Coluna desta terça na Folha

Provocou expulsão e se deu mal

Ao afirmar, ontem, que a suspensão do seu mandato por 12 meses foi pior do que a expulsão do PSB, o deputado Felipe Carreras tem razão. Expurgado, ficaria livre para se abrigar em outra legenda e disputar a Prefeitura do Recife, projeto para calçar a sua trajetória política. Ficar sem ter o direito de representar o partido em comissões, CPIs, conselhos e ser sugerido para relatar matérias de envergadura no Congresso é uma cassação branca.

Tolheram o seu mandato, colocaram algemas para não voar, o amordaçaram. Virou o patinho feio do universo socialista. Para se libertar de tudo isso, o imbróglio é gigantesco. Alegar perseguição para continuar filiado a um partido é um recurso que muitos usam na justiça para mudar de lado.

A suspensão do mandato, no entanto, não dá esse respaldo jurídico para debandar. Ele terá que continuar desobedecendo o partido em outras instâncias e votações de vida e morte para o PSB, até ser expulso como reincidente.

Pela expulsão – Na sua fala, ontem, ao Frente a Frente, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, disse que o sentimento majoritário no partido no julgamento dos infiéis era pela expulsão de todos os dez parlamentares, tendência não confirmada porque, com exceção de Átila Lira (PI), os demais são deputados de primeiro mandato e não tinham histórico de rebeldia ou traição à legenda.

Matriculado – Siqueira jogou pesado também em relação ao deputado expulso Átila Lira, do Piaui. Negou que se tratasse de um histórico da legenda. “Ele nunca teve tradição no socialismo e se inclui entre os matriculados no partido e não filiados”, ironizou. Quanto à votação da reforma tributária, próxima novela mexicana na Câmara, disse que o partido não fecha questão.

Que luxo! – O pouco conhecido hospital Vila Nova Star, que o presidente Bolsonaro fará mais uma intervenção cirúrgica, está voltado para o segmento Premium. Fica na Vila Mariana e em conforto bate o Sírio e o Einstein. Tem chefe francês cuidando do cardápio, investimento da ordem de R$ 2 bilhões do grupo D`Or. Gritante contraste em relação aos hospitais do SUS.

Medalha – Dois ilustres pernambucanos serão agraciados pela medalha do Mérito Legislativo da Câmara dos Deputados, no próximo mês: o ex-ministro Armando Monteiro Neto e o ex-senador Marco Maciel, por indicação dos líderes André de Paula (PSD) e Augusto Coutinho (SD), respectivamente.

Não quer – O líder do PSD na Câmara, André de Paula, garante que está de fora da indicação de cargos do segundo e terceiro escalões federais em Pernambuco. A bancada foi convocada, amanhã, para discutir os critérios de preenchimento dos órgãos cobiçados, mas André já antecipou sua ausência.

PAU NA COMPESA – O secretário de Governo de Caruaru, Rubens Júnior, que postou nas redes sociais que já dava para fazer piquenique ao redor do rio Ipojuca, disse que usou uma figura de retórica para reforçar que a prefeita cumpre sua parte ao limpar às margens do rio. “O resto é com a Compesa”, provocou.

Perguntar não ofende: Por que Paulo Câmara e Geraldo Júlio não defenderam um voto em separado para tirar Felipe Carreras do grupo que sofreu a suspensão dos seus mandatos?

Publicado em: 02/09/2019