Mulheres no comando da CBTU

O sistema de transportes de passageiros sobre trilhos é assunto para homem, certo? Não mais! Há dois meses, a unidade operacional que atende diretamente os municípios de Recife, Cabo, Jaboatão dos Guararapes e Camaragibe e, indiretamente, os demais municípios da Região Metropolitana vem sendo gerido por um time feminino, tendo à frente a superintendente Renata Teti, funcionária de carreira e que substitui o engenheiro Leonardo Villar.

Com Renata, outras vinte e cinco mulheres tem mudado a cara do comando da Companhia de Trens Urbanos de Pernambuco, que passa a ter uma presença feminina num ambiente que até então era totalmente masculinizado, a começar pela galeria de fotos que trazem apenas ex-gestores homens na parede.

Aliás, Renata é a primeira mulher no comando de uma ferrovia de transporte de passageiros em 160 anos de ferrovia no Brasil. Em nenhum outro estado do país houve uma superintendente mulher à frente da CBTU. Além de Teti, fazem parte da direção: Marcela Campos (Coordenadora de Administração); Vilza Sá Leitão (Gerente Jurídica); Danielle Figueiras (Gerente de Recursos Humanos); Helena Tavares (Chefe de Gabinete); Carolina Alves (Corregedora) e outras mulheres coordenadoras. A saber, a primeira mulher maquinista do Brasil foi uma pernambucana.

A superintendente Renata Teti justificou que nesse momento de grandes desafios é importante rever posturas, e elas passam também por questões de igualdade de gênero. “Certamente, é um grande desafio e só aceitei por ter a plena convicção de que não estarei sozinha, mas sim impulsionada por todo o nosso qualificado corpo técnico, pois sei que destes não faltarão empenho e boa vontade em elevar o nome da CBTU”, declarou. Renata ingressou na CBTU Recife em 1983, aos 22 anos, como agente administrativo, e ao longo de sua trajetória profissional atuou como oficial de gabinete, assistente executiva, gerente jurídica, assessora, chefe de gabinete e diretora adjunta de planejamento.

Pernambuco se destaca por ter a segunda ferrovia construída no Brasil, 1865 – com a linha Recife/Palmares. Atualmente, são 71 quilômetros de linha de ferro, sendo a terceira maior em extensão no transporte de passageiros do Brasil. A ferrovia de Pernambuco perde apenas para a de São Paulo e proporcionalmente transporta mais passageiros que as demais ferrovias do país. 

O sistema sobre trilhos possui três linhas implantadas nos corredores centro e sul da RMR – as Linhas Centro e Sul, eletrificadas, com padrão de trem metropolitano; e a Linha Diesel, com tração a diesel e características de trem de subúrbio. Conta com 40 trens, 8 VLTs e duas locomotivas. Tem 1.730 funcionários de carreira e pelo menos 680 terceirizados.

O metrô pernambucano transporta aproximadamente 385 mil usuários/dia, dispõe de integração física e tarifária com 62 linhas de ônibus através de 7 terminais fechados do Sistema Estrutural Integrado (SEI), permitindo aos usuários o acesso a toda a RMR mediante o pagamento de uma única passagem, além de dispor de integração somente tarifária com outras 30 linhas de ônibus.

Publicado em: 12/12/2019