Corona chegou e a mundi├ža vermelha delirou, delirou

Por Jose Adalbertovsky Ribeiro*

MONTANHAS DA JAQUEIRA – O coronavirus derruba a Bolsa de Valores. O dólar opera em alta. São registrados 15 ou 12 ou 20 casos suspeitos da doença em todo o Brazil-continente numa população de 221.195.203 habitantes. A mundiça da seita vermelha faz uma farra danada, comemora as trapalhadas. O ideal, segundo eles, seria o presidente sair na tapa e chamar os jornalistas de filhos de uma mãe heterodoxa. A seita vai adorar.

Ah maldade! Estão dizendo que a irmã Damares quer impor a abstinência sexual aos gregos e aos troianos, aos pernambucanos, aos paulistanos, paraibanos, Waldick Sorianos, baianos, maometanos e até aos últimos dos moicanos. Never, jamais! A dama da goiabeira recomenda abstinência sexual apenas para as meninas de 10 ou 12 anos não serem emprenhadas nos bailes punks e funk e na dança da boquinha da garrafa.

No mais, as donzelas do grelo duro, os marmanjos do grelo mole, criaturas do sexo binário e trifásico de 20, 30 e 80 anos, mulheres sexag que têm um ponto fora da curva, liberem seus hormônios, os pequenos lábios, os grandes lábios, podem rosetar à vontade, enquanto houver sol, enquanto houver lua, enquanto aguentar o rojão.

A erotização das empresas públicas levou o Brazil aos caminhos da perdição. Nosso País parecia uma casa de recursos, como se dizia antigamente, o Eros. A Petrobras refinava sonhos eróticos. Eu quero mesmo é rosetar o Brazil, dizia o bode rouco a bordo da petrolífera.

Maior casa de recursos do Brazil, onde rolam bilhões de denários, o BNDES serviu de ponto de encontro para transas escandalosas com ditadores de Cuba, Venezuela, Nicarágua e republiquetas africanas.

Conhecido taradão internacional, um tal de Nicolas Maduro participou de grandes orgias nas alcovas de cetim. Um dos casos mais escandalosos aconteceu com uma família de tarados de Angola,  milionários e tarados por corrupção. Mais de 3 bilhões rolaram nessas transas libidinosas, parceria BNDES-Angola. A família dos tarados corruptos mantinha laços de amizade com a seita vermelha.      

Assim tipo condenamos a erotização de crianças e inocentes, também  devemos repudiar a prática de sexo explícito pelos órgãos públicos de nosso Brazil.   

À moda de Damares, sugiro que as empresas públicas adotem usar cinto de castidade para evitar a prática de atos libidinosos contra nosso Brazil. E vou além: quem rouba os cofres públicos deveria ser capado para never more rosetar nossos sonhos verde-amarelos!

*Jornalista

Publicado em: 09/03/2020