Coluna desta terça na Folha

CPI do óleo na praia não vinga

Proposta pelo deputado João Campos (PSB), a CPI para investigar o derrame de óleo cru nas praias nordestinas subiu no telhado. Se depender do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), homenageado, ontem, no Recife, por empresários do setor energético do Nordeste, a ideia naufraga.

Por mais que o Governo vacile e se mostre impotente para chegar aos autores ou autor do desastre ecológico, não há clima no parlamento para se debruçar sobre a problemática.

Também o tempo é exíguo, o ano legislativo já se evaporou. Falando numa TV sábado passado, o presidente Bolsonaro alertou que vem mais derrame de óleo em direção às paradisíacas praias do litoral nordestino.

Deve ter, certamente, relatórios confidenciais da Marinha e da Polícia Federal. O leão (Bolsonaro) que está doido para estraçalhar a hiena (o STF), só não convenceu que está no caminho certo para punir os criminosos pelo atentado ao Nordeste.

Jogou pesado – Na sua fala, ontem, aos empresários do setor energético do Nordeste, Rodrigo Maia contou que, numa reunião em que a pauta do etanol foi posta à mesa de negociação com o Governo, chegou a perder as estribeiras. Adiantou que, diante da insistência do representante do Governo em não ceder na redução da cota importada, ameaçou derrubar o decreto em plenário, no voto.

Primeiro-ministro – Já o presidente do Grupo EQM, Eduardo Monteiro, foi enfático no papel cumprido por Maia e disse que se o sistema brasileiro fosse parlamentarista, o presidente da Câmara certamente estaria cumprindo muito bem o seu papel de primeiro-ministro. “O senhor é talhado para o diálogo num País em que assistimos a um processo de radicalização”, afirmou.

Silêncio – Maia não quis se manifestar sobre a prisão em segunda instância, julgamento a ser encerrado, amanhã, pelo STF. “Prefiro aguardar”, respondeu, secamente. Seu discurso foi extremamente equilibrado, fez a defesa das reformas administrativas e tributária e ainda deu uma cutucada em Eduardo Bolsonaro, defensor do AI-5, quando afirmou que não há clima no País para retrocesso.

Por que faltaram – Muita gente estranhou a ausência do governador Paulo Câmara e do prefeito Geraldo Júlio, ambos do PSB, ontem, no encontro do Fórum Energético do Nordeste, no Recife, com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. O primeiro alegou viagem inadiável a São Paulo e o segundo informou que não poderia abrir mão de um evento em Fortaleza.

Investida – Por incrível que possa parecer, o presidenciável Ciro Gomes trabalha para atrair para o PDT o passe da prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, não confortável no PSDB. O problemão é que a tucana sem plumas virou arqui-inimiga de José e Wolney Queiroz, que controlam o PDT no Estado.

CAPACITAÇÃO – O presidente da Amupe, José Patriota (PSB), está convidando os prefeitos do Estado para o curso de capacitação com vistas às mudanças na legislação eleitoral para o pleito do ano que vem, no próximo dia 18. A inscrição pode ser feita num link disponibilizado no meu blog.

Perguntar não ofende: Por que o deputado Túlio Gadelha (PDT) nunca participa de eventos em favor do Estado em que a bancada federal adere 100%?

Publicado em: 05/11/2019