A fala de sarjeta do ex-ministro

Fernando de Barros e Silva - Folha de S.Paulo 

O ministro Mário Negromonte (PP), das Cidades, foi acusado de oferecer R$ 30 mil de mesada a parlamentares de seu partido a fim de tentar reverter uma correlação de forças que lhe é desfavorável na bancada da Câmara. Em sua defesa, não se limitou a negar a acusação. Saiu cuspindo balas, literalmente: ''Para acabar com esse fogo amigo, um revólver só não resolveria. Teria que ser uma metralhadora para sair atirando''.

Em entrevista ao jornal ''O Globo'', o ministro de Dilma fez acusações e ameaças explícitas aos colegas do PP: ''Imagine se começar a vazar o currículo de alguns deputados. Ou melhor, a folha corrida''. E completou: ''Então aqui vai o meu alerta: em briga de família, irmão mata irmão, e morre todo mundo''. Estaria tudo certo se o autor das frases fosse Tony Soprano, dando conselhos para unir a ''famiglia''. Na boca de um ministro de Estado, não passa de desfaçatez vulgar. Negromonte parece confundir família e governo, máfia e coisa pública.

Não é o caso de brincar de Roma Antiga e atirar as pessoas aos leões, como sugeriu Dilma, criticando a espetacularização da faxina (que a rigor não existe), mas, sim, de lembrar essa tigrada que isso ainda é uma República, apesar deles.
Depois de Alfredo Nascimento (PR) e de Wagner Rossi (PMDB), além de Antonio Palocci (PT), chegou a vez de o PP oferecer a sua contribuição à degradação da política.

Mas não se trata de um rebaixamento apenas moral, o que já seria bastante. A fala de sarjeta do ministro Negromonte vale também como sintoma e metáfora de um governo pedestre, sem nenhum brilho ou capacidade de formulação, que se consome no varejo de escândalos em série, diante dos quais tem atitude no mínimo dúbia.  Por ora, a política do pão e circo (programas de transferência de renda para os mais pobres e ilusão de faxina ética para as classes médias) tem funcionado. Veremos até quando Dilma pode se segurar inspirada na Roma Antiga.

Publicado em: 28/08/2011