Coluna da terça-feira

Violência crescente com pandemia

É inadmissível que em meio à pandemia, com decisões extremadas pelo isolamento social como o estágio de lockdown, primeiro na Região Metropolitana e agora no Agreste e Sertão, Pernambuco continue campeão em violência urbana. O último fim de semana foi de terror com chacina resultando na morte de cinco pessoas em Ipojuca, região turística, mãe de Porto de Galinhas, e o assassinato de um blogueiro em Rio Formoso, junto com um filho de apenas 15 anos.

Aonde chegamos? Se com bares fechando às 20 horas, no mesmo horário de restaurantes, a situação está assim, imagine com o liberou geral? Cadê o Pacto pela Vida? Desde a morte de Eduardo Campos, há seis anos completando na próxima quinta-feira, o Estado perdeu completamente o controle dos crimes letais. Eduardo fiscalizava e acompanhava o programa como se fosse sua principal vitrine do Governo. Quanto menos crime, mais premiação aos agentes envolvidos em suas respectivas áreas.

Era um tempo em que se contavam mortes para menos, não para mais como agora. Um tempo em que Pernambuco ganhava prêmios nacionais e internacionais, tempo em que governadores e até o presidente da República se referiam ao modelo do pacto como laboratório testado e copiado. Cinco mortes numa noite sangrenta em Ipojuca, com mais 12 feridos, levam Pernambuco, novamente, às páginas policiais dos jornais nacionais e aos telejornais da criminalidade.

Isso é como crescer feito rabo de cavalo – para baixo. Nesse ritmo, daqui uns dias o Estado volta a ocupar, novamente, a liderança do ranking da violência no País, batendo, proporcionalmente, São Paulo e Rio de Janeiro. Se a procura de turistas já caiu drasticamente pela pandemia do coronavírus, agora chegará ao fundo do poço em consequência das cenas de bang-bang, de um faroeste inadmissível, um novo território sem lei lembrando a época do cangaço.

Pernambuco já perdeu muitos investimentos e turistas por outro motivo lá atrás: os ataques de tubarões na praia de Boa Viagem. Depois, o derramamento de óleo, que tomou conta de todo o litoral não apenas pernambucano, mas nordestino. Tudo isso é plenamente recuperável, mas violência não. Quando se perde o controle desta, o medo afugenta e não há outra saída que não passe por uma nova política capaz de restaurar o sucesso do Pacto pela Vida.

Descartado – No caso do assassinato do blogueiro Áquila Bruno Silva e seu filho Bruno Filho, de apenas 15 anos, não há indícios de agentes políticos envolvidos. O que a polícia apurou, pelo menos ao longo do dia de ontem, em meio a um clima de consternação em Rio Formoso, local da tragédia, se deu em consequência de desentendimentos envolvendo o filho morto com um jovem da sua mesma idade, que acabou envolvendo os pais de ambos. Mas a polícia ainda não deu, oficialmente, a versão de tudo que apurou. De acordo com a Polícia Civil, um suspeito do crime, um guarda municipal, foi identificado por duas testemunhas, que já prestaram depoimento. Segundo uma delas, dona de um mercadinho, o carro da vítima estava estacionado em frente ao estabelecimento quando ocorreram os disparos.

Rubem derrotado – O Diretório Nacional do PSOL rejeitou, por 35 votos contrários e 28 votos a favor, o recurso apresentado por filiados do PSOL de Recife que solicitava a realização de prévias para a disputa eleitoral majoritária na capital pernambucana em 2020, segundo antecipou, ontem, o portal da Folha de Pernambuco. O recurso encaminhado pelo o ex-deputado federal Paulo Rubem (PSOL) pedia a viabilidade de sua candidatura à Prefeitura do Recife nas eleições deste ano. O resultado oficializou o apoio do partido a pré-candidatura da deputada federal Marília Arraes (PT). Se Marília não atrair uma aliança mais ampla, com partidos de densidade eleitoral, a tendência é que o PSOL acabe indicando o seu vice.

Nova pesquisa – Na próxima semana, em parceria com o Instituto Potencial, de Salvador, este blog trará a segunda pesquisa sobre a sucessão do prefeito Geraldo Júlio (PSB). Na última, há 30 dias, a petista Marília Arraes apareceu liderando com 21%, dez pontos à frente dos demais concorrentes – João Campos (PSB), Patrícia Domingos (Podemos), Mendonça Filho (DEM) e Daniel Coelho (Cidadania), situados em segundo lugar numa espécie de empate técnico. Alberto Feitosa, do PSC, e Marco Aurélio, do PRTB, despontaram em último lugar. No novo levantamento, também teremos a avaliação da gestão de Geraldo, do governador Paulo Câmara e do presidente Bolsonaro.

Batida na Globo – Dezesseis horas após o fim da edição especial do Jornal Nacional no dia em que se registrou 100 mil brasileiros mortos por covid-19, Jair Bolsonaro postou uma resposta às insinuações feitas no telejornal de que ele, enquanto presidente, foi omisso no gerenciamento da pandemia no País e insensível com os doentes e as famílias das vítimas fatais. Em seu perfil no Facebook, o chefe do Executivo fez críticas e acusações contra o principal canal da família Marinho. "Muitos gestores e profissionais de saúde fizeram de tudo pelas vidas do próximo, diferentemente daquela grande rede de TV que só espalhou o pânico na população e a discórdia entre os Poderes", afirmou.

CURTAS

PRORROGAÇÃO – O Tribunal de Contas do Estado concedeu, ontem, mais 15 dias de prazo para que a Prefeitura do Recife apresente sua defesa quanto à compra ilegal de respiradores testados em porcos e não aprovados pela Anvisa. A elasticidade foi autorizada pelo conselheiro Carlos Neves, nomeado pelo governador Paulo Câmara, ex-advogado dos imbróglios jurídicos do PSB, mesmo partido com o poder da caneta na Prefeitura da capital. Apesar de a Gerência de Contas da Capital já ter concluído a auditoria desde 26 de junho e dos envolvidos terem sido notificados para apresentar defesa até 29 de julho, o diretor Financeiro, Felipe Soares Bittencourt, não apresentou suas alegações tempestivamente, solicitando adiamento do prazo, concedido pelo relator, conselheiro Carlos Neves. Não sabe o nobre conselheiro que o povo cansou e exige mais transparência no caso, um soco no estômago de todos nós.

SISTEMA PENITENCIÁRIO – A advogada criminalista carioca Maíra Fernandes é uma das mais credenciadas defensoras dos direitos humanos no País. É a convidada da live de amanhã, às 19 horas, pelo Instagram deste blog. Ninguém conhece como ela alternativas para melhoria da política prisional, investimento pelos estados em modelos de apoio aos detentos, como associações de proteção e assistência a condenados e colônias agrícolas. É grande estudiosa das legislações sobre drogas. Acha que deixar que o policial decida se a quantidade de droga apreendida configura tráfico ou uso, sem tabela de quantidades, dá margem a arbitrariedades e defende a criminalização das drogas no País. Se você ainda não segue o Instagram do blog, anote o endereço: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Em que vai dar essa briga do presidente Bolsonaro com as Organizações Globo?

Publicado em: 10/08/2020