Silvio Costa joga a toalha

“Quem compreende um pouco da cena político-eleitoral sabe que, nesta eleição municipal, a força da máquina – mais do que nunca – terá relevância fundamental.

Em 2020, será uma campanha sem campanha. Sem caminhadas, sem porta a porta, sem o abraço, sem aperto de mão, sem o olho no olho, sem comícios, enfim, uma campanha sem vida, sem emoção.

Conversei com os pré-candidatos a prefeito de Jaboatão dos Guararapes pelas oposições e ponderei que deveríamos construir a unidade já no primeiro turno.

Disse que deveríamos esquecer os projetos pessoais e partidários isolados e escolher o nome que reunisse as melhores condições políticas para representar as bandeiras da oposição.

Com a candidatura única ganharíamos musculatura eleitoral, teríamos mais visibilidade e, acima de tudo, aumentaríamos a expectativa de poder da oposição. 

Infelizmente, não foi possível fazer essa construção política. Uns concordaram com a tese, outros disseram que seriam candidatos de todo jeito.

Em função dessa impossibilidade de unidade, decidi abrir mão de minha pré-candidatura à prefeito, porém, vou continuar dialogando com todos os pré-candidatos que desejem construir uma Jaboatão mais inclusiva e justa.

O povo de Jaboatão – a segunda maior cidade de Pernambuco – merece ter uma expectativa de futuro melhor e a possibilidade concreta de progresso para a cidade. É nisso que acredito”.

Silvio Costa – ex-deputado federal

Publicado em: 03/08/2020