Brasi fora da OCDE: mais que derrota

Foto: Reuters | Reprodução

O Globo  

Por Ascânio Seleme

 

Perder é ruim, perder para a Argentina é pior . A máxima do narrador e “filósofo” Galvão Bueno serve muito bem agora para explicar o vexame do governo Bolsonaro ao ser ignorado pelos Estados Unidos na carta de indicações para a OCDE.

O presidente e seus assessores explicaram que foi uma simples questão de “ timing ” e que a indicação do Brasil virá em um ano, um ano e meio. 

Pode ser, mas diante da instabilidade retórica e emocional de sua excelência, vai ser difícil ver seu pleito aprovado pela França de Macron ou a Alemanha de Merkel. Enquanto isso, a Argentina segue mesmo caindo aos pedaços.

Publicado em: 14/10/2019