Coluna do sabadão

A Viúva Porcina do Recife

Na edição do jornal O Poder de ontem, no qual sou associado ao publicitário e jornalista José Nivaldo Júnior, informei que o deputado Túlio Gadêlha (PDT) caiu na chacota da corrida eleitoral do Recife com o batismo de “Viúva Porcina”, aquele que foi sem nunca ter sido, numa referência à personagem homônima, interpretada por Regina Duarte, na novela Roque Santeiro. Famoso apenas por ser namorado da global Fátima Bernardes, Gadêlha conseguiu a façanha de ser candidato por duas vezes sem nunca ter sido de fato.

Gadêlha se lançou pela primeira vez no início de janeiro, mas fez um papelão na renúncia. Magoado por não ter sido indicado pelo PDT líder do bloco das Minorias na Câmara, na mesma reunião em que o deputado Wolney Queiroz, seu algoz, foi escolhido líder da bancada, chorou copiosamente, feito menino. E ali, numa sessão de horror, comparado a um garoto que chora quando o pai nega bombom, jogou a toalha, afirmando que não seria mais candidato no Recife.

Mais tarde, arrependido, caiu no conto do presidente Carlos Lupi e voltou a anunciar, formalmente, que estava de volta à condição de pré-candidato a prefeito do Recife. Não sabia que estava sendo usado, literalmente. O que Lupi quis com a candidatura de Gadêlha, conseguiu: a barganha, pela qual o partido emplaca o vice na chapa de João Campos. A Gadêlha, Lupi pediu a indicação do nome para vice, mas até nisso o deputado vacilou.

Indicou o enfermeiro Rodrigo Patriota, que só ele conhece, com outro propósito, de esvaziar o balão da candidatura de João Campos. É claro que o PSB não engoliu, até porque o ninho socialista é uma seara de cobras criadas. Imediatamente, vazou pelas redes sociais uma pauleira do apadrinhado de Gadelha em cima de João. Resultado dessa ópera-bufa: o namoradinho de Fátima Bernardes perdeu a indicação para Lupi, que não conhece os quadros no Recife, rendendo-se ao nome da professora Adriana Rocha, hoje no PDT, mas que disputou pela Rede a eleição para o Senado em 2018.

JÁ VINHA BATENDO – Poucas horas após o PSB recusar o enfermeiro Rodrigo Patriota, a indicação do PDT para compor a chapa encabeçada pelo pré-candidato João Campos, um vídeo com a presença do pedetista circulou pelas redes sociais. Nas imagens, Patriota, que foi candidato a deputado federal por Pernambuco, em 2018, aparece fazendo uma comparação com João, eleito para a Câmara dos Deputados no mesmo pleito. "Quando fui candidato a deputado federal, dei uma entrevista como o candidato que recebeu o menor fundo partidário. Eu recebi do partido R$ 500 e o filho do governador, o João Campos, recebeu R$ 1,5 milhão. Então veja que distorção", enfatizou.

AUTOCRÍTICA Na coletiva, Túlio Gadêlha deu alfinetadas no PSB e chegou a admitir o desconforto em compor a Frente Popular. O dirigente fez questão de destacar que somente retirou seu projeto majoritário em nome da aliança nacional com os socialistas. Segundo ele, a sigla aliada teria ameaçado retirar o apoio ao PDT em 40 municípios e o comando nacional pedetista fez um pedido para não dificultar a unidade nacional. Crítico do PSB, Gadêlha disse que encaminhou um documento com compromissos programáticos para o pré-candidato João Campos assinar. A avaliação do parlamentar é de que o PSB precisa fazer uma autocrítica e que o PDT está "dando uma oportunidade ao PSB".

BOLSONARO VAI DE FEITOSA Até quarta-feira, prazo final para realização das convenções, o cenário no Recife deve ter uma surpresa: a sinalização do candidato formal do presidente Bolsonaro, o pré-postulante do PSC, Alberto Feitosa. Bolsonaro admira Mendonça Filho e elogia sua passagem pelo Ministério da Educação, mas já sentiu que o eleitorado bolsonarista na capital pernambucana não quer Mendonça, mas Feitosa. Não se sabe ainda se o presidente fará uma declaração de apoio pelas redes sociais, mas algo virá para levar o leitor que deseja votar no Recife com um candidato alinhado ao Planalto a optar imediatamente por Feitosa.

CUSTO ALTO Servidores públicos em licença remunerada para concorrerem a cargos eletivos custam milhões aos cofres públicos. Nas eleições municipais de 2016, um estudo obtido com exclusividade pelo Estadão aponta que o custo para o erário público foi de cerca de R$ 700 milhões. Nas eleições de 2020, adiadas para novembro por causa da pandemia do novo coronavírus, eles avaliam que o montante pode chegar à cifra de R$ 1 bilhão, em razão da probabilidade no aumento do número de candidatos a vereador, com base no fim das coligações proporcionais. Pelo levantamento do professor doutor Fernando Botelho (FEA-USP) e do doutor em ciência política pela USP Humberto Dantas, o pagamento integral do salário desses servidores-candidatos nas eleições municipais de 2016 custou aos cofres públicos R$ 687.836.831,77. O valor equivale a mais de 80% do Fundo Partidário orçado para aquele ano.

FERROVIAS ABANDONADAS O presidente Jair Bolsonaro fez uma viagem ao interior da Bahia, ontem, para o lançamento da construção de 18 quilômetros de trilhos no Estado. Em ofício endereçado ao governo, no entanto, a associação que representa os usuários de transporte de cargas no País relatou que há no País 18 mil quilômetros de ferrovias "abandonadas". O documento foi protocolado no Ministério da Infraestrutura. Nele, a Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga expôs dados de subutilização e abandono de ferrovias, além das "preocupações dos usuários quanto a possíveis reduções na oferta de capacidade de transporte ferroviário em determinadas regiões”, a curto e médio prazo.

PESQUEIRA À frente da primeira pesquisa Opinião/Blog do Magno para prefeito de Pesqueira, postada, ontem, o cacique da Tribo Xucuru, Marcos Luidson de Araújo, do Republicanos, já foi denunciado pelo Ministério Público por propaganda antecipada. O juiz Marco Antonio Tenório acatou representação do MPPE referente ao fato dele ter promovido ações de higienização e distribuição de máscaras no distrito de Mutuca, zona rural do município, como forma de prevenção ao novo Coronavírus. Para o magistrado, esse tipo de trabalho cabe à gestão municipal.

Perguntar não ofende: Depois de tamanhas trapalhadas, Túlio Gadêlha ainda vai subir no palanque de João Campos? 

Publicado em: 11/09/2020