Coluna do sabadão

Um borra-botas no poder

Quando um chefe de Estado perde o respeito pela Imprensa, perde o País, a sociedade, o poder e as instituições. Ao debochar, ontem, mais uma vez, dos jornalistas que cobrem as atividade do Planalto em Brasília, informando que tinha ido ao hospital fazer um teste de gravidez quando recaia nele, mais uma vez, dúvidas em relação à contaminação pelo Covid-19, o presidente debochou da sua própria Pátria.

A Imprensa é o quarto poder, queira ele ou não. Se não sabe, até porque parece que não é dado a leitura da mesma forma que Lula, a Imprensa pode causar mais danos que a bomba atômica. E deixar cicatrizes no cérebro dele, que parece ser povoado de cocô de galinha. Aparentemente, a Imprensa tem má-vontade com ele, ultrapassa os limites éticos, mas isso não significa que os jornalistas inteiros devam receber uma sentença de morte por causa disso.

Para aguçar a mente doentil dele, a Karl Marx, que disse que a Imprensa livre é o olhar onipotente do povo, a confiança personalizada do povo nele mesmo, o vínculo articulado que une o indivíduo ao Estado e ao mundo, a cultura incorporada que transforma lutas materiais em lutas intelectuais, e idealiza suas formas brutas. As nações prosperam ou decaem simultaneamente com a Imprensa, dependendo de quem as lideram. No caso do Brasil, com Bolsonaro, caminha mais para decadência.

Vale, também, para ele, a reprodução de uma frase antológica de Rui Barbosa: “A imprensa é a vista da Nação. Por ela é que a nação acompanha o que lhe passa ao perto e ao longe, enxerga o que lhe malfazem, devassa o que lhe ocultam e tramam, colhe o que lhe sonegam, ou roubam, percebe onde lhe alvejam, ou nodoam, mede o que lhe cerceiam, ou destroem, vela
pelo que lhe interessa, e se acautela do que ameaça.”

Para ele, enfim, o genial Nelson Rodrigues: “Nós, da imprensa, somos uns criminosos do adjetivo. Com a mais eufórica das irresponsabilidades, chamamos de 'ilustre', de 'insigne', de 'formidável', qualquer borra-botas."

Bolsonaro é um borra-botas.

Ação de débil – Num total desrespeito a um País que agoniza com o coronavirus, tendopassado de mil mortos e 20 mil casos, o borra-botas andou novamente, ontem, por áreascomerciais e residenciais de Brasília, apesar de orientações das autoridades sanitárias de que apopulação mantenha o isolamento social, em decorrência da pandemia de coronavírus. Opresidente primeiro foi ao Hospital das Forças Armadas (HFA), depois a uma farmácia no setorSudoeste e, por fim, a um prédio residencial, na mesma região.Na farmácia e no prédio, apoiadores se juntaram para ver o presidente, também contrariando a orientação de se
evitarem aglomerações.

Reação dos contra – Na ruas ocorreram manifestações de apoio ao presidente, mas também houve pessoas que bateram panelas em suas janelas e gritaram palavras de ordem contra Bolsonaro. O Ministério da Saúde, seguindo a Organização Mundial de Saúde (OMS), ressalta diariamente a necessidade de as pessoas ficarem em casa e não saírem a não ser para
alguma atividade essencial. A medida é fundamental, de acordo com as autoridades, para desacelerar a contaminação por coronavírus e aliviar o impacto sobre o sistema de saúde. Bolsonaro, por sua vez, defende medidas mais brandas.

Triste saldo – Até ontem, Pernambuco registrou 129 novos casos de pacientes com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Com isso, o Estado totaliza 684 casos de pessoas infectadas. Foram confirmados, ainda, nove óbitos de pacientes com a doença e, com isso, o Estado contabiliza 65 mortes. As mortes confirmadas no boletim da Secretaria de Saúde foram de duas mulheres e sete homens, com idades entre 38 e 87 anos, que faleceram entre a segunda (6) e a quinta (9).

Indícios de execução – A policia está apurando que a morte do advogado Levi Borges, de 72 anos, ontem, num condomínio do Paiva, no Cabo, possa ter sido um caso de execução. Familiares prestaram informações que desconfiaram de um carro branco seguindo a vítima nas última semanas, provavelmente o mesmo usado pelo autor dos tiros. Também chegou ao conhecimento da policia de que o crime pode ter relação com pessoas contrariadas em um processo que está sendo julgado por sua filha Andrea Cartaxo, juíza no Recife. Levi tem mais uma filha juíza em João Pessoa, onde morava, e a viúva Marisa é juíza aposentada.

CURTAS

ADVOGADO ERA BATERISTA – Advogados, juristas, desembargadores, enfim, o mundo jurídico de Pernambuco e da Paraíba está em estado de choque com a morte do advogado. Um advogado de João Pessoa com o qual conversei, ontem, me dizia que Levi Borges era uma pessoa de bem com a vida, alegre, doce, divertida e feliz com a família que constituiu. Disse, ainda, que era uma das pessoas mais animadas em festa, tocador de bateria e brincalhão. “Seu conceito na Paraíba era muito bom, tanto que não teve dificuldade de ser eleito vereador em João Pessoa quando decidiu entrar na politica”, revelou.

VIVA TUPARETAMA! – Tuparetama, no Sertão do Pajeú, não terá a alegria de ver gente nas suas, hoje, para comemorar seus 58 anos de emancipação política, mais uma vez com Sávio Torres sob seu comando. Tudo por causa na pandemia do coronavirus, que encarcera o povo em casa. A propósito, Sávio deu uma guaribada na infraestrutura da cidade, berço do poeta Valdir Teles, que foi chamado para eternidade. A crise parece não ter sido impedimento. Do limão, faz uma limonada. Entrega, hoje, uma escola modelo e referência na região, com 12 salas de aula, todas com ar condicionado. Ampliou a equipe médica que atende na cidade e na zona rural e tem mantido a folha em dia, façanha que poucos prefeitos da região conseguem.

PREFEITO CULPA EMPRESÁRIO – O prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vieira (PSDB), esclarece que não distribuiu cestas básicas nem o peixe da Semana Santa, ontem, na cidade, conforme atesta um vídeo postado neste blog. Segundo ele, a responsabilidade pela aglomeração humana, em desrespeito ao decreto baixado pelo governador Paulo Câmara foi de um empresário. “Quando soubemos, cuidamos de imediato de dispersar as pessoas recorrendo à Polícia Militar”, garantiu.

Perguntar não ofende: Bolsonaro está cavando o seu próprio impeachment?

Publicado em: 11/04/2020