Joaquim diz que Celso de Melo cometeu abuso

Durante análise sobre o atual quadro político o ex-governador e ex-deputado constituinte Joaquim Francisco lamentou que “em plena pandemia com tantos e tantos graves problemas para decidir o ministro Celso de Mello tenha concedido liminar em uma decisão monocrática dando acesso à uma reunião privativa do presidente da República com os ministros”.

Para ele a divulgação do vídeo, independentemente do conteúdo, “evidencia a invasão de um poder na competência do outro e isto é muito ruim, pois a Constituição estabelece claramente as competências e estabelece também que os poderes são independentes e harmônicos. A decisão do ministro do STF não contribui para o país”.

“Assisti o vídeo da reunião na íntegra, lamentando que esse tipo de reunião tenha sido divulgado. Em minha opinião o ministro errou. Arquivos como esse só são acessados no mundo inteiro somente vinte a trinta anos depois para evitar justamente não só problemas em relação ao país como também nas relações internacionais, porque ali, numa reunião privada, se poderia comentar fatos sem a cautela que deve presidir uma reunião aberta.

“Em terceiro lugar, eu vejo que a linguagem do presidente foi muito criticada e que a linguagem ideal de um presidente deveria ser a linguagem formal e a linguagem respeitosa..., mas o presidente da república não é assim, como não era Collor, como não era Dilma, como não era Figueredo, como não era Itamar, como não era Lula que tem até livros e relatos sobre ele contando pelo menos trinta histórias das mais duras e grosseiras que eu não posso nem dizer aqui em respeito aos leitores”, analisou Joaquim Francisco.

“Alguns ministros podem ter dito palavras mais graves, mas não tão graves quanto, como todos devem lembrar, na briga do ministro Luís Barroso com o ministro Gilmar Mendes ao vivo em uma sessão do STF, onde não disseram nenhuma palavra considerada ofensiva ou feia, mas o ministro Barroso disse que Gilmar Mendes tinha capanga e o ministro Gilmar rebateu dizendo que Barroso precisava fechar o escritório dele”.

“Então, não é por aí que se consolida uma República, não é por aí que se constrói, em uma época de crise e dificuldades, um roteiro, um rumo seguro para a gente tirar esse país da dificuldade. Durante vinte anos tivemos governos de esquerda/centro-esquerda no país, computando o período de Fernando Henrique, de Dilma e Lula, e com apenas um ano e meio de um governo de direita já se quer fazer todo um julgamento da palavra, da forma de dizer, da forma de se reunir, da violação da privacidade etc”.

“Não se deve isentar ninguém. O presidente pode ter se excedido em determinadas ocasiões. Mas não existe unanimidade nesses procedimentos. A sinceridade por vezes pode ser agressiva e isso não deve ser fruto do policiamento permanente das palavras de um chefe de estado”.

“Eu acho que nesse momento deveria haver uma chuva de consensos e vamos implorar para que isso ocorra, em razão de todos os sofrimentos, dos desempregos, dos problemas... Inclusive eu li que está havendo um fenômeno de retorno de migrações de nordestinos desempregados dos estados do Sul e Sudeste voltando para suas cidades de origem. Só em uma cidade pequena da Bahia foram mais de 120 pessoas que retornaram nos últimos 60 dias e esse é mais um grave problema que vamos enfrentar. Para isso, os governadores do Nordeste precisam se articular com o presidente da República, baixar as armas e não pensar só no fato eleitoral. Devem pensar também na união, o que até houve semana passada com a reunião do presidente com os governadores e quando, finalmente, as armas estavam se abaixando, aí vem essa decisão arbitraria do ministro Celso de Mello de divulgar a reunião dos ministros e isso incendeia novamente o país”.

“Eu lembraria que a questão da radicalização não é algo exclusivo do atual governo. Nesses últimos vinte anos tivemos várias invasões de terra do MST, inclusive de uma propriedade do presidente FHC. O gabinete do então ministro José Serra foi invadido pelo MST em Brasília. Então não se deve ficar procurando mais fatores de inflamação da nação. O que se deve procurar é o antibiótico e o remédio correto para que a gente possa avançar positivamente. A divulgação da reunião ministerial de 22 de abril não compromete o presidente da República. Pelo contrário, verificou-se a sinceridade com que ele tratou os temas do país e tenho a percepção que a divulgação foi uma atitude autoritária”, concluiu Joaquim Francisco.

Publicado em: 26/05/2020