muito claros de que sua sentença se dará pela condenação do ex-presidente Lula no primeiro processo em que foi ouvido, sobre ocultação de bens - o triplex do Guarujá. Ele disse, textualmente, que juízes não podem julgar pensando na consequência política que a decisão irá gerar.

Em apresentação no Brazil Forum UK, o magistrado foi questionado sobre a exposição de juízes na mídia e respondeu: "Não creio que isso gera um grande problema, desde que não invadam política partidária". Em seguida, falou sobre casos envolvendo corrupção de agentes políticos. "Um julgamento, seja absolvitório ou condenatório, sempre tem reflexos políticos, mas esses reflexos políticos ocorrem fora da corte de justiça", afirmou.

A postura de Moro é a de um juiz que não teme pelas consequências políticas do seu ato e, mais do que isso, que cadeia nasceu e existe para pobres e ricos. "Quando se condena, por exemplo, um ex-político de envergadura, alguém que teve um papel às vezes até respeitável dentro da conjuntura política do País, isso vai gerar reflexos dentro da vida partidária. [...] O juiz não pode julgar pensando nisso, o juiz tem que cumprir seu dever e julgar segundo as leis e as provas", afirmou.

Mais claro do que isso, impossível. Só os fanáticos lulistas têm alguma esperança de que o ex-presidente, chefe da quadrilha da Lava-Jato, vai escapar do veredicto justo do juiz Moro. "Se o juiz for julgar pensando na consequência política, ele não está fazendo seu papel de juiz", enfatizou Moro. "Muitas vezes tem essa confusão de que julgamentos são políticos, quando na verdade não são", completou.

PRISÕES NA LEI– Moro participou de um debate com o título de "Reequilibrando os poderes: o papel do Judiciário na democracia brasileira”. O juiz falou por 15 minutos. Quando foi chamado pela organização para discursar, ouviu aplausos e algumas vaias. Ao final da sua fala, os aplausos prevaleceram. Ele disse reconhecer que pode haver divergência sobre o entendimento a respeito das prisões preventivas. No entanto, segundo Moro, todas as aplicadas na Lava Jato foram baseadas na lei. "Esse tema da prisão preventiva tem sido polêmico. O que tenho falado nas minhas decisões é que não defendo nada diferente da aplicação ortodoxa da lei penal", afirmou.

Dilma ou Iolanda?Um dia antes da prisão dos seus marqueteiros João Santana e Mônica Moura, a ex-presidente Dilma ligou para avisá-los sobre a operação da Polícia Federal e usou um e-mail secreto com o codinome Iolanda. Em 21 de fevereiro de 2016, Dilma foi além do e-mail. Ligou para João Santana e avisou que ele seria preso no dia seguinte. O casal estava na República Dominicana, seguindo recomendação da própria Dilma. Na delação, Santana e Mônica disseram que o caixa dois bancou até o cabelereiro de Dilma, no valor de R$ 50 mil.

Ninguém escapa – Não é exagero dizer que a Odebrecht corrompeu todo o Brasil. Os 26 estados e o Distrito Federal têm políticos na lista do ministro Edson Fachin, do STF, ou receberam pedidos de investigação relacionados ao acordo de colaboração. Se antes Paraná, Rio, São Paulo, Pernambuco, a Justiça Federal e as cortes superiores no Distrito Federal conduziam inquéritos relacionados à operação, no pós-Odebrecht, 20 estados e o DF terão células da Lava-Jato em busca de esclarecer fatos narrados pelos executivos da empreiteira baiana. Ao encaminhar petições ao Supremo com base nas revelações da Odebrecht, no mês passado, a Procuradoria-Geral da República solicitou que mais de 200 casos fossem remetidos a outras instâncias judiciais. Há menções a ex-prefeitos, prefeitos e deputados estaduais.

Emancipação– O deputado Fernando Monteiro (PP) prestigiou o aniversário de 163 anos de Buíque, no Agreste, ao lado do prefeito Arquimedes Valença (PMDB). "Tenho orgulho de dizer que sou o deputado de Buíque, terra de gente trabalhadora. O povo dessa cidade tem em mim um amigo, que trabalha pelo desenvolvimento do município. Quero parabenizar também o grande trabalho que o prefeito Arquimedes esta realizando a frente da prefeitura em tão pouco de gestão", pontuou Fernando Monteiro. Ao final da celebração, o deputado recebeu do padre Luiz Benevaldo um terço de Nossa Senhora de Fátima ungido no Santuário de Fátima, Portugal.

Um dos melhoresO seminário “Pernambuco em ação” da Mata Sul, sábado passado, em Palmares, foi um dos mais concorridos e prestigiados graças ao empenho do prefeito anfitrião Altair Júnior (PMDB), que se envolveu diretamente na mobilização de prefeitos, vereadores e lideranças políticas da região. Ao final, o governador Paulo Câmara (PSB) não apenas reconheceu o trabalho arrojado do aliado como atendeu a vários pedidos seus, entre eles a retomada das obras da UPAE de Palmares, que vai, segundo o secretário estadual de Saúde, Iran Costa, melhorar a qualidade dos serviços do SUS no município.

CURTAS

CORREIOS– Os Correios devem apresentar ainda neste mês de maio uma proposta de reestruturação para tentar levar suas contas de volta ao azul, segundo o presidente da estatal, Guilherme Campos. A empresa soma cerca de R$ 4 bilhões de prejuízo entre 2015 e 2016. De acordo com ele, a reestruturação é fundamental para reverter o resultado negativo. Em março, o ministro das Comunicações, Gilberto Kassab, afirmou que, se a empresa não promover o "equilíbrio rapidamente", vai "caminhar para um processo de privatização”.

PALOCCI–Já se iniciaram em Curitiba os preparativos para a delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci. No fim da tarde da última sexta-feira, oito presos da Operação Lava Jato que estavam na carceragem da Polícia Federal em Curitiba foram transferidos para o Complexo Penal de Pinhais. Quando há remoção de presos por lá, duas coisas podem acontecer: ou vão chegar novos presos de operações que poderão ser deflagradas ou é a separação dos demais presos de um interessado em negociar delação premiada.

Perguntar não ofende: Se Sérgio Moro condenar Lula na primeira instância, o Tribunal Regional Federal assina embaixo na segunda instância? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

E agora Silvio Costa Show Fantasma, Dilma é uma mulher honesta e honrada. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Pergunta para Iolanda?

marcos

Lula o Bandido Ateu e Alcoólatra que faz piadas com o nome de Deus.

LUIZ MAIA

COMO VOCÊS SÃO FÁCEIS EM CEDER ESPAÇO PARA ESSAS PESSOAS QUE SÃO FILIADAS À ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA! TANTA COISA IMPORTANTE E VOCÊS OUVINDO ESSE TIPO DE GENTE.

Nehemias

Gmail mostra um suposto forjamento de prova de Mônica Moura para citar a presidenta eleita Dilma Rousseff em delação

N. Power

https://www.youtube.com/watch?v=pv04_soALS4 Delação de Marcio Farias parte 1


bm4 Marketing 5

13/05


2017

Coluna do sabadão

   Governo em busca de reformas

No primeiro ano da gestão Temer, ontem, não houve comemorações, mas se há algo que merece reconhecimento é a sua capacidade de resistir e sua obsessão pelas reformas. Ao falar das suas realizações, o presidente enfatizou as ações de sua gestão e ressaltou reformas defendidas pelo Governo e que tramitam no Congresso, como a da Previdência e a trabalhista. Sem fazer referência direta à antecessora, Dilma Rousseff, Temer disse que pegou o País com "gastos excessivos" e falta de diálogo entre Executivo e Legislativo.

O presidente Temer assumiu, ainda interino, em 12 de maio de 2016, após o Senado aceitar a admissibilidade do processo contra Dilma. No discurso desta sexta, o presidente disse que, inicialmente, devia "colocar o País em ordem". "Era preciso, em primeiro lugar, colocar o País em ordem. Era preciso estabelecer o diálogo, que antes não havia. Aliás, foi dessa ausência de diálogo que decorreu essa dificuldade, no passado, de governar. Faltava entrosamento entre executivo e legislativo. Faltava pacificar o País", afirmou.

"Nós não queremos brasileiros contra brasileiros. Queremos brasileiro com brasileiros. Isso é o que eu quero enfatizar", completou. Segundo ele, os resultados de seu Governo começam a aparecer. “O desemprego, que é a pior herança de uma época de gastos descontrolados, começa a ceder. Não temos dúvidas, e temos verificado várias análises, que otimismo começa a transparecer na fala e no gesto do povo brasileiro”, disse.

O presidente disse ainda que a economia dá sinais de retomar o crescimento e que, na avaliação dele, este segundo ano de mandato resultará em um País "reestruturado e mais feliz". "Esse ano teve saldo positivo, podem acreditar. O Brasil está retomando o caminho do crescimento, agora é seguir em frente. Estou seguro que, ao completar o segundo ano de governo teremos um País reestruturado e mais feliz", afirmou.

O presidente também aproveitou a fala para defender a aprovação das reformas propostas pelo Governo ao Congresso. Ele comemorou ter conseguido fixar um teto para os gastos públicos ainda no ano passado e destacou as mudanças na legislação trabalhista com a aprovação do projeto de terceirização. Ainda seguem em tramitação as reformas trabalhista, no Senado, e a da Previdência, que ainda precisa passar pelo crivo da Câmara.

DILMA BRECOU LULA– Uma das responsáveis pelo marketing da última campanha presidencial do PT, a publicitária Mônica Moura contou à Procuradoria Geral da República (PGR) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve um "estremecimento" com a então presidente Dilma Rousseff, em 2014, porque ele "queria ser o candidato" ao Palácio do Planalto, e a petista "não aceitou". Em um de seus depoimentos do acordo de delação premiada com o Ministério Público, a marqueteira relatou conversas que o sócio e marido dela, o publicitário João Santana, mantinha com Dilma nos meses que antecederam a disputa eleitoral daquele ano.

Tucano fechado com CâmaraPresidente do PSDB, partido que está rompido com o Governo do Estado, o deputado Antônio Moraes contrariou, ontem, a sua legenda ao defender, ardorosamente, a reeleição do governador Paulo Câmara. Em fala no seminário “Pernambuco em ação”, na cidade de Carpina, Moraes disse, de forma enfática, que Câmara merece ser reeleito. “O governador fez o ajuste fiscal, equilibrou as finanças do Estado e tem obras espalhadas em todos os recantos de Pernambuco”, afirmou. Em Palmares, onde o governador terá, hoje, a segunda etapa da Zona da Mata, o líder tucano deve repetir a dosagem.

Transparência nota 10 – Repetindo o êxito de 2015, Serra Talhada alcançou nota dez em transparência pública, segundo a 3ª edição da Escala Brasil Transparente (EBT), divulgada pelo Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU), ontem, em Brasília. Em Pernambuco, além de Serra Talhada apenas Recife e São Vicente Férrer obtiveram nota máxima no ranking. A metodologia da Escala Brasil Transparente avalia o cumprimento da Lei de Acesso à Informação (LAI) nos estados, Distrito Federal e 2.328 municípios brasileiros. “Fazemos da transparência o lema da nossa gestão”, disse o prefeito Luciano Duque (PT).

Sistema Siriji– O presidente da Compesa, Roberto Tavares, diretores e técnicos da companhia visitaram, ontem, as obras da Adutora do Siriji, em Vicência. O empreendimento está sendo executado pelo Ministério da Integração Nacional e vai levar água por meio de uma adutora, com 37 km de extensão, para 107 mil pessoas nas cidades de Surubim, Bom Jardim, Orobó e João Alfredo. Foram investidos R$ 33 milhões na obra, cujo projeto foi elaborado pela Compesa, que também presta apoio técnico na fiscalização dos serviços. Após a conclusão da obra, a companhia será responsável pela operação da adutora.

Foco no turismoA prefeita de Ipojuca, Célia Sales (PTB), dará apoio total ao Turismo. Ela determinou, em parceria com o trade turístico, que esta área seja uma das prioridades de sua gestão. Os assessores Gledson Pimentel e Mário Pilar já estão com reunião agendada com o presidente da Associação dos hotéis de Porto de Galinhas (AHPG), Marcos Tibúrcio. Vários projetos de incentivo e atração de turismo estão sendo planejados com apoio da iniciativa privada. Desta vez, a novidade será uma estrutura móvel de cobertura transparente que será instalada na rua principal de Porto de Galinhas até a praça das piscinas, que deve permitir a realização de feiras, exposições, festivais culturais, atividades artísticas, apresentação de instrumentistas solo, de teatro e de cinema.

CURTAS

DELAÇÃO– O ex-ministro Antonio Palocci fechou com Adriano Brettas, advogado que já negociou outras colaborações em delação premiada. Procurado, o advogado disse que não vai se manifestar.  José Roberto Batochio, advogado que vinha defendendo Palocci até agora, disse que, se Palocci decidir pela delação premiada, deixará a defesa do ex-ministro.

CINGAPURA– A marqueteira Mônica Moura disse, em depoimento à Procuradoria-Geral da República, que a ex-presidente Dilma Rousseff sugeriu que a empresária mudasse o local da conta que ela e João Santana possuíam na Suíça. De acordo com a delatora, Dilma citou Cingapura como um possível lugar para hospedar a conta dos marqueteiros.

Perguntar não ofende: É justo e humano Lula jogar a culpa na defunta? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Aí Dr. Moro fala, quem provocou os milhões de desempregados foi o Governo do PT e a corrupção que a lava jato está investigando!

marcos

Lula o Ateu Alcoólatra que Rouba Crucifixo e faz piadas com o nome de Deus.

Nehemias

Se JESUS CRISTO aparecer. dizendo que LULA é honesto. e do bem, os coxinhas. se tornarão ateus.

Nehemias

LULA É UM FENÔMENO SOCIAL DEMOCRATA! É REFERÊNCIA MUNDIAL! Chupa essa besteirinha coxas!!!

Nehemias

Você falou que vai voltar, volta logo Eu ando tão sofrido Você falou que vai voltar, volta logo Eu ando tão sofrido Eu tenho tanto carinho Amor, amor amado Amor, eu vou esperar Amor, eu ando tão sofrido Oi, volta, vem me ver Vem tirar de mim Esse gosto amargo



12/05


2017

Coluna da sexta-feira

     Pontos polêmicos do confronto

Alguns pontos de maior confronto no depoimento de Lula a Moro ainda repercutem. Um deles é um momento em que Moro pergunta se Lula sabia ou desconfiava de um esquema de corrupção na Petrobras e de que diretores recebiam propina. O petista respondeu que não sabia e emendou que Moro, o Ministério Público, a Polícia Federal e a imprensa também não sabiam e que ele só tomou ciência da corrupção quando a Lava Jato captou conversas entre o doleiro Alberto Yousseff e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.

Moro revidou, afirmando que ele não tinha nada a ver com a Petrobras, mas que o presidente da República tinha. Lula rebateu, dizendo que foi Moro quem mandou soltar e grampear Yousseff e que, portanto, os fatos foram descobertos a partir daí. O juiz fez um adendo dizendo que também mandara prender o doleiro.

Houve chumbo trocado quando Moro repreendeu Lula pelo petista ter dito que poderia mandar prender quem teria mentido a respeito dele. Lula admitiu que foi uma frase infeliz, dizendo ter sido uma força de expressão no palanque. Moro falou que Lula talvez não devesse fazer aquele tipo de declaração. Lula respondeu que todos ali precisavam tomar cuidado com suas declarações e se queixou de o juiz ter divulgado conversas pessoais dele com familiares e a mulher, Mariza Letícia, que morreu em fevereiro. Num outro momento, Lula falou que tinha profunda mágoa por ações de Moro em relação à divulgação dessas conversas.

Moro teve um bom desempenho quando questionou Lula sobre o encontro com o ex-diretor da Petrobras Renato Duque. O juiz quis saber por que Lula decidiu encontrá-lo. Foi um momento em que Moro conseguiu que Lula falasse que havia sido por intermédio de João Vaccari, ex-tesoureiro do PT preso em Curitiba, obtendo palavras do ex-presidente que confirmavam em parte um depoimento recente de Duque.

Foi um ponto alto de Moro. Durante todo o depoimento, ficou claro o destaque de Moro, que se sobressai em relação aos membros do Ministério Público, cujos representantes falaram muito pouco na comparação com o juiz. Moro e o Ministério Público perguntaram se Lula se sentia responsável pelo esquema de corrupção, direta ou indiretamente.

Lula disse que não tinha responsabilidade nem se sentia responsável, afirmando que havia um processo de indicação política de partidos que compõem o governo que o levou a apontar tais diretores para o Conselho de Administração aprovar ou não o ingresso no comando executivo da Petrobras. O petista foge do objetivo de Moro de arrancar uma confissão de responsabilidade, ainda que administrativa, apesar da insistência do juiz e, depois, de procuradores da República.

O APARATO– O prédio da Justiça Federal em Curitiba, onde Lula depôs quarta-feira passada, foi isolado pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar do Paraná. Centenas de policiais, incluindo a Tropa de Choque, bloquearam um perímetro de 150 m ao redor do local. Além dos homens no chão, o aparato teve sobrevoos de quatro helicópteros e atiradores da Polícia Federal em cima do prédio. A Polícia Rodoviária Federal abordou 92 ônibus de outros Estados e 76 do Interior. Só um foi retido. Já ato pró-lula contou com a presença de artistas, como a atriz Renta Sorrah, que está com peça na cidade.

Advogados em estado de euforiaOs advogados do ex-presidente Lula comemoraram o desempenho dele no cara a cara com Sérgio Moro. “Ele foi enfático e direto. Disse que o estão acusando sem provas e que o imóvel não lhe pertence”, afirmou o advogado José Batochio. Para ele, a maioria das perguntas que Moro fez fugiu ao âmbito da acusação, que era o triplex.

 

 

Sabia de tudo – O marqueteiro João Santana afirmou em depoimento em delação premiada à Procuradoria-Geral da República que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tinha conhecimento dos pagamentos "por fora" feitos à empresa dele no exterior. Segundo João Santana, responsável pelas campanhas eleitorais a presidente de Lula em 2006 e 2010 e de Dilma Rousseff em 2014, o ex-ministro Antonio Palocci sempre afirmava que as "decisões definitivas" dependiam da "palavra final do chefe". Santana disse ter participado de encontro

Três convocações– O Ministério Público Federal (MPF) pediu, ontem, ao juiz Sergio Moro que três pessoas citadas em depoimentos na ação penal do triplex do Guarujá, no âmbito da Operação Lava Jato, sejam ouvidas antes da fase de alegações finais. São eles: Joilson Santos Goes, funcionário da OAS Empreendimentos, Jéssica Monteiro Malzone, ex-funcionária da OAS Empreendimentos e Márcio Faria, ex-executivo do Grupo Odebrecht. Segundo o MPF, Joilson Santos Goes foi mencionado em mensagens sobre a criação de centros de custos pela OAS -- incluindo o nomeado "Zeca Pagodinho", para a qual eram direcionadas as despesas com a reforma do triplex. As menções a Goes, diz a Procuradoria, foram feitas pelo dono da OAS, Léo Pinheiro, em seu interrogatório.

A vez da Zona da MataO governador Paulo Câmara promove mais dois seminários da série “Pernambuco em ação” desta feita na Zona da Mata. Hoje, em Carpina, reúne os municípios da Mata Norte e amanhã em Palmares, a Mata Sul. Com isso, para fechar o calendário em todas as regiões do Estado ficam faltando o Agreste, em Caruaru, e o Sertão do São Francisco, em Petrolina. O último está agendado para contemplar os municípios da Região Metropolitana do Recife.

 

CURTAS

OPOSIÇÃO– Já a bancada de oposição vasculhou as ações do Governo no Sertão do Araripe, passando nos municípios em que o governador esteve na semana passada, como Araripina e Ouricuri. Na semana que vez, deve agendar Carpina e Palmares. É sempre assim: a agenda sempre vai ao encalço dos municípios antes visitados pelo governador.

CONDENADOS– A Justiça do Rio condenou a ex-governadora do Rio de Janeiro, Rosinha Garotinho, e o ex-secretário de Comunicação, Ricardo Bruno, a suspensão dos direitos políticos por cinco anos, por improbidade administrativa. A decisão da 15ª Câmara Cível, por unanimidade, acatou pedido do Ministério Público do Rio (MP-RJ). Os dois informaram que vão recorrer.

Perguntar não ofende: Quem venceu o duelo: Lula ou Moro? 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

LULA É UM FENÔMENO SOCIAL DEMOCRATA! É REFERÊNCIA MUNDIAL! Chupa essa besteirinha coxas!!!

Nehemias

CASO BANESTADO: Maior caso de corrupção ocorreu na era FHC (PSDB) e não deu em nada. Bilhões de dólares e uma conta chamada tucano. Juiz do Caso: Dr. Sergio Moro! . Aconteceu na década de 90. US$ 124 bilhões saíram do Brasil através das chamadas contas CC5. Há quem diga que, na época, nem as reservas brasileiras em moeda americana chegavam a esse total. O banco usado para a roubalheira foi o Banestado e o ralo era Foz do Iguaçu/PR.

Nehemias

A elite já se prepara para a volta de Lula. Que será melhor que no 1° mandato.

Nehemias

Lula é, hoje, o símbolo da repulsa à destruição dos direitos trabalhistas e previdenciários da população é que a pesquisa Datafolha que o aponta na liderança – e sem competidor visível – constitui sinal de seu favoritismo nas eleições presidenciais do ano que vem. o favoritismo de Lula fará com que se inicie o processo de aglutinação em torno dele.

Nehemias

Resumo das postagens do dia, Lula é um líder mundial. A direita é uma Bosta Mentirosa!!!



11/05


2017

Coluna da quinta-feira

    Não houve batalha campal

O que era temível em Curitiba, ontem, no cara a cara do ex-presidente Lula com o juiz federal Sérgio Moro - um possível conflito de militantes do PT com apoiadores da operação Lava-Jato - felizmente não ocorreu. Diferente do que se previa - a tensão provocar uma guerra campal - a cidade viveu um dia mais tranquilo do que se imaginava. Tudo graças ao forte aparato policial montado para evitar a presença de manifestantes nos arredores do prédio da justiça federal.

A guerra foi evitada, sobretudo, porque os grupos pró-Lava-Jato se renderam ao apelo de Sergio Moro. Num vídeo gravado no último fim de semana, o juiz pediu que os apoiadores do seu trabalho evitassem qualquer tipo de concentração nas proximidades do prédio da justiça federal, onde tomou a oitiva de Lula. Ninguém arredou o pé as ruas. A única exceção foi um pequeno grupo exibindo o boneco Pixuleco nas proximidades do museu Oscar Niemeyer.

De sua parte, os militantes do PT e integrantes dos movimentos sociais, impedidos de chegar até ao prédio da justiça federal, resolveram concentrar os protestos de rua previamente organizados na praça central da cidade. Lá, enquanto Lula depunha, senadores, deputados federais e lideranças petistas e sindicais se revezavam no palanque com fortes discursos em defesa do ex-presidente Lula.

Entre os senadores, o pernambucano Humberto Costa, líder da oposição no Senado, Gleisi Hoffman e Lindbergh Farias. Humberto fez uma fala contundente. Afirmou que os golpistas já tiraram Dilma do poder e agora tentam um novo golpe, marcado pelo jogo sujo de inviabilizar a candidatura de Lula, que, segundo ele, lidera todas as pesquisas, imbatível na disputa de 2018.

Na Praça Santos Andrade, os aliados de Lula fizeram muito barulho, cantaram, dançaram e ecoaram o grito Fora, Temer. Também agrediram fortemente o juiz Sérgio Moro. Numa das faixas, o chamaram de canalha. Após depor ao juiz federal Sérgio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou de ato político na Praça Santos Andrade, no centro de Curitiba. Ele discursou por cerca de 20 minutos e se defendeu das acusações de corrupção.

Segundo a PM, cinco mil pessoas participaram do ato. Os organizadores estimaram o público em 50 mil. Lula depôs por quase cinco horas na Justiça Federal do Paraná em processo sobre o triplex no Guarujá. Ele é réu na ação. No ato público, ele se defendeu dizendo não haver provas de que o triplex é dele. "Eu quero que alguém diga que o apartamento é meu", afirmou. Disse ainda que prestaria quantos "depoimentos forem necessários". Além de Lula, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) também falou no ato.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Nehemias

Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma. O sonho é o que temos de realmente nosso, de impenetravelmente e inexpugnavelmente nosso. Lula presidente.

Nehemias

Moro: Olá Brasileiros! Eu aprendi com o Lula, que documento sem assinatura não vale.

Nehemias

Moro e Bonner. Dormem pensando no Lula.

Nehemias

Mídia estrangeira destaca Lula como vítima de perseguição.

Nehemias

Temer oficializa o fim da Farmácia Popular E agora bicada?


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores