Coluna desta quarta na Folha

Eriberto é candidato à reeleição

A Assembleia Legislativa incorporou, há 16 meses, uma nova roupagem com a ascensão do deputado Eriberto Medeiros (PP) ao comando da Casa, substituindo o até então eterno presidente Guilherme Uchoa, seis mandatos consecutivos, só deixando a coroa de rei vencido pela morte, em julho do ano passado, aos 71 anos.

Diferente do antecessor, Medeiros não dá murro na mesa, não abre polêmicas, tem alma e estilo mineiros. Divide as atribuições administrativas com o também mineirinho Clodoaldo Magalhães (PSB), primeiro-secretário, que ontem, em entrevista ao Frente a Frente, mandou um recado aos colegas: a dupla é candidatíssima a renovar o mandato na mesa diretora para o biênio 2021-2022.

A reeleição deve ocorrer em céu de brigadeiro, diante do silêncio na Casa em projetar um candidato competitivo, audacioso, capaz de enfrentar Eriberto, inflado pelo rolo compressor do Governo.

Reaproximação ao poder – A família Costa, do ex-deputado Silvio Costa (Avante), hoje abrindo luzes da ribalta na esfera nacional com o habilidoso deputado Silvio Costa Filho (Republicanos), tem gostado do café quentinho servido no Palácio das Princesas. Nas rodas em Brasília, o próprio Silvinho, como é tratado, vez por outra se derrete em elogios ao Governo Paulo Câmara, sinalizando reaproximação.

O sinal – Não foi por acaso que o deputado estadual João Paulo Costa (Avante), ainda imberbe, foi bater continência para o governador na confraternização do Executivo com o Legislativo, segunda-feira passada,  no Salão das Bandeiras. Foi tão festejado como governista quanto o revel de Alberto Feitosa (SD), que anda às turras com Câmara e seus auxiliares mais próximos.

Quitou – Há dois meses, esta coluna denunciou que os comissionados que serviam em gabinetes de deputados estaduais não reeleitos, não tinham a menor sinalização de que receberiam suas indenizações em tempo. O primeiro-secretário Clodoaldo Magalhães (PSB) anotou a queixa, fez economia de guerra e acabou de pagar R$ 9 milhões devidos a 500 funcionários.

Cemitério – Virou chacota e pode entrar nos anais da Assembleia como a proposta mais ridícula da história da Casa: a aprovação de um voto de aplauso a um cemitério. Isso mesmo, não foi destinado ao dono, mas ao próprio descanso eterno da Morada da Paz, em Paulista. Autor: Romero Albuquerque (PP).

Candidato? – O presidente da Embratur, Gilson Neto, foi aconselhado por Bolsonaro a botar a cara no Recife com mais freqüência. Nome da preferência do presidente para disputar a sucessão de Geraldo Júlio (PSB), só em apenas um dia – na última segunda-feira – Neto esteve em quatro eventos de peso.

Quem apoiar?– Em Floresta, um fato inusitado: os dois potenciais candidatos da oposição – Rorró Maniçoba (PSB) e Gustavo Novaes (sem partido) – são aliados do governador, enquanto o prefeito Ricardo Ferraz (PRP), que vai à reeleição, também bate ponto no Palácio. Em que palanque Câmara subirá?

Perguntar não ofende: Depois de Pezão, ex-governador do Rio, qual o próximo leniente a ser solto?

Publicado em: 11/12/2019