A culpa é da casca de banana

Por Jose Adalbertovsky Ribeiro*

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Um belo dia, ao caminhar numa estrada da vida, o Capitão Johnnie Bravo avistou uma casca de banana. “!Lá vou eu escorregar de novo”, avisou. Dito e feito. Atolou os quatro pés, de corpo e alma, na casca de banana, sem medo de ser infeliz. Esborrachou-se. Taokay!

A culpa é da casca de banana. A culpa é das bananas. A culpa é do bananal, protestou. Ao lado dele, à esquerda da vírgula, vinham caminhando os três zeros do Apocalipse, os detonautas  Zero 1, Zero 2 e Zero 3. Todíssimos unidos, eles deram um banana para a mundiça. Tá okay!

A vida é uma casca de banana. A política é uma casca de banana. Navegar em cascas de banana é o ofício da vida.

Eu vos direi: as bananas são inocentes. Banana dá sustança, engorda e faz crescer.

O Capitão e seus cordões umbilicais não cultivam aliados. O governo é autofágico, devora aliados. As provas estão nos autos,  senhores do conselho de sentença. Olhai o lírios dos campos, vide um Bebbiano, um general Santos Cruz, um Mandetta, o mais recente o valente e competente Sérgio Moro. Dedetizar um oportunista tipo Dória, tudo bem, pau nele.

A autofagia de que falo refere-se ao caso do aliado fiel de primeira hora, deputado Luciano Bivar, uma mulher intrépida feito a deputada Joice Hasselmann, entre outros que se tornaram alvo dos detonautas da família.

Até onde minha retina alcança Sergio Moro é herói nacional, credor de todos os louvores. Não me passa pela cabeça, nem de raspão, a ideia de que ele seja um traíra. (O bode rouco deve estar adorando) Isto não combina com a trajetória nem com o desapego dele ao poder.

A história do combate à corrupção no Brazil se divide em antes e depois do juiz Sérgio Moro e da Operação LavaJato. Apenas para lembra o óbvio, ele foi o cara que desbaratou e botou na cadeia a maior quadrilha de assalto aos cofres públicos do País. Botou na cadeia e amarrou os processos, lutando contra as forças supremas do mal. Isto não é pouca coisa. E o mais são filigranas jurídicas. Não se combate corrupção pesada com delicadezas nem com luvas de pelica.

A partir de agora o previsível é que as forças do mal irão redobrar o empenho para anular os processos das quadrilhas do Petrolão, com base na declaração, sumamente inverossímil, de que Moro tentou barganhar para ser indicado ministro do Supremo. Um cara que enfrentou e venceu tantos demônios na Operação LavaJato ... imagino que esteja acima mesquinharias, ou do contrário devemos acreditar na conspiração das cascas de banana.  

Ao meu rei, tudo, menos a honra, diz a sabedoria proverbial. Ser aliado e defensor, sim; ser capacho, never jamais.  

A fila anda. Próxima temporada qual ministro irá interpretar o papel de casca de banana? Novos episódios são previsíveis.

Este é o meu tratado filosófico sobre as cascas de bananas.  Meu colega o filósofo Nietzsche, modéstia à parte, falava no “eterno retorno”. O tema vem desde a Antiguidade. É a predestinação da vida.

*Jornalista

Publicado em: 27/04/2020