Filme de Lula: uma estreia entre fracasso e sucesso

 As 36 pessoas, numa sala que comporta 173, poderiam ser interpretadas como uma evidência clara de um fracasso estrondoso. Na primeira sessão de cinema do primeiro dia do ano, porém, o prognóstico é completamente contrário, informa o Correio Baziliense de hoje. “Sinceramente, nunca vi tanta gente nesse horário das 14h e depois de uma virada de réveillon, acho que a fita será um sucesso”, profetiza Paulo Dayrell, gerente do Embracine. No que depender das impressões dos espectadores iniciais de Lula, o filho do Brasil, que estreou ontem em todo o país, o longa vai mesmo atrair multidões. A discussão sobre o cunho eleitoreiro do filme parece passar longe da primeira leva de pessoas que fez questão de ir ao cinema logo na estreia da produção, orçada em 12 milhões, uma das mais caras da indústria cinematográfica brasileira. 

“É um registro de uma parte importante da história do Brasil tendo a vida do Lula como fundo. Não considero um filme com fins políticos, acho que não mudará em nada a percepção das pessoas”, afirma o médico José Carlos Natal de Moraes Filho, 36 anos, ao sair do cinema com a família. Nem a pequena Jade, filha de José Carlos e Shu Yating, escapou do primeiro programa dos pais em 2010. “Eu queria ficar na brinquedoteca, mas estava fechada, então eu entrei com eles. Mas no final foi legal ver a história do presidente”, fala a menina de 9 anos. Com a mesma simplicidade da filha, Shu Yating destaca ter se surpreendido com alguns fatos da vida do presidente. “Eu não sabia, por exemplo, que a primeira mulher dele tinha morrido no parto. É uma história interessante”, diz.

Publicado em: 02/01/2010