Coluna desta quarta na Folha

Na briga, o SUS paga o pato

Na ânsia de esvaziar os negócios do presidente do PSL, o deputado pernambucano Luciano Bivar, dono da Excelsior Seguros, o presidente Bolsonaro anunciou, ontem, a extinção do DPVAT – Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres. Criado em 1974, 45% do seu valor arrecado por ano se destinam a reforçar o caixa do SUS, o Serviço Único de Saúde.

Na prática, são R$ 2 bilhões que deixarão de serem injetados na melhoria dos hospitais públicos e na compra de remédios para distribuição gratuita nas farmácias. Donos de veículos podem até achar justa e comemorar a medida, mas no fundo acidentados ou aposentados por invalidez ficarão sem seguro, descobertos.

Não sabe ou ignora o presidente que os R$ 2 bilhões excluídos do SUS contribuirão ainda mais para deixar os serviços públicos de saúde do Brasil na liderança do ranking como um dos piores do mundo.

Mais uma maldade – Para a deputada Marília Arraes, pré-candidata do PT à Prefeitura do Recife, a extinção do DPVAT é mais uma medida do pacote de maldades de Bolsonaro com os brasileiros. “Pessoas acidentadas, com invalidez permanente ou famílias de pessoas mortas no trânsito, ficarão sem o auxílio do Estado. O fim das fraudes foi a desculpa esfarrapada do presidente”, afirmou.

Tristinho – Numa longa entrevista, ontem, ao site da revista Época, o presidente do PSL, Luciano Bivar, afirmou que não estava desapontado com o presidente da República. “A gente só fica entristecido e decepcionado com alguém que conhece, eu não conhecia Bolsonaro”, justificou. Irado com Bivar, o presidente pretende tirar mais de 20 deputados do PSL para seu novo partido.

Ligação histórica – A nova superintendente do Metrorec, Renta Tetti, segundo uma fonte consultada ontem, tem ligação histórica com o presidente da CBTU, José Marques, a quem assessorou por mais de três anos no Rio de Janeiro, embora com residência fixa no Recife. Já Marques não tem ligação com o deputado Eduardo da Fonte, mas sim com o alagoano Arthur Lira (PP).

Herança – O prefeito de Araripina, Raimundo Pimentel (PSL), poderia ter assinado com a CEF, como outros prefeitos, a exemplo de Raquel Lyra (PSDB), de Caruaru, uma linha de crédito para investimentos no valor de R$ 50 milhões. Foi impedido, segundo ele confessou à coluna, pela herança maldita do ex-prefeito Alexandre Arraes, que deixou um papagaio de R$ 2 milhões de consignados.

Tiro no pé – Ninguém está entendendo o interesse do presidente da Câmara de Camaragibe, Toninho Oliveira (PP), em dificultar o andamento do processo de impeachment do prefeito afastado Demóstenes Meira (PTB), preso no Cotel. Manobra a favor de um grupo na contramão da história.

O REJEITADO – Em Salgueiro, o prefeito Clebel Cordeiro (MDB) continua misterioso em relação à sua disposição cívica de disputar a reeleição. Uma hora acena que topa, outra não. Há quem diga que não sai candidato devido ao altíssimo índice de rejeição da sua gestão e do seu estilo de governar.

Perguntar não ofende: Por que Raul Henry não quis assumir sua pré-candidatura no Recife ao discursar em Petrolina no ato de filiação do prefeito Miguel Coelho ao MDB?

Publicado em: 13/11/2019