Bolívia: poder opõe religião a tradições indíginas

Disputa por poder na Bolívia opõe religião católica a tradições indíginas.

Evo Morales abriu espaço para seu governo a figuras veneradas na região Andina, como a Pachamama (Mãe Terra) e o Tata Inti (pai Sol); Jeanine Añez, atual presidente interina do país, carrega a Bíblia debaixo do braço.

Jeanine Áñez, com uma Bíblia na mão, fala no palácio presidencial em La Paz Foto: AIZAR RALDES / AFP

Época - Por Carol Pires


No prólogo da constituição boliviana, aprovada por Evo Morales em 2009, ficou gravado: “Cumprindo o mandato de nossos povos, com a força da nossa Pachamama, e graças a Deus, refundamos a Bolívia”. Mas, agora que Evo renunciou à presidência e se exilou no México, a oposição parece querer re-refundar o país.

Na terça-feira à noite, a autoproclamada presidente da Bolívia, Jeanine Añez Chavez, adentrou o parlamento boliviano segurando uma bíblia grande. Era uma clara afronta ao ex-presidente, que baniu o livro sagrado do palácio presidencial em 2009, quando a nova constituição instituiu que a Bolívia é um país laico.

E essa não foi sua única afronta à tradição católica da Bolívia. Em 2010, reeleito a primeira vez, Evo saiu de uma reunião com o papa Bento XVI no Vaticano, e disse  à imprensa que a Igreja deveria se democratizar. Pediu ainda a abolição do celibato e o ordenamento de mulheres sacerdotes.

Apesar de também se declarar católico, Evo trouxe para os discursos oficiais referências às deidades da natureza veneradas na região Andina, como a Pachamama (Mãe Terra) e o Tata Inti (pai Sol). A cada agosto, mês Pachamama, participava de oferendas, que ele considera “ parte da identidade do nosso povo ”.

Mas o caldo entornou de vez quando, no início de 2018, foi incluído no código penal a criminalização do “recrutamento para a participação em conflitos armados ou organizações religiosas ou cultos". A pressão da igreja foi tanta, que ele se viu obrigado a anular este artigo.

Agora parece ter chegado a hora da revanche.  Luis Fernando Camacho, conhecido como “el macho”, líder da direita porrada e bíblia, anda por aí organizando a oposição à Evo com uma bíblia na mão: “A Pachamama nunca voltará ao Palácio. Bolívia é de Cristo", ele diz em uma gravação feita para as redes sociais. Em um tuíte, disse que pediria aprisão de Evo e seus ministros. “ No es veganza, es justicia divina ”. 

Confira a íntegra da reportagem na íntegra aqui: Disputa por poder na Bolívia opõe religião católica a tradições ...

Publicado em: 16/11/2019