Coluna deste sabadão na Folha

Fenômeno eleitoral inexplicável

A literatura política do Estado ainda não imprimiu um exemplar de uma obra para explicar o fenômeno eleitoral Gleide Ângelo, arrastão de votos das eleições 2018. Uns atribuem seus mais de 400 mil votos, carimbo do passaporte de entrada na Assembleia Legislativa, à forte exposição na TV antes da campanha, como xerife das saias vítimas da violência.

Outros, à arrojada performance nas redes sociais. Seja lá o que for, o fato é que a delegada comeu o cartão de muita gente que jamais imaginava que 2018 revelasse uma alma viva da nova seara política com tamanha desenvoltura nas urnas.

O que mais impressiona é que quando seu nome é posto para uma disputa majoritária em qualquer cenário de pesquisa nos mais diversos centros urbanos da Região Metropolitana, incluindo Recife, dá de lapada em todo macho com cabelo na venta, a começar por Anderson Ferreira, em Jaboatão, município que ela será a estrela de 2020.

Sem apego ao poder – O prefeito de Triunfo, João Batista (Avante), é outra espécime rara da política. Apesar de pilotar um governo bem avaliado, que mudou hábitos e deu cara nova à cidade, não quer saber de reeleição. Acha que já deu a contribuição ao município como filho, fiel e leal, e deseja voltar ao seu escritório de advocacia. Enquanto isso, muitos matam e morrem pelo poder.

Dor de cabeça – O governador Paulo Câmara revelou, ontem, durante café da manhã oferecido a este colunista, no Palácio das Princesas, que o ítem estradas é o que mais provoca demandas em seu Governo, só perdendo para saúde. “Antigamente, era a segurança pública, que agora aparece em terceiro lugar, daí nossos esforços em priorizar a recuperação das rodovias”, afirmou.

Fiscalização – O TSE aprovou as primeiras resoluções com regras para as eleições municipais. A principal amplia o rol de entidades que podem fiscalizar a votação, incluindo as Forças Armadas, o Conselho Nacional de Justiça, o Tribunal de Contas da União e entidades privadas, sem fins lucrativos, que possuam a notória atuação em fiscalização e transparência em gestão pública.

Nadando em dinheiro – Em São José do Egito, o prefeito Evandro Valadares (PSB) fazia uma gestão mais suja do que pau de galeiro. Mas levou a sorte de o município botar no papo mais de R$ 10 milhões em precatórios, dinheirama que começa a mudar a face do seu governo tocando pequenas-grandes obras.

Divisionista – Sabendo que Evandro abriu um cenário bem favorável à reeleição, o ex-deputado José Marcos (DEM), até então líder nas pesquisas de intenção de voto para prefeito, já admite não entrar na parada, até porque o ex-prefeito Romério Guimarães (PT) insiste em dividir a oposição.

Tem lógica – O que se ouve nos bastidores é que o pré-candidato do PDT a prefeito do Recife, Túlio Gadelha, estaria mais propenso a ser vice de Marília Arraes. Por qual razão? Eleita, a petista logo se transformaria em candidata natural a governadora e, triunfando, Gadelha viraria prefeito.

Perguntar não ofende: Existe algum governador satisfeito com o tratamento dispensado aos Estados pelo presidente Bolsonaro?

Publicado em: 14/12/2019