O amor p├║rpura e os tiranos vermelhos

O chefe de Estado do Vaticano recebeu em audiência o autoproclamado guru da seita vermelha, e a mundiça do cordão encarnado delirou, delirou, relata o bicho-grilo Adalbertovsky em seu castelo no alto das montanhas da Jaqueira. “A pauta do convescote foi a seguinte: 1) um mundo mais justo e fraterno, ou seja, prisão de meliantes na milésima instância; 2) o Sínodo da Amazônia, tipo as benditas palestras da Odebrecht; 3) o combate à pobreza, a saber, o coronavírus da corrupção no Brazil”.

“Qual a religião do bode rouco? Quando toma um pileque, ou seja, todo santo dia, o guru da seita vermelha chama Jesus de Genésio. O chefe do Estado do Vaticano adora um palanque, de preferência vermelho. Dia desses ele recebeu de presente do cocalero boliviano um Crucifixo na forma do símbolo comunista foice e martelo. Ficou encantado. Que lindo! Em meados dos anos 1970 e 1980 a Argentina vivenciou a brutal  ditadura militar do general Jorge Videla, sendo os cristãos perseguidos. Há relatos de omissão e também de que o cardeal salvou vidas, mas em tempo algum o cardeal globalista enfrentou a ditadura de peito aberto”.

“O amor da cor púrpura do Vaticano já confraternizou com ditadores fratricidas tipo Nicolas Maduro, o energúmeno Fidel Castro, com licença da palavra, e o cocalero Evo Morales, e agora beija as mãos do guru da seita vermelha. Agnes Dei, qui tollis peccata mundi, miserere nobis – Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós!” A crônica ecumênica do bicho-grilo Adalbertovsky está postada no Menu Opinião. Oremos!

Publicado em: 17/02/2020