Podem ser incompetentes, ladrões não creio

Por Edson Barbosa*

Acredito que moral, posição, responsabilidade política, são valores pessoais e coletivos inalienáveis. Escolhas que fazemos na vida. Tenho profundas divergências e tristeza com a condução que se dá ao legado político/administrativo de Eduardo Campos em Pernambuco. Mas, hoje quero escrever sobre o assunto da pauta. Não acredito que Paulo Câmara, Geraldo Júlio e os seus secretários de Saúde  sejam ladrões. Menos ainda, ladrões da saúde do povo. 

Podem ser incompetentes na política, e são. Mas foram bons gestores, quando bem dirigidos, quando suas opiniões políticas eram secundárias, insignificantes até, e seus comportamentos éticos eram vigiados firmemente por Eduardo. Bem sei. Mas, roubar, ou ser incapaz por dolo, com a relação necessidade/custo/legalidade num momento de mortes aos milhares, não acredito que faça parte dos defeitos que têm. É preciso fiscalizar, sim. É possível que haja erro na operação de compras emergenciais sem licitação no pico de uma catástrofe. É possível. 

Mas embarcar numa onda de criminalização prévia me parece precipitado e até pactuado com interesses outros. É hora de salvar vidas e fiscalizar os suprimentos. Embarcar no denuncismo politiqueiro, por um lado fortalece burramente aquilo que se pretende combater. E, por outro, revela o oportunismo de alguns, mostra como se juntam no mesmo objetivo.

O povo que não está morrendo, está vendo. Mas, para que as coisas sejam claras, fossem hoje as eleições em Pernambuco, eu votaria na oposição. Para ser mais preciso, votaria nas mulheres da oposição ao Governo Federal, o maior responsável pela catástrofe, pelo descontrole, pela desumanidade, pelo modo extermínio de gente, como se comporta. 

Votaria em Marília, Priscilla, Luciana, Raquel, Débora, Maria do Céu, Tânia Bacelar - sempre, e tantas mulheres com moral, e competência, para falar das que conheço, entre tantas pernambucanas que nos ensinam a ser cidadãos melhores. Que têm tradição, pluralidade e comando, para esse momento de tanta dor.

Já que estão misturando  pandemia, política e eleições, penso que a hora possivel, em Pernambuco, seja das mulheres no comando, nas câmaras de vereadores e nas prefeituras. Onde não for possível, que prosperem os homens de bem.

*Jornalista e publicitário

Publicado em: 30/05/2020